Mineiro 1965: Cruzeiro 1×0 Atlético-MG

Por SÍNDICO | Em 30 de dezembro de 2010

Cruzeiro vence o primeiro superclássico no Mineirão

A goleada do Cruzeiro sobre o Siderúrgica, uma semana antes, deixou os alvinegros tensos. Aos 7, Bougleaux deu pontapé em Ilton Chaves e o jogo ficou parado três minutos.

Pouco depois, Viladonega acertou Pedro Paulo, que revidou e, por pouco, o conflito não se generalizou.

Incapaz de acompanhar o velocista Hilton Oliveira, o lateral-direito João Batista apelou pra rasteiras, cotoveladas e empurrões.

Juan de la Pasión Artés tentou administrar a violência. Iludiu-se imaginando que, com o passar do tempo, os jogadores se acalmassem e ele pudesse levar a bom termo o primeiro superclássico da Era Mineirão. Não deu certo.

Com Ílton Chaves protegendo a zaga e Dirceu e Tostão armando jogadas de ataque, o Cruzeiro dominou o jogo.

No Atlético, Bougleaux, Viladonega e o atacante Toninho, que recuou para ajudar os meio-campistas de ofício, estavam perdidos.

Diante da superioridade técnica do meio de campo celeste, Bougleaux e Viladonega se limitaram a distribuir botinadas. Isso, quando conseguiam chegar a tempo de disputar a bola com algum jogador de azul.

Tocando a bola com rapidez, os cruzeirenses evitavam o corpo-a-corpo. Sem contar com o apoio do meio de campo, Roberto Mauro virou presa fácil pra William e Vavá.

Na etapa inicial, Tonho só defendeu bolas atrasadas. Algumas com as mãos, o que era permitido naquele tempo.

O gol

Aos 35, Dirceu Lopes lançou Hilton Oliveira. O ponteiro foi à linha de fundo e cruzou. Acossado pela defesa, Marco Antônio rolou a bola pra Tostão, que chutou forte marcando o 1º gol da história do Superclássico no Mineirão.

Pênalti claro!

Na etapa final, o Cruzeiro pôs o Atlético na roda. O 2º gol era questão de tempo e capricho dos atacantes.

Aos 34, Wilson Almeida invadiu a área e foi derrubado por um carrinho do lateral-esquerdo Décio Teixeira. Pênalti claro.

Sururu

Mal acostumados por terem passado pela Era Independência com poucos pênaltis contra, os atleticanos ficaram estarrecidos com a decisão de Juan de la Pasión Artés.

Vander agrediu o juiz, que pediu proteção à Polícia Militar. Como ela não o atendeu prontamente, outros termocéfalos se animaram. Virou linchamento.

O treinador Marão invadiu o gramado e também bateu no árbitro. Só aí os soldados saíram de sua letargia para proteger a vítima.

Seguiu-se uma batalha campal entre jogadores emplumados, inclusive reservas, e policiais. Artés expulsou o time inteiro do Atlético e pôs fim à partida.

  • Atlético-MG 0x1 Cruzeiro, domingo, 24out65, Mineirão, Belo Horizonte, 11ª rodada do Campeonato Mineiro de 1965 – Público pagante: 47.530 – Público presente: 60.000 (estimativa levando-se em conta convites, cadeiras cativas, sócios do Atlético e profissionais trabalhando no estádio) – Renda: Cr$46.884.000 – Juiz: Juan de la Pasión Artés – Bandeiras: Witan Marinho e José Gomes – Gol: Tostão, 35 do 1º tempo – Cruzeiro: Tonho, Pedro Paulo, William, Vavá e Neco; Ilton Chaves, Dirceu Lopes e Tostão; Wilson Almeida, Marco Antônio e Hilton Oliveira. Tec: Airton Moreira / Atlético-MG: Luiz Perez; João Batista, Vander, Bueno e Décio Teixeira; Bougleaux e Viladonega; Buião, Roberto Mauro, Toninho e Noêmio. Tec: Mário Celso de Abreu (Marão).

Xilindró

Luiz Perez, Toninho e o reserva Elci ficaram detidos no Depósito de Presos da Lagoinha até às 22h.

Consolo

Gil César, construtor do estádio, e Benedito Adami de Carvalho, presidente da FMF, ambos atleticanos, foram ao vestiário consolar o juiz.

Lá encontraram Antonio Alvarez e Gimenez Molina, tios do apitador. Nervoso, Molina queria saber por que o sobrinho não abandonou o gramado logo que recebeu a primeira agressão. “Porque não sou covarde”, explicou Artés.

Enxerido

Na saída do vestiário, Adami deu de cara com Nicola Granatta. Além de empedernido termocéfalo, o diretor do Cruzeiro era um tremendo enxerido.

Mesmo não tendo motivos pra se meter na briga alheia, Granatta falou desaforos ao presidente da Federação, segundo ele, responsável pela confusão por sempre proteger os emplumados.

Resultado: foi pra súmula e ganhou lugar no banco dos réus do TJD. Tinha de acontecer. Um sururu no superclássico não ficaria completo só com atores de um dos clubes.

Bicho

O Cruzeiro pagou prêmio de Cr$150.000 a cada titular e metade aos reservas. Era a maior premiação da história do clube, mas condizente com o público pagante, quase três vezes maior do que a lotação máxima do palco anterior do superclássico, o Estádio Independência.

Apesar de tudo…

Apesar do papelão do Atlético-MG, no dia seguinte, a CBD informou à FMF que convidaria os dois clubes pra substituir os atarefados excursionistas, Santos e Botafogo, no Torneio Rio São Paulo de 1966. O que não passou de conversa fiada da entidade-mãe do futebol brasileiro.

Prestígio

Quatro dias depois do clássico, escolhido por professores e alunos, Dirceu Lopes foi homenageado em sessão solene do Colégio Anchieta.

O auditório da escola, na Rua Tamoios, ficou lotado e todo mundo se surpreendeu quando o craque contou que também era estudante.

Dirceu freqüentava a Escola Técnica de Comércio de Minas Gerais.

Ele tinha a cara de uma nova geração de boleiros surgida com o Mineirão. Jovens que não pretendiam viver de glórias passadas.

42 comentários para “Mineiro 1965: Cruzeiro 1×0 Atlético-MG”

  1. Dylan disse:

    verdadeira preciosidade esse post…

    • Geniba disse:

      Preciosidade? Esse post ganhou o que? Algum título relevante? Portanto, não vejo nada demais nesse post. Até acho que o ciclo desse post já se encerrou neste blog, melhor trocá-lo por outro post, novos ares. Não precisamos de posts medianos, que nunca ganharam nenhum título no Bloguinhão. É um post esforçado e só, não faz a diferença no blog.

      • Jorge Santana disse:

        Vcs precisam se reconciliar. Aproveitem o clima de amor à humanidade, que paira no ar a cada fim de ano, pra tomarem um bom vinho e falarem de amenidades. Quando o elenco se apresentar dia cinco, vcs voltam ao pugilato.

      • Dylan disse:

        serpa que algum dia alguém falou pra esse cara que ele era engraçado? só pde ser isso…

      • Sobrinho disse:

        Passo mal de rir com o pugilato!

      • Dylan disse:

        o Geniba tem fixação em mim. Le todos os meus comnetários, decora, já veio até Brasilia pra tentar me conhecer, nunca tive um fã tão ardoroso.

      • Frede disse:

        Pq vc nao o recebeu? Pu.ta falta de sacanagem.

      • Geniba disse:

        Eu era seu fã, mas seu ciclo como meu ídolo já se encerrou. Vc não faz muita diferença, é muito mediano para ser meu ídolo. Provinciano, para ser mais exato. Não fará diferença na minha galeria de ídolos, pois nunca ganhou nada de relevante nem no Programa Ídolos.
        #GenibaMono

  2. Frede disse:

    Cruzeiro faturando frangas?? Normal!! Show de bola! Dirceu é fora de série mesmo! Precisava ser mais homenageado pelo clube…

  3. Geniba disse:

    Ganhar o primeiro clássico do Mineirão deixando as frangas descontroladas: não tem preço!

  4. LUIZ ANTONIO disse:

    Alô pessoal!
    Essa narrativa merece um milhão de comentários.
    Deixem as latinhas de lado e mão à obra.

  5. LUIZ ANTONIO disse:

    Imaginando a narrativa do gol, seria espetacular:

    …Bola nos pés do garoto Dirceu Lopes,
    ele olha para todos os lados do campo e vê Hilton Oliveira correndo para o canto do gramado. Dirceu faz um espetacular lançamento, Hilton recebe, vai à linha de fundo faz um margistral curzamento para a área, Marco Antônio recebe a pelota e rola para Tostão encher o pé mandando a bola para as redes do goleiro Luiz Perez que nada pode fazer. Um golaço de Tostão para fazer a nação azul vibrar de emoção.
    E se fosse o Alberto Rodrigues, Seria: Gol Gol Gol Gol Gol Gol Gol Gol
    CRUUUUZEEEEIRO.

    • S@muel disse:

      No site da Itatiaia tem o Albertinho narrando o gol do “menino” Dirceu Lopes em cima do Santos na Taça Brasil de 66. Será que eles não têm também esse gol histórico: o início da hegemonia na era mineirão?

  6. Sobrinho disse:

    Eu sempre imaginei que o pessoal que falava que o futebol de hoje é mais violento que o de antigamente sofria de memória seletiva. Depois dessa narrativa eu tenho certeza!

  7. Hugo 5erel0 disse:

    A Fuga das Galinhas.

  8. Naldo disse:

    O sofrimendo galináceo começou cedo, logo no primeiro clássico do Mineirão. Que papelão do rival! Começou mal e nunca irá acabar bem.

  9. Ricardo Malafaia disse:

    Juan de la Pasion Artés. Chamaram juiz de fora para apitar?

  10. Jorge Santana disse:

    Comunicado à praça: o antispam amanheceu com a vó atrás do toco. Tá passando rodo geral. Paciência, please.

  11. ACRossi disse:

    Preciosidade. Recordar é viver. Eles só esperavam a oportunidade de fazer a cachorrada, o penalty foi a desculpa, até com os PMs eles brigavam. Só adiaram por 4 decadas tomarem 5, era prá ser no primeiro, eles fugiram….

  12. ACRossi disse:

    E o Xico Antunes que nunca tinha visto o Tostão…Teve que engolir por anos….

  13. Gustavo Martins disse:

    Até agora, este foi o melhor destes fantásticos posts históricos. Muito bom.
    Jorge Santana, gostaria de te enviar um email. Qual o endereço?

  14. ACRossi disse:

    Na escalação os patéticos estão com dez. Faltou o Toninho.

  15. Elias disse:

    Vendo com mais atenção as duas escalações, dá prá se notar uma enorme diferença entre um time e o outro. Mas como esse sempre foi e será um jogo especial, o 1 x 0 ( de penalti) vira goleada.
    *****
    OT…Uma boa entrevista no ME de hj com o Dimas Fonseca.
    Não o conhecia e deu prá ver que ele está muito animado com sua nova função, pelo que falou o Cuca vai ver a base com outros olhos ( tomara) dando chances aos emergentes principalmente no regional. Encheu a bola do nosso treinador, do Benecy Queiróz e de toda a equipe que dirige o Maior de Minas.
    E é bom ver o Cruzeiro novamente sendo dirigido por cruzeirenses…

    • Geniba disse:

      Elogiou diretoria, Elias? Vai tomar cacete!

      • Elias disse:

        Não… relatei somente o que ouvi e vi.
        E gostei da postura do Dimas. E fiquei satisfeito de saber que ele, antes de ser um novo cartola, torce pro Cruzeiro, ao contrário do antigo diretor o qual, dizem, está atualmente servindo seu time do coração. Gostei da desenvoltura da entrevista, do fato do Dimas ter colocado a gravidade do momento do clube ante a perda de receitas ( poucas transferências e prejuízo incalculável com o fechamento do Mineirão) e sua vontade de acertar. Ele só me pareceu um pouco iludido ao dizer que conta com o apoio da torcida aos jrs a serem promovidos.
        Quanto ao seu coment….o que certos comentaristas falam ou deixam de falar pouco me importa. Como cruzeirense igual ä maioria dos que freqnetam aqui torço prá dar certo.

      • FABRICIO OLIVEIRA disse:

        Elias,
        O Antigo diretor de futebol de nosso time realmente era rosado.
        Alias, ele e toda a família Maluf que são moradores da região de Itabira e João Monlevade. Ali são todos Emplumados.

      • FABRICIO OLIVEIRA disse:

        Ali, que eu digo é a família Maluf, não Itabira e Monlevade que são redutos cruzeirenses.

  16. Celeste disse:

    A cada Post que leio, mais me convenço de que o Mineirão é nosssa casa. Tostão Eterno.

  17. Moema (MFox) disse:

    Não conhecia a história deste jogo! Fantástico!

  18. Mauro França disse:

    A série toda é espetacular. Certamente conheceremos outros grandes momentos/jogos da nossa história, como esse do primeiro clássico no Mineirão.

  19. ACRossi disse:

    Uma sugestão: Ao Final de cada post, atualizar como estava a colocação do campeonato.

  20. Visite o hot site do Campeão Brasileiro de 1966………http://www.cruzeiro.com.br/campeao66.php

  21. Beth Makennel disse:

    Mandei uma mensagem para a FIAT, cobrando apoio ao Cruzeiro. Falei que apoiam o Palmeiras e se esquecem de dar apoio semelhante ao Cruzeiro que é do estado que acolheu a sua montadora e o clube que foi fundado por italianos e que veste as cores da bandeira italiana em sua camisa consagrada. Penso que muitos outros torcedores Cruzeirenses, poderia mandar mensagens para a FIAT, pedindo esta força. Uma coisa que sempre penso, será que não existe em Minas ou no Brasil inteiro, nenhuma grande empresa controlada por Cruzeirenses? Poderiam dar apoio ao Cruzeiro, não é mesmo?

    • Walterson disse:

      Beth, com a Fiat agora se instalando em Pernambuco, teremos patrocínio até do Ibis, menos do Cruzeiro.

    • Porque vocês fazem questão de culpar a FIAT?
      Ela se interessou em patrocinar o Cruzeiro em 2011.
      O Cruzeiro negociou com o BMG que aumentou o valor do patrocínio (segundo algumas fontes). A FIAT optou por gastar a verba que gastaria com o Cruzeiro com outros times como o América.
      O BMG tá patrocinando times no país inteiro. Muitos deles grandes e famosos.
      QUal o problema? O que a FIAT tem a ver se a diretoria (Presidente ZZP) prefere o BMG com aquele laranjão ofensivo e grotesco ???

  22. Walterson disse:

    Belo post. Pra variar, a galinhada batendo em retirada.

  23. Deu para perceber como o mineirão ajudou no crescimento do nosso time e fazendo um paralelo, acredito que este fechamento por dois anos, teremos estragos nos próximos três. Vamos aguardar

  24. SObre a “Fuga da Galinhas – O Recomeço”, nada de novo no front.
    E mais um post que deveria ser aproveitado Por muito torcedor que bate no peito para ignorar a história desde time que NÃO foi construída nos últimos 16 anos.