Posts com a Tag ‘Tio Tate’

A Era do Torcedor Condicional

sábado, 12 de junho de 2010

Genibaldo Lucena

Eu sou do tempo em que o torcedor se preocupava mais com o futebol praticado por seu time do que com os detalhes extra-campo.

A paixão era pelo clube, independentemente do presidente, do técnico, do goleiro ou do atacante.

Não havia protestos pela cor do logo do patrocinador da camisa e a gente nem sabia quantos campos havia no centro de treinamentos.

O que importava mesmo era o jogo de cada domingo. Hora de ir pro estádio, sim, era sagrada. A gente só queria saber era acompanhar aqueles 90 minutos de emoções.

Durante a semana, comprávamos o Diário da Tarde ou ouvíamos rádio pra saber notícia dos ídolos, se algum atleta estava contundido ou se haveria mudança na defesa depois da derrota.

E isto nem foi há tanto tempo. Não estou falando do futebol romântico que o Tio Tate apreciava na década de 60, muito menos do amadorismo presenciado pelo Evandrão na década de 30.

Me refiro aos anos 80 e começo dos 90.

Com o advento da TV a cabo falando de futebol durante 24 horas e da interação proporcionada pela internet com seus blogs, sites, orkuts e twitters, ficamos com pouco assunto pra muito papo.

Falar só do jogo em si já não basta.

Os jogadores, que eram o centro do espetáculo, tiveram que dividir a cena com treinadores, com os negócios do presidente, as declarações do gerente de futebol, os detalhes da cirurgia realizada pelo doutor no joelho do centroavante, com a caixa de areia do preparador físico e o valor do patrocínio do meião.

Estes detalhes foram tão supervalorizados que ganharam vida própria no imaginário do torcedor. Passaram a ofuscar o próprio jogo, objetivo de tudo o que se faz num clube de futebol.

De uns tempos pra cá, muitos adeptos de um clube assistem às partidas fazendo figa pro treinador cair.

Muitas vezes, se o time precisar tomar um golzinho pra que isso aconteça, por que não? Contra o Botafogo o Othon e o Rosan testemunharam sandices assim.

Tem torcida contra jogador A ou B, para provar que o presidente é um incompetente e não sabe contratar ou que o treinador não sabe indicar.

Não tem mais torcida pelo onze, pelo time. Alguns torcem apenas pra dez jogadores, pois desejam o insucesso do zagueiro tosco.

Outros torcem pra nove, porque o atacante declarou ter simpatia por um time paulistano e o lateral é marrento demais.

Tem até gente torcendo pro rival porque o técnico de lá é o seu preferido. É mole?

Estamos na Era do Torcedor Condicional, o que exige ter todas as vontades feitas pra apoiar o time que gosta de chamar de seu.

Genibaldo Lucena, 29, cruzeirense, pós-graduado em Administração de Empresas e Marketing, empresário, nasceu e mora em Belo Horizonte.

Aventuras de Tio Tate no Mineirão

quinta-feira, 4 de fevereiro de 2010

Tate Raposaço

Tresnoitado

Ainda estou meio que desnorteado pela chegada em casa depois das 3h30, depois do Cruzeiro 7×0 Potosi. E pensar que encontrei, numa parada, com uma excursão de Viçosa, que chegaria em casa lá pelas 5 da matina… (mais…)