Posts com a Tag ‘Deivid’

Nadando em dinheiro

quarta-feira, 22 de setembro de 2010

Mauro França

A revista Placar publica na sua edição de setembro mais um ranking dos maiores salários do futebol brasileiro.

A matéria é assinada pelos jornalistas Bernardo Itri e Ricardo Perrone, também responsáveis pelo levantamento publicado em maio de 2009.

(mais…)

23ª da A: Cepada 14 foi tomada em 7 Lagoas

domingo, 19 de setembro de 2010

A 23ª rodada do Brasileiro 2010, em 18 e 19set10…

  1. Engenhão, Bota 2×2 Cruzeiro. Público: 14.128. Gols: Alessandro, 4 do 1º; Montillo, 12 (p) e 27, Loco Abreu, 31 (p) do 2º. Pênalti inexistente deu empate ao time carioca num jogo equilibrado.

(mais…)

Histórias dos Anos Zero (I)

sábado, 27 de março de 2010

O que não faltou, pra quem acompanha o dia-a-dia do Cruzeiro, foi caso, causo, história, lenda e estória na primeira década do Século XXI.

Em meio a tanta piração de cornetas, termocéfalos e tropeiristas, garimpa-se até momentos de pura emoção e humanidade no futebol.

Sem tempo pra entrar em detalhes, vou apenas lembrar algumas jóias do causário celeste. Quem quiser ou puder que conte os detalhes.

E quem se lembrar de outras, conte-as, por e-mail, para o Síndico continuar desfiando as memórias dos Anos Zero, de tantas conquistas emocionantes. Mas sem ofensas, Ok?

(mais…)

Superliga de Vôlei: Montes Claros 3×2 Cruzeiro

sábado, 20 de março de 2010

Ernesto Araújo

Sexto colocado na Superliga de Vôlei, o Montes Claros recebeu o Cruzeiro, líder da competição, em casa.

Na quadra, estavam os dois maiores pontuadores da temporada: o Lorena (Montes Claros, 452 pontos) e Wallace (Cruzeiro, 420 pontos).

O ginásio Tancredo Neves recebeu 9 mil torcedores, maior público da Superliga, que vibrou o tempo todo.

1º Set

O Cruzeiro começou bem o primeiro set, chegando ao primeiro tempo técnico com 8×5. Montes Claros encostou no placar mas o Cruzeiro manteve-se firme após o intervalo. O 9º ponto saiu numa jogada de raça da equipe celeste, recuperando uma bola perdida e armando o levantamento de manchete para o ataque azul fazer o ponto.

Ambas as equipes apostam na estratégia de forçar o saque e muitos erros nesse fundamento acontecem. A vantagem do Cruzeiro diminuiu para 10×9. No 12º ponto, Lorena disparou uma de suas pancadas no saque mas o Cruzeiro defendeu.

A bola saiu torta, mas Bruno Zanuto (11), mesmo desequilibrado e contra um bloqueio duplo, conseguiu colocar a bola no chão: 12×10.

O saque continua forçado de ambas as partes e os erros continuam. Mesmo assim o Cruzeiro chegou ao 2º tempo com 16×11.

Na volta, Montes Claros encostou no placar, até conseguir empatar em 18×18 num saque demolidor de Lorena.

Marcelo Mendes pediu tempo. Na volta o Cruzeiro tentou dar o troco com Bruno Zanuto (11) sacando bem e dificultando as ações do adversário. Mas o empate persistiu: 19×19.

O equilíbrio permaneceu até que Douglas Cordeiro (4) colocar definitivamente o Cruzeiro em vantagem bloqueando a bola de meio do Montes Claros: 21×19.

Em um dos lances polêmicos da partida, o árbitro marcou ponto para o Cruzeiro mas advertiu a equipe celeste porque alguns jogadores discutiram com os adversários.

Mesmo assim, o Cruzeiro continuou equilibrado e mesmo após o pedido de tempo da equipe da casa, venceu o 1º set por 25×21 num ataque errado da equipe local.

2º Set

Logo no início o Cruzeiro abriu 3×1 com direito a ponto de saque de Douglas Cordeiro. Mas o time local empatou em 4×4.

A torcida pediu a entrada de Ezinho no time do Montes Claros. O jogador não entrou mas MOC assumiu a liderança  chegando ao 1º tempo técnico com 8×6.

Na volta o Montes Claros continuou melhor e abriu 11×8. A partir daí, ocorreu uma sequência de erros de saque das duas equipes, mas os locais ainda mantiverams 3 pontos de vantagem.

Num belo lance, Bruno Zanuto sacou, defendeu o contra-ataque e ele mesmo definoi o ponto a favor do Cruzeiro num lance que parecia perdido.

Depois, o Cruzeiro empatou e virou no saque eficiente de Renato Felizardo (1): 16×15.

Após tempo técnico, o Cruzeiro consolidou a dianteira fazendo 18×16 e, rapidamente, a equipe da casa pediu tempo.

Nesse período, Lorena, um dos mais vibrantes do MOC, assumiu a culpa pelo erro de um dos ataques anteriores:

  • “Eu não posso errar esse tipo de bola! Eu não posso!”

Finalmente, pra alegria dos torcedores da equipe da casa, entrou Ezinho. E ele ajudou o Montes Claros a parar os ataques do Cruzeiro com o bloqueio e o placar ficou 21×20 para os locais.

O técnico do Cruzeiro ainda tentou equilibrar a equipe, mas já era tarde. Com Lorena descendo o braço no saque, o MOC fechou o set em 25×23.

3º Set

Logo no começo, a equipe local foi advertida por contestar marcações dos árbitros. Sem se importar com o nervosismo do Montes Claros, o Cruzeiro tenta saiu na frente mas logo foi alcançado em 4×4.

O Cruzeiro não conseguiu bloquear e Wallace pouco apareceu. Ainda assim, a equipe celeste chegou na frente no 1º tempo técnico: 8×6.

Na volta, o Cruzeiro marcou o 10º ponto ao recuperar de forma espetacular uma bola perdida com o esforço de Wallace e Polaco (10).

Montes Claros pediu tempo, mas teve uma pane e ficou à mercê do Cruzeiro, deixando os Guerreiros das Quadras abrirem 6 pontos de vantagem: 16×10.

Seria apenas uma questão de administrar a vantagem até o final do set, mas o Montes Claros não desistiu, levando sufoco ao Cruzeiro ao dificultar a recepção celeste com a passagem de Rodriguinho pelo saque.

Entretanto, o Cruzeiro manteve-se forte e, após uma boa defesa do líbero Lucianinho, e um belo rali, confirmou a vitória num erro de ataque dos locais, fechando o set em 25×20.

4º Set

Talvez por ter suportado uma grande pressão no set anterior e também por um relaxamento natural por estar ganhando de 2×1, o Cruzeiro começou mal no 4º set.

A passagem pelo 1º tempo técnico se deu com o Montes Claros vencendo por 8×4.

O Cruzeiro voltou um pouco melhor e o 6º ponto saiu na recuperação brilhante de uma bola perdida que Sandro (5) fez mágica para levantar.

Mas a reação durou pouco. Sem conseguir bloquear o adversário, o Cruzeiro continuou mal e a diferença permaneceu com o placar de 10×6.

Marcelo Mendez pediu tempo, mas pouca coisa mudou, a não ser a subida de produção de Wallace que já vinha ocorrendo desde o final do set anterior.

Passado o tempo técnico, os locais fizeram 16×13 e o jogo permaneceu equilibrado.

Montes Claros aumentou a vantagem na passagem de Piá pelo saque.

O Cruzeiro pediu tempo e tentou reagir. Num lance polemico, o arbitro principal não viu a marcação correta do arbitro de linha e marcou ponto para o MOC, mas após muita discussão o ponto retorna pro Cruzeiro, que perdia por 20×18.

O final do set foi muito disputado. Lorena bombardeou o Cruzeiro com saques fortes e o troco veio num ace de Douglas Cordeiro.

A equipe celeste encostou e quase chegou ao empate perdendo apenas por um ponto: 23×22.

Mas o set foi dos locasi num contra-ataque finalizado por Lorena: 25×22.

5º Set

É muito importante manter a concentração, errar pouco e ainda ter sempre uma reserva de raça e sangue frio pra reagir em momentos difíceis de um tié-break.

Infelizmente, o Cruzeiro só conseguiu isso até 5×5. Depois, Piá colocou o time local à frente com dois bloqueios.

 A partir daí, o Cruzeiro não conseguiu atacar corretamente, sendo bloqueado ou cometendo erros e o Montes Claros fechou o set em 15×11 e o jogo em 3×2.

Opinião

Foi um excelente espetáculo. A presença numerosa da empolgada torcida de Montes Claros deu cara de final de campeonato ao jogo.

Na quadra, as equipes mostraram um vôlei de alto nível com jogadas emocionantes, disputa até o fim e pancadas pra todo lado. E

E, claro, pra dar mais emoção, vários lances polêmicos com a arbitragem e todo mundo brigando porque nenhum time queria perder.

O Cruzeiro deu a impressão que ganharia até com uma certa facilidade ao final do 3º set. Mas, infelizmente, seu bloqueio não funcionou.

O time não conseguiu travar e foi travado pelo adversário neste fundamento.

Wallace não brilhou tanto como de costume, mas o resto do time foi bem.

Novamente, os reservas não acrescentaram muito, embora dessa vez tenham entrado melhor em quadra do que em outras ocasiões.

Na verdade, o Cruzeiro deve fazer de tudo pra ser o 1º colocado nessa fase e ter as vantagens, pois fora de Itabira, ele dificilmente vencerá algum dos candidatos ao título.

De todo modo, é bom ver Minas Gerais brilhando nesse esporte em que tem uma grande tradição.

Minas TC, Montes Claros e agora o Cruzeiro mostram a força do vôlei mineiro, que sempre foi muito competitivo no cenário nacional.

Às vezes, vejo pela internet afora comentários contra a parceria clube de futebol/volei, onde os torcedores habituais do futebol temem a fuga de recursos para outros esportes.

Fiquem tranqüilos. O vôlei pouco ou quase nada pediu aos clubes de futebol em sua trajetória no Brasil e ainda assim construiu uma estrutura organizada e profissional de fazer inveja ao futebol onde quase sempre impera a bagunça e a pilantragem.

Espero que o Sada/Cruzeiro siga essa mesma escrita e que tenha vindo pra ficar.

Montes Claros 3×2 Cruzeiro/Sada, sexta, 20mar10, 21h, Ginásio Tancredo Neves, Montes Claros (MG), 13ª rodada, 2º turno da Superliga masculina 2010 – Transmissão: SporTV – Público: 9.000. Cruzeiro/Sada: Bob, Sandro, Bruno Zanuto, Douglas Cordeiro, Renato Felizardo, Wallace e o líbero Polaco. Entraram Lucianinho, Murilo, Samuel. Montes Claros: Rodriguinho, Diogo, Lorena, Piá, Acácio, e o líbero Tiago. Entraram: Ezinho, Thiago, Deivid, Wesley.

Ernesto Araújo, 36, cruzeirense, webdesign, nasceu em Belo Horizonte, mora em Santos-SP.