Posts com a Tag ‘Asamoah Gyan’

Os melhores da Copa 2010

domingo, 11 de julho de 2010

Minha seleção da Copa 2010:

  • Iker Casillas
  • Maicon Douglas, Lúcio Ferreira, Per Mertesacker, Carlos Salcido;
  • Bstien Schweinsteiger e Sergio Busquets
  • Thomas Müller, Diego Forlán, Wesley Sneijder
  • Asamoah Gyan
  • Craque: Diego Forlán
  • Revelação: Thomas Müller
  • Treinador: Oscar Tabárez
  • Juiz: Viktor Kassai
  • Melhores jogos: Alemanha 4×1 Inglaterra, Alemanha 4xo Argentina, Alemanha 3×2 Uruguai, Holanda 3×2 Uruguai, Brasil 3×1 Costa do Marfim, Gana 1×1 Uruguai.
  • Pior jogo: Espanha 1×0 Holanda.

Ficou meio capenga pela esquerda, mas não por culpa minha.

Os 10 Melhores da Copa

domingo, 11 de julho de 2010

Estes são os jogadores indicados pela Fifa pra disputar o título de Melhor da Copa.

  1. Diego Forlán, Uruguai
  2. Asamoah Gyan, Gana
  3. Andres Iniesta, Espanha
  4. Lionel Messi, Argentina
  5. Mesut Özil, Alemanha
  6. Arjen Robben, Holanda
  7. Bastian Schweinsteiger, Alemanha
  8. Wesley Sneijder, Holanda
  9. David Villa, Espanha
  10. Xavi, Espanha

Snejder, Iniesta, Xavi ou Villa, um dos finalistas deve ser o escolhido. Como a sonífera Espanha deve ser a vencedora, a lista de dez deve se transfomar em lista tríplice.

Eu escolheria um sul-americano. E não seria o Messi, que só fez espuma na competição. Pra mim, o melhorm foi Diego Forlán, que levou o Pequeno Notável, o Uruguai, de volta ao mapa do futebol.

Uruguai 1(4)x1(2) Gana: Eterna Celeste Olímpica

sexta-feira, 2 de julho de 2010

Às 15h30 (Brasília), no Soccer City, em Joanesburgo, Uruguai e Gana decidem quem vai às semifinais com arbitragem do português Olegário Benquerença.

Milovan Rajevac escalará Gana no 4-1-4-1 com o artilheiro Asamoah Gyan exercendo a centroavância e Annan a volância.

Oscar Tabárez escala o time charrua no 4-3-1-2 e sua chave da vitória está no trio avançado, Cavani, Suarez e Forlán. (mais…)

Estrelas Negras: organização e sucesso

quinta-feira, 1 de julho de 2010

Mauro França

A expectativa que havia quanto a um bom desempenho das principais Seleções africanas nesta Copa não se concretizou. Camarões, Costa do Marfim e Nigéria não passaram da fase de grupos. Apenas Gana correspondeu e salvou o continente de um fracasso total.

Ao vencer os Estados Unidos e se classificar para as quartas de final, Gana já igualou as melhores campanhas africanas na história das Copas (Camarões em 90, Senegal em 2002). E pode ir além, se passar pelo Uruguai na próxima sexta-feira.

Seria o sucesso das Estrelas Negras uma obra do acaso? Não é o que parece. A força de Gana se baseia em uma combinação de talento individual, força física e organização dentro e fora dos gramados.

Com efeito, Gana tem sido quase uma exceção em meio à desorganização que grassa na maioria das Federações africanas. E por isso tem colhido resultados significativos nos últimos anos. Na Copa de 2006, já havia sido a única Seleção africana a se classificar para as oitavas de final. Em seguida, foi campeã mundial Sub-20 em 2009 e vice da última Copa Africana de Nações, disputada em janeiro de 2010.

No comando técnico das Estrelas Negras desde agosto 2008, o sérvio Milovan Rajevac desfruta de estabilidade pouco comum nas demais Seleções. Apesar de pouco badalado, este ex-zagueiro conseguiu montar um time consistente, organizado e aplicado.

Gana não pratica um futebol ofensivo, irresponsável, de toques envolventes e malabarismos. No lugar do espetáculo, apresenta força e explosão. Não faz muitos gols –foram apenas quatro neste Mundial, dois de pênalti. Em compensação, se defende muito bem.

A Federação Ganesa impôs um rígido código de conduta aos jogadores, com o objetivo de manter a disciplina e evitar brigas e divisões internas comuns nas Seleções africanas. O badalado Muntari não foi convocado para a Copa Africana por conta de indisciplina. E quase foi cortado da Copa, por ter discutido com o treinador após o empate com a Austrália.

A situação é bem diferente nas outras Seleções. A Costa do Marfim teve cinco técnicos desde 2008. O último deles, o sueco Sven-Goran Eriksson foi contratado apenas três meses antes da Copa. Mesmo contando com grandes talentos individuais, os Elefantes não funcionam como time. Para complicar, brigas internas ocasionaram a divisão do elenco.

A Nigéria já teve seis treinadores desde 2006. O sueco Lars Lagerback assumiu após a Copa Africana e, sem tempo para trabalhar, não conseguiu dar um padrão à equipe. Alguns veteranos expuseram publicamente insatisfação com seus métodos e decisões. Em Camarões, os jogadores chegaram a impor um esquema e a escalação do time ao técnico Paul Le Guen. Houve também racha entre veteranos e os mais jovens.

Na contramão, Gana conseguiu mesclar experiência com juventude e fortaleceu ainda mais o grupo. Treze jogadores estiveram na Alemanha em 2006. Nove fizeram parte da Seleção Sub-20 campeã mundial em 2009.

O ótimo goleiro Richard Kingson (31 anos) e o defensor John Pantsil (29) disputaram os 8 jogos que Gana fez até aqui em Copas. Andre Ayew (20), filho de Abedi Pelé, maior ídolo do futebol ganês, Kevin-Price Boateng (23) e o artilheiro Asamoah Gyan (25), que marcou três dos quatro gols ganeses na Copa, também são destaques.

As opções disponíveis são tantas que jogadores como Sulley Ali Muntari (25), Stephen Appiah (30) e Dominic Adiyah (21), chuteira e bola de ouro do último Mundial Sub-20, são opções de banco. É relevante notar que mesmo com a ausência, por contusão, de Michael Essien (27), considerado o melhor jogador ganês, a equipe manteve um bom nível.

Gana está diante do desafio de alcançar uma inédita semifinal de Copa do Mundo. De acordo com Milovan Rajevac, as Estrelas Negras estão preparados: 

  • “Não vejo pressão alguma. Nós já provamos que podemos competir com os adversários. Não temos nenhuma obrigação de vencer e vamos aproveitar esta oportunidade para fazer o melhor. Estou orgulhoso do que estamos fazendo. É um trabalho duro, mas que está dando resultados.”

Mauro França, 57, cruzeirense, economiário, historiador, nasceu em Sete Lagoas, mora em Belo Horizonte.

Cobras e bagres

terça-feira, 29 de junho de 2010

Esta é a minha seleção da Copa até as oitavas de final:

  • Eduardo Carvalho;
  • Maicon Douglas, Lúcio Ferreira, Juan Santos, Carlos Salcido;
  • Bastien Schweinsteiger;
  • Mesut Özil, Wesley Snejder;
  • Pablo Forlán;
  • David Villa, Asamoah Gyan.
  • Tec: Dunga

E esta a contra-seleção:

  • Robert Green;
  • Jonas Gutierrez, Christian Poulsen, Martin Demichelis, Patrice Evra;
  • An Yong Hak, Kim Kum Il, Achille Emana;
  • Fernando Torres, Jon Tomasson, Nicolas Anelka.
  • Tec: Domenech

N.B.: Minha mãe está precisando de 08 doadores de qualquer tipo de sangue. Pra quem puder ajudar, o nome dela é Terezinha Caldeira Nunes e o hospital é a Santa Casa de Belo Horizonte. Muito obrigado, Marcos Alexandre Soy Loco Por Tri 2010.

Gana 2×1 USA: Orgulho africano

sábado, 26 de junho de 2010

Às 15h30 (Brasília), no Estádio Real Bafokeng, em Rustemburgo, Estados Unidos e Gana decidem quem enfrentará o Uruguai nas quartas de final da Copa 2010.

As duas equipes jogarão no 4-4-2. O meia atacante Landon Donovan, entre os americanos, e o centroavante Asamoah Gyan, entre os ganeses, são os principais jogadores da partida.

O americano Michael Bradley e o ganês Kevin-Prince Boateng, ambos armadores, são outras atrações.

Os bons goleiros Kingson e Howard serão obstáculos difíceis a serem ultrapassados pelos craques das duas seleções.

Gana, pelo retrospecto de suas seleções menores, pela experiência de jogadores que atuam em ligas européias e pelo apoio da torcida, é favorita. Mas os americanos costumam superar-se quando inferiorizados.

O húngaro Viktor Kassai será o Juiz. (mais…)

Gana 1×1 Austrália: Decisão só na rodada final

sábado, 19 de junho de 2010

Às 11h (horário de Brasília), no Estádio Royal Bafokeng, em Rustemburgo, pela 2ª rodada do Grupo D, Gana e Austrália jogam, a primeira pra se classificar, a segunda pra entrar na briga por uma vaga nas oitavas de final da Copa.

Rajevac porá Gana pra jogar no 4-2-3-1 com Asamoah Gyan exercendo a centroavância com sua grande força e razoável habilidade. Entre as estrelas negras, há outros asamoahs e alguns boatengs, nenhum, contudo, com a relevância do centroavante.

A Austrália de Verbeek também vai num 4-2-3-1, mas sem TIim Cahill, seu atacante referencial, que viu o cartão vermelho em riste na derrota contra a Alemanha. Kennedy vai substituí-lo.

O italiano Roberto Rossetti será o Juiz.

*****

(mais…)