Semana 50: Muitas sondagens, nenhum negócio

Por SÍNDICO | Em 19 de dezembro de 2018

Notícias do Cruzeiro na SEMANA 50 de 2018, por MAURO FRANÇA:

SEGUNDA, 10DEZ18. SELECIONADOS do Cruzeiro no Troféu Guará: Fábio, Leo, Dedé, Egídio, Arrascaeta, Neves, Henrique, Itair, Mano, Eduardo Silva. /// PIRES DE SÁ recebe título de cidadão honorário de Belo Horizonte. /// ZERO HORA informa que Neves e Grêmio já têm  acordo salarial para uma transferência.

TERÇA, 11DEZ18. CRUZEIRO 0x1 INTERNACIONAL. Copa RS, quartas de final, Sesc, PoA. Cruzeiro: Brazão; Luiz Gustavo, Edu, Jonathan, Rafael Santos (Caio); Rômulo, Adriano (Matheus), Laércio (Marco Antônio), Michel (Maurício), Marcelo (João Luiz); Leonardo (Popó). T: Resende. /// MANCUELLO interessa ao San Lorenzo. /// CNRD dá ganho de causa ao Atlético Mineiro na ação movida contra Fred. Cruzeiro emite nota oficial contestando a decisão.

QUARTA, 12DEZ18. PROPOSTA do Corinthians por Sassá é recusada. /// ITAIR: “Procurador do Sassá me ligou hoje. Disse que estava com o presidente do Corinthians e ofereceu R$10 milhões mais o atacante Clayson pela parte do Cruzeiro no passe doa atleta”. /// CRUZEIRO recebe proposta de troca de Thiago Neves por Diego Ribas, feita pelo agente dos jogadores. /// TAUBATÉ FUNVIC 0x3 SADA CRUZEIRO (16/25, 23/25, 24/26). Superliga, 9ª rodada, Abaeté, Taubaté. Cruzeiro: Cachopa, Evandro, Sander, Rodriguinho, Le Roux, Isac, Serginho + Sandro, Luan, Leozinho. T: Mendez.

QUINTA, 13DEZ18. CORINTHIANS desmente informação de Itair Machado sobre proposta por Sassá. Cruzeiro responde em nota oficial, mantendo o que foi dito. /// PRESIDENTE do Grêmio descarta contratação de Thiago Neves. /// BRAZÃO, goleiro de 18 anos,  convocado pra disputa do Sul-Americano Sub20, no Chile, em janeiro. /// GIULIANO BERTOLUCCI, empresário, cobra na Justiça dívida pela compra de 45% dos direitos de Bryan, em 2016. Cruzeiro pagou apenas 2 de 10 parcelas.

SEXTA, 14DEZ18. RENATO KAYZER vai se apresentar na Toca II em 03Jan, segundo seu agente. Mano quer observar o jogador. /// MARCINHO, lateral-direito de 22 anos, do Botafogo, recebe sondagem do Cruzeiro. /// BARCOS pode deixar o clube. /// CRUZEIRO 3×3 PARANAENSE, Copinha Sub14, 1ª rodada, Porto Feliz, São Paulo. Gols: Leandro, Victor, João. /// RAFAEL SANTOS, lateral-esquerdo de 20 anos, do Sub20, pertence ao Mirassol e custa R$500 mil). ///  LAÉRCIO, atacante de 20 anos, do Sub20, pertence ao Salgueiro e custa R$600 mil. 

SÁBADO, 15DEZ18. PITUCA, volante de 26 anos, do Santos, interessa ao Cruzeiro. Multa rescisória é de R$8 milhões. /// DEPORTIVO BRASIL 2×0 CRUZEIRO. Copinha Sub14, 2ª rodada, Porto Feliz, São Paulo. /// SADA CRUZEIRO conquista o estadual nas categorias Sub15 e Sub16, com vitórias sobre o Minas Tênis Clube. /// SADA CRUZEIRO 3×1 SESC RIO (23/25, 25/22, 25/17, 26/24). Superliga, 10ª rodada, Riacho, Contagem Cruzeiro: Cachopa, Luan, Sander, Rodriguinho, Isac, Le Roux, Serginho + Sandro, Evandro, Leozinho, Bauer. T: Mendez.

DOMINGO, 16DEZ18. RODINEI, lateral-direito de 26 anos, do Flamengo, recebe sondagem do Cruzeiro. /// CRUZEIRO 1×3 BOTAFOGO. Copinha Sub14, 3ª rodada, Porto Feliz, São Paulo. Gol: Joshefer. Cruzeiro eliminado. /// ATLETISMO: Ivamar Oliveira e Selma Flaviana venceram a 1ª edição da Corrida do Cruzeiro do Vale do Aço, em Ipatinga. Reginaldo Silva foi 2º.  Gleison Santos venceu a 2ª Corrida da Polícia Federal de Maceió. André Aparecido venceu a Corrida Solidária de Brumadinho. Jayme Cordeiro foi 3º no 3º Desafio do Barreiro de Araxá.

59 comentários para “Semana 50: Muitas sondagens, nenhum negócio”

  1. SÍNDICO disse:

    LE ROUX: “França merecia mais no Mundial e nas Olimpíadas” (entrevista concedida a Euclides Bomfim Neto, do Saída de rede) Aos 29 anos, o francês Kevin Le Roux tem desfrutado de sua primeira experiência no voleibol brasileiro. Apesar da queda precoce do Sada Cruzeiro no Mundial de clubes e da saudade dos familiares, o central de 2,09m garante estar desfrutando do que o país e, mais precisamente, Minas Gerais podem oferecer. “A vida é muito, muito boa no Brasil”, comenta o atleta, em entrevista exclusiva para o Saída de Rede. ———-Um dos representantes mais destacados da talentosa geração francesa que também conta com o ponteiro Earvin N’gapeth, o levantador Benjamin Toniutti e o líbero Jenia Grebennikov, Le Roux admite que as eliminações precoces na Olimpíada de 2016, no Europeu de 2017 e no Mundial de 2018 foram decepcionantes, mas não atribui os maus resultados à pressão do favoritismo. “A ausência de bons resultados foi por causa dos erros que cometemos e não por causa de um eventual status de favorita”, assegura o jogador, que lamenta também as lesões que afetaram companheiros de equipe e ele mesmo nestas competições. “Poderíamos ter feito melhor e merecíamos mais “, afirma. ———- Na visão do meio-de-rede, a França precisa seguir em frente e tentar compensar os maus resultados em grandes competições nos próximos anos. Um dos principais rivais, claro, será o Brasil que, para o jogador, continua com o mesmo poderio apesar da troca do técnico Bernardinho por Renan Dal Zotto, há quase dois anos. “Se os brasileiros tiverem vontade de continuar a ter bons resultados –e eles são capazes disso–, o farão, jogarão ao máximo”.

    • SÍNDICO disse:

      Qual a sua avaliação do Mundial de clubes? Foi uma bela experiencia, mas infelizmente perdemos duas partidas nas quais poderíamos ter um melhor resultado. Fiquei decepcionado. Quando te convidaram para jogar pelo Sada Cruzeiro? Qual foi a sua primeira reação à proposta? Foi logo após a final da Liga das Nações, em Lille. Fiquei muito feliz. Quem não quer jogar no Brasil? Só tem duas vagas por equipe e essas vagas são muito caras. Não podia negar. Fiquei surpreso, mas muito feliz! Sua adaptação ao Brasil está sendo boa? Como você foi recebido pelos colegas? Tem sido muito boa. A vida é muito, muito boa no Brasil. Tudo está indo realmente bem. Eu fui muito bem recebido pelos colegas, fiquei bastante contente.

      • SÍNDICO disse:

        Tecnicamente, o que você acha da Superliga brasileira até o momento? É um bom campeonato: são cinco ou seis grandes equipes disputando os quatro primeiros lugares. No geral, o campeonato é muito bom. As viagens são tranquilas porque as equipes ficam mais ou menos na mesma região, entre São Paulo, Rio, Belo Horizonte e Paraná. Tudo está indo muito bem. Foi difícil de sair da França pela primeira vez para jogar em um país estrangeiro (Piacenza, 2013, antes de jogar na Coreia do Sul, Turquia e Rússia)? Nunca é fácil. Primeiro, é preciso ter a boa oportunidade para poder ir para o exterior, atuar num bom clube. Nunca é fácil. Por exemplo: agora eu estou no Brasil, mas você sempre sente saudade da namorada, da família, dos amigos… Ainda que eu seja um pouco “mais velho”, é difícil morar sozinho no exterior, ainda que tudo esteja bem no clube e em sua vida cotidiana.

      • SÍNDICO disse:

        Em 2007, você chegou a ser contratado pelo Dínamo Moscou, mas a experiência foi curta. Por que ficou tão pouco tempo por lá? Não fui eu quem foi embora, mas sim fui mandado de volta. Machuquei as costas e eles não ficaram muito contentes em me ver parado. Não queriam que eu parasse de jogar, de forma que não pude descansar e nem me tratar. No final, eles se encheram e me mandaram de volta. Mas valeu pela experiência, ainda que ela tenha sido curta.: O cotidiano com o grupo da seleção francesa é sempre descontraído nas concentrações? Sim, claro. É muito prazeroso de rever todo mundo na temporada de seleções ou em qualquer outra competição. A gente sabe que cada um deu duro em seus clubes, então é muito legal se reencontrar e ver que o nosso nível evoluiu. É sempre uma festa.

      • SÍNDICO disse:

        Quais foram suas maiores alegrias e tristezas na seleção? As grandes alegrias são várias, como quando ganhamos a Liga Mundial no Brasil pela primeira vez em 2015 e o Europeu logo depois. É uma enorme alegria quando a gente ganha uma grande competição. Já as tristezas foram ter perdido as Olimpíadas, o Europeu de 2017 e também o Mundial. Não traçamos a trajetória que deveríamos ter feito, então, é sempre um pouco decepcionante e, claro, triste. Eu digo triste, pois sabemos que poderíamos ter feito melhor e que merecíamos mais. A França viveu um longo período sem grandes resultados e esta geração da qual você faz parte mudou radicalmente o nível de jogo, colocando o país como favorito em todas as competições que participa. Esse status foi um peso para o grupo? Todo mundo esperava muito de nós, com certeza, visto que já vínhamos trazendo bons resultados há alguns anos. Mas eu não me senti na posição de equipe favorita. Fiz meu trabalho intensamente, ao máximo. A ausência de bons resultados foi por causa dos erros que cometemos e não por causa de um eventual status de favorita. Esse talentoso grupo foi mal nos últimos Mundiais e Olimpíadas. Na sua opinião, o que faltou nessas competições?. Durante as competições, alguns jogadores sofreram lesões, como eu no Mundial de 2018, por exemplo. E, quando você não está com a equipe completa, é sempre muito complicado. Infelizmente, a gente não ganhou, mas são coisas que acontecem. Todo atleta acaba falhando em alguma competição. Cabe a nós de continuar a evoluir e seguir em frente.

      • SÍNDICO disse:

        O que N’gapeth trouxe de mais importante pra seleção francesa? Earvin costuma fazer jogadas inesperadas, o que deixa os adversários malucos. Isso é o melhor que traz, além da sua técnica e vigor. Como você vê seleção brasileira antes e depois da saída do técnico Bernardinho? Ele era um ótimo técnico e o Brasil teve muitas conquistas com ele, mas equipe continua a mesma, tirando um ou dois jogadores a mais. Se os jogadores tiverem vontade de continuar a ter bons resultados –e eles são capazes disso–, eles o farão, jogarão ao máximo. Eu não acho que a mudança de técnico atrapalhe isso. Quem era o seu ídolo no início da carreira? Dominique Daquin, um dos maiores centrais franceses e, talvez, até da Europa. Eu até o vi recentemente. Adorava o jogo dele, ele era realmente meu ídolo.: E hoje em dia, qual jogador você admira? Hoje em dia, não tenho ídolo. O momento é de total dedicação ao meu vôlei.

  2. SÍNDICO disse:

    26 NOTÍCIAS, com 477 palavras, média de 18.

  3. SÍNDICO disse:

    VALE A PENA comprar os direitos econômicos do lateral Rafael e do atacante Laércio, ambos com 20 anos?

  4. SÍNDICO disse:

    SADA CRUZEIRO está entrando de novo nos eixos. Grandes vitórias sobre Minas, Taubaté e Sesc.

  5. SÍNDICO disse:

    RODINEI joga mais bola que Ezequiel? Joga mais que Romero?

  6. SÍNDICO disse:

    KAYZER é um substituto confiável pra Arrascaeta, caso o uruguaio seja vendido?

    • Matheus Penido disse:

      Não.

    • Tolentino disse:

      Jamais. Arrascaeta hoje é acima da média. Não tem jogador disponível no mercado com estas características.

    • Bruno 7L RJ disse:

      Não. Mas é bom pra compor o grupo.

    • Fernandão disse:

      Kayzer tem utilidade para ser sombra do Robinho, que possivelmente vai ocupar o lugar do Neves, que deve sair. Pro lugar que o Robinho ocupa, eu rezo todo dia pra vir alguém ou o David firmar. Uma temporada a essa altura do campeonato com o Rafinha de titular, meu coração não aguenta.

    • Rafael Freire disse:

      Ja substituimos Palhinha por Palacios, Dida por Maizena, Alex por Adriano Gabiru e Everton RIbeiro por Gabriel Xavier. Cedo ou tarde isso vai acontecer e o valor do Dolar nao vai mudar por causa disso, so dar tempo ao tempo e vera que bem gelada, ate que da pra descer essa Kaiser

  7. SÍNDICO disse:

    PITUCA ou Nonoca?

  8. SÍNDICO disse:

    THIAGO NEVES por Diego Ribas é bom negócio?

  9. SÍNDICO disse:

    MANCUELLO merece mais uma temporada pra recuperar seu antigo futebol?

    • Matheus Penido disse:

      Tá querendo vazar…

    • Tolentino disse:

      Se não voltar ao futebol argentino e tiver motivação será peça muito importante. Como foi este ano, atuando em diversas posições, mesmo bem aquém do futebol que o levou a seleção argentina. Não negociaria ele, nem o Bruno Silva, a não ser por uma grana que cubra os valores das contratações.

    • Fernandão disse:

      Não. Manda o empresário dele para a Argentina. Fala com o caboclo “vende por qualquer dinheiro, rachamos no meio”. Não é possível que nem um milhão de pesos esse peso (morto) vale.

  10. SÍNDICO disse:

    GALLARDO ou MANO?

  11. SÍNDICO disse:

    Tecnicamente, o que você acha da Superliga brasileira até o momento? É um bom campeonato: são cinco ou seis grandes equipes disputando os quatro primeiros lugares. No geral, o campeonato é muito bom. As viagens são tranquilas porque as equipes ficam mais ou menos na mesma região, entre São Paulo, Rio, Belo Horizonte e Paraná. Tudo está indo muito bem. Foi difícil de sair da França pela primeira vez para jogar em um país estrangeiro (Piacenza, 2013, antes de jogar na Coreia do Sul, Turquia e Rússia)? Nunca é fácil. Primeiro, é preciso ter a boa oportunidade para poder ir para o exterior, atuar num bom clube. Nunca é fácil. Por exemplo: agora eu estou no Brasil, mas você sempre sente saudade da namorada, da família, dos amigos… Ainda que eu seja um pouco “mais velho”, é difícil morar sozinho no exterior, ainda que tudo esteja bem no clube e em sua vida cotidiana.

    • SÍNDICO disse:

      Em 2007, você chegou a ser contratado pelo Dínamo Moscou, mas a experiência foi curta. Por que ficou tão pouco tempo por lá? Não fui eu quem foi embora, mas sim fui mandado de volta. Machuquei as costas e eles não ficaram muito contentes em me ver parado. Não queriam que eu parasse de jogar, de forma que não pude descansar e nem me tratar. No final, eles se encheram e me mandaram de volta. Mas valeu pela experiência, ainda que ela tenha sido curta.: O cotidiano com o grupo da seleção francesa é sempre descontraído nas concentrações? Sim, claro. É muito prazeroso de rever todo mundo na temporada de seleções ou em qualquer outra competição. A gente sabe que cada um deu duro em seus clubes, então é muito legal se reencontrar e ver que o nosso nível evoluiu. É sempre uma festa.

    • SÍNDICO disse:

      Quais foram suas maiores alegrias e tristezas na seleção? As grandes alegrias são várias, como quando ganhamos a Liga Mundial no Brasil pela primeira vez em 2015 e o Europeu logo depois. É uma enorme alegria quando a gente ganha uma grande competição. Já as tristezas foram ter perdido as Olimpíadas, o Europeu de 2017 e também o Mundial. Não traçamos a trajetória que deveríamos ter feito, então, é sempre um pouco decepcionante e, claro, triste. Eu digo triste, pois sabemos que poderíamos ter feito melhor e que merecíamos mais. A França viveu um longo período sem grandes resultados e esta geração da qual você faz parte mudou radicalmente o nível de jogo, colocando o país como favorito em todas as competições que participa. Esse status foi um peso para o grupo? Todo mundo esperava muito de nós, com certeza, visto que já vínhamos trazendo bons resultados há alguns anos. Mas eu não me senti na posição de equipe favorita. Fiz meu trabalho intensamente, ao máximo. A ausência de bons resultados foi por causa dos erros que cometemos e não por causa de um eventual status de favorita. Esse talentoso grupo foi mal nos últimos Mundiais e Olimpíadas. Na sua opinião, o que faltou nessas competições?. Durante as competições, alguns jogadores sofreram lesões, como eu no Mundial de 2018, por exemplo. E, quando você não está com a equipe completa, é sempre muito complicado. Infelizmente, a gente não ganhou, mas são coisas que acontecem. Todo atleta acaba falhando em alguma competição. Cabe a nós de continuar a evoluir e seguir em frente.

    • SÍNDICO disse:

      O que N’gapeth trouxe de mais importante pra seleção francesa? Earvin costuma fazer jogadas inesperadas, o que deixa os adversários malucos. Isso é o melhor que traz, além da sua técnica e vigor. Como você vê seleção brasileira antes e depois da saída do técnico Bernardinho? Ele era um ótimo técnico e o Brasil teve muitas conquistas com ele, mas equipe continua a mesma, tirando um ou dois jogadores a mais. Se os jogadores tiverem vontade de continuar a ter bons resultados –e eles são capazes disso–, eles o farão, jogarão ao máximo. Eu não acho que a mudança de técnico atrapalhe isso. Quem era o seu ídolo no início da carreira? Dominique Daquin, um dos maiores centrais franceses e, talvez, até da Europa. Eu até o vi recentemente. Adorava o jogo dele, ele era realmente meu ídolo.: E hoje em dia, qual jogador você admira? Hoje em dia, não tenho ídolo. O momento é de total dedicação ao meu vôlei.

  12. Tolentino disse:

    Reforço mesmo será a saída de altos salários do time como Rafael Sobis, Manoel, Neves, Edílson, Mano e afins. Isso sim seria um reforço aos cofres e uma demonstração que nossos dirigentes estão cientes da fossa que o clube está se atolando.

  13. Tolentino disse:

    GUGA, que está indo para o Atlético Mineiro é muito bom jogador. Enquanto Itair vai atrás dessa draga do Rodinei, propondo gastar tubos de dinheiro inexistentes nos cofres celestes -já que o tal Edílson não conseguiu emplacar- as frangas vão bem ao mercado oferecendo apenas dois refugos ao time da Ilha. E refugos para o Cruzeiro oferecer ao Leão, tem muitos.

  14. Celeste disse:

    MAURO, parabéns! Time de vôlei tomou o elevador… Dezembro é um mês ruim, sai o futebol e entra o ITM e suas trapalhadas.

  15. Fernandão disse:

    São Paulo contratou o Pablo. 7 parcelas de 1Mi de euros. Vai pagar em 3 anos e meio, cada parcela a cada seis meses. Algum time no mundo toparia um negócio desses se o comprador fosse o Cruzeiro?

  16. SÍNDICO disse:

    REAL MADRID 3×1 KASHIMA ANTLERS, 19dez18qua12h. LOCAL: Zayed Sports City Stadium (43 mil), Abu Dhabi, Emirados Árabes Unidos. ÁRBITRO: Wilton Sampaio (Brasil). AMARELOS: Carvajal, Yamamoto. GOLS: Bale, 43, 53, 55, Shoma, 77. KASHIMA: Sun-Tae Kwoun; Nishi (Anzai), Seung-Hyeon Jung, Gen Shoji, Shuto Yamamoto; Yasushi Endo (Leandro), Ryota Nagaki (Uchida), Leo Silva, Abe; Serginho, Shoma Doi. T: Go Oiwa. REAL: Courtois; Carvajal, Varane, Ramos, Marcelo; Llorente, Kroos, Modric, Vázquez (Isco); Bale (Asensio, Casemiro), Benzema. T: Solari.