Memória, Interdição, Chefia: temas para o domingo

Por SÍNDICO | Em 1 de agosto de 2010

Pra começar bem o domingo, recomendo a leitura dos colunistas do Cruzeiro.Org. O link está na coluna ao lado:

  • João Chiabi Duarte, em Lembrando um Clássico Marcante da História – São quase 26 anos de diferença, mas, quantas coincidências… E como recordar é viver, porque não falar de uma PÁGINA HERÓICA IMORTAL? – Nada como a lembrança de uma conquista que mudou a história do Cruzeiro para marcar este período que a gente está vivendo. Nossa torcida anda tensa e apreensiva, pois, tem sobrado incursões para nos tirarem a confiança nas nossas forças, capitaneada como sempre pela incrível imprensa mineira. Vejo todos os dias os torcedores elogiando as contratações e o timaço formado do outro lado da Lagoa. A coisa era mais ou menos parecida há 26 anos atrás.
  • Jorge Schulman, em O Clássico da Intolerância – Quando a Federação Mineira de Futebol (FMF) divulgou que os jogos entre Atlético-MG e Cruzeiro pelo Campeonato Brasileiro 2010 terão torcida única, e que a definição foi tomada após reunião com representantes das duas equipes para garantir a segurança dos torcedores, fiquei com um sabor amargo de impotência, sou sincero. O que nos resta dessa medida, senão aceita-la e assumirmos que os dirigentes acreditam que a violência de maneira geral se combate proibindo o encontro em espaços coletivos, e que, todos, pagamos as consequências?
  • Wilson Flávio, em Troca de Chefe – Troca de chefe traz alguns efeitos positivos. O funcionário encostado enxerga uma nova chance de entrar nos planos. O funcionário boicotador precisará perder um tempo para conhecer a nova chefia e traçar os novos planos de boicote. Funcionário que estava em alta com a chefia antiga não quer perder o posto, o que o leva a mostrar serviço para o novo comando. O cliente, por sua vez, passa a acreditar que, sob nova direção, o serviço deve melhorar.

12 comentários para “Memória, Interdição, Chefia: temas para o domingo”

  1. Binho disse:

    TUdo certíssimo. Eu não estou confiante, mas é por causa da zaga. Não pelo time que está do outro lado ou da imprensa.

  2. Jorge Santana disse:

    O Chiabi está confiante e considera o Gil um bom zagueiro.

  3. Walterson disse:

    Nesta acho que o grande Jorge Schulmann está enganado. Salvo engano foi na Arrentina que andaram proibindo duas torcidas no estádio em dias de clássico. E não vejo como o Estado poderia coibir a violência quando os “bandidos” (dos dois lados, diga-se) estão espalhados pela cidade inteira e a distância de 70 km permite muitos encontros indesejáveis. Basta um pequeno acidente na estrada para que o trânsito pare e as torcidas se encontrem.

  4. Alex Martins AMC disse:

    Eu tive a oportunidade de ouvir a historia deste jogo da boca de um dos principais personagens, o CArlinhos Sabia é frequentador do bar do meu pai em Sarzedo, um certo dia cheguei no bar meu pai o apresentou , e eles estavam falando justamente do ano de 84, que começou a virada do Cruzeiro contra o patetico, falou da emoção de ter marcado gols naquela final, e que ficou triste quando saiu do Cruzeiro para ie para o Furacão.

  5. Eduardo Arreguy Campos disse:

    Pois é. Hoje não temos ninguém da base disputando lugar no time principal. Isso deve ser culpa do Maluf. Ou do Zezé.

  6. Eduardo Arreguy Campos disse:

    Jonathan é titular a muito tempo. Diego Renam não disputa titularidade com ninguém. É ou não é muito pouco?

  7. Eduardo Arreguy Campos disse:

    E quem “preferiu prestigiar o rebotalho posto no clube por empresários do que a turma de juniores campeoníssima de 2007”? Dá o nome deste cara aí, que eu vou cobrar.

Deixe um comentário

Você precisa fazer o login para publicar um comentário.