Torcida - Vinnicius Silva - CEC/DIV
Clube Cruzeiro Esporte Geral - PHD Opinião Torcida

O Cruzeiro do torcedor que sangra

Crise e Colapso

Ano de crise absoluta e colapso…

O declínio até a série B deve (ou deveria) ser encarado com seriedade e preocupação.

Mais do que isso, mostrou uma realidade que agora está estampada para todos (no futebol e na sociedade, no Brasil e o Mundo; já que fomos notícia na América do Sul, na Itália, França, Portugal, Reino Unido e sei lá mais onde) sobre as condições internas na administração e política do clube.

O que poderia ser apenas uma ferida profunda, que marcaria o corpo e a história por toda a existência do Cruzeiro, na verdade era apenas a casca superficial na pele que se revelou um câncer que já penetrou profundamente nos aparelhos vitais de sobrevivência da instituição.

Torcedor sangrando

Falo como torcedor apaixonado por mais de 30 anos pelo clube, que acompanhei de perto, quase sempre estando muito longe (nos últimos anos, muito mais longe que poderia imaginar).

Por isso, faço indagações pessoais, nada muito pretensioso, mas que talvez sirva para ponto de partida de uma reflexão sobre o atual momento do clube celeste…. e de sua torcida.

De longe, sem poder ter contato com os meandros que cercam o dia a dia do Cruzeiro, hoje o sentimento é triste e depressivo.

Em quem confiar?

Quem temos para escutar?

Vimos gente da mais baixa qualidade, glorificando seu status de influenciador digital nas plataformas mais conhecidas (Facebook, Twitter, Insta, YouTube…), se vender por migalhas aos comandantes desprezíveis que levaram o Cruzeiro à UTI.

Como se não bastasse, fica pior, quando o rei e sua corte se mostraram aproveitadores e larápios se fazendo do calor dos torcedores para surrupiar os cofres do clube. Atuaram sem o menor pudor, vestidos de azul estrelado; chacais trabalhando às escuras dentro da nossa própria casa.

E o torcedor de verdade, perto ou longe, sangra muito.

O que seremos?

A torcida sempre apoiou o Cruzeiro quando foi preciso a “voz das arquibancadas”. Agora não temos arquibancadas e ainda que tivéssemos, não basta.

O saque à instituição aconteceu continuamente por anos, estava debaixo dos nossos olhos, houve quem alertasse. Mas a paixão cega não se importa e faz ver o que no futebol interessa mais, os títulos. Verdade que títulos constroem e compõem a história de um time. Entretanto, não nos enganemos e sabemos que precisamos do time vivo para continuar a ter uma história.

Nesse contexto, precisamos de mais torcedores, mais inteligentes e conscientes do tamanho do buraco em que estamos metidos.

E vendo que somente uma parcela ínfima de uma torcida gigante a apaixonada de fato está a doar o próprio sangue (a metáfora para o dinheiro que o time precisa para sair da UTI), me vem em mente essa tristeza profunda.

Enfim, nos faz também pensar no que representa o time para cada torcedor hoje, mais longe, faz pensar no que representa o futebol no Brasil!

Aliás, quem é o Cruzeiro hoje? o que será o Cruzeiro amanhã?

O Cruzeiro é dos crápulas que (ainda) detém o “poder de decisão” sobre os acontecimentos do Clube?

O Cruzeiro é sua torcida, sua(s) sede(s) social(ais), seus sócios, aqueles que ditam internamente os rumos administrativos, seus títulos?

Assim sendo, o mais sensato seria dizer que o Cruzeiro seria um pouco de tudo isso. Então, sendo assim (e pegando apenas o ponto que me cabe discutir), qual o papel da torcida?

Com toda a certeza, podemos (e devemos) ajudar sim, não apenas na frente da televisão ou nas arquibancadas e nas ruas. Precisamos de mais voz dentro da Instituição (um novo estatuto).

Estamos longe de uma segurança política e financeira confortável, vemos notícias semana após semana que a crise pode nos afundar ainda mais.

Precisamos doar sangue (contribuir financeiramente, digo), como quem se preocupa com o ente querido que padece numa UTI de hospital de uma doença maligna, que está à espera da morte ou de um milagre. Não me dói pensar assim, faço um esforço extra para pode contribuir com o Cruzeiro (através de doação, sócio torcedor, etc.) porque eu, particularmente, levaria uma culpa ao longo de toda a vida se ficasse letárgico como se o Cruzeiro não representasse nada em minha vida.

Pessoalmente, não posso ver ruir a instituição que, muito longe de guardar apenas uma mera escolha de um time pelo qual torcer, nutro um sentimento profundo de vida, que me faz rir, chorar, me encantar e se emocionar, assim como as lindas canções outrora entoadas pela torcida celeste:

“Cruzeiro, o guerreiro dos gramados/ Sou cruzeirense apaixonado/ E pra sempre eu vou te amar. Cruzeiro, quem conhece tua história/ De conquistas e vitórias/ Nunca mais te esquecerá. Cruzeiro, tua história é tão bonita/ Faz parte da minha vida/ Pros meus filhos vou contar.”

Sou esse Cruzeirense, tenho um filho, quero mais do que contar as histórias das conquistas, quero poder mostrar esse Cruzeiro para ele.

Danilo Oliveira é cruzeirense, atende pelo nickname Danilo_VIX porque está exilado em Vitória (ES).

Imagem: Vinnicius Silva – Cruzeiro/Divulgação

7 Replies to “O Cruzeiro do torcedor que sangra

  1. verdade que passei a maior parte do tempo em Vitória-ES> Agora (e no últimos 10 anos), entretanto, passei a maior parte do tempo muito mais longe de BH e de VIX! Atualmente me encontro na Itália, mas como esse nickname era já “consagrado”, deixei assim mesmo!

    1. Danilo,

      Você escreve colocando mais perguntas do que respostas. Entendo sua posição e as dúvidas são muitas, o que complica termos uma opinião.
      Particularmente, estou muito preocupado pois algumas respostas às suas perguntas, que imagino serem as “da vez”, são mais do que trágicas. Mas como sou (DES)qualificado como pessimista, vamos ver se queimo minha língua. Infelizmente, quem lê meus textos há muitos anos, sabe que neste colapso, EU AVISEI !

    2. Evandro,
      De fato, muitas perguntas, poucas respostas e um sentimento inquietante! Nesse momento, estando no olho do furacão, o que torna complicado ter alguma posição tão clara sobre os pontos mais relevantes que nos levaram até aqui e, principalmente, sobre as soluções que nos tirariam desse buraco. Ou isso, ou somos tachados de “frangas”, “desocupados”, “tapados”, etc. Não me arrisquei muito porque, como deixei claro, não estando inserido no dia a dia do clube, é difícil não patinar nas notícias que saem nas grandes mídias, mas também nos blogs e páginas cruzeirenses.
      Me preocupa, em particular, o sentimento do torcedor que insistiu, acreditou, depositou sua confiança desde a inauguração do programa de sócio-torcedor, e agora viu ruir tudo aquilo em que ele colocou suas fichas… Esse sentimento de “eu fracassei” é pesado quando se trata da paixão pelo futebol e de um programa que foi criado para, de uma maneira ou de outra, atrair, fidelizar e colocar o torcedor mais perto do clube. E em seguida, para esse torcedor (tenho exemplos concretos disso), vem a fase da impotência e pequeneza…. o que acaba por afastá-lo do clube pela simples imcapacidade que ele se vê de poder fazer algo! É, de fato, muito triste!

      Por outro lado, fazendo um contra ponto ao Camilo, acho meio “preguiçoso” essa história de ” teria que ter um marketing mais efetivo”! Sempre vai ter alguma coisa que pode ser usada como justificativa para não contribuir na reconstrução (?); e NÃO estou dizendo necessariamente que esse é seu caso. Então, assim como a maioria dos programas de sócio torcedor não foram feitos para os cruzeirenses que moravam fora de BH (quem dirá fora de MG), mas mesmo assim muitos de nós viram a importância de apoiar dessa maneira, acredito que o marketing não deveria balizar a escolha pela reconstrução. Ao invés disso, vamos cobrar transparência, comprometimento, projeto e voz de participação.

  2. Para a doação de sangue (arrecadações do torcedor) teria que ter um marketing mais efetivo; até aqui, esse objetivo não tem sido alcançado. Pra mim essa é a melhor ideia, muito difícil mas…
    Alguns torcedores sugeriram intervenção de alguns empresários em prol do Cruzeiro. Não acredito nessa hipótese.
    No podcast “Coloca os 6 pontos na conta do BMG”, o Raposão PHD comentou algo parecido com “fizeram tudo errado para vender barato”, algo parecido com processo de algumas privatizações.
    O presente e o futuro estão nos bastidores.

    1. Camilo,
      Estou feliz com sua opinião… não porque eu concordo MUITO com ela … ponderada e preocupada (eu estou desesperado !). E suas analogias da doação de sangue e privatizações são apropriadas… torcedor não doa sangue e quer sangue de quem tem dinheiro para comprar… estão fazendo uma verdadeira privataria do FUTEBOL do Cruzeiro e o passado, o presente e o futuro estão nas mãos dos MESMO, sempre estiveram… mas tem torcedor que insiste em ver o mundo com sua régua calibrada para sua conveniência.

  3. Excelente texto, Danilo. Eu também torço de longe (não tão longe como você) e minha cabeça também está cheia de interrogações. A direção precisa passar mais confiança para o torcedor e ser transparente nas negociações. Assim fica mais fácil o pessoal por a mão no bolso. Evandro, não desista do seu papel de chamar o pessoal para a realidade. Por fim, alguém me responda, qual será o melhor resultado para o clube nas eleições de 07/10?

    1. Dra Celeste,
      confesso que estou arriando as baterias.
      O melhor resultado das eleições é não tê-las, é ter um nome que seja de consenso e um acordo.
      ENTRETANTO (o acordo está quase sendo “fechado”) chegamos até aqui por acordos terem sido QUEBRADOS desde 2010 quando ZZP preparou um candidato pego com dinheiro na mala, Gilvan alterou estatuto na calada da noite etc.
      aí quando digo que o problema vem desde 2009 e seguiu em 2010 e 2011, COLAPSANDO ame 2019, me chamam de louco…

Deixe uma resposta