Posts com a Tag ‘Globo.Com’

Cuca: “Fomos mal no ataque e bem na defesa”

terça-feira, 20 de julho de 2010

Pitacos de protagonistas e blogueiros acerca do Cruzeiro 1×0 Goiás, na Arena do Jacaré, em Sete Lagoas, em 18jul10, pela 9ª rodada do Campeonato Brasileiro de 2010:

  1. Binho, no PHD: Seguramente, foi um dos piores jogos do time que vi nos últimos tempos. Seguramente, esse time foi um dos mais raçudos que já vi desde que sou cruzeirense. O time briga, bate, toma canelada, mas jamais desiste do principal, que é reconquistar a bola. A continuar, dificilmente perderemos uma partida. Desse jeito temos cara de quem brigará pelo título. É torcer pra que o entusiasmo não se perca no andamento da competição.
  2. Marco Soalheiro, no PHD: Atuação coletiva muito fraca tecnicamente. Valeu mesmo só pelos três pontos contra um adversário chato, que andou incomodando muita gente. Faltam 30 pontos para os 45. Antes de chegar lá não me arrisco a fazer previsões mais otimistas. Vamos ver como evolui o trabalho.
  3. Jorge Schulman, no PHD: De regreso de Sete Lagoas, aonde fui na van da Turma dos Cervezeiros, gente bacana demais que devo agradecer pela oportunidade da partilha. Feliz pela vitória, pelo golaço de Gilberto e pela jogada de placa que merecia ter finalizado em gol. Gostei da postura do grupo em conjunto, se doando em prol do resultado. O fizeram bem, o futebol hoje é resultado, e os clubes sobrevivem pelos resultados, pela posição na tabela, isto não é Seleção… Estamos em carreira e não acompanho o pessimismo da maioria dos comentários que li. Tudo está muito nivelado por baixo, inclusive os times que tem grandes sponsors por trás. Todos estão mostrando sua readaptação após Mundial, ninguém é essa coisa toda. Flashes e pitacos: 1) gostei do Estádio, e mais gostei de ver como se vão estabelecendo as novas configurações… onde fica cada grupo, cada bandeira… 2) O preço não se justifica, e a incompetência e malemolência dos dirigentes que decidiram fazer o Mundial em 2014 não deve ser repassada à conta dos torcedores… 3) A resposta que Çangre Açul espera é a mesma à que eu cheguei: com esse público, no próximo ano vamos competir com um time de  juniores, juvenis etc. 4) O Cruzeiro e seus torcedores deverão se juntar pela sobrevivência histórica. 5) Fábio é invendível até 2080.
  4. João Chiabi Duarte, no PHD: Cuca está usando um 5-3-2 disfarçado. Diego Renan faz o 3° zagueiro pela esquerda e Gilberto é o ala que tem liberdade e prioridade para subir. Quando o time é atacado vejam como o posicionamento do Gilberto é o de um ala? Por isto vocês vêem os adversários com tanta liberdade no meio-campo. Afinal o povoamento é feito só com 3 homens. Inegável que mesmo com os beques reservas eles nunca ficam no mano a mano, tem sempre alguém na ajuda. Até mesmo o posicionamento do Roger mostra que ele tem obrigações de marcação e vem se doando muito na marcação. Não resta dúvida que os caras tenham posse de bola, mas, entrar na nossa defesa, só se for via chuveirinho. PC Gusmão usou Wendell como Cuca usa DR em 2004.
  5. Fábio, goleiro do Cruzeiro: A bola quica muito. Fui tentar dominar a bola, que não foi forte, e foi para escanteio. O gramado prejudica bastante, especialmente para o pessoal da frente. A gente começou bem nesse retorno (depois da parada para a Copa do Mundo), concentrado e conquistamos duas importantes vitorias, que nos coloca entre os times que estão na briga pelo título.
  6. Cláudio Caçapa, beque do Cruzeiro: Hoje não é um jogo referência para a gente. Com certeza, eu acho que temos que olhar, ver muitas coisas erradas. Eu acho que nós temos que ser claros mesmo. Conseguimos ganhar, uma ótima vitória, estou muito feliz por isso. Mas, com certeza, temos que melhorar muita coisas. Fico feliz pelo resultado, mas não pela atuação que nós tivemos hoje. Agora é trabalhar e descansar bastante. Na quinta-feira já tem um jogo difícil. Então, a gente tem que esperar, treinar, posicionar o time para que a gente não venha sofrer esse sufoco.
  7. Fabrício, volante do Cruzeiro: O campo é horroroso. Esse campo é muito difícil de a gente jogar bola, dar de primeira, dominar. A gente erra passe besta aqui. É complicado. Esses dias eu vi uma matéria na TV, a bola realmente fica viva aqui, o pessoal brinca, Jabulani e tal. Mas o campo está horroroso.  A gente pegar equipe de qualidade aqui é difícil, a gente vai sofrer. O importante é a gente somar pontos. Não jogamos bem, o time deles foi melhor, mas o resultado veio, todo mundo lutou  e isso é que importa.
  8. Henrique, volante do Cruzeiro: Estamos buscando render o nosso melhor em campo, com uma equipe aguerrida na marcação e com tranquilidade para sair com a bola nos pés e definir o jogo.
  9. Francisco Everton, volante do CruzeiroÉ sempre bom estrear com os três pontos. Graças a Deus vieram com suor, com batalha. O Cruzeiro sempre tem que batalhar para conseguir os pontos e, dentro de casa, tem que ser os três . Entrei e o jogo estava pegando fogo, mas consegui entrar bem e ajudar meus companheiros a conseguir alcançar a vitória.
  10. Roger, meia do Cruzeiro: Eu e Gilberto somos jogadores inteligentes, que sabem cumprir as funções que foram determinadas pelo treinador. Podemos nos movimentar bastante e isso foi demonstrado em dois jogos, tanto lá em Curitiba quanto aqui. Esse entrosamento vem acontecendo, tanto que no 2º tempo a gente fez uma grande jogada, o Gilberto entrou perto do gol, mas não conseguiu fazer. Isso é importante, pois mostra que a gente joga com qualidade e joga pra vencer. Tivemos alguns lances para matar, principalmente no primeiro tempo, num contra-ataque que o Thiago puxou. Poderíamos ter matado o jogo e controlado de uma maneira mais fácil. Todos os jogos são difíceis e o Goiás se portou muito bem. Ele soube se portar, procurou o jogo, mas lances perigosos eles não tiveram tantos e o resultado foi de quem definiu o jogo no primeiro tempo. Em relação ao campo, isso aqui é a nossa casa. A gente não pode criticar tanto. É importante que a gente comece a treinar aqui também. A gente tem que criar identidade aqui, com o nosso torcedor. É difícil ficar pingando de um lugar para o outro.
  11. Thiago Ribeiro, atacante do Cruzeiro: O campo é péssimo, na minha opinião. O gramado é irregular, acabei perdendo um gol porque a bola quicou, o Fábio deixou escapar um lance de escanteio. Esses lances mostram o quanto dificulta para a gente jogar em um campo desses, que é muito irregular, um campo duro. O importante é que mesmo com tudo isso a gente conseguiu vencer e estamos no G-4.
  12. Cuca, treinador do Cruzeiro: Nós não fomos bem do meio para frente no 2º tempo, mas fomos muito bem na defesa, na marcação. Hoje, temos que ressaltar a vitória. Já cansei de jogar bem pra caramba, com trinta chances de gols e 1×1, 1×0 para o adversário. Hoje nós jogamos mais ou menos e ganhamos. Está maravilhoso e tomara Deus que seja sempre assim. Não tomamos gols há dois jogos, o setor defensivo foi muito bem, não teve grandes sustos, apesar de o Goiás ter tido maior posse de bola. Goiás é sempre jogo duro, tinhoso e estou muito contente pela vitória. Estamos praticamente no G4 juntos com o Flamengo. A gente tem que se adaptar ao gramado. De repente, vou puxar um treino para cá. Pra nós é novidade também. O campo é todo irregular, é gramadinho, mas é irregular. Dificulta principalmente pra equipe que tem que tomar a iniciativa do jogo. 
  13. Leão, treinador do Goiás: Falar de arbitragem pra quê? Meu time foi melhor, superior, encurralou o time da casa e não é um adversário qualquer, mas o Cruzeiro. Eu não posso admitir um empate, muito menos uma derrota. Nós fizemos dois gols. O que não pode acontecer é todo dia o Goiás ser prejudicado. Já foi assim no meio da semana, que tivemos um pênalti escandaloso não marcado, o jogo teria sido 1×0 contra o Vasco. São seis pontos a menos.
  14. Leandro Mattos, em seu blog: Jogando oficialmente pela primeira vez em sua nova casa no Campeonato Brasileiro – a Arena do Jacaré -,  o Cruzeiro bateu o Goiás por 1×0 e contou com grande atuação do goleiro Fábio para sair de campo com o quatro triunfo no Brasileirão 2010. O resultado, diante de um Goiás que foi preciso na marcação e deu trabalho nos contragolpes, colocou a Raposa no G4 do Brasileirão, ao lado do Flamengo. As duas equipes somam rigorosamente a mesma campanha e os mesmos critérios de desempate. Para efeito de classificação, segundo o regulamento do torneio (artigo 13), o Rubro-Negro carioca está na frente, por ter um número menor de cartões vermelhos: uma expulsão, contra duas estreladas. Se o Goiás foi valente e também poderia ter saído de campo com a vitória (o time teve dois gols anulados: um acertadamente e outro num lance discutível), o Cruzeiro desperdiçou chances importantes de matar o jogo, principalmente no segundo tempo, num lance que Gilberto driblou meio time esmeraldino e quase entrou com bola e tudo no gol de Rodrigo Calaça. Por falar em Gilberto, ele e Roger têm demonstrado, na prática, o que muita gente queria ver, menos Adílson Batista. Os dois podem sim atuar juntos no meio-campo. A formação com dois volantes e dois meias no setor deixa o time mais equilibrado e os atacantes mais municiados.
  15. Diego Stefani, blogueiro do Goiás no Globo.Com: Já cansei de ver o Goiás sofrendo com esse tipo de coisa, mas ontem contra o Cruzeiro foi o cúmulo. Vocês lendo isso devem estar pensando que eu irei culpar a arbitragem ou coisa do tipo, mas não, o próprio Goiás desta vez foi culpado de sua própria derrota. O motivo? Não saber aproveitar as oportunidades de gol. Gostei muito das atuações da zaga do Goiás nas duas últimas partidas, pois mostrou consistência e forte poder de marcação. Quanto ao o gol de ontem? Ah o gol, podemos dizer que foi um lance de oportunismo do bom jogador Gilberto, que soube finalizar. Não sei quem marcava o meia, mas este gol poderia ter sido evitado. Mas mesmo assim, Jonílson, Amaral, Tolói e Ernando de fato tem dado muita segurança a aquele setor. Falta o meia. Sinceramente jogar com Otacílio não foi tão bom como ter um Hugo ou Bernardo, mas ele até que atuou bem na posição. O que doeu foi ver Romerito o substituir e atuar como o único meia da equipe, acredito que sozinho ele não consegue atuar nesta posição. Foi também interessante ver Rafael Moura armando o jogo. Quanto ao ataque, nota-se facilmente a falta de jogadores que sabem finalizar. E pra mim este foi o problema do Goiás, o motivo do qual o fez perder o jogo. Rafael Moura não veio atuando muito bem nas últimas partidas, mas por ser o único jogador a atuar na posição de artilheiro da equipe no jogo, o único com essas características, se destacou e marcou dois gols: um claramente ilegal por impedimento e outro que na minha visão foi legal. Enfim, Everton Santos. Falei dele já algumas vezes no Programa 100% Verdão, de segunda a sexta-feira as 20h na Rádio Esmeraldina, e em todas elas questionei o seu poder de finalização. Na partida passada foram dois lances claros de gol em que errou, no último foi a principal chance do jogo. Everton, ta na hora de praticar mais finalizações, né? No geral gostei da postura do time, que a cada partida vem mostrando evolução. Interessante é ver Harlei no banco de reservas, confesso que ainda não me acostumei, mas Calaça tem dado segurança na posição.

Espanha 1×0 Paraguai: Até breve, Larissa

sábado, 3 de julho de 2010

Às 15h30 (Brasília), no Soccer City, em Joanesburgo, Espanha e Paraguai decicem a última vaga para as semifinais da Copa. Quem vencer terá de enfrentar o pesadelo alemão.

A Espanha de Vicente Del Bosque manterá o 4-4-2 com Xavi, Busquets, Xabi Alonso e Iniesta compondo a linha de volantes mais cultuada do futebol atual.

O Paraguai, do argentino Gerardo Martino, jogará no 4-4-2 com Cardoso e Benítez mais avançados. Os guaranis ainda não encontraram o ataque ideal, por isto dependem muito de sua defesa.

O guatemalteco Carlos Batres será o juiz. E nenhum protagonista da partida se sentirá excluído pelo idioma. Nem a exuberante Larissa Riquelme, torcedora paraguaia que conseguiu ofuscar sua própria seleção nesta Copa.    (mais…)

Holanda 2×1 Eslováquia: Sem pressa nem sustos

segunda-feira, 28 de junho de 2010

Às 11h (Brasília), no Estádio Moses Mabhida, em Durban, Holanda e Eslováquia duelam em busca de uma vaga nas quartas de final da Copa 2010.

O espanhol Alberto Undiano apitará a partida cujo vencedor enfrentará Brasil ou Chile na sequência do torneio.

Com 100% de aproveitamento na fase de grupos, a Holanda manterá o ofensivo 4-3-3. Robben, seu maior nome, continua de fora. Snejder, um dos destaques da Copa, joga.

A Eslováquia, de Vladimir Weiss, manterá a formação que derrotou a Itália na última partida da fase de grupos, resultado histórico pra jovem república eslava.

Hamsyk, meia atacante do Napoli, é a referência técnica da equipe. Se jogar o que sabe, os holandeses terão problema sna defesa.

Esta é a única partida das oitavas de final com possibilidade de zebra. A Holanda é clara favorita, algo que não existe nas demais partidas.

*****

Eis a Resenha do Mauro França:

A Holanda não teve muito trabalho para espantar a zebra eslovaca. A versão atual da Laranja não prima pelo brilhantismo. É, sobretudo, um time pragmático, eficiente, que privilegia a posse de bola e alia o jogo coletivo ao brilho de craques como Snejder e Robben, que hoje começou jogando pela primeira vez nesta Copa.

No primeiro tempo a Holanda não deu nenhuma chance à Eslováquia. Ditou o ritmo da partida com muita movimentação, toque de bola de qualidade, marcação forte e muita paciência para buscar os espaços para penetrar na fechada defesa eslovaca.

Com pleno domínio das ações, os holandeses marcaram logo aos 17 minutos.  Snejder, da sua intermediária, fez belo lançamento na direita para Robben, que cortou para o meio e bateu rasteiro no canto esquerdo de Mucha.

Nem o gol fez a Eslováquia se abrir e procurar o ataque, o que facilitou o trabalho da Holanda que, mesmo sem forçar muito, manteve o controle até o final da primeira etapa.
O segundo tempo começou com Robben criando duas boas chances para ampliar nos primeiros seis minutos, que Mucha salvou com ótimas defesas.

Por volta dos 20 minutos, a Eslováquia finalmente saiu para o jogo e criou duas oportunidades para empatar. Na primeira, Stoch chutou de fora da área para defesa de Stekelenburg, que até então não trabalhara. Na segunda, depois de falha da zaga, Vittek saiu na cara do gol e chutou para grande defesa do goleiro holandês. Ficou nisso.

A Holanda se refez do susto e retomou o controle das ações até definir a classificação aos 39 minutos, com Snejder aproveitando boa jogada de Kuyt. A Eslováquia descontou aos 47, depois que o juiz marcou um pênalti inexistente de Stekelenburg em Vittek, que fez a cobrança. Já era tarde para qualquer reação. (mais…)

Uruguai 2×1 Coréia D: Rumo ao penta!

sábado, 26 de junho de 2010

Às 11h, no Estádio Nelson Mandela Bay, em Porto Elizabeth, Uruguai e Coréia Democrática abrem as oitavas de final da Copa 2010.

Oscar Tabarez escala o time charrua num 3-4-1-2 com Forlan na armação a Suarez e Cavani no ataque. Este é o trio que pode levar a Celeste Olímpica ao pentacampeonato mundial.

Hu Yong, técnico coreano, adota o 4-4-2 e tem em Park Jisung, meia-atacante do Manchester United, o pensador da equipe. Mas é bom os orientais prestarem muita atenção em Chu Yong, um atacante de chute forte.

O juiz será o alemão Wolfgang Stark e o estádio deve receber, no máximo, 2/3 dos 42 mil espectadores que comporta. (mais…)

Honduras 0x0 Suíça: Catrachos classificaram chilenos

sexta-feira, 25 de junho de 2010

Às 15h30 (Brasília), no Free State Stadium, em Bloemfontain, Honduras e Suíça encerram as atividades do Grupo H ao som do apito do argentino Hector Baldassi.

Rueda colocará os catrachos pra jogarem no 4-4-2. Com Chávez na defesa e Guevara na volância. Perigo a vista! Mas com León de volta à armação, o que é animador.

Ottmar Hitzfeld também adotará o 4-4-2. Ele confia mais na defesa hondurenha, que chama de tábua de pirulitos, do que no seu inexpugnável ferrolho, pra se classificar.

Deve ser um jogo tosco, mas animado, pois os dois times têm chances matemáticas de classificação. (mais…)

Inglaterra 1×0 Eslovênia: A conta do chá

quarta-feira, 23 de junho de 2010

Às 11h (Brasília), no Estádio Nelson Mandela Bay, em Porto Elizabeth, a Eslovênia joga por um empate pra se classificar e mandar a Inglaterra pra casa.

E promete atuar num 4-4-2 clássico. Ou será que, na hora da onça beber água, Kek não vai botar seu 11 jogadores na defesa pra tirar os espaços da turma de Fabio Capello?

O treinador italiano da Inglaterra, vai num 4-3-3- ultraofensivo, posto que dois de seus volantes, Gerrard e Lampard, também atacam com vontade.

Difícil será acordar o centroavante Wayne Rooney, que tem se arrastado em campo.

Outro problema é torcer pra que o goalkeeper quarentão, James, não desafine debaixo dos três paus.

É jogo pra deixar Sua Majestade com os cabelos em pé e tamborilando nervosamente no braço do trono.

Isto se ela não estiver caçando veados em sua casa de campo pra não se amolar com a malemolência dos súditos boleiros.

No apito, estará o alemão Wolfgang Stark. Que, dizem, é adepto de pelo menos meia hora de açougue em cada partida. (mais…)

Idéias novas estão no Cuca?

sábado, 5 de junho de 2010

Após a demissão de Adílson Baptista, o Cruzeiro agiu rapidamente convidando Joel Santana pra treinar o time celeste. A resposta foi um sonoro não.

O 2º da lista, Ney Franco, também esnobou o Mais Querido de Minas. Embora seja torcedor e tenha se revelado no Cruzeiro, vai honrar seu compromisso com o Coritiba.

O 3º nome, Cuca, topa o convite. Despedido pelo Flu em baril, deve estar cansado de usar pijama durante o dia. Ele é a aposta do Globo.Com.

Mas Zezé Perrella e Dimas Fonseca pedem mais um tempinho. Com certeza, vão conferir o desempenho de Emerson Ávila contra o Dragão.

Se o interino mandar bem e faturar os três pontos, certamente, ganhará sobrevida na excursão aos Estados Unidos.

E se o time fizer boa campanha na América, ele pode ser a solução boa e barata que serviria como uma luva para um clube quebrado.

Elias: “Segundo tempo foi linha contra defesa”

segunda-feira, 12 de abril de 2010

Pitacos de protagonistas e blogueiros acerca do Ipatinga 0x0 Cruzeiro, em 11abr10, no Ipatingão, jogo de ida do Campeonato Mineiro de 2010:

  1. Luizinho, lateral-direita do Ipatinga: O Ipatinga foi melhor no 1º tempo, conseguimos cumprir bem o que o Gilson Kleina armou, criamos oportunidades, chegamos várias vezes na cara do gol do Fábio, pecamos na finalização. No 2º tempo caímos um pouco, o Cruzeiro equilibrou, tivemos dificuldades, eles criaram oportunidades, mas não tomamos o gol. Então, por isso o empate foi justo. O Ipatinga nunca deixou a desejar no Mineirão. É jogo de semifinal, o Ipatinga vai forte e temos totais condições de reverter esta vantagem do Cruzeiro no Mineirão. Estamos bem tranqüilos em relação a isso, sabemos da nossa qualidade.
  2. Itair Machado, presidente do Ipatinga: Eu quero saber uma coisa: ‘dois pesos e duas medidas não é roubo’? Para mim, é roubo. Thiago Ribeiro fez falta para cartão amarelo, e Kleber chutou Marinho Donizete sem bola. O Jurandir (Gama Filho, chefe da Comissão de Arbitragem da FMF) deve ter orientado os árbitros. É uma vergonha.
  3. Gil, beque do Cruzeiro: A gente tentou gol desde o início da partida, mas infelizmente não conseguimos finalizar bem. Mas futebol é isso mesmo.
  4. Leonardo Silva, beque do Cruzeiro: O detalhe seria o gol, que buscamos a todo custo. No 1º tempo deixamos a desejar um pouco, mais preocupados com o calor e o cansaço. De uma forma geral, a equipe jogou bem e eles se determinaram a defender mais do que atacar e isso prejudicou o Cruzeiro.
  5. Diego-Renan, lateral-esquerdo do Cruzeiro, em seu blog: Como esperávamos, o jogo com o Ipatinga foi bastante complicado. Encontramos uma equipe de ótima qualidade e que partiu para cima em busca da vitória. Apesar de não termos vencido é importante lembrar que possuímos a vantagem do empate na próxima partida. No entanto, o resultado de hoje serviu para nos deixar ligados e trabalhar duro para garantirmos a vaga na final. Contando com a força da nossa torcida podemos vencer qualquer batalha. Vale lembrar que no meio da semana temos uma decisão importantíssima, contra o Colo Colo, no Chile. Como venho dizendo é vencer ou vencer. Mais do que nunca, conto com o apoio de vocês.
  6. Fabrício, volante do Cruzeiro: Ainda estou errando bastante, ainda estou um pouco abaixo do ritmo em que eu jogo, vou para o ataque e volto. Ainda estou devendo, mas estou feliz com a atuação durante o tempo todo. Fiquei bastante cansado, mas com certeza vou me condicionar e vou pegar o ritmo. Agora vamos torcer pros companheiros melhorarem. O Henrique, o Fabinho que sofreu uma pancada no tornozelo e o Kleber, principalmente, que é o nosso principal jogador no ataque. É um jogador que consegue decidir uma partida com uma jogada individual, então vamos torcer pra que eles fiquem bem e estejam à disposição na quinta-feira. Hoje, foi meio estranho. O empate é nosso, mas, por incrível que pareça, na primeira partida os times não se preocupam com isso. Acham que estão com a vantagem e se defendem o tempo todo. No 2º tempo foi um massacre. A gente chegou muitas vezes, tivemos quatro, cinco chances de gol. Agora eles têm que sair no Mineirão. E fica difícil pro time que sai pra nos atacar no Mineirão.
  7. Thiago Ribeiro, atacante do Cruzeiro: No 2º tempo, a gente massacrou, teve volume muito maior, criamos no mínimo 4 chances reais de gol. Agora, é ter tranquilidade pra jogar pela Libertadores, que é muito importante também, pra depois decidir em casa. Douglas defendeu algumas bolas à queima-roupa, outras a gente não fez um bom arremate.
  8. Kleber, atacante do Cruzeiro: Eu tinha sentido uma dor muscular na coxa direita contra o Uberaba e durante a semana reclamei de um pouco. Tentei vir pro jogo e acabou abrindo um pouco mais, tanto a direita quanto a esquerda. Vamos fazer os exames pra ver como está. A gente precisa de todo mundo, mas se não der outros jogadores estarão à disposição pra ajudar.
  9. Sérgio Freire Júnior, médico do Cruzeiro: Kleber sentiu uma dor na região posterior da coxa esquerda e, de imediato, pediu pra ser substituído. Avaliamos no intervalo e o local estava um pouco sensível. Nós o medicamos e iniciamos o tratamento. Pela manhã, ele se apresenta na Toca para tratar e reavaliar. Depois da ressonância magnética, definimos se ele viaja.
  10. Adilson Baptista, treinador do Cruzeiro: A proposta do Ipatinga era marcar determinado jogador (Jonathan) e jogar no contra-ataque em cima dele. A gente mudou ali e surtiu efeito. Tivemos bom volume de jogo e acho que eles tiveram mérito. Nós tivemos dificuldade no 1º tempo, o time esteve um pouco sonolento, desatento. No 2º, o Cruzeiro criou e finalizou, mas o Douglas estava numa tarde feliz, fez grandes defesas. Importante foi que nós criamos. Nós poderíamos ter tido um pouco mais de tranquilidade na hora de finalizar. Houve mérito também do goleiro que saiu rápido pra fazer as intervenções. É um jogador de qualidade que a gente conhecia. Eles se fecharam, jogaram no erro pra sair rápido e isso dificultou. A gente tentou, rodou, tabelou. A conclusão não foi como gostaríamos, mas era de se esperar. Ninguém achou que ia vir aqui e decidir hoje.
  11. Lédio Carmona, em seu blog: Uma muralha no Vale do Aço: Em sete dias, o Cruzeiro enfrentará três decisões. Os dois jogos da semifinal do Mineiro e a última partida da fase de grupos da Libertadores contra o Colo Colo, no Chile. No primeiro capítulo dessa saga, a equipe Celeste foi a Ipatinga visitar o Tigre e parou na excelente atuação do goleiro Douglas. No primeiro tempo as equipes estavam se estudando e fazendo a bola rolar, evitando um desgaste físico demasiado, já que a temperatura era muito alta no Vale do Aço. O forte calor foi um fator chave para o fraco rendimento de ambos os times no primeiro tempo. Pior para o Cruzeiro, que perdeu o atacante Kleber no meio da primeira etapa devido a um problema na parte posterior da coxa esquerda e ainda viu o adversário mandar uma bola na trave, após cobrança de falta de Francismar. A chance de gol assustou o time Celeste, que acordou no jogo e passou a controlar as ações quase fazendo o primeiro gol com Thiago Ribeiro, que perdeu uma boa chance dentro da pequena área, no último lance do primeiro tempo. Na segunda etapa, o Cruzeiro voltou pressionando o time da casa, principalmente nas bolas alçadas na área, mas não conseguiu inaugurar o placar. Aos 15 minutos, o goleiro Douglas fez uma excelente defesa, após um chute à queima roupa do equatoriano Guerrón. O Ipatinga estava apagado em campo, com exceção do seu goleiro, que segurava o time cruzeirense com defesas espetaculares. O Cruzeiro tentava de perto, de longe e de cabeça, mas sempre parava nas mãos do goleiro Douglas. As principais chances do Tigre eram em contra ataques, que foram pouco efetivos. O empate sem gols escondeu a grande partida e deixou a decisão da vaga na final para o jogo da volta, no próximo domingo, no Mineirão.
  12. Mário Marra, em seu blog: Douglas criou um problema para o Cruzeiro: O empate em 0 a 0, no Ipatingão foi um resultado aceitável para as duas equipes. Entretanto, como a agenda do Cruzeiro marca um jogo importante pela Libertadores, o confronto decisivo do Mineiro se tornou mais complicado um pouco. O jogo mostrou um Ipatinga muito desfalcado contra um Cruzeiro com dificuldade para organizar as jogadas. O Tigre conseguiu, mesmo com alteração de esquema, marcar e sair em velocidade. Criou oportunidades e poderia ter marcado. O Cruzeiro teve uma oportunidade clara com Thiago Ribeiro e Douglas salvou. Um ponto que merece destaque é a contusão do atacante Kléber, que saiu para a entrada de Guerrón. No segundo tempo, Adilson alterou o posicionamento de Diego Renan e deixou o Ipatinga totalmente desmontado. Jonathan assumiu a meia. Gilberto foi para a lateral jogar perto do Paraná. Aos 8 minutos Fabinho também saiu machucado e Adilson fez Pedro Ken entrar praticamente como lateral pela direita. Jonathan continuou com liberdade e o Cruzeiro martelou, martelou e Douglas foi melhor. O empate fez justiça pela atuação do goleiro do Ipatinga. A classificação está mais azul, entretanto, o Tigre é perigoso.
  13. Leandro Mattos, em seu blog: Neste domingo, o Cruzeiro atuou mal no primeiro tempo, mas depois foi senhor do jogo na etapa complementar. Desperdiçou várias chances e esbarrou num ‘paredão’ chamado Douglas. O camisa 1 do Ipatinga foi o protagonista da partida, com defesas espetaculares, que impediram que a Raposa tirasse o zero do placar. A torcida azul começa a semana ansiosa. Kléber sentiu uma fisgada na coxa esquerda e virou dúvida para o duelo contra o Colo Colo, pela Libertadores da América, na quinta-feira.
  14. Ernesto Araujo, no PHD: O Cruzeiro jogou bem, principalmente, no 2º tempo. A mexida do Adílson deu resultado e o Cruzeiro foi melhor, sofrendo alguns contra-ataques normais pra quem joga buscando a vitória. Lamentavelmente o ataque não esteve inspirado e o goleiro Douglas foi bem.
  15. Walterson Almeida, no PHD: Jogo pegado, com muita marcação, mas sem violência. No 2º tempo, Cruzeiro fez pressão total, mas a bola teimava em não entrar no gol ipatinguense. E, por pouco, não tomou gol no único momento de desatenção. Os destaques do Ipatinga foram o goleiro Douglas e o zagueiro Silvio.
  16. KMP, no PHD: Depois de um 1º tempo de jogo morno,  no 2º, o Cruzeiro dominou amplamente a partida e o gol não saiu por causa do Douglas, que salvou a pátria ipatinguense com belas defesas. Guerrón corre muito, mas o que slhe sobra em vitalidade, falta de inteligência.
  17. Flávio Carneiro, no PHD: Ao contrário da maioria, não gostei do time do Cruzeiro contra o Uberaba, mas gostei contra o Ipatinga. Principalmente, no 2º tempo quando criou muitas chances de gol e foi seguro na defesa concedendo poucas oportunidades ao adversário. Os gols não saíram pelo excelente trabalho do goleiro Douglas.
  18. Elias Guimarães, no PHD: O 1º tempo foi burocrático e até sonolento. O 2º ficou parecendo linha contra defesa. O goleiro Douglas teve atuação impressionante, notadamente, nos lances do Leonardo Silva e do Jonathan, defendendo, em ambos, bolas fortes e colocadas dentro da pequena área. Taí a explicação pelo baixo número de gols sofridos pelo Ipatinga no campeonato. O Cruzeiro pressionou, acuou o adversário no seu campo. A entrada do Guerrón em detrimento do reserva natural do Kleber, Wellington Paulista sinaliza que o antigo titular está perdendo espaço.
  19. Gustavo Martins, no PHD: Gostei do que vi. Após início ruim, o time praticou bom futebol no 2º tempo. Se faltou inspiração, sobrou disposição. Se o ataque estivesse um pouco mais inspirado, o resultado seria melhor. Fiquei mais aliviado após a boa partida da zaga, que esteve segura. Queira Deus que continue assim. Agora, o que me preocupa, é a armação. Gilberto está muito mal e Roger vive lesionado. Sem um homem de criação, temo pelo futuro do time.
  20. Chaves, no PHD: O Cruzeiro fez um belo 2º tempo, graças à mexida tática do Adilson colocando Diego Renan e Jonathan soltos pela direita. E pensar que quando o Adilson, no Brasileiro, começou a liberar mais o Jonathan, muita gente ironizou. Faltou o gol. Kleber fez muita falta e Guerrón é muito peladeiro, além de estar claramente sem ritmo de jogo. Toda vez que tem a bola nos pés, ele empurra os zagueiros. Só uma sequência de jogos resolve isto. Ao colocar o Guerrón, Adílson queria dar velocidade, já que o ataque estava lento no 1º tempo. Mas não surtiu efeito, pois o Guerrón foi mal. Thiago Ribeiro voltou a ser o melhor em campo. Está voando baixo.
  21. Site Globo.com: Apesar de entrar em campo com time misto, o Ipatinga segurou o empate de 0x0 contra o Cruzeiro, na tarde deste domingo, no Ipatingão, no jogo de ida da semifinal do Campeonato Mineiro. O empate foi um reflexo do desinteresse da Raposa principalmente na primeira etapa, quando ficou apenas esperando os donos da casa, que também adotaram uma postura mais cautelosa.
  22. Diário do Vale do Aço: Destaque para a atuação heróica do goleiro ipatinguense Douglas, que foi uma verdadeira muralha contra o ataque celeste. Por outro lado, o ataque do Tigre não se mostrou tão aguerrido perdendo importantes chances de gol. Com o resultado, o Ipatinga decide a vaga na final com obrigação de vencer, no próximo domingo, no Mineirão, às 16h.

Pesquisa: Romarol