Marc: “2/3 dos gols, após expulsões do Dedé”

Por SÍNDICO | Em 6 de outubro de 2018

PITACOS acerca do CRUZEIRO 1-1 BOCA, Mineirão, Belo Horizonte, 04out18qui21h45, volta das quartas da Libertadores 2018:

MANO MENEZES: Quando nos tocou enfrentar o Boca nas quartas, sabíamos que seriam jogos grandes, difíceis pela qualidade do adversário, mas que tínhamos condição de passar. Eu só gostaria que o jogo fosse apenas dentro de campo que se determinasse o vencedor. Porque aí estaríamos parabenizando o adversário como sempre fizemos em todas as situações em que perdemos. Mas não foi isso que vimos nos 180 minutos. O fato foi tão absurdo que, numa decisão inusitada, a Conmebol liberou o Dedé pro segundo jogo. Isso é assumir o erro grosseiro que aconteceu lá. O jogo naquele momento quando Eber Aquino expulsou Dedé na Bombonera era 1×0 pro adversário, já era um placar diferente em relação ao que seria aqui, aí acabamos tomando o segundo gol. Viemos aqui pra um jogo de superação, pois reverter 2x 0 contra uma grande equipe é difícil. Nós nos entregamos, fizemos um jogo não de muitas oportunidades, mas de oportunidades pra vencer. Mas, pra nossa surpresa, desde o início houve faltinhas aqui, condescendência com paralisações, e na minha opinião fizemos um gol legal no 1ª tempo. Um gol mal anulado. E saímos dessa forma. É isso que me deixa chateado. Não tenho nada que reclamar da equipe, a equipe se entregou, tem suas limitações porque todos tempos. Mas mesmo tendo essas limitações, poderíamos ter passado do adversário se as coisas tivessem transcorrido dentro da normalidade. Mas vamos tocar a vida depois disso. Sempre falta algo, senão teríamos passado. Mas hoje poderíamos ter feito mais que não teríamos passado. O problema está aí. Não se pode tirar coisas tão graves em 180 minutos pra fazer de conta que elas não aconteceram e discutir parte técnica. Temos que discutir parte técnica quando as coisas forem normais e elas não foram normais. O torcedor do Cruzeiro foi brilhante, não temos nada a reclamar, somente elogiar. Ele nos ajudou muito e até entendeu as dificuldades. E a entrega dos jogadores foi na mesma proporção. Foi por isso que ele aplaudiu a equipe na final. O torcedor não comemorou, porque quando se perde, time grande não comemora. Mas aquilo ali foi um gesto de carinho. E esse gesto vai nos dar força no primeiro jogo da final da Copa do Brasil pra tentarmos fazer o resultado em casa”.

OLÉ: No final do 1º tempo, um cruzamento chegou à área, e Dedé levantou a perna, mas não pareceu intervir no campo de ação de Rossi. O goleiro do Boca errou, deixando a bola flutuando. O Cruzeiro marcou o gol, mas o árbitro alegou falta de Dedé. Eles queriam devorá-lo. Erro do juiz.

DEDÉ: Não foi lance pra expulsão, nem pra cartão amarelo. Lance normal. Infelizmente, a gente vê que muitas coisas não acontecem só dentro de campo. Acho que fiquei marcado. Sofri falta em toda jogada que eu fiz, de bola na área. Teve uma jogada em que o goleiro errou o tempo de bola e o zagueiro puxou minha cabeça. Precisei abaixar a cabeça. Nesse lance, eu não consegui arrematar por ter sido puxado. Eu falei com o juiz pra ele prestar atenção em mim. Ele disse que a próxima vez que eu fosse na área ele ia me advertir. Aí no lance seguinte o goleiro socou, eu trombei de ombro a ombro, ele me deu amarelo. O goleiro se jogou, simulou que eu tinha dado a mesma cabeçada sem querer no goleiro do jogo de ida, fez o drama dele, e o juiz me deu amarelo.

EDÍLSO: Choro do Thiago Neves foi de decepção por não conseguirmos fazer o que planejamos. Jogamos muito bem, nos doamos ao máximo, mas infelizmente não conseguimos. A torcida nos apoiou, está de parabéns, só temos a elogiar. O sentimento é de decepção por não fazermos o que planejamos.

CLAUDINEI VILELA: Teve um gol anulado, um pênalti desmarcado e um jogador expulso. Neves teve chances de marcar e errou, Menso com uma menos, o time criou chances, Raniel perdeu uma na cara do gol. O Boca fez o jogo dele, depois de conseguir um 2×0 na mão grande em casa. O juiz foi condescendente com a cera. Dó “perigo de gol” deve ter marcado uns trinta. Arbitragem péssima nos 180 minutos! Mesmo assim Cruzeiro jogou o suficiente pra vencer, Não deu e a vida segue.

MARC BSB: O Cruzeiro tomou dois a dos três gols, após as expulsões do Dedé. O Boca não é melhor e nem foi melhor. Levou a classificação por conta dos erros de arbitragem.

BRUNO SETELAGOAS:  O Juiz cozinhou o jogo. O time celeste lutou, foi no coração, mas faltou bola. Valeu!

MOEMA FOX: Zeeeiiiroooo, na alegria e na tristeza!  ó a transmissão, não posso opinar quanto ao impacto da arbitragem. Era missão difícil, poderíamos ter vencido, não fizemos os gols, uma pena. Cruzeiro sempre, independentemente, do resultado.

JOTA DIAS: O time celeste não jogou bem, mas lutou e teve chance de pelo menos levar para os pênaltis.

SÍNDICO: Se o Dedé marcasse um gol cobrando tiro de meta, o juiz anularia. Dedé, na opinião dele não devia estar em campo, então, qualquer participação dele seria ilegal. Não houve arbitragem, mas sim uma tremenda sacanagem.

34 comentários para “Marc: “2/3 dos gols, após expulsões do Dedé””

  1. SÍNDICO disse:

    CRUZEIRO foi roubado na Bombonera e no Mineirão. O resto é perfumaria.

  2. Bruno 7L RJ disse:

    OT: Estou em BH, hospedado na Pampulha. Funcionários e hóspedes relataram que dois andares do hotel foram o ocupados por torcedores do Boca. Em uma das noites varias meninas de família foram convidadas ($…) a passar a noite com estes torcedores e vários hóspedes não conseguiram dormir. O dia seguinte torcedores do CEC entraram no hall do hotel e promoveram um quebra pau com os argentinos.

  3. Bruno 7L RJ disse:

    Comenbol é uma vergonha. Esse ano a Libertadores perdeu um pouco do seu encanto pra mim.

  4. Bruno 7L RJ disse:

    Mano descreveu bem.

  5. Bruno 7L RJ disse:

    Bacana a imparcialidade do Olé.

    • Marcbsb disse:

      E, aqui no Brasil, caí na besteira de ver um pedaço de uma mesa redonda do Sportv (Rizek e Pet eram os únicos que eu conhecia de nome). Todos dizendo que a arbitragem foi boa. Só o Pet reclamou do juiz permitir cera. Comentaristas brasileiros são uma m… mesmo.

      • Thiago 5 estrelas disse:

        A imprensa no geral queria essa semi que está aí, primeiro porque não aguentam o Cruzeiro atrapalhando seus planos e segundo para fazer a propaganda de Brasil x Argentina. No primeiro semestre falei aqui se pudesse escolher um campeonato para ganhar esse ano seria a CB, por motivos óbvios minha escolha, estamos na final e espero que possamos triunfar.

      • Palmeira. disse:

        Até o pessoal da FOX caiu de pau na arbitragem, contestando inclusive a primeira falta quando o Dedé levou o primeiro cartão. Como no segundo nem falta foi…

  6. Bruno 7L RJ disse:

    Estivesse eu jogando, provavelmente teria sido expulso. Em todo forneio que disputei (e foram muitos) nada mais irrita do que ser roubado aos poucos. Uma hora a paciência acaba.

  7. Marcbsb disse:

    O resumo de tudo está no que disse o síndico mesmo: toda participação do Dedé no jogo era considerada ilegal pelo árbitro.

  8. Romarol disse:

    HÁ DUAS FORMAS pra se conquistar a Libertadores: 1. Fator sorte: não cair na frente de nenhum protegido da Conmebol. Exemplos: Cruzeiro 1997, Grêmio 2017, Lurdinhas 2013. —– 2. Futebol muito superior: Cruzeiro 1976. O Cruzeiro foi eliminado porque não apresentou futebol muito superior ao Boca. Não basta futebol igual ou levemente superior. Barcos fez um gol mais difícil contra o Palmeiras do que a chance que o Raniel teve. Não era fácil, mas a oportunidade que apareceu foi aquela. Dedé estava emocionalmente estressado. Deveria ter ainda mais sangue frio para a situação apresentada. —– Neves chutou algumas bolas ao gol. Em outras ocasiões, já conseguiu ser mais decisivo. Enfim, tem que ser muito bom num momento desses para superar o adversário protegido e que tem a arbitragem para desestabilizá-lo o tempo todo.

  9. Romarol disse:

    NÃO GOSTEI das substituições. O Boca teve o domínio no meio de campo no primeiro tempo. No segundo tempo, somente com o Henrique no meio, foram intermináveis ligações diretas. Perdeu completamente o meio de campo. O Cruzeiro de Mano não joga assim. A bola ia ao ataque e voltava. Antes sacasse o Robinho ou TN30 ou Edílson. Alternativa era entrar com Sassá e Barcos desde o início do jogo sacando Robinho. Ou também mantivesse o esquema até o fim. É assim que o time joga melhor.

    • Mauro Franca disse:

      Cruzeiro dominou inteiramente o jogo no segundo tempo até a expulsão do Dedé, quando então o Boca saiu mais pro jogo. Até então, mal tinha passado do meio de campo. Não vi essas “intermináveis ligações diretas”. Lucas Silva não foi bem no primeiro tempo e se sai melhor quando o time tem que segurar do que quando tem que fazer.

      • Mauro Franca disse:

        Ou seja, as substituições foram as possíveis, e nem de longe essa questão foi determinante no andamento da partida.

  10. Romarol disse:

    O CRUZEIRO perdeu a classificação no primeiro jogo. Jogar o segundo com 2×0 nas costas é sempre improvável a virada. Às vezes acontece, mas é raro. O Cruzeiro não conseguiu fazer em Buenos Aires o que fez com Mineiro, Flamengo, Santos, Palmeiras. O resultado foi horrível, ainda que fosse 1×0 para o Boca. A virada histórica ocorreu com as frangas no Mineiro. Mas, nem sempre consegue virar. Mesmo porque uma lourdinha foi expulsa ainda no primeiro tempo, dificultando menos as coisas.

  11. Romarol disse:

    CONTRA O CORINTHIANS, o primeiro jogo é fundamental. Pode inspirar-se no primeiro jogo do Grêmio contra o Lanus, por exemplo. Pressão da arbitragem ocorrerá. O clube paulista de maior torcida não ficará fora do torneio sul americano se o Cruzeiro não for bem superior. É muito mais rentável Corinthians nesse torneio. Além disso, o Corinthians é tão gigante quanto o Cruzeiro. Da década de 90 para frente, seguramente, são os 2 clubes que mais conquistaram títulos no Brasil. Antes da década de 90, o Cruzeiro tinha 2 títulos. O Corinthians, nenhum. Hoje, a sala de troféus está recheada em cada clube.

  12. SÍNDICO disse:

    CRUZEIRO aprendeu que, com juiz de futebol é assim: mexeu com um, mexeu com todos.

  13. SÍNDICO disse:

    MelhorDoJogo => SASSÁ [[[10]]] Uol, Emerson, Romarol, Morato, Venâncio, Bitencourt, Azevendo, Chiabi, Nanayoski, Mari —– HENRIQUE [[[7]]] França, Albertim, Maury, Viana, Wallace, Reis, Síndico —– LEO [[[3]]] Velloso, Evandro, Barnabé —– EDÍLSON [[[2]]] Rezende, Schrier —– FÁBIO [[[2]]] Lauanda, Rocha —– LUCAS [[1]]] Rizzi —– TORCIDA CELESTE [[[2]]] Tate, Ramos.

  14. Celeste disse:

    Jorge, essa é mais uma página para ser virada…Sucessão de erros contra. O primeiro jogo decidiu…O segundo veio com a carga do primeiro. O Dedé não deveria ter sido liberado apesar do erro do juiz na expulsão. E, óbvio, entra nessa conta, erros individuais de nossos jogadores e do técnico. Enfim, é hora de pensar nos Gambás. Ainda podemos fechar o ano com chave de ouro. O Cruzeiro tem elenco. Que o MM escolha os melhores levando em consideração também o aspecto emocional.

  15. BENNY THE DOG disse:

    O cenário esportivo em MG voltou a ficar dividido entre aqueles q torcem para o Cruzeiro na disputa de títulos importantes, e aqueles para os quais só restou secar. É a volta às origens, o retorno à Minas raiz q conhecemos desde os primórdios e q sofreu um pequeno lapso em 2013/14.

  16. Mauro Franca disse:

    A anulação do gol no final do primeiro tempo foi tremendamente prejudicial. A complacência do juiz com a cera, em certos lances até ajudando os argentinos na tarefa, foi fundamental para minar o esforço do time. Se já é difícil correr atrás de um resultado de 0x2, com o juiz jogando contra é ainda mais difícil.

  17. rosan amaral disse:

    Parabéns a todos os comentários selecionados para o post.

  18. Palmeira. disse:

    O maior adversário do Cruzeiro nesse confronto foi a arbitragem, tanto lá como cá. É incrível como estes juizinhos de todos os países roubam contra brasileiros, onde até o Corinthians foi escandalosamente roubado, contra este mesmo boca e dentro de casa, alguns anos atrás. Wilson Seneme e Alício Pena Jr são dois bost@s.

  19. Palmeira. disse:

    A propósito da arbitragem contra o Cruzeiro, o SPOTV passou repetidas vezes, aquele lance de 1977, na decisão por pênaltis, quando o juiz mandou repetir a cobrança, alegando que o Raul havia se adiantado. O inusitado é que o Raul, de fato se adiantou, mas para o lado oposto onde o cobrador chutou na trave. São coisas que só acontecem com o Cruzeiro.