Confiança(SE) x Cruzeiro
Centenário Clube Competição Cruzeiro Esporte Futebol História O Jogo que eu vi Opinião Profissional Resenha

O jogo que eu vi – Confiança(SE) x Cruzeiro

O jogo que eu vi

Esta trilha mostrará a perspectiva de um torcedor cruzeirense após cada partida que envolva o Cruzeiro. Sempre, de acordo com a descrição da página principal. Assim sendo, o confronto da vez é: Confiança(SE) x Cruzeiro. Desse modo, falaremos do jogo pela 1a rodada do Brasileiro da Série B de 2021.

Confiança(SE) x Cruzeiro

FICHA TÉCNICA

Motivo: 1ª rodada da Série B do Brasileiro

Local: Estádio Estadual Lourival Baptista – Batistão – Aracaju (SE)

Data e horário: 29 de maio de 2021 (sábado), às 16h30

Árbitro: André Rodrigo Rocha (TO) – CBF/AB

Assistente 1: Cipriano da Silva Sousa (TO) – CBF/AB

Assistente 2: Samuel Smith Nobrega Silva (TO) – CBF/AB

Quarto Árbitro: Thayslane de Melo Costa – FIFA (SE)

Público: Jogo de portões fechados devido à pandemia

Renda: Sem renda de bilheteria.

Gols: Neto Berola, aos 32min do primeiro tempo; Guilherme Bissoli, aos 10min, Cristiano, aos 26min, e Daniel Penha, aos 34min do segundo tempo.

Cartões Amarelos: Willians Santana, Serginho, Bareiro e Cristiano (Confiança); Adriano e Fábio (Cruzeiro)
Cartões Vermelhos: Adriano e Fábio (Cruzeiro)

CONFIANÇA 3

Rafael Santos-1; Leandro Silva-2, Victor Sallinas-4, Nery Bareiro-3 e João Paulo-6; Gilberto-5 (Bruno Sena-17), Serginho-8 (Álvaro-21) e Daniel Penha-10; Neto Berola-7 (Lucas Barcelos-20), Willians Santana-9 (Cristiano-19) e Luidy-11 (Marcelinho-13). Técnico: Rodrigo Santana.

Reservas: Careca-12, Nirley-14, Isaque-15, Luciano Juba-16, Rafael Vila-22, Renan Areias-23, Everton-18.

CRUZEIRO 1

Fábio-1; Cáceres-2, Joseph-23 (Matheus Neris-5), Ramon-4 e Matheus Pereira-6; Adriano-15, Matheus Barbosa-17 (Flávio-30) e Rômulo-27; Airton-7  (Guilherme Bissoli-29), Bruno José-16, (Stênio-19) e Rafael Sóbis-10 (Lucas França-12). Técnico: Felipe Conceição

Reservas: Wéverton-34, Paulo-33, Kaiki-46, Jadson-88, Marco Antônio-20, Felipe Augusto-22.

Confiança(SE) x Cruzeiro – O Jogo

Confiança(SE) x Cruzeiro foi a partida inicial da competição mais importante para o Cruzeiro em 2021. O Cruzeiro apresentou-se com seu uniforme todo branco, comemorativo do Centenário com detalhes dourados. Por outro lado, o Confiança vestiu seu uniforme todo em azul.

Em primeiro lugar, as expectativas do torcedor cruzeirense estão se pautando em termos da opinião dos adversários e da permanência na Série B. Para a partida contra o Confiança não foi diferente do que tem sido desde o início de 2020.

Enquanto esperavam o início da partida, torcedores falando sobre a preocupação do estado do gramado e outros assuntos estéreis. Esquecem ou não sabem que um jogo, a competição e tudo mais exigem fatores diferentes que vão muito além da condição específica visível. Estamos vivenciando a imagem da ponta do iceberg que vai fazer afundar um Titanic e os comentários, inclusive dos profissionais da mídia, só reforçam nosso drama.

Primeiro tempo

Um começo de jogo ruim que daria o tom das performances dos jogadores do Cruzeiro na partida.

O posicionamento dos jogadores com melhores características era incompreensível. Rômulo, por exemplo, fica muito fixo num lado de campo, Sóbis meio isolado e lampejos de Aírton e Bruno José são insuficientes. Adriano fica sobrecarregado e os laterais não arriscam apoio, enfim, uma formação tática pobre como os recursos do elenco.

Além disso, a presença constante de Matheus Barbosa no meio-campo titular preocupa por alguns motivos: 1) Não mostrou nenhuma qualificação nas partidas e sobrecarrega o trabalho de Adriano; 2) Talvez não exista no elenco alguém mais qualificado do que ele; 3) É provável que ele tenha alguma cláusula contratual que obrigue sua escalação.

De nada adianta o esforço de determinados jogadores pois o torcedor é influenciado pelos comentários de narradores e comentaristas profissionais. Certamente, comentaristas de redes sociais na ânsia de reclamar ajudam a criar um senso comum perigoso.

O primeiro tempo não poderia terminar de uma forma pior, sem dúvida a pior estreia do Cruzeiro em uma competição em 100 anos. Erro de arbitragem que poderia mudar o cenário do jogo; jogada do adversário em função de problemas de marcação, dois jogadores expulsos por problemas de posicionamento tático e debitados na conta de cada jogador, foram as conclusões parciais e, talvez, apressadas.

Segundo tempo

Logo após o encerramento do primeiro tempo, as expectativas do torcedor eram de que o técnico daria um jeito no time no intervalo. Este tipo de comentário é lido o tempo todo e sequer passa pela cabeça das pessoas que o técnico não tem poção mágica para fazer isso.

As substituições feitas foram uma tentativa de diminuir o estrago e a tal bola parada era a única possibilidade de diminuir a tragédia. Desse modo, o gol do estreante Guilherme Bissoli encheu de esperanças muitos torcedores, mas não me iludiu. Por outro lado, constatei que o processo de ligação do goleiro (Lucas França) para o ataque era a única forma do Cruzeiro jogar. A defesa fazia o que podia, mas existem limites físicos e técnicos que precisam ser avaliados com mais racionalidade.

As substituições do Confiança, feitas após o gol de empate, demonstraram que o time adversário ia pra cima. Certamente, era somente questão de tempo para sermos massacrados ou Lucas França virar herói.

Ao final da partida, nos acréscimos dado pelo árbitro, com toda a certeza o Confiança pisou no freio e ficou tocando a bola para não pressionar mais. Enfim, eu nunca vi um adversário tão fraco como este Confiança aliviar para o Cruzeiro como no jogo deste sábado.

Conclusões

Surpreendentemente, profissionais da mídia e cruzeirenses nas redes sociais fazem comentários que não se sustentam, minimamente, nas circunstâncias do jogo. Da mesma forma, ouvir as declarações do presidente do clube e do técnico após o jogo é desanimador. De acordo com a minha interpretação, parece que ganhamos a partida, tivemos boa apresentação e as intercorrências foram normais.

Felipe Conceição foi questionado durante a partida mesmo que os críticos não tivessem muito fundamento e estivessem olhando o resultado parcial e final. Achar culpado em esporte coletivo é atividade predileta de quase todos. Se bem que, Felipe Conceição mostrou a mesma inconstância que vários treinadores em temporadas recentes. É provável que, por este jogo, pela escalação, pelas substituições e postura do treinador, uma espada seja colocada sobre a cabeça dele.

Desse modo, é incompreensível que profissionais da mídia e torcedores elejam um ou dois jogadores ou até mesmo o técnico como culpados. Este é um erro geral que se repete e que não concordamos.

Atuações

Em suma, observando as estatísticas posteriores ao jogo e avaliações em geral, cheguei às seguintes avaliações (sempre somente do Cruzeiro):

      • Melhor em campo – Rômulo
      • Pior em campo – Matheus Barbosa
      • Herói do jogo – Guilherme Bissoli
      • Vilão do jogo – Fábio

Notas:

Fábio(2), Cáceres(5), Joseph(5), Matheus Neris(sem nota), Ramon(5), Matheus Pereira(5); Adriano(4), Matheus Barbosa(3), Flávio(Sem Nota), Rômulo(6), Airton(4), Guilherme Bissoli(4), Bruno José(5), Stênio(sem nota) e Rafael Sóbis(4), Lucas França(5). Felipe Conceição(3).

Guilherme Bissoli - Confiança(SE) x Cruzeiro - Gustavo Aleixo/Divulgação
Guilherme Bissoli – Confiança(SE) x Cruzeiro – Gustavo Aleixo/Divulgação

Comparação de movimentação dos dois volantes que atuaram no primeiro tempo. Em suma, Matheus Barbosa e Adriano deveriam ser os volantes defensivos para liberarem o Rômulo e os laterais na armação e apoio. O gráfico térmico mostra quem ficou mais sobrecarregado.

Fonte : SofaScore
Fonte : SofaScore

Confiança(SE) x Cruzeiro – Histórico

Logo após o encerramento deste jogo, o Confiança igualou as vitórias que o Cruzeiro tinha no confronto. Desse modo, Confiança(SE) x Cruzeiro tornou-se um embate equilibrado, considerando o total.

ESTATÍSTICA DOS CONFRONTOS

  • Cruzeiro 2 x 0 Confiança – 29set1976 – Mineirão – Belo Horizonte(MG) – Copa Brasil 1976
  • Confiança 0 x 3 Cruzeiro – 24out1976 – Batistão – Aracaju(SE) – Copa Brasil 1976
  • Confiança 1 x 1 Cruzeiro – 20ago2020 – Batistão – Aracaju(SE) – Brasileiro Série B 2020
  • Cruzeiro 1 x 2 Confiança – 27mov2020 – Mineirão – Belo Horizonte(MG) – Brasileiro Série B 2020
  • Confiança 3 x 1 Cruzeiro – 29mai2021 – Batistão – Aracaju(SE) – Brasileiro Série B 2021

Histórico: 5 jogos, Cruzeiro venceu 2, empatou 1, perdeu 2, marcou 8 gols e sofreu 6.

Artilharia: Cáceres(2), Guilherme Bissoli, Jairzinho, Lívio, Palhinha, Ronaldo e Valdo(1).

Curiosidades

Guilherme Bissoli fez sua estreia e assinalou gol com pouco tempo em campo. Flávio e Joseph foram contratados recentemente, contudo já  entraram em campo. O zagueiro Joseph, com efeito, entrou como titular e não comprometeu.

O Campeonato Brasileiro de 1976 chamava, anteriormente, Copa Brasil. O Cruzeiro venceu o Confiança mas foi disputar a “Repescagem”.  A nova vitória não garantiu a classificação e o time foi eliminado da competição nacional. Passou então a dedicar para a decisão do Mundial Interclubes de 1976.

A expulsão de dois jogadores ainda no primeiro tempo é, de fato, uma raridade na história do Cruzeiro. Certamente, um dos expulsos na primeira etapa ser o goleiro é fato inédito.

 

Imagens: Site Oficial do Cruzeiro –

Fontes de pesquisa

Esta edição de “O jogo que eu vi” foi escrito por

Evandro Oliveira

Nota do editor

A trilha ” O jogo que eu vi ” mostra como cada torcedor viu determinada partida e inclui uma ficha do jogo fiel à partida. Sempre com o propósito de que qualquer torcedor possa descrever o jogo que ele viu, com curiosidades e outras informações que não se vê por aí.

Trilhas PHD

4 Replies to “O jogo que eu vi – Confiança(SE) x Cruzeiro

  1. Nesse jogo acredito que o Cruzeiro pecou por não saber o que fazer com a bola quando teve domínio da partida por 30 minutos. Apesar de aparecer bem na direita do ataque, os jogadores não faziam a melhor escolha. Tomamos o gol, aí veio duas expulsões em seguida. Mesmo com dois a menos o time empatou e quase virou. Mesmo tomando o segundo gol o Cruzeiro quase chegou ao empate, mas acabou tomando o terceiro. Não tenho dúvidas que se não houvesse as duas expulsões, o Cruzeiro ganharia esse jogo.

    1. Fábio,
      o fato de ter empatado com dois homens a menos é, circunstancial e não demonstra NENHUMA capacidade de organização do time.
      Não ter chutado uma bola que levasse perigo ao gol adversário não corrobora sua visão de que “dominou” o primeiro tempo.
      O Cruzeiro teve, segundo estatísticas, mais de 60% de bola nos pés, sem saber o que fazer com ela.
      Analogamente ao Tiki-Taka espanhol, temos o Tic-tac de um relógio só com ponteiro das horas…

  2. Ouvi muita gente falar que a série B seria a mais difíceis de todas, já que tinha Botafogo, Vasco, Coritiba, etc. Questionei colegas dizendo que esses mesmos times citados não estão acima do Cruzeiro. Aliás creio que estão bem abaixo. Se o Cruziero conseguir um mínimo de organização e pagamento em dia, o time sobe.

    1. Fábio,
      Não estamos acima e nem abaixo. Estamos JUNTOS na série B, com os mesmos problemas de todos os outros e com poucas ou nenhuma vantagem em relação aos demais. Sua “teoria” do “… se conseguir mínimo de organização e pagamento em dia”, vale para TODOS os outros 19, até para o Confiança.

Deixe uma resposta