Colapso - Dívida Justiça Federal
Clube Cruzeiro Esporte Futebol Notícia

Cruzeiro precisa depositar R$7,2 Milhões para o Zoria (UKR) – SuperFC

Fifa nega recurso do Cruzeiro, e clube segue sem poder registrar novos atletas
Para resolver a pendência, o clube precisa depositar R$ 7,2 milhões para o Zorya, da Ucrânia, para quitar transferência de William Bigode

 

O Cruzeiro precisou recorrer ao Tribunal Arbitral do Esporte (TAS) para tentar reverter a punição de registrar jogadores imposta pela Fifa pela dívida referente à contratação do atacante Willian, com o Zorya, da Ucrânia. A Fifa não acatou os argumentos do jurídico celeste e, por isso, o clube precisou recorrer à instância superior. Não há, no entanto, um prazo para a manifestação do TAS.

O Cruzeiro entrou com o recurso no Tribunal Arbitral há cerca de dez dias por intermédio do advogado Bruno Tannuri, contrato pela Raposa para tentar resolver o imbróglio. Por causa da proibição, a Raposa está com três jogadores treinando na Toca II sem perspectivas de serem regularizados: o meia Giovanni Piccolomo e os atacante Iván Angulo e Matheus Índio. A situação também atrapalha a contratação de reforços num momento complicado do time, que está na zona de rebaixamento da Série B.

“O Cruzeiro só tem esse caso vencido hoje. O Cruzeiro agiu de boa fé, a punição veio por conta de um problema interno do clube lá (Zorya), fizemos a perícia no email, mesmo assim, o comitê da Fifa não acatou o que a gente pediu. Nós fizemos um recurso para o TAS e esse recurso está esperando uma manifestação da própria Fifa por uma decisão liminar ou não”, explicou o presidente Sérgio Santos Rodrigues.

Sem uma prazo para que a situação se resolva, resta ao Cruzeiro apenas uma alternativa no momento: pagar o que deve ao Zorya. Por causa da desvalorização do real, a dívida está na casa dos R$ 7,2 milhões. Afundado em dívidas e com pouca receita, o clube não tem esse recurso agora.

Imagem: Reprodução Internet

Admin_PHD
Raposão PHD Páginas Heroicas Digitais
https://paginasheroicasdigitais.com.br

Deixe uma resposta