Posts com a Tag ‘eliminação’

Edcarlos: “Trabalhamos bem durante a semana”

terça-feira, 24 de agosto de 2010

Pitacos de blogueiros e protagonistas acerca do Cruzeiro 0x1 Vitória, em Ipatinga, pela 15ª rodada do Campeoanto Brasileiro, em 22ago10:

(mais…)

Cruzeiro na Libertadores V: 1976, Mundial em BH

terça-feira, 10 de agosto de 2010

Mauro França e Jorge Santana

Mundial

Com a conquista da Libertadores 1976, o Cruzeiro se credenciou à disputa da Copa Intercontinental, nome oficial do Mundial Interclubes, naquela época disputado em dois jogos entre os campeões da América do Sul e da Europa.

O Bayern Munich, tri-campeão europeu, que se recusara a enfrentar o Independiente nos dois anos anteriores, aceitou jogar contra o Cruzeiro. As partidas foram marcadas para 21nov76 em Munique e 21dez76 em Belo Horizonte.

Excursão

Os jogadores celestes mal puderam comemorar o título da Libertadores. A delegação nem retornou para Beagá, onde certamente teria uma recepção triunfal. De Santiago, o time seguiu diretamente para Paris, escala inicial de uma excursão que se prolongou por todo o mês de agosto.

Nem houve tempo para descanso. Apenas quatro dias depois do histórico 3×2 sobre o River, em 03ago76, o Cruzeiro empatou por 1×1 com o Saint-Étienne, tri-campeão francês e vice-campeão europeu. Em 08ago176, o time celeste venceu o Nice por 4×3, com uma grande exibição.

A excursão continuou na Espanha, onde se realizavam vários torneios de verão, que os clubes brasileiros aproveitavam pra reforçar o caixa. Em La Coruña, no Estádio Riazor, o Cruzeiro disputou o Torneio Tereza Herrera, pela segunda vez consecutiva. Venceu o PSV Eindhoven por 2×0 e perdeu para o Real Madri pelo mesmo placar, com dois gols de pênalti.

No torneio seguinte, no Estádio Vicente Calderón, em Madri, o Cruzeiro perdeu para o Athletic Bilbao por 3×1 e venceu o Racing White, da Bélgica,  por 2×0.

No Ramon Sanchez Pizjuan, em 24ago76, o Cruzeiro empatou com o Sevilla por 1×1, mas foi eliminado nos pênaltis, por 5×3. Raul Plassmann defendeu uma penalidade, mas o juiz mandou repeti-la. Dois dias depois, o campeão sul-americano bateu o Hajduk Split, da Croácia, por 4×2, terminado em 3º lugar no Torneio de Sevilla.  

A excursão encerrou-se em 29ago76, no Estádio Municipal de Almeria com uma vitória por 3×2 sobre o time local. Foram 9 jogos, 5 vitórias, 2 empates, 2 derrotas, 18 gols a favor, 14 contra.

Financeiramente, o saldo da viagem foi ótimo, mas o custo técnico foi alto. Jairzinho, Vanderlei Lázaro, Nelinho e Wilson Piazza voltaram contundidos. Os dois últimos com mais gravidade, ficaram três semanas afastados do Campeonato Brasileiro, na época, chamado Copa Brasil.

Copa Brasil

Em 04set76, menos de uma semana depois do último amistoso na Europa, com cinco desfalques, o Cruzeiro estreou na Copa Brasil empatando com o Botafogo por 0x0 perante 10.294 torcedores, no Mineirão.  

Os desfalques constantes afetaram o rendimento do time. Zezé Moreira jamais conseguiu escalar o time completo no campeonato. Para complicar, Joãozinho também se contundiu com gravidade e ficou de fora da maior parte dos jogos.

Em um grupo de 9 equipes, o Cruzeiro ficou em 2º lugar ao lado de Coritiba, Atlético e São Paulo. Pelos critérios de desempate, ficou na 5ª posição (3 vitórias, uma por mais de dois gols de diferença, que valia 3 pontos; 4 empates e uma derrota). Como somente os quatro primeiros se classificavam, o time celeste teve que disputar a repescagem, que valia uma vaga para a 3ª fase do torneio.

Na repescagem, o Cruzeiro enfrentou Portuguesa, Londrina, Uberaba e Confiança. Somou 8 pontos (3 vitórias, uma de 3 pontos, e 1 empate) e ficou em 2º, um ponto a menos do que a Portuguesa. No último jogo, precisava derrotar o Londrina por dois gols de diferença pra ficar em 1º. Em 27out76, no Mineirão, diante de um público de quase 40 mil torcedores, Palhinha fez 1×0 no início do 2º tempo e foi só. Para surpresa de muitos, a menos de um mês do duelo contra o Bayern, o campeão sul-americano foi eliminado do Brasileiro.  

Racha

A eliminação precoce conturbou o ambiente na Toca. Carmine Furletti, vice-presidente de futebol, e Elias Barburi, o Tóia, diretor de futebol, criticaram Zezé Moreira, cujo esquema de jogo consideravam ultrapassado. Barburi queria a demissão do treinador. Mesmo afastado por doença, Felício Brandi bancou o treinador e responsabilizou os dirigentes, que teriam reforçado mal a equipe, pela desclassificação.

Em meados de outubro, o clube contratou o uruguaio Pablo Forlan, que aos 31 anos estava aposentado em Montevidéu. Zezé Moreira contava com a experiência e a garra do lateral, que disputara duas copas do mundo e havia sido campeão intercontinental com o Peñarol em 1966.  

Inverno

O Cruzeiro embarcou para a Alemanha com problemas. Nelinho, Piazza e Joãozinho vinham de longa inatividade. Dirceu Lopes, há mais de um ano parado, também estava fora de forma. O time estava sem ritmo, pois só jogou duas vezes após a eliminação no Brasileiro. Com equipes mistas, empatou em Maringá, com o Grêmio local, e no Mineirão, com o América carioca, por 0x0.

Além de tricampeão europeu, o Bayern era a base da Seleção Alemã campeã do Mundo em 74. Tinha celebridades como Sepp Maier, Franz Beckenbauer, Gerd Muller e Paul Breitner entre outros. No campeonato alemão, estava em 3º, a 4 pontos do líder.

Os alemães até foram corteses. De acordo com Raul, forneceram agasalhos e material de treino aos cruzeirenses. O próprio goleiro foi presenteado por Maier com luvas apropriadas para jogos com neve.

O jogo foi disputado sob uma nevasca. Em tais condições, o Cruzeiro foi cauteloso. Queria ao menos empatar e trazer a decisão para o Mineirão. Nelinho e Joãozinho, que foi substituído por Dirceu Lopes no 2º tempo, não estiveram bem. Mesmo assim, o time resistiu até os 35 o 2º tempo, quando Ulli Hoeness cruzou da direita, Morais não alcançou e Gerd Muller, na entrada da pequena área, dominou e chutou no canto direito de Raul Plassmann.

Dois minutos depois, Rummenigge começou a jogada pela esquerda, Muller fez corta-luz e Kapellmann, da entrada da área, bateu rasteiro no canto direito de Raul pra definir o placar e colocar os alemães em vantagem na decisão.

  • Cruzeiro 0×2 Bayern München, terça-feira, 23nov76, 1º jogo da decisão do Mundial Interclubes 1976, Olympiastadion, Munique, Alemanha – Público: 22.000 pagantes – Juiz: Luis Pestarino (Argentina) – Gols: Muller, 35, Kapellmann, 37 do 2º tempo – Cruzeiro: Raul Plassmann, Nelinho, Morais, Ozires e Vanderlei Lázaro; Wilson Piazza e Zé Carlos; Eduardo Amorim, Palhinha, Jairzinho e Joãozinho (Dirceu Lopes). Tec: Zezé Moreira / Bayern: Sepp Maier, Bjorn Andersson, Franz Beckenbauer, Hans-Georg Schwarzenbeck e Udo Horsmann; Bernd Dürnberger, Conny Torstensson e Jupp Kapellmann; Uli Hoenes, Gerd Müller e Karl-Heinz Rummenigge. Téc: Dettmar Cramer. 1: Maier, Schwarzenbeck, Beckenbauer, Hoenes, Kapellmann e Muller conquistaram a Copa do Mundo 74 pela Alemanha. 2. Torstensson e Andersson disputaram as Copas de 74 e 78 pela Suécia. 3: Maier jogou as Copas de 66, 70, 74 e 78. Beckenbauer jogou as de 66, 70 e 74 e foi técnico da Alemanha em 86 e 90, quando conquistou o título. 4. Rummenigge tinha 21 anos à época. Era um talento em ascensão. Jogou as Copas de 78, 82 e 86.  

Mesmo apontando a neve como vilã, Nelinho não deixou de observar que muitos jogadores –os principais– estavam fora das suas melhores condições físicas e técnicas, em entrevista à Placar:

  • “A neve deixou o nosso time muito inseguro. Logo no início, perdi umas três bolas bobas porque ia dar o drible e ela corria ao invés de ficar no meu pé. Além disso, eu –como o Jair, o Joãozinho, o Piazza, o Palhinha e o Dirceu– estava em péssimas condições. Tanto que joguei plantado. Só desci umas duas vezes.”

Revanche

Sem compromissos oficiais, os jogadores voltaram à rotina de treinamentos. Palhinha, com dores musculares, e Jairzinho, gripado, não participaram da primeira semana de treinamentos. Zezé Moreira, que pretendia apurar a condição física e técnica do elenco, era só preocupação.

O Cruzeiro disputou apenas um amistoso entre os dois jogos. Em 11dez76, venceu o Uberaba por 3×0, no Mineirão, perante 4 mil torcedores. Raul e Jairzinho ficaram de fora, enquanto Dirceu Lopes e Joãozinho atuaram o tempo todo.

Mesmo reconhecendo a força do adversário, o clima entre os jogadores era de confiança. Todos achavam possível reverter o resultado e conquistar o título. Acreditavam no pouco tempo de adaptação dos alemães ao calor fizessem a diferença, como o frio e a neve tinha feito na Alemanha. Zezé Moreira analisou o adversário e deu a receita para vencê-lo, em entrevista à Placar:

  • “Eles praticamente não têm posição fixa em campo. Há sempre um jogador a mais na marcação dos atacantes adversários e a recuperação deles é impressionante. Temos que partir para um jogo coletivo, rápido e objetivo, como naquelas partidas contra o Internacional, pela Libertadores.”

Zezé Moreira ficou aborrecido com o desfecho do jogo de ida:

  • Nós nunca poderíamos ter nos apavorado com o primeiro gol e partido pra cima deles que nem loucos. Deveríamos ter ficado quietinhos, no nosso esquema, porque a derrota de 1×0 era um excelente resultado para o Cruzeiro. Agora, eles entram aqui com 2×0 no placar. Isso lhes dá muita segurança e apóia qualquer sistema defensivo.

Mas não havia perdido a esperança:

  • Chegaremos lá. Precisamos entrar com os onze jogadores em perfeitas condições técnicas e físicas, caso contrário, será difícil vencer. Estamos treinando duro porque não adianta apenas marcar os gols necessários. É preciso, também, não tomar.

Verão

Enfim, na quinta-feira, 21dez76, o Mineirão recebeu pela primeira e única vez na sua história uma decisão de título mundial. O público oficial foi de 113.715 pagantes.

Saí da Fafich, no Bairro Santo Antônio, por volta de 13h e parei pra tomar cerveja e fazer a resenha do futebol com os colegas no Jorobó, um boteco na Contorno, quase na esquina de Carangola.

Por volta de 15h, saímos para o Mineirão em vários táxis. Eu e o Nílton Figueiredo, colega de Sociologia, tomamos um fusca amarelo sem banco dianteiro.

Na Catalão, sobre o viaduto do Anel Rodoviário, o motorista puxou o freio de mão e recomendou: “Se vocês querem ver o jogo, melhor irem a pé.”

Travou tudo. As pessoas largavam os carros no meio da pista e saiam correndo em direção ao estádio. No estacionamento, saquei o lance: havia dezenas de ônibus de todas as partes do país: Bahia, Rio, Goiás, Espírito Santo, Mato Grosso, Paraná, São Paulo e inúmeras cidades do interior de Minas.

Quando consegui entrar, não havia mais divisão de setores. Tentei furar os bloqueios de cada um dos acessos às arquibancadas, cadeiras e geral, sem sucesso. O Mineirão estava entupido.

O jeito foi assistir à decisão no corredor. Escolhi o Bar 22, cuja televisão, uma Philco com Bombril –aquela palha de aço que dizia ter mil e uma utilidades- nas pontas antenas, atendia a uma multidão incalculável. Havia superlotação até nas áreas de circulação.

No dia seguinte, o Estado de Minas estampava a manchete “Trânsito infernal na ida e na volta. A decisão mudou a vida da cidade”.  Os jornais informaram também sobre a invasão de mais de 20 mil torcedores vindos em caravanas, que não encontrando ingressos à venda, arrombaram os portões do estádio. Esse foi, sem dúvida, o maior público da história do Gigante da Pampulha. (Jorge Santana)

O Bayern chegou à BH no dia do jogo. Os jogadores foram para o hotel, descansaram poucas horas e foram para o Mineirão. Reconheceram o gramado e se aqueceram sob estrepitosas vaias da torcida.

Zezé Moreira escalou uma formação mais ofensiva, com um ataque com Jairzinho pela direita, Palhinha, Dirceu Lopes e Joãozinho. Eduardo ficou no banco.

O calouro de Engenharia, João Chiabi Duarte, relata suas impressões:

“Eu me lembro de ter chegado ao estádio por volta das 16 h. Os portões se abriram por volta das 18 h. Lá dentro, não dava pra levantar e sair, porque se perdia o lugar. O time deles era uma verdadeira seleção campeã do mundo. Fiquei no hall de entrada para vê-los passar. Sepp Mayer o goleiro tinha mãos imensas. Beckenbauer carregava os sacos como qualquer outro jogador. Não tinha essa de roupeiro, cada um fazia a sua parte. Lembro até hoje da cena. O Bayern entrou para aquecer com os seus agasalhos vermelhos da Adidas (sonho de consumo de todos nós naquela época), um calor infernal. Foi a maior vaia que eu já tinha visto em um estádio de futebol…

O Cruzeiro precisava de uma vitória por dois gols no tempo normal para forçar a prorrogação e pênaltis. A gente acreditava demais nos nossos craques. O jogo começou depois das 21h. O Cruzeiro fez uma ótima partida e parou sempre nas mãos de Maier ou nos desarmes fantásticos de Beckenbauer ou do Schwarzenbeck (jogava duro e não perdeu uma antecipação naquele dia). Houve lances incríveis durante o jogo. Uma cabeçada do Jairzinho, de costas, que o Sepp Maier só defendeu porque tinha mãos enormes. Ou a grande defesa do Raul no chute rasteiro e forte do Rumenigge, que ele tirou com a ponta do pé.  

No Cruzeiro, Dirceu Lopes parecia se ressentir da longa inatividade e não conseguia ter vantagem sobre a marcação implacável de Kapellmann. No 2º tempo, Zezé Moreira trocou-o por Forlan, que entrou na lateral direita, e adiantou Nelinho para a meia, para aproveitar o chute do lateral. E ele mandou três ou quatro varadas em direção ao gol alemão. Todas espalmadas ou socadas por Maier.

Rumenigge dava trabalho nos contra-ataques, mas sentiu uma contusão e deu lugar a Arbinger, que entrou para marcar as boas combinações que Nelinho e Forlan faziam pela direita. Palhinha, Joãozinho e Jairzinho brigaram com valentia contra os gigantes do time alemão e criaram as oportunidades. Embora não tivessem feito os gols, lutaram muito, como de resto, todo o time celeste.”

Mesmo sem o título, os jogadores celestes deixaram sob os aplausos da torcida, em reconhecimento pelo que fizeram. Foi um belo espetáculo proporcionado por dois grandes times. Um show de técnica e tática

  • Cruzeiro 0×0 Bayern München, terça-feira, 21dez76, 2º jogo da decisão do Mundial Interclubes-76, Mineirão, Belo Horizonte. Público: 113.715 pagantes – Juiz: Patrick Partridge (Inglaterra) – Cruzeiro: Raul Plassmann, Nelinho, Morais, Ozires e Vanderlei Lázaro; Wilson Piazza (Eduardo Amorim) e Zé Carlos; Jairzinho, Palhinha, Dirceu Lopes (Pablo Forlan) e Joãozinho. Tec: Zezé Moreira / Bayern: Sepp Maier, Bjorn Andersson, Franz Beckenbauer, Hans-Georg Schwarzenbeck e Udo Horsmann, Weiss, Conny Torstensson e Jupp Kapellmann, Uli Hoeness, Gerd Müller e Karl Heinz Rummenigge (Alfred Arbinger). Tec: Dettmar Cramer.  

Alguns lances ficaram da decisão mundial ficaram eternizados: duas incríveis defesas de Raul Plassmann, um drible de Joãozinho deixando o Kaiser Beckenbauer de bunda no chão e uma cabeçada de Jairzinho que, com o arco escancarado, mandou a bola no travessão.

João Saldanha culpou a cabeleira Black Power do atacante pelo desperdício. Segundo ele, a bola amorteceu naquela touceira ornamental. Para provar sua tese, o cronista saiu pelas ruas do Rio de Janeiro com uma bola e uma câmera filmando cabeçadas de outros cabeludos. Todas sairam chochas. 

Links:

  1. Vídeo de uma emissora alemã, com os gols da partida, com uma impagável participação do repórter Paulo Roberto escalando o time do Bayern.
  2. Trecho de um documentário do Sportv sobre Jairzinho, com imagens rápidas do jogo do Mineirão.
  3. Fernando Sasso narra alguns momentos ada decisão.

Costa do Marfim 3×0 Coréia C.: Vitória inútil

sexta-feira, 25 de junho de 2010

Às 11h (Brasília), no Estádio Mbombela, em Nelspruit, Costa do Marfim jogam pela 3ª rodada do Grupo G da Copa 2010.

Para os norte-coreanos, o jogo será amistoso. Eles estão desclassificados. Mesmo assim, jogarão num prudente 5-4-1 pensando em não repetir o vexame do jogo contra Portugal quando perderam por 7×0.

Para a Costa do Marfim, o jogo vale. Ela precisa de uma vitória do Brasil sobre Portugal e de vencer por uma contagem que anule a vantagem portuguesa no saldo que é de 9 gols.

Se o Brasil vencer por 1×0, os marfineses terão de fazer 8×0 nos coreanos.  Isto é possível para um time que, até agora, só mostrou um bom jogador, que é o artilheiro Drogba?

Fermín Martinez, da Espanha, será o juiz. (mais…)

Alemanha 1×0 Gana: Teutos tiveram mais gana

quarta-feira, 23 de junho de 2010

às 15h3o (Brasília), no Estádio Soccer City, em Joanesburgo, Gana e Alemanha fazem um jogo de risco.

Gana se classifica com vitória ou empate. Se perder, tem de torcer pra Austrália vencer a Sérvia com moderação.

A Alemanha, só segue em frente com uma vitória. Se empatarem, os teutos terão que torcer pra Sérvia não vencer a Austrália, algo complicado.

Joachim Löw escalará a Alemanha num 4-2-3-1 e este 1 será o brasileiro Cacau, que substituirá Miroslav Klose, expulso contra a Sérvia.

Rajevic também vai escalar Gana no 4-2-3-1. E um dos volantes é Kevin Prince Boateng, que tirou Ballak da Copa.

Ele é irmão do Boateng  alemão, que poderá entrar no decorrer da partida. Que desgradável, hem?

Agradável, será ver o gaúcho Carlos Simon trilar o apito defendendo as cores da arbitragem nacional. Agradável mas, é verdade, um tanto arriscado também. (mais…)

Adílson Baptista: “Eu sou um cruzeirense”

sexta-feira, 4 de junho de 2010

Pitacos de protagonistas e blogueiros acerca do Cruzeiro 0×0 Santos, no Mineirão, pela 6ª rodada do Campeonato Brasileiro de 2010, em 02jun10:

  1. Adilson Batista, treinador do Cruzeiro: Vou fazer meu último jogo lá em Goiânia, contra o Atlético-GO, e um abraço. É isso aí. É meu último jogo. Pra felicidade geral da nação, de alguns, eu faço meu último jogo lá. Já conversei com o Zezé, ele até nem queria que eu falasse isso aqui hoje, mas estou chateado com algumas coisas. Só cego que não vê o que é trabalhar uma equipe, o que é ter dificuldade, o que é organizar. Mas isso aí, tem muita gente do outro lado aí expert em futebol. A gente vai com calma, aprendendo todo dia. Quando o adversário joga contra o Santos é o jogo do ano. Quando somos nós, é jogo sob pressão. É assim que funciona aqui em Minas Gerais. Fico chateado com algumas pessoas vaiando o presidente, lamento, pela contribuição do presidente, pela história, pelos títulos, pelas conquistas, isso machuca a gente. Eu tenho só a agradecer, eu sou um cruzeirense, tenho carinho muito grande pelo clube, vou continuar torcendo pelo clube, mas a gente tem que pensar profissionalmente e chegou o momento de sair. Vida que segue. Vou rezar pra que um bom profissional entre e tenha sucesso. Vejo um Cruzeiro forte, competitivo, com grandes jogadores. Na parada da Copa, tem condições de reverter. Gosto muito do Maluf, é um grande profissional, muito correto, não deixava vazar muita coisa, porque vocês gostam muito de uma fonte segura, sempre têm fontes de informação, e o Maluf é firme, sério, cobrando, lutando, agindo com responsabilidade. Mas ele é um profissional capacitado, que daqui a pouco está no meio. A gente lamenta, mas é uma decisão do presidente, precisamos respeitar. Faz parte no futebol. Daqui a pouco volta. Não é em função do Maluf. Eu já estava conversando com o Maluf, em Atibaia eu coloquei que o meu intuito não era prejudicar. Mas já estava dentro dos planos. Grande motivo da saída e futuro destino: o coração, o meu coração. O coração é que está deixando. Não falo nada sobre futuro. Vou fazer o jogo, cheio de jogadores com dor, e tenho um compromisso em São Paulo na segunda-feira. Só isso. Tenho respeito pela imprensa, sempre tive. A gente tem que conviver de maneira saudável, honesta, procurando ser imparcial, ser profissional. Respeito muitos de vocês, pelo trabalho, sei o grau de dificuldade. Precisamos é conversar mais, esclarecer mais, ter um pouquinho mais de cuidado, porque hoje é blog, é twitter, é facebook, todo mundo fala. Esses dias a Miriam Leitão estava criticando o Júlio Baptista, o Gilberto, disse que ia tomar um remédio tarja preta. Quer dizer, todo mundo fala de futebol. Esses dias, o Cerezo encontrou o Maluf no aeroporto e elogiou o Cruzeiro. Esse está na minha seleção. Isso me dá satisfação, não quem escuto dizendo que tem que jogar esse daqui, esse aqui precisa pegar ritmo. Até esse pegar ritmo, eu caí, porque o futebol é muito dinâmico. Eu respeito, nós precisamos melhorar, eu tenho a minha linha de raciocínio, mas não fico fazendo média com ninguém, não dou informação para ninguém, trato todo mundo igual. Acho que ninguém deve ter privilégio de informação e alguns ficam bravos. Mas eu durmo tranquilo, um grande abraço para vocês. Voltar um dia? Volta tem. Isso daí… No futebol acontece muita coisa e a gente espera um dia voltar, mas a cabeça é só fazer esse jogo contra o Atlético-GO e não tem jeito, a gente gosta de trabalhar e vamos pensar o que fazer com calma. O Cruzeiro tem o meu respeito, a própria torcida. A minoria fica vaiando presidente, este, aquele, isso faz parte. Mas sempre tive o carinho, a admiração. Vejo o torcedor inteligente me apoiando, sabendo, tendo noção, discernimento de perceber algumas coisas. O clima está tranqüilo no grupo. Eles estão chateados, porque gostariam de estar numa situação melhor. Mas .enfrentamos um grande adversário. No Cruzeiro, cria-se crise. O Ceará está ganhando de todo mundo. Na Vila o Ceará jogou contra o Santos, que só não tinha o Robinho, e o Santos teve dificuldade. Teve um pênalti no Misael, que dá trabalho pra todo mundo. Pelo carinho, pelo respeito que tenho pelo Cruzeiro, eu procuro cobrar dos atletas pra que se entreguem naquilo que estão fazendo. Por algumas razões, não coloquei A, B ou C e é assim que vou agir em qualquer clube. Um atleta tem que ter esse comprometimento, tem que se dedicar, pois ele é bem remunerado. É evidente que uma hora vai perder. Mas tem de vender a derrota caro. O torcedor gosta de ver o jogador lutando. (mais…)

Um tiro no pé

terça-feira, 1 de junho de 2010

Matheus Penido

Há alguns dias, pedi ao Jorge Santana pra escrever um “projeto de post” sobre o elenco celeste.

Minha intenção era debater com os amigos do blog a questão das cobranças que a torcida faz ao treinador Adilson Baptista analisando o material que ele tem em mãos.

Depois da partida contrao Botafogo, porém, resolvi mudar um pouco o tema do post e voltá-lo mais pra relação da torcida com o time e menos  pras qualidades e deficiências do elenco, já que esse é o novo “tema da moda”.

Não estive no Mineirão. Por não morar em Belo Horizonte, compareço muito menos que é recomendável prum torcedor fiel (se é que isso existe) ao Gigante da Pampulha.

Mas vi o jogo todo pela TV e percebi que a maioria esmagadora da torcida celeste foi ao estádio pra fuzilar o time com sua ira, de modo que só um chocolate em cima do Botafogo ia acalmar a turma, o que previsivelmente não aconteceu.

Os motivos da ralhação geral são variados, indo desde a implicância eterna com o treinador e alguns jogadores até a revolta pela falta de contratações da diretoria.

Não chego a tirar a razaão deles, afinal a decepção com a eliminação frente ao São Paulo foi grande e a maioria da turma, inocente como ela só, acreditou no papo de microfones provincianos e federais de que o Cruzeiro era mesmo favorito contra um time que lhe é superior em estrutura, grana, poder de atração e, por consequencia, com um elenco muito mais completo e variado.

Somado isso  com a postura que muitos classsificam de inerte da diretoria e a lendária infidelidade do torcedor tupiniquim, tivemos o show de horrores das arquibancadas na quarta.

Afinal, a maioria dos torcedores é absolutamente incapaz de diferenciar a posição de origem de um jogador de uma função que ele pode exercer em campo.

Dessa forma, quando qualquer coisa sai do que ele encara como “normal” apela pros “criativos” gritos de burro.

E como o treinador também se lixa pros gritos da arquibancada na hora de substituir, eles se se tornam mais constantes. O caso clássico foi a substituição de Roger por Ken na quarta.

Adílson Baptista, provavelmente, pensou que com Pedro Ken em campo teria alguém pra aacompanhar o perigoso ala-esquerdo do Botafogo Somália e assim liberaria Jonathan pra puxar contra-ataques como aliás ele já fez em outras partidas, e escolheu Roger pra sair porque esse já não tinha mais fôlego pra jogar em velocidade, o que o time precisava àquela altura.

Se dá certo ou não é outra história e depende da qualidade e capacidade de compreensão tática dos jogadores, mas pro torcedor é tudo simplismente fruto da covardia do treinador que troca um armador por um volante, com medo.

Motivos a parte, o fato é que o Botafogo jogou “em casa” e o Cruzeiro, que também jogou mal, só levou os 3 pontos pelos desfalques do adversário e pela grande fase de seu goleiro.

Claramente, o time titular do Cruzeiro está mal, devido basicamente a má fase de alguns jogadores e a falta de substitutos minimamente qualificados.

A zaga que já  não era uma “Brastemp” ano passado não foi reforçada e pra piorar o único zagueiro relamente confiável do elenco tem alternado boas e más partidas.

Nas laterais, Jonathan não brilha mais como em 2009, embora continue sendo um dos melhores da posição no Brasil, e Renan continua fraco na marcação e ficou mais previsível no ataque.

Na frente, Kleber também ainda não repetiu o primeiro semestre de 2009 e tem sido o antes odiado Ribeiro quem anda resolvendo as paradas.

E, finalmente, na linha de volantes, coração desse time desde sua formação, é que as contestações andam mais fortes. Menos pelo mau futebol e mais pelo eterno ódio que alguns nutrem pelos pupilos do treinador: Herique e, acima de tudo, e Maqruinhos Paraná.

E a armação também anda comprometida por depender de dois jogadores de muita categoria, mas pouquíssimo vigor físico.

É por essas e outras que em quase todas as partidas o time tem dependido dos milgares do iluminado goleiro Fábio.

Temos, portanto, um time bom, mas com vários jogadores vitais em viés de baixa, além um banco que parece não ter vindo ao mundo pra facilitar a vida do treinador.

E o x da questão do post é justamente sobre a relação da torcida com esse time que hoje representa o clube.

O que aconteceu na quarta, independentemente dos motivos, foi uma demosntração de burrice em seu estado mais puro da torcida celeste, que pra piorar, ainda foi vista em TV aberta por todo Brasil nas transmissões da Globo e da Band.

Burrice, sim, pois atitudes como essa, além de não transformarem jogadores toscos em craques (normalmente até atrapalha) dão força pros adversários.

Uma senha perigosa que já levou vários clubes do porte do Cruzeiro a Segunda Divisão nacional, a qual mtos “sábios” acreditam que o o time celeste é imune.

Torcedor que realmente gosta do clube devia ir ao Mineirão pra apoiar o time que anda em dificuldades, sem exigir espetáculos em troca, pois isso o time atualmente não pode dar.

Viórias simples como contra o Botafogo serão valiosas não só na tábua de classificação como também na recuperação de um time que dá sinais de decadencia.

Àqueles que atrelam seu apoio aos famigerados “reforços de peso”, algo que sabemos não acontecerá, recomendo o sofá de cara ou até mesmo um passeio no parque ou algo que o valha. É hora do torcedor ser, acima de tudo, inteligente.
 
P.S.: Antes que alguém me acuse de estar a serviço da direção do clube ou de ter uma visão “quase oficialista”, esclareço: não conheço ninguém da diretoria e também tenho duras críticas a ela, pricipalmente pela falta de transparência e também de alternativas de arrecadação. O objetivo do post foi passar minha visão sobre o que eu considero um “tiro no próprio pé” que parte da galera celeste anda dando. Quem duvida, recomendo que se lembre dos emplumados em 2005.
 
Matheus Tavares Penido, 23, cruzeirense, estudante de Direito na UIT, nasceu e mora em Itaúna.

Adílson: “O problema não é emocional, é físico”

terça-feira, 1 de junho de 2010

Pitacos de protagonistas e blogueiros acerca do Ceará 1×0 Cruzeiro, no Castelão, em Fortaleza, pela 5ª rodada do Campeonato Brasileiro de 2010, em 30mai10:

  1. Adílson Baptista, treinador do Cruzeiro: Erramos muitos passes no meio, chutamos muita bola pra frente. Esse não é o Cruzeiro. Eu vou relevar. Na minha avaliação, é por causa do desgaste dos jogos. Nada emocional relacionado a perda de Libertadores, pressão. Não é isso. O aspecto físico é a minha preocupação. O Ceará também jogou na quinta-feira, lá em Goiânia, vários jogadores estavam puxando a perna, demonstrando sinal de cansaço. Isso é normal. O Cruzeiro está fazendo sua 33ª partida, o Santos fez 36, o Internacional, 35. Isso acaba sobrecarregando. Está na hora de pensar em alternativas. Alguns jogadores estão um pouquinho sobrecarregados, desgastados. É aquilo que eu alertei no início: o Fernandinho um pouquinho mais, Roger um pouquinho mais, Fabinho um pouquinho mais, pra ajudar aqueles que jogam com certa frequência. A gente tem observado que, na hora de recuperar essa bola, alguns estão tendo um pouquinho mais de dificuldade. É sobrecarga. A conversa é dentro de campo. Se não voltar, se não marcar, se não acompanhar, se não correr, se cruzar os braços, se não fizer andar… Eu estou vendo. Não tem jeito de enganar a gente. A gente jogou bola. No meu ponto de vista, o time melhorou no 2º tempo. O Roger fez um bom jogo contra o Botafogo. Mas não pode é mão na cintura, parado, não voltando, andando, sobrecarregando determinado setor… Eu já falei: o Paraná está jogando o mesmo número de jogos que o Fábio. Uma hora vai cansar. O Henrique não está roubando o mesmo número de bolas que nos anos anteriores. Por quê disso? Com a entrada do Roger, vai mudar um pouquinho o estilo do Cruzeiro… (mais…)

Marra: “A camisa ficou bonita, mas o futebol…”

sábado, 29 de maio de 2010

Pitacos de protagonistas e blogueiros acerca do Cruzeiro 1×0 Botafogo, no Mineirão, pela 4ª rodada  Campeonato Brasileiro de 2010, em 26mai10:

  1. Adilson Batista, treinador do Cruzeiro: Ninguém quer iludir o torcedor. Em cima da cobrança, de confiança, do desgaste que tivemos durante a temporada, tivemos dificuldades. Fizemos um bom 1º tempo nos 30 minutos iniciais, depois caímos e o Botafogo cresceu. Aí entra falta de confiança, de tranquilidade, o que é normal dentro de um clube do porte do Cruzeiro, que é mais cobrado. Depois dos 30 minutos, eles tiveram um volume maior. E nós tivemos dificuldades pra encaixar contra-ataques. Tivemos três ou quatro chances com o Guerrón. Não foi uma noite feliz, mas fico contente com o resultado. Fiz algumas trocas em função daquilo que estava observando. Alguns jogadores não estavam conseguindo roubar a bola, acertar passe, passar. Aí você tem que abdicar de algumas coisas em função do objetivo, que eram os três pontos. A gente lamenta por não apresentar um bom futebol, mas acredito que seja em função das cobranças. (mais…)

Sem telecoteco

quinta-feira, 20 de maio de 2010

O França não mandou a resenha do São Paulo 2×0 Cruzeiro. Segundo ele, é impossível escrever sobre uma partida de apenas um minuto.

Dez contra onze, na casa do adversário, com de diferença de dois gols pra descontar, era tarefa que estava além da competência do Cruzeiro.

Coisa que, aliás, nem o fabuloso Barça conseguiu jogando em casa  contra a Inter.

(mais…)

Fábio encarou o Tigre sozinho

segunda-feira, 19 de abril de 2010

Atuações dos celestes e seus adversários no Cruzeiro 1×3 Ipatinga, no Mineirão, Belo Horizonte, jogo de volta da semifinal do Campeonato Mineiro 2010, em 18abr10:

  • Torcida – Não se entendeu. Mostrou múltiplas faces, uma verdadeira salada. Teve torcedor vaiando o jogador, xingando o técnico, xingando e vaiando o torcedor do lado. Ao final, aqueles que realmente foram para torcer e apoiar, silenciaram. (Rafa Pena)
  • Diretoria do Cruzeiro –  Nota zero pra essa diretoria omissa e comodista, que só dá as caras pra vender jogador no meio da competição. E contrata babas seguidamente. Temos até 2ª feira pra inscrever 3 jogadores. Será que em 7 dias eles conseguirão realizar o que não conseguiram nesses meses todos ? Duvido. Lá vem os refugados de outro time de novo. (Binho)

(mais…)