Posts com a Tag ‘Santiago’

Torcida fez a Arena pulsar

sexta-feira, 24 de setembro de 2010

Atuações dos celestes e seus adversários acerca do Cruzeiro 2×0 Ceará, na Arena do Jacaré, em Sete Lagoas, pela 23ª rodada do Campeonato Brasileiro de 2010, em 22set10:

(mais…)

Cruzeiro 2×0 Ceará: No grito da galera e no apito

quarta-feira, 22 de setembro de 2010

Em 3º lugar com 41 pontos, o Cruzeiro pode chegar à vice-liderança se vencer. Perdendo, pode sair do G4.

Wellington Paulista, Marquinhos Paraná, contundidos, são os desfalques do time celeste.

Em 9º lugar com 30 pontos, o Ceará pode subir uma posição. Perdendo pode cair para o 14º lugar.

Dimas Filgueiras contará com todos os titulares e ainda terá o driblador Mizael no banco pra atormentar a defesa celeste em caso de necessidade.

(mais…)

Cruzeiro na Libertadores V: 1976, Mundial em BH

terça-feira, 10 de agosto de 2010

Mauro França e Jorge Santana

Mundial

Com a conquista da Libertadores 1976, o Cruzeiro se credenciou à disputa da Copa Intercontinental, nome oficial do Mundial Interclubes, naquela época disputado em dois jogos entre os campeões da América do Sul e da Europa.

O Bayern Munich, tri-campeão europeu, que se recusara a enfrentar o Independiente nos dois anos anteriores, aceitou jogar contra o Cruzeiro. As partidas foram marcadas para 21nov76 em Munique e 21dez76 em Belo Horizonte.

Excursão

Os jogadores celestes mal puderam comemorar o título da Libertadores. A delegação nem retornou para Beagá, onde certamente teria uma recepção triunfal. De Santiago, o time seguiu diretamente para Paris, escala inicial de uma excursão que se prolongou por todo o mês de agosto.

Nem houve tempo para descanso. Apenas quatro dias depois do histórico 3×2 sobre o River, em 03ago76, o Cruzeiro empatou por 1×1 com o Saint-Étienne, tri-campeão francês e vice-campeão europeu. Em 08ago176, o time celeste venceu o Nice por 4×3, com uma grande exibição.

A excursão continuou na Espanha, onde se realizavam vários torneios de verão, que os clubes brasileiros aproveitavam pra reforçar o caixa. Em La Coruña, no Estádio Riazor, o Cruzeiro disputou o Torneio Tereza Herrera, pela segunda vez consecutiva. Venceu o PSV Eindhoven por 2×0 e perdeu para o Real Madri pelo mesmo placar, com dois gols de pênalti.

No torneio seguinte, no Estádio Vicente Calderón, em Madri, o Cruzeiro perdeu para o Athletic Bilbao por 3×1 e venceu o Racing White, da Bélgica,  por 2×0.

No Ramon Sanchez Pizjuan, em 24ago76, o Cruzeiro empatou com o Sevilla por 1×1, mas foi eliminado nos pênaltis, por 5×3. Raul Plassmann defendeu uma penalidade, mas o juiz mandou repeti-la. Dois dias depois, o campeão sul-americano bateu o Hajduk Split, da Croácia, por 4×2, terminado em 3º lugar no Torneio de Sevilla.  

A excursão encerrou-se em 29ago76, no Estádio Municipal de Almeria com uma vitória por 3×2 sobre o time local. Foram 9 jogos, 5 vitórias, 2 empates, 2 derrotas, 18 gols a favor, 14 contra.

Financeiramente, o saldo da viagem foi ótimo, mas o custo técnico foi alto. Jairzinho, Vanderlei Lázaro, Nelinho e Wilson Piazza voltaram contundidos. Os dois últimos com mais gravidade, ficaram três semanas afastados do Campeonato Brasileiro, na época, chamado Copa Brasil.

Copa Brasil

Em 04set76, menos de uma semana depois do último amistoso na Europa, com cinco desfalques, o Cruzeiro estreou na Copa Brasil empatando com o Botafogo por 0x0 perante 10.294 torcedores, no Mineirão.  

Os desfalques constantes afetaram o rendimento do time. Zezé Moreira jamais conseguiu escalar o time completo no campeonato. Para complicar, Joãozinho também se contundiu com gravidade e ficou de fora da maior parte dos jogos.

Em um grupo de 9 equipes, o Cruzeiro ficou em 2º lugar ao lado de Coritiba, Atlético e São Paulo. Pelos critérios de desempate, ficou na 5ª posição (3 vitórias, uma por mais de dois gols de diferença, que valia 3 pontos; 4 empates e uma derrota). Como somente os quatro primeiros se classificavam, o time celeste teve que disputar a repescagem, que valia uma vaga para a 3ª fase do torneio.

Na repescagem, o Cruzeiro enfrentou Portuguesa, Londrina, Uberaba e Confiança. Somou 8 pontos (3 vitórias, uma de 3 pontos, e 1 empate) e ficou em 2º, um ponto a menos do que a Portuguesa. No último jogo, precisava derrotar o Londrina por dois gols de diferença pra ficar em 1º. Em 27out76, no Mineirão, diante de um público de quase 40 mil torcedores, Palhinha fez 1×0 no início do 2º tempo e foi só. Para surpresa de muitos, a menos de um mês do duelo contra o Bayern, o campeão sul-americano foi eliminado do Brasileiro.  

Racha

A eliminação precoce conturbou o ambiente na Toca. Carmine Furletti, vice-presidente de futebol, e Elias Barburi, o Tóia, diretor de futebol, criticaram Zezé Moreira, cujo esquema de jogo consideravam ultrapassado. Barburi queria a demissão do treinador. Mesmo afastado por doença, Felício Brandi bancou o treinador e responsabilizou os dirigentes, que teriam reforçado mal a equipe, pela desclassificação.

Em meados de outubro, o clube contratou o uruguaio Pablo Forlan, que aos 31 anos estava aposentado em Montevidéu. Zezé Moreira contava com a experiência e a garra do lateral, que disputara duas copas do mundo e havia sido campeão intercontinental com o Peñarol em 1966.  

Inverno

O Cruzeiro embarcou para a Alemanha com problemas. Nelinho, Piazza e Joãozinho vinham de longa inatividade. Dirceu Lopes, há mais de um ano parado, também estava fora de forma. O time estava sem ritmo, pois só jogou duas vezes após a eliminação no Brasileiro. Com equipes mistas, empatou em Maringá, com o Grêmio local, e no Mineirão, com o América carioca, por 0x0.

Além de tricampeão europeu, o Bayern era a base da Seleção Alemã campeã do Mundo em 74. Tinha celebridades como Sepp Maier, Franz Beckenbauer, Gerd Muller e Paul Breitner entre outros. No campeonato alemão, estava em 3º, a 4 pontos do líder.

Os alemães até foram corteses. De acordo com Raul, forneceram agasalhos e material de treino aos cruzeirenses. O próprio goleiro foi presenteado por Maier com luvas apropriadas para jogos com neve.

O jogo foi disputado sob uma nevasca. Em tais condições, o Cruzeiro foi cauteloso. Queria ao menos empatar e trazer a decisão para o Mineirão. Nelinho e Joãozinho, que foi substituído por Dirceu Lopes no 2º tempo, não estiveram bem. Mesmo assim, o time resistiu até os 35 o 2º tempo, quando Ulli Hoeness cruzou da direita, Morais não alcançou e Gerd Muller, na entrada da pequena área, dominou e chutou no canto direito de Raul Plassmann.

Dois minutos depois, Rummenigge começou a jogada pela esquerda, Muller fez corta-luz e Kapellmann, da entrada da área, bateu rasteiro no canto direito de Raul pra definir o placar e colocar os alemães em vantagem na decisão.

  • Cruzeiro 0×2 Bayern München, terça-feira, 23nov76, 1º jogo da decisão do Mundial Interclubes 1976, Olympiastadion, Munique, Alemanha – Público: 22.000 pagantes – Juiz: Luis Pestarino (Argentina) – Gols: Muller, 35, Kapellmann, 37 do 2º tempo – Cruzeiro: Raul Plassmann, Nelinho, Morais, Ozires e Vanderlei Lázaro; Wilson Piazza e Zé Carlos; Eduardo Amorim, Palhinha, Jairzinho e Joãozinho (Dirceu Lopes). Tec: Zezé Moreira / Bayern: Sepp Maier, Bjorn Andersson, Franz Beckenbauer, Hans-Georg Schwarzenbeck e Udo Horsmann; Bernd Dürnberger, Conny Torstensson e Jupp Kapellmann; Uli Hoenes, Gerd Müller e Karl-Heinz Rummenigge. Téc: Dettmar Cramer. 1: Maier, Schwarzenbeck, Beckenbauer, Hoenes, Kapellmann e Muller conquistaram a Copa do Mundo 74 pela Alemanha. 2. Torstensson e Andersson disputaram as Copas de 74 e 78 pela Suécia. 3: Maier jogou as Copas de 66, 70, 74 e 78. Beckenbauer jogou as de 66, 70 e 74 e foi técnico da Alemanha em 86 e 90, quando conquistou o título. 4. Rummenigge tinha 21 anos à época. Era um talento em ascensão. Jogou as Copas de 78, 82 e 86.  

Mesmo apontando a neve como vilã, Nelinho não deixou de observar que muitos jogadores –os principais– estavam fora das suas melhores condições físicas e técnicas, em entrevista à Placar:

  • “A neve deixou o nosso time muito inseguro. Logo no início, perdi umas três bolas bobas porque ia dar o drible e ela corria ao invés de ficar no meu pé. Além disso, eu –como o Jair, o Joãozinho, o Piazza, o Palhinha e o Dirceu– estava em péssimas condições. Tanto que joguei plantado. Só desci umas duas vezes.”

Revanche

Sem compromissos oficiais, os jogadores voltaram à rotina de treinamentos. Palhinha, com dores musculares, e Jairzinho, gripado, não participaram da primeira semana de treinamentos. Zezé Moreira, que pretendia apurar a condição física e técnica do elenco, era só preocupação.

O Cruzeiro disputou apenas um amistoso entre os dois jogos. Em 11dez76, venceu o Uberaba por 3×0, no Mineirão, perante 4 mil torcedores. Raul e Jairzinho ficaram de fora, enquanto Dirceu Lopes e Joãozinho atuaram o tempo todo.

Mesmo reconhecendo a força do adversário, o clima entre os jogadores era de confiança. Todos achavam possível reverter o resultado e conquistar o título. Acreditavam no pouco tempo de adaptação dos alemães ao calor fizessem a diferença, como o frio e a neve tinha feito na Alemanha. Zezé Moreira analisou o adversário e deu a receita para vencê-lo, em entrevista à Placar:

  • “Eles praticamente não têm posição fixa em campo. Há sempre um jogador a mais na marcação dos atacantes adversários e a recuperação deles é impressionante. Temos que partir para um jogo coletivo, rápido e objetivo, como naquelas partidas contra o Internacional, pela Libertadores.”

Zezé Moreira ficou aborrecido com o desfecho do jogo de ida:

  • Nós nunca poderíamos ter nos apavorado com o primeiro gol e partido pra cima deles que nem loucos. Deveríamos ter ficado quietinhos, no nosso esquema, porque a derrota de 1×0 era um excelente resultado para o Cruzeiro. Agora, eles entram aqui com 2×0 no placar. Isso lhes dá muita segurança e apóia qualquer sistema defensivo.

Mas não havia perdido a esperança:

  • Chegaremos lá. Precisamos entrar com os onze jogadores em perfeitas condições técnicas e físicas, caso contrário, será difícil vencer. Estamos treinando duro porque não adianta apenas marcar os gols necessários. É preciso, também, não tomar.

Verão

Enfim, na quinta-feira, 21dez76, o Mineirão recebeu pela primeira e única vez na sua história uma decisão de título mundial. O público oficial foi de 113.715 pagantes.

Saí da Fafich, no Bairro Santo Antônio, por volta de 13h e parei pra tomar cerveja e fazer a resenha do futebol com os colegas no Jorobó, um boteco na Contorno, quase na esquina de Carangola.

Por volta de 15h, saímos para o Mineirão em vários táxis. Eu e o Nílton Figueiredo, colega de Sociologia, tomamos um fusca amarelo sem banco dianteiro.

Na Catalão, sobre o viaduto do Anel Rodoviário, o motorista puxou o freio de mão e recomendou: “Se vocês querem ver o jogo, melhor irem a pé.”

Travou tudo. As pessoas largavam os carros no meio da pista e saiam correndo em direção ao estádio. No estacionamento, saquei o lance: havia dezenas de ônibus de todas as partes do país: Bahia, Rio, Goiás, Espírito Santo, Mato Grosso, Paraná, São Paulo e inúmeras cidades do interior de Minas.

Quando consegui entrar, não havia mais divisão de setores. Tentei furar os bloqueios de cada um dos acessos às arquibancadas, cadeiras e geral, sem sucesso. O Mineirão estava entupido.

O jeito foi assistir à decisão no corredor. Escolhi o Bar 22, cuja televisão, uma Philco com Bombril –aquela palha de aço que dizia ter mil e uma utilidades- nas pontas antenas, atendia a uma multidão incalculável. Havia superlotação até nas áreas de circulação.

No dia seguinte, o Estado de Minas estampava a manchete “Trânsito infernal na ida e na volta. A decisão mudou a vida da cidade”.  Os jornais informaram também sobre a invasão de mais de 20 mil torcedores vindos em caravanas, que não encontrando ingressos à venda, arrombaram os portões do estádio. Esse foi, sem dúvida, o maior público da história do Gigante da Pampulha. (Jorge Santana)

O Bayern chegou à BH no dia do jogo. Os jogadores foram para o hotel, descansaram poucas horas e foram para o Mineirão. Reconheceram o gramado e se aqueceram sob estrepitosas vaias da torcida.

Zezé Moreira escalou uma formação mais ofensiva, com um ataque com Jairzinho pela direita, Palhinha, Dirceu Lopes e Joãozinho. Eduardo ficou no banco.

O calouro de Engenharia, João Chiabi Duarte, relata suas impressões:

“Eu me lembro de ter chegado ao estádio por volta das 16 h. Os portões se abriram por volta das 18 h. Lá dentro, não dava pra levantar e sair, porque se perdia o lugar. O time deles era uma verdadeira seleção campeã do mundo. Fiquei no hall de entrada para vê-los passar. Sepp Mayer o goleiro tinha mãos imensas. Beckenbauer carregava os sacos como qualquer outro jogador. Não tinha essa de roupeiro, cada um fazia a sua parte. Lembro até hoje da cena. O Bayern entrou para aquecer com os seus agasalhos vermelhos da Adidas (sonho de consumo de todos nós naquela época), um calor infernal. Foi a maior vaia que eu já tinha visto em um estádio de futebol…

O Cruzeiro precisava de uma vitória por dois gols no tempo normal para forçar a prorrogação e pênaltis. A gente acreditava demais nos nossos craques. O jogo começou depois das 21h. O Cruzeiro fez uma ótima partida e parou sempre nas mãos de Maier ou nos desarmes fantásticos de Beckenbauer ou do Schwarzenbeck (jogava duro e não perdeu uma antecipação naquele dia). Houve lances incríveis durante o jogo. Uma cabeçada do Jairzinho, de costas, que o Sepp Maier só defendeu porque tinha mãos enormes. Ou a grande defesa do Raul no chute rasteiro e forte do Rumenigge, que ele tirou com a ponta do pé.  

No Cruzeiro, Dirceu Lopes parecia se ressentir da longa inatividade e não conseguia ter vantagem sobre a marcação implacável de Kapellmann. No 2º tempo, Zezé Moreira trocou-o por Forlan, que entrou na lateral direita, e adiantou Nelinho para a meia, para aproveitar o chute do lateral. E ele mandou três ou quatro varadas em direção ao gol alemão. Todas espalmadas ou socadas por Maier.

Rumenigge dava trabalho nos contra-ataques, mas sentiu uma contusão e deu lugar a Arbinger, que entrou para marcar as boas combinações que Nelinho e Forlan faziam pela direita. Palhinha, Joãozinho e Jairzinho brigaram com valentia contra os gigantes do time alemão e criaram as oportunidades. Embora não tivessem feito os gols, lutaram muito, como de resto, todo o time celeste.”

Mesmo sem o título, os jogadores celestes deixaram sob os aplausos da torcida, em reconhecimento pelo que fizeram. Foi um belo espetáculo proporcionado por dois grandes times. Um show de técnica e tática

  • Cruzeiro 0×0 Bayern München, terça-feira, 21dez76, 2º jogo da decisão do Mundial Interclubes-76, Mineirão, Belo Horizonte. Público: 113.715 pagantes – Juiz: Patrick Partridge (Inglaterra) – Cruzeiro: Raul Plassmann, Nelinho, Morais, Ozires e Vanderlei Lázaro; Wilson Piazza (Eduardo Amorim) e Zé Carlos; Jairzinho, Palhinha, Dirceu Lopes (Pablo Forlan) e Joãozinho. Tec: Zezé Moreira / Bayern: Sepp Maier, Bjorn Andersson, Franz Beckenbauer, Hans-Georg Schwarzenbeck e Udo Horsmann, Weiss, Conny Torstensson e Jupp Kapellmann, Uli Hoeness, Gerd Müller e Karl Heinz Rummenigge (Alfred Arbinger). Tec: Dettmar Cramer.  

Alguns lances ficaram da decisão mundial ficaram eternizados: duas incríveis defesas de Raul Plassmann, um drible de Joãozinho deixando o Kaiser Beckenbauer de bunda no chão e uma cabeçada de Jairzinho que, com o arco escancarado, mandou a bola no travessão.

João Saldanha culpou a cabeleira Black Power do atacante pelo desperdício. Segundo ele, a bola amorteceu naquela touceira ornamental. Para provar sua tese, o cronista saiu pelas ruas do Rio de Janeiro com uma bola e uma câmera filmando cabeçadas de outros cabeludos. Todas sairam chochas. 

Links:

  1. Vídeo de uma emissora alemã, com os gols da partida, com uma impagável participação do repórter Paulo Roberto escalando o time do Bayern.
  2. Trecho de um documentário do Sportv sobre Jairzinho, com imagens rápidas do jogo do Mineirão.
  3. Fernando Sasso narra alguns momentos ada decisão.

Honduras 1×0 Chile: Cadê o pênalti? Vencer era uma necessidade…

quarta-feira, 16 de junho de 2010

No Estádio Mbombela, em Nelspruit, Honduras e Chile abrem o Grupo H, que tem a Espanha como principal atração e favorita de quase todo mundo pra conquistar a Copa.

O Chile, treinado por El Loco Bielsa, um argentino que manda o time pras cabeças, vai jogar no 4-3-3 com Sanchez, Suazo (Gallardo) e Beausejour atacando em tempo integral.

Honduras, mais humilde, vai de 4-4-1-1. Carlos Pavón, 36 anos, 56 gols pela Nacional, terá de se virar sozinho no comando do ataque. Quando muito, receberá apoio do meia-armador Nuñez, de quem a gente jamais ouviu falar.

O Juiz será Eddy Maillet, das Ilhas Seychelles, país pouco maior do que Belo Horizonte, com 87 mil habitantes, descoberto por Vasco da Gama, que fica coladinho em Madagáscar.

*****

Eis como o La Prensa, de Tegucigalpa, reportou o jogo:

Honduras debuta con derrota en el Mundial

Ambos representativos abren el grupo H del Mundial de Sudáfrica y protagonizarán el primer duelo latinoamericano (Nelspruit , Sudáfrica)

Mal inicio para Honduras en el Mundial de Sudáfrica-2010. La Selección Nacional después de 28 años volvió a una Copa del Mundo, pero comenzó el camino cayendo 1-0 contra Chile en un duelo con sabor latinoamericano que abrió la acción del Grupo H.

El gol de Jean Beausejour a la media hora de partido dio a Chile su primera victoria mundialista en 48 años y permitió al equipo de Marcelo Bielsa sumar sus tres primeros puntos ante un flojo equipo catracho que, por lo que ha mostrado este miércoles, se confirma como la cenicienta del su zona, donde también están España y Suiza.

La Bicolor, que aún busca el primer triunfo mundialista de su historia, tendrá que esperar, porque se encontró con un rival muy superior en lo futbolístico y que mereció, por juego y ocasiones, mucho más.

El último triunfo de Chile en un fase final de la Copa del Mundo se remonta al 10 de junio de 1962, cuando venció, como anfitriona, a la ex Unión Soviética en la ciudad de Santiago (2-1). Desde entonces, no había podido ganar ni un solo encuentro -siete derrotas y seis empates- en sus siguientes cuatro participaciones: Inglaterra’66, Alemania’74, España’82 y Francia’98.

Los jugadores hondureños tuvieron mucho trabajo en defensa y es que lo de los chilenos pinta bien. Es un equipo dinámico, veloz, atrevido, que juega con las líneas muy juntas, al que le gusta dar un buen trato al balón y practicar un fútbol atractivo. Salió a por el partido desde el primer minuto. Y lo hizo atacando sin cesar por las alas, con dos laterales ofensivos como Vidal e Isla y con un Alexis Sánchez hiperactivo por ambas bandas.

Aún así, a Chile le falta instinto asesino si no tiene a Humberto Suazo, su goleador, al que Bielsa reservó después de que el ‘Chupete’ se haya pasado las dos últimas semanas recuperándose de una lesión muscular.

Una falta lanzada por Matías Fernández y un disparo lejano de Vidal que Noel Valladares atajó en dos tiempos fue lo más peligroso de Chile antes de que, pasada la media hora, Beausejour rematara a gol una combinación entre el propio Fernández y Vidal (0-1).

El tanto fue un premio merecido a la insistencia chilena y el justo castigo para una Honduras que se había mostrado solida en la contención, rápida en el repliegue, pero tácticamente rácana y técnicamente limitada a la hora de fabricar algo de fútbol.

Sin el otro Suazo, David, también delantero y también reservado por Reinaldo Rueda al no estar al cien por cien, la selección hondureña lo porfió todo a la solvencia de Wilson Palacios para poner pausa en la medular y los disparos lejanos de Núñez, sustituto en la mediapunta de Rambo De León, al que una lesión muscular le ha dejado a última hora fuera del Mundial.

El guión del partido no cambió tras la reanudación, si acaso, aún se puso más de cara para Chile, el único equipo que quería el balón. Mientras que Honduras intentaba controlar el choque con el repliegue, su potencia física y la organización defensiva.

Un disparo demasiado Cruzado de Alexis Sánchez y un doble remate de Ponce y Medel que Valladares sacó por dos veces en la línea de gol fueron los dos primeros avisos de la escuadra sudamericana en la segunda mitad. Mientras tanto, en la meta contraria, Bravo vivía desde lejos y con placidez el aluvión atacante de su equipo.

Honduras no robaba, no salía, no armaba una contra que hiciera al menos recular al rival. El equipo centroamericano fue decayendo hasta acabar encerrado en su área, pero Chile fue incapaz de sentenciar por culpa de su falta de definición en los metros finales.

Con otro rival, quizá lo hubiera acabado pagando, pero no con Honduras, un equipo tan tímido con el balón que no fue capaz de disparar entre los tres palos durante toda la segunda mitad.

El segundo partido de Honduras es el lunes 21 de junio contra España que hoy debuta ante Suiza, nuestro tercer rival.

Honduras: Noel Valladares, Sergio Mendoza, Osman Chávez, Maynor Figueroa, Emilio Izaguirre, Amado Guevara, Wilson Palacios, Roger Espinoza, Ramón Núñez, Edgard Álvarez y Carlos Pavón. Entrenador: Alexis Mendoza. / Chile: Claudio Bravo, Waldo Ponce, Mauricio Isla, Carlos Carmona, Gary Medel, Matías Fernández, Rodrigo Millar, Alexis Sánchez, Arturo Vidal, Jorge Valdivia y Jean Beausejour. Entrenador: Marcelo Bielsa.

UOL Esportes viu quae tudo, menos um pênalti calro a favor da seleção azul-estrelada, Assim fica difícil!

  • 27 – Matías Fernández cobra a falta forte. Mesmo longe da área, o meia-atacante chileno assusta o goleiro e bola passa rente ao travessão.
  • 34 – GOOOLLL DO CHILE!!! Isla recebe belo passe na direita e cruza rasteiro para Beausejour desviar no primeiro pau.
  • 45 – Em cobrança de falta, Nuñez chuta no meio e Bravo manda para o escanteio.
  • 62 – UUUHHH!!! Sanchez recebe passe de Valdivia, domina na entrada da grande área, chuta e a bola passa rente à trave direita hondurenha
  • 64 – UUUHHH!!! Vidal escora cobrança de falta para o meio da área. Livre, Ponce cabeceia debaixo da trave e Valladares faz grande defesa;
  • Alexis Sánchez – Liso, o camisa 7 partiu para cima dos defensores de Honduras e criou chances de gol com seus dribles.
  • Carlos Pavon – Maior artilheiro da história de Honduras e herói da classificação, finalizou a gol apenas uma vez e errou. 
  • Noel Valladares – Sofreu ao ver seu time ser dominado e realizou quatro importantes defesas, evitando uma goleada.
  • Amado Guevara – Capitão hondurenho errou 28% dos passes e foi substituído aos 19min do segundo tempo .

Doze motivos pra se derrubar um treinador

quinta-feira, 3 de junho de 2010

Eis os doze trabalhos de Adílson Baptista. E também os doze motivos para o ódio que traíras e teleguiados sentem por ele.

  1. Cruzeiro 0x0 Atlético-MG, domingo, 09mar08, 16h, Mineirão, 7ª rodada do Campeonato Mineiro (6ª partida do Cruzeiro) – Público: 54.825 pagantes, 57.242 presentes – Renda: R$869.174,50 – Juiz: Alício Pena Jr. (MG) – Bandeiras: Márcio Eustáquio Santiago e Helbert Costa Andrade – Amarelos: Marcos, Márcio Araújo, Xaves, Danilinho (Atl) Marcinho (Cru) – Atlético-MG: Juninho; Coelho, Leandro Almeida, Marcos e Thiago Feltri; Márcio Araújo, Xaves, Renan e Sidnei (Gérson); Danilinho e Marinho (Marcelo Nicácio). Tec: Geninho / Cruzeiro: Fábio; Jonathan (Elicarlos), Thiago Heleno, Espinoza e Jadílson; Marquinhos Paraná, Ramires, Charles (Sandro) e Wagner; Marcelo Moreno e Guilherme (Marcinho). Tec: Adilson Batista.
  2. Cruzeiro 5×0 Atlético-MG, domingo, 27abr08, 16h, Mineirão, jogo de ida da final do Mineiro 2008 – Público: 48.903 pagantes e 51.063 presentes – Renda: R$1.011.000,20 – Juiz: Paulo Cesar Oliveira (SP) – Bandeiras: Maria Eliza Correia Barbosa e Emerson Augusto de Carvalho (SP) – Amarelos: Xaves (Atl); Thiago Heleno, Marquinhos Paraná e Ramires (Cru) – Gols: Moreno, 12, Marcos (contra), 19, e Ramires, 38, do 1º tempo; Guilherme, 21, e Wagner, 33 do 2º – Atlético-MG (com uniforme tradicional, no 4-3-3): Juninho; Gérson (Renan), Leandro Almeida, Marcos e Thiago Feltri (Agustin Viana); Rafael Miranda, Xaves, Márcio Araújo e Danilinho; Marques e Renan Oliveira (Marcelo Nicácio). Tec: Geninho / Cruzeiro (com uniforme tradicional, no 4-3-1-2): Fábio; Charles (Fabrício), Thiago Heleno, Espinoza e Jadílson (Jonathan); Henrique, Ramires e Marquinhos Paraná, Wagner; Guilherme e Marcelo Moreno (Leandro Domingues). Tec: Adílson Baptista
  3. Cruzeiro 1×0 Atlético-MG, domingo, 04mai08, 16h, Mineirão, jogo de volta da final do Mineiro 2008 – Público: 39.187 pagantes e 41.563 presentes – Renda: R$ 732.420,00 – Juiz: Evandro Rogério Roman (PR) – Bandeiras: Roberto Braatz e Edney Guerreiro Mascarenhas (PR) – Amarelos: Thiago Heleno, Elicarlos (Cru); Coelho, Agustin Viana, R. Miranda (Atl) – Vermelhos: Renan (Atl) 23, Danilinho (Atl), 36 e Charles (Cru), 41 do 2º tempo – Gol: Marcelo Moreno, 30 do 2º tempo – Cruzeiro (com uniforme tradicional, no 4-3-1-2): Fábio; Jonathan, Thiago Heleno, Thiago Martinelli e Jadílson; (Charles); Elicarlos (Henrique), Fabrício (Guilherme) e Marquinhos Paraná; Wagner; Marcinho e Marcelo Moreno. Tec: Adílson Baptista / Atlético-MG (com uniforme tradicional, no 4-3-3): Juninho; Coelho (Xaves); Vinícius, Leandro Almeida e Agustín Viana (Renan); Rafael Miranda, Márcio Araújo e Gérson; Danilinho, Eduardo (Marinho) e Marques. Tec: Geninho.
  4. Cruzeiro 2×1 Atlético-MG, domingo, 13jul08, 16h, Mineirão, 11ª rodada do Campeonato Brasileiro – Público: 37.644 pagantes e ? presentes – Renda: R$698.075,00 – Juiz: Sálvio Spinola Fagundes Filho (Fifa-SP)- Bandeiras: Helberth Costa Andrade e Jair Albano Felix (MG) – Amarelos: Wagner, Charles, Weldon, Jonathan e Ramires (Cru) – Gols: Danilinho, 33, Martinelli, 35 dp 1º tempo; Ramires, 47 do 2º – Cruzeiro: Fábio; Marquinhos Paraná, Espinoza, Thiago Martinelli e Jadílson (Jonathan); Charles, Fabrício e Ramires e Wagner; Weldon (Rômulo) e Fabinho (Gérson Magrão). Tec: Adilson Batista / Atlético-MG: Edson; Mariano (Castillo), Marcos, Vinícius e César Prates; Serginho, Márcio Araújo, Renan e Petkovic (Marques); Danilinho e Eduardo (Almir). Tec: Alexandre Gallo.
  5. Cruzeiro 2×0 Atlético-MG, domingo, 19out08, 16h, Mineirão, 30ª rodada do Campeonato Brasileiro – Público: 52.884 pagantes – 54.000 presentes – Renda: R$1.008.651,50 – Juiz: Wagner Tardelli (RJ) – Bandeiras: Alessandro A. R. de Matos (BA) e Milton O. dos Santos (RN) – Amarelos: Márcio Araújo, Vinícius, Juninho (Atl), Guilherme (Cru) – Gols: Jonathan, 42 do 1º tempo; Guilherme, de pênalti, 48 do 2º – Cruzeiro: Fábio; JonathanLeo Fortunato, Thiago Heleno e Carlinhos; Marquinhos Paraná, Henrique (Elicarlos, 40, 2º) e Ramires; Fernandinho (Wagner, 21, 2º); Thiago Ribeiro (Camilo, 33, 2º) e Guilherme. Tec: Adilson Batista / Atlético-MG: Juninho; Sheslon, Vinícius, Leandro Almeida, Denílson (Rafael Aguiar, intervalo); Elton (Tchô, 31, 2º), Serginho, Márcio Araújo e Renan Oliveira; Castillo e Marques (Pedro Paulo, 16, 2º). Tec: Marcelo Oliveira.
  6. Cruzeiro 4×2 Atlético-MG, sábado, 17jan09, 16h15, Estádio Centenário, Montevidéu, Uruguai, jogo preliminar da rodada de abertura da Copa Bimbo (Torneio de Verão para a imprensa mineira) – Transmissão: Globo Minas e SporTV 2 – Público: ? – Renda: ? – Juiz: Jorge Larrionda (Uru) – Bandeiras: Walter Rial e Marcelo Gadea (Uru) – Amarelos: Sheslon (Atl); Fernandinho (Cru) – Gols: Renan, contra, aos 17, Diego Tardelli, 36, Fernandinho, pênalti, 39, Ramires, 46 min do primeiro tempo; Diego Tardelli, 22, e Soares, 44 min do segundo – Cruzeiro: Fábio; Jonathan (Jancarlos), Thiago Heleno (Leonardo Silva) e Fernandinho; Marquinhos Paraná, Henrique e Ramires; Wagner (Camilo); Thiago Ribeiro (Soares) e Wellington Paulista (Alessandro). Tec: Adilson Batista / Atlético-MG: Juninho, Welton Felipe, Leandro Almeida e Marcos (Tchô); Carlos Alberto, Renan (Sheslon), Rafael Miranda (Márcio Araújo), Júnior (Lopes) e Thiago Feltri (Raphael Aguiar); Éder Luís e Diego Tardelli. Tec: Emerson Leão.
  7. Cruzeiro 2×1 Atlético-MG, domingo, 15fev09, 16h, Mineirão, Belo Horizonte, 5 rodada do Campeonato Mineiro de 2009 – Transmissão: PFC (pague-pra-ver) – Público: 47.802 pagantes, 50.874 presentes – Renda: R$972.856,50 – Juiz: Alício Pena Jr. (MG) – Bandeiras: Márcio Eustáquio Santiago e Celso Luiz da Silva (MG) – Amarelos: Welton Felipe, Leandro Almeida, Júnior (Atl), Fábio, Jancarlos, Thiago Ribeiro, Gerson Magrão, Soares, Henrique e Andrey (no banco) (Cru) – Vermelhos: Welton Felipe (Atl), Thiago Ribeiro (Cru) – Gols: Ramires, 18, Soares, 42 do primeiro tempo; Diaego Tardelli, 32 so segundo – Cruzeiro: Fábio; Jancarlos (Jonathan), Leo Fortunato, Thiago Heleno e Fernandinho; Henrique, Marquinhos Paraná e Ramires; Gerson Magrão (Wagner); Thiago Ribeiro e Soares (Wellington Paulista). Tec: Adilson Batista / Atlético-MG: Juninho, Marcos Rocha (Werley), Welton Felipe, Leandro Almeida e JúniorCarlos Alberto, Renan (Thiago Feltri), Márcio Araújo e Yuri (Marcos); Éder Luís e Diego Tardelli. Tec: Emerson Leão.
  8. Cruzeiro 5×0 Atlético-MG, domingo, 26abr09, 16h, Mineirão, Belo Horizonte, jogo de ida das finais do Campeonato Mineiro de 2009 – Transmissão: Globo Minas e PFC (pague-pra-ver) – Público: 47.489 pagantes, 49.380 presentes – Renda: R$1.078.742,50 – Juiz: Paulo César de Oliveira (SP) – Bandeiras: Roberto Braatz (PR) e Maria Eliza Barbosa (SP) – Amarelos: Gerson Magrão, Leonardo Silva, Kléber e Wellington Paulista (Cru); Werley (Atl) – Vermelhos: Renan e Leandro Almeida (Atl); Ramires (Cru) – Gols: Kléber, 39 do 1º tempo; Leonardo Silva, 10, Leonardo Silva, 16,  Jonathan, 34, Jonathan, 41 do 2º tempo – Cruzeiro: Fábio; Jonathan, Leo Fortunato, Leonardo Silva e Gerson Magrão; Marquinhos Paraná, Fabrício (Henrique) e Ramires; Wagner; Thiago Ribeiro (Soares) e Kleber (Wellington Paulista). Tec: Adílson Batista / Atlético-MG: Juninho; Werley (Marcos Rocha), Leandro Almeida, Marcos e Júnior; Renan, Rafael Miranda, Carlos Alberto e Márcio Araújo (Kleber); Lopes (Chiquinho) e Diego Tardelli. Tec: Emerson Leão.
  9. Cruzeiro 1×1 Atlético-MG, domingo, 03mai09, 16h, Mineirão, Belo Horizonte, jogo de volta das finais do Campeonato Mineiro de 2009 – Transmissão: Globo Minas e PFC (pague-pra-ver) – Público: 38.186 pagantes, 40.00 presentes (estimativa) – Renda: R$945.846,00 – Juiz: Leonardo Gaciba da Silva (Fifa-RS) – Bandeiras: Carlos Berkenbrock (SC) e Katiuscia Mendonça (ES) – Amarelos: Carlos Alberto, Rafael Miranda, Diego Tardelli (Atl), Wagner, Henrique, Jancarlos, Gérson Magrão, Kléber, Gustavo (Cru) – Vermelhos: Carlos Alberto, Welton Felipe (Atl), Wellington Paulista (Cru) – Gols: Fabiano, 16, Kleber, de pênalti, 22 do 1º tempo – Cruzeiro: Fábio; Jancarlos (Elicarlos), Leo Fortunato, Gustavo Schiavolin e Gerson Magrão; Henrique (Elicarlos), Fabrício (Sorín) e Marquinhos Paraná; Wagner; Soares (Wellington Paulista) e Kleber. Tec: Adílson Batista / Atlético-MG: Juninho; Marcos Rocha, Marcos, Welton Felipe e Júnior; Rafael Miranda, Carlos Alberto, Márcio Araújo e Fabiano (Júnior Carioca); Eder Luís e Diego Tardelli. Tec: Emerson Leão.
  10. Catadão do Cruzeiro 0×3 Atlético-MG, domingo, 12jul09, 16h, Mineirão, Belo Horizonte, 10ª rodada do Campeonato Brasileiro – Transmissão: Globo Minas e PFC (pague-pra-ver) – Público: 22.583 pagantes – Renda: R$424.612,23 – Juiz: Paulo César de Oliveira (Fifa-SP) – Bandeiras: Ednilson Corona (Fifa-SP) e Janette Mara Arcanjo (MG) – Amarelos: Marcos Rocha, Márcio Araújo, Renan (Atl);  Diego Renan, Elicarlos, Wanderley, Athirson (Cru) – Vermelhos: Zé Carlos, aos 10 segundos do 1º tempo (Cru) – Gols: Júnior, 32, Alessandro, 44 do 1º tempo;Eder Luís, 43 do 2º – Cruzeiro: Andrey; Jancalos, Neguete, Vinicius e Diego Renan; Fabinho (Anderson Beraldo), Fabricio e Elicarlos; Athirson, Tiago Ribeiro (Wanderley) e Zé Carlos. Tec: Adílson Batista/ Atlético-MG: Aranha; Marcos Rocha (Alessandro), Werley, Welton Felipe e Thiago Feltri, Jonílson, Renan, Márcio Araújo e Júnior; Eder Luís e Diego Tardelli. Tec: Celso Roth.
  11. Cruzeiro 1×0 Atlético-MG, segunda-feira, 12out09, 16h, Mineirão, Belo Horizonte, 29ª rodada do Campeonato Brasileiro – Transmissão: PFC (pague-pra-ver) – Público: 45.959 pagantes, 48.106 presentes – Renda: R$822.435,00 – Juiz: Sálvio Spínola Fagundes Filho (SP) – Bandeiras: Roberto Braatz (Fifa-PR) e Vicente Romano Neto (SP) – Amarelos: Rentería e Jonilson (Atl); Gilberto, Elicarlos, Gil e Fábio (Cru) – Gols: Wellington Paulista, 11 do 1º tempo – Cruzeiro: Fábio; Jonathan, GIL, Leonardo Silva e Diego Renan; Henrique, Fabrício e Marquinhos Paraná; Gilberto (Elicarlos); Thiago Ribeiro (Leandro Lima) e Wellington Paulista (Guerrón). Tec: Adílson Batista / Atlético-MG: Carini; Carlos Alberto, Benítez, Werley e Thiago Feltri; Jonílson, Correa, Márcio Araújo (Pedro Oldoni) e Evandro (Ricardinho); Eder Luiz e Rentería (Alessandro). Tec: Celso Roth.
  12. Cruzeiro 3×1 Atlético-MG, sábado, 20fev10, 17h, Mineirão, Belo Horizonte, 6ª rodada do Campeonato Mineiro – Transmissão: PFC (pague-pra-ver) – Público: 41.591 pagantes – Renda: R$988.227,50 – Juiz: Renato Cardoso da Conceição – Bandeiras: Guilherme Dias Camilo e Jair Albano Félix – Amarelos: Kleber (Cru), Coelho, Werley, Jairo Campos (Atl) – Gols: Gil, 22, Jairo Campos, 30 do 1º tempo; Leonardo Silva 36, Roger Secco, 43 do 2º – Cruzeiro: Fábio; Jonathan, Gil, Leonardo Silva e Diego Renan (Pedro Ken); Elicarlos, Henrique, Marquinhos Paraná; Gilberto (Roger Secco); Thiago Ribeiro (Bernardo) e Kleber. Tec: Adílson Batista / Atlético-MG: Carini; Coelho, Werley, Jairo Campos e Leandro Silva;  Jonílson (Marques), Correa, Renan Oliveira (Obina) e Ricardinho (Júnior); Diego Tardelli e Muriqui. Tec: Vanderlei Luxemburgo.

N.B.: Dedico este post aos dois presidentes do Cruzeiro. O do grupinho de chegados e o da torcida. E também aos traíras teleguiados.

Santiago voltou a tremer

quinta-feira, 22 de abril de 2010

Silvério Cândido

Para a Família Cândido, o Cruzeiro está em 1º lugar. Por isto, eu, Raimundinho, Bruno e o Raimundo Neto, compramos um pacote turístico pra assistir ao jogo do Cruzeiro x Colo Colo, em Santiago.

De saída, um imprevisto. Gripado, Raimundinho não pôde embarcar e fomos apenas três, os representantes da Família Cândido.

Dia 15, data do jogo, às 4h da manhã, já estávamos no Aeroporto de Confins onde encontramos um de 50 cruzeirenses uniformizados, dentre eles, o Ivan Drumond, completamente eufórico.

Às 6h saímos de Belo Horizonte. Às 13 h, já estávamos na em Santiago, após escala em São Paulo. Nós e o  Ivan!

(mais…)

Racionalidade como premissa

terça-feira, 20 de abril de 2010

Rosan Amaral

Pra melhor compreender a atuação e até o resultado do Cruzeiro contra o Colo Colo, é necessário analisar duas premissas: a racionalidade do nosso treinador e a grandeza do Cruzeiro no plano nacional e internacional.

Nosso técnico, Adilson Batista, é jovem e estudioso. Em seus erros e acertos, predominam atitudes racionais, o que não é comum no meio futebolístico tanto do Brasil quanto do restante da América do Sul.

E nosso clube, que foi considerado o melhor brasileiro no Século XX em disputas continentais, atualmente, está entre os 10 melhores do mundo neste tipo de torneio.

E tudo isto sem estar baseado num grande centro financeiro e sem ser incensado pela mídia esportiva brasileira.

(mais…)

Colo Colo 1×1 Cruzeiro: Tudo sob controle

quinta-feira, 15 de abril de 2010

O Cruzeiro se classifica para as oitavas de final vencendo, empatando, perdendo por até três gols de diferença.

Se perder por diferença de 4 gols, não pode ser 4×0, nem 5×1. Derrota com mais de 4 gols de diferença também exclui o time mineiro da Libertadores.

Kleber, contundido, não joga. Fabrício fica no banco. Wellington Paulista e Thiago Ribeiro formarão a dupla de ataque. O Colo Colo joga completo.

(mais…)

Quem tem medo do WP?

terça-feira, 13 de abril de 2010

Conversei com um comentarista do blog, nesta terça-feira:

– Vai a Santiago, como havia prometido?
– Não.
– Tá com medo?
– Tô.
– De terremoto?
– Não, do WP.

Na arrancada rumo à Libertadores, ano passado, ninguém tinha medo do WP.

Com o desânimo que ele tem demonstrado nas últimas vezes em que entrou em campo, o torcedor está com um pé atrás.

Mas estou apostando no artilheiro. Ou será que ele jogou a toalha?

*****

Estes são os caras pro jogo decisivo:

Goleiros: Fábio, Rafael Monteiro
Laterais: Jonathan, Diego Renan, Jonathan
Beques: Gil, Leonardo Silva, Thiago Heleno
Volantes: Fabinho, Fabrício, Henrique, Marquinhos Paraná, Pedro Ken
Meias: Bernardo, Gilberto, Roger Galera
Atacantes: Eliandro, Thiago Ribeiro, Wellington Paulista

Minha escalação:

  • Fábio, Jonathan, Gil, Leonardo Silva e Diego Renan; Henrique, Fabinho (Fabrício) e Marquinhos Paraná; Gilberto (Roger Galera); Thiago Ribeiro e Wellington Paulista (Eliandro).

Entre parentêses, as substituições de 2º tempo pra renovar o fôlego e puxar contra-ataques.

Cruzeiro 2×1 América-TO: Dragão bufou e perdeu

sábado, 20 de março de 2010

No Cruzeiro, que está em 1º lugar com 21 pontos, 2 acima do 2º colocado, o Ipatinga, retornam Gilberto e Guerron.

No América, que está  em 9º com 6 pontos, um jogo a menos, 5 pontos atrás do G8 e 2 a frente da zona de rebaixamento, não atuam Juliano Cabelo, contundido, e Araújo, suspenso.

Lances + importantes do 1º tempo

  • 17h – Começa o jogo. Cruzeiro com uniforme tradicional defende o Gol da Cidade. América joga todo de vermelho. 
  • 01 – Gilberto cruza, Rodrigo Sena corta.
  • 02 – Marquinhos Paraná tabela com Gilberto, invade a cruza para Kleber. Sena corta.
  • 03 – Júlio César lança Diogo Oliveira, Fábio sai da área pra cortar com o peito.
  • 04 – Jonathan cruza,da doreita, Gilberto pega de primeira, bola passa por cima do travessão.
  • 05 – Cruzeiro toca bola à espera de espaços para surpreender o América.
  • 09 – Wellington Paulista lança bola sobre a área, Sena corta.
  • 10 – Kleber recebe, de costas na intermediária, e sofre a falta.
  • 11 – Gilberto cobra falta sobre a área, Fábio Noronha defende.
  • 13 – Gilberto lança Marquinhos Paraná, que vai á linha de fundo e cruza. Jadson cede escanteio.
  • 14 – Gilberto cobra escanteio da ponta direita, Leonardo Silva cabeceia por cima do travessão.
  • 15 – América joga num 5-3-2, pois seus dois alas não saem muito para o ataque. Cruzeiro está aramdo num 4-2-2-2. Marquinhos Paraná, mais adiantado do que Fabinho e Henrique, arma o time ao lado de Gilberto, que pouco se movimenta. 
  • 16 – Osvaldir desce pela ponta direita, cruza, mas a bola escapa pela linha de fundo.
  • 19 – Diego Renan desarma Sena, avança pela esquerda, entra na área, cruza, mas Luis Henrique corta.
  • 20 – América pressiona e opbtém três escanteios pela direita. Fabinho, Marquinhos Paraná e, novamente, Fabinho, afastam as bolas cruzadas, de cabeça.
  • 21 – Kleber recebe na área, mas é desarmado por Jadson.
  • 22 – Chrys cruza, Diego Renan, na pequena área, corta.
  • 23 – Kleber invade a área pela direita, cruza pra trás, Henrique desvia de cabeça, Jadson corta.
  • 24 – Júlio César desce pela equerda, cruza, mas Diogo e Chrys não alcançam a bola, embora estejam sozinhos na área.
  • 25 – América domina a partida com forte marcação, ultrapassagens bem ensaiadas e  lançamentos precisos. Cruzeiro se enrola na tentaiva de furar o bloqueio defensivo do Dragão. Kleber e Gilberto estão apáticos.
  • 26 – Chrys recebe lançamento de Diego Palhinha, nas costas da zaga, deixa Fabinho pra trás, e chuta rasteiro no canto esquerdo de Fábio. América 1×0.
  • 27 – Jonathan cruza, Wellington paulista comete falta em Sena.
  • 29 – Diego Renan avança pelo meio e é parado com falta na intermediária.
  • 30 – Cruzeiro está muito mal. Kleber e Gilberto sem inspiração. Ataque imnoperante, defesa sendo surpreendida com lançamentos em suas costas.  
  • 31 – Júlio César puxa contra-ataque, invade a área pela direita e cruza rasteiro. Thiago Heleno corta.
  • 32 – Marquinhos Paraná lança Diego Renan, que recebe falta. Gilberto cobra, Henrique cabeceia, Luís Henrique corta.
  • 33 – Dioogo Oliveira lança Júlio César, que avança pela direita e cruza. Thiago Heleno corta.
  • 34 – Gilberto cobra escanteio na ponta direita, Fábio Noronha corta a bola com os punhos.
  • 35 – Gilberto cruza rasteiro, Jadson corta antes que Wellington Paulista alcance a bola.
  • 36 – Osvaldir cruza da direita, Fábio assiste a bola sair por cima do travessão.
  • 38 – Gilberto recebe lançamento de Wellington Paulista, livre na área, e chuta rasteiro. Fábio Noronha sai do arco e abafa a jogada evitando o gol de empate.
  • 39 – Marquinhos Paraná cruza da esquerda, Gilberto tenta arrematar de bicileta, mas não acerta a bola.
  • 40 – Cruzeiro pressiona, mas a zaga do América rebate as bolas alçadas na área.
  • 43 – Diego Renan cruza, mas Gilberto é desarmado na entrada da área.
  • 44 – Jonathan lança Kleber na área. Ele chuta cruzado, mas dois beques do América se atiram na bola e cedem escanteio.
  • 45 – Kleber recebe cartão amarelo por reclamação.
  • 46 – América toca bola na ponta-esquerda. Júlio César cruza, Diego Renan corta.
  • 47 – Fim de 1º tempo. Time celeste sai de campo vaiado.
  • Diego Renan: “Temos que conversar pra melhorar o time.”
  • Fábio: “O jogo está muito cadenciado e o América tiora vantagem disso tocando bem a bola.”

Lances + importantes do 2º tepo

  • 18h06 – Começa o 2º tempo. Equipes inalteradas.
  • 01 – Jonathan cruza da ponta direita, Gilberto cabeceia, Fábio Noronha salta e defende no canto direito, com dificuldade.
  • 02 – Marquinhos Paraná tabela com Kleber, que serve Wellington Paulista. O centroavante chuta forte, de canhota. Noronha faz grande defesa evitando o gol de empate.
  • 04 – Fabinho comete falta dura em Diego Palhinha e recebe cartão amarelo.
  • 05 – Jadson derruba Kleber e recebe cartão amarelo.
  • 06 – Kleber cruza rasteiro, Luís Henrique corta na pequena área.
  • 07 – Diego Renan comete falta em Chrys para impedir contra-ataque e recebe cartão amarelo.
  • 08 – Leonardo Silva reclama do Juiz e recebe cartão amarelo. Jonathan lança Fabinho, que cruza. Noronha defende.
  • 09 – Dênis cobra falta de longe, bola passa por cima do travessão.
  • 10 – Kleber invade a área pela esquerda, mas é desarmado por Jadson.
  • 11 – Roger Secco substitui Gilberto. Henrique é derrubado no bico da área. Jonathan cobra falta, Júlio César corta.
  • 12 – Guerrón substitui Diego Renan. Marquinhos Paraná fioca na lateral-esquerda.
  • 14 – Após tabelar com Henrique, Jonathan rola para Roger, que na meia lua, dribla Rodrigo Sena e chuta forte, de pé direito, rasteiro. A bola entra no canto direito de Fábio Noronha. Cruzeiro 1×1.
  • 15 – Guerrón cruza da direita, Noronha defende, cai, faz um pouco de cera.
  • 16 – Henrique lança Guerrón, que invade a área e cruza. Júlio César corta pra escanteio.
  • 17 – Dênis derruba Kleber e recebe cartão amarelo.
  • 18 – Roger fica caído no gramado e sai de campo no carrinho-maca pra ser atendido.
  • 19 – Jonathan lança Guerrón, que vai à linha de fundo e cruza na cabeça de Wellington Paulista. Noronha sai pra defender, choca-se com o centroavante, cai e o Juiz marca falta de ataque.
  • 21 – Thiago Heleno erra  um passe no meio de campo, Diego Palhinha parte em contra-ataque, mas é derrubado por Marquinhos Paraná, que recebe cartão amarelo.
  • 22 – Guerrón tenta driblar Júlio César, mas o lateral corta pra escanteio.
  • 24 – Guerrón avança pela direita, cruza rasteiro, Wellington Paulista ajeita de calcanhar, Fabinho é desarmado quando tenta o arremate.
  • 26 – Kleber lança rasteiro pra Roger na área. Fábio Noronha sai do arco e fica com a bola.
  • 27 – Pablo comete falta em Kleber e recebe cartão amarelo.
  • 28 –  Jogadores do América estão cansados. Começam a cair com frequência sentindo câimbras.
  • 29 – Stefan substitui Diogo Oliveira. Guerrón cai pela esquerda, impedindo que o América avance por este setor.
  • 30 – Eraldo substitui Diego Palhinha. Guerrón lança Kleber, que cruza da esquerda. Noronha defende.
  • 31 – Jonathan lança Henrique, Noronha sai e protege a saída da bola pela linha de fundo.
  • 32 – Luis Henrique recebe lançamento na entrada da área e chuta colocado no canto esquerdo. Fábio faz ponte pra defender.
  • 33 – Júlio César retarda o recomeço de jogo e recebe cartão amarelo.
  • 34 – Pedro Ken substitui Roger Secco, que deixa o campo mancando, com dores no tornozelo.
  • 35 – Manu substitui Luis Henrique.
  • 36 – Henrique tenta lançar Pedro Ken dentro da área, mas Dênis corta de cabeça. A bola fica com Kleber que, na meia lua, corta Júlio César e chuta forte, de pé esquerdo, no ângulo esquerdo do arco de Noronha. Cruzeiro 2×1.
  • 37 – Henrique comete falta em Crhys e recebe cartão amarelo.
  • 38 – Guerrón entra driblando na área, Sena corta. Torcida canta alto.
  • 39 – Fabinho chuta de fora da área, por cima do travessão.
  • 40 – Wellington Paulista chuta de fora da área, bola passa por cima do travessão.
  • 43 – Henrique lança Kleber, que chuta cruzado, da esquerda. Bola fica na rede, pelo lado de fora.
  • 45 – Pedro Ken comete falta em Osvaldir e recebe cartão amarelo.
  • 47 – Henrique chuta de fora da área, bola sai à esquerda de Fábio Noronha.
  • 48 – Thiago Heleno comete falta por trás em Stefan e recebe cartão amarelo.
  • 49 – Fim de jogo. Na Itatiaia, Fabinho, com voto de minerva de Alberto Rodrigues, vence Adílson Baptista por 3×2, é escolhido o melhor em campo e ganha um MP4. Na Globo / CBN, Kleber é eleito o melhor em campo.
  • Fabinho: “No 1º tempo, todo mundo estava sonolento, mas o time mostrou que tem poder de reação.”
  • Jonathan: “No intervalo, Adílson Baptista deu uma bronca no vestiário, mas o time está cansado de tantas viagens.”
  • Fábio: “Nosso time esteve moroso no 1º tempo permitindo que o adversário crescesse e fizesse um gol. Se não jogarmos nosso melhor futebol, vamos ser surpreendidos outras vezes.”
  • Fábio Noronha: “Jogamos bem, mas faltaram pernas no 2º tempo. O gramado é grande, e o Cruzeiro faz o adversário correr atrás da bola até cansar. Estou muito feliz em Teófilo Otoni, pois o time tem estrutura e paga em dia. Um clube assim merece ficar na 1ª divisão. Vamos lutar por isto.”

Cruzeiro 2×1 América TO, sábado, 20mar10, 17h, Mineirão, Belo Horizonte, 10ª rodada do Campeonato Mineiro – Transmissão: Pague-pra-ver – Público: 7.671 pagantes, 9.1o5 presentes – Renda: R$109.589,85 – Juiz: Joel Tolentino Damata Júnior (FMF) – Bandeiras: Márcio E. Santiago (FMF) e Pablo Almeida Costa (FMF) – Amarelos: Leonardo Silva, Henrique, Diego Renan, Kleber, Fabinho, Thiago Heleno, Pedro Ken (Cru); Jadson, Dênis, Pablo, Júlio César (Ame) – Gols: Chrys, 25 do 1º tempo; Roger Secco, 14, Kleber, 36 do 2º – Cruzeiro: Fábio; Jonathan, Thiago Heleno, Leonardo Silva e Diego Renan (Guerrón); HenriqueFabinho e Marquinhos Paraná; Gilberto (Roger Secco, depois, Pedro Ken); Kleber e Wellington Paulista. Tec: Adílson Baptista / América: Fábio Noronha; Osvaldir, Luis Henrique (Manu), Jadson, Rodrigo Sena e Júlio César; Denis, Pablo e Diego Palhinha (Eraldo) e Júlio César; Chrys e Diogo Oliveira (Stefan). Tec: Gilmar Estevam Histórico – Foi o 1º jogo entre ambos. O Cruzeiro conmeça a história do confronto com 1 vitória, 2 gols a favor, 1 contra.