Posts com a Tag ‘Fúria’

A alma do negócio futebol

sábado, 18 de setembro de 2010

A Fifa está certa: o chororô é a alma do negócio futebol.

Por isto, devemos suspeitar de um complô pró-Corintiãs, chamar o juiz de ratão, vociferar, espernear, imprecar, praguejar e cousa e lousa.

Heber Roberto Lopes marcou um pênalti inexistente a favor do Botafogo. Lance semelhante ao que aconteceu no Brasil x Espanha da Copa de 62, quando um jogador da Fúria se atirou sobre Nílton Santos dentro da área.

(mais…)

Paralelos e analogias

terça-feira, 27 de julho de 2010

Este último final de semana ficará gravado em nossa memória. Ou pelo menos, deveria, não só pelas emoções esportivas, mas também pelas decisões antidesportivas.

Ele nos mostrou, claramente, as voltas que o mundo dá e as peças que a vida prega em todos nós.

Após a frustração da Copa, o brasileiro pôde comemorar mais um título daquele que é tido como o segundo esporte nacional em público, mas que talvez seja o primeiro em competência.

O mais interessante foi que o título foi conquistado com uma série de ingredientes: competência técnica, liderança, espírito de equipe, equilíbrio emocional, doação etc.

Muitos adjetivos podem ser adicionados para explicar a vitória brasileira.

Se análisassemos friamente as performances de Brasil e Rússia nas semifinais, haveria motivo de sobra para nos contentarmos com o vice.

Só que, parodiando a famosa piada futebolística: “os russos esqueceram de combinar com os brasileiros”.

Os adversários nunca devem esquecer: do outro lado está um técnico finalista de quase todos os campeonatos que disputou à frente dessa seleção.

Se existia alguma dúvida sobre a competência e a idoneidade de Bernardinho, esse título de ontem elimina qualquer um deles.

Competência por que, nodecorrer do torneio, ele nunca se furtou a mudar o time, buscar alternativas em todas as situações difíceis, num esporte em que o nível dos competidores do topo tem beirado o absurdo (no sentido positivo).

Demonstrou coragem e acerto na maioria das decisões: ao deixar fora o fantástico Giba, por exemplo.

Sua idoneidade passa ao largo de qualquer dúvida quando percebemos que, em vários momentos, Marlon seria melhor opção para o time que seu filho Bruno (que também merece nossos cumprimentos pela dignidade mostrada nas substituições).

Não deixa de ser interessante vermos como o mundo dá voltas (e a opinião pública teleguiada também).

Lembro-me claramente de críticas ao Bernardinho no episódio com o Ricardinho. Não faltaram os críticos (que claramente não acompanhavam o vôlei) dizendo que era manobra para colocar o filho Bruno como levantador titular.

Pois bem, o treinador calou a boca de todos esses críticos.

Fico imaginando se não seria o caso de o Bernardinho começar a ajudar nossos técnicos de futebol, e ensiná-los como montar um time e uma comissão técnica vencedores. Mas deixa pra lá.

E por falar em opinião pública, é ainda mais fresco em nossa memória o achincalhe (teleguiado ou não) a que foi exposto Nelsinho Piquet pela pataquada da Renault em Cingapura 2008 (pra favorecer quem mesmo?).

Entre seus críticos mais ferrenhos estava o próprio Felipe Massa, que parece ter virado as costas para Nelsinho num evento de kart em Santa Catarina.

À época, a mídia -brasileira inclusive (ou seria, principalmente?)– detonou Nelsinho, penso eu, como forma de se vingar de seu pai, Nelson Piquet, que sempre deu de ombros para bairrismos, ufanismos e “galvo-buenismos” da mídia esportiva.

E a tal “opinião pública” foi na onda.

Engraçado como esqueceram que o tão idolatrado Ayrton Senna provocou um acidente no GP do Japão, em condições muito mais arriscadas do que o fez Nelsinho. Mas deixa pra lá de novo.

Pois é, vejam como são as coisas:  Massa protagonizou ontem (junto com quem mesmo? Ah, bom, Ferrari e Alonso) mais um capítulo vergonhoso da Fórmula 1.

Acho que nem merece mais comentários.

Apenas pra fechar: a escolha do treinador da seleção nacional de futebol.

Novamente, não faltaram os críticas para decisão de Muricy. Na minha opinião, ele está certo. E Mano é corajoso. A Seleção Brasileira (a de futebol) é um mico. Mico preto, daqueles de baralho.

Quem quer que assuma o cargo terá de conviver com a fúria (não a espanhola), mas a da imprensa esportiva nacional e dos 200 milhões de técnicos bairristas e “clubistas” que darão palpite.

O novo treinador sofrerá com pressões e interesses escusos (à semelhança do que se vê na Fórmula 1). E, se fracassar, será massacrado.

Mano nem assumiu e já chovem referências na mídia a Felipão, comentários atribuídos a ele.

Por fim, nosso Cruzeiro.

Não tenho muito o que comentar. A não ser, de novo, a doação em campo de um time desfigurado (pelos desfalques e pela novidade do técnico), mas que perdeu 2 pontos preciosos em casa.

Casa essa que, na minha ignorância das demais variáveis, parece-me mal escolhida. E por isso temo que vamos perder mais pontos preciosos nela. Nessa casa. Paciência.

Tudo por um bem maior, a reforma do Mineirão, não é verdade?! Mas, até aí, nada diferente dos últimos 7 anos.

Não sei se as raízes históricas e nacionais de Cruzeiro e Ferrari nos permitem um paralelo, mas vejo semelhança na maneira como essas duas instituições lidam com a sua comunicação e como justificam, para o público, as suas decisões.

Como se vê, o fim de semana esportivo nos permite uma série de paralelos e analogias, sobre atitudes, ética e tantos outros aspectos do comportamento humano. E sobre a influência da mídia e do poder econômico sobre a Massa.

Mas vamos terminar com o lado bom. Parabéns mesmo, Brasil do Vôlei.

Marcel Fleming, 43, cruzeirense, analista de sistemas, nasceu em Lambari-MG, mora em São José dos Campos-SP.

Espanha 1×0 Paraguai: Até breve, Larissa

sábado, 3 de julho de 2010

Às 15h30 (Brasília), no Soccer City, em Joanesburgo, Espanha e Paraguai decicem a última vaga para as semifinais da Copa. Quem vencer terá de enfrentar o pesadelo alemão.

A Espanha de Vicente Del Bosque manterá o 4-4-2 com Xavi, Busquets, Xabi Alonso e Iniesta compondo a linha de volantes mais cultuada do futebol atual.

O Paraguai, do argentino Gerardo Martino, jogará no 4-4-2 com Cardoso e Benítez mais avançados. Os guaranis ainda não encontraram o ataque ideal, por isto dependem muito de sua defesa.

O guatemalteco Carlos Batres será o juiz. E nenhum protagonista da partida se sentirá excluído pelo idioma. Nem a exuberante Larissa Riquelme, torcedora paraguaia que conseguiu ofuscar sua própria seleção nesta Copa.    (mais…)

Intrigas da Copa

sábado, 26 de junho de 2010

Intrigas da Copa disputada na Sudáfrica:

  1. Evandrão está furioso com a qualidade técnica desta Copa. A de 1930, que ele acompanhou in loco, continua sendo sua predileta.
  2. A Coréia Comunista só marcou um gol na Copa. E foi contra o Brasil. Parece coisa do Itamarati. Se Venezuela, Bolívia e Irã estivessem no Grupo G, o Brasil teria saído precocemente do torneio.
  3. Depois do jogo, Cristiano Ronaldo justificou o empate dizendo que o Brasil não é nenhuma Estrela de Amadora. Concordo. E também limpo a barra do  escrete canarinho, afinal, Portugal não é nenhum Atlético de Vespasiano.
  4. Kaká não está 100% na Copa, porque deixou 10% na igreja.
  5. “Vesti azul, minha sorte então mudou…”, diz uma canção dos tempos da Jovem Guarda, que virou melô da Espanha. A Fúria, chamada por sua imprensa de La Roja, ontem se classificou jogando de azul.
  6. Maradona aderiu à vuvuzela. Só que, todo atrapalhado, usa o instrumento pra aspirar ao invés de soprar.
  7. Mariana e a Simone, comentaristas do PHD, elegeram o eslovaco Hamsyk o cara mais bonito da Copa. O cidadão é uma espécie de Cicinho piorado. Com cabelo de quem acabou de sair de um filme de terror.
  8. Contra Portugal, Lúcio “foi um monstro!”, avaliaram os comentaristas. Certíssimo. Ele tem phisique de rôle pra Família Adams.
  9. Até o final da Copa, Maradona ou Dunga tomarão o posto de Rei do Pulinho, que Luxemburgo conquistou na pista do Mineirão.
  10. Muitos cruzeirenses estão fazendo campanha pra Dunga trabalhar na Toca dqa Raposa. Sonham com o Anão distribuindo caneladas na rádia e em seu setorista mala numa coletiva na Arena do Jacaré.

Honduras 0x0 Suíça: Catrachos classificaram chilenos

sexta-feira, 25 de junho de 2010

Às 15h30 (Brasília), no Free State Stadium, em Bloemfontain, Honduras e Suíça encerram as atividades do Grupo H ao som do apito do argentino Hector Baldassi.

Rueda colocará os catrachos pra jogarem no 4-4-2. Com Chávez na defesa e Guevara na volância. Perigo a vista! Mas com León de volta à armação, o que é animador.

Ottmar Hitzfeld também adotará o 4-4-2. Ele confia mais na defesa hondurenha, que chama de tábua de pirulitos, do que no seu inexpugnável ferrolho, pra se classificar.

Deve ser um jogo tosco, mas animado, pois os dois times têm chances matemáticas de classificação. (mais…)

Espanha 2×0 Honduras: Sem susto e sem sobras

segunda-feira, 21 de junho de 2010

Às 15h30, no Estádio Ellis Park, em Joanesburgo, pelo Grupo H, Espanha e Honduras encerram a 2ª rodada da fase de grupos da Copa.

O capitão de Honduras, Amado Guevara, diz que seu time não tem medo da Fúria. Pois devia ter, pois os espanhóis, mesmo desfalcados de Iniesta, vão à luta ferozmente em busca de sua classificação.

Del Bosque, treinador da Espanha, aparenta tranquilidade. Segundo ele, seu time “só precisa mexer mais a bola” pra vencer e voltar à luta por uma vaga. Que pode ser a que elva em direção ao Brasil nas oitavas de final.

*****

(mais…)