Retranca providencial: lição estratégica, tática e operacional

Por SÍNDICO | Em 29 de agosto de 2010

Marcel Fleming

Fosse Cuca um Executivo e teria feito jus a um bônus em ações pelo jogo contra o Corinthians.

Começando a sentir a pressão pelos resultados anteriores, Cuca traçou a meta de vencer o jogo. Ponto. Não havia muita opção. Não só para agradar a quem fica de fora, mas também para que a cabeça dos jogadores ficasse mais tranqüila.

Sabendo que a missão era dura, dado o passeio de domingo do adversário sobre o SPFC, Cuca traçou a Estratégia: defender primeiro.

Definida a estratégia, Cuca armou taticamente o time de maneira a fazer uma marcação que raramente se vê no futebol brasileiro. Não vou perder tempo, descrevendo-a, até porque já o fizeram aqui no PHD, e de maneira bem competente.

Cuca fez o certo para o momento: os 3 pontos foram mais que bem vindos. O Cruzeiro neste momento é um time em reestruturação – coisa que imprensa insiste em esquecer. É um time que está “trocando o motor em voo”. E precisávamos desses 3 pontos de qualquer maneira. E a maneira que o Cuca encontrou surtiu efeito. Ponto para o Cuca. Aliás, 3 pontos para o Cuca.

Mas o que me impressionou foi o “operacional”. O Cruzeiro conseguiu manter a marcação forte os 90 minutos e, de fato, melhorou-a no segundo tempo, em que o SCCP praticamente não chegou.

Considerando-se o padrão típico dos times brasileiros em geral, e do Cruzeiro em particular, manter tal marcação quase os 90 minutos serviu para demonstrar algumas coisas interessantes e, para mim, foi um alento após a derrota para o Vitória.

Deixei de lado minha vontade de ver um futebol bonito e ofensivo, coisa que o Cruzeiro já fez muitas vezes e fiquei contente em ver que o time tem condições de ser pragmático e competitivo.

Mais ainda, serviu para ver que o Cuca tem liderança sobre o time.

Foi muito bom ver a aplicação tática dos jogadores. Eles precisavam dessa vitória e dava a impressão que fizeram um pacto de verdade por ela.

Se pudesse dar um conselho a Cuca seria o seguinte: não tente apressar demais as coisas. Não se preocupe em prometer jogo bonito e ofensivo para satisfazer outros. Não se esqueça que o SPFC foi campeão 3 anos seguidos com um time que quase não tomava gol e ganhava de 0,5 a zero, mas ganhava.

E nós torcedores temos um ótimo momento para apoiar e mostrar aos detratores que cruzeirense é torcedor sim… Vamos reconhecer o esforço e dedicação do time e criar um ciclo psicológico virtuoso.

Quero mais 3 pontos no sábado!

De bate-pronto

Eu sempre prometo a mim mesmo que não comentarei mais a “imprensa-torcedora”. Mas não consigo. Os comentários da imprensa são tendenciosos e dão atestado de falta de isenção e incompetência de comentaristas. Em especial, achei lamentáveis os comentários de Juca Kfouri e Bob Faria.

Surpreendeu-me, positivamente, a isenção do comentarista ex-jogador corintiano, Neto. Foi isento nos comentários, mesmo deixando transparecer certa torcida para o SCCP. O que torna ainda mais louvável a isenção dele em avaliar a arbitragem e a postura do time do Cruzeiro.

JK se superou. Conseguiu ver “graves erros de arbitragem”. Eu consegui ver um “erro” de arbitragem: J. Henrique do SCCP deveria levar 2 amarelos. Houve um lance em que ele deu um carrinho e deveria ter sido amarelado antes daquela vez em que o foi efetivamente.

14 comentários para “Retranca providencial: lição estratégica, tática e operacional”

  1. Diogo Lara disse:

    Concordo contigo sobre a vitória contrao Curintians…Acho que o Cruzeiro jogou bem principalmente o segunto tempo…E acho que muitas vezes podemos jogar bem sem jogar bonito…Não é o meu estilo de jogo ideal, gostode time que mantem a posse de bola, pois acho que ter posse de bola é a melor estratégia para não tomargol, ora se a bola tá comigo não tá com o adversário). Mas o fato é que no segundo tempo, apesar de jogar trancado na defesa, o Corinthians com a posse de bola, o time passou muita cofiança…

  2. Diogo Lara disse:

    Mas tbm acho que o time do Curinthians não tem um criador no meio e padece de bons atacantes, o que nos facilitou…Portanto, não sei se contra times mais criativos poderíamos ser tão passivos…

  3. Boa tarde, Diogo.. tá indo para São Januário ?… depois manda suas impressões por aqui. Abraço e bom jogo para nós

  4. A analise do Marcelo sobre a atual situação do Cruzeiro x Técnico da equipe foi muito boa, sua visão mostra o que esta acontecendo com o “Universo” Cruzeiro. Estou ficando impressionado com a qualidade e análises aqui no PHD nos Post como também na maioria dos comentários quando são escritos com a razão e não com o coração e especialmente com magoas… hehehe. Muito legar parabéns a todos e ao Marcelo pelo Post excelente. Que venha o Bacalhau!

  5. Alex Martins AMC disse:

    Lembro da partida do Cruzeiro contra o Fluminense do Cuca ano passado no Mineirão, o Cruzeiro começo em cima, marcou dois gols e ainda errou um penalti com o tosco, o Flu tentava uma marcação no seu campo tentando sair rápido com o Alan,Mariano,Maicon e Fred.Tomou dois gols no primeiro tempo, mas no segundo acetou a marcação , fez um gol de escanteio e os outros dois foram de jogadas rápidas pelas laterais com o Fred fechando o caixão do Cruzeiro.Parece que este é o estilo que o Cuca gosta, marcação forte com três zagueiros (naquele jogo eles jogavam com os três zagueiros), atrair o adversario para tentar matar nos contra-ataques.O Botafogo tambem jogava assim no periodo em que ele era o tecnico.

  6. Walterson disse:

    Não comentei na época e nem sei se falaram isto mas o que o Cuca estava preparando caso o time levasse o primeiro gol? Será que aquele esquema funcionaria tendo de correr atrás de resultado?

    • Naldo disse:

      Não há como saber, mas o gol no início do jogo e o pênalti defendido pelo Fábio logo em seguida foram fundamentáis para da vitória.

  7. Naldo disse:

    Belo texto Fleming! Naquele jogo tudo o que o Cruzeiro precisava era de uma vitória, qualquer coisa diferente disto seria péssimo. Jogar bonito e não levar, arrancar empate no sufoco, nada disso serviria. Neste jogo, para dar mais emoção, até pênalti o Fábio defendeu. Valeu mesmo Cuca e seus comandados.

  8. Jorge Santana disse:

    Seria interessante comparar as atuações do Cruzeiro contra Corintiãs e Vasco. Em São Januário o time foi mais equilibrado. Mas em nenhum dos jogos deu a impressão de que pode sonhar muito alto. Só uma sequência de 3 ou 4 grandes vitórias daria certeza de que o G4 é uma possibilidade concreta.

  9. Romarol disse:

    O.T: Ranking interessante: http://migre.me/1a9NA

  10. Edu Mano disse:

    Olha… eu tenho alternado sentimentos distintos, rs. O Flú é o líder do campeonato, mas no jogo contra eles – fora de casa – fomos muito bem e a derrota foi um acidente. O Botafogo não é estas maravilhas, e vencemos o poderoso time da Globo, o Corinthians. O que quero dizer é que, se bobearmos menos, dá para chegar… é possível.

    Mas tem vezes que estas bobeadas (comum a todos) deixam a gente com a pulga atraz da orelha.

    O importante é perceber que o time tem evoluído e – tomara – use esta evolução para conseguir as vitórias que tem nos escapado.