Posts com a Tag ‘Maurício’

37ª da A: Heroísmo avaiano

terça-feira, 30 de novembro de 2010

Eis a 37ª rodada do Brasileiro 2010, disputada às 17h de 281nov10. Cruzeiro, Fluminense e Corintiãs venceram e o topo da tabela ficou inalterado. A decisão do título fica pra última rodada. O grande jogo da rodada, contudo, aconteceu em Floripa onde um heróico Avaí venceu o Santos, de virada, por 3×2 e escapou o rebaixamento.

(mais…)

O Bom Montillo estraçaiou. De novo!

segunda-feira, 20 de setembro de 2010

Atuações dos celestes e seus adversários no Botafogo 2×2 Cruzeiro, no Engenhão, Rio de Janeiro, pela 23ª rodada do Campeonato Brasileiro de 2010, em 18set10:

(mais…)

22ª A: Cruzeiro e Corintiãs enfiaram o pé na jaca

quinta-feira, 16 de setembro de 2010

A 22ª rodada do Brasileiro 2010, em 15 e 16set10, foi uma festa pra Cruzeiro e Corintiãs, que somaram 3 pontos enquanto Bota e Flu, parceiros de G4 estacionaram na tabela. Em Curitiba, o Atlético deixou pra aplicar a 13ª cepada no Luxa bem no finalzinho. Um juiz mineiro expulsou bestamente o artilheiro do Prudente e o Mengo aproveitou pra virar e sair de perto das más companhias do rebolo. De resto, registre-se a freguesia são-paulina diante do Inter e a saída do Avaí da alça de mira da Cocota. Teve bão!

(mais…)

Triângulo vestiu Azul

sexta-feira, 27 de agosto de 2010

Maurício Sangue Azul

O aumento do número de simpatizantes, que podem vir a se tornar torcedores do Cruzeiro depende de quatro fatores essenciais:  mídia, títulos, vitórias e planos de marketing.

A revolução percebida pelos cruzeirenses, que acompanharam a partida contra Corinthians no estádio, assustados com o  aumento considerável de sua torcida no Triângulo mostra claramente isto.

A nação azul presente no Parque do Sabiá comprova que a nossa torcida cresceu  assustadoramente nesta região mineira.

(mais…)

O que vi e ouvi

sexta-feira, 27 de agosto de 2010

Mariana Resende

Acompanhei o pré-jogo de Cruzeiro x Corinthians pelo rádio. Quando liguei, o Juca ainda estava no ar com seu programa e o antipático Renato Maurício Prado fazia sua ponta diária.

Eles adulavam o Bota, por quem, segundo eles, a torcida está apaixonada. Tem coisa mais sem sentido? Também exaltaram o ótimo momento do Flu e, nesse caso, achei justo. Quando o papo começou a me irritar, mudei pra Itatiaia.

Confesso que a curiosidade de saber o que iam falar do reencontro do Adílson com o Cruzeiro e com os próprios me consumiu durante o dia. Aconteceu o previsto. O profissionalismo deu lugar a uma chuva de ressentimentos e comentários nada imparciais.

(mais…)

Leandro Mattos: “O 10 encheu os olhos!”

terça-feira, 17 de agosto de 2010

Pitacos de protagonistas e blogueiros acerca do São Paulo 2×2 Cruzeiro, no Morumbi, São Paulo, pela 14ª rodada do Campeonato Brasileiro, em 15ago10: (mais…)

Pitacos selecionados

quarta-feira, 11 de agosto de 2010

Alguns comentários sobre posts recentes valem a pena ser lidos (ou relidos), pois vão além da equizofrenia geral. Abordam com humor e pertinência os temas propostos sem resvalarem para a grosseria e o palanquismo típico dos áukicos.

Alguns deles:

Moema Fox, no PHD: Cada cabeça, uma sentença. Tênis é esporte de elite? Pode ser. Era muito mais na minha infância. E eu não tinha dinheiro nem pras munhequeiras. Assistia Ivan Lendl e Steffi Graf e sonhava um dia poder jogar. Ganhei uma raquete usada, daquelas de madeira, de uma vizinha. Aprendi a jogar tênis sozinha, batendo bola na parede do quintal de casa e procurando fazer igual aos profissionais. A primeira vez que joguei em quadra de verdade, já era adolescente, e foi a realização de um sonho. E as coisas foram melhorando, tive aulas, comprei raquetes boas, me diverti à beça com o esporte de burguês. Mas desculpem-me, eu estava enganada. Deveria era ter ficado chutando uma bola no lote baldio perto de casa ao invés de sonhar com coisas melhores. Absurdo!

Daniel Loures, no PHD: Concordo em gênero, número e grau com a Moema. Ao invés de apoiarmos o prática de esportes, seja ele qual for, rotulamos oas modalidades. Chamar um esporte de burguês ou de maricas, tende à estupidez.Temos que incentivar a prática de esportes em todos os meios sociais. Pensar que só o futebol é a salvação é retrogado. E não temos que usar o esporte com o objetivo de lucro, de se dar bem na vida e sim como forma de inclusão social. Se uma quadra de tênis foi criada temos que aplaudir.

Velho  Damas, no PHD: Petequeiro, euuu??? Na minha região de origem, além da tradicional pelada, era chegado numa caixeta, pif, truco e sem dúvida fui um dos mais destacados levantadores do copo Lagoinha. Agora, no rancho do Rio Pilões aqui em New Farm, descobri uma nova modalidade: pesca esportiva etílica. Ainda mais depois que inventaram um barrilzinho verde de 5 litros. Aí foi que o trem ficou bom demais!!! Desse jeito chego aos 90 fácil, fácil!!!

Chaves, no PHD: Eita, como tem gente nervosa e complexada no blog! Uma semana em que a Cleo Pires sai na Playboy e Luciana Vendramini no Paparazzo não tem como ser ruim. E vocês aí reclamando de trabalho, política, futebol… 

Eduardo Arreguy, no PHD: Particularmente, acho tênis realmente um esporte elitista. Não viram domingo, no ipatingão? Só porque um cara resolveu jogar tênis, o povão comeu ele na porrada, o que mostra que além de elista, pode ser também um esporte muito violento. Deve ser por isto que o rapaz queria uma quadra só pra ele.

Matheus Reis, no PHD: Não vi jogos suficientes do Montillo, mas vi os dois jogos contra o Chivas e gostei. Chamou a responsabilidade pra si embora seu time não tenha se classificado. Além disso, é jogador criado. Acho que não corre o risco de se deslumbrar com as belezas etílicas, gastronômicas e femininas de BH. Que a documentação chegue logo e que ele estreie no Domingo.

Elias Guimarães, no PHD: Fiquei impressionado com Montillo desde a primeira vez que o vi jogar, com mais atenção, contra o Fla no Marqaca e no Santa Lúcia. Ele joga de cabeça alta, pensa rápido e tem viradas de bola, passes longos (nem digo lançamentos de tão perfeitos que são). Agora, precisamos recuperar o mais breve possível o Leonardo Silva,que vai cansar de marcar gols de cabeça e se tornar artilheiro do Brasileiro. Sóa não apostam no Montillo yna parcela daa imprensa galinácea louquinha de raiva pela boa contratação celeste e e certos “torcedores” do Cruzeiro, adeptos do fogo amigo, chamados carinhosamente de seca-pimenteiras…

Vinícius Cabral, no PHD: Thiago Heleno jogou quatro temporadas pelo Cruzeiro e tem apenas 21 anos. É muito novo! Ele parecia ter uns 24 ou 25 anos… A que ponto chega a intolerância de alguns torcedores com jogadores da base. Me lembro dele ser vaiado antes de completar 20 anos. Bom, caso seja vendido, desejo a ele toda a sorte do mundo. Acho que terá um futuro brilhante.

Victor Pimentel, no PHD: Nem vou levar em conta o jogo do Montillo contra o Flamengo, porque ali foi jogar contra ninguém. Mas gostei dele no jogo de volta da Libertadores contra o Chivas.

Elias Guimarães, no PHD: Brasile USA foi bom divertimento. E com uma linda bandeira do Cruzeiro ao vivo em HD sendo mostrada para o mundo todo. O bom futebol praticado pelo Brasil resultou no 2×0 d0 1º tempo. Ramires sobrando, com direito a passe primoroso pro 2º gol do Brasil. E ainda teve Neymar, Ganso e Robinho deitando e rolando praá cima dos “cintura dura”…

Maurício Sangue Azul, no PHD: Parabéns Matheus Reis! Aliás, aos dois Matheus. Tanto o Penido quanto o Reis escrevem muito bom. Têm excelente visão do jogo e analism bem as atuações individuais. Acho muito bom a turma ajudar o Sìndico nos posts pra desafogá-lo no dia a dia, e não ficar cansativo pra ele. Por causa da idade avançada, o Homem tem que tirar uma soneca à tarde pra recarregar as pilhas. kkk

O Cruzeiro não está quebrado

terça-feira, 3 de agosto de 2010

Mensagem enviada pelo João Chiabi Duarte:

Prezados:

Como anda a situação financeira do Cruzeiro?

Compartilho o pouco que sei e tenho lido, visto e ouvido de pessoas que estão no meio do futebol a respeito do tema, em 10 tópicos:

1. O Cruzeiro não está quebrado. Hoje, entre os grandes clubes do Brasil, é um dos menos deve. Pelo que pude apurar as nossa dívidas reais beiram a casa dos R$100 milhões, mas, quase toda bem equacionada (REFIS, IR, INSS etc).

2. Mesmo tendo alcançado junto ao BMG um patrocínio naster destacado como o melhor de sua história, o Cruzeiro em 2010 está sendo penalizado por:

  • Queda acentuada de bilheteria, notadamente após o fechamento do Mineirão.
  • Queda acentuada de receita com o Sócio do Futebol com a perda de 15 mil associados (R$60 x 15 mil = R$900.000 / mês).
  • A folha salarial foi onerada pela manutenção do elenco, tendo como balizador o Kleber, fato que provocou substancial elevação nos salários de outros jogadores. Também por mérito deles, é bom que se diga.
  • Não ter realizado nenhuma venda expressiva. Até o 7° mês do ano, o Cruzeiro teve como venda mais importante o repasse de 50% de Kleber ao Palmeiras (ainda dividido com o parceiro EMS Pharma) por R$6,5  milhões.

3. Com isto o déficit mensal hoje é da ordem de R$1 milhão / mês.

4. O Cruzeiro tem, segundo consta no BID, um número muito grande de jogadores sob contrato (em torno de 200 segundo alguns colegas, mas há que se confirmar porque podem estar sendo incluídos todos os atletas da base nesta contagem… Sem dúvida, é a quantidade é maior do que a dos demais clubes da série A), emprestados a times menores. Muitos desses jogadores são pagos com subsídio do Cruzeiro. ISe isto for confirmado, pode ser uma das razões de sangria do caixa. Até aqui, isto é mera suposição, pois essa rubrica não foi aberta nas últimas prestações de contas do clube.

5. Outro ponto importante e muito comentado: o Cruzeiro tem um clube de estrutura pesada e custos fixos elevados, que precisa ser ajustado para ter contas dentro de parâmetros mais condizentes para uma organização de seu porte. Isto talvez justifique as saídas de Claret e Maluf, entre outros. Pode ser que a contenção já esteja sendo feita.

6. Também é um fato o baixo índice de aproveitamento de pratas-da-casa nos últimos tempos. A base custa ao clube perto de R$700 mil / mês. Uma das razões pelas quais o Zezé Perrela puxou Dimas Fonseca para a gestão do futebol profissional foi exatamente ele ter feito uma gestão severa na base, com expressiva redução de custos. Ora, se hoje o dispêndio supera os R$8 milhões anuais, o retorno é baixíssimo, pois, apenas Guilherme e Diego Renan se firmaram entre os titulares nos últimos 4 anos, o que é muito pouco.

7. Nos últimos tempos, o Cruzeiro teve vários jogadores que ficaram muito tempo parados, o que afeta os gastos ao impedir estabilidade e repetição de escalações. Os treinadores viviam improvisando. Alguns Casos:

  • Sorin, Athirson e Fernandinho em 2009 (simultâneas).
  • Gilberto e Roger em 2010.
  • Luizão, Leo Fortunato, Leonardo Silva e Thiago Heleno, recentemente.
  • Kleber no 2° semestre de 2009.
  • Fabinho, Paraná, Ramires, Jonathan, Henrique, Gérson Magrão foram improvisados várias vezes nos últimos tempos.
  • Araújo, Gil, Elber, Sandro, Thiago Gosling, Luizão, Kerlon tiveram longas temporadas de recuperação. São desperdícios que precisam ser melhor avaliadas pela comissão técnica, Departamentos Médico, Fisiologia, Fisioterapia etc.

8. Um outro motivo alegado por muitos é a política de contratações do clube nos últimos tempos. Vamos relembrar alguns casos para avaliá-los:

  • Jogadores contratados como solução de problemas e que pouco jogaram:  Jael (nem jogou), Luizão (nem jogou), Leandro Silva (na volta do Porto, foi outro que não jogou nem 10% das partidas), Sorin (nesta 3ª passagem), Thiago Gosling (jogou muito pouco nesta 2ª passagem), Kieza (ninguém sabe porque veio), Alessandro (pouco jogou), Anderson Lessa (pouco jogou e mesmo sem ter ido mal, foi colocado na lista de dispensáveis).
  • Jogadores contratados, que foram colocados em clubes parceiros: Radar, Matheus, Evandro, Fahel, Eraldo, Márcio Guerreiro, Davi etc. Foram investimentos que só deram prejuízo..

Durante bom tempo, o time ficou sem jogadores pra zaga, lateral-esquerda, armação (camisa 10) e com excesso de volantes por exemplo. Adílson se virou e era um show de Elicarlos de lateral-direito, raramente jogando em sua função de origem (o garoto, que é muito bom de bola, acabou se queimando junto ao torcedor, especialmente com quem assiste aos jogos com o fonezinho no ouvido). Magalhães, Vinícius, Neguette, Bernardo e Dudú (neste caso, a indisciplina pesou contra os jovens de grande talento e que tem tudo ainda para fazerem história no clube), Eliandro, Rafael e até Sebá foram chamuscados pelo imediatismo do torcedor e por terem sido lançados fora de hora.

9. Como cruzeirenses, temos que fazer o possível pelo clube, mas sem a sanha da revanche ou da vingança. Sem a pecha de anti-isto ou anti-aquilo. Conheço vários conselheiros do Cruzeiro que são gente do bem, que estão a anos a fio a dar a sua contribuição ao clube, como os irmãos José Francisco e Hermínio Lemos, Dr. José Ramos, os irmãos Paulo César e Flávio Carvalho, os irmãos Peluzzo, meu primo Maurício Duarte, Dr. Djalma Fernandes, Dr. Gilvan Tavares, Dr. João Carlos Gontijo, Dr. Célio Elias, Dr. Ronaldo Nazaré, Ângelo Cattabriga, os irmãos Fernando, Célio e Lúcio de Souza, meu grande primo pelo outro lado familiar e conselheiro presente que é Clemenceau Chiabi Saliba Jr., José Maria Fialho, Marcinho Atacadista, entre tantos outros. Não aceito generalizar e dizer que nosso conselho seja gente sem opinião, algo que os detratores dos Irmãos Perrella tentam passar à opinião pública.

10. Finalmente, creio que o Cruzeiro vai começar o processo de reversão ainda este ano. Teremos de mudar um pouco a visão quanto às tais parcerias e focar num grupo menor de jogadores. Mesclar grandes talentos às jovens promessas que o clube tem condições de revelar. Não podemos continuar revelando jogadores e os repassar para ver se estouram no Ipatinga, Cabofriense, Nacional da Ilha da Madeira ou Sporting de Braga. E de mais a mais, já está passando da hora de parar de fazer negócios com os portugueses. Tenho a impressão de sempre estamos levando a pior. Melhor seria continuar a negociar com franceses e russos (rs, rs, rs).

Saudações Azuis,

João Chiabi Duarte

Flalonso

domingo, 25 de julho de 2010

A Ferrari mandou um píloto, que tem 1 chance em 10.000 de ser campeão, deixar outro, que tem 1 em 5.000, passar.

O prejudicado não chiou, pois o jogo de equipe na F1 é adrede combinado.

Mas vai dar falatório. Anotem. E confiram, amanhã, no CBN EC, o diálogo indignado entre Renato Maurício Prado e Juca Kfouri.

Dois que não perceberam a marmelada do Morrinhão 2009 quando Corintiãs e Grêmio deram passagem ao Flamengo para prejudicar São Paulo e Inter.

Como diz Armandinho Castanheira da Rosa Marques: “Há coisas que a gente vê e coisas que a gente não deve ver”.

Citei JK e RMP, mas poderia ter citado 9 entre 10 comentaristas do PHD, que também não viram nada demais na marmelada do futebol brasileiro.

E segue a comédia!

10ª da A: Flu e Inter mantiveram os clientes

sexta-feira, 23 de julho de 2010

10ª rodada do Morrinhão, disputada em 21/22jul10. Corintiãs caiu do galho, Flu subiu, Ceará mantém-se “engastaiado” no G4, mineiros permanecem clientes de Flu e Inter, Felipão jogou a toalha e o público continua “deste tamaninho,ó!”…

  1. Jacaré, Atlético-MG 1×2 Inter. Público: 4.713. Gols: Diego Souza, 7, Alecsandro, 13 do 1º; Alecsandro, 17 do 2º. Luxa, “um dos três melhores treinadores do mundo”, segundo microfonistas mineiros e seus seguidores, perdeu a 7ª partida em 10. Aguardo explicações.
  2. Morumbi, São Paulo 1×1 Prudente. Público: 9.646. Gols: Washington, 1, Anderson Luís, 20 do 1º.  Hernanes, o cara que ia ganhar a Copa para o Brasil jogou. E não ganhou do Prudente. Aguardo esclarecimentos.
  3. Barradão, Vitória 2×2 Goiás. Público: 9.568. Gols: Rafael Moura, 31, Everton Santos, 33, Ricardo Conceição, 45 do 1º, Soares, 45 do 2º. Descontrolado, Emerson Leão criou a maior fuzarca no final da partida. He Man deu piti e agrediu um repórter. Um vexame total.
  4. Maraca, Fla 1×1 Avaí. Público: 14.051. Gol: Diego Maurício, 3 do 1º; Gabriel, 29 do 2º. Pet tentou várias maldades com a bola parada, mas Renan, de 19 anos, jogou com tranquilidade de veterano e o Avaí segue pontuando.
  5. Olímpico, Grêmio 1×1 Vasco. Público: 4.820 Gols: Nunes, 6, Jonas, 9 do 1º. A cancha do Olímpíco parecia uma lagoa e ninguém vai reclamar. Fosse na Arena do Jacaré, seria o fim do mundo.
  6. Baixada, Atlético 2×0 Santos. Público: 20.001. Gols: Bruno Costa, 2 do 1º; Bruno Mineiro, 2 do 2º. Neymar, outro ex-futuro campeão mundial, apanha pela 3ª vez consecutiva neste Morrinhão. Cartas à redação explicando, por favor!
  7. Serra Dourada, Atlético-GO 3×1 Corintiãs. Público: 17.445. Gols: Robston (p), 21, Iarley (Cor), 34 do 1º; Pedro Paulo, 23 e 34 do 2º. O cara que decidiu o jogo contra o líder foi descontratado pelo Luxa (um dos três melhores treinadores do mundo, segundo microfonistas e seus seguidores). Durma-se com um barulho desses!
  8. Maraca, Flu 1×0 Cruzeiro. Público: 28.479. Gol: Leandro Euzébio 8 do 2º tempo. Cruzeiro jogou como nunca, perdeu como sempre para o Flu.
  9. Brinco, Guarani 1×1 Ceará. Público: 4.585. Gols: Ernandes (Cea), 8, Ricardo Xavier, 29 do 2º. Ceará “engastaiou” no G4.
  10. Pacaembu, Palmeiras 2×2 Bota: Público: 12.107. Gols: Marcos Assunção, 1, Kleber, 12, Jobson, 25, Antonio Carlos, 33 do 2º. Felipão jogou a toalha. Rapidim, não?

Gols: 26. Público: 125.415.  Média: 12.542. G4: Flu, 22, Corintiãs, 21, Ceará, 19, Inter, 16. Z4: Grêmio e Vasco, 10, Atlético-MG, 9, Atlético-GO, 7. Artilheiros: 6 – Alecsandro e Roger / 5 – André, Roberto, Schwenck. / 4 – WP, Caio, Bruno César, Hugo, Fred, Tardelli, Muriqui, Ricardinho, Antônio Carlos, Herrera, Love, Washington, Jonas, Kleber.