Eu, vc, todos nós, os novos patrocinadores

Por SÍNDICO | Em 6 de fevereiro de 2019

DIGI, conta digital do Banco Renner, compartilhará com Umbro, Supermercados BH, Unincor, ABC da Construção, Fiat, Multimarcas Consórcios, Uber e Tim espaços no uniforme celeste. Axial, Brahma e Volkswagen também patrocinam o clube, mas em outros sítios. 

Eu já tive um carro da Fiat e dois da Volks, sou usuário esporádico do Uber e da Axial, e tomo Brahma com alguma frequência. Camisas da Umbro, vira e mexe, compro pra presentear parentes e amigos. 

Agora será diferente. Se quiser transformar o novo patrocínio no maior do Brasil, como afirmou o diretor-geral do clube, terei de abrir uma conta no Renner. Conta a ser movimentada no smartphone. Vale a pena? Devo fazê-lo, caro leitor? Vc o fará?

33 comentários para “Eu, vc, todos nós, os novos patrocinadores”

  1. SÍNDICO disse:

    ITAIR MACHADO: “As pessoas interpretaram de maneira diferente (a fala de Sérgio Nonato). O Cruzeiro vai fazer parceria com um banco da área digital no modelo que o Corinthians fez. Ao atingir 1,2 milhão, até 1,5 milhão de contas, é possível ter um dos maiores patrocínios do Brasil. Está nos mesmos moldes que o diretor de marketing do Corinthians explicou. A gente ainda não pode divulga. depende de o torcedor aderir ao produto. Se aderir, o número realmente é fantástico, e acho que esse é o caminho para o futebol. Se cada torcedor que tem que ter uma conta, que tem que consumir algum produto, consumir o produto ligado ao seu clube, ele vai estar diretamente ajudando o seu clube”.

  2. SÍNDICO disse:

    ANTECIPANDO: Telentim não participará do esforço. Continuará fiel ao BMG. Ou muito me engano?

  3. Bruno Furletti disse:

    Mas se ninguém aderir não ganha nada ou já temos um mínimo?

  4. mrr disse:

    Não bastasse o “abadá” que se tornou a camisa do clube, agora a instituição conta com “ovo na cloaca do mascote mineiro” para a tal receita milionária? Rs… Bom… cada um faça o que for melhor para sua família. No momento, prefiro continuar no Banco do Brasil, onde tenho taxas de administração nas aplicações interessantes por ter um relacionamento de mais de 25 anos além de possuírem a melhor app “ever”! Não estou ganhando nadica para esse “merchan”!

  5. Jotta R disse:

    Eis que a “genialidade” dos dirigentes Cruzeirenses não tem fim! Mais empréstimos, menos patrimônio! Meu Deus do céu! O que começou na “Era” Gilvan parece não ter fim: aumento de dívidas, transparência inexistente, mentiras, falácias e destino mais do que incerto! Mas dentro do Clube, funcionários subservientes, conselho omisso e fora dele fortalecido pela maior torcida “Selfie” do país, pode se transformar na destruição literal do Cruzeiro Esporte Clube! Que Deus seja realmente brasileiro e principalmente, Cruzeirense!

  6. Velloso disse:

    Sobre as propostas de patrocínio, vejo que não há um plano de longo prazo para que a marca seja representativa para o torcedor – é apenas focado na exposição e não em um plano de ativamento válido. O que os bancos (únicos propensos a investir nas últimas temporadas) vem tentando, de forma tímida, é essa busca de acessar um público alvo que ative sua marca para além do futebol, e usar dessa interação em seu favor. O meu receio é que esse tipo de proposta elitize ainda mais a interação do torcedor com o clube – pensar em um banco totalmente digital ainda é dificultoso para boa parte das pessoas.

    • Velloso disse:

      Precisamos, urgentemente, diminuir a prepotência dos gestores em dialogar com os parceiros – e nesse contexto falta preparo aos dirigentes do nosso futebol. E, assim, aumentar a credibilidade da Instituição perante o investidor. Falta proatividade e falta credibilidade para se pensar no longo prazo, de inserir a marca do parceiro na rotina do torcedor e fazer com que o mesmo tenha orgulho de estampar a marca – o que não aconteceu com o BMG, por motivos óbvios e não acontecerá tão cedo, pois somos inundados de pouca informação sobre os diversos parceiros que temos.

      • Velloso disse:

        O torcedor tem orgulho da camisa, mas parece que o dirigente não – a camisa está super lotada, as marcas possuem leitura ruim e brigam entre si. Foi péssimo ver por anos um marca quase esconder as estrelas da camisa de jogo, por estar muito próxima do escudo,assim como foi péssimo ver a aplicação exagerada de laranjas e amarelos na camisa. Essa profusão seria mais aceitável se houvesse um detalhamento (para o consumidor e para o investidor) dos retornos e dos benefícios ao clube. Precisa perceber que é necessário se fazer com que o torcedor tenha orgulho da marca que estampa – falta aproximação, falta claridade nas relações.

      • Matheus Penido disse:

        Em teoria eu concordo, mas uma coisa que muita gente não questiona é se há realmente um interesse do torcedor em se aproximar do clube. Pra dar um exemplo, o perfil do Cruzeiro no Facebook faz várias postagens todos os dias expondo ações sociais, mostrando a rotina dos treinos, homenageando ex-atletas e outras formas de divulgação do clube. Se você vai lá e lê os comentários dos torcedores, percebe que a maioria está cantando e andando pras postagens, entram apenas pra pedir contratações, xingar o rival e cornetar os jogadores e o técnico.

      • Matheus Penido disse:

        Diante dessa atitude (que eu não estou julgando, apenas identificando) fica difícil construir uma relação estável entre torcedor e clube, e podemos ver isso pelo próprio Projeto de Sócio que mesmo com bons times e títulos não decola. Então eu creio que, ao menos nesse ponto, a culpa não é dos presidentes ou diretores.

      • Velloso disse:

        Você tem razão Matheus, existem torcedores que são limitados aos 90 minutos e motivados (apenas) pela rivalidade. É o nosso mal social, a individualização, o micro, o universo particular. E talvez essa grande massa seja a maioria dos torcedores – por isso que disse que precisa cuidado, para que o entendimento de um Sócio do Futebol e de uma parceria com um novo patrocinador, por exemplo, seja didático mesmo, quase cartilha escolar. Talvez eu tenha pensando apenas em um universo de torcedores como os frequentadores do blog, que conseguem pensar o futebol fora da caixa.

      • Matheus Penido disse:

        Fernandão, se não me engano alguns clubes já adotam essa fidelização. Sinceramente não creio que vá resolver muita coisa, até porque na maior parte do ano o estádio não atrai tanto o torcedor. A questão me parece cultural: a relação entre o brasileiro e seu clube é consumerista. E, como se sabe, o consumidor é um ser desconfiado, volátil e que vai na onda dos modismos. Aí fica difícil ter uma relação estável.

      • Jdias disse:

        Esse é o tipo de patrocínio que não iria precisar de poluir a camisa. Campanhas paralelas poderiam render o mesmo. Mas vamos aguardar o anúncio oficial.

  7. Velloso disse:

    Gosto demais da umbro (apesar de não ter camisas da marca), vejo um pouco mais de cuidado que as antecessoras. Desculpem as várias postagens, mas em resumo (usando do exemplo da umbro), falta cuidado aos parceiros, ao clube e com os torcedores.

  8. Fernandão disse:

    Tenho cá pra mim que esse acordo não saiu ainda porque o pretenso patrocinador deu uma refugada na hora de associar a marca. Veja bem, um banco digital tem que ter como ativo tangível para o mercado solidez e confiabilidade. O Cruzeiro, mesmo com os recentes méritos esportivos, passa a mensagem oposta. Parece um troço mal gerido a ponto de falir com credores batendo a porta… A confiança do Serginho Batoré deve se basear em um pré-contrato que a contraparte deve estar analisando para rescindir. Espero estar errado, mas pouca coisa justifica o atraso – as tais “cláusulas para acertar” se resolvem com uma sentada. Repito, sou cruzeirense, abro uma conta se for para ajudar, e espero estar errado, mas ninguém no clube parece preocupado com a imagem da instituição ultimamente.

  9. Adair disse:

    Teve um banco digital, acredito que seja o Neon que teve problemas recentemente. Eu que não vou colocar meu dinheiro lá por simplesmente peticionarem o clube. Há uns anos atrás a Telexfree patrocinou o Botafogo.

  10. Ivan Monteiro disse:

    Pelamordedeus!!! Telexfree era uma especie de piramide financeira! Eu vou abrir uma conta. Ninguem esta determinando que o torcedor aposte todas as suas fichas no banco digital. Abra uma conta, teste as aguas…so isso!!

  11. Ivan Monteiro disse:

    So para esclarecer: Nao se pode comparar piramide finaceira e afins com um banco digital.. Bom senso minha gente!!

  12. Celeste disse:

    Não confio no ITM, Serginho, Wagner e afins.

  13. Fabio Velame disse:

    A fala do dirigente dizendo que o patrocínio máster seria maior que a do Palmeiras pode virar um mico. Lembro que anos atrás o Cruzeiro bicampeão brasileiro 2013-2014 passou toda a temporada de 2015 sem um patrocinador máster por incompetência dos envolvidos.
    Eu não confio no Itair e muito menos no Serginho, mas espero que eu queime minha língua.

  14. washington ramos disse:

    Se o tal patrocinador estiver com credibilidade igual a da diretoria do CEC,
    não superaremos nem o Mequinha em valores máster.
    Depois de vários anos como sócio torcedor, desisti, venceu 02/02/2019 e não renovei.

  15. Palmeira. disse:

    Mete bronca, Síndico! E pode aplicar r$250.000,00 em CDB daquele banco, que tem garantia do FGC e rende mais que em bancos de primeira linha.