Posts com a Tag ‘Democrata’

Mineiro 1965: Cruzeiro 0x0 Democrata-SL

terça-feira, 21 de dezembro de 2010

Cruzeiro 0x0 Democrata-SL: Cidinho deixou de marcar 4 pênaltis!

O time de Sete Lagoas fez um bom 1º tempo. E contou com uma ajuda histórica de um atleticano juramentado.

Alcebíades Magalhães Dias, o Cidinho Bola Nossa, deixou de marcar 4 pênaltis a favor do Cruzeiro.

No primeiro, Rui derrubou João José e, surpreso com a marcação de um tiro de meta a favor do seu time, não conteve o riso.

(mais…)

Sete Lagoas, aqui me tens de regresso…

domingo, 12 de setembro de 2010

Arísio França, correspondente do PHD em Sete Lagoas, informa:

A Arena do Jacaré voltará a receber jogos de Atlético e Cruzeiro no Campeonato Brasileiro a partir de domingo, já com sua carga máxima de público: 19.800.

Os blocos de arquibancada E, F e parte do A foram liberados pelo Corpo de Bombeiros. A capacidade máxima anterior era 13.647 espectadores.

O estádio dispõe de 600 vagas de estacionamento, três bilheterias, cinco portões de acesso e estruturas para deficientes físicos.

(mais…)

Perdão, Sete Lagoas

terça-feira, 27 de julho de 2010

Cruzeiro e Atlético-MG não têm estádios. Pra tocarem seu negócio dependem do poder público, que os  subsidia após arrecadar impostos de adeptos de todos os times e não apenas dos torcedores deles.

Quando o Mineirão estiver reformado para a Copa de 2014, Cruzeiro e Atlético-MG terão 54 mil confortáveis cadeiras pra venderem a cada partida.

Os demais clubes de Minas, nenhuma, embora seus torcedores tenham contribuído para o empreendimento.

Enquanto esse dia não chega, os dois grandes vão depender de favores de outros clubes.

Terão de jogar em estádios particulares como o do Democrata ou municipais como os de Uberlândia, Varginha, Ipatinga, Pouso Alegre ou Uberaba.

Pelo favor recebido, deveriam ser gratos. Ou, no mínimo, educados. Algo que a direção do Cruzeiro não foi quando seu Gerente de Futebol, Valdir Barbosa, desancou a Arena do Jacaré e, de raspão, também a bela, progressista e cruzeirense Sete Lagoas, na coletiva após o jogo contra o Grêmio.

Segundo jogadores e cartolas do Cruzeiro, a cancha da Arena é pequena. Comparada às do Mineirão e do Maracanã, pode até ser. Mas é oficial. E não é menor do que as do Olímpico, Baixada, Ressacada, Engenhão e outras nas quais os times mineiros jogam sem reclamar.

Disseram que o gramado é ruim. Realmente, ele não é nenhuma Brastemp. Mas não é esburacado, nem tem pontos carecas. Está perfeitamente apto para a prática do futebol. Só com muita cara-de-pau se pode dizer que ele prejudica o Cruzeiro, supostamente, um time mais técnico do que os outros.

Isto é desculpa esfarrapada. Qual é o time da primeira divisão que não joga com a bola no chão? Apontem um, por favor. Se o Cruzeiro fosse tão técnico quanto imaginam seus dirigentes e atletas, estaria na ponta e não na metade da tabela. Esse trololó é muleta antiga.

Valdir Barbosa criticou a estrada. Sete Lagoas está ligada a Beagá por duas rodovias, uma federal, outra estadual. Com um pouquinho de organização, chega-se lá em menos de uma hora. Obviamente, haverá casos de retenção, como aconteceu na rodovia federal nesse domingo. Em compensação, na estadual, o trânsito fluiu normalmente.

Segundo Valdir, não há hotéis pra receber a delegação caso ela queira viajar mais cedo pra descansar até a hora da partida. Não procede. A cidade dispõe de hotéis confortáveis. É só telefonar fazendo reservas. Como fez Wanderley Luxemburgo quando seu time jogou contra o Inter.

Domingo, a Arena recebeu 10 mil torcedores. Com todos os setores liberados, pode receber até 16 mil. O acesso ao estádio é fácil, existe estacionamento e a visão do campo é melhor do que a oferecida pelo Mineirão.

Os mais exigentes reclamam do sol. Ora, futebol não é esporte indoor. Queixa indeferida, pois. E ninguém pode reclamar de hostilidade. O público é bem mais educado do que o do estádio de Beagá.

Se alguém errou, foi a direção do Cruzeiro, que não colocou monitores pra orientar o público. Ou os torcedores que insistem em chegar a 10 minutos do início partida. Assim, nem nos estádios escandinavos se evita fila pra entrar.

Resta pedir desculpas ao povo de Sete Lagoas que, da euforia por receber seu time de coração, passou à decepção de receber carão de um cartola bem remunerado pra dirigir time de futebol, não pra queimar a imagem do clube que o paga.

O Cruzeiro pode jogar em outras cidades. Aproximar-se de sua torcida espalhada por toda Minas Gerais. Mas não deve cometer descortesias e nem fabricar desculpas pelo mau futebol que eventualmente esteja praticando.

Eu, torcedor cruzeirense de Belo Horizonte, peço desculpas ao povo de Sete Lagoas. Aos cruzeirenses, americanos, bela-vistenses, democratenses e até atleticanos, caso haja algum além do Chico Maia na cidade.

E estarei de volta, quando nosso (não apenas dos cartolas e jogadores) Cruzeiro jogar em Sete Lagoas.

8ª do Brasileiro: Pipa do Vozão continua empinada

sábado, 17 de julho de 2010

8ª rodada do Morrinhão 2010. Público à brasileira. Avaí foi a sensação vencendo o ricaço St. Pauli em Sampa. Destaque individual foi o goleiro da Cocota autor de um autodrible que terminou em gol do Atlético Goianiense.

  1. Maraca: Fla 1×0 Bota. Público: 19.313. Paulo Sérgio, 33 do 2º. Cheio de gás, Pet jogou o tempo todo e fez a diferença.
  2. Baixada: Atlético 0x2 Cruzeiro. Público: 13.952. Wellington Paulista, 45 do 1º; Robert, 41 do 2º. Na estréia de Cuca, Cruzeiro jogou que nem sanfona, abrindo e fechando.
  3. Castelão: Ceará 0x0 Corintiãs. Público: 44.500. Vozão continua mantendo a pipa empinada.
  4. Morumbi: São Paulo 1×2 Avaí. Público: 7.717. Roberto, 15, Vandinho, 30, Hernanes, 32 do 2º. Hernanes, o volante que os mesa-redondistas queriam na Copa, não salvou St. Pauli no Morrinhão.
  5. Jacaré: Atlético-MG 3×2 Atlético-GO. Público: 3.179. Tardelli, 18, Marcão, 31, Tardelli, pênalti, 35, Ricardo Bueno, 43 min do 1º; Rodrigo Tiuí, 15 do 2º. Torcida do Democrata deu uma forcinha pro Luxa vencer um j0go após 3 meses.
  6. Pacaembu: Palmeiras 2×1 Santos. Público: 9.400. Ewerthon, 12 do 1º; Tinga, 21, Marcel, 37 do 2º. Ganso, meio-bico, Neymar, apagado, deram boas vindas a Felipão. DJ zangou-se.
  7. Maraca: Flu 1×1 Prudente. Público: 28.335. Fred, 16 do 1º; Wesley, 38 do 2º. Aplausos no começo, vaias no fim. Punido pela bola, Tricolor perdeu a chance de liderar.
  8. Serra: Goiás 0x0 Vasco. Público: 11.000. Bernardo correu muito, mas ainda continua devendo.
  9. Olímpico: Grêmio 1×1 Vitória. Público: 7.455. Wallace, 33 do 1º; Egídio (Vit), contra, 30 do 2º. Paulo Silas subiu no telhado.
  10. Brinco: Guarani 0x3 Inter. Público: 2.193. Sandro, 13, Alecsandro, 26, Taison, 46 do 2º. Colorado sonha, Bugre tem pesadelo.

Gols: 21. Público: 168.634.  Média: 16.863. G4: Corintiãs e Ceará, 18, Flu, 16, Santos 12. Z4: Prudente, 9, Atlético-PR, 7, Vasco, 6, Atlético-GO, 4. Artilheiros: 6 – Roger. 5 – André. 4 – WP, Hugo, Fred, Roberto, Tardelli, Muriqui, Ricardinho, Herrera, Love, Schwenck. 3 – ACarlos, Jonas, Neymar, Ricardinho, Emerson, Walter, Andrezinho, Baier, Allan, Dagoberto, Bruno César, Washington.

Arena do Jacaré para iniciantes

terça-feira, 13 de julho de 2010

Arísio França Jr.

Em 28 de Janeiro de 2006, realizou-se o primeiro jogo oficial no Estádio Joaquim Henrique Nogueira – Arena do Jacaré -, antigo sonho dos amantes do futebol em Sete Lagoas.

A idéia do estádio começou a brotar ainda na década de 80 quando o pecuarista e ex-atleta do Democrata Futebol Clube, Joaquim Nogueira, doou ao clube um terreno às margens da Av. Perimetral.

Somente em 2004, com a proposta do Grupo Bretas para aquisição do Estádio José Duarte de Paiva, localizado no centro da cidade, foi possível alavancar o projeto da Arena.

O Democrata apurou cerca de R$1,5 milhão com a venda do antigo estádio. Ao término das obras, o custo final da Arena girou em torno de R$3,5 milhões.

Assim, o leitor já pode imaginar o que levou o clube para a 3ª divisão do futebol mineiro em 2009 e a razão para as dívidas trabalhistas e com fornecedores de R$1,5 milhão acumulada pelo Jacaré.

Apesar de todas as dificuldades, sem benfeitorias no entorno do estádio e sem iluminação, o estádio foi inaugurado com capacidade para 20 mil torcedores, com 750 cadeiras, 19 cabines de imprensa, 20 bilheterias e 8 banheiros.

A partida inicial foi uma festa só. O Jacaré tinha um time aguerrido, comandado por Brandãozinho. Empolgado com a nova casa, venceu o Atlético-MG por 3×0. O primeiro gol foi marcado por Paulo César, do Democrata, aos 15 do 1º tempo.

O jogo com maior público foi outro Democrata x Atlético-MG, pela 1ª rodada do Campeonato Mineiro de 2008, com nova vitória alvirrubra, dessa vez por 1×0, gol de Tuta.

O público oficial foi de 20.500 pessoas, mas a verdade é que havia 25 mil numa tarde marcada pela desorganização completa, desde a entrada dos torcedores.

A idéia de se aproveitar a Arena do Jacaré para jogos durante as reformas do Independência e do Mineirão foi do ex-Secretário de Esportes do Estado, Gustavo Correa.

A proximidade da Capital e do Aeroporto de Confins e o desenvolvimento econômico por que passa Sete Lagoas deram ao estádio a preferência para receber os primeiros investimentos do Estado para a Copa de 2014.

O acordo com o Governo do Estado tem validade de 10 anos e 4 meses, contados a partir de 18jun09.

Por ele, a Ademg ditará as regras na Arena que, após 10 meses do início das reformas, será oficialmente reinaugurada em 15jul10 com um novo jogo do Atlético-MG.

O total do investimento do Estado deve girar em torno de R$12,7 milhões, para uma previsão inicial de R$5 milhões, e uma capacidade inicial prevista de 21 mil torcedores.

Na semana passada, após avaliações para emissão de laudos de segurança, ficou estabelecida a redução da capacidade para 15 mil presentes, muito em função dos transtornos decorrentes das obras se prolongarem até o final de julho. O escritório da Construtora responsável pela reforma ainda permanece intacto.

Esta determinação fez com que Cruzeiro e Atlético-MG de majorassem os preços dos ingressos. As cadeiras no setor de imprensa custarão R$100. Os demais setores terão entrada custando R$40. Valores bem acima dos padrões do futebol mineiro e “salgados” para o padrão do estádio.

Seguem alguns dados relativos às reformas e condições da nova Arena do Jacaré:

  • Todo o maquinário que era utilizado no Mineirão para manutenção e conservação do gramado foi transferido para a Arena.
  • A Itograss, empresa responsável pelo gramado, calcula que o novo piso tem capacidade média de suportar 5 horas de bola rolando por semana.
  • A dimensão do gramado é de 105 x 68m. As medidas do Mineirão são 110x75m.
  • Foram construídas salas exclusivas para coletivas de atletas, dirigentes e treinadores, assim como duas capelas e salas para Juizado Especial, Polícias Militar e Civil e Promotoria de Justiça.
  • Foram criadas 21 saídas de emergência e outras 14 para acesso ao gramado em situações de risco para os presentes.
  • Haverá 5 bares com banheiros ao lado.
  • Além da reforma dos vestiários antigos, foram criados mais dois para equipes dos jogos preliminares.
  • A Arena tem um gerador exclusivo de energia para o sistema de iluminação.

Algumas dicas para o acesso ao estádio:

  • Quem vier a Sete Lagoas pela BR040, saindo de Belo Horizonte, deve evitar o trânsito do centro. Assim que entrar na avenida de acesso à cidade, Marechal Castelo Branco, fique atento pra virar a direita no primeiro viaduto a fim de entrar Av. Perimetral, que contorna a cidade e onde se localiza o estádio.
  • Quem chegar a Sete Lagoas, deixando Paraopeba, deve passar a primeira entrada, logo após a barreira da Polícia Rodoviária, para evitar o Centro e optar pela entrada de quem vem de Belo Horizonte.
  • Pela estrada velha, a MG-424 que passa por Pedro Leopoldo e Prudente de Morais, a chegada ao estádio é mais tranquila. Ao término da rodovia, após o semáforo, vira-se à esquerda na Perimetral. A Arena está a 500 metros do entroncamento.
  • No acesso externo das cadeiras do setor das cabines já existe estacionamento asfaltado de propriedade do Democrata com 600 vagas. Devem ser cobrados R$10 ou R$15 por veículo (a confirmar).
  • Quem ficar nos demais setores, não encontrará, de início, estacionamentos definidas pela Prefeitura e Ademg. Os donos de lotes vagos, contudo, vão criar estacionamentos particulares. Num primeiro momento, estas serão as opções mais seguras.

Fonte: Encarte do jornal Sete Dias de 09jul10.

Arísio França Jr., 33, cruzeirense, administrador de empresas, nasceu e mora em Sete Lagoas.

Como será o amanhã?

quarta-feira, 30 de junho de 2010

Como será o amanhã?
Responda quem puder
O que irá me acontecer?
O meu destino será
Como Deus quiser
Como será?

O Cruzeiro já pensou em contratar Juan Román Riquelme. Ainda pensa, mas já não mais com tanta certeza, pois o xeneize quer mesmo é morar em Buenos Aires.

O Cruzeiro pensa seriamente em contratar Walter Montillo, mas a Universidad de Chile não admite ficar sem o jogador na reta final da Libertadores.

O Cruzeiro está certo de que Ernesto Farias, El Tecla, trocará o Porto por Beagá. Mas o cidadão não dá as caras no pedaço.

O Cruzeiro sabe que precisa de beques e laterais, mas não tem a menor idéia de onde encontrá-los.

O Cruzeiro poderá mandar seus jogos na Arena do Jacaré, mas não sabe se a cancha do Democrata suportará o castigo de ser pisoteada pelos três times da Capital e o de Sete Lagoas.

O Cruzeiro tem o Ipatingão como segunda casa. Ou melhor, tinha, pois se o Corpo de Bombeiros insistir em reduzir pela metade a capacidade do estádio fica antieconômico jogar lá.

O Cruzeiro quer jogar no Parque do Sabiá, em Uberlândia, mas seus sócios do futebol não querem, pois a distância é grande.

Enquanto persistem as dúvidas, embalo meu sonho de alcançar logo a Cota 45 pra começar a disputar, a vera, o Morrinhão com este samba enredo da União da Ilha.

Sonho e decepção de um cruzeirense em Curitiba

terça-feira, 8 de junho de 2010

Caro Jorge,
 
Primeiro, muito obrigado pela indicação do bar Aos Democratas em Curitiba. Era ao lado de onde me hospedei e foi ótimo ver o jogo lá. Segue uma sugestão de post para vc avaliar.
 
Abs 
Soalheiro

Sonho e decepção de um cruzeirense em Curitiba
 
Cheguei a Curitiba na última quarta-feira cedo, para conhecê-la e ter  uns dias de descanso, preocupado com o futuro do Cruzeiro. O jogo contra o Santos prometia, por toda a simbologia envolvida e o momento conturbado do clube.
 
Logo na chegada, resolvi visitar a Arena da Baixada, a paucas quadras de onde me hospedei. A fama cultivada pelo Furacão de estádio mais moderno da América do Sul não é por acaso.  Arquitetura linda e pensada para fazer pressão, limpeza impecável, excelente visão do campo em quase todos os lugares, cadeiras personalizadas para cada sócio, infra-estrutura de bares, com até um churrascaria de alto gabarito,  loja oficial linda, visita guiada com muita competência, estacionamento coberto e descoberto, vestiários amplos, sala de imprensa ideme um excelente para eventos do clube como apresentação de atletas e uniformes novos.
 
 Foi impossível não sentir uma ponta de inveja e não pensar em como seria bom que o nosso estádio da China Azul fosse mais do que promessas pouco efetivas usadas para aplacar ânimos em derrotas. Deu para sentir o quanto um estádio próprio fideliza e reforça a identidade de um torcida, além ser uma espécie de templo sagrado para um clube. 
 
À noite, segui uma indicação do Blog e assisti Cruzeiro x Santos no bar Aos Democratas, também bem próximo de onde me hospedei. Lá passam todos os jogos do campeonato em televisões espalhadas pelos três andares e o melhor: ao invés de ouvir as pérolas dos jornalistas esportivos, você assiste ao jogo enquanto rola um samba da melhor qualidade ao vivo. Acho até que vou adotar esse modelo em casa para me livrar dos microfonistas  da vida.
 
Vi um jogo extremamente competente do  nosso time pelas circunstâncias, que merecia ter sido coroado com uma vitória. Sem ver nada após o jogo, fui dormir animado com nossas chances de recuperação no Brasileiro.
 
Acordei cedo na quinta e só após uma extensa programação turística tomei conhecimento da saída de Adilson e do futuro de incógnita que nos aguarda. A decepção foi grande. Como podemos perder um técnico após uma exibição como aquela, após três anos de um trabalho, no geral, bastante exitoso, que por pouco não foi muito melhor em resultados, e de um enfrentamento nunca visto da mídia?

Me lembrei das inúmeras discussões que travei nos últimos meses com dezenas de cruzeirenses, não simplesmente  em defesa do técnico, mas de um trabalho que recolocou o Cruzeiro próximo de seus melhores dias dentro de campo. Concluí que a ignorância e  a  superficialidade de quem só quer vitórias a qualquer custo venceram. E que contra isso é muito difícil lutar.
 
Que o nosso próximo treinador seja muito apoiado por estes que preferiram zombar do antigo. E por todos nós. Espero ter oportunidade de um dia encontrar pessoalmente o Adilson e dizer a ele muito obrigado pela melhor sequencia em clássicos que presenciei em vida, por uma Libertadores memorável, por vários jogos em que o time encantou e, sobretudo, pela coragem de ter dito reiteradas verdades sobre a conduta historicamente equivocada de parte da imprensa esportiva do estado.
 
Esse paranaense levará o mesmo respeito que já tenho por outros conterrâneos dele, como Alex, Levir Culpi, Raul Plassmann e outros que marcaram  história no Cruzeiro.  Essa cidade de Curitiba, aliás, deixará ótimas lembranças na bagagem. Vale mais do que uma visita.
 

Marco Antonio Soalheiro, 29 anos, jornalista, nasceu em Divinolândia de Minas, mora  em Belo Horizonte

Muita chuva, inclusive de gols.

domingo, 4 de abril de 2010

Fim de semana de muita chuva. E de chuva de gols.

  1. Faltou público, mas não gols nas quartas de final do Mineiro. Foram 19 em 4 partidas. Média de 4,75 por jogo. O mais bonito foi marcado por Douglas, do Uberaba.
  2. (mais…)

Dudu e Bernardo, os menos ruins

domingo, 28 de março de 2010

Atuações dos celestes e seus adversários no Democrata-GV 3×1 Cruzeiro, em 28mar10, no Estádio José Mammoud Abbas, em Governador Valadares, pela 11ª rodada do Campeonato Mineiro de 2010:

  • Rafael Monteiro – Cercou um frango, mas redimiu-se com algumas boas defesas.
  • Marcos Martins – Fraco na marcação, fraco no apoio e sem sorte, pois quando teve oportunidade de decidir a partida o travessão não permitiu.
  • Gil – Fraco.
  • Cláudio Caçapa – Alterna boas e más jogadas, mas sempre com muita disposição.
  • Magalhães – Levou um vareio do lateral democratense.
  • Uchoa – Não comprometeu.
  • Fabrício – Enquanto esteve em campo, o time mostrou personalidade. Marcou razoavelmente e atacou, embora sem resultados práticos. 
  • Fernandinho – Se em forma joga pouco, voltando de sete meses de inatividade nada poderia oferecer. Fraquíssimo. Tropeçou nas próprias pernas.
  • Camilo – Não basta jogar, tem de competir. Mesmo jogando de volante, fora de posição, vinha jogando razoavelmente até ser acometido por um imperdoável ataque de malemolência que resultou no gol de desempate do Democrata. 
  • Bernardo – Participou da jogada do gol de Kieza, bateu faltas, movimentou-se. Num time mambembe, até que não foi mal.
  • Dudu – Além de lançar e chutar a gol, apareceu na bequeira pra cortar uma jogada que, certamente, teria resultado em gol da Pantera. Entusiasmado, foi o melhor do time celeste.
  • Kieza – Fez um gol.
  • Wellington Paulista – Perdeu um gol.
  • Anderson Lessa – Entrou e saiu de campo sem se fazer notar.
  • Adílson Baptista – Lá pelas tantas, percebeu que o catadão não daria mesmo no couro e sentou-se no banco pra esperar o fim do vexame.
  • Torcida – Compareceu em bom número pra ver 90, mas só viu 45 minutos de futebol razoável de seu time. Zezé Perrella deveria devolver metade do ingresso pros incautos que acreditaram no catadão. 
  • Juiz & Bandeiras – Atuação dentro dos conformes. O impedimento reclamado no gol de desempate do Democrata não devia mesmo ter sido marcado. Nunca é demais lembrar que, em caso de dúvida, a Fifa recomenda privilegiar o ataque.
  • Democrata-GV – Foi um pouco melhor do que o Cruzeiro no 1º tempo. No 2º, nem tomou conhecimento do que se mostrou desorganizado, desmotivado e destrambelhado. Alex Santos e Magal passearam pelas laterais sem serem incomodados. Wanderson armou boas jogadas. Ely Thadeu criou sérios problemas pra bequeira celeste. Os demais, em especial, os meio-campistas, controlaram seus setores sem grande dificuldade. Moacir Jr., que vem mostrando competência há vários carnavais, armou um time atrevido, não respeitou a camisa celeste, e buscou a vice-liderança com determinação.

Democrata 3×1 Cruzeiro: Catadão levou passeio

domingo, 28 de março de 2010

Em 1º lugar om 24 pontos, Cruzeiro jogará um time reserva, pois sete titulares forçaram o 3º cartão amarelo na partida ontra o América de Teófilo Otoni.

Fernandinho, recuperado de lesão, que o afastou sete meses das canchas estará no banco de reservas. 

Fabrício, que estreou nesta temporada na última quarta-feira contra o Deportivo Itália dever começar jogando.

No 3º lugar com 20 pontos, o Democrata só perde para o Ipatinga no saldo de gols. 

Se ganhar, garante a 3ª colocação, e dependendo do resultado dos jogos de Ipatinga e Atlético-MG, pode evitar o confronto com os grandes nas próximas fases.

Lances + importantes do 1º tempo

  • 16h03 – Começa o jogo. Cruzeiro todo de azul defende gol à direita das tribunas, Democrata todo de branco.
  • 02 – Wanderson fez boa jogada pela esquerda e chuta cruzado, Rafael Monteiro defende, Eraldo apanha o rebote e chuta pra fora.
  • 06 – Kieza recebe de Bernardo e chuta forte, rasteiro, da entrada da área. A bola entra no canto direito do arco valadarense. Cruzeiro 1×0.
  • 09 – Eraldo recebe lançamento longo, mas comete falta em Caçapa ao tentar concluir.
  • 15 – Alex chuta da intermediária, bola passa por cima do travessão.
  • 16 – Sandro Manoel chuta da entrada da área, bola bate em Caçapa, Rafael Monteiro defende.
  • 17 – Alex cobra escanteio pela direita, Sandro Manoel cabeceia defesa afasta.
  • 18 – Magal cruza da esqeurda, Eraldo sobe mais que Caçapa e Magalhães e cabeceia com perigo, por cima do travessão.
  • 19 – Wanderson chuta de fora da área, por cima do travessão.
  • 20 – Democrata pressiona. Cruzeiro cede espaços para cruzamentos laterais.
  • 21 – Marcos cruza da direita, Gil comete falta ao tentar concluir de cabeça.
  • 22 – Eli Tadeu desarma Magalhães, avança pela direita e cruza, Rafael Monteiro tira de soco, defesa espana.
  • 23 – Eli Tadeu cruza da direita, Fabrício se antecipa a Eraldo e cede e escanteio. Eli cobra, Mateus cabeceia pra fora.
  • 24 – Juiz aplica cartão amarelo em Rafael Monteiro por atrasar a reposição de bola.
  • 25 – Alex cobra escanteio pela direita, Rafael Monteiro corta.
  • 25 – Kieza lança Camilo que passa a Wellington Paulista, Centroavante é desarmado na ponta-esquerda.
  • 27 – Eli Tadeu entra driblando na área e passa a Eraldo, que comete falta em Caçapa e estraga o lance ofensivo democratense.
  • 28 – Juiz pára a partida para jogadores beberem água.
  • 30 – Após 2 minutos de descanso e preleção dos treinadores, recomeça a partida.
  • 31 – Magalhães cruza da esquerda, defesa cede escanteio. Bernardo cobra, defesa espana, Magalhães fica com rebote e chuta. Outro escanteio, que Bernardo cobra, muito aberto, sem perigo.
  • 37 – Bernardo avança pela direita, rola pra Marcos, que solta uma bomba no travessão.
  • 41 – Marcel chuta de fora da área, rasteiro. Rafael Monteiro defende com dificuldade.
  • 42 – Juiz adverte banco do Democrata que não para de reclamar.
  • 44 – Bernardo cobra falta frontal, bola explode na barreira.
  • 46 – Lúcio comete falta em Wellington Paulista e Camilo e recebe cartão amarelo.
  • 47 – Fabrício chuta rasteiro de fora da área, bola fica na rede, à esquerda de Bruno, pelo lado de fora.
  • 49 – Fim de primeiro tempo.
  • Kieza: ”Fiz uma boa jogada com o Bernardo e marquei o gol. Estou feliz pela oportunidade de jogar.”

Lances + importantes do 2º tempo

  • 17h06 – Começa o 2º tempo.
  • 00 – Fernandinho substitui Fabrício e joga como volante. Democrata volta sem alterações.
  • 01 – Alex Santos desarma Fernandinho e chuta alto, de fora da área. Rafael Monteiro tenta desviar, mas não consegue e a bola vai pra rede. Democrata 1×1.
  • 03 – Magal cruza da esquerda e cruza. Eraldo comete falta em Magalhães dentro da área.
  • 05 – Kieza e Dudu Araxá se chocam e ficam caídos no meio de campo.
  • 06 – Marcos é desramado na ponta direita por Dudu Araxá, que inicia contra-ataque com Eli Tadeu.
  • 07 – Wanderson recebe cruzamento da direita e coloca Eli Tadeu na cara do gol com uma puxeta. O chute cruzado, sai rasteiro e a bola sai pela linha de fundo com perigo pro arco celeste.
  • 08 – Wellington Paulista reclama de falta marcada e recebe cartão amarelo.
  • 09 – Marcos cruza, Bernardo recebe dentro da área, aplica corte no beque, mas é desarmado por Mateus.
  • 10 – Wanderson recebe na área e chuta cruzado, Rafael desvia, bola sai à sua direita para escanteio.
  • 11 – Magal cruza da esquerda, Eraldo comete falta em Rafael Monteiro.
  • 12 – Magal cruza da esquerda, Gil se antecipa a Eraldo e corta. Anderson cruza, Caçapa corta.
  • 13 – Sandro Manoel chuta de fora da área, com a direita, bola sai à direita de Rafael.
  • 15 – Dudu substitui Bernardo.
  • 16 – Eraldo recebe cruzamento e ajeita de cabeça para Anderson. Camilo fica com a bola, mas é desarmado por Wanderson, que chuta forte, sem chance de defesa para Rafael Monteiro. Democrata 2×1.
  • 19 – Eraldo cai na meia lua e pede falta. Alício Pena Jr. manda seguir o jogo.
  • 21 – Fernandinho lança bola sobre a área, Bruno corta.
  • 22 – Caçapa chuta, Mateus cede escanteio. Saulo substitui Marcel.
  • 23 – Dudu cobra escanteio pela direita, Kieza cabeceia por cima do travessão.
  • 24 – Eli Tadeu entra na área driblando e serve Eraldo, que chuta em cima de Gil.
  • 25 – Alex cruza da esquerda, Rafael Monteiro defende pelo alto. Anderson Lessa substitui Camilo.
  • 26 – Alex Santos lança Eraldo que, da entrada da área chuta alto, por cima do travessão.
  • 27 – Alex Santos cruza da direita, Caçapa corta na entrada da pequena área.
  • 28 – Beto substitui Wanderson.
  • 29 – Sem jogar há sete meses, Fernandinho está caindo sozinho em campo. Democrata domina jogando em velocidade e explorando as laterais.
  • 30 – Anderson Lessa chuta, Bruno defende, Wellington Paulista reclama pênalti alegando toque de mão do beque.
  • 31 – Gil tenta lançar Anderson Lessa, bola sai pela linha de fundo.
  • 33 – Magalhães e Dudu tentam jogadas pela esquerda. Ambos são desarmados pela defesa.
  • 34 – Rafael Monteiro defende bola cruzada, pelo alto.
  • 35 – Eli Tadeu cruza da direita, Dudu corta na entrada da área celeste.
  • 36 – Dudu lança Wellington Paulista, que dribla goleiro Bruno, mas conclui pela linha de fundo.
  • 37 – Celinho substitui Eli Tadeu. Magalhães tabela com Dudu, mas sai com a bola pela linha de fundo.
  • 38 – Sandro Manoel tenta lança Eraldo, Caçapa corta e puxa o contra-ataque, mas erra passe no meio de campo.
  • 39 – Celinho recebe livre dentro da área, chuta por cima de Rafael Monteiro, antes da chegada de Marcos. Democrata 3×1.
  • 40 – Fernandinho cobra falta de fora da área, bola acerta barreira e sobra para Uchoa que chuta forte pra fora.
  • 41 – Torcida do democrata canta e debocha do time celeste.
  • 42 – Fernandinho cobra escanteio pela esquerda, Lúcio corta de cabeça. Fernandinho volta a cruza, Saulo corta.
  • 43 – Democrata toca bola, torcida grita “Olé!”
  • 44 – Eraldo cruza da esquerda, Gil corta, torcida vaia centroavante, que é artilheiro do campeonato.
  • 46 – Dudu é derrubado na meia lua. Falta perigosa. Beto atrapalha cobrança e recebe cartão amarelo. Fernandinho respira 36 vezes, corre e bate na barreira bisonhamente.
  • 48 – Dudu cobra escanteio pela esquerda, defesa afasta.
  • 49 – Acaba o chocolate. Fim de jogo. Após um 1º tempo equilibrado, Catadão deu vexame e tomou passeio no 2º. Apesar da derrota, Cruzeiro termina em 1º lugar na fase classificatória e jogará com a vantagem de poder empatar duas vezes contra o Villa Nova para seguir adiante no torneio.
  • Celinho: “Cada vez que o professor dá oportunidade, tento aproveitar. Agora, vamos ver se jogamos em casa na próxima fase pra aproveitar a força desta torcida.”
  • Fernandinho: “Infelizmente, tomamos gols infantis, pois vários jogadores estão sem ritmo de jogo.” 

Democrata-GV 3×1 Cruzeiro, domingo, 28mar10, 16h, José Mammoud Abbas, Governador Valadares, 11ª rodada do Campeonato Mineiro 2010 – Transmissão: PFC (pague-pra-ver) – Público: – Renda: – Juiz: Alício Pena Júnior (MG) – Bandeiras: Marcus Vinícius Gomes (MG) e Junior Antonio da Silva (MG) – Amarelos: Rafael, Wellington Paulista, Magalhães (Cru); Marcel, Lúcio (Dem) – Gols: Kieza, 6 min. do 1º tempo; Alex Santos, 1, Wanderson, 16, Celinho, 38 do 2º – Democrata-GV: Bruno; Alex Santos, Lúcio, Matheus, Magal; Dudu Araxá, Sandro Manoel, Marcel (Saulo) e Wanderson (Beto); Ely Thadeu (Celinho) e Eraldo. Tec: Moacir Júnior / Cruzeiro: Rafael Monteiro; Marcos Martins, Gil, Cláudio Caçapa e Magalhães; Uchoa, Fabrício (Fernandinho), Camilo (Anderson Lessa) e Bernardo (Dudu); Kieza e Wellington Paulista. Tec: Adílson Baptista – Histórico – Desde 16fev50, quando empataram (1×1) num amistoso em Governador Valadares, Cruzeiro e Democrata já se enfrentaram 56 vezes. O Cruzeiro venceu 35, empatou 15, perdeu 6, marcou 113, levou 38 gols. Pelo Campeonato Mineiro, foram 47 jogos com 29 vitórias, 13 empates e 5 derrotas do Cruzeiro, que marcou 91 gols e levou 32. Os dois clubes jamais decidiram um título entre si.