Patinhos feios botaram Ganso & Cia. no bolso

Por Jorge Angrisano Santana | Em 3 de junho de 2010

Atuações dos celestes e seus adversários no Cruzeiro 0x0 Santos, no Mineirão, pela 6ª rodada do Campeonato Brasileiro de 2010, em 02jun10:

  • Fábio – Perfeito com as mãos e com os pés. Barreira inexpugnável. (Síndico) Como goleiro foi exigido apenas uma vez. Como líbero outras duas. Sempre seguro e corajoso nas intervensões. (Gustavo Sobrinho)
  • Elicarlos – Botou Neymar no bolso. (Síndico) Atuou como terceiro zagueiro, pela direita, e foi fundamental para que o sistema defensivo fizesse a sua melhor partida no ano. Taticamente foi irrepreensível, e nos lances individuais levou a melhor em todas. (Marcus)
  • Pedro Ken – Trabalhou muito. (Síndico) Trabalhou duro e fez pelo menos uma grande jogada de linha de fundo, que os atacantes acabaram desperdiçando. Pra quem já entra em campo sempre sob vaias implacáveis, saiu-se melhor que a encomenda. (Matheus Penido)
  • Gil – Soberbo. No bom sentido. Anulou o ataque santista. E ainda balançou o travessão do arco peixeiro com uma cabeçada monumental. (Síndico) Fez uma partidaça! Atuação como eu gostaria que um zagueiro do Cruzeiro tivesse sempre. Sem afinar. Marcou colado os atacantes do Santos, sempre muito firme e na bola. (Renato-SP) Impressionante o seu crescimento nos últimos jogos. O que mais me chama a atenção é sua tranquilidade, às vezes, até proporcionando grandes emoções. (Raul Miranda Penna)
  • Thiago Heleno – Com duas pernas no 1º tempo, com apenas uma na etapa final, foi um monstro. Espanou todas as bolas. Parou os Meninos da Vila com autoridade de adulto. (Síndico) Fez uma de suas melhores partidas pelo Cruzeiro. Marcou, deu chutão, lançou, fez viradas de jogo e espanou quando precisou. Mostrou raça e técnica. Talvez, as vaias não dêem a segurança de que ele precisa pra ser sempre assim. É outro que vai brilhar em um outro clube e deixará nossa torcida de ressaca. (Claudinei Vilela)
  • Diego Renan – Bom enquanto teve fôlego. (Síndico) Apareceu bem no início do jogo, depois cuidou da marcação. (Renato-SP)
  • Jonathan – No meio de campo, preocupou-se mais em defender do que em atacar. Na lateral, descansou, pois os santistas já estavam desanimados após inúmeras e infrutíferas tentativas de armar jogadas no campo de defesa celeste. (Síndico) Trabalhou muito, tanto defendendo quanto atacando, mas comprometeu um pouco sua atuação pelos erros na definição das jogadas. (Matheus Penido)
  • Henrique – Excelente na marcação, sua principal função no jogo, mas pouco efetivo no apoio. (Síndico) Bastante participativo na marcação, mas tá errando muito passe. Parece realmente cansado. (Renato-SP) Quase impecável na marcação do astro Ganso, dessa vez atacou pouco. (Matheus Penido) Manteve o Ganso no bolso a maior parte do tempo. Criou algumas alternativas no campo de ataque, mas sem os atacantes em noite inspirada e sem um meia mais criativo para apoio não conseguiu transformar os lances em chances de gol. (Gustavo Sobrinho)
  • Fabrício – Marcou muito, levantou o moral da tropa com sua raça, mas, saiu pouco pro jogo. (Síndico) Deitou e rolou. A canetada no Wesley foi espetacular. Exagerou no tapa no Ganso, o que poderia ter nos complicado. (Renato-SP)
  • Marquinhos Paraná – Atuação de mestre. Protegeu a ala esquerda, armou e apareceu no ataque com frequência. Sem malabarismos inúteis nem com a bunda no chão como exigem sues teleguiados detratores. (Síndico)  Foi o cara lúcido de sempre, dessa vez com mais inspiração que nas últimas partidas. (Matheus Penido) Deve ter errado dois passes. O suficiente para ter avaliação ruim por parte dos seca pimenteiros. Foi a arma ofensiva mais lúcida do time, clareou diversas jogadas no ataque, com inversões de bola e toques de primeira. Chegou a entrar na área e exercer a função de centroavante, mas foi bloqueado por Pará na hora da finalização. Na defesa fez o de costume. (Gustavo Sobrinho) Foi o melhor em campo. (Hugo Serelo) Sobrou ontem. Jogou tão bem que nem as vaias previamente articuladas puderam ser ouvidas. Uma aula de futebol sem sujar o calção ou dar carrinho. (Elias Guimarães) No desarme foi muito bem, como todo o time. Entretanto, continua devendo nos erros de passe. Seu índice nesse quesito tem sido muito acima do normal. Nos mal acostumou, pois nunca errava. (Raul Miranda Penna)
  • Roger Galera – Entrou quando o adversário já estava cansado e desfalacado, ciscou, ciscou, mas não construiu nada de útil. (Síndico) Fez algumas boas jogadas, que não chegaram a levar perigo à meta so Santos por falta de maior penetração do time celeste. (Matheus Penido) Fiquei uns 15 minutos observando-o no aquecimento, quando já rolava o segundo tempo. Mais assistia o jogo do que aquecia. Puxava uma perna, puxava a outra, mas no geral, manteve-se de braços cruzados vendo o jogo mais próximo as placas de publicidade, enquanto os companheiros aqueciam atrás dele. Para mim, não consegue atuar mais do que 25 minutos. Uma partida inteira? Jamais! (Vinícius Cabral)
  • Thiago Ribeiro – Muita luta, mas pouca gente com quem jogar. (Síndico) Jogou isolado no ataque e errou muitos passes. (Renato-SP)
  • Eliandro – Esforçado, mas pouco inspirado. (Síndico) Esforçou-se bastante e deu um trabalho danado pra defesa de terceira idade do Santos. (Renato-SP) Fez boas jogadas e mostrou muita raça. Melhor assim do que o cai-cai insuportável do Wellington Paulista. (Binho)
  • Sebá – Correu muito sem conseguir, contudo, emplacar uma jogada fatal. Foi perseguido pelos idiotas de sempre. (Síndico) É preciso ter um pouco de paciência com esse menino, que é muito bom, melhor até que Eliandro, em minha opinião. Será titular do time ainda nesse Brasileiro. Foi sua 1ª partida como profissional, ou uma das primeiras. Joga muito esse garoto. (Binho)
  • Adilson Baptista – Fez o Santos passar em branco pela primeira vez em 2010. Sim, nas 37 partidas anteiores, o Peixe fez gol. Contra o Cruzeiro, não conseguiu. Se tivesse um camisa nove pra escalar, teria vencido a partida apenas com suas mágicas. As duas linhas de quatro tão comuns na Europa, mas completamente desconhecidas pelos idiotas dos microfones e teclados foi usada com inteligência. Os quatro volantes marcaram muito e dois deles sairam pro jogo quando possível. Faltou apenas um definidor de jogadas no comando do ataque. (Síndico) Foi o jogo de um time que tem um otimo ataque e uma defesa frágil contra outro que montou um esquema defensivo muito bom, mas não tinha ataque. As antas da CBN deram 1 gol de vantagem para o Santos quando disseram que o Cruzeiro teria que fazer no mínimo 2 pra vencer. AB provou que nem galinha, nem peixe ciscam no terreno dele. E. depois de 2 anos e meio. os tapados que ganham dinheiro falando sobre futebol ainda nao sabem nada. (Zé do Canadá)
  • Grande Torcida – Torceu a favor do Cruzeiro. (Síndico) Perfeito o comentário sobre a torcida… A maioria torce a favor e a minoria torce conforme o Emanuel manda. Isso tem que ficar claro, pois qualquer generalização sobre o comportamento da Maior Torcida de Minas é injusta e equivocada. (Flávio Carneiro)
  • Torcida miúda – Torceu contra o Cruzeiro.
  • Seca-pimenteiras – Torceram para o Santos golear e ficaram com cara de tacho.
  • Juiz & Bandeiras – Dentro da normalidade.
  • Santos – DJ respeitou o Cruzeiro. Não foi pra cima como costuma fazer com os demais times. Se enrolou com  a marcação do meio de campo celeste e viu seus astros, um a um caindo diante da marcação dos geniais Elicarlos, Gil e Thiago Heleno. É mole? Edu Dracena foi o Xerife de sempre. Marquinhos, como sempre, até abrir o bico, exibiu técnica impecável. Wesley e Rodriguinho também foram excelentes, principalmente, na marcação. Rafael surpreendeu pela segurança e tranquilidade. Neymar, Ganso e André, a esta altura, ainda devem estar procurando um jeito de escapar dos bolsos de Elicarlos, Gil e Thiago Heleno. O que é muito divertido.

Deixe um comentário

Você precisa fazer o login para publicar um comentário.