Dedé e Leo seguraram oi rojão

Por SÍNDICO | Em 15 de abril de 2018

ATUAÇÕES dos protagonistas do CRUZEIRO 0x1 GRÊMIO, neste 14abr18sab16h, no Mineirão, Belo Horizonte, 1ª rodada do Brasileiro 2018:

HISTÓRICO: 74 jogos. Cruzeiro venceu 33, empatou 19, perdeu 22, marcou 94 gols, levou 73. Pelo Brasileiro, foram 53 jogos. Cruzeiro venceu 23, empatou 14, perdeu 17, marcou 69 e sofreu 60 gols. Pela Libertadores, 6 jogos. Cruzeiro venceu 3, empatou 2 e perdeu 1. Foram 29 jogos nos estádios do Grêmio (Olímpico e Humaitá). Cruzeiro venceu 6, empatou 10, perdeu 14, marcou 20 gols e sofreu 35. Cruzeiro e Grêmio já decidiram um título, a Copa do Brasil 93. No Olímpico, 0×0; no Mineirão, Cruzeiro 2×1. 

TORCIDA CELESTE mostrou que aprecia mais o Rural do que o Morrinhão. Compareceu em quantidade bem inferior aos jogos do estadual e não teve ânimo pra empurrar o time o tempo todo. Teve lampejos de entusiasmo e nada mais.

FÁBIO não teve culpa no gol, praticou uma defesaça num chute de Everton e mais não fez porque o adversário não exigiu.

EDÍLSON começou bem, buscando a linha de fundo pra cruzar, mas caiu na real, quando percebeu que Everton estava esfogueado e recolheu-se à lateral, passando a maior parte do jogo despercebido.

DEDÉ foi driblado, perdeu disputas diretas, apelou pra falta quando as pernas não ajudam a acompanhar o atacante adversário, fez ligações direitas inúteis e não impediu gol de bola cruzada. Mas também venceu disputas direitas, cortou bolas pelo alto e por baixo. Foi, enfim, um jogador de futebol normal e não um Deus, como torcedores afoitos garantiam que seria. E é melhor que assim seja, pois, time que se fia em milagreiros não se ajusta no coletivo, o que é o mais importante.

LEO marcou bem, rebateu bem, fez coberturas precisas de Dedé e Egídio. O melhor do jogo. Sem fazer estardalhaço.

EGÍDIO foi driblado no lance do gol e isto foi tudo o que o torcedor de rede viu. Os lances em que ele venceu as disputas e o apoio ao ataque não foram registrados pelo olhar viciado dos tolos.

HENRIQUE fez uma excelente partida, como quase sempre. Mesmo diante do melhor meio de campo do futebol brasileiro, deu jeito de apoiar o ataque algumas vezes. Na marcação, ficou mais recuado e centralizado, posto que os ponteiros recuaram muito pra dobrar a marcação nas laterais, dispensando-o de correr feito louco pra coberturas, como em outros jogos.

CABRAL fez uma partida discreta, mas não ruim, como os chatos estão escrevendo nas redes. Marcou por zona, deu bons passes e, só uma vez, tirou o terno, vestiu o macacão, abriu a caixa de ferramentas e deu marretada no adversário. Prum volante argentino, uma cacetada só até que não foi demais. Saiu pra entrada de Mancuello, um volante mais ofensivo.

ROBINHO ajudou muito a defesa, recuando pra dobrar a marcação. Deve ter sido por isto, que pouco criou no ataque. saiu mais cedo, pro time ter dois homens de área.

NEVES não ajudou muito na marcação, não criou jogadas, nem finalizou. Na etapa inicial, por falta de um atacante com quem dialogar, pois Sobis resolver jogar na defesa. Na etapa final, tinha Sassá na área, mas parece ter faltado fôlego.

ARRASCAETA foi o melhor do meio pra frente, buscando as jogadas individuais, já que o time não funcionva coletivamente. Ajudou a defesa pelo lado esquerdo e, por pouco, não empatou a partida numa finalização de prima nos estertores do jogo.

SOBIS não foi nove, nem falso nove. Resolveu, por conta própria ser secretário do Edílson, irritando o técnico que o sacou no intervalo. Foi, a bem da verdade, um bom secretário de lateral, mas não era disso que o time precisava.

MANCUELLO entrou pra criar jogadas de ataque e foi o que tentou fazer. Em seu melhor momento, quase empatou o jogo com bela finalização.

SASSÁ brigou muito, mas sem ajuda, pois o time celeste parece não saber o que fazer com um centroavante.

MARQUES entrou pra jogar na área e, quem sabe, se valer de sua altura pra cabecear uma bola decisiva. Mas ele não teve bola pra fazer o que se pedia, até porque Dedé, que virou centroavante, é mais eficiente neste quesito e não deixa passar bola alta.

MANO acertou ao não expor seu time num jogo franco desde o início. O Grêmio não pode ter facilidades, pois tem um entrosamento invejável. Assim, os meias recuaram pra ajudar os laterais, os volantes saíram pouco e os laterais atacaram ainda menos. Houve exageros, como Sobis secretariando Edílson. Com a entrada de Sassá, os beques do Grêmio tiveram o que fazer, mas o centroavante não recebeu bons passes, nem lançamentos e bolas cruzadas. Quem precisava criar as jogadas não fez o que devia. Neves e Robinho passaram em branco no quesito criatividade. Arrascaeta buscou as jogadas individuais e deu trabalho à defesa adversária. Finalmente, Mancuello, que entrou pra organizar o meio e o ataque, não teve com quem dialogar e limitou-se a uma boa finalização. O Cruzeiro não teve volume, embora tenha criado ao menos três boas chances de gol, tantas quando o Grêmio. Mas a sensação foi a de que os gaúchos massacraram, tamanha a posse de bola que tiveram. Mas não foi bem isto o que aconteceu e o placar magro é o que melhor traduz o jogo real e não o das redes sociais, sempre dramáticas.

CRUZEIRO foi dominado e mereceu a derrota, mas não como se leu nas redes, onde o caso foi de vareio, massacre, ficar na roda e sandices que tais. No fim das contas, teve tantas chances de gol quanto o adversário. A estratégia parece ter sido deixar o Grêmio jogar, mas bloquear as laterais pra evitar as bolas cruzadas. E foi assim, de bola cruzada, que levou o gol. Do goleiro aos volantes, o time fez boa partida. Na frente, foi cada um por si, sem jogo coletivo.

GRÊMIO fez seu jogo habitual, com toque de bola caprichado e marcação ajustada. Teve volume de jogo, mas criou pouco pra tanta posse de bola. Everton, Arthur, Ramiro, Cícero e Maicon foram os destaques. Grohe apareceu bem quando foi exigido, Miranda dominou a área e os laterais, Moura e Cortez, se apresentaram pro jogo. De chato, a cera. Como sempre, depois que faz seu gol, o tricolor não deixa o jogo seguir.

ÁRBITROS aplicaram as regras do jogo. Só reclamou deles quem é muito burro e não entende da missa metade.

MelhorDoJogo => DEDÉ [[[12]]] Vilela, Barros, Rosan, Barreto, Gil, Rocha, Dourado, Klauss, Soares, Vanda, Patrícia, Dudu —– LEO [[[9]]] Daniel, Penido, Morato, Viana, Velame, Leo, França, Síndico, Pedro —– HENRIQUE [[[1]]] Romarol —– ARRASCAETA [[[1]]] Barnabé —– FÁBIO [[[1]]] Ccc —–MANO [[[2]]] Drumond, Gesoco —– ARTHUR [[[4]]] Itatiaia, Geisel, Bohrer, Marco —– EVERTON [[[4]]] Terra, Knijnik, Setelagoas, Julim —– RAMIRO [[[1]]] Walterson —– PORTALUPPI [[[2]]] Jottar, Sá.

105 comentários para “Dedé e Leo seguraram oi rojão”

  1. SÍNDICO disse:

    TORCIDA CELESTE mostrou que aprecia mais o Rural do que o Morrinhão. Compareceu em quantidade bem inferior aos jogos do estadual e não teve ânimo pra empurrar o time o tempo todo. Teve lampejos de entusiasmo e nada mais.

  2. SÍNDICO disse:

    FÁBIO não teve culpa no gol, praticou uma defesaça num chute de Everton e mais não fez porque o adversário não exigiu.

  3. SÍNDICO disse:

    EDÍLSON começou bem, buscando a linha de fundo pra cruzar, mas caiu na real, quando percebeu que Everton estava enfoguetado e recolheu-se à lateral, passando a maior parte do jogo despercebido.

  4. SÍNDICO disse:

    DEDÉ foi driblado, perdeu disputas diretas, apelou pra falta quando as pernas não ajudam a acompanhar o atacante adversário, fez ligações direitas inúteis e não impediu gol de bola cruzada. Mas também venceu disputas direitas, cortou bolas pelo alto e por baixo. Foi, enfim, um jogador de futebol normal e não um Deus, como torcedores afoitos garantiam que seria. E é melhor que assim seja, pois time que se fia em milagreiros não se ajusta no coletivo, o que é o mais importante.

    • raher disse:

      Que despeito absurdo por Dedé ser um beque que agrada a maioria e ser sem duvida o unico titular desse time na zaga.

  5. SÍNDICO disse:

    EGÍDIO foi driblado no lance do gol e isto foi tudo o que o torcedor de rede viu. Os lances em que ele venceu as disputas e o apoio ao ataque não foram registrados pelo olhar viciado dos tolos.

  6. SÍNDICO disse:

    HENRIQUE fez uma excelente partida, como quase sempre. Mesmo diante do melhor meio de campo do futebol brasileiro, deu jeito de apoiar o ataque algumas vezes. Na marcação, ficou mais recuado e centralizado, posto que os ponteiros recuaram muito pra dobrar a marcação nas laterais, dispensando-o de correr feito louco pra coberturas, como em outros jogos.

  7. SÍNDICO disse:

    CABRAL fez uma partida discreta, mas não ruim, como os chatos estão escrevendo nas redes. Marcou por zona, deu bons passes e, só uma vez, tirou o terno, vestiu o macacão, abriu a caixa de ferramentas e deu marretada no adversário. Prum volante argentino, uma cacetada só até que não foi demais. Saiu pra entrada de Mancuello, um volante mais ofensivo.

  8. SÍNDICO disse:

    ROBINHO ajudou muito a defesa, recuando pra dobrar a marcação. Deve ter sido por isto, que pouco criou no ataque. saiu mais cedo, pro time ter dois homens de área.

  9. SÍNDICO disse:

    NEVES não ajudou muito na marcação, não criou jogadas, nem finalizou. Na etapa inicial, por falta de um atacante com quem dialogar, pois Sobis resolver jogar na defesa. Na etapa final, tinha Sassá na área, mas parece ter faltado fôlego.

  10. SÍNDICO disse:

    ARRASCAETA foi o melhor do meio pra frente, buscando as jogadas individuais, já que o time não funcionva coletivamente. Ajudou a defesa pelo lado esquerdo e, por pouco, não empatou a partida numa finalização de prima nos extertores do jogo.

  11. SÍNDICO disse:

    SOBIS não foi nove, nem falso nove. Resolveu, por conta própria ser secretário do Edílson, irritando o técnico que o sacou no intervalo. Foi, a bem da verdade, um bom secretário de lateral, mas não era disso que o time precisava.

    • BrunoBarros disse:

      Resolveu por conta própria é igual o Mano falando que faltou vigor. Caô. O Sobis foi pra direita numa inversão ordenada pelo técnico, com o Robinho. Ele faz isso direto e é a única tentativa de variação do sempre proposto, uma suposta “alteração tática”. Caô 2. Trata-se de mais do mesmo, 6 por meia dúzia, via de regra dá em nada. Na história do futebol. Mas ele acredita que funciona.

  12. SÍNDICO disse:

    MANCUELLO entrou pra criar jogadas de ataque e foi o que tentou fazer. Em seu melhor momento, quase empatou o jogo com bela finalização.

  13. SÍNDICO disse:

    SASSÁ brigou muito, mas sem ajuda, pois o time celeste parece não saber o que fazer com um centroavante.

  14. SÍNDICO disse:

    MARQUES entrou pra jogar na área e, quem sabe, se valer de sua altura pra cabecear uma bola decisiva. Mas ele não teve bola pra fazer o que se pedia, até porque Dedé, que virou centroavante, é mais eficiente neste quesito e não deixa passar bola alta.

  15. SÍNDICO disse:

    MANO acertou ao não expor seu time num jogo franco desde o início. O Grêmio não pode ter facilidades, pois tem um entrosamento invejável. Assim, os meias recuaram pra ajudar os laterais, os volantes saíram pouco e os laterais atacaram ainda menos. Houve exageros, como Sobis secretariando Edílson. Com a entrada de Sassá, os beques do Grêmio tiveram o que fazer, mas o centroavante não recebeu bons passes, nem lançamentos e bolas cruzadas. Quem precisava criar as jogadas não fez o que devia. Neves e Robinho passaram em branco no quesito criatividade. Arrascaeta buscou as jogadas individuais e deu trabalho à defesa adversária. Finalmente, Mancuello, que entrou pra organizar o meio e o ataque, não teve com quem dialogar e limitou-se a uma boa finalização. O Cruzeiro não teve volume, embora tenha criado ao menos três boas chances de gol, tantas quando o Grêmio. Mas a sensação foi a de que os gaúchos massacraram, tamanha a posse de bola que tiveram. Mas não foi bem isto o que aconteceu e o placar magro é o que melhor traduz o jogo real e não o das redes sociais, sempre dramáticas.

  16. SÍNDICO disse:

    CRUZEIRO foi dominado e mereceu a derrota, mas não como se leu nas redes, onde o caso foi de vareio, massacre, ficar na roda e sandices que tais. No fim das contas, teve tantas chances de gol quanto o adversário. A estratégia parece ter sido deixar o Grêmio jogar, mas bloquear as laterais pra evitar as bolas cruzadas. E foi assim, de bola cruzada, que levou o gol. Do goleiro aos volantes, o time fez boa partida. Na frente, foi cada um por si, sem jogo coletivo.

  17. SÍNDICO disse:

    GRÊMIO fez seu jogo habitual, com toque de bola caprichado e marcação ajustada. Teve volume de jogo, mas criou pouco pra tanta posse de bola. Everton, Arthur, Ramiro, Cícero e Maicon foram os destaques. Grohe apareceu bem quando foi exigido, Miranda dominou a área e os laterais, Moura e Cortez, se apresentaram pro jogo. De chato, a cera. Como sempre, depois que faz seu gol, o tricolor não deixa o jogo seguir.

  18. SÍNDICO disse:

    ÁRBITROS aplicaram as regras do jogo. Só reclamou deles quem é muito burro e não entende da missa metade.

    • Bruno 7L RJ disse:

      Juizada aliviou nosso lado, isso sim.

      • SÍNDICO disse:

        Papo furado. Atuação escorreita. Zero erro.

      • Bruno 7L RJ disse:

        Entrada do Edilson e Sassá, dois lances claros pra amarelo. Houveram outros lances.

      • Romarol disse:

        O árbitro errou somente em não aplicar um cartão amarelo no Edilson, logo no início do jogo. No restante da partida, atuação perfeita. Destaco ainda os 7 minutos de acréscimos na etapa final. Na LA 2017, após o Grêmio fazer o gol no Botafogo, no jogo da volta em Porto Alegre, a partida acabou. Não houve mais futebol daquele instante em diante. Ontem, eles tentaram fazer o mesmo. Um clube desse porte e o futebol que o time possui, não precisa de utilizar dessa artimanha largamente utilizada nesse fim de mundo.

      • SÍNDICO disse:

        Sete minutos de acréscimo foi foi pouco. Só na expulsão do beque botineiro, os caras surrupiaram 5 minutos de jogo.

      • matheus t penido disse:

        O beque argentino entrou feito uma carreta desgovernada no Arrascaeta e depois ainda deu aquele chilique. Os sete minutos foram adequados à cera feita pelo Grêmio. Errinho por errinho, sua Senhoria também andou marcando faltas claramente cavadas pelos gaúchos. Enfim, foi uma boa arbitragem.

      • Bruno 7L RJ disse:

        A 1ª do Sassá foi pra cartão tbm. E o lance do Edilson foi início do jogo. Complicado um defensor jogar amarelado o jogo todo com um azogue como o Everton em cima.

    • BrunoBarros disse:

      Cabral fez hora extra em campo. Deveria ter sido expulso naquela agressão ao jogador do Grêmio. Sobre o jogo fazia boa partida, a melhor dos últimos jogos, e sua saída pra entrada do Mancuello, nova mania do Mano, mais uma vez se mostrou inócua.

  19. Jotta R disse:

    Mdj: Renato Gaúcho. Curso Uefa que nada!

  20. Bruno 7L RJ disse:

    EVERTON

  21. Romarol disse:

    Difícil, na partida de ontem, o torcedor afirmar se tomamos ou não um vareio de bola contra o Grêmio. Com certeza, os treinadores e os jogadores podem se pronunciar melhor sobre essa assertiva do que os profissionais da imprensa e os torcedores. O que os treinadores e os jogadores fazem ao final da partida é praticar a famosa “pescaria”.

    • Romarol disse:

      O principal motivo da assimetria da informação é que há duas variáveis importantes numa partida: o plano de jogo e o resultado do jogo. O resultado do jogo é visível para todos, porém, o plano de jogo somente os profissionais de cada clube sabem o que foi traçado.

    • Romarol disse:

      O treinador prepara o plano de jogo com diversos cenários antes da partida e cada jogador individualmente possui o seu plano e a sua atribuição para a concretização do plano da equipe.

    • Romarolx disse:

      Assim, como saber se o Cruzeiro tomou uma sova do Grêmio? Somente o treinador e os jogadores poderão concretamente responder. Fato é que o resultado foi 1×0 para o adversário com 67% de posse de bola. Mas somente o resultado, em si, não pode dizer que foi uma surra ou não.

    • Romarol disse:

      Vamos divagar sobre algumas situações hipotéticas:

    • Romarol disse:

      1) O Cruzeiro planejou entregar a bola para o adversário e ser objetivo no contra-ataque para vencer a partida. Nesse caso, o contra ataque não funcionou e a vitória também não foi atingida.

    • Romarol disse:

      2) O Cruzeiro tinha o plano de propor o jogo e obter a vitória. Nesse caso, podemos considerar que foi um vareio jamais visto na história do Mineirão, depois dos 7×1, pois o que vimos em campo foi justamente o contrário.

    • Romarol disse:

      3) O Grêmio planejou propor o jogo e criar inúmeras jogadas de ataque para vencer a partida. Nesse caso, o plano foi parcialmente realizado com a vitória sendo atingida. Vimos na partida de ontem que o Grêmio foi muito pouco objetivo no ataque.

    • Romarol disse:

      4) O Grêmio planejou ter a posse de bola, o máximo possível, para não proporcionar oportunidades ao adversário. O objetivo era buscar pelo menos o empate. Nesse caso, o plano de jogo foi atingido como também o resultado.

    • Romarol disse:

      Assim, podemos enumerar outras hipóteses. Somente quero realçar que o torcedor normalmente não possui a informação do plano de jogo, o que faz que o resultado da partida influencie fortemente na sua análise.

    • Romarol disse:

      Dessa forma, não conhecendo o plano, os comentários dos torcedores ao final das partidas são influenciados pelo resultado. Imaginemos, se o resultado final da partida de ontem, fosse o empate ou a virada do Cruzeiro, com as poucas chances reais de gol terem sido aproveitadas. Com certeza, haveria comentários desse tipo:

    • Romarol disse:

      O Cruzeiro não deixou o Grêmio criar e foi venal no ataque. O Grêmio dominou a partida e o resultado foi injusto.

    • Romarol disse:

      Sem saber o verdadeiro plano de jogo, é difícil avaliar o treinador e os jogadores. Muitas vezes, o plano de jogo foi totalmente mal executado e ainda o resultado foi atingindo, mascarando os defeitos do time na partida. Ao contrário, o plano de jogo pode ter sido bem executado, mas num erro individual o resultado poderia ser perdido.

    • Romarol disse:

      Para melhor avaliação da partida, era necessário além da escalação no início da partida, o treinador declarar o plano de jogo. Dessa forma, os torcedores e os comentaristas esportivos teriam parâmetros para análise.

    • Romarol disse:

      Observação: ocorrem mudanças importantes no futebol praticado no decorrer do tempo. Na década de 90, frequentemente o clube da casa partia pra cima e o de fora jogava mais fechado. Com as mesmas equipes, no jogo de volta, os times tinham um plano oposto, independentemente da qualidade da equipe. Pra mim, é difícil aceitar ver o Cruzeiro se fechar dentro do Mineirão, ainda que possa atingir resultados expressivos contra times de maior qualidade.

  22. Romarol disse:

    Difícil, na partida de ontem, o torcedor afirmar se tomamos ou não um vareio de bola contra o Grêmio. Com certeza, os treinadores e os jogadores podem se pronunciar melhor sobre essa assertiva do que os profissionais da imprensa e os torcedores. O que os treinadores e os jogadores fazem ao final da partida é praticar a famosa “pescaria”.

    O principal motivo da assimetria da informação é que há duas variáveis importantes numa partida: o plano de jogo e o resultado do jogo. O resultado do jogo é visível para todos, porém, o plano de jogo somente os profissionais de cada clube sabem o que foi traçado.

    O treinador prepara o plano de jogo com diversos cenários antes da partida e cada jogador individualmente possui o seu plano e a sua atribuição para a concretização do plano da equipe.

    Assim, como saber se o Cruzeiro tomou uma sova do Grêmio? Somente o treinador e os jogadores poderão concretamente responder. Fato é que o resultado foi 1 a 0 para o adversário com 67% de posse de bola. Mas somente o resultado, em si, não pode dizer que foi uma surra ou não.

    Vamos divagar sobre algumas situações hipotéticas:

    1) O Cruzeiro planejou entregar a bola para o adversário e ser objetivo no contra ataque para vencer a partida.
    – Nesse caso, o contra ataque não funcionou e a vitória também não foi atingida.

    2) O Cruzeiro tinha o plano de propor o jogo e obter a vitória.
    – Nesse caso, podemos considerar que foi um vareio jamais visto na história do Mineirão, depois dos 7 a 1, pois o que vimos em campo foi justamente o contrário.

    3) O Grêmio planejou propor o jogo e criar inúmeras jogadas de ataque para vencer a partida.
    – Nesse caso, o plano foi parcialmente realizado com a vitória sendo atingida. Vimos na partida de ontem que o Grêmio foi muito pouco objetivo no ataque.

    4) O Grêmio planejou ter a posse de bola, o máximo possível, para não proporcionar oportunidades ao adversário. O objetivo era buscar pelo menos o empate.
    – Nesse caso, o plano de jogo foi atingido como também o resultado.

    Assim, podemos enumerar outras hipóteses. Somente quero realçar que o torcedor normalmente não possui a informação do plano de jogo, o que faz que o resultado da partida influencie fortemente na sua análise.

    Dessa forma, não conhecendo o plano, os comentários dos torcedores ao final das partidas são influenciados pelo resultado. Imaginemos, se o resultado final da partida de ontem, fosse o empate ou a virada do Cruzeiro, com as poucas chances reais de gol terem sido aproveitadas. Com certeza, haveria comentários desse tipo:

    – O Cruzeiro não deixou o Grêmio criar e foi venal no ataque
    – O Grêmio dominou a partida e o resultado foi injusto

    Sem saber o verdadeiro plano de jogo, é difícil avaliar o treinador e os jogadores. Muitas vezes, o plano de jogo foi totalmente mal executado e ainda o resultado foi atingindo, mascarando os defeitos do time na partida. Ao contrário, o plano de jogo pode ter sido bem executado, mas num erro individual o resultado poderia ser perdido.

    Para melhor avaliação da partida, era necessário além da escalação no início da partida, o treinador declarar o plano de jogo. Dessa forma, os torcedores e os comentaristas esportivos teriam parâmetros para análise.

    Observação: ocorrem mudanças importantes no futebol praticado no decorrer do tempo. Na década de 90, frequentemente o clube da casa partia pra cima e o de fora jogava mais fechado. Com as mesmas equipes, no jogo de volta, os times tinham um plano oposto, independentemente da qualidade da equipe. Pra mim, é difícil aceitar ver o Cruzeiro se fechar dentro do Mineirão, ainda que possa atingir resultados expressivos contra times de maior qualidade.

    • SÍNDICO disse:

      ROMAROL, foi vc quem escreveu isto?

      • SÍNDICO disse:

        Então é post. Dá uma editada e vamos postar.

      • Romarol disse:

        Obrigado, Síndico!

      • Eu sempre tento entender o plano de jogo… Por isso acho hilário os comentários em cima do resultado….

      • Contra as frangas, acredito q o plano era: Edilson entra e tira o Otero do jogo… Plano foi cumprido…e com bônus, pq Cruzeiro não perdeu ngm…e o resultado veio…

      • Bruno 7L RJ disse:

        Gato mestre hein, Vilela? “Sempre tento entender o plano…”. Ah, passa amanhã, gente! Entendi perfeitamente o que escreveu o Romarol, mas vc acham que o Mano tem mais de um plano de jogo?! Sem entrar no mérito se ele é bom ou ruim, mas raras foram às vezes que ele decidiu um jogo através de uma intervenção.

      • Bruno 7L RJ disse:

        No mais, dará um bom post sim. Mas para tentar desenhar o adivinhar o plano de jogo de alguns treineiros não tem muito mistério não, ainda mais em trabalhos longos que muitas exigem que o caboclo se reinvente. Parabéns Romarol, está muito bem escrito. Só dar Ctrl C, Ctrl V.

      • Miguel Tolentino disse:

        O único plano de jogo do Mano é futebol reativo. Se o adversário não abre o marcador o time do Asno não procura a bola nem o gol.

  23. matheus t penido disse:

    LEO. Não perdeu uma.

    • BrunoBarros disse:

      DEDÈ. O melhor na defesa e no ataque, nesse último caso junto com o Arrascaeta.

      • matheus t penido disse:

        Concordo sobre a parte ofensiva do Dedé. Ganhou duas na cabeça que quase deram em gol do Arrascaeta.

  24. matheus t penido disse:

    Uma lembrança pouco agradável pra torcida celeste: Grêmio jogou sem 2 dos seus 3 melhores jogadores.

    • Fechado com Newton: DEDE

    • SÍNDICO disse:

      Cruzeiro não teve desfalques?

      • matheus t penido disse:

        Cruzeiro teve até mais desfalques, mas o Grêmio perdeu 2 dos seus 3 pilares especificamente pro jogo de ontem.

      • SÍNDICO disse:

        Com esses pilares, foi desclassificado pelo Cruzeiro na Copa do Brasil.

      • Bruno 7L RJ disse:

        Tá virando muleta essa de “foram desclassificados ano passado”.

      • Mas este Cruzeiro do Mano F@deu com todas as forças o Grêmio ano passado…. Tirou da copa do Brasil… Depois tirou da 1 Liga, que queira ou não dava uma grana, depois venceu o Grêmio lá em PoA, tirando de vez as chances de título… Foi uma pedra no sapato gremista… O único time do Brasil a parar a máquina tricolor…

      • matheus t penido disse:

        Vilela, Mano é especialista em marketing pessoal. Não precisa defender ele com tanta veemência em todas as situações. O gaúcho é matuto, não dá ponto sem nó.

      • SÍNDICO disse:

        Vilela, não atrapalha o prazer do Setelagoas, que é lamber feridas. Ele é chegado numa dor de cotovelo, numa sofrência sem fim. Let it be.

      • Bruno 7L RJ disse:

        To mais tranquilo e calmo que água de poço. Vcs que estão desencavando desfalques e jogos do ano passado como se nada tivesse mudado. Engraçado é que Talentim toda hora solta “mas esse time não é Tupi, não é Patrocinense” e vc manda ele parar de platitude (que é outra palavra que tive que consultar o Google para saber o que é). Mas o senhor toda hora manda “ah, a Copa do Brasil”, “ah o tijolista”…

      • Miguel Tolentino disse:

        Olha o próprio rabo antes de apontar o dedo para os outros nunca foi o forte do síndico.

  25. Daniel Carvalho - Porto Alegre disse:

    Melhor: LÉO. Lance cômico: Everton passando por entre Dedé e Edilson, estes se batendo de cabeça, peito. Por fim, TN contestando a torcida pela vaia e ainda dizendo que é normal, mesmo em casa, ser dominado por esse time cata-cata do GFP (tá de s@c@). A camisa descaracterizada é ridícula. Pior: Mano.

  26. SÍNDICO disse:

    DEDÉ [[[12]]] Vilela, Barros, Rosan, Barreto, Gil, Rocha, Dourado, Klauss, Soares, Vanda, Patrícia, Dudu
    LEO [[[9]]] Daniel, Penido, Morato, Viana, Velame, Leo, França, Síndico, Pedro
    HENRIQUE [[[1]]] Romarol
    ARRASCAETA [[[1]]] Barnabé
    FÁBIO [[[1]]] Ccc
    MANO [[[2]]] Drumond, Gesoco
    ARTHUR [[[4]]] Itatiaia, Geisel, Boré, Marco
    RAMIRO [[[1]]] Walterson
    EVERTON [[[3]]] Knijnik, Setelagoas, Julim
    PORTALUPPI [[[2]]] Jottar, Sá

  27. raher disse:

    Vai ser sempre assim com Dedé e fabio em campo. Cada hora um ganha o MDJ porque o resto joga para garantir 0x0. jogadores que não sabem passar, não sabem cruzar, não chutam a gol como deveriam, são péssimos em bola aérea e falta animação.Volantes como Henrique e Ariel que não conseguem abastecer o ataque com passes definitivos, Meias que nao cosneguem criar e por atacantes na cara do gol e atacantes que nunca estão na area quando devereriam.

    • SÍNDICO disse:

      Demorou pra aparecer e, quando aparece, é pra escrever isto? Monte de besteira. Puro lixo. Desanima até de rebater.

      • Mauro Franca disse:

        Certamente não viu o passe do Cabral para o TNeves…

      • Miguel Tolentino disse:

        Um passe que pra variar não deu em nada…

      • Bruno 7L RJ disse:

        Mas quem “errou” foi o TN, Talentim. Não acho o Cabral esse semideus que pintam aqui, mas ele deixou o TN na cara. Naquela faixa ali, sem ter que correr atrás dos outros, o Mondrongo Azul joga muito bem.

      • Miguel Tolentino disse:

        De acordo, estou só provocando os fãs do jogador moleirão…

      • SÍNDICO disse:

        semideus? se vc viu isso, vou acabar te achando semianalfabeto, pela dificuldade de entender o que lê.

      • Miguel Tolentino disse:

        Bruno, você está certo, Cabral pra uns aqui é quase um Iniesta. Rsrsrsrs

      • Bruno 7L RJ disse:

        Pô Síndico, não quis ser literal, ô oreia seca. Foi só um recurso argumentativo para dar ênfase à discrepância entre o que vcs acham e o que de fato é, pelo menos na minha opinião.

      • Mauro Franca disse:

        Recurso argumentativo meio forçado, Bruno. Raé escreveu que os volantes não dão passes “definitivos”. E o melhor passe nesse jogo foi aquele do Cabral que deixou o Neves na cara do gol. Não fiz nenhum comentário sobre qualidade ou mesmo sobre a atuação do Cabral.

      • Bruno 7L RJ disse:

        Estamos misturando tudo Maurão. Vamos lá: eu só acho que o Cabral é superestimado. Daí meu comentário, um pouco exagerado é verdade. Acho o Cabral bom jogador, mas como volante acho temerário ter nessa faixa de campo alguém tão lento e que encontra-se constantemente mal posicionado defensivamente.

  28. raher disse:

    Isso sem contar laterais que marcam mal e quando vão ao ataque erram muito mais que acertam. Difícil ser agressivo em ataques com um time tão sem categoria e disposição.

  29. Miguel Tolentino disse:

    Que prejuízo técnico, tático e financeiro foi a renovação com o Covarde Menezes…

  30. Miguel Tolentino disse:

    Impressionante como em tantas vezes e em tantos jogos o Cruzeiro não faz valer a vantagem numérica. Foi assim contra as frangas, ontem contra o Grêmio e em outras oportunidades. Em outros tempos um a mais era praticamente sinônimo de vitória ou na pior das hipóteses empate. Mano conseguiu extrapolar todos níveis de mediocridade tática, é pra lá de limitado o Mourinho brasileiro…

    • Bruno 7L RJ disse:

      Contra Frangas há controvérsias. Nem tanto barro, nem tanto tijolo.

      • Miguel Tolentino disse:

        Apesar da vitória em nenhum momento o Cruzeiro fez parecer que tinha um homem a mais no clássico, ao contrário, em alguns momentos as frangas equilibraram o jogo sem dificuldades.

  31. Miguel Tolentino disse:

    Com Romero machucado, Sô Jorge muda o alvo de suas perseguições, agora a vítima é o Dedé. Ainda tem a cara de pau de falar do Raer. Rsrsrsrs

    • SÍNDICO disse:

      Vc não consegue entender o que lê, se conseguisse, perceberia que meu alvo não é o beque, é o torcedor oligofrênico. Como vc e o Raé, por exemplo.

      • Miguel Tolentino disse:

        Deixa de ser embromeiro! Romero da carrinho e isso e já liga seu modo automático de clichês sobre bunda no chão, tijolismo e comparações com o Donizete Cabral da entradas criminosas dignas de vermelho direto e isso é a velha classe argentina. Sarcasmo é o baralho, como diria o Evandro vá apontar dedinho pros outros quando o seu não estiver sujo.

      • Anta, não são clichês, posto que são expressões criadas por mim.

      • SÍNDICO disse:

        Quanto ao Evandro, vc e ele se completam. Almas gêmeas.

      • Miguel Tolentino disse:

        Esse posto já é teu, fique sossegado.

      • SÍNDICO disse:

        Vc está só piorando. Já não entende nem o que vc mesmo escreve. Ou não foi vc que se valeu da sabedoria do Evandro pra me xingar?