Posts com a Tag ‘Holanda’

Semana 20: Campeão mineiro pela 37ª vez

quarta-feira, 25 de maio de 2011

Esta foi a Semana 20 de 2011 do Cruzeiro:

  • Domingo, 15mai11 – Dos 99 campeonatos mineiros, 19 foram decididos com uma série RapoCota. O Cruzeiro venceu 11, empatou 1 e perdeu 7.  ///  Franck Caldeira conquista o 1º lugar no Desafio da Paz, prova disputada no Rio de Janeiro, 5 Km entre as favelas da vila Cruzeiro e do Complexo do Alemão. /// Giomar Pereira da Silva conquista a 1ª Etapa do Circuito Caixa, disputada em Goiânia. Foi a 4ª vitória do Gladiador na capital goiana e sua 18ª no Circuito Caixa. /// Os gêmeos Paulo Roberto Luis Fernando de Almeida Paula conquistaram a 5ª e a 6ª posições dos 10 km da Tribuna de Santos, no litoral paulista. /// Na Corrida do Milho, disputada em Patos de Minas, Antônio Ferreira da Silva, o Ferreirinha, venceu o percruso de 5 km e Ivanildo Pereira dos Anjos, o Gomes, o de 10 km. /// Sander Luis Santosterminou na 3ª colocação da Corrida do Câncer de Mama, disputada na Região da Pampulha, em Belo Horizonte. No feminino, Berenice Dias de Meira terminou no 6º lugar geral e se sagrou campeã veterana da prova. /// (mais…)

Pra quem o gol não é só um detalhe

sábado, 17 de julho de 2010

No 7º dia, a Copa já não rende mais assunto. É como se nem tivesse acontecido. Um pouco por causa da final desenxabida e do futebol mínimo espahol com suas goleadas de 1×0.

Ficou pouco pra se comentar. Como já nos ensinou o Wall Free Dow Jones, “futebol é muito dinâmico” e a bola da vez é o Morrinhão.

Mas o PHD empacou. E traz a lista dos artilheiros das copas. Só pra irritar os adeptos do telecoteco espanhol.

Muitos dos artilheiros fizeram mais gols do que a Espanha. E todos jogaram menos tempo do que ela.

Dá ou não o que pensar?

  1. 1930 – Guillermo Stabile (Argentina), 8 gols
  2. 1934 – Edmund Conen (Alemanha), Oldrich Nejedly (Tchecoslováquia) e Angelo Schiavio (Itália) – 4 gols
  3. 1938 – Leônidas da Silva (Brasil) – 8 gols
  4. 1950 – Ademir Menezes (Brasil) – 9 gols
  5. 1954 -Sándor Kocsis (Hungria) – 11 gols
  6. 1958 – Just Fontaine (França) – 13 gols
  7. 1962 – Drazen Jerkovic (Iugoslávia) – 5 gols
  8. 1966 – Eusébio (Portugal) – 9 gols
  9. 1970 – Gerd Müller (Alemanha Ocidental) – 10 gols
  10. 1974 – Grzegorz Lato (Polônia) – 7 gols
  11.  1978 – Mario Kempes (Argentina) – 6 gols
  12. 1982 – Paolo Rossi (Itália) – 6 gols
  13. 1986 – Gary Lineker (Inglaterra) – 6 gols
  14. 1990 – Salvatore Schillaci (Itália) – 6 gols
  15. 1994 – Hristo Stoitchkov (Bulgária) e Oleg Salenko (Rússia) – 6 gols
  16. 1998 – Davor Suker (Croácia) – 6 gols
  17. 2002 – Ronaldo (Brasil) – 8 gols
  18. 2006 – Miroslav Klose (Alemanha) – 5 gols
  19. 2010 – Thomas Müller (Alemanha), David Villa (Espanha), Wesley Sneijder (Holanda) e Diego Forlán (Uruguai) – 5 gols

Los olvidados

quinta-feira, 15 de julho de 2010

Desempemho dos salvadores da pátria na 8ª rodada do Morrinhão:

  1. Hernanes fez um gol e teve atuação discretíssima na derrota do St. Pauli para o Avaí.
  2. Neymar levou cartão amarelo, ficou longe da área e foi sacado pelo DJ (e reclamou) na derrota do Santos para o Palmeiras.
  3. Ganso entrou no 2º tempo, foi amarelado, e teve atuação discreta na derrota do Santos para o Palmeiras.

Pelo futebol que jogaram, nenhum teria feito o Brasil vencer a Holanda.

E os ex-cruzeirenses?

  1. Dudu foi pouco objetivo no empate do Coritiba contra o Bragantino.
  2. Bernardo correu muito e produziu pouco no empate do Goiás contra o Vasco.
  3. Patric esteve muito bem na vitória do Avaí sobre o St. Pauli.
  4. Kleber, como sempre, brigou muito com a zaga santista e fez duas jogadas pessoais interessantes.

Só o Gladiador ainda seria titular no Cruzeiro.

Os melhores da Copa 2010

domingo, 11 de julho de 2010

Minha seleção da Copa 2010:

  • Iker Casillas
  • Maicon Douglas, Lúcio Ferreira, Per Mertesacker, Carlos Salcido;
  • Bstien Schweinsteiger e Sergio Busquets
  • Thomas Müller, Diego Forlán, Wesley Sneijder
  • Asamoah Gyan
  • Craque: Diego Forlán
  • Revelação: Thomas Müller
  • Treinador: Oscar Tabárez
  • Juiz: Viktor Kassai
  • Melhores jogos: Alemanha 4×1 Inglaterra, Alemanha 4xo Argentina, Alemanha 3×2 Uruguai, Holanda 3×2 Uruguai, Brasil 3×1 Costa do Marfim, Gana 1×1 Uruguai.
  • Pior jogo: Espanha 1×0 Holanda.

Ficou meio capenga pela esquerda, mas não por culpa minha.

Espanha 1×0 Holanda: A pior final da história

domingo, 11 de julho de 2010

Às 15h30 (Brasília), no Soccer City, em Joanesburgo, a sonífera Espanha e a mecânica Holanda, ambas com o esquema 4-2-3-1, decidirão a Copa do Mundo de 2010 com arbitragem do inglês Howard Webb.

As chaves da partida serão os volantes espanhõis, patrões da bola, por um lado, e Sneijder e Robben, emias goeladores da Holanda, por outro.

Uma vitória da Laranja será motivo de festa para 16 milhões de holandeses. Caso vença a espanha, um terço de seus habitantes ficarão aborrecidos, outro terço indiferente. Mas sobrarão ao menos 16 milhões de contentes. Há equilíbrio entre os torcedores, como se vê.

Vou torcer pelos holandeses, mas os espanhóis são favoritos. Não pelo retrospecto, mas pela posse de bola. Se não se descuidarem, não levam gols. Ou muito me engano? (mais…)

Os 10 Melhores da Copa

domingo, 11 de julho de 2010

Estes são os jogadores indicados pela Fifa pra disputar o título de Melhor da Copa.

  1. Diego Forlán, Uruguai
  2. Asamoah Gyan, Gana
  3. Andres Iniesta, Espanha
  4. Lionel Messi, Argentina
  5. Mesut Özil, Alemanha
  6. Arjen Robben, Holanda
  7. Bastian Schweinsteiger, Alemanha
  8. Wesley Sneijder, Holanda
  9. David Villa, Espanha
  10. Xavi, Espanha

Snejder, Iniesta, Xavi ou Villa, um dos finalistas deve ser o escolhido. Como a sonífera Espanha deve ser a vencedora, a lista de dez deve se transfomar em lista tríplice.

Eu escolheria um sul-americano. E não seria o Messi, que só fez espuma na competição. Pra mim, o melhorm foi Diego Forlán, que levou o Pequeno Notável, o Uruguai, de volta ao mapa do futebol.

Espanha 1×0 Alemanha: Uma estranha na final

quarta-feira, 7 de julho de 2010

Às 15h30 (Brasília), no Estádio Moses Mabhida, em Durban, as badaladas Espanha e Alemanha decidem quem enfrentará a Holanda, a seleção mais eficiente, na decisão da Copa 2010.

O jogo será arbitrado pelo húngaro Vikto Kassai.

Vicente Del Bosque lança a Espanha com Casillas; Rsmos, Puyol, Piqué, Capdevila; Busquets, Xabi Alonso, Xavi e Iniesta; Villa y Pedro.

Joachim Löw escala a Alemanha com Neuer, Lahm, Mertesacker, Friedrich e Boateng; Khedira, Schweinsteigerz, Trochowski e Özil, Podolski e Klose.

Os alemães tentarão disputar sua 8ª final de Copa. Os espanhóis lutarão por sua 1ª.

***** (mais…)

Holanda 3×2 Uruguai: Pragmatismo vai à final

terça-feira, 6 de julho de 2010

Às 15h30, no Estádio Green Point, na Cidade do Cabo, Holanda e Uruguai abrem as semifinais da Copa 2010 em partida que será apitada pelo usbeque Ravshan Irmatov.

A Holanda manterá o 4-3-3 e não contará com De Jong e Van der Wiel, suspensos, o que não faz muita diferença. Eles serão substituídos por Van der Zeeuw e Affellay, respectivamente.

O Uruguai jogará no 4-4-2 e não contará com Lodeiro e Lugano, contundidos, nem Suarez e Fucile, suspensos. Para um elenco de qualidade inferior, são ausências sugnificativas.

Diego Forlán deve atuar mais adiantado, ao lado de Edinson Cavani, na Celeste Olímpica.

Com o meio de campo mais reforçado, Oscar Tabárez tem a intenção de parar Aarjen Robben, o chutador da Laranja.

Resta saber quem vai segurar Wesley Sneijder, um dos destaques da Copa.

*****

Ovacion, de Montevidéu:

Terminó la odisea celeste

Uruguay empezó jugando mejor el partido, teniendo la pelota y yendo al ataque. Pero no logró generar ninguna situación de peligro para el arco holandés, apenas un pase en profundidad de Forlán para Cavani, que el árbitro detuvo por una posición adelantada que no existió.

A los pocos minutos Holanda tomó el control de la pelota y comenzó a hacer correr la pelota alrededor del área uruguaya, aunque sin ser muy incisivo. Parecía que Uruguay tenía controlado al ataque holandés, pero un error en la marca permitiría a los europeos abrir el marcador.

Van Bronckhorst recibió la pelota a 30 metros del arco. Nadie se le acercó a marcarlo. La acomodó. Pateó y la pelota entró en el ángulo superior izquierdo de Muslera, que se tiró muy bien y alcanzó a rozarla.

En los minutos siguientes Holanda mantuvo el control del partido y de la pelota. Un gol abajo, parecía que el planteo de Uruguay, con tres volantes de marca, ya no le servía. Los minutos pasaban y los celestes seguían sin causar peligro en el arco holandés. Pero a los 41 minutos Forlán recibió la pelota, enganchó con la pierna derecha, hizo una diagonal y de afuera del área, con pierna izquierda remató al arco. Gol de Uruguay.

 El primer tiempo terminó 1 a 1. En el segundo ingresó Van Der Vaart, un volante de creación, por De Zeeuz, uno de marca, que sobraba en el partido dado el poco fútbol que creaba Uruguay.

Y con Van Der Vaart en la cancha el equipo holandés fue aún más superior. Mucho más incisivo que en el primer tiempo, Holanda hizo correr la pelota alrededor del área uruguaya. Esta vez resistirá el asedio.

Primero Sneijder remató desde el borde del área, y con la ayuda de un rebote y del palo. Luego Robben de cabeza. Uruguay estaba dos goles abajo pero salió a buscar la hazaña. Consiguió el descuento y terminó metiendo a Holanda en su arco.

No alanzó. Pero la derrota está lejos de ser un fracaso. Uruguay, con la frente bien alta, perdió contra Holanda 3 a 2 y el sábado jugará por el tercer puesto.

Holanda 3×2 Uruguai, terça-feira, 06jul10, 15h30 (Brasília), Estádio: Green Point, Cidade do Cabo, Público: 62.479 – Juiz: Ravshan Irmatov (Uzbequistão) – Bandeiras: Rafael Ilyasov (Uzbequistão) e Bakhadyr Kochkarov (Cazaquistão) – Amarelos: Maxi Pereira, Caceres (Uru), Sneijder, Boulahrouz (Hol) -Gols: Van Bronckhorst, 18, Forlán, 41 do 1º tempo; Sneijder, 25, Robben, 28, Maxi Pereira, 47 do 2º – Holanda: Stekelenburg, Boulahrouz, Heitinga, Mathijsen e Van Bronckhorst; Van Bommel, De Zeeuw (Van der Vaart), Robben, Sneijder e Kuyt; Van Persie. Tec: Oscar Tabárez / Uruguai: Muslera, Maxi Pereira, Godín, Victorino e Cáceres; Perez, Arévalo Rios, Gargano e Álvaro Pereira (Loco Abreu); Forlán (Fernández) e Cavani. Tec: Bert Van Marwijk.

Zagallo e Telê, os extremos

segunda-feira, 5 de julho de 2010

Estes foram os técnicos mundialistas do Brasil e seus verdugos (entre parentêsis):

  • 1930 – Píndaro de Carvalho, fase de grupos (com um combinado carioca). (Iugoslávia).
  • 1934 – Luiz Vinhaes, 1º eliminatória (com jogadores sem clube contratados pela CBD, devido a um racha no futebol brasileiro). (Espanha)
  • 1938 – Ademar Pimenta, 3º lugar. (Itália)
  • 1950 – Flávio Costa, vice-campeão. (Uruguai)
  • 1954 – Zezé Moreira, oitavas de final. (Hungria)
  • 1958 – Vicente Feola, campeão.
  • 1962 – Aymoré Moreira, campeão.
  • 1966 – Vicente Feola, fase de grupos. (Portugal e Hungria)
  • 1970 – Zagallo, campeão.
  • 1974 – Zagallo, 4º lugar. (Holanda)
  • 1978 – Cláudio Coutinho, 3º lugar. (Argentina)
  • 1980 (Mundialito) – Telê, vice-campeão. (Uruguai)
  • 1982 – Telê, 2ª fase. (Itália)
  • 1986 – Telê, quartas de final. (França)
  • 1990 – Sebastião Lazzaroni, oitavas de final. (Argentina)
  • 1994 – Carlos Alberto Parreira, campeão.
  • 1998 – Zagallo, vice-campeão. (França)
  • 2002 – Luiz Felipe Scolari, campeão.
  • 2006 – Carlos Alberto Parreira, quartas de final. (França)
  • 2010 –  Dunga, quartas de final. (Holanda)

Os resultados não mentem: Zagallo foi o melhor e Telê o pior treinador da  Seleção Brasileira em mundiais.

Verdugos: França, 3, Itália, Argentina, Hungria, Uruguai, Holanda, 2, Iugoslávia, Espanha, 1.

Fregueses:  Itália, 2, Suécia, Alemanha, Tchecoslováquia, 1.

O quarto final da partida

domingo, 4 de julho de 2010

Pra passar a régua na desclassificação brasileira, revi o quarto final da partida contra a Holanda com olhar mais atento. Resumindo:

  • Andre Ooijler cometeu pênalti em Kaká ao empurrar e desequilibrar o meia brasileiro dentro da área. O Juiz não viu. Se visse, seria o segundo amarelo e o vermelho.
  • Andre Ooijler deu um chega-pra-lá, que atirou Kaká fora de campo. O Juiz viu e economizou o amarelo.
  • Aarjen Robben cortou uma bola com o braço e agarrou Gilberto pela cintura, logo depois. Qualquer árbitro brasileiro teria expulsado o catimbeiro holandês pelo conjunto da obra. O japonês relevou as faltas.
  • Kaká, ao contrário da impressão incial, chamou o jogo. Mas com a Holanda toda na defesa, o passe não saia corretamente e ele só pôde fazer duas jogadas perigosas.
  • Nos últimos 8 minutos, Júlio César ficou praticamente sozinho contra os holandeses que apareciam no contra-ataque. Por sorte num lance e competência noutro, não levou mais dois gols.
  • Daniel Alves e não Luís Fabiano deveria sido substituído por Nilmar. O barcelonista conseguiu realizar nada de produtivo no quarto final da partida. Não deu conta sequer de passar uma bola por cima da barreira na cobrança de falta.
  • Maicon, ao contrário, saiu pro jogo. Mas não encontrou espaço pra arrancadas e jogadas pessoais decisivas.
  • Faltou calma, mas, sobretudo, faltou espaço para o time brasileiro criar jogadas de gol.

E, pra fechar a cortina, tão logo a delegação chegou ao Brasil, Ricardo Teixeira demitiu a Comissão Técnica. Tal qual havia feito em 2006.

O presidente da CBF jogou pra torcida. Melhor teria sido ele se demitir e não se eximir de responsabilidade imolando bodes no altar tolice brasileira.