Marra: “Eu não daria, mas foi”

Por Jorge Angrisano Santana | Em 15 de novembro de 2010

Pitacos de blogueiros e protagonistas acerca do Corintiãs 1×0 Cruzeiro, no Pacaembu, São Paulo, pela 35ª rodada do Campeonato Brasileiro de 2010, em 13nov10:

  1. Zezé Perrella, presidente do Cruzeiro: Estou no futebol há 17 anos. Isso faz a gente desistir. Eu falei com o safado do Sérgio Correa. Esse juiz deve estar levando grana. Só pode ser isso. Eu sei o que é lutar contra o futebol de São Paulo. Seis impedimentos que ele deu que não estava. Um f**** desses não poderia nunca estar no futebol. Eu tenho certeza que o Andrés não comprou o juiz, mas alguém, com certeza, fez isso por ele.


    Todo mundo viu. Você trabalha o ano inteiro, com uma dificuldade danada. O vencedor desse jogo é o campeão brasileiro, com todo respeito ao Fluminense. Hoje nós fomos eliminados por um incompetente, por um safado. O tribunal tem que ver esse lance. O Paulo Schimidt, ao invés de dizer que vai me processar, tinha que processar esse picareta. São pessoas assim que acabam com o futebol brasileiro. Nem sei se vou com a Seleção para o jogo. São oito milhões de torcedores sofrendo por causa de um picareta como esse, que veio nos operar. Eu tenho vergonha na cara. Se continuar assim, dificilmente um time fora de São Paulo vai ser campeão. Estou me sentindo impotente nesta situação. Eu quero que ele me processe. São todos picaretas. O Sérgio Correa e esse juiz.

  2. Andrés Sanchez, presidente do Corintiãs: Se ele [ZZP] falou isso, é um absurdo. Ele vai ter de provar. Saindo daqui, vou conversar com ele. Não pode colocar o Corinthians em suspeita. Fico triste, ele é um dos poucos amigos que tenho no futebol. Acho que ele perdeu um pouco o controle. Se alguém tiver algo a provar, eu abro o clube. Aqui não tem esquema. Muitos clubes têm caixa 2. Aqui não tem. Quando fizemos dois gols contra o Guarani, e o juiz anulou, não fiz escândalo. No futebol não existe ninguém sem prejuízo. Existem coisas piores no futebol do que um pênalti bem ou mal marcado. Eu entendo o nervosismo. O Corinthians já foi prejudicado e beneficiado. Erros acontecem. Ronaldo está dominando no peito e toma um tranco por trás. Se fosse fora da área, ninguém iria reclamar e seria falta.
  3. Ronaldo, centroavante do Corintiãs: Gente, vamos parar de história. Foi pênalti, o cara deu um tranco quando eu ia dominar a bola! O importante foi a luta desde o início, do primeiro ao último minuto. O Cruzeiro tem uma excelente equipe, muito ofensiva, com jogadores velozes. Acho que essa vitória foi conseguida na garra, na raça. Acho que foi fundamental o apoio da torcida. O campeonato não acabou. Vamos dormir líderes e ver o que acontece com o Fluminense.
  4. Tite, treinador do Corintiãs: Foi um grande jogo, com duas grandes atuações dos goleiros. Foi um jogo de altíssimo nível. Desempenhos parecidos, com uma efetividade superior nossa. No 1º tempo, o Cruzeiro foi superior. No 2º, fomos nós. O Corinthians só foi se ajustar nos últimos dez minutos do 1º tempo, quando consegui reposicionar o Bruno César e o Dentinho por dentro. Voltamos melhor no 2º tempo, e o Cruzeiro se retraiu. Em jogos iguais dessa grandeza, um detalhe faz a diferença. Felizmente, para nós. Para mim, é um lance claro de pênalti porque há força desproporcional de quem vem de trás, numa bola em que o Ronaldo tem autonomia no lance. Eu tenho essa impressão.
  5. Cuca, treinador do Cruzeiro: É duro falar em cima disso, porque você não está jogando uma partida comum, era uma decisão. Vou pedir à Globo para rasgar meu voto. Tem que tirar. Foi a maior decepção da minha carreira no futebol. Eu tive que acalmar o Fabrício. Ele já queria expulsar o Fabrício. Foram três impedimentos, eram lances de gol. Eles são bons, por isso fiquei espantando. Ele não poderia dar pênalti no Thiago? Foi muito mais pênalti que o do Ronaldo. Tudo foi jogado fora, depois de 35 rodadas. O juiz colocou o Corinthians com a mão na taça. Eu, se fosse o Fluminense, ficava de olho. Se eu falasse o que eu queria, tomava um gancho danado. Fulano foi chefe da delegação ou não foi. Eu dou minha vida no Cruzeiro. Sabe o que vai acontecer com o Sandro? Vai pegar um gancho de uma semana. Vai por na súmula que o Gilberto xingou. É vergonhoso. Acabou com todo o trabalho. Jogou por terra. Isso não é erro comum. Isso é coisa grave. Vamos acreditar. Temos três jogos, temos que vencer os três. Dentro de campo, vamos acreditar. Fora de campo, me nego a acreditar. É uma vergonha o que foi feito. Isso denigre o futebol. O apaixonado por futebol fica envergonhado.
  6. Thiago Ribeiro, atacante do Cruzeiro: Dá a taça para logo para o Corinthians ou para o Fluminense. O juiz está de brincadeira. Acaba com o campeonato logo. O cara puxou meu pé dentro da área, e o juiz não teve coragem de dar um pênalti. O ideal era todo mundo abandonar o campeonato e dar a taça para o Corinthians.
  7. Roger Galera, meia do Cruzeiro: Depois falam que São Paulo e Palmeiras não devem entregar o jogo para o Fluminense. Tomara que São Paulo e Palmeiras entreguem. Lógico que revolta. Não adianta tentar agredir e xingar, isso vai contra nós profissionais. Árbitro é amador, se ele ficar dois jogos suspensos não muda nada, porque tem outra fonte de renda. “Só temos a lamentar. Fizemos um grande trabalho, o jogo foi bonito, o Cruzeiro, na minha opinião, foi muito superior o tempo inteiro. Num lance que a gente que está ali dentro não pode muito interferir, sabe que a decisão é do árbitro, no mínimo polêmico e duvidoso, ele marcou um pênalti. Mas a gente tem que sair de cabeça erguida. Eu não gosto muito de reclamar, nem do pênalti, mas principalmente dos impedimentos marcados que não estava impedido, a gente ia entrar na cara do gol. Prejudicaram bastante a nossa equipe, mas eu joguei aqui também, sei como funciona. Em 2005 eu estava desse lado e não reclamei, agora contra eu também não posso reclamar muito.
  8. Wellington Paulista, atacante do Cruzeiro: Lógico que tivemos chances de fazer gol, não vamos tirar a culpa de cima da gente. Mas o que aconteceu vocês não têm que deixar de falar, porque foi brincadeira. O que estão fazendo com a gente não é de hoje. É o terceiro jogo em que ‘metem a mão’ na gente. Espero que olhem um pouco pelo lado do Cruzeiro também. Falei dentro do campo para o juiz e o quarto árbitro para darem o título para o Corinthians, porque foi sacanagem o que fizeram com a gente. Tivemos chance de fazer o gol, mas se não tivessem dado o pênalti para o Corinthians, acabava 0 x 0, ou a gente teria a chance de fazer o gol. Expulsaram o Gil sem motivo nenhum e acaba a situação ficando complicada para nós. Agora é só levantar a cabeça. Estamos de cabeça erguida, ninguém está chateado com essa situação, estamos com raiva. É diferente de chateado. Estamos nervosos pelo que aconteceu. Ele (o árbitro) não respondeu nada. Eu pedi para dar a mão para ele no campo. Falei assim: ‘se você for homem, dê a mão para mim’. Ele me deu a mão, só que ele sabe o que fez. Ele falou para mim que é homem, só quero ver se a situação agora vai ser boa para ele, pelo que ele fez com a gente dentro de campo.
  9. Eduardo Arreguy, no PHD: O Cruzeiro fez um bom jogo e no segundo tempo estava melhor que o adversário, principalmente no final, quando o Corinthians abriu um buraco de meio de campo, permitindo ao Cruzeiro atacar com perigo. Neste momento o jogo estava mais para nós. Num lance infeliz, mas que acontece com constância, o árbitro marcou penalti inexistente numa disputa de bola limpa. Perdemos um jogo por culpa de nosso inoperante ataque, porque juiz erra a todo momento. E se o Fabrício jogasse na minha pelada, ia tomar coque do time inteiro pelo estrelismo.
  10. Vinícius Cabral, no PHD: Sobre o jogo: Desde o início, o Cruzeiro soube neutralizar as principais jogadas do Corinthians, muito em função de ter escalado a trinca de volantes. Esta trinca foi responsável pela qualidade na saída de bola. Gilberto, em alguns momentos, atuou no meio, o que deu mais consistência ao setor. O Cruzeiro atacou muito pela direita, principalmente com o Thiago Ribeiro, e soube aproveitar bem os contra ataques que pararam no bandeira. Mas, convenhamos, eu não posso dizer que o Cruzeiro falhou nos contra-ataques se a conclusão das jogadas esbarrou nos bandeiras. No 2º tempo, o Cruzeiro continuou com domínio do jogo e teve uma grande chance com o WP, que chutou em cima do goleiro. Teve ainda alguns lances, como o que o WP sairia na cara do gol mas sofreu uma falta clara que o juiz não marcou. Mas, convenhamos, eu não posso chamar o WP de tosco e cai-cai, se ele realmente sofreu falta no lance. O Thiago Ribeiro foi o motor do time. Incansável, como sempre. Prejudicado no 1º tempo com impedimentos mal marcados, no 2º, continuou se movimentando bem, dessa vez, menos fixo na direita, sofreu um penalti não marcado e foi calçado na entrada da área quando se preparava para chutar, em um lance que o árbitro mandou seguir. Que termocéfalo eu sou, deve estar pensando o Síndico. Mas, convenhamos, como eu vou questionar a eficiência de um jogador que teve a maioria dos lances em que participou paralizados pela arbitragem? Mas, enfim, o Cruzeiro praticamente não deixou o Corinthians jogar. Dominou o meio de campo, soube puxar os contra-ataques que não foram concluídos em sua maioria porque… ahhhhh… deixa pra lá…
  11. Naldo Morato, no PHD: O Cruzeiro entrou com uma formação adequada para o jogo. Gilberto mais aberto pela esquerda, Montillo pelo meio na criação, Marquinhos Paraná cobrindo o lado esquerdo, Henrique e Fabrício completando o meio de campo, WP e TR no ataque. O Thiago Ribeiro jogando mais pelos lados e WP mais centralizado. Leo e Gil formavam a dupla de zaga. O time do SCCP não veio pra cima do Cruzeiro, optou pelo jogo mais cadenciado, tentando em uma ou outra jogada com o Ronaldo chegar ao gol. O Cruzeiro marcava bem e saia nos contra-ataques quando podia. Com o jogo mais pegado no meio e os dois times não aproveitando as oportundiades que surgiam, o 1º tempo terminou 0x0. No 2º, o Cruzeiro perdeu Montillo por contusão, de tanto levar pancada no jogo, com a complacência do juiz. Entrou o Roger em seu lugar e o time perdeu qualidade. Esse cara, pra mim, já deu. Cuca poderia ter feito entrar alguém na esquerda e empurrado o Gilberto pra armação no lugar do Montillo. O juiz errava, o bandeirinha errava, na maioria dos lances contra nós. Mesmo assim, o jogo caminhava pra terminar sem gol, princpalmente, porque o ataque celeste não concluia as oportundiades que criava. Até que, aos 42, o juiz não titubeou e marcou penalidade do Gil no Ronaldo e decidiu o rumo da partida, pois o Ronaldo não desperdiçou o presente que recebeu.
  12. Mário Marra, em seu blog: Eram 120 pontos reunidos em campo. O vice-líder contra o terceiro lugar. Muita história e uma disputa intensa pelo título. Corinthians em casa contra um Cruzeiro, que é o melhor pontuador fora de casa. Jogo de Xadrez? Mais parecia War. Jogo de estratégia. O Corinthians era o titular e o Cruzeiro atuava com o melhor, sem Caçapa. Gilberto foi ala e Paraná fez a cobertura se posicionando até como zagueiro pela esquerda. Gil em cima do Ronaldo. Ralf cuidava de Montillo e Thiago tentava enganar a marcação. Wellington Paulista como referência. Jogo de pouco espaço e poucas finalizações. Era perceptível o tanto que as duas equipes estavam fortes, determinadas e concentradas. Bruno César e Wellington Paulista voaram por alguns momentos. Montillo não escapava de Ralf e o jogo fluía pelo meio. Quando o Cruzeiro chegava, Wellington errava na finalização ou no posicionamento. Sandro Ricci e seus auxiliares erravam em impedimentos e prejudicaram a equipe do Cruzeiro. O segundo tempo era na mesma intensidade. Os dois treinadores ameaçavam tentar desarrumar o esquema adversário e os espaços surgiram. Montillo passou a arrastar Ralf para os lados e Júlio César trabalhou muito bem. Quando tudo indicava que o Fluminense comemoraria o empate, Ronaldo sofreu carga de Gil e Sandro Ricci deu pênalti. Para o mundo! Eu não daria, mas foi. Não daria porque não tive certeza na hora do lance e o árbitro não pode rever a jogada, mas Gil, que foi bem durante todo o jogo fez falta em Ronaldo. Falta normal, que seria marcada também fora da área. Entretanto, dentro da área, nenhuma falta é normal – Pênalti! Ronaldo bateu e fez. Fabrício saiu revoltado de campo. Entendo a atitude, até elogiaria o envolvimento dele, mas não pode acontecer. Cuca contava com ele em campo e tiraria Thiago Ribeiro e não Fabrício. Ainda restavam parcos 3 minutos, mas poderia acontecer…não aconteceu. O Corinthians segue firme e é candidato ao título. O Cruzeiro tem que contar com o improvável, mas deve manter a luta para não perder a terceira vaga da Libertadores. O jogo terminou, mas as especulações e sugestões de que o campeonato é Corintiano vão permanecer até sei lá quando. O justo era o empate, mas o Corinthians venceu.

Deixe um comentário

Você precisa fazer o login para publicar um comentário.