Em busca do gramado perfeito

Por SÍNDICO | Em 23 de agosto de 2010

O Cruzeiro conquistou 7 dos 9 pontos que disputou na Arena do Jacaré, em Sete Lagoas. Mas achou pouco e culpou o gramado por não ter feito 100%.

O talentoso Jonathan passou a régua: “Isto aqui, já deu!”

Fabrício, Thiago Ribeiro, Cuca e até o diretor Valdir Barbosa, que nem bola de meia chutou na vida, fizeram coro e botaram a culpa no relvado sete-lagoano pelas más atuações do Cruzeiro.

E lá se foi o Cruzeiro para o Vale do Aço onde, no Mineiro, já havia empatado por 0x0 contra o Ipatinga.

Dois jogos e um pontinho mixuruca depois, o time estrelado bate em retirada do Ipatingão. E sem levar na bagagem um golzinho marcado sequer.

Fica até sem jeito arranjar desculpa, né mesmo?

E lá se vai a Caravana Rolidei pra Uberlândia. Que ela seja mais feliz no Triângulo e some pontos, pois a barra começou a pesar.

Agora, se a grama do Parque do Sabiá também não estiver à altura dos supercraques celestes, o jeito será mandá-los pro Barradão ou pra Vila Belmiro  esses wembleys dos trópicos.

49 comentários para “Em busca do gramado perfeito”

  1. Matheus Reis disse:

    Repito o que disse no outro post.

    Que o Mineirão faz falta, faz. Eu mesmo concordei com isso em outros posts. Mas isso também não pode virar muleta de entrevista coletiva. Eu acreditava, de verdade, que o time renderia mais num gramado melhor que o de Sete Lagoas; erro monumental, mea culpa.

    Falta é futebol seja em Sete Lagoas, Ipatinga, Morumbi, Maracanã ou no raio que o parta. Agora que o time troca de casa, o discurso é quase o mesmo. A diferença que o problema não é mais o gramado, mas a “zica” de Ipatinga.

    Duvido nada que, caso o resultado não venha quarta, nego vai arrumar algum defeito no Parque do Sabiá. Nessa toada, daqui a pouco, a gente vai começar a falar em pão, manteiga e gols nadegais.

  2. Ernesto Araujo disse:

    Um post mais preciso que as enfiadas do Montillo. Montillo aliás que precisa mudar o seu conceito de bater escanteio…

    • Marco Soalheiro disse:

      Qual é a jogada ensaiada nas bolas paradas do Cruzeiro? Existe alguma hoje? A impressão que passa vendo os jogos é que a lógica é “levanta lá pra ver se acontece alguma coisa.”

  3. Marco Soalheiro disse:

    Repito também, na mesma linha do post anterior: para jogar a bolinha medíocre que vem jogando desde a retomada do brasileiro, com exceção do jogo contra o Fluminense e do segundo tempo contra o São Paulo, campo de torneio rural ou terrão de periferia já está de bom tamanho. Tomara que ganhe no tapete de Uberlândia, mas para isso é preciso jogar algo que se assemelhe a futebol, coisa que andou distante do Ipatingão, cujo gramado foi tão elogiado pelos nossos “craques”.

  4. Ernesto Araujo disse:

    E estou chegando a conclusão que a maioria dos treinadores brasileiros imaginam ser impossível estar perdendo uma partida pois eles NUNCA tem um repertório de jogadas ensaiadas de bola parada (escanteio, faltas laterais e frontais) para essas ocasiões. Eita coisa rara de se ver no futebol brasileiro. Mal, mal, rola um escanteio no primeiro ou no segundo pau e olhe lá… É só chute direto ou chuveirinho e dane-se…Quem conseguir aproveitar bem, quem não conseguir…

    • Marco Soalheiro disse:

      Murici ganhou tres brasileiros sendo eficiente nessas jogadas e marcando forte. Os demais já deviam ter aprendido. O Cruzeiro tinha uma bola forte com o Léo silva no segundo poste. Mas era muito pouco. Nosso melhor exemplo disso vem de 2003. Alex 10 levantando e os zagueiros ou atacantes se revezando na hora de empurrar para as redes. Escanteio era lance de altíssimo perigo. Hoje somos obrigados a torcer para a bola chegar na área. E olhe lá.

    • Mauro França disse:

      Sinceramente, Ernesto, é complicado esse negócio de jogada ensaiada em futebol. No volei e no basquete, ainda tem relevancia. Mas no futebol… Fica dificil, ainda mais porque não dá para ensaiar com o adversário. OK, ensaia-se um posicionamento, uma batida assim ou assado, mas por melhor que seja o ensaio não é garantia de dar certo. Uma vez ou outra pode dar, mas fica dificil arrumar um repertório deste tipo de jogada. A aplicação não é automática.

      • Marco Soalheiro disse:

        O Alex já deu entrevistas dizendo o quanto essas jogadas eram bem trabalhadas na toca em 2003. Murici vive enfatizando o tema também. Hoje isso decide alguns jogos, não será sempre. O que impressiona no Cruzeiro é não ver nenhum padrão nessas jogadas, muito menos precisão. É uma combinação de talento para bater na bola e treinamento á exaustão, coisa que muito jogador que se acha craque não se dispõe a fazer. M elmebro de um entrevista do nosso ex-mei Wagner, quando foi cobrado por um longo tempo sem bater falatas bem. Disse que não treinava muito para não se machucar em meio a uma sequência de jogos. É mole? O que diriam Nelinho, Marcelinho, Alex, Rogério Ceni e outros?

      • Ernesto Araujo disse:

        Esse negócio retrógrado de que “tem que combinar com o adversário” é um absurdo. Não é que a jogada ensaiada tem que funcionar sempre. Funciona assim: você treina sempre e ela funciona de vez em quando. Não é pra funcionar sempre. Agora, o que não pode é não ter NADA e não usar NUNCA… Aí não vai ter resultado. PS: Nao estou dizendo que você seja retrógrado, Mauro. Mas quem inventou essa história com certeza é. E nem me venha com as histórias do Garrincha por que não é por aí…

      • Mauro França disse:

        O que eu critico mesmo é que essa história de não ter jogada ensaiada só aparece quando o time atravessa uma má fase. Se a fase é boa, ninguem se lembra desse detalhe. E se é para funcionar “de vez em quando”, não se pode afirmar que não seja treinada. A menos que se acompanhe os treinamentos e se constate isso. Senão, não passa de chute.

      • Mauro França disse:

        E continuo achando que a efetividade dessa jogada tem muito mais a ver com a qualidade do cobrador do que com o ensaio.

      • Ernesto Araujo disse:

        Eu, pelo menos, Mauro, sempre falei disso. Mesmo quando o Cruzeiro ganhava. Lembro bem que a melhor jogada de bola parada que a gente tinha com o Adílson era a bola pro Leo Silva. Essa devia ser treinada pois sempre era tentada e vez por outra ajudava a gente. Só que eu acho que é pouco. Por baixo não via nem vejo outras jogadas. Era só chute de direto e ponto final.

      • Ernesto Araujo disse:

        Respondi lá embaixo que concordo com a necessidade que tenha um cara bom pra bater e talz. Mas mesmo um cara mais fraco, se treinar, vai acertar mais do que se não treinar. Ta aí o Thiago Ribeiro que nunca bateu falta na vida mas resolveu peitar e até conseguiu alguma coisa. O que não pode é a INÈRCIA.

      • Ernesto Araujo disse:

        E para que o pessoal do blog se inspire, aqui vai o link de algumas jogadas. É a segunda vez que posto esse link no blog, independente de ganharmos ou perdermos os jogos…

    • Mauro França disse:

      Considero que neste caso a qualidade do batedor pesa muito mais do que o ensaio.

      • Cuné disse:

        Me parece que o Montillo pega bem na bola, se fosse o caso ele poderia sim ser treinado. Tem muito jogador que precisa de treinar fundamento, Henrique então nem se fala, errou cada passe bisonho. Acho que o treino nos fundamentos não é vergonha nenhuma pra nenhum jogador. Cemen disse que batia 100, isso mesmo, 100 faltas por dia. Será que ajudou? Que tal perguntar pro Fábio?

      • Elias disse:

        São vários fatores, no que concerne às bolas alçadas na área( em tese, a jogada mais ensaiada). Se ensaiou ( ou não) com os defensores, se a bola foi tocada “errada” (pois certa vc conta nos dedos). O que vale é o posicionamento (um mais alto na frente, escorando a bola prá quem vem de trás). Mas, creio, que em 90% dos gols anotados são falhas de posicionamento da linha de zagueiros ou do goleiro.
        As jogadas já são manjadas, onde, por exemplo, os laterais esperam a bola rebatida nos escanteios prá puxar contra-ataques. Todos fazem isso. Eu entendo que o fator psicológico( aguentar a pressão) é o fator mais importante atualmente. No domingo passado mesmo, a expulsão do TR foi de um total descontrole emocional. E um dos fatores que impossibilitaram uma remota reação.

  5. Mauro França disse:

    Nem preciso dizer que concordo com tudo, da primeira à última palavra. Quando foi falado que as criticas ao gramado eram meras desculpas por más atuações, muita gente disse que não se tratava disso, que o gramado era horroroso, que num gramado melhor o time melhoraria, etc..etc.., fazendo coro com os jogadores e o VB. E agora, qual é o problema do momento?

  6. Mauro França disse:

    Deco, salario de 800 mil, perdeu uma chance na cara do gol no final do clássico carioca de ontem, quando o jogo estava 2×2. O culpado, segundo ele? O gramado que, irregular, fez a bola quicar. O gramado tá igual mordomo em romance policial.

    • Rogério disse:

      800mil?? Que cara de pau a dele, vi uma entrevista onde ele dizia que voltou para o Brasil para recuperar a alegria de jogar, por 800 mil da para ser feliz até na Bósnia.

  7. Vinicius Cabral disse:

    A reforma do Mineirão virou uma desculpa pronta. Se alguém não botar moral, ela será usada durante três anos. Até o momento, a melhor campanha foi jogando em Sete Lagoas. Vamos ver como nos sairemos jogando fora de casa (me desculpe, Sangue Azul).

  8. Honorato disse:

    Espero que o cruzeiro volte a jogar em Ipatinga ainda esse ano, o torcedor merece ver uma grande Atuação do time aqui.

  9. Walterson disse:

    Desculpa de aleijado é a muleta. E sobre jogadas ensaiadas, pra fazer justiça não se via nenhuma no tempo do AB tambem. Era uma reclamação constante por aqui.

    • Vinicius Cabral disse:

      A roubada de bola contra o Grêmio, logo na saída, pelo Brasileiro de 2008, foi uma jogada ensaiada para aquele jogo. Os próprios jogadores comemoraram e afirmaram isso ao final daquela partida. No ano passado, diversas cobranças de escanteio eram tocadas para o Wagner, que se posicionava no bico da grande área para arrematar. Alguns gols saíram dessas jogadas, inclusive contra o Grêmio, pela Libertadores. O Wagner, em algumas cobranças de falta, rolava a bola em direção a meia-lua para alguém chegar chutando. As cobranças no segundo pau para o Leonarrdo Silva eram ensaiadas e ele fez alguns gols assim.

      • Ernesto Araujo disse:

        De vez em quando rolavam algumas sim, como já exemplificou o Cabral. Acho pouco ainda mas aconteciam. È que aí já cai naquilo que o Mauro França falou no comentário lá em cima: Depende também de QUEM executa a jogada… Se o batedor, por exemplo, for uma droga a coisa não vai andar. Mas ainda assim tem que treinar à exaustão, não só o batedor mas todos os envolvidos. Por isso o Thiago Ribeiro tem crédito ao tentar assumir as cobranças de falta vendo que estávamos perdendo chances PRECIOSAS só porque não tinha ninguém que fizesse essa função…

      • Cuné disse:

        Se colocar um cabeça de bagre chutando bola da entrada da área o dia inteiro, ele guarda num jogo. Se talento pra bola nascesse com o camarada, não existia muito muleque bom de bola nas escolinhas e tanto cabeça de bagre na várzea.
        Como disseram lá em cima, até o TR que nunca cobrou falta andou fazendo uns golzinhos. Futebol é repetição, é lógico que há os exemplos que não vão nem com reza braba, mas todos mais ou menos podem alcançar excelência em um fundamento. Quem treina, melhora, é fato.

  10. Celeste disse:

    A grama do Ipatingão é melhor. O time é que está mal montado. O Jonathan ninguém sabe se está machucado ou quer ser vendido, mas é melhor que o Rômulo. O MP não pode ficar na reserva. O Cuca foi muito precipitado quando escalou o Everton e depois o Jones. Deveria ter aproveitado o entrosamento do time. Só o Montillo que realmente deveria ser titular porque é acima da média. O time tem que voltar a jogar com 3 volantes, liberando de forma equilibrada os laterais. O Montillo fica responsavel pela armaçãpo das jogadas e o WP não pode errar. Ou o cruzeiro fecha a porteira ou vamos levar uma sacolada do time do ABap na próxima rodada.

  11. Kimbundo disse:

    Então o jogo é o mesmo independente da qualidade do gramado?

  12. Acredito que a torcida do Cruzeiro no Sábia cheque a uns 5000 a 6000 pagantes, o que seria ótimo, resto vai ser torcida do Cuuurintias, Flamengo na maioria com certeza.

    • A torcida do Cruzeiro vai ser maior contra o Internacional, isso sé nosso fazer boas partidas contra Cuurintias e especialmente Flamengo, caso contrário a partida do Inter vai dar para contar os torcedores para felicidade do JS e seu Morrinhão.

  13. Esse papo e desculpa de não jogar no Mineirão ou em Beaga tem para parar logo. Alguem tem que ir nos jogadores e comissão técnica e dar uma chamada de atenção.
    Será que não percebem que jogos em Beaga somente em 2012 e talves somente no segundo semestre ?.
    Vamis ACORDAR CEC e parar de dar desculpas desfarrapadas e cair na nova realidade do nosso Clube

  14. Cuné disse:

    Se revertesse a metade da criatividade do time pra dar desculpa em criatividade para armar a equipe e jogar, teríamos ganho do Vitória. O problema é que errando gol igual o WP está errando, haja criatividade.

  15. Damas disse:

    O futebol mineiro perdeu o glamour com a ausência de jogos em Beagá. Se tem uma coisa que faz a diferença no futebol é a presença do torcedor cativo, aquele que lê as notícias, que acompanha os programas de rádio e TV, aquele que vai acompanhando o ônibus do clube buzinado de alegria rumo ao Mineirão. Tá certo que jogador ganha muito para jogar bem em qualquer canto, mas não é assim que funciona. Posso estar dando um depoimento meio romântico, mas por conhecer a minha terra e a minha gente, tanto CAM, quanto o CEC estão jogando fora de casa todas as partidas – e isto afeta os resultados!!!!

    • Naldo disse:

      Eu concordo Damas, mas se os dois times não abrirem os olhos vão pagar caro. O melhor é aceitar a nova realidade e começarem a se adaptar a ela. O Maracanâ tembem vai entrar em reforma, a dupla FLA/FLU vão ter que jogar em outros campos, quem sabe o engenhão.

      • Binho disse:

        Correto Damas. Afeta o lado psicológico. Tira um pouco do encanto e do calor do jogo. Naldo, o engenhão é dentro da capital mesmo e é enorme. Não é o caso de jogar no interior como estamos fazendo. Noves fora, o time e o técnico tem que se explicar. Acho extremamente positivo que torcedores de outras cidades tenham a chance de ver o Cruzeiro jogar. Deveriam fazer mais isso no campeonato rural.

  16. Binho disse:

    Evidentemente que a culpa é do péssimo futebol apresentado, mas que gramados ruins atrapalham o bom futebol, é fato, não invenção nossa. O Cuca não está sabendo armar a equipe e me parece perdido. Esse lance de jogada ensaiada é reclamação antiga no blog, independente da fase que atravessamos. Desde 2003 somos pouco eficientes, assim como nos falta gols um batedor de falta decente que poderá ser Montillo. Nossos problemas vem sendo os mesmos ha quase 7 anos. E é cedo pra dizer que Jones é ruim de bola. Eu prefiro esperar o cara ter mais chances pra criticar. Ele tremeu, mas pode ser que não trema daqui em diante.

  17. Naldo disse:

    Que o Mineirão faz falta é óbvio, lá é a casa do Cruzeiro. Apesar de não conhecer o Ipatingão, clubes como o Prudente e Vitória já estão ascostumados com estádios menores e acabam tirando proveito disso, o que não ocorre no Mineirão onde o Cruzeiro tem ampla vantagem. Só que não tem Mineirão e não vai ter tão cêdo, a realidade hoje é outra: Sete Lagoas, Ipatinga ou Uberlândia e o time que trate de se adaptar. O campo tem grama, dois gol(s) e o objetivo é o mesmo do Mineirão, bola na rede. Se não entenderem é só pedir que mando o desenho. O astro celeste que não tiver condições de pisar em outro gramado mineiro que não seja o Mineirão, pode ficar treinando na Toca esperando até aparecer uma nova oportunidade.

  18. Elias disse:

    O retrospecto co CEC no Mineirão me autoriza a suspeitar que a diferença pode sim estar ai. Só que não é certeza que os insucessos resultariam em vitórias. No ano passado mesmo, duas partidas decisivas ( Grêmio e Flu) no segundo turno que nos custaram o campeonato(estes mais alguns) em pleno Mineirão. Acho que o momento é que não é bom, inclusive psicológico. Até por reformulação do elenco e nova mentalidade de jogo. Vamos torcer!
    Hehehe…hj ouvi uma aqui que até doeu meus ouvidos: um cabra afirmou que “desconfia” que está havendo um boicote ao trabalho do Cuca pela panelinha do treinador que saiu. Tem lógica???????

  19. Elias disse:

    E mesmo com as ausências (importantes) do Fabricio e do T.Ribeiro, dá prá montar um bom time prá VENCER o Curinthia amanhã, o que precisamos e vamos conseguir:
    Fábio; Jonathan, Caçapa, Gil e D.Renan; Paraná, Henrique, Everton( Fabinho) e Montillo; WP e Wallyson.
    Este Wallyson jogou pouco no domingo mas saiu dos pés dele a chance mais clara do segundo tempo, perdido por W.Paulista na risca da pequena área, na rebatida do goleiro do Vitória. Gosto de jogador que chega e não sente a estréia ( como, infelizmente, aconteceu com o Jones).
    E o Edcarlos não está bem. Pode servir como opção no caso do 3-5-2 e só…

    • Binho disse:

      Queria ter seu otimismo, Elias. Geralmente tenho, mas não dá pra confiar nesse time por ora. Vai jogar contra um dos melhores do campeonato. E Cuca insiste em deixar Paraná na reserva. A continuar assim ele cai e não demora. Basta perder duas seguidas que não fica. Ele tem que se explicar, afinal daqui a 4 dias completam dois meses que ele assumiu e até agora os resultados não são dos melhores. Tem que parar de testar e improvisar só quando for necessário.

  20. Claudinei Vilela disse:

    As desculpas esfarrapadas no Cruzeiro são problemas crônicos. E começa com a diretoria.

  21. ThataHC disse:

    Todo mundo tem que aceitar que,sem o mineirão,o Cruzeiro não é o mesmo!E a maioria dos jogadores coloca a culpa nas péssimas condições dos gramados e tudo mais..Só que a maioria do pessoal da capital coloca como se fosse culpa dos torcedores do interior o Cruzeiro estar jogando fora,o que é absurdo!Ai fica uma guerrinha sem fim entre o povo da capital e a galera do interior..Ridícula essa situação,briga entre o povo da própria torcida..O time vem mau, precisando de apoio e a torcida brigando entre sí pra ver quem é mais cruzeirense que o outro..Até hoje ninguém aprendeu que não existe esse negocio de medir amor?O povo do interior também tem que a prender a apoiar mais,não ta acostumado a ir ao campo?Fui pra ipatinga e parecia jogo de purrinha,a torcida mal cantou o jogo todo..Lamentavel

    • simone b de castro disse:

      Até o Pequetito pediu para a torcida incentivar, que estavam muito calados…

  22. Chaves disse:

    Deixando claro que em moneto algum reclamaram do gramado do Ipatingão. Vamos ser justos, né?