Cruzeiro x Vasco(RJ) = O Jogo que eu vi
Centenário Clube Competição Cruzeiro Esporte Futebol O Jogo que eu vi Opinião Profissional

O jogo que eu vi – Cruzeiro x Vasco(RJ)

O jogo que eu vi

Esta trilha mostrará a perspectiva de um torcedor cruzeirense após cada partida que envolva o Cruzeiro, conforme a descrição da página principal. Assim sendo, o confronto deste texto é: Cruzeiro x Vasco(RJ), válido pela 6a rodada do turno no Brasileiro 2021 da Série B.

Um jogo, não apenas segundo o treinador Mozart, determinante para as pretensões e objetivos do Cruzeiro para a temporada.

Cruzeiro x Vasco(RJ)

FICHA TÉCNICA

Motivo: Jogo da 6ª rodada (Turno) do Campeonato Brasileiro 2021 – Série B

Local: Estádio Magalhães Pinto – Toca 3 – Belo Horizonte (MG)

Data e horário: 24 de junho de 2021 (quinta-feira), às 21h30

Árbitro: Vinícius Gonçalves Dias de Araújo (SP) – CBF/AB

Assistente 1:  Anderson José de Moraes Coelho (SP) – CBF/AB

Assistente 2: Herman Brumel Vani (SP) – CBF/AB

Quarto Árbitro: André Luiz Skettino Policarpo – CD (MG)

Analista de Campo: Rogério Pereira Costa – CBF (MG)

Público: Jogo de portões fechados devido à pandemia

Renda: Sem renda de bilheteria.

Gols: Morato (Vasco) aos 9min, Matheus Barbosa (Cruzeiro) aos 15min e 28min do primeiro tempo.

Cartões Amarelos: Matheus Barbosa, Daniel Baumfeld (Md), Daniel Pereira (Cruzeiro), Léo Jabá e Daniel Amorim (Vasco).
Cartões Vermelhos: Paulo (Cruzeiro), Bruno Gomes (Vasco).

CRUZEIRO 2
Fábio-1; Cáceres-2, Joseph-23, Ramón-4, Paulo-33 e Felipe Augusto-22 (Matheus Pereira-6 aos 28min do 2T); Bruno José-16, Rômulo-27 (Adriano-15 aos 44min do 2T), Matheus Barbosa-17 (Ariel Cabral-26 aos 28min do 2T) e Marcinho-95 (Stênio-19 aos 28min do 2T); Rafael Sóbis-10 (Guilherme Bissoli-29 aos 28min do 2T). Técnico: Mozart

Reservas: Vítor Eudes-39,Aíton-7, Vinícius-40, Flávio-30, Jadson-88, Norberto-32, Claudinho-49.

VASCO 1

Lucão-28; Zeca, Ernando-44, Leandro Castán-5 e Riquelme-45 (João Pedro-21 aos 32min do 2T); Morato-10 (Léo Jabá-7 aos 13min do 2T), Bruno Gomes-23, Andrey-6 (Gabriel Pec-11 aos 32min do 2T) e Matheus Nunes/MT-32 (Juninho-50 no intervalo) (Daniel Amorim-17 aos 39min do 2T); Marquinhos Gabriel-31 e Germán Cano-14. Técnico: Marcelo Cabo

Reservas: Hedhe-24, Miranda-35, Cayo Tenório-2, Ricardo Graça-36, Matias Galarza-19, Sarrafiore-33.

Cruzeiro x Vasco(RJ) – O Jogo

O confronto vai um pouco além da marca histórica de “Centésimo Jogo”. O inédito confronto pela Série B é curioso, se bem que será sempre “pegado” pela rivalidade.

O técnico Mozart manteve a formação com três zagueiros e, a princípio, o mesmo esquema tático com jogadores diferentes. Por outro lado, permanece a indefinição de um consenso sobre o esquema tático. Comentaristas ( torcedor de rede social não conta ! ), contudo, apresentam opções e visões diferentes que até a tática no ” quadro ” fica confusa.

Eu vi um 3-2-2-2-1, conforme identifiquei na partida anterior. Por outro lado, outras pessoas viram um 3-5-2-1 ou até mesmo um 5-4-1. Enfim, quando não temos um alinhamento teórico sobre a escalação nem entre comentaristas profissionais, a sequência do jogo e as substituições provocam mais confusão ainda.

A princípio, não gosto da escalação, simultaneamente, de três ou quatro jogadores: Joseph, Matheus Barbosa, Rômulo e Felipe Augusto.

Vamos ao jogo …

Primeiro tempo

Melhores lances

6min50s

Depois que o goleiro adversário cedeu escanteio, lado esquerdo de ataque do Cruzeiro, a cobrança resultou em finalização a poucos centímetros do gol. Uma bola parada que contou com a presença de área de jogadores defensivos.

8min30s

Logo em seguida, no primeiro ataque efetivo do adversário uma sucessão de erros possibilita o gol do Vasco(RJ). Uma bola na canela, um drible aplicado por Marquinhos Gabriel em Rômulo (coisa de juvenil) e uma bola cara a cara com Fábio.

13min20s

Marcinho finaliza, ainda que de fora da área, exigindo uma defesa do goleiro adversário para linha de fundo. Marcinho que estava para ser dispensado tem mostrado que é o mais lúcido e capaz de todo o time. Certamente, o melhor na finalização de longa e média distância.

14min10s

Na cobrança de escanteio, da mesma forma que o lance no início da partida, desvio e finalização de Matheus Barbosa para o fundo das redes. Pela semelhança com o lance anterior, suspeito que seja uma jogada ensaiada com cabeceio de jogadores altos e chegada de “elemento surpresa” no “segundo pau”. Mesmo que meio “a bola bate no Matheus Barbosa”, teve valor de um gol importantíssimo naquele momento.

27m10s

Logo após uma importante recuperação de bola do mais que voluntarioso Bruno José, numa jogada de qualidade, e cruzamento não aproveitado, a bola sobra na meia-lua da área para um tiro firme e certeiro de Matheus Barbosa, fazendo a virada do Cruzeiro.

35m30

É provável que a falta sofrida por Rômulo não resultasse em nada. Entretanto, o zagueiro Paulo resolveu ” tomar as dores ”  de seu companheiro de equipe e além de ser agredido ainda foi expulso. Com toda a certeza, as expulsões, uma de cada lado, dariam o contorno do restante da partida.

43m10s

Cruzeiro com a bola dominada e Rômulo apresenta-se para receber mas é desarmado e possibilita chute contra o gol de Fábio perigo.

49m30s

Vasco(RJ) consegue boa armação, Cruzeiro com 6 ou 7 defensores não consegue impedir chute de longa distância que obrigou Fábio a colocar para escanteio.

Segundo tempo

Melhores lances

39m00

Atacante adversário ganha quase no meio campo, carrega a bola e Ramón evita a finalização em direção ao gol cedendo escanteio.

51m00

Mesmo com domínio territorial e mais posse de bola, o Vasco(RJ) não conseguia chegar ao gol e numa cobrança de escanteio, na finalização a bola passa perigosamente à esquerda de Fábio.

Resenha

O primeiro tempo foi bem disputado até as expulsões, a partir dali, com a vantagem no placar, o Cruzeiro cedeu espaço ao adversário. O panorama mudou, mas o jogo terminou equilibrado e com chances reais.

O segundo tempo, com superioridade de posse de bola do Vasco, foi terrível para o Cruzeiro. Torcedores contando os segundos para encerrar a partida e garantir os três pontos.

O jogo que foi bom no primeiro tempo, disputado, caiu de qualidade assustadoramente. De acordo com o que escrevi, as expulsões determinaram a queda de qualidade da partida.

Um primeiro tempo bom, mas um segundo tempo péssimo e a descrição dos melhores momentos comprova esta avaliação. Engraçado é que a narração varia do enfadonho narrador que não consegue nem reproduzir aquilo que vê, até o narrador cheio de adrenalina que antevê possibilidade de gol até em jogada de lançamento interceptado.

Pérolas

Num jogo destes e no estado em que se encontra a maioria da torcida do Cruzeiro, a vitória deve servir para aumentar o estupor nas redes sociais.

No Twitter, logo após o gol do adversário (9min 1T) foi possível ler o diálogo do quadro a seguir. É preciso, sobretudo, dizer o que estes torcedores fazem 5 minutos após o empate: fingem que não escreveram nada.

CECxCRVG_24jun
Reprodução: Twitter

Além destas pérolas, muito mais pode ser lido nos grupos, uma vez que, especialmente de Whatsapp, os torcedores mal conseguem avaliar jogadores, time, adversários etc. e ver o jogo ao mesmo tempo.

Com toda a certeza, ficam mais preocupados com a cor do calção, com as esquisitices dos árbitros, com tudo extracampo, como se fosse resolver alguma coisa. Enfim, frases como ” o cabuloso voltou ” são tão ou mais patéticas do que o grito “ Eu acredito ! “.

Além do jogo

Certamente, aqueles torcedores que comemoraram muito a vitória sobre a Ponte Preta(SP) e choraram a derrota contra o Operário(PR), agora podem cumprir o ciclo positivo.

Escrevi, por exemplo, que o torcedor não gosta do Matheus Barbosa. Como consequência, não admite que ele possa entrar e ajudar, eu nem o escalaria junto com outros. Entretanto, se antes eu pensava na crítica para o cara “artilheiro” do ano, agora tenho que somar mais dois gols.

Desse modo, torcedores de redes sociais querem, cada vez mais, torcer para a própria opinião. Estão chegando bem próximo do que classifico como torcedor teleguiado de time e que não tá nem aí para o ” football association “. Em suma, cada vez mais parecidos com torcedores gambás, urubus e frangas.

P. S. ver torcedor falando que o gramado estava em estado ruim por causa dos escorregões é de uma estupidez ímpar. Mas é o que temos comentando nas redes sociais “profissionalmente”.

Off Side: As vitórias devem ser comemoradas pelos três pontos, mas deve-se dar destaque para a (baixa) qualidade dos adversários. Fora o líder Náutico(PE), não tem nenhuma outra equipe que se mostra preparada para atropelar e ser ” pule de dez “. Arrisco a dizer que tá mais para ” cavalo paraguaio “.

Arbitragem

Escrever, analisar, avaliar a performance do árbitro principal e do quinteto, de acordo com o que tenho escrito, está ficando muito chato e repetitivo.

O time do Cruzeiro tem sido prejudicado, se bem que a atitude do time e a  ruindade de alguns jogadores leva a que os árbitros deitem e rolem contra o Cruzeiro.

Certamente, o time mais indisciplinado não é somente pelo despreparo e desqualificação da arbitragem, deve haver algum limite.

Repetindo, esses árbitros são, sobretudo, péssimos, além de comandados pela pior espécie de péssimos dirigentes de federações, CBF e tribunais de exceção desportiva.

Atuações

Quando as atuações individuais são mais equilibradas, certamente um conjunto medíocre consegue se apresentar melhor. Quando alguém comete alguma falha ou se omite, certamente, outros jogadores ” pagam ” pelo todo.

Paulo Expulso - Alan Alencar - Minas esportes

Se bem que muitos torcedores são incapazes de falar quem foi o “pior” e se metem a escolher o “melhor”, como se tudo fosse igual. Como se não bastasse, a influência de narradores e comentaristas, verdadeiros avaliadores de “gols do Fantástico”, via de regra, elegem quem fez o gol da vitória como o melhor. Antes que tirem conclusões apressadas, este absurdo leva a maioria da torcida a não enxergar a importância de jogadores como Bruno José e Marcinho, no jogo de ontem.

Em suma, algumas torcedores deveriam passar pelo teste de Melhor, Pior, Herói e Vilão, para depois falar sobre o jogo e ver as minhas escolhas:

Melhor em campo – Marcinho

Pior em campo – Felipe Augusto

Herói do jogo – Matheus Barbosa

Vilão do jogo – Rômulo

Destaque, acima de tudo, para o empenho e dedicação do Bruno José, o que tem se tornado uma constante depois da chegada do técnico Mozart. De fato, ele é um ” motorzinho ” que deveria ser melhor aproveitado e está sendo sobrecarregado pela omissão de dois ou três jogadores durante a partida.

CECxCRVG_BrunoJose

Notas:

Fábio(5), Cáceres(6), Joseph(5), Ramón(6,5),  Paulo(4), Felipe Augusto(2), Matheus Pereira (sem nota); Bruno José(7), Rômulo(2),  Adriano(sem nota), Matheus Barbosa(7), Ariel Cabral(5,5), Marcinho(7,5), Stênio(sem nota), Rafael Sóbis(4), Guilherme Bissoli(sem nota). Técnico: Mozart(5).

Paulo sai expulso – Foto: Alam Alencar – AME

Destaques

Alguns destaques sobre as atuações devem ser feitos:

  1. Realizar cinco substituições parece prejudicar o time e, portanto, a avaliação individual da maioria dos jogadores.
  2. Alguns atletas demonstram, inegavelmente, pouca condição física para atuar durante 90 minutos.
  3. O técnico Mozart tem feito substituições inexplicáveis aos olhos de quem não conhece a realidade do Cruzeiro. Ele (Mozart), certamente não precisa explicar as substituições, mas deve haver alguma coerência.
  4. Rômulo participou, negativamente, de todas as jogadas perigosas e do gol do adversário e, portanto, é um engodo na avaliação de muitos torcedores. Se bem que, é  impressionante como narradores, comentaristas e torcedores de redes sociais e de boteco criticam somente o ‘lance final”.
Cruzeiro x VASCO(RJ)- Histórico
Números totais do confronto
Número de jogos 100
Vitórias do Cruzeiro 37
Empates 32
Derrotas 31
Saldo de vitórias 6
Gols do Cruzeiro 150
Gols de Vasco 128
Saldo de gols do Cruzeiro 22
Jogo mais recente considerado –  Cruzeiro 2×1 – 24/06/2021
Fonte: CruzeiroPedia
Artilheiros

Marcelo Ramos (5), Cleisson (4), Deivid, Guilherme Gusmão, Sassá (3).

Curiosidades

O jogo seria realizado dia 23. Assim sendo, foi adiado para 24, para evitar conflito de horário com partida da Seleção Brasileira pela Copa América a mando da emissora detentora dos direitos do Campeonato Brasileiro.

A última vitória de “virada” do Cruzeiro foi contra o Guarani(SP) em Campinas no ano passado, onde Fábio e Cáceres foram titulares, o que se repetiu no jogo de ontem. Ariel Cabral foi titular na partida em Campinas e entrou no decorrer do confronto de ontem, muito pouco para um período de um ano.

Desde janeiro de 2001, atuando em Belo Horizonte e no Mineirão (Toca 3),  o Cruzeiro só perdeu uma única partida diante do Vasco, dentre as 15 disputadas.

O que vem por aí

Estamos aprimorando a ideia de proposta do projeto “O jogo que eu vi” e, por isso, temos esperado algumas reações imediatas para depois publicarmos cada texto.

Enfim, agora é pensar no próximo adversário, o CSA(AL) que alimentou uma rivalidade estranha de diretoria, técnico, jogadores nas últimas três temporadas. Portanto, uma verdadeira batalha em Maceió está por vir.

 

Arte: Romero Marconi

Fontes de pesquisa

Esta edição de “O jogo que eu vi” foi escrita por

Evandro Oliveira

Nota do editor

A trilha ” O jogo que eu vi ” mostra, não apenas, um ponto de vista, e muito mais sobre  determinada partida. Inclui, além disso, uma completa ficha técnica do jogo. Sempre com o propósito de que qualquer torcedor possa descrever o jogo que ele viu.

Desde já, agradecemos quaisquer sugestões, mesmo que sejam críticas e indicações de erros.

Trilhas PHD

Admin_PHD
Raposão PHD Páginas Heroicas Digitais
https://paginasheroicasdigitais.com.br

Deixe uma resposta