Posts com a Tag ‘Donovan’

Soccer voltou a ser pumpkin

sábado, 26 de junho de 2010

O soccer vai continuar na fila. Ainda não será desta vez que subirá ao pódio da preferência dos esportistas e telespectadores americanos.

O time de Bob Bradley emocionou parte significativa do povo americano com sua garra, mas já virou abóbora.

Tim Howard, Michael Bradley e Landon Donovan são excelentes jogadores. Poderiam se tornar ídolos de toda a nação se vencessem a Copa.

Mas perdendo duas classificações seguidas pra Gana, continuarão no lusco-fusco.

Comparados à seleção de soccer, cada time das ligas de hóquei, basquete, football ou beisebol tem o dobro de craques reconhecidos nacionalmente.

Assim como o vôlei, o soccer ainda terá de comer muito angu -ou seria tortilla?- pra desbancar algum esporte tradicional americano.

Mas não pense o caro leitor que, estando lá pelo 7º ou 8º lugar na preferência do público, o soccer seja um fracasso.

A Copa de maior média de público até hoje, foi a de 1994 com 69 mil espetactadores. E se houver outra na América, em 2018 ou 2022, novos recordes serão quebrados.

Basta ser o 8º nos USA pra um esporte ter mais público e ser mais rentável do que na maioria dos países monoesportivos.

Gana 2×1 USA: Orgulho africano

sábado, 26 de junho de 2010

Às 15h30 (Brasília), no Estádio Real Bafokeng, em Rustemburgo, Estados Unidos e Gana decidem quem enfrentará o Uruguai nas quartas de final da Copa 2010.

As duas equipes jogarão no 4-4-2. O meia atacante Landon Donovan, entre os americanos, e o centroavante Asamoah Gyan, entre os ganeses, são os principais jogadores da partida.

O americano Michael Bradley e o ganês Kevin-Prince Boateng, ambos armadores, são outras atrações.

Os bons goleiros Kingson e Howard serão obstáculos difíceis a serem ultrapassados pelos craques das duas seleções.

Gana, pelo retrospecto de suas seleções menores, pela experiência de jogadores que atuam em ligas européias e pelo apoio da torcida, é favorita. Mas os americanos costumam superar-se quando inferiorizados.

O húngaro Viktor Kassai será o Juiz. (mais…)

USA 1×0 Argélia: Desistir? Jamais!

quarta-feira, 23 de junho de 2010

Às 11h (Brasília), no Estádio Loftus Versfeld, em Pretória, Estados Unidos e Argélia se enfrentam pela última rodada do Grupo D.

Se vencerem, os americanos se classificam. Empatando, têm de torcer pra Inglaterra perder ou empatar (mas nunca com mais gols do que eles). Se perderem, saem da briga.

Para a Argélia, só uma vitória resolve. E é aí que mora o perigo. Ninguém nem se lembra mais da última vez que os comandados de Saadane (adepto do 5-4-1) fizeram 3 pontos na vida.

Teria sido naquela decisão contra o Egito, no Sudão: Vai saber…

Os americanos até que têm um time ajeitado, armado pelo treinador careca, Bradley, pai do meia-armador careca, Bradley.

O time americano, que está um pouco acima da média das subpotências deste Mundial, tem em Donovan seu melhor jogador.

E, pode até causar espanto, mas pereba, no duro, eles não têm nenhuma.

Mas não dão muita sorte com juízes. Por isto, além de jogarem tudo o que sabem, terão de rezar pra que o belga Frank de Blekeere não complique no apito. (mais…)

Inglaterra 1×0 Eslovênia: A conta do chá

quarta-feira, 23 de junho de 2010

Às 11h (Brasília), no Estádio Nelson Mandela Bay, em Porto Elizabeth, a Eslovênia joga por um empate pra se classificar e mandar a Inglaterra pra casa.

E promete atuar num 4-4-2 clássico. Ou será que, na hora da onça beber água, Kek não vai botar seu 11 jogadores na defesa pra tirar os espaços da turma de Fabio Capello?

O treinador italiano da Inglaterra, vai num 4-3-3- ultraofensivo, posto que dois de seus volantes, Gerrard e Lampard, também atacam com vontade.

Difícil será acordar o centroavante Wayne Rooney, que tem se arrastado em campo.

Outro problema é torcer pra que o goalkeeper quarentão, James, não desafine debaixo dos três paus.

É jogo pra deixar Sua Majestade com os cabelos em pé e tamborilando nervosamente no braço do trono.

Isto se ela não estiver caçando veados em sua casa de campo pra não se amolar com a malemolência dos súditos boleiros.

No apito, estará o alemão Wolfgang Stark. Que, dizem, é adepto de pelo menos meia hora de açougue em cada partida. (mais…)

USA 2×2 Eslovênia: Virada incompleta

sexta-feira, 18 de junho de 2010

às 11h (horário de Brasília), no Ellis Park, em Joanesburgo, Estados Unidos e Eslovênia jogam -ambos no 4-4-2- partida decisiva do Grupo C.

Líderes, os eslovenos de Matiaz Kek sonham com a vitória pra encurtar o caminho rumo às oitavas de final. Confiam em sua camisa estilo Charlie Brown, no artilheiro Novakovic e na sorte.

Os americanos, dirigidos por Bob Bradley, precisam mais da vitória pra não dependerem tanto do confronto com a Argélia na última rodada.

Suas armas são o goleiro Howard e o armador Donovan, líder, experiente e  muito bom de bola.

Além deles, contará com o grupo californaiano Weezer que fez música pra animar a rapaziada. Confiram Represent clicando aqui.

Koman Kulibaly, do Mali, será o Juiz. Garantia de que ouviremos, naTV brasileira, aqueles clichês acerca da inexperiência dos árbitros de países sem tradição no futebol.

Console-se, caro leitor, pois a surdez ainda é pior do que os pitacos do Wrigth & Cia. E vamos ao jogo com fundo musical! (mais…)

USA 1×1 Inglaterra: Jabulani mostrou serviço

sábado, 12 de junho de 2010

Em Rustemburgo, Inglaterra 1×1 Estados Unidos. Terry, Gerrard, Lampard e Rooney são as armas inglesas apontadas para os americanos, que só dispõem de uma para contra-atacar: Donovan.

Contra as duas, jogará a Alcaeda, que ameaçou explodir o estádio.

A maior parte dos meus conhecidos torcerá pela Inglaterra. Eu, sempre ao lado dos fracos e oprimidos, me alinharei com os americanos. Já as hienas, é claro, ficarão ao lado dos comandados de Bin Laden.

O Brasil estará presente com o trio de arbitragem composto por Simon, Braatz e Hausmann.

O volante Gerrard colocou a Inglaterra na frente capós troca de passes inteligente com Heskey, na entrada da área, aos 5 minutos.

Os americanos empataram aos 40 com um chute longo de Dempsey, que o goleiro Green deixou passar após tentativa desengonçada de defesa. A Jabulani fez sua primeira vítima nesta Copa.

Os ingleses mostraram mais técnica, os americanos foram mais dedicados. Em dez jogos entre as duas seleções, foi o primeiro empate. Nos demais, 7 vitórias dos ingleses, 2 dos ianques.

Quem não compareceu ao evento foi a alcaeda. Pra decepção de muitos malucos mundo afora. Mas para o bem da civilização.

Brasil 3×2 USA: Dungalelê!

domingo, 28 de junho de 2009

Espaço para enaltecer – taí uma palavra boleira! – ou escorraçar – esta é do tempo do Evandro – o Dunga. E vamos escrevendo o post ao sabor dos acontecimentos.

Como se sabe, os americanos jogam aquele hot dog deles bem basicão. Não inventam. E como conseguiram marcar um gol logo aos 9, com Dempsey, abriram a defesa do Brasil e meteram outro, aos 26, com Donovan.

Mas tem jogo. Se o Ramires, do Benfica, começar a jogar, ainda dá tempo de virar o o placar.

O Brasil começou o 2º tempo marcando com Luiz Fabiano a 1 minuto.

Os americanos tentaram responder, perderam a concentração e foram engolidos pelo toque de bola e velocidade dos brasileiros.

(mais…)

Anticomunistas e anticapitalistas

quinta-feira, 22 de junho de 2006

Gana 2 x 1 Estados Unidos, quinta-feira, 22 de junho, no Frankenstadion, Nuremberg, pela 3ª rodada do Grupo E da Copa 2006.

Há tempos cheguei a suspeitar que os juízes eram todos anticomunistas. Simples. A finada URSS foi tremendamente garfada nos mundiais de 82 e 86, justamente quando formara suas melhores seleções. Em 82, só o Luisinho fez dois pênaltis. O juiz fez que não viu e o Brasil venceu o jogo contra os soviéticos. Em 86, no México, outro timaço da URSS foi estropiado, contra a Bélgiza, pela arbitragem.

Pois bem, os USA, a meca do capitalismo, também foram tirados de duas copas pelas arbitragens. Em 82, roubados no jogo contra a Alemanha, perderam a chance de seguir adiante e fazer história. Agora, o dentista-vedete, considerado o melhor juiz do mundo, deu um pênalti escandaloso a favor de Gana. E, apesar de toda a sua garra, a seleção dos Estados Unidos que, também, já havia sido prejudicada contra a Itália, volta mais cedo para casa.

Nada contra Gana, um time da melhor cepa africana: forte, rápído e que joga futebol de qualidade técnica indiscutível. Mas, hoje, os americanos foram melhores, mesmo sem contar com o futebol de Donovan, que pouco apareceu na partida. Dois jogadores sobressairam-se: Beasley e Pimpomg. Essien, o melhor da turma em campo, levou amarelo de não jogará contra o Brasil. Por isso, talvez não tenha demonstrado tanto ânimo neste jogo.

Jogando “em casa”, os americanos surpreenderam

sábado, 17 de junho de 2006

Estados Unidos 1 x 1 Itália, sábado, 17 de junho, no Fritz Walter Stdion, Kaiserslautern, pela 2ª rodada do Grupo E da Copa 2006.

Os italianos eram minoria no estádio. Há bases das Estados Unidos na região de Kaiserslautern e os americanos compareceram em massa enchendo o ambiente com sua auto-confiança avassaladora. Vendo a manifestão da torcida, quem não entende de futebol, poderia imaginar que os USA são ases neste esporte tamanha a farra que fizeram diante de uma favoritíssima Itália.

O jogo foi uma guerra. Três expulsões, todas acertadas. Os americanos começaram atacando em massa, tomaram um gol de Gilardino, ficaram com um jogador a mais pela expulsão do italiano De Rossi (cotovelaço que sangrou o rosto de McBride), perderam um jogador por carrinho (do argentino-americano Mastroeni) e ganharam um gol contra feito por Zacarddo. No 2º tempo, Pope foi expulso a 1 minuto (2º cartão, por carrinho) e aí iniciou-se a fase heróica do jogo. Com apenas 19 jogadores em campo, havia espaço de sobra para as manobras italianas. Mas os americanos souberam se defender e contra-atacar com eficiência.

A Azzurra não tem quem pense e crie alternativas de jogo em seu meio de campo. Foi um time previsível, incapaz de tirar proveito de estar em maioria. E só escapou da derrota porque os Estados Unidos tiveram um gol anulado. Beasley chutou sem defesa para Buffon, mas um impedimento de McBride invalidou o lance. É verdade que também tiveram sua chance de ouro de vencer. Foram impedidos por uma defesa elástica de Keller em conclusão de Del Piero, à queima-roupa.

O empate manteve as quatro seleções do verdadeiro grupo da morte em condições de passar às oitavas na última rodada. O maior destaque do jogo foi o uruguaio Jorge Larrionda, que puniu a violência com três expulsões e anulou um gol, que teria mudado os rumos do Grupo E. Esteve perfeito.

Entre os jogadores, Totti, sacado aos 35 do 1º tempo, teve atuação parecida com a do Fenômeno contra a Croácia. O sósia do Edu Dracena, Zambrotta, e Pirlo, como sempre, foram os melhores da Itália. Entre oas americanos, destacaram-se Donovan, muito técnico, e o goleiro Keller, que fez a defesa mais bonita da Copa.