O torcedor e a Conmebol

Por SÍNDICO | Em 1 de março de 2019

LIBERTADORES, com sanções pra clubes incompetentes e torcidas violentas:

  • FERNANDO HENRIQUE: Diante de uma competição tão esculhambada (Libertadores), isso aí só me cheira a mais oportunidade para ingerências e interferências externas nos resultados de campo.
  • SÍNDICO: Cite uma ingerência externa nos resultados, por gentileza.
  • FERNANDO HENRIQUE: Liberação do Dedé da suspensão nas quartas; mudança do resultado do jogo do Santos com passada de pano para Boca e River; Gallardo visitando o vestiário na semifinal em Porto Alefre. A margem para interpretações e sanções exóticas foi ampliada.
  • SÍNDICO: Santos foi cabaço, descumpriu regulamento e se ferrou. Como aconteceu, este ano, com o Barcelona. Boca e River, assim como o Cruzeiro na Sula de 2016 tb escalaram jogadores irregulares, mas os adversários não fizeram a denúncia, como manda o regulamento. Kannemann visitou vestiário na final contra o Lanús, mesmo estando suspenso e não foi punido. Galhardo foi multado. Quanto ao Dedé, concordo, não devia ter sido retirado o cartão vermelho, por mais injusto que tenha sido.

12 comentários para “O torcedor e a Conmebol”

  1. SÍNDICO disse:

    CONMEBOL é a nova altitude da imprensa brasileira. Explica qq vexame.

  2. SÍNDICO disse:

    HURACAN 3×1 CRUZEIRO, 14abr15ter19h. TEMPO nublado, temperatura 23º, vento 14 Km/h, umidade 63%. LOCAL: Tomás Ducó (48 mil), Buenos Aires. MOTIVO: 5ª rodada, grupo 3, Libertadores 2015. TRANSMISSÃO: Fox. PÚBLICO: 20.000 (estimativa). ARBITRAGEM: Patricio Polic, Carlos Astroza, Raúl Orellana, chilenos. AMARELOS: Dominguez, Díaz, Paulandré, Farias, Henrique. GOLS: Ábila, 14 e 25, Damião, 60 (p), Mancinelli, 62. HURACÁN: Díaz; Mancinelli, Nervo, Dominguez, Balbi; Villarruel, Vismara; Toranzo (Gallegos, 81), Gamarra (Fabianesi, 84); Puch (Torassa, 75) e Ábila. T: Néstor Apuzzo. CRUZEIRO: Fábio; Mayke, Leo, Paulandré, Mena (Pará, 70); Willians (G Xavier, 46), Farias, Henrique; Arrascaeta; Willian (Riascos, 65), Damião. T: Marcelo Oliveira.

    • SÍNDICO disse:

      CRUZEIRO 0×0 HURACÁN, 03mar15ter22h. TEMPO bom, temperatura 21º, vento 8 Km/h, umidade 85%. LOCAL: Mineirão (62 mil), Belo Horizonte. MOTIVO: 2ª rodada do Grupo 3 da Libertadores 2015. TRANSMISSÃO: Fox. PÚBLICO: 25.867 pag, 27.409 pres, R$987.767, média R$38. ARBITRAGEM: Enrique Cáceres, Rodney Aquino, Carlos Cáceres, paraguaios. AMARELOS: Mancinelli, Balbi, Dominguez, Giordano, Paulandré. CRUZEIRO: Fábio, Mayke, Leo, Paulandré, Mena; Willians, Henrique (Dourado); Marquinhos, Arrascaeta (Judivan, 67), Willian (Alisson, 46); Damião. T: Marcelo Oliveira. HURACÁN: Giordano; Mancinelli, Nervo, Dominguez, Balbi (Sotelo); Vismara, Villarruel; Toranzo (Gallegos), Torassa (Montenegro), Gamarra; Abila. T: Néstor Apuzzo.

      • SÍNDICO disse:

        HISTÓRICO. 2 jogos, 1 empate, 1 vitória do Huracán, 1 gol do Cruzeiro, 3 do Huracán,

      • SÍNDICO disse:

        POR ONDE ANDAM: Fábio (Cruzeiro); Mayke (Palmeiras), Leo (Cruzeiro), Paulandré (Paranaense), Mena (Racing), Pará (Botafogo RP); Willians (São Caetano) Xavier (Grampus ), Farias (São Paulo), Henrique (Cruzeiro); Arrascaeta (Flamengo), Bigode (Palmeiras), Riascos (Católica), Damião (Frontale), Dourado (Jianye), Marquinhos (Inter), Alisson (Grêmio), Marcelo Oliveira (desempregado)

    • Ernesto Araújo disse:

      Ábila “passou o trator” nesse jogo. Até hoje lembro dos comentários que fiz sobre a partida, aqui no PHD. Ábila RIU da defesa cruzeirense…

  3. Fernando Henrique disse:

    Eu, como filho de um senhor de 69 anos e pai de uma criança com necessidades especiais (ambos frequentadores de estádios), reconheço a importância de civilizar esses espaços, já vivenciei muito aborrecimento e frustração. Mas fazer isso de maneira intransigente, sem dialogar com quem faz a festa, só vai sufocar ainda mais a cultura construída em torno do futebol e que agoniza na América Latina.

    • Fernando Henrique disse:

      PS.:Honrado com a moral conferida no espaço mais nobre da torcida cruzeirense!

    • SÍNDICO disse:

      Fernando Henriquem 98% dos torcedores nem vão se tocar, peo simples fato de que se limita torcer, sem aprontar] confusão. Muitas medidas são universais: proibi;cão de armas, bombas, sombrinhas, sinalizadores, bambus, fogos etc. O torcedor não pode fazer nem em jogos contra o Valeriodoce. Outras beneficiada maioria, como proibição de bandeiras gigantes que impedem a visão do muita gente. Papéis higiênico e picados são apenas desperdícios que qq um com um mínimo de bom senso já evita. O que está pegando, então? Qual é o motivo pra tanto aborrecimento?

  4. Eduardo Arreguy Campos disse:

    Voltamos ao tempo do “não pode”. Dizem que é cíclico.