Posts com a Tag ‘México’

Futebol recreativo

quinta-feira, 12 de agosto de 2010

O Internacional conquistou o bicampeonato da Libertadores vencendo o Guadalajara por 2×1, no México. Na próxima quarta-feira, em Porto Alegre, o Colorado vai cumprir tabela e fazer festa.

O Chivas, como é conhecido o Guadalajara, é um clube nacionalista. Não aceita estrangeiros. Por isto, pratica o verdadeiro futebol mexicano, modalidade meramente recreativa.

Uma final com a Universidad de Chile, do Bom Montillo, seria mais interessante. Haveria disputa, emoção. Esta, decidida em apenas 90 minutos, é empulhação pura. Futebol à mexicana.

Tal qual havia ocorrido antes no amistoso entre as seleções da Espanha e do México.

Os astecas aprontaram tremenda correria e fizeram 1×0, mas no final deixaram os espanhóis marcarem aquele golzinho de praxe que caracteriza as goleadas dos campeões mundiais.

Esportes levados a sério pelos mexicano são roleta russa, marcha atlética, boxe, por aí. Futebol, pra eles, é apenas educação física.

WP: “Era pra bater no alto, bati no chão…”

sábado, 24 de julho de 2010

Pitacos de protagonistas e blogueiros acerca do Fluminense 1×0 Cruzeiro, no Maracanã, Rio de Janeiro, pela 10ª rodada do Brasileiro 2010, em 22jul10:

  1. Cláudio Caçapa, beque do Cruzeiro: Sabíamos da força da bola aérea deles. Na oportunidade que tiveram, fizeram o gol. Agora é pensar nos próximos jogos, que serão difíceis.
  2. Francisco Everton, volante do Cruzeiro: O time jogou bem, mas o resultado foi ruim, perdemos três pontos, nos distanciamos um pouco do G4, mas o objetivo é o mesmo, tentar entrar no G4 e, se Deus quiser, procurar o título também. Pecamos nas finalizações. Vamos trabalhar forte para conquistar os três pontos contra o Grêmio.
  3. Thiago Ribeiro, atacante do Cruzeiro: O Cuca avisou no vestiário que o único perigo de a gente levar gol seria na bola aérea e o Fluminense não criou muitas chances. Fomos avisados da jogada forte deles, mas infelizmente a gente vacilou e tomou o gol de escanteio. Tivemos várias chances e não soubemos aproveitá-las.
  4. Wellington Paulista, atacante do Cruzeiro: A gente sabia que a jogada perigosa do Fluminense era a bola parada. Marcamos muito bem, num bate-rebate dentro da área no 1º tempo quase sofremos um gol. No 2º, tínhamos que marcar de qualquer jeito e acabamos sofrendo o gol do jeito que a gente não queria. Mas serve de consolo saber que estamos mudando esse Cruzeiro, o time está mais guerreiro, todo mundo viu como a gente lutou. Eu sabia que o Fernando Henrique ia muito bem no chão. Até comentei com o Robert antes que, se tivesse uma chance cara a cara com o Fernando Henrique, era bater no alto, porque no chão ele é muito melhor. Acabei escolhendo o chão e ele defendeu com o pé. Mas é um grande goleiro e a gente sabe que é difícil vencer aqui.
  5. Robert, atacante do Cruzeiro: Criamos no 1º tempo, tivemos mais oportunidades. No 2º tempo, eles fizeram o gol e se retrancaram
  6. Gilberto, armador do Cruzeiro: É a mesma lesão. Ela começou a incomodar muito a panturrilha e eu já estava com dificuldade pra correr. Achei melhor não atrapalhar a equipe e sair do jogo.
  7. Octacílio da Matta, médico do Cruzeiro: Gilberto está medicado e vamos avaliar novamente pra dar uma posição definitiva. É perto da região que ele tinha dor. Nós vamos definir melhor a situação na sexta-feira.
  8. Cuca, treinador do Cruzeiro: Estou muito contente com o que o Cruzeiro jogou, fez uma grande partida, e o Fluminense está de parabéns por ter vencido. A gente falou que era a bola parada do Fluminense o perigo. Eles estão reclamando de falta, não sei. Mas, mesmo assim a gente teve o comando do jogo, buscamos o ataque. Eles marcaram bem os lados do campo e aí faltou para nós o criador. Mas eu acho que o Cruzeiro fez uma grande partida e poderia ter saído com um resultado melhor. Essa não é uma derrota que tem trauma, porque você jogou muito bem, poderia ter empatado, vencido. Tem que enaltecer as coisas boas e corrigir os defeitos para no domingo vencer o Grêmio, porque o campeonato é assim. Não dá para ficar lamentando muito tempo aqui, senão ganhamos no domingo.
  9. Fernando Henrique, goleiro do Fluminense: Foi uma vitória fundamental pra nossos objetivos. Conquistamos três pontos e impedimos um concorrente direto na disputa pelo título de pontuar. É muito importante chegarmos à 1ª colocação. O grupo ganha muita confiança e tranquilidade para trabalhar. Esta liderança é fruto do nosso empenho.
  10. Muricy Ramalho, treinador do Fluminense: Não temos que mudar nada. Não temos que ficar empolgados. No futebol e na vida, se você sofre uma derrota não quer dizer que está tudo errado. Se você vence não quer dizer que está tudo certo. A vida continua. Amanhã é dia de treino. No 1º tempo, eles nos dominaram. Tivemos chances de gols, mas eles foram melhores. Erramos demais na saída de bola. Depois, acertamos o time, fizemos o gol e podíamos ter matado a partida no contra-ataque. Não foi um grande jogo nosso. Mas acontece. O bom desse time é que nunca desiste e é humilde. É um time que sabe o que quer. Há ambiente bom, disciplina, um time ligado. Tudo isso ajuda no caminho. Cada dia para mim é superimportante. Estou tentando passar isso para os jogadores e agora vou cobrar mais ainda. Vou cobrar treinamento, pensamento no adversário, disciplina, só assim vamos nos manter. E isso não é fácil, é difícil demais. Tive a oportunidade de ficar na frente em alguns campeonatos. Todo mundo persegue o Fluminense agora. O time passa a ser mais analisado, vão querer ganhar do nosso time a qualquer preço. Melhoramos pouco a pouco na tabela, tivemos humildade de conhecer as limitações, tivemos a força de lutar, o que não é de agora, esse time com o Cuca já jogava assim. Acredito em uma coisa que faz a diferença, que é o trabalho. Emerson e Belletti podem estar prontos até paa domingo. São muito bons, diferentes, vamos precisar de jogadores assim. Em um Campeonato Brasileiro é preciso qualificar o plantel. Estamos crescendo na competição, que é difícil demais, mas estamos no caminho certo.
  11. André Kfouri, em seu blog: O Fluminense não deixou o cavalo passar selado, e abraçou a liderança do campeonato. .
  12. Juca Kfouri, em seu blog: A torcida do Flu marcou, no Maracanã com 28.479 pagantes, certamente um dos belos momentos deste Brasileirão, apesar de ainda apenas no começo: cantou o nome de Cuca assim que o Cruzeiro entrou em campo. Depois, viu um 1º tempo em que o time mineiro tomou conta, criou umas cinco claras chances de gol contra apenas duas do tricolor, em noite dos goleiros Fernando Henrique e Fábio, mais do primeiro do que do segundo. Pena que o Cruzeiro tenha perdido Gilberto, que jogava bem, machucado, ainda antes do intervalo. E o Cruzeiro seguia melhor no Maracanã, com Fernando Henrique fechando o gol. Só que, em escanteio cobrado por Conca, Leandro Euzébio subiu mais e pôs o Flu na liderança: 1×0, aos 8. Em tese, o Cruzeiro não merecia, mas o Cruzeiro perdia tantos gols que, na verdade, merecia. Mas martelava, martelava, enquanto o Flu se defendia, se defendia.
  13. Leandro Mattos, em seu blog: Jogo parelho, com desperdício: O Cruzeiro foi ao Maracanã e encarou o Fluminense de Muricy Ramalho. Foi um jogo igual, com chances sortidas para ambos os lados, mas os cariocas levaram a melhor. Foram eficientes e rápidos numa jogada fatal pela linha de fundo e colheram os três pontos, com uma vitória por 1×0. Em meio a tantos jogos amarrados, modorrentos, que temos visto desde o recomeço do Brasileirão -e depois de uma Copa do Mundo pra lá de fraca- , deu gosto ver uma partida em que 22 jogadores e dois técnicos miraram o gol a todo instante, embora o placar, no fim, tenha sido magrinho. Oportunidades surgiram em pencas, para celestes e tricolores: foram 40 no total. Os quase 30 mil pagantes que estiveram no Maracanã poderiam ter visto mais gols, não fosse a ineficiência nos arremates e as boas atuações de Fábio e Fernando Henrique. A derrota acabou saindo cara para os estrelados e significou desperdício. Se tivessem vencido, os 11 de Cuca estariam isolados na quarta colocação, dentro do G4, já que a última vaga no grupo de elite do Nacional está com o Inter, que tem 16 pontos. Com 15, o Cruzeiro caiu para a sétima colocação da tabela. A principal mudança azul na ‘era Cuca’ foi de mentalidade. Criação e ataque agora têm mais peso, em comparação à – também importante – marcação. Gilberto mais uma vez foi um dos destaques, o melhor em campo, ao lado de Fábio, até deixar o gramado com dores no tendão de aquiles. Thiago Ribeiro, com sua correria e persistência pelas laterais também merece crédito. A reabilitação poderá vir contra o Grêmio, neste domingo, na Arena do Jacaré.
  14. Vitor Birner, em seu blog: Wellington Paulista perdeu um gol cara a cara com Fernando Henrique logo no início do jogo. Chance de ouro. Houve outras boas oportunidades para a Raposa ao longo da partida do Maracanã. O movimentado jogo teve um único gol, marcado aos 8 do segundo tempo, por Leandro Euzébio, de cabeça. Outra vez o Flu venceu do jeito “muricyzado”, jogando no limite, correndo riscos e ficando com 3 pontos depois de ser pressionado.
  15. Lédio Carmona, em seu blog: A última noite (será que foi mesmo?) de Muricy pré-Seleção Brasileira foi perfeita. Não só pela vitória, mas sim porque seu time mais uma vez mostrou ter a sua cara. Objetivo, simples e funcional. Competitivo. Era jogo para empate. O Cruzeiro jogou muito bem. Saiu Adílson Baptista, entrou Cuca, mas o elenco continua forte, e o padrão tático, consistente. Mas a fase tricolor é tão boa que, mesmo após ser dominado no primeiro tempo, a equipe voltou mais ligada no segundo, fez o gol com Leandro Euzébio e conseguiu segurar o resultado. Fim de jogo: Flu 1×0 e a liderança alcançada após quatro anos de abstinência (desde 2006 os tricolores não assumiam a ponta). Foi um bom jogo. Tecnicamente, não foi perfeito. Erros de passes em demasia, faltas demais (muito embora os árbitros continuem enxergando além da conta). Mas uma movimentação formidável. Muita velocidade, principalmente por parte dos mineiros. Logo aos 2 minutos, Gilberto, que jogava muito, lançou Rômulo, que, como um foguete, partiu e deu um tapa de primeira para Wellington Paulista. Mas Fernando Henrique salvou. Nota do Jogo Aberto: esse Rômulo, lateral-direito que veio do Santo André e estreou ontem, é um avião! O Cruzeiro continou melhor, mas o Fluminense também arriscava. Tanto que Wellington Paulista salvou um gol de Gum. Fábio defendeu um chute cruzado de Carlinhos. E, do outro lado, Everton e Tiago Ribeiro também tiveram suas chances. Aí veio o que, para mim, foi o toque decisivo do jogo. Gilberto saiu machucado. E o Cruzeiro não tinha reserva para a armação. Roger está machucado e Montillo ainda não se apresentou. A criação caiu. A marcação do Fluminense aumentou, Muricy mandou o time encurtar os espaços e, a partir do gol de Leandro Euzébio, soube controlar a partida. A vitória do Fluminense, a invencibilidade de sete jogos (seis vitórias e um empate) e a cumplicidade do torcedor (34.000) devem ser comemoradas. Mas, mais ainda, a vitória de ontem deve ser muito comemorada pela qualidade do adversário. O Cruzeiro tem um ótimo grupo. E, como os tricolores, é candidato ao título. E, só mais uma boa notícia para os dois lados, esses times ainda vão crescer. O Flu com Deco, Belletti e Valencia. O Cruzeiro, com Montillo, Ernesto Farias e quem mais chegar. Foi um jogo de favoritos. Duelo de gente grande. E que terminou com um novo líder do Brasileirão. O Fluminense. De Muricy Ramalho. Que pode ser da Seleção. Mas que, até segunda ordem, ainda é só tricolor.
  16. Evandro Oliveira, no PHD: Notas: Fábio (8), Rômulo (7), Gil (7), Cláudio Caçapa (8), Diego Renan (5); Fabrício (6), Robert (2), Henrique (6), Everton (6), Reina (4); Gilberto (9), Marquinhos Paraná (6), Thiago Ribeiro (4), Wellington Paulista (4). Tec: Cuca (7).
  17. Mariana, no PHD: Gostei do jogo. Apesar da derrota jogamos bem. Teve horas que achei que estivesse jogando com o outro tricolor, o paulista. Me lembrou os jogos que fazíamos com o SPFC, quando jogavamos melhor e perdíamos. Efeito Muricy? Gostei do Rômulo, parece que, enfim o Jonathan tem uma sombra. Espero que não seja um ponto fora da curva. Agora o Robert foi mto mal, pra mim é um WP piorado. Torço muito pra queimar minha língua, mas acho que sua contratação foi um erro. Talvez o próprio Cuca já se deu conta das peças que temos para o ataque, afinal ele a princípio não queria o Farias. Agora, como gosto do Gilberto se continuar jogando assim, é o Montillo que vai ter que comer grama.
  18. Victor Pimentel, no PHD: O Tricolor não estava lá grandes coisas até seu gol. Se igualava alguma coisa, vá lá, era porque jogava em casa e patati-patatá. Após sair seu gol no começo do 2º tempo porém, foi brilhante. Se a coisa para o ataque não ia bem, o gol foi o pretexto para Muricy posicinar a equipe corretamente com um exímio futebol suiço. O Flu postou-se à frente de sua zaga com 0 jogadores no ataque. Jogou 11 contra 8 e emperrou a partida sem correr maiores riscos. Perfeito. Espero que o Santos continue com seu futebol de volúpia. Posso no mesmo campeonato ver um time agradável e o meu jogando para ser campeão. Show.
  19. Elias Guimarães, no PHD: Não acredito em merecimento ou castigo. O futebol se resume em  aproveitar as chances de gol. Tivemos várias, eles mal mal umas duas e no 2º tempo. Numa delas, mataram o jogo. A saída do Gilberto detonou nossa criação. E o goleiro deles numa noite feliz também fêz a diferença. Mas deste jogo tiro um alento, pois nosso time jogou muito bem. O problema da falta de gols persiste. E as bolas alçadas na área (cantei no intervalo) tbambém. Vamos lá, Cuca. Treinar o time, levantar a cabeça e continuar nessa toada que vai dar samba. Muito boa participação do Rômulo e do Everton, boa participação do meio e até da zaga…
  20. Romarol, no PHD: Só vou usar clichê “jogou como nunca, perdeu como sempre”. Relembrando a Copa do Mundo, o Cruzeiro está parecendo o México. Prefiro jogar da forma como foi contra o Goiás, do que perder para o time do “Muricy Goleada”. Aliás, este técnico não pode faltar em Copa do Mundo. Quando joga melhor, tem que matar a partida. O Cruzeiro teve a chance no 1º tempo. A saída do Gilberto prejudicou demais o time celeste.

Pesquisa: Romarol.

O Bom Montillo

sábado, 3 de julho de 2010

O Cruzeiro contratou o meia argentino Walter Damián Montillo, da Universidad de Chile, por R$6,2 milhões.

O atleta de 1,71m e 71Kg, nasceu em Lanús, Buenos Aires, e formou-se na base do San Lorenzo, clube no qual se profissionalizou em 2002.

Em 2006, ele foi contrado pelo Monarcas Morelia do México. No ano seguinte, voltou ao San Lorenzo, mas quase não foi escalado pelo treinador Ramon Diaz.

Desde 2008, ele defende a La U, que ajudou a levar às semifinais da Libertadores 2010.

Montillo conquistou a Sulamericana de 2002, com o San Lorenzo, e o Apertura chileno de 2009, com a La U. E foi titular a Sub20 argentina no Mundial dos Emirados Àrabes, em 2003, deixando Javier Saviola no banco.

Ao longo da carreira, o camisa dez fez 23 gols em 217 partidas. Sua fama no Brasil deve-se ao gol marcado contra o Flamengo na atual Libertadores, que levou seu time às semifinais.

O torcedor não receberá um aeroportuário, mas também não deverá sofrer com um jogador tosco. Montillo sabe conduzir a bola e servir os atacantes.

E o melhor a fazer é apoiar e não vaiar o novato ao primeiro passe errado como fazem os cretinos teleguiados.

Quem sonha com jogadores mais famosos, tem duas alternativas: associar-se e colocar dinheiro no clube ou escolher um time rico pra torcer. Ou existe uma terceira via?

Quem tem boca vai a Joanesburgo

quinta-feira, 1 de julho de 2010

Copa se joga um pouco com os pés e muito com a boca. Confiram um pouco do que se disse:

  1. Johann Crujiff, ex-jogador da Holanda, vice-campeão de 1974: “Este Brasil é uma vergonha para o torneio e para os torcedores. Eu não pagaria ingresso pra vê-lo. O time tem talentos, mas joga de maneira defensiva e pouco interessante.”
  2. Maradona, auxiliar técnico de Salvador Billardo na Seleção Argentina: “O erro não foi validar o gol do Tévez, mas permirtir a caçada ao Messi, algo como fez o killer Gentile em 1982.”
  3. Cláudio Gentile, ex-jogador da seleção italiama campeã do mundo em 1982: “Maradona é um palhaço; eu nunca foi expulso por jogada violenta.” [N.B.: Maradona foi expulso na Copa de 1982, após aplicar um coice na barriga do volante Batista, na derroda da Argentina para o Brasil por 3×1].
  4. Dunga, treinador do Brasil: “No Brasil, se a Seleção vence, pedem espetáculo, se vence e dá espetáculo, exigem goleada, se vence, dá espetáculo e goleia, dizem que o adversário é fraco.”
  5. Olé, diário esportivo argentino, referindo-se ao gol de Luís Fabiano contra a Costa do Marfim: “La mano del diablo!”
  6. Pelé, sobre o mesmo gol: “O gol do Luís Fabiano foi de Pelé, pelos chapéus, e de Maradona, pelas mãos”
  7. Wall Free Dow Jones, torcedor brasileiro: “O Brasil, hic!, vai, hic!, campeonar, hic, hic, hic, hurra!”
  8. Maradona sobre Pelé: “Aquele moreno que jogava com a dez, devia voltar pro museu”
  9. Pelé sobre Maradona: “Ele me ama…”
  10. Cristiano Ronaldo, após a derrota para a Espanha: “Por que fomos eliminados? Perguntem ao Carlos Queiróz…”
  11. Cristiano Ronaldo, de cabeça fria: “Estou destroçado, completamente desolado, com uma tristeza inimaginável. E quando disse pra perguntarem ao treinador foi porque, naquele momento, ele estava na conferência de imprensa e eu não me sentia em condições de explicar coisa alguma. Sou um ser humano e tenho o direito de sofrer sozinho.”
  12. Bastian Schweinsteiger, volante da Argentina: “Temos que manter a calma e não cair nas provocações dos argentinos. Todo mundo viu a conduta deles no intervalo da partida contra o México. Reparem na forma e nos gestos com que tentaram influenciar o Juiz. Foi uma vergonha. Mas esta é a mentalidade deles e temos que estar preparados pra isto.”
  13. Vicente Del Bosque, treinador da Espanha: “Nosso estilo é o de nos manternmos fiéis a nosso estilo”
  14. Renato Maurício Prado, comentarista do SporTV: “A Espanha já é semifinalista da Copa.”
  15. Larissa Riquelme, modelo e torcedora paraguaia: “Desque pequena, sempre gostei de de futebol, já fui até atacante, e sou fanática pelo Cerro Porteño…”

Sete pecados capitais e um venial

domingo, 27 de junho de 2010

Estes foram imperdoáveis! Sete erros capitais da Copa, até aqui:

  1. No gol de Heinze (Argentina) contra a Nigéria, Samuel (Argentina) atracou-se com um beque africano configurando falta que nem no rúgbi e no futebol americano é permitida.
  2. Num de seus gols contra a Coréia Democrática, Higuaín (Argentina) estava em claro impedimento.
  3. No tento anulado dos USA contra a Eslovênia, o juiz marcou o famoso perigo de gol. Inexplicável.
  4. O 1º gol da Argentina contra o México foi lance de impedimento absurdo de Carlito Tévez. Havia zero jogador entre o atacante portenho e a risca fatal. Fosse na cancha do Mineirinho, no Alto dos Minérios, o juiz nunca mais erraria. Aliás, nem voltaria pra casa.
  5. No gol de Lampard (Inglaterra) contra a Alemanha, a bola ultrapassou meio metro a risca. Mesmo assim, bandeira e juiz, mandaram o jogo seguir. Erro pra enciclopédia. Está eternizado.
  6. O pênalti seguido de expulsão de Cahill, da Austrália, no jogo contra a Sérvia, foi outro absurdo. Bola no braço. Ali, a Austrália foi posta fora da Copa.
  7. A expulsão de Miroslav Klose (Alemanha), contra a Sérvia, foi pena capital por motivo fútil. 

Além destes, houve também um equívoco. Pecado venial, nada mais:

  1. Alguns insistem ter havido mão dupla no 2º gol de Luís Fabiano contra a Costa do Marfim. Mentira. O Fabuloso não encostou um dedo que seja na pelota.  Antes do primeiro chapéu, ela caiu do firmamento sobre o ombro do centroavante. Após o segundo sombrero, a Jabuani aninhou-se no sovaco dele. Uma punição e tanto. Ou alguém acha que, àquela altura do jogo, o desodorante do atleta já não estava vencido? Anular o gol até que não seria problema para o Brasil. Afinal, ele não foi decisivo. Mas teria sido punição dobrada contra a bola.

Argentina 3×1 México: Montezuma pôs Rossetti e Tévez no caderninho

domingo, 27 de junho de 2010

Às 15h30 (Brasília), no Soccer Stadium, em Joanesburgo, México e Argentina decidem quem enfrentará a Alemanha nas quartas de final da Copa 2010.

Os dois times jogarão no 4-3-3. São fortes no ataque, mas nem tanto na defesa. Resta saber se manterão a disposição ofensiva sabendo-se que o derrotado não terá direito a revanche.

O espanhol nascido em Rosário, Argentina, Lionel Messi, maior nome da Copa, é a grande arma platina. Os garotos Hernandez, Vela e Giovany dos Santos, as esperanças mexicanas.

Roberto Rossetti, italiano que apitou a final da Eurocopa 2008, entre Espanha e Alemanha, será o referee do clássico latinoamericano. (mais…)

Alemanha 4×1 Inglaterra: Larrionda roubou a cena

domingo, 27 de junho de 2010

Às 11h (Brasília). no Free State Stadium, em Bloemfontein, Inglaterra e Alemanha decidem quem vai às quartas de final da Copa 2010.

Fabio Capello escalará seu time no 4-4-3 com o veterano James no gol, Johnson, Upson, Terry e Ashley Cole na defesa, Milner, Berry, Gerrard e Lampard, no meio de campo (os dois primeiros na contenção, os outros armando, atacando e defendendo), e a dupla Defoe e Rooney no ataque.

Taí um time muito bom, mas que nem sempre funciona. Quem explica, por exemplo, as três performances fraquinhas da primeira fase?

Joachim Löw escalará a Alemanha no 4-2-3-1 com Manuel Neuer no gol, Lahm, Mertesacker, Friedrich e Boateng, na defesa, Khedira e Schwensteiger na volância de contenção, Müller, Özil e Podolski, armando, marcando e, principalmente, atacando. Na centroavância, ficará o cabeceador Miroslav Klose segurando a bequeira inglesa.

É o time com menor média de idade da competição, mas de surpreendente maturidade e bom toque de bola como se viu na primeira fase, inclusive na derrota pra Sérvia.

Pelo retrospecto, a Alemanha é favorita. Mas o English Team é pra lá de cascudo e pode complicar a vida dos teutos, Vai, por exemplo, que o ogro Rooney desperta?!  Neste caso do time da dupla Joaquim e Manuel, que não é Portugal, pode até se dar mal.

O uruguaio Jorge Larrionda será o referee deste duelo e o estádio, certamente, receberá lotação máxima. Será um jogão, acreditem. (mais…)

Uruguai 2×1 Coréia D: Rumo ao penta!

sábado, 26 de junho de 2010

Às 11h, no Estádio Nelson Mandela Bay, em Porto Elizabeth, Uruguai e Coréia Democrática abrem as oitavas de final da Copa 2010.

Oscar Tabarez escala o time charrua num 3-4-1-2 com Forlan na armação a Suarez e Cavani no ataque. Este é o trio que pode levar a Celeste Olímpica ao pentacampeonato mundial.

Hu Yong, técnico coreano, adota o 4-4-2 e tem em Park Jisung, meia-atacante do Manchester United, o pensador da equipe. Mas é bom os orientais prestarem muita atenção em Chu Yong, um atacante de chute forte.

O juiz será o alemão Wolfgang Stark e o estádio deve receber, no máximo, 2/3 dos 42 mil espectadores que comporta. (mais…)

Oitavas sem mistério

sábado, 26 de junho de 2010

Como não sou de ficar em cima do muro, apresento ao distinto público meus palpites pras oitavas de final da Copa 2010.

Em negrito, está o favorito. O placar, contudo, pode ser diferente. É o meu palpite e ninguém tasca. Quem quiser, que palpite também, ora!

  1. Uruguai 1×2 Coréia Democrática
  2. USA 2×1 Gana
  3. Argentina 2×2 México – Nos pênaltis, México 4×2.
  4. Alemanha 1×2 Inglaterra
  5. Holanda 3×1 Eslováquia
  6. Brasil 4×2 Chile
  7. Paraguai 1×2 Japão
  8. Espanha 2×2 Portugal. Nos pênaltis, Portugal 5×4.

Brasil 0x0 Portugal: Um tempo esportivo, outro administrativo

sexta-feira, 25 de junho de 2010

Às 11h, no Estádio Moses Mabhida, em Durban, Brasil e Portugal disputam a liderança do Grupo G da Copa 2010.

Dunga, que escalará o time no 4-3-1-2, não contará com Elano, contundido, e Kaká, suspenso. Daniel Alves e Júlio Baptista substituirão os titulares.

Carlos Queiroz, que manterá o 4-3-3, só não poderá contar com o meia-atacante Deco, contundido.

Se vencer, o Brasil escapará de seleções como Argentina, Alemanha, México e Inglaterra nas quartas e nas semifianias. Mas poderá jogar contra a Espanha nas oitavas.

A Copa é assim. Pra ter vida mansa só fazendo como França e Itália que mandaram parar o torneio, desceram e voltaram pra casa mais cedo.

No apito estará o mexicano Benito Archundia, velho conhecido de quem frequenta a Copa Libertadores. (mais…)