La noche de los gringos

Por SÍNDICO | Em 9 de agosto de 2017

Gringos se deram bem em terras brasilis nesta quarta:

  • Em PoA, o Tomba saiu na frente, mas cedeu a virada por 2×1 ao Grêmio. Pode ter sido a despedida de Luan. Portuluppi se diz tranquilo. Tem planos B e C, caso seu craque vá se esconder no Spartak, uma espécie de Flamengo russo. Quanto ao Godoy Cruz Antonio Y=Toma, nenhum problema: esta é tão somente a terceira participação do clube mendocino na competição. Está aprendendo.
  • Em Sampa, o Barcelona Guayaquil fez um jogo parelho com o Palmeiras, perdeu por 1×0, mas venceu nos pênaltis. O sóbrio Jailson defendeu um chute e esteve perto de catar outros dois. Bruno e Egídio (o melhor do time) perderam suas cobranças.
  • Em Beagá, as frangas conseguiram uma proeza: antes delas nenhum brasileiro havia sido eliminado por um boliviano na Libertadores. Com o 0x0 elas quebraram esta incômoda escrita. E o Ronho só voltará a ser Robinho, quando se mandar de Vespasiano.

Chistes à parte, ficam duas certezas: futebol brasileiro não mete medo na vizinhança e os técnicos brazucas criam tantos esquemas, que seus bons jogadores não jogam mais.

O Palmeiras, por exemplo, passou a impressão de que deveria estar em Londres, no Mundial de Atletismo. O time do Cuca correu como se a polícia estivesse atrás, mas quase nada criou.

56 comentários para “La noche de los gringos”

  1. SÍNDICO disse:

    DUDU cumpriu tantas funções no time cuquiano, correu tanto que caiu em campo e teve de sair no decorrer da etapa final, esgotado.

  2. Renato disse:

    Discussão relevante. Vamos jogar bola meu povo! Chatice de acompanhar lateral tem limite.

  3. SÍNDICO disse:

    DEIVID ensinava a seus jogadores: “Descansem com a bola nos pés”.

  4. Raposa Matuta disse:

    “…Egídio (o melhor do time)…” -> IRONIC MODE: ON!

  5. matheus t penido disse:

    Os “craques” do futebol brasileiro só são craques na cabeça tonta dos nossos jornalistas. É só o treinador adversário meter duas linhas de 4 ou algo do tipo pros gênios de araque ficarem perdidos.

  6. Raposa Matuta disse:

    Jorge Willsterman é pior que um combinado do Tricordiano com Guarani de Divinópolis. Futebol brasileiro não consegue ser competitivo a nível internacional. Nos anos 90 as equipes tupiniquins disputavam de forma parelha o mundial contra as potências europeias. Hoje são frequentemente eliminados por equatorianos, peruanos, paraguaios e até bolivianos nas competições internacionais. O que aconteceu? Não pode ser apenas diferença de investimentos, pois senão seríamos dominantes por aqui…

    • Ernesto Araújo disse:

      Os times de outros países melhoraram. O futebol era bem desenvolvido na Argentina e no Uruguai e esses sempre ferraram a gente. Mas colombianos, equatorianos, peruanos e outros evoluiram. Aumentou o intercâmbio de jogadores desses centros com o futebol brasileiro. Difundiram-se técnicas de preparação de física e de treinamentos técnicos e táticos…

      • Ernesto Araújo disse:

        … Por outro lado, aqui ouve um processo de redução de qualidade. Os jovens saem do país antes mesmo de dar retorno técnico para seus clubes, muitas vezes sem sequer passar pela equipe profissional. O mesmo acontece com os jogadores mais maduros que se destacam que após uma boa temporada já fazem as malas para centros menos importantes mas muito endinheirados (China, Oriente Médio, Rússia)….

      • Ernesto Araújo disse:

        …Ficam apenas os jovens pouco promissores e os veteranos, estes últimos ganhando salários fora da realidade econômica do Brasil e dos clubes e nem sempre conseguindo editar as boas performances que os consagraram no passado. Um aspecto que também tem sido citado pelos mesa-redondistas que também concordo é a questão do perfil das equipes. Fica essa coisa de “raça, raça, raça” e o futebol brasileiro não privelegia mais tanto técnica…

      • Ernesto Araújo disse:

        … Eu, particularmente, vibro com um bom passe, um chute preciso, um domínio de bola bem executado, um cruzamento perfeito, uma jogada coletiva bem tramada, como se os jogadores envolvidos comunicassem-se por telepatia, etc, etc. O futebol de Thiago Neves e Arrascaeta e até mesmo os dribles exagerados do Élber são coisas que gosto de ver no Cruzeiro. Isso está se perdendo. Os jogadores dos clubes brasileiros estão se matando de correr sem chegar a lugar algum. Ontem, o baleado Moisés do Palmeiras, com 2 jogadas quase deu a classificação para o Palmeiras…

      • Bruno 7L RJ disse:

        Grande Ernesto, falar da cartolagem brasileira, com raras exceções, é chover no molhado. Mas um grande problema nosso, antes latente, e agora extremamente crônico é tático. A revolução do Tite é uma grande exceção. No cenário atual, gosto muito do trabalho do Jair Ventura e tenha gostado do Carille, embora ache que ainda é pouco para opinar. Mas a maneira de comandar de ambos, a excelente maneira de enxergar o jogo e responder às mudanças e exigências das partidas, tudo isso é muito promissor.

      • Bruno 7L RJ disse:

        Se realmente gosta de uma partida com bons fundamentos dos jogadores e com boa partição tática dos técnicos, reveja Argentina e Holanda na semi da Copa/14. Aquilo foi uma partida de xadrez.

      • Ernesto Araújo disse:

        Concordo com você que Carille, Roger Machado, Jair Ventura, Zé Ricardo, são promessas de uma nova geração de treinadores. Vamos ver quais repetirão o sucesso inicial e irão obter uma afirmação. O futebol brasileiro nunca teve como forte a organização tática, embora tenha tido alguns momentos de destaque. O que sempre elevou o futebol daqui perante o resto do mundo foi a qualidade altíssima de diversos atletas. Tanto que os treinadores brasileiros jamais alcançaram o destaque, nos grandes centros da Europa, que os jogadores conseguiram.

  7. Wagner CPM disse:

    Frangas adiaram o sonho do bi. k k k

  8. Fernandão disse:

    Botar na conta dos técnicos brazucas é covardia. Almada está no Barcelona desde 2015. Mosquera, pelo menos desde o início do Ano no Aviador. Esses dirigentes nossos imbecis que trocam os técnicos toda hora e mantém os times sempre em formação é que deveriam responder. Nossa cultura futebolística baseada na soberba, na análise rasa e no imediatismo são os maiores culpados, na minha opinião.

    • Ernesto Araújo disse:

      Pois é, Fernandão. Mas quem vai mudar essa cultura, a cabeça de dirigentes e de torcedores ? Só se uns 2 ou 3 grandes clubes passarem a ter sucesso com esse tipo de mentalidade e todos os outros seguirem. Talvez a questão do regulamento, que insisto tanto em abordar, seja uma interferência possível, criando uma “proteção” para que equipes com boas campanhas possam em uma temporada disputar os torneios com um outro planejamento.

  9. S@muel disse:

    O futebol brasileiro está superfaturado. Alguma coisa vai mudar com esses vexames? Acho que não. Pro Cruzeiro equilibrar as contas é só transferir a sede para Buenos Aires uns dois anos. Lá da pra ser campeão usando só um terço do orçamento atual com o futebol e deixando o resto da grana pra pagar as dívidas.

  10. raher disse:

    Um Off: Será que já nao é hora do Departamento medico do Cruzeiro jogar a toalha e admitir que nao tem competência para tratar do Joelho de Dedé e deixar isso para uma equipe ate mesmo estrangeira que tenha mais sucesso? Ronaldo fenomeno tinha problema serissimo e foi corrigido com exito na frança. e temos casos parecidos nos EUA tambem. è muito tempo gasto sem sucesso. Vão esperar ele aposentar primeiro?

  11. Romarol disse:

    Está comprovada que a fórmula mágica dá certo: demitiu Marcelo Oliveira e foi campeão da Copa do Brasil; demitiu Roger e seguiram em frente na Copa do Brasil e na Libertadores. GPT, por favor, faça o mesmo com o Mano pra chegarmos nas finais da Copa do Brasil e obtermos uma vaguinha no G-6 do Morrinhão.

  12. Romarol disse:

    O futebol é um dos lugares que a hierarquia não vale nada. Derruba-se um treinador por nada. Depois reclamam que torcedor quer dá na cara de jogador, diretor e presidente de clube.

  13. Romarol disse:

    27 é um número mágico. Em 2011, foram exatos 27 pontos que terminamos o primeiro turno. Na mesma posição: 7º. Por favor, GPT: por acaso, se a classificação para a final da Copa do Brasil não vier, demita o treinador para revivermos a experiência passada.

  14. Paulo Souza disse:

    Hoje a cidade de BH está calma, sem barulho e sem poluição visual.

  15. Celeste disse:

    Uma passada de olho nos comentários e vejo algumas colocações bem interessantes e que podem justificar um pouco o futebol brasileiro atual. Os técnicos inventam muito. Acho que se só distribuíssem as camisas e deixassem a moçada se ajeitar em campo, daria mais certo. Temos uma imprensa muto metida a besta, que endeusa determinados clubes e o pessoal passa a se achar. São os vencedores da véspera. E o valor de contratos. Será que no elenco do Zebrado, algum jogador vai arriscar o joelho pelo 9 deles.

    • Celeste disse:

      Cadê o Inter, modelo de gestão profissional, 100.000 sócios, que iria revolucionar o futebol brasileiro. E o mago do Plameiras (AM) que tem uma equipe de 20 profissionais, trabalhando em sigilo, mapeando jogadores e etc…De certo nisso tudo é que ele contrata muito, ganha e depois sai e deixa o time endividado. A verdade

      • Ernesto Araújo disse:

        Dra, conforme disse o Luxemburgo (e o Síndico discorda), futebol não é matemática. Não no sentido de que os números não possam explicar aspectos importantes do jogo mas no sentido de que futebol não é uma como uma ciência exata, onde a combinação de certos elementos irá gerar, obrigatoriamente, os resultados que são imaginados. AM conquistou 4 títulos nacionais nos últimos 4 anos (dois com o Cruzeiro, dois com o Palmeiras). Não vejo fracasso de sua gestão no clube paulista. Apenas um mau momento, que faz parte do futebol.

      • Ernesto Araújo disse:

        Existem diversas estratégias para chegar-se ao topo. Mas nenhuma delas é 100% garantida e eternamente vencedora.

    • Celeste disse:

      Ernesto, o que mais me incomoda na verdade é o endeusamento das pessoas que vivem no futebol, em especial aquelas que não entram em campo. O trabalho é de equipe. De algum tempo para cá, os times passaram a ter donos. O Santos do Levir, o Cruzeiro do MM e etc… E o tal diretor de futebol muitas vêzes é transformado na estrela da companhia.

  16. Celeste disse:

    Cadê o Inter, modelo de gestão profissional, 100.000 sócios, que iria revolucionar o futebol brasileiro. E o mago do Plameiras (AM) que tem uma equipe de 20 profissionais, trabalhando em sigilo, mapeando jogadores e etc…De certo nisso tudo é que ele contrata muito, ganha e depois sai e deixa o time endividado. A verdade é que, no Brasil, nenhum time consegue ficar no topo o tempo todo. Depois da Bonanza sempre vem a tempestade.

  17. SÍNDICO disse:

    Quando repercuti a avaliação do Roger Galera de que Dedé só estaria pronto em 2018, os palpiteiros deram piti. Pois é…

    • Bruno 7L RJ disse:

      Síndico, começo a ficar preocupado até para 2018.

      • SÍNDICO disse:

        Temos que esquecer o Dedé. Ele, os médicos e o tempo estão no comando. Torcedor deve mudar de estação. E parar de secar os beques sãos. Se não for pedir demais.

  18. Bruno 7L RJ disse:

    Os problemas do futebol brasileiro são inúmeros. Resumidamente: Dentro do Campo há jogadores com grande dificuldade de adaptação em métodos e conceitos diferentes, vide a longevidade de treinadores estrangeiros. E os treinadores são demasiadamente ultrapassados. Fora de Campo: Só observar a Gestão do GPT. Como disse a Dra. Celeste, ninguém se mantêm pq não há preparação para tal. Gasta-se um absurdo, as vezes os resultados são alcançados, e depois são os famosos anos para pagar os títulos.

    • Bruno 7L RJ disse:

      E finalmente a torcida. O imediatismo é complicado, pois chega um momento que, quando as coisas vão mal por um período relativamente longo (5 a 6 meses para os padrões brasileiros), a impressão que passa é que o próprio treinador (e consequentemente os jogadores) já fica em Stand By esperando a demissão. Já pensaram se os Gambás mandassem o Tite embora depois da eliminação pro Tolima? Será que o Tite seria o que é hoje? Nesse caso, palmas para os Gambás e palmas para Tite e elenco que absorveram bem a pancada.

      • Bruno 7L RJ disse:

        Em 2015, como vários aqui fui a favor da saída do MO, não devido à capacidade dele, mas devido ao contexto. MO batendo na mesma tecla durante 5 meses, aparentando derrota antes do jogo, sem respaldo da diretoria, sem sintonia com o novo elenco. O clube como um todo não tinha nenhuma sinergia. Alguém que colocasse todos juntos numa mesa para debater os problemas.

    • Celeste disse:

      Bruno, eu também fui a favor da saída do MO. Óbvio que poderia ser menos traumática (eliminação na LA, morte da mãe, ele sozinho na entrevista e etc…). Me lembro que ele ficou o tempo todo esperando pelo meia que não veio. Reclamava disso toda hora. O tal planejamento do futebol deveria ser feito em paralelo com a base. Se o que mais faltava no time era o substituo do ER, e era sabido que uma hora ele iria sair, a base já deveria estar trabalhando desde o inicio de 2014, em busca de um jogador com esse perfil.

      • Bruno 7L RJ disse:

        Bingo.

      • Ernesto Araújo disse:

        Infelizmente o futebol profissional, em alguns momentos, não segue aquilo que seria o mais lógico, o mais racional ou o mais nobre a ser feito. É muita gente com muito interesse envolvido. Durante um jogo do Cruzeiro, estava pensando em uma bola que o Élber não passou para o Thiago Neves e tentando entender as “raízes da fominhagem”. Não sei se foi isso que passou pela cabeça dele. Mas é uma hipótese.

      • Ernesto Araújo disse:

        Por exemplo: O Élber sabe que tem pouco tempo para “mostrar serviço” e se valorizar no clube. A qualquer virada de semestre ele pode ser emprestado, vendido ou trocado. Um gol a mais na sua carreira é uma grande valorização. Pra que ele vai passar a bola para o Thiago Neves, que ganha muito mais e que já está como “burro na sombra” ? Apenas para consagrar ainda mais o veterano ? De repente não foi nada disso que aconteceu mas esse exemplo é apenas para mostrar como as coisas não funcionam sempre dentro de uma lógica simples no futebol.

  19. Fernando Henrique disse:

    Aquele carnaval todo por ganhar mais um Mineiro manchado por trambiques não era em vão. Gastaram rios de $$$ e agora estão voltando pro buraco!

  20. SÍNDICO disse:

    JOGO do Mineirão era pra 50 mil, mas só apareceram 36 mil espectadores. E os idiotas de sempre, no fim, mostraram dinheiro aos jogadores, supostamente mercenários, embora estejam com salários atrasados.