Atleticanização e Anti6a1o
Clube Competição Cruzeiro Esporte Estádio Futebol Opinião Toca 2 Torcida

A Atleticanização da torcida do Cruzeiro – Evandro Oliveira

Atleticanização

Em primeiro lugar, não adianta procurar a palavra atleticanização nos dicionários pois os filólogos ainda estudam o fenômeno. Portanto, uma palavra para ser incorporada como um verbete em publicações, precisa passar por um estudo profundo. Este termo surgiu da percepção de alguns torcedores do Cruzeiro que estavam prevendo que alguns acontecimentos modificaram o comportamento dos cruzeirenses.

Assim sendo, creio que na primeira metade dos anos 2010, este termo começou a circular em redes sociais. Certamente eu tenho uma ideia de quando e porque começou, mas existirão muitos querendo assumir a paternidade se o termo se tornar algo que dê retorno. Muitos que se dizem torcedores do Cruzeiro são mais anti6a1o do que cruzeirenses e, com toda a certeza, isso é o começo do fim.

Anti6a1o.Org

Atuei, desde antes do início da Internet conhecida como ” Ponto.Com ” no Brasil com redes sociais ( tataravós de coisas como Whatsapp, Twitter etc.). Desse modo, ajudei a construir muitas coisas relacionadas ao Cruzeiro e muitos dos que hoje são grandes influenciadores eram pré-adolescentes à época. Provavelmente, os mais mal criados e desrespeitosos tenham sofrido o processo de atleticanização.

Desde que comecei a atuar com Internet e Cruzeiro, sempre me mantive fiel a certos preceitos. Ajudar todos os cruzeirenses que se dispunham a fazer qualquer coisa pelo Cruzeiro era um. Outro era não tratar nada que fosse relativo ao rival ou parafraseando Felício Brandi, “… enquanto eles se preocupam em nos vencer, nos preocupamos com títulos e conquistas além das montanhas do Curral Del Rey … ”

Desse modo, cheguei a apoiar um site que se inspirava somente na luta e zoação dos rivais citadinos. O Anti6a1o.Org(1) era um espaço debochado e que tinha participação de uns cruzeirenses bem criativos que me orgulho de ter apoiado, sem misturar as ” estações “. Uma pena que a minha teoria estava certa, tudo que conseguiram perdeu-se no tempo e as cópias de baixa qualidade procriaram como ratos.

Redes Sociais

Hoje, em redes sociais como o Twitter detectamos influenciadores ganhando dinheiro e vivendo só de zoação. Por outro lado, a qualidade e posicionamento da torcida que segue este povo em relação ao Cruzeiro, é praticamente nula.

Ficou impossível falar qualquer coisa sobre a torcida do Cruzeiro em relação a ela mesma, uma vez que as redes sociais determinam todos os comportamentos. Influenciadores e gente que acha que tem opinião formada ( alguns nem sabiam ler e escrever quando da criação do termo atleticanização ) reclamam quando são classificados com algum tipo de adjetivo a palavra torcedor.

Muito antes do termo atleticanização surgir eu e outro cruzeirense já escrevíamos sobre os tipos de torcedores ( Torcida Cruzeirense de A a Z – reescrita em 2013 ). O texto original ( 2004 ) tinha outras classificações e, desde então muitos adjetivos foram incluídos ou retirados.

Com toda a certeza, muitos torcedores ficam incomodados ao serem chamados de simpatizantes. Entretanto, quando se fala na atleticanização da torcida do Cruzeiro, nas redes sociais, não tem ninguém que veste a carapuça, mas apontam sempre o dedinho para os outros.

Atleticanização dos Cruzeirenses

Fala, Torcedor !(2)

Paulo de Tal, um cruzeirense que se apresenta como realista, em 6 de novembro de 2011 escreveu:

Enquanto isso, o principal responsável pela atleticanização do Cruzeiro está nas suas fazendas, tomando uísque e tramando

RoNilo de tal, outro cruzeirense declarado, que pouco via o Cruzeiro pois morava fora de Minas Gerais, concluiu em 2012:

Se existe um processo de ATLETICANIZAÇÃO no Cruzeiro, posso dizer também, que a torcida há muito tempo vem sendo ATLETICANIZADA! Como pode uma torcida aceitar tanto sofrimento e se contentar com as migalhas? Como pode a maior torcida de MG se preocupar tanto com o rival Atlético e deixar os nossos interesses de lado? Antigamente, o atleticano comemorava as derrotas do Cruzeiro, hoje, os cruzeirenses comemoramos as derrotas do Atlético. Está tudo invertido!!!

Ainda em 2012, após nos salvarmos do rebaixamento na temporada anterior e “comemorar” o 6 a 1 como título, Marcelos Doe falou da torcida:

Concordo quando diz que a torcida tem se tornado medíocre, eu costumo chamar isso de “Atleticanização”. É triste ter que ler que o importante é fazer 46 pontos, e o que vier é lucro. Mas penso de outra forma em relação a isso.

Nesse ínterim outros bradavam, nas redes sociais é claro, coisas do tipo: ” Atleticanização do Cruzeiro!?!?!? NÃO! NUNCA! JAMAIS! INACEITÁVEL! ” ou ” Não quero ver a atleticanização do Cruzeiro ”

Ora… ora… ora… diria o narrador esportivo torcedor do rival, vocês não aceitam, mas milhões atleticanizaram e não tem volta.

Menos Twitter e mais Salomé

Um grande cruzeirense, uma vez que, percebendo que o Cruzeiro ganhou muitos simpatizantes escreveu em 2017 uma crônica com o título ” Um Cruzeiro com menos Twitter e mais Salomé em 2018 “. Conforme o texto, mesmo que tenhamos saído de uma sequência de títulos, iríamos para uma nova fase e ele via que o Twitter estava corrompendo o espírito do cruzeirense. Eu não estava muito animado e publicava crônicas no sentido contrário(3), em oposição ao oba-oba das redes sociais com aquela nova direção.

Parece que os mesmos que se ofendem com a classificação de ” torcedor simpatizante “, não se ofendem ao praticarem atos como nossos adversários sempre praticaram. Tudo começou após a Tríplice Coroa e o rebaixamento deles. A torcida renovou, passou a usar plataformas como Orkut até desembocar em pragas como Twitter e Whatsapp.

Enfim, a atleticanização da torcida do Cruzeiro é fato consumado. De nada adiantou um outro conhecido cruzeirense pedir aos torcedores dos grupos de Orkut: ” deixem eles com os problemas deles, eles se bastam, fiquemos somente olhando … “.

Parece que os papéis se inverteram, entretanto temos a ” vantagem ” de que eles ainda continuam sem ganhar nada.

Até quando mesmo?

A Série B

Este texto vem sendo planejado há muito tempo, mas resolvi publicá-lo às vésperas da estreia da Série B para mostrar para todos os torcedores cruzeirenses que o processo de atleticanização ( que passa principalmente pelos simpatizantes e raivosos de rede social ) não vai ajudar em nada o Cruzeiro.

Ficar pedindo a cabeça de jogadores, técnicos, dirigentes e reclamando em rede social é como nossos adversários faziam alguns anos atrás, até que os dirigentes deles resolveram nos “destruir”. Desde que eles contrataram tanta gente que tinha sido do Cruzeiro, eles passaram a pensar como o Cruzeiro.

Em suma, a torcida do Cruzeiro ainda vai achar que eu não deveria escrever isto e fica mais preocupada com zoação de rede social do que com o que está acontecendo com o time e a nossa torcida. A torcida do Cruzeiro fã e seguidora de perfis de redes sociais tem feito, escrito e pensado muitas coisas estúpidas, dignas de torcedores do nosso rival.

É terrível ! terrível ! terrível !

 

(1) A grafia foi substituída trocando G por 6 e L por 1 por mim, no Twitter, no final de 2011.

(2) Todas as citações são reais e os nomes fictícios.

(3) ” Filosofando Maquiavelicamente ” e outros textos publicados logo após a vitória de Wagner Pires.

Imagem: Reprodução Site Anti6a1o.Org ( 2006 )

Deixe uma resposta