Posts com a Tag ‘Novo Mineirão’

O novo Mineirão: projeto verde, cofres azuis

quinta-feira, 19 de agosto de 2010

Última parte da entrevista com Marcílio Lana, do Grupo Gestor da Copa 2014:

Projeto verde

Depoimento de Marcílio Lana:

(mais…)

O Novo Mineirão: segurança e serviços

quarta-feira, 18 de agosto de 2010

Informações sobre segurança e serviços prestadas pelo jornalista Marcílio Lana, do Grupo Gestor da Copa 2014 em Minas.

  • Segurança – Haverá sistema de vigilância vídeodigital com câmeras internas e externas com suporte giratório e capacidade de zoom, que serão operadas a partir de uma sala de controle central. Os ingressos serão eletrônicos. O estádio será equipado com um sistema de controle de acesso, sistemas de abertura e fechamento de portas e sistemas eletrônicos. Todos esses sistemas serão acoplados ao de vídeovigilância. Serão construídas novas saídas de emergência e haverá melhoria da circulação interna com a construção de novas saídas do público.

(mais…)

O novo Mineirão: comodidades para o torcedor

terça-feira, 17 de agosto de 2010

Alguns dados sobre o novo Mineirão, que obtive entrevistando o jornalista Marcílio Lana, do Grupo Gestor da Copa 21014 em Minas.

  • Capacidade – O Mineirão poderá receber até 69.750 torcedores nas cadeiras superiores, inferiores e nos camarotes.
  • Camarotes – Entre os lances superior (atual  arquibancada) e inferior (numeradas e geral) de cadeiras as atuais, haverá um anel com 41 camarotes para 8, 16 ou 22 pessoas. Um deles, o presidencial, terá acesso exclusivo. Depois da Copa, a critério dos  clubes e da concessionária e do tipo de evento, outros 59 camarotes poderão ser montados em parte do espaço ocupado pelas arquibancadas inferiores reduzindo a capcidade total do estádio para 50.000 espectadores.
  • Gramado – Será rebaixado em 3,5 metros garantindo a visibilidade de todos os espectadores.
  • Visibilidade – Serão removidos todos os obstáculos, inclusive as atuais placas de publicidade permitindo que o torcedor da primeira fila veja a bola rolar.
  • Cobertura – Além da atual, em concreto, será implantada uma segunda, em policarbonato, para proteção das arquibancadas inferiores e melhoria da qualidade das transmissões de televisão.
  • Lounge – Haverá uma área de bares e restaurantes no piso intermediário que poderá também ser usada como lounge.
  • Estacionamento – Terá 3.798 vagas, sendo 3.054 cobertas.
  • Lanchonetes – Além das atuais 36, serão construídas mais 19. Total: 55.
  • Sanitários – Além dos 73 atuais, serão construídos mais 64. Total: 137
  • Telões – Serão instalados, nas áreas centrais, dois com 12 x 6,8 m, em tecnologia LED SMD de última geração (alto brilho e alto contraste). A visibilidade não será prejudicada nem pela incidência de luz solar.
  • Ingressos – Serão eletrônicos e vendidos em 56 guichês. Haverá 113 baias com capacidade para entrada de 100 mil espectadores por hora. As 176 catracas permitirão o acesso de todo o público em menos de uma hora.
  • Entorno – Uma esplanada de 69.190 m² -incluindo praça com vista para a Lagoa da Pampulha- circundará o estádio e poderá receber até 130 mil pessoas. O público terá acesso a ela por escadas, rampas e elevadores. Quando não houver jogos, o espaço poderá ser usado para ouros eventos.
  • Passarela – Será construída uma ligando o Mineirão ao Mineirinho. Durante a Copa, será área de serviço, depois, ficará franqueada ao público.
  • Acessibilidade – Obedecendo ao Estatuto do Torcedor e à legislação de acessibilidade, haverá locais específicos para cadeirantes. A partir da esplanada, o torcedor entrará diretamente no setor do ingresso adquirido, eliminando-se os atuais labirintos e as escadarias íngremes.

N.B.: Nos próximos posts, vamos tratar da segurança, das áreas de serviço, dos aspectos ambientais e do que os clubes ganharão com o empreendimento.

O novo Mineirão: modelo de gestão e obras

domingo, 15 de agosto de 2010

Conversei com o jornalista Marcílio Lana, do Grupo Gestor da Copa 2014 em Minas.

Meu interesse era saber que estádio o torcedor encontrará quando o Mineirão for reaberto. E o que o os clubes ganharão com ele.

Mas acabei levantando outras informações, que passarei em vários posts durante a semana.

Por partes:

Modelo de Gestão

Foi desenvolvido pela Estruturadora Brasileira de Projetos -EBP,  constituída pelos bancos do Brasil, Espírito Santo, Votorantim, Bradesco, Citibank, Itaú, Santander e Unibanco. A empresa atua em conjunto com o BNDES em projetos de infra-estrutura tradicional e social de interesse público.

O projeto de adequação do Mineirão foi o único desenvolvido pela EBP para a Copa de 2014. O Estado não investirá recursos na 3ª fase de obras, mas cederá o direito de exploração comercial do espaço por 27 anos, dois deles consumidos na construção.

O consórcio vencedor da licitação terá de cumprir indicadores de qualidade de prestação de serviços tais como:

  • grau de satisfação dos torcedores e dos clubes,
  • qualidade da manutenção da infra-estrutura,
  • limpeza das instalações, inclusive banheiros,
  • satisfação dos torcedores, imprensa e clubes.

Caso não alcance pontuação  pactuada para os indicadores, ele perde receita e, no limite, até a própria concessão.

O modelo foi objeto de consulta pública entre 28abr10 e 31mai10 e se assemelha a outros  em vigor na Alemanha, França, Holanda e Cingapura.

Administrador

O consórcio que apresentou proposta até a data limite prevista no edital (12ago10) é formado pela empresas mineiras Egesa e Hap Engenharia e pela paulista Construcap. A garantia financeira será o Banco Votorantim. O gasto previsto para a 3ª fase é de R$743 milhões, inferior aos do Maracanã, Mané Garrincha, Fonte Nova e Arena Amazônia.

Obras

O projeto arquitetônico, coordenado por Gustavo Penna, preservou a fachada do estádio, tombada pelo Conselho Deliberativo do Patrimônio Cultural e Histórico.

O Mineirão ficará fechado até o final de 2012. Será reaberto para o Campeonato Mineiro de 2013, que servirá de teste para a Copa das Confederações na metade daquele ano.

As duas fases iniciais do projeto foram realizadas com recursos do Estado.

A primeira, entre janeiro e junho de 2010, foi executada pela Retech Serviços Especiais de Engenharia e supervisionada pela Secretaria de Estado de Obras públicas custou R$8.246 mil. 

A segunda, entre julho e dezembro, que consiste na demolição da parte inferior (numeradas e geral) e no rebaixamento do gramado em 3,5 m, está sendo feita pela Detronic Desmontes e Terraplenagem e custará R$2.958 mil. 

O gramado, que tem 13.000 m2, foi retirado em uma semana e será reaproveitado no Plug Minas, projeto de inclusão digital para jovens entre 14 e 24 anos da rede pública estadual, que funciona na antiga Febem, no Horto, perto do Estádio Independência.

A terra retirada da atual cancha, 68,8 mil m3, equivalente a 5.700 caminhões, será utilizada na requalificação urbana e ambiental do Ribeirão Arrudas, obra em execução pelo Departamento de Obras Públicas do Estado.

A etapa final deve começar em janeiro de 2011 custará R$654,5 milhões. No estádio serão gastos R$426,4 mi. Na esplanada (área externa), estacionamento, áreas de serviço, lojas, restaurantes e na passarela ligando Mineirão e Mineirinho, R$228,1 mi. Esta fase deverá ser entregue em dezembro de 2012. 

No próximo post, vou tratar das novidades que o estádio oferecerá por exigência da Fifa e do que torcedores e clubes ganharão com sua reforma.

Cruzeiro dispensa Diretor de Marketing

terça-feira, 22 de junho de 2010

Depois de Adílson Baptista, Eduardo Maluf e Guerrón, chegou a vez de Antônio Claret Namentala, Diretor de Marketing, ser demitido do Cruzeiro.

Orientado por um consultor, Zezé Perrella está promovendo um downsizing no Cruzeiro. O motivo é evidente: o clube estava caro demais pras suas parcas arrecadações.

Cmo venho repetindo há 4 anos, o modelo exportador se desmanchou no ar. Agora, parece que os parceiros também sumiram. Então, pra estancar a sangria, resta cortar na estrutura.

ZZP está certo, embora, num primeiro momento, o clube vá se ressentir dos competentes porfissionais que perdeu. Mas estará errado se não encontrar fórmulas de vender o clube a seu torcedor.

Quando o novo Mineirão estiver pronto, será fácil. O problema é chegar vivo até lá. Como será esta travessia? O que o presidente pensa em fazer? Ou isto não é da nossa conta?