Régis marcou o gol do Cruzeiro na vitória sobre a Caldense (Foto: Gustavo Aleixo/Cruzeiro)
Cruzeiro Esporte Futebol Opinião

Eliminação e pior posição no Ruralito em 63 anos – Portal UAI

Cruzeiro vence Caldense, mas é eliminado e dá vexame no Mineiro com pior posição em 63 anos.
Time não conseguiu vitória por três gols e se despediu do Estadual
Cruzeiro até venceu a Caldense por 1 a 0, na noite desta quarta-feira, mas não alcançou uma vaga nas semifinais do Campeonato Mineiro. Com a vitória do Atlético sobre o Patrocinense, no Mineirão, o time celeste precisava de um triunfo por pelo menos três gols de diferença. Régis marcou o único tento da Raposa no Ronaldão, em Poços de Caldas.
Embora tenha somado os três pontos, o Cruzeiro encerra o Campeonato Mineiro fora do G4, o que não acontecia desde 1957. A Raposa fecha a primeira fase na 5ª colocação, com os mesmos 20 pontos da Caldense (última equipe da zona de classificação às semifinais), mas com três gols a menos de saldo (9 a 6).
Com o resultado, o Cruzeiro disputará o Troféu Inconfidência. Os jogos do torneio, que reunirá equipes da 5ª a 8ª colocação da tabela do Estadual, estão marcados para 2 e 5 de agosto em jogos únicos de semifinal e final. Ainda não há horários ou locais definidos. A Federação Mineira de Futebol (FMF) espera ter esses detalhes até a manhã desta quinta-feira.

O jogo

Como esperado, o Cruzeiro iniciou o jogo marcando em linha alta e tentando pressionar a saída de bola da Caldense. Nos minutos iniciais, a Veterena até conseguiu conter o ímpeto do time celeste, mas o volume dos visitantes logo cresceu. Aos 14’, Régis, em bonita jogada individual, abriu o placar. Ele aproveitou uma sobra, girou sobre o marcador e acertou chute difícil no canto direito de Alyson. 1 a 0.
O Cruzeiro dominou por mais alguns minutos, depois do gol marcado, mas viu a Caldense crescer do meio para o fim do tempo inicial. O time de Enderson Moreira chegou aos 20’, quando Maurício desperdiçou chance na pequena área, aos 21’, em finalização de Marcelo Moreno, mas também viu a Veterana ameaçar aos 29’ e aos 30’, quando Fábio fez importantes defesas.
Chamou atenção na etapa inicial a quantidade de cartões amarelos distribuídos por Ronei Cândido Alves. O árbitro, considerado um ‘disciplinador’, puniu cinco jogadores, além dos treinadores das duas equipes. Outro destaque foi o estado muito ruim do gramado do Ronaldão, que impedia muitas trocas de pesses e forçava, especialmente o Cruzeiro, a construir jogadas por meio do ‘chutão’.
Precisando do resultado, o Cruzeiro voltou do intervalo buscando ainda mais o gol adversário. Desta forma, deu mais espaços para a Caldense. Os donos da casa criaram boa oportunidade aos 3’, quando Fábio impediu o primeiro gol da Veterana. A Raposa teve tudo para ampliar o placar aos 9’, mas Patrick Brey, com finalização muito fraca e sem direção, perdeu a chance.
Sem conseguir criar mais chances, especialmente pela inoperância de Maurício, pouco participativo nesta quarta, Enderson optou pelas entradas de Jean e Claudinho, o que mudou um pouco o panorama da partida. O time celeste insistiu, mas não conseguiu os dois gols que o colocariam na semifinal do Estadual. Com o 1 a 0, a equipe garantiu os três pontos, mas não disputará a fase final do Mineiro depois de 63 anos.

Ficha Técnica

CALDENSE 0 X 1 CRUZEIRO
Motivo: 11ª rodada do Campeonato Mineiro
Local: Ronaldão, em Poços de Caldas (MG)
Data e horário: 29 de julho de 2020 (quarta-feira), às 21h30
Árbitro: Ronei Cândido Alves
Auxiliares: Marconi Helbert Vieira e Leonardo Henrique Pereira
Caldense – Alyson; Filipe Sousa, Jonathan Costa, Lucas Mufalo e Rafael Rosa (Verrone); André Mensalão e Lucas Silva; João Vitor, Nathan e Artur (Franklin); João Pedro (Caíque Maciel). Técnico: Marcus Paulo Grippi
Cruzeiro – Fábio; Raúl Cáceres, Marllon, Cacá e Patrick Brey; Ariel Cabral e Jadsom (Jean); Maurício (Claudinho), Régis e Stênio (Welinton); Marcelo Moreno (Thiago). Técnico: Enderson Moreira
Gol: Régis (aos 14’2ºT)
Cartões amarelos: Enderson Moreira, Stênio, Jadsom (Cruzeiro); Nathan, Marcus Paulo Grippi, Jonathan Costa, André Mensalão, Rafael Rosa (Caldense)
(Foto: Gustavo Aleixo/Cruzeiro)

Atuações

Por Globo Esporte.Com

Régis – Marcou o gol da vitória do Cruzeiro, buscou criar jogadas e também concluí-las. Vem mostrando qualidade, sendo o responsável pela centralização das jogadas. Nota: 6,5

Raúl Cáceres – Não teve uma boa noite pela lateral direita. Perdeu muitas bolas, errou passes e levou várias bolas pelas costas no seu lado. Ainda precisa mostrar serviço neste início do Cruzeiro. Nota: 4

Stênio – O jovem de 17 anos ganhou a segunda oportunidade na equipe, a segunda como titular. Mas não foi bem no primeiro tempo. Não conseguiu efetuar boas jogadas quando teve a bola no pé e ainda ficou preso à marcação nos 15 minutos finais. Foi substituído por Welinton no intervalo. Nota: 4

As notas para os jogadores do Cruzeiro

Fábio: 6,5
Raúl Cáceres: 4
Marllon: 5
Cacá: 5
Patrick Brey: 5,5
Jadsom: 6
(Jean: 5,5)
Ariel Cabral: 4,5
Régis: 6,5
(Roberson: sem nota)
Stênio: 4
(Welinton: 6)
Maurício: 4,5
(Claudinho: 5,5 )
Marcelo Moreno: 5
(Thiago: 5,5)

Opinião do Raposão PHD

1+
Admin_PHD
Raposão PHD Páginas Heroicas Digitais
https://paginasheroicasdigitais.com.br

One Reply to “Eliminação e pior posição no Ruralito em 63 anos – Portal UAI

  1. Como já comentei com colegas, e antes da partida, a não classificação do Cruzeiro ocorreu no domingo passado contra a URT (quando jogou mais de 20 minutos com jogadores descansados que entraram, sem fazer mais gols – o que era possível se forçasse já que a URT não tinha banco e já estava na baba do boi). Ontem, principalmente pelo gramado, a vitória foi boa e inconteste. Porém faltou mais gols para uma classificação. O Cruzeiro tem que ter sempre ambição. Quando está em campo tem que sempre procurar um algo a mais (o que talvez não faltou ontem, mas certamente faltou contra o URT). O técnico escalou errado (Stênio até elogiei na última partida, mas para aquele campo era notória a inadequação), mas acertou em todas as substituições. Destaques pela consistência técnica e concentração: Patrick, Régis e Wellington; Cabral merece menção honrosa pela luta até o final (foi um leão).

    0

Deixe uma resposta