Posts com a Tag ‘Togo’

Vasco 1×1 Cruzeiro: Empate foi pouco

sábado, 28 de agosto de 2010

Em 6º lugar com 24 pontos, o Cruzeiro pode avançar até 3 posições. Se perder, pode cair 5 posições.

Cuca terá Fabrício e Thiago Ribeiro de volta, mas pode ficar sem Jonathan, que, após sentir-se mal pode ficar fora da equipe.

Em 9º lugar com 22 pontos, o Vasco pode entrar no G4 se vencer. Perdendo, cai de uma a quatro posições.

PC Gusmão poderá escalar Carlos Alberto, que volta de suspensão, mas não terá o volante Rômulo, suspenso pelo terceiro amarelo.

Felipe deve ceder a lateral-esquerda a Irrazábal e ser transferido para o meio de campo.

(mais…)

Fábio garantiu a vitória

quinta-feira, 15 de julho de 2010

Atuações dos celestes e seus adversários no Atlético 0x2 Cruzeiro, na Arena da baixada, Curitiba, pela 8ª rodada do Brasileiro 2010, em 14jul10:

  • Fábio – Salvou o time com pelo menos três defess milagrosas. Foi o melhor em campo, de novo.
  • Jonathan – Recebeu ordens para marcar muito e apoiar pouco e as cumpriu à risca. Boa atuação.
  • Gil – Por sorte o juiz anulou um gol legítimo do Atlético que, se fosse validado, teria marcado sua carreira pela trapalhada cometida. Andou brincando em algumas jogadas até levar uma chamado do goleiro Fábio. Daí em diante, tomou tento e segurou a onda sem querer enfeitar.
  • Cláudio Caçapa – Ganhou e perdeu lances para os atacantes atleticanos. Passa seriedade, mas não segurança. Deve ser usado com moderação.
  • Diego Renan – Foi um lateral marcador à moda antiga. Numa das subidas esporádicas, deu um bom chute a gol.
  • Henrique – Foi um cabeça de área entusiasmado. Protegeu a defesa e largou de mão as veleidades ofensivas.
  • Fabrício – Basicamente, um cabeça de área, saiu algumas vezes para o apoio. Mas sem correr riscos.
  • Roger Galera – Acusou o efeito Montilla. Correu como jamais havia feito antes. Perseguiu os adversários até na área celeste. Na criação, faltaram idéias. Nos arremates a gol, a pontaria estava ruim. Na metade do 2º tempo, ficou sem gás e foi substituído. Valeu pelo entusiasmo.
  • Marquinhos Paraná – Entrou com a missão de fechar ainda mais o meio de campo e cumpriu a obrigação.
  • Gilberto – Criou boas jogadas, mas não descuidou da marcação e da ocupação de espaços ajudando, principalmente, Diego Renan.
  • Fabinho – Jogou pouco e com a missão exclusiva de marcar. Deus um bico e ficou nisso.
  • Thiago Ribeiro – Grande atuação, como quase sempre. Atacou pelas duas pontas, incomdou muito o sistema defensivo do Atlético e colocou uma bola na cabeça de WP no 1º gol.
  • Robert – Jogou pouco tempo, mas fez um gol de centroavante eficiente. Diante do goleiro, agiu com frieza ao escolher o canto certo e tocar a bola pras redes.
  • Wellington Paulista – Errou quase tudo o que tentou. As duas jogadas que acertou, contudo, terminaram em gol. Um seu, outro de Robert. É o que se espera de um centroavante, embora ele ache mais importante se dezer desmotivado, puxar saco de treinador recém contratado e fazer média com a torcida. O que é dispensável.
  • Cuca – Mais conservador do que Adílson Baptista, prendeu os laterais, escalou dois cabeças de área, fez os dois meias voltarem pra recompor a defesa e quando o adversário apertou não teve vergonha de trancar a defesa com quatro cabeças de área. Só o ataque, o gol e a bequeira com virtudes e defeitos permaneceram jogando como na gestão anterior. Na coletiva, sinalizou para doidivanas e hienas que, se preciso, vai trancar sempre o time. Com a boa estréia terá sossego pra trabalhar. Sossego que acabará quando se vencer a Cocota e os microfonistas resolverem derrubá-lo com apoio dos teleguiados.
  • Torcida – Pouco mais de cem cruzeirenses compareceram e, em diversos momentos, calaram os 13 mil atleticanos. Só o Dr. Ianni pode esclarecer o fenômeno.
  • Juiz & Bandeiras – Ajudaram o Cruzeiro marcando dois impedimentos inexistentes do ataque local. Num deles, Gil fez um autogol de videocassetada, que poderia ter complicado a partida. Nos demais lances, estiverm bem tanto na parte técnica quanto na disciplinar.
  • Atlético – Time remontado durante a Copa, o Atlético foi superior ao Cruzeiro no começo do 1º e, de novo, no começo do 2º tempo. Foi prejudicado pelo bandeira que lhe tirou um gol legítimo e pelas defesas milagrosas de Fábio. Foi vaiado injustamente por sua torcida que, segundo o Dr. Ianni, é fidelíssima. Mas não é. Age como qualquer outra deztepaiz. Apoia na boa, atrapalha na podre. Alex Mineiro e Paulo Baier mostraram categoria. Branquinho deu boa dinâmica ao meio de campo na etapa final. Manoel, que é excelente lateral-direito, também se mostrou um bom beque. Vagner Diniz também mostrou serviço no 1º tempo. É o melhor dos atléticos da zona de rebaixamento.

Eslováquia 3×2 Itália: Sapore di sale

quinta-feira, 24 de junho de 2010

Às 11h (Brasília), no Ellis Park, em Joanesburgo, Itália e Eslováquia se enfrentam pela última rodada do Grupo F da Copa 2010.

Cansado da malemolência de sua equipe e sem poder contrar com Andrea Pirlo, Marcelo Lippi escalará o calabrês Gennaro Gattuso ao lado de Montolivo e Rossi na meiúca italiana. É a volta do Espírito de 2006 à Azzurra.

Ele promete ainda três atacantes -Iaquinta, Gilardino e Di Natale- pra fustigar o adversário. Isto se, até soltar a escalação, não refluir pra uma posição mais conservadora.

Certo é que os italianos precisam vencer pra não ter de torcer por uma derrota ou empate da Nova Zelândia contra o Paraguai.

Para a Eslováquia, que Wladimir Weiss escalará num 4-3-1-2, só a vitória interessa. E a esperança é de que o meia-atacante Hamsyk, do Napoli, resolva a partida.

O inglês Woward Webb apitará a partida. (mais…)

Slogans para os ônibus da Copa

terça-feira, 18 de maio de 2010

Saíram os slogans dos ônibus que carregarão as delegações dos 32 participantes da Copa.

Nenhum foi tão confessional quanto o Expresso da Paixão do Atlético-MG.

Mas foram todos tão ruins que os internautas trataram de trocá-los. Confiram:

  1. Grécia – Ei, você aí, me dá um dinheiro aí!
  2. França – Vamos levar essa Copa na mão grande!
  3. Coréia Comunista – Só pode olhar por fora
  4. Coréia Democrática – Vamos de Besta!
  5. Suíça – Nascida pra tomar chocolate
  6. Paraguai – Filhos de Fernando
  7. Inglaterra – John Terry e seus 22 sócios
  8. Argentina – É de pelo e de pó!
  9. Portugal – 11 joaquins, 11 manuéis e 1 ronaldo
  10. Espanha – Cuidado, Piqué a bordo!
  11. Gana – Balaio de gatos
  12. Itália – Com o coração na ponta da bota!
  13. Dinamarca – Aqui, tem algo de podre
  14. Sérvia – Sem bombas, por favor!
  15. Eslovênia – Pra chegar aqui, matamos um urso!
  16. Eslováquia – Não convocamos o Tcheco.
  17. México – Arizona nunca mais!
  18. Honduras – É fogo na boina do guarda!
  19. Uruguai – 30 + 50 + 10: esse time é pedra 90!
  20. Chile – Esse time não treme.
  21. Holanda – Vitamina C e Copa!
  22. Japão – Pequeninos, mas cumpridores!
  23. Estados Unidos – Dessa vez, vamos chutar o pau do Barak!
  24. Nova Zelândia – Dançamos antes mesmo de jogar!
  25. Austrália – Prometemos dar nossos pulinhos.
  26. Argélia – Embalsamamos os faraós.
  27. Nigéria – Vamos entrar pelo Kanu!
  28. Camarões – Esse time é indigesto!
  29. Costa do Marfim – Quem vai encarar nossa tromba?
  30. África do Sul – Muito barulho de vuvuzela  por nada.
  31. Alemanha – Aqui só tem joelho de porco e cabeça de bagre.
  32. Brasil – Eu vou, eu vou, pra casa mais cedo eu vou!
  33. Togo – Este é a prova de balas!

N.B.: Saiu a primeira coluna do JA Ferrari no Cruzeiro.Org. Ela foi publicada na revista Academia, segunda metade dos Anos 60. Clique aqui pra ler.

27ª CAN, Grupo B: Drogba, Essien, Adebayor

segunda-feira, 11 de janeiro de 2010

Mauro França

Costa do Marfim, Burkina Faso, Gana e Togo.

COSTA DO MARFIM

  • Potência do futebol africano, é cotada como um dos grandes favoritos ao título. Não sem razão. Fez boas apresentações na Copa-2006, a primeira que disputou, e ganhou experiência. Passeou pelas eliminatórias da Copa-2010. Disputou 18 finais da CAN, sendo que nas últimas 15 ficou de fora apenas duas vezes (1982, 2004). Em 8, alcançou a semifinal. Conquistou apenas um título, em 1992, quando sediou a competição. Foi vice em 2006 e 3º em 2008. Ocupa a 2ª colocação no ranking africano e a 16ª no mundial. A base da equipe dirigida pelo bósnio Vahid Halilhodzix joga em clubes de primeira linha da Europa e conta com Drogba (Chelsea), Yaya Touré (Barcelona), Eboué (Arsenal), Gosso Gosso (Monaco), Kalou (Chelsea) e Kolo Touré (Manchester City). O meia Romaric (Sevilha) foi cortado por motivos disciplinares. Nos amistosos finais da preparação feita na Tanzânia, os Elefantes venceram a Seleção local por 1×0, na segunda-feira e a de Ruanda por 2×0, na quinta.

GANA

  • Outra potência, igualmente cotada como favorita ao título. Teve ótima performance na Copa-2006, chegando nas oitavas, sendo eliminada pelo Brasil.  Garantiu vaga na Copa-2010 com tranqüilidade. Os Estrelas Negras disputarão sua 17ª fase final da CAN, a 9ª nas últimas 10 edições. Conquistaram 4 títulos (1963/65/78/82) e 3 vice-campeonatos. Gana sediou três edições da CAN, sendo campeão em duas (63/78) e 3º na mais recente, em 2008. No ranking africano, ocupa o 6º posto e no mundial, o 34º. O técnico sérvio Milovan Rajevac, no comando desde agosto de 2008, mantém o otimismo quanto às chances de título da sua equipe mesmo enfrentando vários problemas de contusão. Appiah (Bologna), capitão da equipe, será a ausência mais sentida. Muntari (Inter Milão) não foi convocado por indisciplina. Essien (Chelsea), ponto de equilíbrio do time, se recupera de lesão no pulso e é dúvida para a estréia. Para contrabalançar as ausências, Rajevac convocou oito jogadores campeões do último Mundial Sub-20, entre eles Dominic Adiyiah (Milan), artilheiro e Bola de Ouro da competição. A preparação foi fechada com um amistoso contra o Malauí, que terminou 0x0.

TOGO

  • Togo enfrenta sérios problemas de desorganização. Na Copa-2006, para a qual se classificou de forma surpreendente, jogadores e Federação brigaram por premiação. A própria Federação entrou em litígio com a FIFA, também por questões financeiras. Nas eliminatórias, trocaram de técnico de maneira rumorosa. Diante dos fortes adversários, não deve passar de figurante. Os Falcões disputam pela 6ª vez as finais da CAN e nunca passaram da 1ª fase. É o 13º colocado no ranking africano e o 71º no mundial. O francês Hubert Velud dirige uma equipe que tem em Adebayor (Manchester City) sua única etrela e maior esperança de Togo para obter sucesso no torneio. A maior parte dos demais convocados joga em equipes intermediárias da França. Apenas dois atuam no país. Resta saber como o atentado sofrido pela delegação irá se refletir em campo. Adebayor declarou que a Seleção deveria abandonar a disputa.

BURKINA FASO

  • Fez boa campanha nas eliminatórias, superada apenas pela Costa do Marfim, que novamente cruza o seu caminho. Burkina Faso participa pela 7ª vez das finais da CAN, cinco delas de forma consecutiva entre 1996-2004. Quando sediou a competição, em 1998, ficou com o 4º lugar. Nas demais, foi eliminada na primeira fase, o que provavelmente deve se repetir, mais pela força dos adversários do que por ineficiência da equipe. No ranking africano ocupa a 9ª colocação e no mundial, a 49ª.  O português Paulo Duarte comanda a equipe desde março de 2008. Os meias Charles Kabore (Olympique) e Pitroipa (Hamburgo) e o atacante Dagano (Al Khor-CAT), artilheiro das eliminatórias com 12 gols, são os destaques. 22 dos convocados atuam no exterior.

O esporte na mira dos terroristas

sábado, 9 de janeiro de 2010

Emmanuel Adebayor, centroavante do Manchester City,  conta como foi o ato terrorista que matou dois membros da Seleção de Togo e o motorista do ônibus que conduzia a delegação, em Angola:

“Vimos militares vestidos como se fossem para a guerra, foi um pouco chocante no início.

Mas pensei: tudo bem, é normal, para a segurança, somos jogadores que estamos aqui para um grande torneio, como embaixadores africanos, então é normal a atenção com a segurança.

Passamos pela fronteira e entramos em Angola. Não sei, uns 5 km mais à frente começamos a ouvir tiros no ônibus, sem razão alguma. Ao fim, tínhamos vários feridos.

Um de nossos goleiros reservas levou um tiro. Nosso assessor de imprensa foi ferido. Ele nem sequer está consciente no momento, não sabemos se vai sobreviver ou não.

Esperamos escondidos por 30 minutos porque o ônibus não tinha como partir. Nosso motorista estava morto. Ele tinha o volante nas mãos, mas havia morrido.

(mais…)