Cruzeiro 1×0 Corintiãs: Aplicação tática e suor

Por SÍNDICO | Em 26 de agosto de 2010

Mauro França

O Cruzeiro enfrenta o Corinthians precisando mais do que nunca de um resultado positivo. Não só para quebrar a sequência de resultados ruins como para se manter no pelotão de cima da tabela.

Sem contar com Leonardo Silva e Gilberto, ainda em recuperação, e Fabrício e Thiago Ribeiro, cumprindo suspensão, Cuca escalou o time no 3-5-2. Jonathan retorna, Everton entra na ala esquerda no lugar de Diego Renan, Paraná e Robert substituem os suspensos.

1º TEMPO

Os minutos iniciais foram eletrizantes. Logo aos 2 minutos, o Cruzeiro teve uma grande chance. Robert apanhou a sobra de uma rebatida pelo lado esquerdo e cruzou para a entrada da pequena área. Chicão dividiu com Wellington Paulista e mandou a escanteio.

Depois da cobrança e do corte da zaga, Jonathan lançou de volta para a área.  Henrique, em cima da linha de fundo, pela esquerda, escorou de cabeça para Montillo, que bateu de pé direito, cruzado, rasteiro, no canto esquerdo de Júlio César, para fazer seu primeiro gol com a camisa celeste, aos 3 minutos. Cruzeiro, 1×0.

Aos 7, Jucilei desceu pela direita e tentou cruzar. A bola bateu no braço de Everton e o juiz marcou pênalti. Bruno César bateu rasteiro, Fábio pulou para o lado esquerdo e cortou com os pés.

Daí em diante, as duas equipes adotaram estratégias distintas. O Cruzeiro recuou para o seu campo de defesa, esperando o adversário para tentar roubar bolas e sair em contra-ataques rápidos, principalmente pela direita.

Wellington Paulista atuava praticamente como lateral, fechando os avanços de Alessandro pela direita. Paraná e Henrique guardavam a intermediária e o trio de zagueiros, comandado por Caçapa, era soberano nas antecipações. Montillo se encarregava da armação, com boa movimentação e intervenções precisas.

O Corinthians passou a tocar a bola, procurando brechas para penetrações. Sem conseguir imprimir velocidade diante do bem postado sistema defensivo celeste, os corintianos não conseguiram transformar a maior posse de bola e o domínio territorial em oportunidades de gol. E se limitaram a alçar algumas poucas bolas para a área, em tentativas neutralizadas ou pela zaga ou por Fábio.

Nas poucas vezes em que se arriscou no ataque o Cruzeiro foi mais incisivo. Aos 24, Montillo lançou em profundidade para Jonathan, que ao foi ao fundo e cruzou para o meio da área. A zaga corintiana fez o corte providencial, quando Wellington Paulista se preparava para concluir.

Aos 34, Wellington Paulista ganhou na raça dos zagueiros e bateu rasteiro da entrada da área para defesa firme de Júlio César. Aos 36, o Corinthians teve uma chance em cobrança de falta pela meia-esquerda. Roberto Carlos mandou longe do gol.

Aos 38, o lance de maior perigo do Corinthians em todo o jogo. Bruno César bateu escanteio da esquerda, Paulo André subiu no meio dos zagueiros e acertou o travessão. Henrique abafou o rebote e cortou o perigo.

Na resposta celeste, aos 40, depois de boa trama, Robert recebeu na entrada da área e bateu de virada. Júlio César se esticou para espalmar a escanteio.

Nos minutos finais o Corinthians tentou apertar e conseguiu apenas alguns escanteios, que a defesa celeste conseguiu neutralizar sem maiores problemas.

2º TEMPO

As duas equipes voltaram sem alterações. O Cruzeiro criou excelente oportunidade logo no seu primeiro ataque, aos 50 segundos. Lançado por Montillo, Everton escapou pela esquerda e bateu cruzado, rasteiro. De frente para o gol, Robert e Wellington Paulista por pouco não alcançaram.

O panorama do jogo não se alterou substancialmente. O Cruzeiro manteve a postura defensiva. Embora eficiente no bloqueio, por vezes recuava excessivamente e não conseguia fazer a ligação dos contra-ataques.

O Corinthians tentou forçar um pouco mais no ataque. Seguiu com maior posse de bola e o domínio territorial, mas, sem conseguir superar a forte marcação celeste, foi pouco efetivo na criação, se limitando, na maior parte do tempo, a alçar bolas na área.

Aos 10, numa rara jogada de contra-ataque, Jucilei arrancou pelo meio e foi derrubado por Gil na entrada da área. Chicão cobrou e Fábio defendeu sem problema.

Aos 17, Adilson trocou o apagado Iarley por Souza. No minuto seguinte, o Cruzeiro chegou com perigo à área corintiana. Mais uma vez, Everton recebeu lançamento de Montillo, penetrou livre pela esquerda, mas dessa vez cruzou alto e desperdiçou boa oportunidade.

Adilson tentou melhorar a movimentação do seu meio de campo trocando Bruno César por William Morais, aos 23. Para dar novo gás na marcação, Cuca substituiu Everton pelo estreante Pablo, aos 27. E na tentativa de imprimir velocidade ao contra-ataque, sacou o ineficiente Robert para a entrada de Wallyson, aos 30. Adilson queimou seu último cartucho aos 32, com a entrada de Paulinho no lugar de Roberto Carlos.

As substituições pouco acrescentaram ao Corinthians em termos de movimentação e criatividade. O Cruzeiro saiu mais para o jogo, quase sempre pelo lado esquerdo, sem descuidar da marcação. Teve maior presença no ataque, mas não chegou a criar muitas situações de perigo.

Aos 42, Montillo saiu para a entrada de Roger, que entrou com a missão de segurar a bola e gastar tempo. No minuto seguinte, depois de uma bola roubada no ataque, Roger recebeu e lançou para Wallyson, que do bico esquerdo da grande área bateu forte para o gol. Júlio César espalmou.

Nos minutos finais o Cruzeiro se segurou e não deu chance ao Corinthians, que não conseguiu criar nenhum lance de perigo.

Foi uma vitória suada, mas preciosa. Valeu a aplicação tática, a luta e a determinação de todo o time.

Mauro França, 47, cruzeirense, economiário, historiador, nasceu em Sete Lagoas, mora em Belo Horizonte.

51 comentários para “Cruzeiro 1×0 Corintiãs: Aplicação tática e suor”

  1. Matheus Reis disse:

    Bela resenha como sempre, Mauro. Uma pequena observação, no lance do gol acho que foi o Caçapa quem cruzou e o Gil quem desviou para o Montillo.

    De fato, a equipe se fechou muito bem. E se a gente olhar com mais atenção, o Cruzeiro esteve mais próximo de fazer o segundo do que o Corinthians de empatar.

    Que venha o PC Gusmão.

  2. Elias disse:

    Pois é…
    PC está invicto e o Vaxcu em Sanjanu sempre foi carne de pescoço. Jogar novamente com inteligência e explorar, ao máximo, o bom momento do MONTILLO, que está sobrando ante a boleirada local. Um excelente jogador. Técnico, raçudo, voluntarioso, inteligente e uma batida na bola que há muito não vejo igual. A mídia do eixo se rende à sua capacidade extraordinária de organizar o jogo, alguns já reclamando ( Fla) que deveriam tê-lo contratado.
    E ontem compareceu às redes, o que esperamos que seja constante. Parece perfeitamente ambientado e que sirva de elo de ligação time/torcida. Precisamos de um ídolo que sempre faça a diferença…

    • Matheus Reis disse:

      E não satisfeito em manotar no jogo contra SPFC, quando disse que o Montillo “não marca ninguém”, Bobo faria insistiu no erro, reafirmando a mesma bobagem ontem.

      Na casa do amigo, onde assisti o jogo, a cada comentário do bobo, proferíamos elogios impublicáveis a ele, seu pai e sua digníssima. Nem o juiz recebeu tanto carinho dos que lá estavam.

  3. Elias disse:

    Mauro França (que tb usa óculos) não me parece míope como a maioria dos comentaristas que ganham rios de dinheiro prá escrever ( e dizer) abobrinhas sobre futebol. Essa geração ( Lélios, Bobs, Jrs, Jucas, etc) à cada dia se supera em suas obviedades e maledicências. Coitado do torcedor que for no papinho manjado deles.

    • Elias disse:

      E espero uns …. comentários sobre o AB.
      Outros ….. sobre a posição do Curinthia na tabela.
      Outros ….. sobre o que AB poderia ter feito.
      Um dia essa idéia fixa passa. Uma pena, pois torna o blog muiiiiito mais divertido. Insanidade tb é cultura…e divertimento!

    • Ernesto Araujo disse:

      Nada se compara aos comentários do NETO na Bandeirantes.

      • Elias disse:

        Não sei quem dá corda prá esse amalucado comentarista (?). Um total “non sense”. Se expressa mal, é imediatista, bairrista ao extremo, não esconde (nem procura pelo menos disfarçar) sua paixão pelo gambá, tenta consertar a c@… e só consegue piorar o que foi ruim. Sem contar aquele sotaque de interior paulista que até faz mal aos ouvidos. Em suma…lixo do lixo!

      • Alex Martins AMC disse:

        kakakakakaceres!!!!

      • Alex Martins AMC disse:

        qualquer um que faz 2 gol pro Gambás se torna o melhor jogador do Brasil, o Mano era o melhor treinador do Brasil, o Andres era o melhor presidente de clubes do Brasil, o Felipe era o melhor goleiro do Brasil,etc..

  4. Claudinei Vilela disse:

    A ajeitada do Henrique de cabeça pro arremate do Montillo foi fenomenal.
    Do jeito que a bola vei espirrada, alta e com zagueiro encima, dar um passe milimetrico daqueles merece 1/2 gol.

  5. Beth Makennel disse:

    Eu gostei muito da bravura do nosso time em campo. Sabendo as dificuldades e sendo o adversario uma boa equipe e ainda sem contar com Gilberto, Thiago Ribeiro e Fabrício, o Cuca teve que se armar para vencer é do tipo: No peito e na raça. E assim foi! Valeu Cruzeirôôô. O time celeste começou a todo vapor e após fazer o gol, tão importante neste momento, tratou de se fechar para ir nos contra ataques. Todos os jogadores merecem os aplausos. Jogaram com muita valentia. Honraram a nossa camisa. O Montillo fez seu 1º gol. E se não fosse o juizinho sem vergonha, o resultado poderia ser maior. Era só encostar no adversário que cartão amarelo aparecia para nosso time. Já o contrário, nada de cartão e nem mesmo de faltas. O penal deles não existiu. Valeu Zeirôôô!!!! Vamos que vamos Zeirôôô!!!!!!!!

  6. Claudinei Vilela disse:

    Passagem pra UDI 150 reais
    Ingresso pro jogo CruxCor 30 reais
    Ver a torcida do Cruzeiro cantar “Pqp, libertadores o Curintia nunca viu” não tem preço…

    Tem coisas que só Cruzeiro faz pra vc!

  7. Hermes disse:

    Como sempre, boa resenha do Mauro. Não assisti ao jogo e lendo a resenha, chego a conclusão que não foi um sufoco como me falaram.

    • Mauro França disse:

      O Corinthians teve maior posse de bola e dominio territorial em todo o jogo. Mas chances mesmo, só o penalti e a bola no travessão. Muito pouco para 90 minutos e pra se falar que foi sufoco.

      • Hermes disse:

        Por isso que quando não assisto os jogos, acho melhor esperar sua resenha. Acho que virei um resenhaguiado.

  8. Damas disse:

    Vi o jogo de ontem e tb me espantei com a mania de isenção do Bob Maria (é assim que o chamamos). Como profissional de RH espantou-me tb a falta de respeito com o menino D. Renan. Transormar um garoto em 3o. reserva de um dia prá outro, sentado no banco, foi uma atitude altamente desqualificada, prá nao dizer DESRESPEITOSA. Deu pena!!!

    • Bruno Pontes disse:

      Bem notado, Damas. O desconhecido Pablo só não entrou mais rápido no time do que o Jones. Que nesse jogo nem entrou. Tá claro que o Cuca tá numa onda de “experimentações com o elenco”. Espero que ele encontre seus titulares e reservas logo…

      • walfrido disse:

        Tem hora que me sinto como uma hiena perguntando porque o Cuca privilegia tanto Robert e Everton em detrimento de outros.´De qualquer forma estamos indo até melhor do que eu esperava. Não acho que tá bom, não acho que temos jogado bem. Se jogamos alguma partida realmente boa, envolvente, com o Cuca foi contra o Flu, e perdemos. Os demais foram sufocos. Mas o que interessa são os 3 pts! Foco no Vasco agora, tentar ganhar dos caras, por que não? Força Cuca.

  9. DALMIR FERNANDES disse:

    O blog do juca tá de dá pena. Ele também está em decandência.

  10. walfrido disse:

    Excelente resenha do Mauro, como de costume.

  11. Bruno Pontes disse:

    OT: sintam a seriedade do projeto do profexô na cocota: http://bit.ly/c5Tjoo
    “Quero trabalhar com Zico no Flamengo”.

  12. Chiabi Jr. disse:

    OT too: Sobre o Bob Maria, itatifrangas e outras zebradas, uso citação do Tostão em sua coluna do final desse ultimo semana:
    “Contardo Calligaris escreveu na quinta-feira: “Quando a mídia é de massa, não há mais diferença entre manipuladores e manipulados, pois os próprios manipuladores, expostos à mídia, são manipulados por suas produções. Ou seja, progressivamente, todo o mundo pensa as mesmas trivialidades”.”

  13. Azul Celeste disse:

    Pelo andar da carruagem acho que o Cuca vai desenhar o Cruzeiro assim:
    Fabio, Léo Silva, Léo, Caçapa, Jonatã, Fabricio, Paraná, Motillo, Gilberto, Thiago Ribeiro e WP.

    • walfrido disse:

      É por aí. Só acho que ele prefere o Henrique ao Paraná. E o Leo Silva vai ter que ganhar a vaga dele jogando muito, pois parece que o Ed Carlos é o preferido, da mesma forma que Gil vem jogando bem e o Leo vai ter que provar quie é melhor.

    • Bruno Pontes disse:

      Concordo com o Walfrido. Acho que o time que o Cuca tem em mente é:
      Fabio; Gil, Caçapa e Edcarlos; Jonathan, Henrique, Fabrício e Gilberto; Montillo; TR e WP.
      Eu, particularmente, gosto. Mas preferiria que MP entrasse no lugar de um dos dois volantes, que o Farías ganhasse a vaga do WP (não é possível que ele seja pior) e que um dos Léos ganhasse a vaga do Edcarlos.

      • Alex Martins AMC disse:

        quem sabe o WP aceite a proposta da Turquia.

      • Rogério disse:

        Esta mala já recusou a proposta, já é a segunda que ele recusa, quer ficar até o final do contrato para negociar diretamente com algum interessado.

  14. Leo Vidigal disse:

    Também foi este o jogo que vi. O Mauro mostrou com clareza que os de Corinto não conseguiram traduzir a posse de bola em lances de perigo, não sufocaram tanto, portanto não se justifica a choradeira do JK. Se o Cruzeiro jogar sempre com essa raça podemos esperar um ótimo campeonato.

  15. Naldo disse:

    O WP é jogador de confiança do Cuca. O time é ele e mais 11.

    • Naldo disse:

      Melhor, mais 10.

    • walfrido disse:

      Convenhamos, o cara é tosco, mas a vontade e o folego do cara são impressionantes. O cara briga o tempo todo, inclusive com a bola, árbitro, etc… rsrsrss. Mas é um lutador dedicado e ainda faz seus golzinhos. Jogou muito ontem.

      • Kimbundo disse:

        É o Toto do século XXI.

      • Vinicius Cabral disse:

        Briga o tempo todo. Entre tentar dar sequencia a uma jogada de gol, ele prefere brigar pela falta. Isso me irrita profundamente. Isso e os chiliques com os árbitros, que já renderam algumas expulsões para ele, diga-se de passagem.

  16. Público do Cruzeiro no Parque do Sabiá, contra o Corinthians:
    37.377 pagantes – R$ 869.597,00

  17. Cleber Mendes disse:

    Os gambás não estavam em maioria!.

  18. Kimbundo disse:

    O mais legal da vitória foi a vibração do Fábio na hora do gol.

  19. simone b de castro disse:

    OFF: E o Ganso, hein? Parado por 6 meses…