Placar extrapolou além da conta

Por SÍNDICO | Em 11 de outubro de 2007

Marcos Pinheiro

Não sou estatístico, embora tenha estudado a matéria nos meus tempos de engenheiro. Ainda assim, vou descer a ripa. Se eu falar bobagem, por favor, algum estatístico do blog me corrija.

De doer a pesquisa publicada pela Placar de outubro, nº 1.311, feita pela TNS Sports. O levantamento cobriu 16 mercados, sendo 13 capitais, mais cidades do interior paulista, mineiro e fluminense. A reportagem de Placar chamou o interior fluminense de interior “carioca”. Erro crasso! Foi aplicada uma bateria de 64 perguntas (a revista não informou quais) em 3.503 pessoas, entre 15 de julho e 15 de agosto. A margem de erro foi de 2%.

Como se sabe, os estatísticos se dão mal quando fazem as extrapolações. A extrapolação só funciona razoavelmente quando o pesquisador já tem uma ótima idéia do que existe de fato no universo extrapolado. Qualquer cidadão médio, apenas lendo as explicações acima, já conclui, com absoluta precisão, que essa pesquisa vai inferir, com determinada margem de erro e dentro de um intervalo de confiança, a opinião das 16 cidades pesquisadas, em conjunto e isoladamente. Não é possível, contudo, fazer qualquer inferência quanto às preferências do torcedor em um estado específico, porque sua distribuição – em Minas, por exemplo – é muito heterogênea.

Mas a TNS Sport não viu o óbvio ululante. Nem Placar, que publicou a bobagem acriticamente. O pesquisador, apenas para dar um exemplo, extrapolou para todo o interior mineiro o resultado da pesquisa em uma única cidade do interior. A revista não informa qual foi, mas se tivesse que arriscar, chutaria Uberlândia, por se tratar de uma grande cidade do interior mineiro, com prevalência de torcedores do Flamengo e dos times paulistas.

O pesquisador fez a mesma bobagem com o interior paulista e “carioca”. No fim, extrapolou para todo o país o resultado da pesquisa em 13 capitais, mais 3 cidades (MG, SP, RJ). Os resultados foram absurdos: O Internacional aparece com menos torcida que Bahia, Sport, Atlético-PR e Vitória. Brincadeira? Pois a Placar teve coragem de publicar isso! E pior, o Flamengo aparece como mais torcedores que o Cruzeiro em MG. Duro de acreditar, não?!

Placar publicou um pequeno quadro, no qual a TNS explica como fez a extrapolação para o país inteiro. Não entendi patavinas. Os resultados nacionais (por extrapolação) foram:

  1. Flamengo: 15,34%
  2. Corinthians: 14,83%
  3. São Paulo: 11,89%
  4. Palmeiras: 8,58%
  5. Vasco: 4,47%
  6. Santos: 3,8%
  7. Cruzeiro: 3,38%
  8. Atlético-MG: 3,04%
  9. Botafogo: 2,12%
  10. Fluminense: 1,66%
  11. Grêmio: 1,19%
  12. Bahia: 0,77%
  13. Sport: 0,70%
  14. Atlético: 0,62%
  15. Vitória: 0,57%
  16. Internacional: 0,55%
  17. Goiás: 0,38%
  18. Coritiba: 0,35%
  19. Santa Cruz: 0,27%
  20. Náutico: 0,22%
  21. Paraná: 0,09%
  22. outros: 25,19%

O leitor que teve um mínimo contato com as ciências exatas já percebeu mais uma ignorância atroz. Se a margem de erro é de 2%, faz sentido publicar resultados com 2 casas decimais? Algum cidadão de boa vontade poderia explicar à Placar e à TNS o significado da expressão “algarismos significativos”. Não vou perder meu tempo.

Os três estados com resultados, por extrapolação, foram:

  • Minas Gerais: Flamengo – 19,9% (nem os flamenguistas acreditam! Em 2004, o Ibope deu 8% para os flamenguistas em Minas), Cruzeiro – 16,6% (Em 2004, o Ibope inferiu 32,8%), Atlético-MG – 13,5% (contra 16,9% do Ibope em 2004), Corinthians – 13,2% (era menos de 5% pelo Ibope/04), Palmeiras – 10,5% (nem apareceu na Ibope/04), S. Paulo – 8,8% (idem), Seleção – 5,1% (idem), Vasco – 3,7% (idem), Santos – 3% (idem), outros – 5,7%.
  • São Paulo: SCCP – 32,9%, SPFC – 25,6%, SEP – 15,3%, SFC – 14,5%, Seleção – 4%, outros – 7,8%.
  • Rio: Fla – 56,3%, Vasco – 22,9%, Bota – 9,7%, Flu – 9,7%, outros – 1,4%.

Pra não passar vergonha, Placar – neste caso, de pelada! – deveria gastar um pouco mais e contratar o Ibope. Ou não publicar nada! E por falar em Ibope, desde 1998 O Lance! tem publicado, de 3 em 3 anos, pesquisas sobre torcidas brasileiras feitas por ele. A de 2007 deve estar, portanto, saindo do forno.

Marcos Pinheiro, 36, carioca, engenheiro, pós-graduado em economia, estudante de Direito, cruzeirense, mora em Belo Horizonte.

36 comentários para “Placar extrapolou além da conta”

  1. Jorge Santana disse:

    Placar não me surpreende. Sempre foi péssima. Já publicou asneiras até piores.

    E, não faz muito, seu editor-chefe ou diretor de redação, sei lá, proclamou-se coelhista ferrenho.

    Placar, ao lado do C13 e da CBF, é uma das coveiras do futebol brasileiro.

  2. D. Velloso disse:

    Brincadeira, só pode ser. Principalmente com equipes vencedoras como Inter e Cruzeiro.

    Absurdo.

  3. Dylan disse:

    a impressão que dá é que eles não tinham onde desovar esta pesquisa e deram pra Placar pois Nem chamada de capa teve. Eu confesso que nem prestei atenção no método usado. De fato, extrapolaram além da conta.

  4. Jorge Santana disse:

    Obrigado pelo título, Dylan. No meio da madrugada, editandoi e publicando o trabalho do Marcos Pineiro – tem mais, aguardem! – não me ocorreu o título adequado. A frase do seu comentário veio a calhar. Espero que o Pinehiro esteja de acordo com ela. Abs, JS

  5. José E.M.Elias disse:

    Dois pitacos…
    1)- Essa pesquisa onde o Flamengo está à frente do Cruzeiro em MG deve ter sido feita em Xis de Fora e adjacências.
    2)- O Flamengo realmente tem a maior torcida do Brasil. Também pudera. Vocês viram a repercussão daquela musiquinha da F1 remanejada, no jogo contra o São Paulo?
    A Rede Globo ( e isso vem desde a década de setenta) ajuda demais o falido urubú cariôco.
    Demonstração daquela temos todo dia, em todos os estádios do Brasil.
    Só como três exemplos, temos Grêmio no sul, a torcida do Atlético Paranaense e mesmo o Cruzeiro aqui.
    Um exemplo clássico é o Bahia, que a despeito de estar na série C continua batendo recordes.
    E com quase nenhuma divulgação por parte da grande mídia.
    Ps… E o “milionário” time do São Paulo, hem?
    Tomou fumo do humilde time do Milionários.
    Parece que a sorte abandonou definitivamente os bambinos paulistas…

  6. Walterson disse:

    Elias, Milionários 1×0 José Rico. Que pena que começaram a perder agora que o Cruzeiro tambem perdeu sua força. Mas o jogo foi quase igual ao do Santos, com o SPFC pressionando com boas jogadas (principalmente no segundo tempo) e o Milionários fazendo o gol no único chute a gol.
    Teve um lance me que o Hugo pegou a bola quase na linha de fundo e deu um lindo chapéu no zagueiro milionário. Se fosse o Cueio, teria saído de maca do campo e a Placar estaria condenando o lance de pura técnica.

    Sobre a pesquisa, o que o Sancho tem a dizer ao ver seu time atrás de Bostafogo, Flumerdense e Patético?

  7. Jorge Santana disse:

    Elias, fosse em JF, o Bota estaria nas cabeças. E não apareceria time paulista. Com certeza, foi em Uberlândia.

    E o Sancho deve estar rindo “às bandeiras despregadas”, como se dizia no tempo do Evandrão, Walterson.

    Abs,
    JS

  8. José E.M.Elias disse:

    Walterson…
    Boa dupla…hehehe.
    E já começaram as desculpas de time misto, time cansado, etc.
    E acho que vão perder pro Flu .

  9. José E.M.Elias disse:

    E continuando fora da discussão:
    Tá no blog do Juca…
    “Justiça penhora rendas do São Paulo

    A Justiça Federal determinou a penhora de 20% do faturamento da bilheteria dos jogos mandados pelo São Paulo até o final do Campeonato Brasileiro.

    Mesmo diante das alegações do clube de adesão à Timemania, o Judiciário manteve a decisão da juíza Ana Lúcia Jordão Pezarini.

    O São Paulo devia aos cofres do INSS a quantia de R$ 4.595.672,36 e negociou seu parcelamento.

    Mas deixou de pagar as parcelas nos últimos 12 meses, o que resultou em débito de R$ 1.315.407,50, ora cobrados.

    O procurador do INSS que conduziu o caso e obteve ganho de causa, Murillo Giordan, é ardoroso torcedor tricolor.”

  10. Marcos,

    Enviei mensagem para a revista Placar.

    Se ela afirma que a pesquisa foi extrapolada e feita juntamente com uma pesquisa eleitoral, seria, OBRIGATÓRIO, o registro desta pesquisa junto ao TSE ou algum TRE.
    Pedi que eles me informassem o número pois pretendo acusá-los de falsidade.
    Pedi também que identificassem QUEM PAGOU pela pesquisa.
    Mas o problema é que poucos torcedores estão interessados em cobrar VERDADE da mídia. Ficam é esperando que a mídia trate seu time e torcida com benesses.
    Aí não avançamos!

    Ainda estou aguardando uma resposta mínima da revista que parece não estar interessada em responder.

    Não sei se todos observaram mas NINGUÉM teve coragem de assinar o texto (?) que mais parece um release da tal TNS.

  11. Carlão Azul disse:

    JEMElias, adjacências de xis de fora, mas bem restrita, aqui em Bcena só da Cruzeiro e alguns cacarejantes, e creio que de Stos. Dumont pra cima também é assim. Só mesmo naquelas cidades alí da divisa com o Rio que existe alguma supremacia do futebol carioca, infelizmente.
    Pra mim isso também é um pouco culpa da mídia de BH, que privilegiando um “time só” acaba por enfraquecer o futebol mineiro de uma maneira geral.

  12. Carlão Azul,
    mesmo na zona da Mata onde a influência do futebol carioca é total e abosoluta, nos dias de hoje, as torcidas dos times do Rio tem perdido espaço.
    As gerações mais novas ou U50 já aprenderam a gostar do azul. Esta pesquisa é um disparate. É o mesmo que perguntar quantos homens torcem para o Cruzerio na minha casa…sou só eu = 100%.
    Minas : Cruzeiro = 25%, Flameng 12% e Atlético-Mg 8%… a última do lance é muito mais confiável. É só projetar / ponderar pelo indice populacional.
    Equilíbrio em BH mas já com vantagem azul e goleada sonora no interior.
    Um abraço – Chiabi

  13. Carlão Azul disse:

    Com certeza Chiabi, concordo com suas idéias e também acho essa pesquisa errada, não tem cabimento dizer que o framengo tem mais torcida em Minas que o Cruzeiro, isso passa a ser até mesmo uma ofensa aos mineiros.

  14. Mario Lucio Vaz disse:

    Moro no Noroeste de Minas cidade João Pinheiro, conheço todas as cidades do Noroeste de Minas e aqui no noroeste tenho TODA A CERTEZA TEMOS de 60% a 65% de CRUZEIRENSE.

  15. Roberto Q. Lautner disse:

    Evandro,

    qual o email da revista? Procurei no sítio oficial e não encontrei!

    []’s…

    RQL

  16. Edu Mano disse:

    Amigos… Só acredito em pesquisas com:

    1- Amostras independentes, que variam de cidade para cidade. Por exemplo: Em SP, a pesquisa deve entrevistar Xmil habitantes, Em Pindamonhangaba do José a quatro, cento e tantos…

    2- Feitas em TODAS as capitas, obedecendo os critérios acima.
    Além de pegar cidades de diferentes regiões.

    Em MG, próximo ao Sul, o Flamengo realmente é forte. Agora vai mais para o centro sul, um cado do norte e outras regiões…

  17. anderson disse:

    que o mengo e forte e isso e logico so não ve quem não quer ,e mas facil ver uma camisa do mengo em bh do que ver uma do cruzeiro e altletico no rio ,mas concordo com vcs pesquisa ridicula ,os caras querem que o mercado paulista se sobreponha aos outros por isso esta ansia para que as torcidas de la crescam a todo custo, ate chacina com a torcida do mengo ja fizeram em uma pequisa anterior (deve ser porque so nasce gente em sampa no resto do país so morre)ridiculo.mas sou da seguinte opinião ,quem é não precisa ter propagando que é ,mas os que acham que são tem que sempre arrumar algo pra contestar o icontestavel

  18. anderson disse:

    incontestavel,ou seja pesquisa pra paulista ve .

  19. Edu Mano,

    Esse negócio de “…só acredito em pesquisa…” que faça assim ou assado, é o estopim dos problemas.

    Vc nao tem que acreditar em nenhuma pesquisa. NENHUMA é expressão da verdade, realidade.

    Mostra, no máximo, tendências e opiniões gerais.

    E para que uma pesquisa seja tratada com SERIEDADE, a mesma deve ter TODOS seus critérios de formulação, roteiro de execuçao do trabalho de campo e formatação de resultados DEFINIDOS E CLARAMENTE explicados ANTES da pesquisa entrar em funcionamento.

    abaixo deste MÍNIMO, o resto é explicação de quem nunca fez ou não gosta de mostrar aquilo que faz.

    Ainda estou esperando a resposta da revista Placar
    ( placar.abril@atleitor.com.br )

  20. Ainda continuo esperando resposta da Revista Placar.

    Mas como auditor não se dá por vencido e nem acredita em coincidências, queria perguntar a vocês se causaria muita estranheza o Banco Rural e o Diamond Mall serem clientes da empresa que fez a pesquisa.

    Sem contar com Samsung, Petrobrás Distribuidora e Petróleo Ypiranga…

    Será que tô tão paranóico assim?

    Deixa prá lá. Vou continuar aguardando resposta.

  21. José E.M.Elias disse:

    Tá não…
    É só ler a matéria da “capa” do site da revista Placar.
    Já começaram a chorar…

  22. Walterson disse:

    Montes Claros é 70% pra cima cruzeirense. E aqui em São José dos Campos, costumo ver muitas camisas do Cruzeiro nas ruas mas nunca vi um código de barras. Nem do Flamengo, pra dizer a verdade.

  23. José E.M.Elias disse:

    “Complozinho disfarçado

    Qual o principal adversário do São Paulo na disputa pelo pentacampeonato? O Cruzeiro

    Da onde vem o Cruzeiro? De Minas

    Qual o próximo jogo do São Paulo depois do Fluminense? O Cruzeiro

    Quantos pendurados o São Paulo terá no jogo contra o Fluminense, um antes de encarar o Cruzeiro? Seis: Rogério Ceni, André Dias, Souza, Jorge Wagner, Dagoberto e Diego Tardelli.

    Que árbitros a CBF coloca na escala de São Paulo x Flu? Mineiros, óbvio.

    Fácil, não?

    Escrito por Dado Diniz”
    Uma revista que tem a coragem de colocar uma matéria como essa definitivamente NÃO MERECE qualquer credibilidade.

  24. Marcos Pinheiro disse:

    Evandro,

    Placar não diz que a pesquisa foi feita junto com uma pesquisa eleitoral. Na verdade, procura dar a entender justamente o contrário. Eis o texto da pág. 86 da ed. 1311 de Placar:

    “De quando em quando, desaba uma pesquisa sobre futebol. São levantamentos sobre torcidas, melhores jogadores etc. Grande parte dessas pesquisas costuma ‘pegar carona’ em levantamentos eleitorais encomendados por partidos e órgãos de imprensa. Quer dizer, depois de várias perguntas sobre candidatos e política em geral, fala-se enfim de futebol.

    Eis a diferença do levantamento feito pela TNS Sports, uma empresa inglesa que está em dez países, em associação com a brasileira Fibra. Para uma pessoa ser entrevistada, ela precisava torcer para alguém no futebol.”

  25. Marcos,

    Acredito que você não esteja fazendo defesa do simulacro de matéria que exibe exertos de uma pesquisa.

    Acredito que o texto que você copiou da revista contêm muitos adjetivos para TENTAR explicar uma pesquisa que deveria ter coisas claras e objetivas como explicação. Quando se adjetiva muito e se explica muito a coisa fica complicada.

    Ainda continuo esperando resposta da Revista Placar.

    Desta TNS falo depois.

  26. Edu Mano disse:

    Eu trabalho com criação e marketing…
    E pesquisa é parte integrante do meu dia a dia…

    Pesquisa de mercado, de fixação de marca, de qq coisa…

    Pesquisa é um processo científico. Por isso requer critérios. Bem isso que você falou… Qual foi a metodologia, como foi feita…

    Por isso não posso levar esta a sério. 🙂

    Alias… pesquisa “Manobop”:

    Você já participou de uma pesquia dessas?
    Nao – 1
    Sim – 0

  27. Maykon Schots disse:

    Walterson ,

    aqui em São José dos Campos , tirando as torcidas de SPFC, SPCP,SEP e SFC , somos a maior , sem a menor sombra de dúvidas. Quase todos os dias vejo camisas do Cruzeiro pela cidade. E conheço muitos joseenses que torcem pelo Cruzeiro, não somente mineiros exilados , como nós dois !

    sds celestes ,

  28. Othon disse:

    Placar nao da pra ser levada a serio…hj em dia eu assino a Trivella…bem melhor

  29. Aposto que não estiveram na região norte de Minas, pois ali, é 60% Cruzeiro, com proporção de 3 : 1 para a gente fácil. E no meio de nós tem o Flamengo com uns 15%.
    Foi contratado para um trabalho sério o Instituto de Pesquisa avançada TIABIM… (Num fáia… principarmente se é prá benificiá nóis). Informaçào em 1a mão :
    Em Conceição do Mato Dentro :
    Cruzeiro : 60%
    Atlético-MG : 25%
    América-MG : 5%
    Flamengo : 5%
    Outros : 5%
    Ouvidas 240 pessoas (5% da população da cidade), com critérios claros relacionados com a cor dos olhos, altura e peso. Os gordos são na maioria cruzeirenses acima de 40 anos… No campo metrossexual entretanto há uma correlação muito forte e os GLBTs se concentram 95% na torcida cacarejante… Uma coisa impressionante.
    Mas, lógica : os cacarejantes adoram levar Ferro. E a nossa região é pródiga em exploração mineral… além dos nascidos estão indo vários para lá. PUTZ !!!
    Gente, brincadeiras à parte, esta pesquisa acima tem mais valor científico do que a da PLACAR… Achar mais Flamenguistas em Minas e publicar é nos chamar a todos de idiotas.
    Saudações Azuis – Chiabi

  30. Marcos Pinheiro disse:

    Evandro,

    Não faço defesa da pesquisa TNS. Ela é muito ruim. Apenas transcrevi um trecho em que eles tentam dar a entender que a pesquisa não pegou carona em pesquisa eleitoral.

  31. Marcel Fleming disse:

    O Ministério da Saúde adverte: ler pesquisas da Placar faz mal aos neurônios e emburrece,

  32. Entendo que devemos tratar o assunto em debates e opiniões sérias.

    Não basta, neste e em outros casos, falar mal de A (Revista) ou B (Agência de Pesquisas).

    Tá passando da hora da torcida começar a buscar em artigos do Estatuto do TOrcedor, o enquadramento destes “articulistas” e “marqueteiros” que usam a mídia a seu bel-prazer.

  33. Wagner disse:

    FICAR PREOCUPADO COMO TAMANHO DA TORCIDA É UMA BESTEIRA, QUE SE DANE SE MEU TIME TEM UM TRILHAO DE TORCEDORES OU SE TEM SÓ EU TORCENDO, NAO TORÇO PRA TORCIDA. EU QUERO É VER O MEU TIME CAMPEÃO!

  34. bruno disse:

    Essa é boa: a torcida do Santos ser maior que a do Cruzeiro, será que não é porque ele está no eixo Rio- São Paulo?

  35. Carlos Frederico disse:

    Há cerca de dois anos e meio estou residindo em Lavras, Minas Gerais. Ficar indignado com a Globo já virou unanimidade. Com os clubes brasileiros quebrados, a poderosa deita e rola utilizando o poder do capital. Deixei de viajar para BH para assistir o jogo de amanhã entre Atlético e Cruzeiro, acreditando que seria transmitido, até pela importância de Ibope, para o sul de minas. Ledo engano. Vão transmitir Ituiutaba X IPATINGA pelo que vi há pouco.
    A cada dia ficam escancarados os motivos da criançada daqui preferir, São Paulo, Palmeiras, Corinthians, Santos, Flamengo, Fluminense ou Vasco. Nada contra a liberdade de escolha clubística mas, os dirigentes do Galo e do Cruzeiro é deveriam se preocupar com o assunto fazendo eles próprios uma pesquisa no sul de minas. Não é difícil prever que daqui a alguns poucos anos a região estará IRREMEDIAVELMENTE perdida para as praças de São Paulo e Rio de Janeiro.
    Fica a constatação para que a posteridade confirme.