Posts com a Tag ‘associados’

O Cruzeiro não está quebrado

terça-feira, 3 de agosto de 2010

Mensagem enviada pelo João Chiabi Duarte:

Prezados:

Como anda a situação financeira do Cruzeiro?

Compartilho o pouco que sei e tenho lido, visto e ouvido de pessoas que estão no meio do futebol a respeito do tema, em 10 tópicos:

1. O Cruzeiro não está quebrado. Hoje, entre os grandes clubes do Brasil, é um dos menos deve. Pelo que pude apurar as nossa dívidas reais beiram a casa dos R$100 milhões, mas, quase toda bem equacionada (REFIS, IR, INSS etc).

2. Mesmo tendo alcançado junto ao BMG um patrocínio naster destacado como o melhor de sua história, o Cruzeiro em 2010 está sendo penalizado por:

  • Queda acentuada de bilheteria, notadamente após o fechamento do Mineirão.
  • Queda acentuada de receita com o Sócio do Futebol com a perda de 15 mil associados (R$60 x 15 mil = R$900.000 / mês).
  • A folha salarial foi onerada pela manutenção do elenco, tendo como balizador o Kleber, fato que provocou substancial elevação nos salários de outros jogadores. Também por mérito deles, é bom que se diga.
  • Não ter realizado nenhuma venda expressiva. Até o 7° mês do ano, o Cruzeiro teve como venda mais importante o repasse de 50% de Kleber ao Palmeiras (ainda dividido com o parceiro EMS Pharma) por R$6,5  milhões.

3. Com isto o déficit mensal hoje é da ordem de R$1 milhão / mês.

4. O Cruzeiro tem, segundo consta no BID, um número muito grande de jogadores sob contrato (em torno de 200 segundo alguns colegas, mas há que se confirmar porque podem estar sendo incluídos todos os atletas da base nesta contagem… Sem dúvida, é a quantidade é maior do que a dos demais clubes da série A), emprestados a times menores. Muitos desses jogadores são pagos com subsídio do Cruzeiro. ISe isto for confirmado, pode ser uma das razões de sangria do caixa. Até aqui, isto é mera suposição, pois essa rubrica não foi aberta nas últimas prestações de contas do clube.

5. Outro ponto importante e muito comentado: o Cruzeiro tem um clube de estrutura pesada e custos fixos elevados, que precisa ser ajustado para ter contas dentro de parâmetros mais condizentes para uma organização de seu porte. Isto talvez justifique as saídas de Claret e Maluf, entre outros. Pode ser que a contenção já esteja sendo feita.

6. Também é um fato o baixo índice de aproveitamento de pratas-da-casa nos últimos tempos. A base custa ao clube perto de R$700 mil / mês. Uma das razões pelas quais o Zezé Perrela puxou Dimas Fonseca para a gestão do futebol profissional foi exatamente ele ter feito uma gestão severa na base, com expressiva redução de custos. Ora, se hoje o dispêndio supera os R$8 milhões anuais, o retorno é baixíssimo, pois, apenas Guilherme e Diego Renan se firmaram entre os titulares nos últimos 4 anos, o que é muito pouco.

7. Nos últimos tempos, o Cruzeiro teve vários jogadores que ficaram muito tempo parados, o que afeta os gastos ao impedir estabilidade e repetição de escalações. Os treinadores viviam improvisando. Alguns Casos:

  • Sorin, Athirson e Fernandinho em 2009 (simultâneas).
  • Gilberto e Roger em 2010.
  • Luizão, Leo Fortunato, Leonardo Silva e Thiago Heleno, recentemente.
  • Kleber no 2° semestre de 2009.
  • Fabinho, Paraná, Ramires, Jonathan, Henrique, Gérson Magrão foram improvisados várias vezes nos últimos tempos.
  • Araújo, Gil, Elber, Sandro, Thiago Gosling, Luizão, Kerlon tiveram longas temporadas de recuperação. São desperdícios que precisam ser melhor avaliadas pela comissão técnica, Departamentos Médico, Fisiologia, Fisioterapia etc.

8. Um outro motivo alegado por muitos é a política de contratações do clube nos últimos tempos. Vamos relembrar alguns casos para avaliá-los:

  • Jogadores contratados como solução de problemas e que pouco jogaram:  Jael (nem jogou), Luizão (nem jogou), Leandro Silva (na volta do Porto, foi outro que não jogou nem 10% das partidas), Sorin (nesta 3ª passagem), Thiago Gosling (jogou muito pouco nesta 2ª passagem), Kieza (ninguém sabe porque veio), Alessandro (pouco jogou), Anderson Lessa (pouco jogou e mesmo sem ter ido mal, foi colocado na lista de dispensáveis).
  • Jogadores contratados, que foram colocados em clubes parceiros: Radar, Matheus, Evandro, Fahel, Eraldo, Márcio Guerreiro, Davi etc. Foram investimentos que só deram prejuízo..

Durante bom tempo, o time ficou sem jogadores pra zaga, lateral-esquerda, armação (camisa 10) e com excesso de volantes por exemplo. Adílson se virou e era um show de Elicarlos de lateral-direito, raramente jogando em sua função de origem (o garoto, que é muito bom de bola, acabou se queimando junto ao torcedor, especialmente com quem assiste aos jogos com o fonezinho no ouvido). Magalhães, Vinícius, Neguette, Bernardo e Dudú (neste caso, a indisciplina pesou contra os jovens de grande talento e que tem tudo ainda para fazerem história no clube), Eliandro, Rafael e até Sebá foram chamuscados pelo imediatismo do torcedor e por terem sido lançados fora de hora.

9. Como cruzeirenses, temos que fazer o possível pelo clube, mas sem a sanha da revanche ou da vingança. Sem a pecha de anti-isto ou anti-aquilo. Conheço vários conselheiros do Cruzeiro que são gente do bem, que estão a anos a fio a dar a sua contribuição ao clube, como os irmãos José Francisco e Hermínio Lemos, Dr. José Ramos, os irmãos Paulo César e Flávio Carvalho, os irmãos Peluzzo, meu primo Maurício Duarte, Dr. Djalma Fernandes, Dr. Gilvan Tavares, Dr. João Carlos Gontijo, Dr. Célio Elias, Dr. Ronaldo Nazaré, Ângelo Cattabriga, os irmãos Fernando, Célio e Lúcio de Souza, meu grande primo pelo outro lado familiar e conselheiro presente que é Clemenceau Chiabi Saliba Jr., José Maria Fialho, Marcinho Atacadista, entre tantos outros. Não aceito generalizar e dizer que nosso conselho seja gente sem opinião, algo que os detratores dos Irmãos Perrella tentam passar à opinião pública.

10. Finalmente, creio que o Cruzeiro vai começar o processo de reversão ainda este ano. Teremos de mudar um pouco a visão quanto às tais parcerias e focar num grupo menor de jogadores. Mesclar grandes talentos às jovens promessas que o clube tem condições de revelar. Não podemos continuar revelando jogadores e os repassar para ver se estouram no Ipatinga, Cabofriense, Nacional da Ilha da Madeira ou Sporting de Braga. E de mais a mais, já está passando da hora de parar de fazer negócios com os portugueses. Tenho a impressão de sempre estamos levando a pior. Melhor seria continuar a negociar com franceses e russos (rs, rs, rs).

Saudações Azuis,

João Chiabi Duarte

Comentários Retidos: Mensagem Explicativa

segunda-feira, 7 de junho de 2010

Algumas explicações sobre mensagens retidas. Temos três tipos de bloqueio aos comentários:

  1. Por regras estabelecidas pelo(s) administrador(es)  (e.g – primeiro comentário, comentário com mais de um link etc)
  2. Bloqueados por suspeita de SPAM conforme regras da ferramenta WordPress (e.g – palavras proibidas etc)
  3. Enviados diretamente pra lixeira por regras definidas previamente (e.g. – palavras de SPAM etc)

Um quarto motivo para retenção de comentários é pelo tamanho. O tamanho máximo para comentários é de 800 (oitocentos) caracteres. Se este limite é atingido não adianta deletar alguns para ser publicado pois o comentário será retido. Se for criada uma nova linha de comentário que ultrapasse os 800 caracteres também haverá retenção.

Nossos índices de Falsos Positivos têm sido baixíssimos, quase insignificantes, o que comprova, para quem sabe do que estamos falando, que nossos critérios são altamente relevantes e corretos.

Fazemos moderação prévia de IPs somente em originadores de mensagens consideradas impróprios com base no que foi postado anteriormente.

Comentários iniciais de “novos” usuários são previamente retidos para verificarmos a procedência.

Não deveríamos ficar explicando isso pois NENHUM comentarista faz este tipo de questionamento em NENHUM Blog profissional.

Mas fazem no nosso por estarem mal acostumados com respostas no tempo de cada um.

Em consideração aos comentaristas que utilizam o serviço corretamente é que publicamos estas explicações.

Bloqueamos “novos” inscritos para que os leitores não tenham que ler alguns comentários ofensivos e invasivos de adversários e até mesmo de pseudo-cruzeirenses e outros que têm como objetivo avacalhar o espaço para provocar descrédito.

Sempre bloquearemos e lutaremos contra este tipo de usuário de Internet. Por isso, nosso Blog e muitos outros serviços Cruzeiro.Org são reconhecidos pela qualidade, pelos cruzeirenses e até pela própria mídia e outros sites “concorrentes”, por isto manteremos nossa política.

Nossos recursos (humanos e financeiros) não nos permitem atender a todos instantâneamente. Criticar é fácil, ajudar fazendo alguma coisa é quase impossível.

O Blogueiro ou qualquer outro editor de posts, NÃO tem nenhuma responsabilidade por bloquear, liberar ou moderar quem quer que seja. E

sta atividade cabe, exclusivamente, ao(s) administrador(es) do Blog e do Site.

Se o blogueiro libera comentários, o faz devido a sua dedicação e atenção para os que escrevem.

As reclamações devem ser dirigidas a webmaster@cruzeiro.org e não ao blogueiro ou feita no próprio PHD.

Aceitamos ajuda. Não precisa ser especialista em Internet ou tecnologia para ser colaborador. Só exigimos e pedimos o entedimento do que é cooperação para construir.

Tudo explicado, alertamos que, a aprtir de agora, deletaremos TODOS os comentários, mesmo depois de publicados, que tratem sobre estas dúvidas e pedidos para liberação mesmo com os prejuízos para a ordenação dos comentários caso os mesmos sejam colocados em locais impróprios.

Se alguém se interessar por discutir as mudanças de regras de moderação do Blog, Site, Lista, MSN, Orkut, Twitter e outros serviços associados ao Cruzeiro.Org devem se dirigir ao Portal do Cruzeirense ( www.portaldocruzeirense.com.br ) e tratar do tema, exclusivamente lá, no sub-fórum / tópico destinado exclusivamente a este fim.

Administração Cruzeiro.Org

Estrupício inevitável

segunda-feira, 18 de janeiro de 2010
  • “As coisas estão no mundo, só que eu preciso aprender…” (Paulinho da Viola)

Tá bom, a camisa do Cruzeiro está feia. Aquele outdoor laranja ficou um estrupício.

Mas pra reclamar e peitar patrocinador é preciso ter bala na agulha.

O Cruzeiro tem?

(mais…)

É preciso valorizar as pequenas alegrias

sábado, 16 de janeiro de 2010

Leio que o Corintiãs fechou patrocínio de R$50 milhões. Deixou no chinelo os R$38 milhões do São Paulo, os R$28 milhões do Fla e e os R$18 milhões do Inter.

Palmeiras, com a Traffic, e Fluminense, com a Unimed, têm parceiros endinheirados.

O Botafogo, da Liquigás, e Vasco, da Eletrobras, foram adotados pelo Governo Federal. Boquinhas de primeira!

Inter e Grêmio se viram com suas dezenas de milhares de associados. Gente trabalhadaora, essa gauchada!

Enquanto isto, o Cruzeiro põe a mãe, digo, a camisa na zona em troca de R$10 milhões. E se vangloria de ter 10 mil associados, se tanto.

Não é à toa que o presidente Zezé Perrella fica agoniado com a perspectiva da janela se fechar sem conseguir emplacar a venda de algum titular.

Mas, se trabalharmos diretim, tenho fé de que continuarmos a merecer nosso papel de coadjuvantes no futebol brasileiro.

Esta semana, sem falta, renovarei a assinatura da Revista do Cruzeiro e pagarei as anuidades da Sede Campestre e do Sócio do Futebol.

Prometo também, se encontrar algum exemplar na CruzeiroMania, me presentear com a camisa oficial.

Eu pago pra cornetar. E pra ter o prazer de disputar, de novo, uma vaga no G4.

Afinal, “é preciso valorizar as pequenas e possíveis alegrias”. Foi a lição que li, algures, escrita pelo filósofo goiano-lacustre, Velho Damas.

P.S.: Obviamente, o Mineiro nem vou comemorar. Este não passa de um torneio rural, garente ZZP. É provável até que aproveite as tardes no Mineirão pra tirar pestanas, como se fosse um multinick.

Aristóteles Lodi, palestrino de primeira hora

sábado, 2 de janeiro de 2010

                                              Ouro Preto, 10abr95; Vitória, 29mar68

O estádio do Palestra Itália, na Avenida Paraopeba -atual Augusto de Lima- foi o palco do jogo Cascatinha 8×1 Veteranos, em 03mai31.

Formado por ex-atletas do Palestra, o Cascatinha jogou com

  • Limões, Nocchi e Pede; Baptista, Palu e Bepe; Valério, Gallo, Ruffolo, Hespanhol e Ciccone.

O Veteranos tinha os seguintes dirigentes e fundadores do Palestra:

  • Lage, Lavalle e José Necésio do Carmo; Juca Savassi, Lydio Lunardi e Hamleto Magnavacca; Jeronymo Corte Real, Hugo Savassi, Tolentino Miraglia, Plínio Lodi e Aristóteles Lodi.

Encerrada a partida de 80 minutos, os times se dissolveram e jamais se enfrentaram novamente.

O que não acabou tão cedo foi o festival, um dos muitos organizados para preencher os domingos sem partidas do campeonato da cidade.

O Estado de Minas de 05mai31 contou como foi a festa:

  • “O programa esportivo da festa do Palestra no domingo, cuidadosamente escolhido, estava composto de corridas, saltos, jogos de basketeball e, por fim, uma partida de foot-ball entre os veteranos palestrinos… Findou a festa com grande distribuição de chopps, doces etc que entreteve o pessoal no campo dos periquitos até o cahir da noite.”

Cascatinha era nome do bar onde jogadores, diretores e adeptos do Palestra se reuniam pra tomar chope, jogar bocha e discutir futebol.

Ficava na Tupinambás com Afonso Pena e tinha, entre seus frequentadores os irmãos Plínio e Aristóteles Lodi, a ala esquerda dos Veteranos.

Palestrinos de primeira hora, os Lodi participaram das reuniões preparatórias para a criação da Società Sportiva Palestra Italia, realizadas nos fundos da Casa Ranieri, em dezembro de 1920.

Estiveram também na assembléia de fundação, na Casa D’ Itália -Tamoios, entre Espírito Santo e Rio de Janeiro-, em 02jan21.

A Família Lodi veio de Crevalcore, comuna próxima a Bologna, na região da Emilia Romagna.

O patriarca Evaristo, nascido em 05out1866, casou-se, no Brasil, com Celestina Mazzonetti, nascida em Vicenza, no Veneto, em 06out1872.

O casal estabeleceu-se em Ouro Preto, onde Evaristo instalou um armazém de secos e molhados.

Com a fundação de Belo Horizonte, eles se mudaram para a nova Capital, de olho nas oportunidades oferecidas por uma cidade em construção.

Foi assim que surgiu a Casa Evaristo Lodi -Tupinambás com São Francisco (atual Olegário Maciel)-, fornecedora de ferragens para as obras da cidade.

Aristóteles, filho mais velho de Evaristo, foi quem redigiu a verbale da fundação do Palestra.

A ata foi escrita em italiano, a língua familiar dos 72 participantes da reunião.

Em 1928, Elvira Lodi, irmã de Arsitóteles e Plínio, foi eleitapelos associados, uma das grã-duquesas do Palestra.

Durante a gestão de Lydio Lunardi -1931/32-, Aristóteles foi tesoureiro e Plínio, diretor social do clube periquito.

Nos Anos 30, os Lodi começaram a se afastar do Palestra. Elvira casou-se com o artilheiro Ninão e mudou-se pra Roma em 1931, quando o marido foi contratado pela Lazio.

Em 1935, Plínio e Aristóteles, junto com seus irmãos Osmundo e Álvaro, fundaram uma marcenaria em Belo Horizonte. Nessa época eram apenas torcedores de um clube que havia se profissionalizado.

Em 1940, mudaram-se para Aimorés, fronteira entre Minas e Espírito Santo, onde instalaram uma serraria e nunca mais voltaram a Belo Horizonte.

Virgínia Lodi, filha de Aristóteles, conta que, numa das habituais crises financeiras do Athletico, seus dirigentes pediram conselhos a Aristóteles.

Prontamente, seu pai subiu a colina de Lourdes e passou algumas semanas organizando a contabilidade do rival citadino.

Para os Lodi, o esporte ia além das rivalidades de campo. Como tantos adeptos do amadorismo, que se opuseram ao profissionalismo, o futebol deveria unir, jamais separar as pessoas.

Este princípio está expresso nos versos que o centroavante do Veteranos, Tolentino Miraglia, escreveu para o Hino do Palestra, composto pelo Maestro Arrigo Buzzacchi, em 1922.

  • Que seja o Palestra, / escola elevada / por nós consagrada / à força e ao valor / Porque se de fato / na luta renhida / tão bela partida / soubemos ganhar / não temos conosco / razão que nos há de / cortar a amizade / e os ódios gerar

Os Lodi retiraram-se do esporte na hora certa. A nova ordem, surgida com a adoção do profissionalismo, não correspondia ao que eles imaginavam ser o papel do esporte.

Nos Anos 30, a rivalidade entre os clubes mineiros acirrou-se a ponto de campeonatos serem interrompidos, ligas dissidentes formadas e conflitos nos estádios se generalizarem.

No auge das disputas, as duas maiores cidades de Minas, Belo Horizonte e Juiz de Fora, romperam relações esportivas impedindo a formação de uma única liga profissional.

Foi nessa época que os Lodi e, com eles, grande parte dos jogadores do Cascatinha e do Veteranos, quase todos mecenas do Palestra, abandonaram o futebol.

Eles deixaram dois legados.

A lição de que o esporte deve servir pra fazer amigos e, sobretudo, o Cruzeiro Esporte Clube que, hoje, completa 89 anos muito bem vividos.

  • Livro: Páginas Heróicas, vol II.

Leopoldo Moura, um cruzeirense acadêmico

quinta-feira, 17 de dezembro de 2009

Este é o Leopoldo Moura Jr., autor de posts instigantes, cruzeirense desde os tempos da Academia Celeste.

  1. Nome, data de nascimento, bairro onde mora: Leopoldo Corrêa Moura Júnior, 26mar56, moro no Sion, em Belo Horizonte, cidade em que nasci.
  2. Família Moura: Meus pais são Leopoldo e Aretusa. Ele trabalhava na Atlantic, antiga empresa de petróleo, onde era representante comercial (na época, chamavam de “viajante”) e ela dona de casa. Entre os meus, os seus e os nossos (meu pai se casou 3 vezes), os irmãos formam um time de vôlei: 4 rapazes e 2 moças.
  3. Escolas: Instituto de Educação, colégios Arnaldo e Logosófico, Universidade Católica (Economia)  e UFMG (Letras e Demografia Econômica na Face/Cedeplar, ambos incompletos).
  4. Trabalho: Sou auditor de tributos da Prefeitura de Belo Horizonte.
  5. (mais…)

Diogo Lara, cruzeirense racional

segunda-feira, 14 de dezembro de 2009

Diogo Lara é um torcedor racional. Embora seja pouco mais que um garoto, pensa e age  como se fosse um sujeito vivido, calejado, experimentado.

Ele aprendeu a conciliar amor pelo clube com capacidade de raciocinar. Não é fácil. Confiram sua trajetória de fanático com olhos bem abertos.

  1. Nome, data de nascimento, cidade onde mora. Diogo Pinto Lara, 25ago82, Belo Horizonte. Moro no Bairro Santa Rosa, em Niterói-RJ.
  2. Nome dos pais e irmãos e o que eles fazem? Ronei, comerciante de veículos, e Cirlene, professora do ensino fundamental. Não tenho irmãos.
  3. Onde vc estudou? Colégio Militar de Belo Horizonte e Escola de Economia da UFMG.
  4. Profissão? Economista. Trabalho no BNDES.
  5. (mais…)

O público do Cruzeiro

sábado, 5 de dezembro de 2009

Levantamento do jornalista Gilmar Laignier, publicado no Superesportes em 30nov09, revela o público e a renda do Cruzeiro jogando em casa nesta temporada.

Médias de público pagante e de renda:

  • Campeonato Mineiro: 18.335 torcedores e R$320.029,61
  • Copa Libertadores: 41.269 torcedores e R$1.125.333,43
  • Campeonato Brasileiro: 21.993 torcedores e R$374.210,32
  • Números dos 35 jogos: 24.897 torcedores e R$510.445,62.

Como os Diários Associados não ficaram sabendo do jogo Cruzeiro 2×1 Argentinos Juniors, na despedida de Sorín, este jogo não está computado.

(mais…)