Posts com a Tag ‘Milan’

Dois fracassos, só um vexame

domingo, 4 de julho de 2010

Quase toda a imprensa esportiva brasileira se derrete por Maradona. Revolucionário pra uns, ousado pra outros, ultramoderno pra quem analisa futebol com o intestino, ele deixou, como legado, três páginas humilhantes na história de sua seleção: 6×1 pra Bolívia, 3×0 pro Brasil (quando tentou ganhar na marra usando o Gigante de Arroyito) e 4×0 pra Alemanha.

Contra os alemães, que vinham assombrando nesta Copa, ele escalou o ponteiro esquerdo Di Maria e meia atacante Rodriguez como volantes. Restou ao brucutuzinho Mascherano, sozinho na contenção, capinar canelas germânicas e esburacar o gramado do Green Point com carrinhos desgovernados.

Enquanto isso, no ataque maradônico, Tévez corria feito vaca louca, Higuaín padecia de cruel isolamento e o melhor do mundo, Lionel Messi, carregava a bola do nada pra lugar algum.

E o couro comendo a cada contra-ataque do time treinado pelo nada famoso Joachim Löw.

A Argentina teve 54% de posse de bola. Pra quê? Se não tem o que fazer com a Jabulani pouca diferença faz ter sua posse. De que adianta ter tantos talentos, todos em boa fase em seus clubes, inteiros fisicamente, se o sistema de jogo atrapalha?

Dunga também caiu. Ironicamente, mais pelos acertos do que pelos erros de seu ortodoxo 4-3-1-2. Ou não foi justamente a defesa, tida e havida como a melhor do mundo, quem entregou o jogo contra a Holanda?

Os críticos dizem que o treinador brasileiro não levou boas opções para o banco. Quando saiu a convocação, eu mesmo cornetei os nomes de Ganso, Neymar e Fabrício.

Mas será que eles teriam feito melhor? Ganso, que já havia fracassado na Sub20, viu-se depois, estava baleado. Tão logo, encerraram-se as inscrições pra Copa, ele foi submetido a uma cirurgia no joelho.

Neymar, que tanto espetáculo deu contra Naviraiense e quejandos, sumiu na decisão paulista contra o Santo André. Anda até sendo substituído no decorrer dos jogos do Morrinhão. Teria sido opção melhor do que Nilmar?

O Imperador Adriano, bem, esse merece sossego, não uma discussão a sério.

Resta o pranteado Ronaldinho Gaúcho. Mas o que ele fez desde 2006 quando foi um dos piores da Copa? Demitido do Barça por incompetência, arranjou uma boquinha no combalido Milan onde também nada fez.

Por que diabos, após 4 anos e vários vexames vestindo a amarelinha, a blaugrana e a rossonera, R10 teria sido o salvador da pátria na Sudáfrica? Só mesmo os mesa-redondistas e seus teleguiados pra defenderem esta causa.

Os cronistas profissionais falam pelos cotovelos, pois são obrigados a encher linguiça em seus intermináveis bate-papos televisivos.

Já os teleguiados, só mesmo por preguiça mental, continuam entoando a ladainha de que o precocemente aposentado R10 teria sido boa opção no banco.

No fim das contas, fracassaram tanto o amado Maradona quanto o odiado Dunga. Um com o peso de goleadas desmoralizantes, outro castigado por um erro do melhor goleiro do mundo.

Dá na mesma? Vamos aguardar os próximos capítulos pra saber quem vai adotar o revolucionário sistema de cinco atacantes de Don Diego. E que treinador bancará o glorioso retorno de R10 à Seleção Brasileira.

Calabocarrigo

quinta-feira, 1 de julho de 2010

Arrigo Sacchi, ex-treinador do Milan e da Azzurra, está encantado com Maradona. “É um revolucionário com este sistema 4-1-5!“, derrete-se o italiano.

Tolice. Há 45 anos, Aírton Moreira já havia escalado um time assim. Wilson Pìazza pretegia a zaga enquanto Natal, Dirceu Lopes, Evaldo, Tostão e Hilton Oliveira se dedicava a atacar.

Em caso de dúvida, perguntem ao goleiro Raul Plassmann, que não se cansa de comentar a ousadia do irmão do Zezé e do Biscoito.

E tem mais: ao invés de um enxadista como Mascherano, a Academia Celeste tinha em Piazza um centromédio que tratava com respeito a charmosa G18, bisavó da Jabulani.

NY Red Bull 2×4 Cruzeiro: Show pra Moema Fox

sexta-feira, 18 de junho de 2010

O Cruzeiro despede-se dos Estados Unidos jogando contra o líder da Conferência Leste da Major League Soccer, em Nova Jersey, ao lado de Nova York.

Gilberto servindo à Seleção Brasileira, Fábio, operado de apendicite, e Leonardo Silva, operado do joelho, desfalcam o time mineiro, que deve repetir o 4-3-3 da primeiro partida da excursão.

O Red Bull tem 16 jogadores estrangeiros em seu elenco, o mais famoso deles, Juan Pablo Angel, centroavante colombiano, que já fez sucesso no River Plate. É um time de respeito que, este ano já surrou, por 3×1, o Santos, Milan e a Juventus, da Itália, em amistosos.

(mais…)

Barrados no baile

quarta-feira, 9 de junho de 2010

Caprichem no portunhol e leiam este comentário do La Nacion. Os argentinos vão a campo, ou melhor, ao extra-campo desfalcados.

É bem verdade que são desfalques benéficos. A ausência desses torcedores “preenche lacunas” de dignidade, educação e seriedade.

Campeones del papelón

Cuando todavía ni siquiera se inició el Mundial, barrabravas argentinos ya fueron expulsados de Sudáfrica

No fue un resultado adverso. No hubo oportunidad para ello, porque el Campeonato Mundial de Fútbol aún no comenzó. Pero nuestro país ya incurrió en un papelón: la expulsión de Sudáfrica de varios barrabravas, sanción que pudo haber sido evitada con sólo lograr que nuestros funcionarios tomasen ciertas y elementales prevenciones, que fueron omitidas, en algún caso sobre la base del erróneo concepto de que se trata de “buenos muchachos” o, como dijo un concesivo fiscal respecto de uno de esos sujetos, de “leones herbívoros”.

Este lamentable episodio y la despreocupación de las autoridades argentinas por prevenir este trago amargo que deteriora la imagen del país en el exterior plantean la posibilidad de que, desde el Estado, se pretenda apañar a estos verdaderos embajadores de la violencia.

No bien las autoridades sudafricanas tomaron nota de que uno de los barrabravas purgaba, en libertad condicional, una condena de ocho años de prisión por tentativa de homicidio, lo remitieron de regreso a la Argentina. Otros once siguieron el mismo camino y no se descartan más deportaciones. Las leyes en Sudáfrica han sido hechas para cumplirse, sin más, como lo advirtió el ex rugbier Hugo Porta, quien algo de esto conoce, por cuanto durante cuatro años fue embajador de la Argentina en aquel país.

Por un lado, los barrabravas no se amilanan y demuestran que están acostumbrados a hacer su entera voluntad, bajo la cobertura de oscuras protecciones: “Acá -proclamaron en público- se va a pudrir todo. Lo de la Federal es de no creer. Autorizan a los pibes a salir del país y una vez que están acá los mandan de vuelta. Esto es una pasada de factura y gratis no va a salir?”. Con su lógica obtusa, a los barrabravas no les cabe en su corto entendimiento que en el resto del mundo las leyes han sido redactadas, votadas y aprobadas para que todo el mundo las acate y las cumpla.

Hemos exportado nuestra mala fama. Para la BBC, de Londres, los “barrabravas (son) las estrellas argentinas en el Mundial”. Entretanto, la policía sudafricana allanó la escuela en que se alojan los pseudohinchas. Encontró que la mayor parte de ellos carece de localidades para presenciar los encuentros, por lo cual les advirtió que no podrán acercarse ni siquiera a las inmediaciones de los estadios.

Es una precaución que suena tibia. Están en camino los integrantes de la Buteler, la barra de San Lorenzo de Almagro. En Sudáfrica se encontrarán con los de El Pueblito y José C. Paz, fanáticos a ultranza de Huracán. Y no sería extraño que aprovecharan la convivencia forzosa para dirimir sus diferencias de antigua data.

Nadie se ha preocupado por nada. Allá, los dirigentes de la delegación argentina acaban de denunciar que fueron presionados para ceder recursos financieros y localidades; aquí, los funcionarios han entrecruzado acusaciones y excusas.

La negación pública oficial sobre eventuales relaciones entre el Gobierno y barrabravas fue sepultada: quedó confirmado que dos integrantes de barras bravas que participaron en vandálicos hechos para impedir la presentación de un libro crítico sobre el Indec en la última Feria del Libro tenían un vínculo contractual con el organismo oficial de estadísticas. Nadie en el Gobierno se hizo responsable. Hoy, uno de esos barrabravas disfruta de su estadía en Sudáfrica.

Mientras tanto, la Argentina sigue incurriendo en papelones internacionales.

Fábio, referência imprescindível

sexta-feira, 28 de maio de 2010

O goleiro Fábio pode estar deixando o Cruzeiro. Sporting, Milan e um clube inglês não revelado estariam querendo contratá-lo, noticiam os saites esportivos. (mais…)

MVP à italiana: menos valioso player

sexta-feira, 2 de abril de 2010

Aclamado pela imprensa brasileira como gênio da bola, tido e havido por ela como necessidade básica da Seleção Brasileira, Ronaldinho Gaúcho teve de aceitar corte de 25% de seus salários pra continuar no Milan por mais um ano. O Flamengo, que vinha cortejando R10, levou um fora. Que desagradável!

Será que Dunga viu Cris tirando Ronaldo?

quarta-feira, 10 de março de 2010

A Champions League dá régua e compasso. O que nmais Dunga precisa pra convocar certo?

Em Manchester, ManU 4xo Milan e a squadra rossonera foi a pique com todos seus brazucas.

Rooney estraçaiou. Já o pranteado R10, xodó de 100% dos mesa-redondistas da ESPN do B e da SporTV, pfui…

Em Madrid, Real 1×1 Lyon. O talentoso zagueiro Cris, de nobre estirpe azul-estrelada, comeu todos os merengues postos sobre  mesa do Santiago Bernabeu e levou seu time às quartas-de-final.

(mais…)

Champions League: hoje, tem oitavas de final

terça-feira, 16 de fevereiro de 2010

Mauro França

Uma boa pedida para quem está curtindo um carnaval caseiro é acompanhar o início das oitavas de final da Champions League.

Nessa terça, 16fev, os jogos são Lyon x Real Madrid, em Lyon, e Milan x Manchester, em Milão.

Na quarta, 17fev, jogam Porto x Arsenal, em Lisboa, e Bayern x Fiorentina, em Munique.

Os canais ESPN transmitem as quatro partidas, a partir das 17:30 h.

(mais…)

Vélez Sarsfield, antiga pedra na chuteira celeste

quarta-feira, 10 de fevereiro de 2010

Mauro França

HISTÓRIA

A fundação do Vélez seguiu um roteiro semelhante ao de centenas de outros clubes surgidos nas primeiras décadas do século XX.

Em um dia no final de 1909, três rapazes buscaram abrigo de uma chuva torrencial na estação de trem Vélez Sarsfield, no bairro de Floresta, região oeste de Buenos Aires. Ali, tiveram a idéia de fundar um clube.

A reunião de fundação aconteceu no dia 1º de janeiro de 1910, na casa de um deles nas proximidades da estação, cujo nome homenageava um distinto jurista argentino do século XIX, Dalmácio Vélez Sarsfield, e que acabou sendo adotado pelos fundadores. Nascia assim o Club Atlético Argentinos de Vélez Sarsfield.

A primeira camisa era branca, pela maior facilidade de encontrar tecidos nessa cor. Pouco depois da fundação, passou a ser azul marinho.

Em 1914, foi alterada para listrada nas cores verde, vermelha e branca, por influência dos muitos sócios italianos que haviam ingressado no ano anterior. Nessa ocasião, o nome foi abreviado para Club Atlético Vélez Sarsfield.

Em 1919, o clube ingressou na primeira divisão do futebol argentino. Em 1923, José Almafitani, um cronista esportivo descendente de italianos, assumiu a presidência.

O clube alugou um terreno no bairro de Villa Luro e construiu ali o seu primeiro estádio, com tribunas de madeira, que na década de 30 receberia o apelido de El Fortín (O Forte). Nele se realizou o primeiro jogo noturno na Argentina, em 1928.

A origem do uniforme atual do clube é curiosa. Em 1938, os dirigentes receberam uma proposta de um comerciante, que oferecia a baixo custo um estoque de camisas brancas com um grande V em azul no peito, originalmente encomendadas por uma equipe de rugby, que não foi buscá-las. A oferta foi aceita e desde então este se tornou o uniforme oficial do clube.

O Vélez viveu um momento crítico em 1940, quando foi rebaixado para a segunda divisão, pela primeira e única em sua história. As conseqüências foram danosas. O clube foi despejado do terreno do estádio, perdeu vários jogadores e uma centena de sócios.

Em meio à crise, em 1941, José Almafitani foi novamente eleito presidente e comandou a reconstrução do clube. Conseguiu a cessão de um terreno pantanoso no bairro de Liniers e nele construiu um novo estádio, inaugurado em 1943. Nesse mesmo ano, o Vélez retornou à primeira divisão.

Posteriormente o estádio foi totalmente reformado, ganhando estrutura de cimento. O novo Fortín foi inaugurado em 1951. Em 1978, por ocasião do Mundial, passou por nova reforma, que ampliou sua capacidade para 50.000 espectadores.

Almafitani foi o maior presidente da história da história do Vélez, tendo ocupado a sua presidência por 28 anos, até 1969, quando faleceu aos 74 anos. 

TÍTULOS

O primeiro título conquistado pelo Vélez foi o Campeonato Nacional de 68. Na equipe despontava Carlos Bianchi, então juvenil, que se tornaria o maior artilheiro da história do clube.

Bianchi jogou 324 partidas e anotou 206 gols, nos períodos de 67-73 e 80-84. No intervalo entre as duas passagens, jogou na França, no Stade de Reims e no Paris St. Germain. Foi artilheiro do campeonato argentino em três temporadas e em cinco do francês.

Como técnico Bianchi dirigiu o Vélez em seu período mais glorioso. Sob seu comando, o clube conquistou três campeonatos argentinos (Clausura em 93 e 96 e Apertura em 95), uma Libertadores (94) e um Mundial Inter-Clubes (94).

Bianchi conquistou ainda quatro títulos argentinos, três Libertadores e dois Mundiais pelo Boca Juniors.

Na final da Libertadores em 94 o  Vélez bateu o São Paulo. Fez 1×0 em Liniers, perdeu pelo mesmo placar no Morumbi e venceu nos pênaltis por 5×3. Conquistou o Mundial ao derrotar o Milan por 2×0, com a seguinte formação:

  • José Luis Chilavert, Hector Almandoz, Roberto Trotta, Victor Hugo Sotomayor e Raul Cardozo; José Basualdo, Marcelo Gómez, Christian Bassedas e Roberto Pompei; Omar ‘Turco’ Asad e José Oscar ‘Turu’ Flores.

Com praticamente a mesma base, comandada por Osvaldo Piazza, ex-auxiliar técnico de Bianchi, o Vélez conquistou a Supercopa de 96, batendo o Cruzeiro. 

Nesse período, ganhou ainda uma Copa Interamericana (94) e uma Recopa (97). E mais um Clausura, em 98, já sob o comando de Marcelo Bielsa.

Passado esse período de glórias, o Vélez voltaria a conquistar o Clausura em 2005, repetindo o feito em 2009, título que lhe deu o direito de participar da Libertadores-2010, no ano do seu centenário.

CONFRONTOS COM O CRUZEIRO

Vélez e Cruzeiro já se enfrentaram 8 vezes. Foram 4 vitórias argentinas, contra três do Cruzeiro e um empate. Os dois primeiros jogos foram amistosos.

O primeiro foi no Mineirão, em 69, com vitória celeste por 2×1. Em 71, nova vitória celeste, desta vez por acachapantes 6×3, em jogo realizado em La Bombonera. O Vélez chegou a abrir 3×0 e o Cruzeiro virou o marcador.

Cruzeiro 6×3 Vélez Sarsfield, sábado, 06fev71, Estádio La Bombonera, Buenos Aires, Copa Montevidéu – Gols: Zotola, 10, Bianchi, 32, Benton, 36, Zé Carlos, 44 do 1º tempo; Lima, 5, Zé Carlos, 7, Roberto Batata, 8, Dirceu Lopes, 15 e 40 do 2º – Cruzeiro: Raul Plassmann (Jorge), Lauro, Brito (Morais), Aloísio e Vanderlei Lázaro (Neco); Wilson Piazza, Zé Carlos e Dirceu Lopes; Roberto Batata, Tostão e Lima. Tec: Ilton Chaves. Vélez: Cabalero, Gallo, Romeo, Zotola e Correa; Rios e La Palma; Cotton, Benton, Carlos Bianchi e Benito – Nota – Carlos Bianchi mais tarde seria treinador do Vélez e do Boca pelos quais conquistou vários títulos internacionais.

As duas equipes voltariam a se enfrentar pela fase de grupos da Libertadores-94. No Mineirão, empate de 1×1. Em Liniers, vitória do Vélez por 2×1. O Vélez terminou em 1º e o Cruzeiro em 2º no grupo, à frente de Palmeiras e Boca Juniors.

Cruzeiro 1×1 Vélez, quarta-feira, 09mar94, 21h45, Mineirão, Belo Horizonte, fase de grupos da Libertadores 94 – Público: 21.749 – Juiz: Oscar Velázquez (Paraguai) – Gols: Ronaldo, 20seg, Asad, 43 do 1º tempo – Cruzeiro: Dida, Paulo Roberto Costa, Célio Lúcio, Luisinho e Nonato; Douglas, Toninho Cerezo e Luiz Fernando Flores; Cleison (Macalé), Ronaldo Fenômeno e Roberto Gaúcho. Tec: Enio Andrade / Vélez: José Luiz Chilavert, Almandoz, Trotta, Sotomayor e Cardozo; Basualdo, Campagnucci, Gomez, Bassedas, Asad (Pellegrini), Flores (Galeano). Tec: Carlos Bianchi.

Depois do jogo, Carlos Bianchi explicou sua estratégia para impedir que o Fenômeno liquidasse seu time:

  • “Eu tinha que escolher entre impedir que os laterais cruzassem ou que o centroavante jogasse. Optei por concentrar meus homens na marcação pelo meio da defesa e cedi espaços pelos lados. Assim, encontrando facilidades pelas laterais, eles passariam o tempo cruzando e minha defesa cortando de cabeça.”

O Cruzeiro caiu na armadilha. Cruzou dezenas de bolas, aparentou domínio absoluto da partida e a torcida foi pra casa com a sensação de que o resultado tinha sido injusto.

Em 96, Cruzeiro e Vélez fizeram a final da Supercopa. Os argentinos levaram a melhor, com duas vitórias. No Mineirão, 1×0, gol de pênalti de Chilavert, aos 43 do 2º tempo. Em Buenos Aires, 2×0. Nonato, Donizete, Fabinho e Pellegrini foram expulsos.

Velez 2×0 Cruzeiro, quarta-feira, 04dez96, 21h45, Estádio José Almafitani, Buenos Aires, 2ª partida da final da Supercopa 96 –  Juiz: Júlio Mattos (Uruguai) – Vermelhos: Nonato, Donizete, Fabinho (Cru), Pellegrini (Vel) – Gols: Camps, 3, Gelson (contra), 7 do 1º tempo. Cruzeiro: Dida, Vitor, Gelson Baresi, Gilmar, Nonato; Fabinho, Ricardinho, Cleison, Palhinha (Donizete), Paulinho e Ailton (Da Silva). Tec: Levir Culpi / Vélez: Chilavert, Zandoná (Mendez), Sotomayor, Pellegrino, Cardozo; Husaín, Gomes, Bassedas, Morigi, Camps (Asad), Posse (Pandolfi). Tec: Oswaldo Piazza.

Na última vez que se enfrentaram, nova vantagem do Vélez, que eliminou o Cruzeiro nas oitavas de final da Copa Sul Americana de 2005. Os argentinos fizeram 2×0 em Buenos Aires e o Cruzeiro, 2×1 no Mineirão.

NA LIBERTADORES

O Vélez chega a sua 11ª participação na Libertadores (80, 94, 95, 97, 99, 01, 02, 04, 06, 07). Fora o título em 94, sua melhor participação foi em 80, quando alcançou as semifinais. Na sua última participação, em 2007, foi desclassificado nas oitavas. No total, foram 85 jogos, com 38 vitórias, 27 empates e 20 derrotas, 113 gols a favor e 78 contra.

HOJE

O técnico do Vélez é Ricardo Gareca, que completará 52 anos justamente no dia do jogo com o Cruzeiro. Apelidado de ‘Ei Tigre’, foi um atacante competente.

Revelado pelo Boca em 78, jogou também no Vélez entre 89 e 92. Fez 20 partidas e marcou 6 gols pela Seleção Argentina. Parou de jogar em 94 e no ano seguinte iniciou sua carreira de treinador. Está no Vélez de janeiro de 2009. 

Em 2009, o Vélez conquistou o Clausura e terminou em 5º lugar no Apertura. No atual Clausura ocupa provisoriamente a 1ª colocação (a 3ª rodada ainda não se completou) com 7 pontos. Empatou em casa com o Colon, 1×1; venceu o Arsenal, 3×0, fora; e no último sábado derrotou o Gymnasia La Plata em casa, 2×1, atuando com o time reserva.

Contra o Arsenal, o Vélez jogou com

  • Germán Montoya, Fábian Cubero, Sebástian ‘Sebá’ Dominguez, Nicolás Otamendi e Pablo Lima; Nicolás Cabrera, Leandro Somoza, Victor Zapata e Maximiliano Moralez; Hernán Rodrigo Lopez e Juan Manuel Martínez.

Fora uma ou outra alteração de última hora, este deve ser o time que enfrentará o Cruzeiro.

Mauro França, 46, cruzeirense, economista, historiador, nasceu em Sete Lagoas, mora em Belo Horizonte.

Colts x Jets, CoCo, Derby de la Madolina etc

domingo, 24 de janeiro de 2010

Domingo agitado. No Mineirão, o América perdeu excelente oportunidade de vencer o clássico CoCo. O time treinado por Marco Aurélio chegou a perder gol sem goleiro.

E, por falar em goleiro, a Definhante está dividida. Metade prefere o aracnídeo, outra metade, o karinídeo. Ambas laboram em erro e serão punidas por acreditar em peneiras.

O público de 40 mil foi destaque da tarde. Mais uma vez, o Atlético-MG coloca toda sua torcida no estádio. E pensar que o torneio é amistoso, não leva a lugar algum…

(mais…)