Prof. Francisco Ferreira
Base Clube Cruzeiro Esporte eSports Futebol Opinião Política Profissional Sub-20 Torcida

Cruzeiro: Raio-X da Crise

CRUZEIRO: RAIO-X da CRISE

Não há respostas simples, curtas ou rasas para uma crise com as dimensões da enfrentada pelo nosso querido Cruzeiro.

Como se trata de algo que envolve paixão, como é caso do futebol, o debate muitas vezes fica acalorado e irracional.

Volto a dizer: todo mundo acha que entende de futebol, mas gostar de futebol, não é o mesmo que entender de futebol. PONTO!

Uma verdade

O futebol ainda aceita tudo, basta ver que o Cruzeiro teve um Itair Machado com plenos poderes.

Uma verdadeira ABERRAÇÃO !

A legislação ultrapassada e o sistema/modelo que rege as entidades esportivas é que permitem isso. Há ainda uma esfera política que manda no futebol que simplesmente não quer mudanças, pois caso elas venham, acaba a facilidade para a perpetuação no poder, para as mamatas e para a corrupção.

O jogo político no Cruzeiro é viciado não é de hoje. Vem de décadas, com o domínio absoluto de alguns clãs sobre os destinos do clube. O estatuto é falho;  omisso; dúbio ou não é obedecido à risca, daí chegamos à delicadíssima situação atual.

Quando todos os que realmente pensam no clube esperavam que as barreiras políticas estivessem no chão para uma coalizão maciça pelo reerguimento do clube, eis que interesses pessoais são colocados como empecilho. E são essas barreiras e interesses que possivelmente impediram uma limpa geral no clube.

Há muitos conselheiros idôneos, mas há inegavelmente uma banda podre.

Conselheiros que se vendem por migalhas.

Lembro-me de uma entrevista anos atrás, quando o São Paulo dominava o futebol brasileiro, em que levantaram o fato de que o conselho do clube era formado por pessoas como Antônio Ermínio de Morais, Abílio Diniz… multimilionários que colaboravam efetivamente e serviam ao clube. Não um bando de mortos de fome que ficam mendigando camisa, viagem com a delegação, churrasco, ingressos, etc.

Como os que foram comprados/cooptados pelos crápulas do Wagner, Itair, Serginho, Gaúcho & Cia. SSR pegou um abacaxi gigante!… do tamanho do Cruzeiro.

Suas ideias são modernas e ousadas. Escolheu uma equipe administrativa de primeira linha, mas o futebol, razão de ser e existir do clube; está refém de várias situações complexas que são o resultado de anos e anos de atraso; de práticas antiquadas e prejudiciais ao clube ou da falta de experiência do próprio Serginho e de sua confiança absoluta em alguns colaboradores.

Um pouco de humildade nesta área (que todo mundo “entende”, né?!) seria muito bem vinda !

Mal acostumados

Somos arrogantes e mal acostumados; Nossa torcida é chata; Exigente; E isto nos cegou.

Os quatro títulos de âmbito nacional de 2013/2014 e 2017/2018 cobram o preço por conta de uma cultura inconsequente muito comum no futebol brasileiro: O ganhar a qualquer custo.

Deixar o torcedor feliz, agradar o conselho, ganhar a imprensa, gerar paz política, se manter no poder se possível por longo período… sem se importarem muito com a viabilidade, sustentabilidade, a saúde e o futuro do clube.

Aí está o resultado; um jeito bem brasileiro!

Inferno Astral

O futebol em 2020, em que pese o ano completamente atípico que nos coroa com uma TEMPESTADE PERFEITA, CONSPIRAÇÃO DO UNIVERSO ou mesmo algo de ESPIRITUAL (talvez estejamos vivenciando o lado oposto de uma moeda de conquistas gloriosas que
fizeram a nossa história)…

Vejamos:

1) Estouram os mais escabrosos escândalos de corrupção (o que não foi novidade nenhuma pra quem conhece os bastidores do futebol e já sabia do histórico do abjeto Itair Machado);

2) Crise técnica e o choque de um rebaixamento inédito e inimaginável na história do clube;

3) Situações ridículas e vexatórias, motivo das mais variadas chacotas como o episódio do tal pai de santo;

4) Crise financeira, política e institucional sem precedentes na história do clube;

5) Páginas policiais (MPE, Polícias Civil e Federal);

6) “Novelas” das renúncias;

7) Revolta da torcida;

8) Conselho Gestor: Com todo louvor aceitaram o desafio e impediram o clube de já ter fechado as portas, mas erraram feio ao não terem nenhum membro com vivência específica na parte técnica do futebol;

9) Inevitável e mais do que necessário desmanche de um elenco “queimado” e com salários irreais;

10) Trocas de treinadores;

11) Elenco fraco e montado às pressas para o Mineiro;

12) Diretor de Futebol indicado por uma pessoa que pouco depois viria a ser o diretor do rival. Não estou levantando nenhuma suspeita, apenas mostrando que não é o ideal;

13) Fracasso mais do que esperado no Mineiro;

14) A diabólica Pandemia!;

15) Dívidas astronômicas e de curto prazo;

16) Perda de 6 pontos na Série B, agora com suspeitas de que houve boicote ao pagamento da dívida que levou a isto;

17) Indefinição quanto às eleições;

18) Mandato tampão;

19) Maneira confusa de condução do futebol com contratações duvidosas, dispensa e retorno de jogadores (Caio Rosa, Angulo, Zé Eduardo, Marlon…);

20) Punição da FIFA impedindo a inscrição de novos atletas;

21) Exclusão do PROFUT…

Capítulo SSR

Estou no futebol há mais de 30 anos e alguma coisa eu aprendi; SSR assume, com boas ideias, mas comete alguns erros.

Ao invés de focar tudo no futebol, se dispersa com ideias que não deveriam ser adotadas agora: E-futebol, diretor internacional, excesso de colaboradores (ainda que muitos sejam voluntários, mas o que deveria ser feito é um enxugamento da máquina e não seu inchaço), a entrega do futebol com ampla autonomia para alguém que nunca exerceu a função antes…

Outras situações são mesmo inevitáveis: Ficar sem saída, refém de quem empresta dinheiro para saldar as dívidas urgentes (a falência do futebol brasileiro fica patente na situação de vários clubes dependerem de mecenas.

Inclusive, abro aqui para dizer que o relatório da Kroll feito no rival mostra situações quase tão escabrosas quanto a nossa. O atual prefeito está enrolado até o último fio de cabelo e eles só não estão na mesma situação do Cruzeiro por conta do mecenas Menin que injetou 100Mi de crédito para contratações lá!); e administrar grupos com salários atrasados…

PQP !!! QUE INFERNO ASTRAL !!!

Futebol hoje e amanhã

Mas voltando agora exclusivamente ao futebol, não estou lá dentro para acompanhar, mas acho que não há muito mesmo o que se fazer, não. Acho que nenhum treinador de ponta daria jeito diante de tanta coisa ruim acontecendo. Talvez um treinador motivador, incendiário, tipo um Cuca ou um Lisca Doido da vida, ou talvez um mestre na gestão de pessoas como Felipão, pudesse dar algum gás, mas a percepção é mesmo a de um grupo abatido, apático, derrotado… talvez contaminados por esta soma absurda de eventos catastróficos que levaram a essa draga monstruosa vivenciada pelo clube.

Sem ter mesmo outra opção, só nos resta tentar de tudo (Atibaia, psicóloga, Brunoro… o que for necessário), enquanto ainda houver chances matemáticas.

Minha experiência no futebol me diz que para reverter situações assim somente com uma mudança radical: aparecer alguém colocando grana, botando todos os salários em dia, etc.

Infelizmente, tenho que reconhecer também que seria recomendável já estarmos nos preparando para possíveis situações indesejadas:

A) Não conseguiu subir: Investir em GESTÃO TÉCNICA DO FUTEBOL! Montar ainda neste ano um projeto consistente e detalhado inspirado em modelos bem sucedidos de outros grandes clubes como o Internacional e o River Plate. Equipe técnica de excelência, com um head coach com plena autonomia identificado com o clube (Alex Talento, já me disse que se for assim, tendo autonomia, ele topa); elenco jovem e guerreiro, com fome e intensidade, escolhido a dedo e montado logo; periodização bem elaborada para iniciar mais cedo e ainda alongar o período de pré-temporada; disputar estadual e Copa do Brasil com time Sub 20/23; iniciar a Série B já voando baixo com um time altamente condicionado, sem fadiga, sem lesões e consequentemente bem ajustado taticamente.

B) Cair para a Série C: Aí já seria mesmo o caso de se estudar com muito cuidado aquilo que foi ventilado pelo Vitório Mediolli; Fechar o CNPJ Cruzeiro Esporte Clube a abrir um novo CNPJ (Cruzeiro Futebol Clube) começando do ZERO: 3a do Mineiro, Série D do Brasileiro… porque o ano que vem disputando uma Série C com a bola de neve das dívidas que foram empurradas pra frente, seria inviável, a não ser que consigamos o milagre de formar um consórcio de investidores tipo um FIDC para sustentar o clube.

Assim, o ano de 2021, exatamente o do nosso centenário, poderá ser:
1) DIFÍCIL: Com a chegada das inúmeras dívidas que tiveram que ser roladas, mas pelo menos com a conquista do acesso à Série A;
2) TERRÍVEL: Com essas mesmas dívidas e uma permanência na Série B;
3) IMPOSSÍVEL: Com as dívidas e um catastrófico rebaixamento à Série C;
4) REDENTOR (talvez) se conseguir criar um fundo de investidores (FIDC), e/ou se optar por fechar o CNPJ do CEC e abrir outro recomeçando do zero.

Torcendo muito para meu amigo Ney Franco, finalizo com o mis importante neste momento:

HORA DE TODOS NÓS ABRAÇARMOS O NOSSO CRUZEIRO QUE TANTAS ALEGRIAS E ORGULHO JÁ NOS DEU !!!

 


Francisco Ferreira
Gestor de Futebol / ABEX
CEO do Centro de Excelência em Performance de Futebol

Imagem: Reprodução do Autor

5 Replies to “Cruzeiro: Raio-X da Crise

  1. Prof Francisco,
    Li várias vezes, é necessário. Entretanto, discordo no geral pois algumas “conclusões” são originadas ou sugeridas a partir de premissas incompletas.
    Neste caso, discordo da palavra CRISE. Vivemos um COLAPSO, como venho escrevendo há algum tempo. E, portanto, exige-se uma CONSTRUÇÃO (do zero como mencionado), com o processo de LIMPEZA nos moldes da cultura organizacional japonesa do 5S.
    Se isto não foi feito quando houve a “renúncia-fake”, não tem remendo ou remédio sobre EFEITOS…
    TUDO que deu CAUSA a este colapso aí está, contando com o maniqueísmo, manipulação, diversionismo e empulhação praticadas pelos “influencers” das redes sociais.
    NENHUMA solução serve para os vícios mantidos. TODAS as situações de “crise” permanecerão e “subir de volta à Série A, para evitar um pouco de zoação dos rivais citadinos…” pode ser a PIOR das “soluções”.
    Bom texto, embora eu discorde.

  2. Uma coisa que me deixa irascível é quando alguém(que são muitos) vão à mídia e dizem que os títulos 2013/2014 e 2017/2018 cobram o preço do prejuízo.
    Volto a dizer, o time bi campeão 2013/2014 era para ter dado lucro. Jogadores valorizaram, aumento de arrecadação, marketing… e uma ladainha de motivos.
    O time de 2017/2018 foi um time comum, Tiago Neves jogava a metade do Everton Ribeiro; Robinho, do Ricardo Goulart. Os gastos foram irresponsáveis, os jogadores caros, não valiam o preço. E quem decidiu foram os que não eram tão caros. ( vou assistir o jogo agora)
    Acho que quem acredita nestes argumentos, são pessoas muito simples.
    Ou será eu o simplório?
    Vou assistir o jogo.. indignado.

    1. Camilo, tudo bem! O time de 2013/2014, montado por um dirigente perdulário e que só dá certo onde tem $$$, ou a irresponsabilidade de gastar o que não tem, era todo fatiado! O que entrou nos cofres do clube não foi suficiente para pagar o que havia sido gasto (folha de 13 milhões! Júlio Batista ganhando 1 milhão/mês e passando maior parte do tempo contundido)… a conta veio sim, tanto que sofremos hoje as consequências na FIFA de dívidas daquela época que não foram pagas. Gestão do futebol deveria ter uma palavra mestra que está muito na moda “SUSTENTABILIDADE”! Exemplos: Athletico PR, Leicester City, Cuiabá, Bahia, Fortaleza, Ceará, Grêmio, River Plate… clubes que sabem e respeitam o seu tamanho! Que sabem que não dá pra ganhar tudo e a qualquer custo sem comprometer sua viabilidade! A dívida do Cruzeiro em 2012 estava na casa dos 120 Mi, perfeitamente equacionada e administrável! Eu costumo dizer que não pensaria duas vezes se pudesse voltar no tempo e trocar os nossos 4 títulos de âmbito nacional da última década por um clube saneado e financeiramente viável!
      Abs.

  3. Tirando duas linhas que me deixou indignado, as demais foram de quem é PROFESSOR no assunto. Elucidativo.
    Tenho uma ideia parecida com o item:
    A) Não conseguiu subir: Investir em GESTÃO TÉCNICA DO FUTEBOL! Montar ainda neste ano um projeto consistente e detalhado inspirado em modelos bem sucedidos…
    Que seria em oferecer pro Ney Franco neste ano, o melhor que se PODE para tentar o acesso à Série A.
    PARALELAMENTE, contrate um técnico que saiba montar equipe(Marcelo Oliveira é uma boa opção), juntamente com um gestor, trabalhando para montar um time pro ano que vem que tenha capacidade de fazer uma campanha confortável na Série A.
    Que esse mesmo time, tenha capacidade de obter com tranquilidade o acesso à Serie A no ano que vem, Caso o Cruzeiro não acesse a série A neste ano.
    Estratégia parecida foi usada no final de 2012, para a montagem do time de 2013.

  4. Continuo ACHANDO que é um argumento usado pela diretoria para justificar a incompetência, e pela mídia atleticano para desvalorizar os títulos cruzeirense.
    Opiniões.
    O texto é rico e tem muita coisa boa.

Deixe uma resposta