Chaves: “O time está ficando malandro”

Por Jorge Angrisano Santana | Em 14 de setembro de 2010

Pitacos de blogueiros e protagonistas do Avaí 1×2 Cruzeiro, na Ressacada, Florianópolis, pela 22ª rodada do Campeoanto Brasileiro de 2010, em 12set10:

  1. André Kfouri, em seu blog: Botafoguenses e cruzeirenses, sejam bem-vindos à disputa do título do BR-10. A quarta vitória seguida colocou o Cruzeiro na área-vip. O Avaí não vence há 7 rodadas.
  2. Décio Lopes, em seu blog: Cruzeiro e Botafogo são os times do momento no Brasileirão 2010. Os líderes tropeçam, Santos e Inter perdem chances importantes de chegarem mais perto do topo… E, enquanto isso, Cruzeiro e Botafogo jogam um futebol convicente, competitivo e, sim, já começam a sonhar com título. Claro que ainda não está fácil. Ainda faltam muitas rodadas, muitas semanas dos altos e baixos de uma competição tão longa. Mas a verdade é que NESTE MOMENTO os times de Cuca e Joel levantam voo na competição. O Cruzeiro tinha um desafio difícil em Florianópolis e foi a campo pronto para isso, no espírito de quem sonha alto nesta competição. A sorte normalmente ajuda quem trabalha e, em dois lances típicos desta fase “pé quente”, o jogo foi resolvido: o pênalti inconsequente de Caio (bem batido por Roger) e o chute mágico de Thiago Ribeiro, que bateu na trave, nas costas de Renan e voltou para o gol. A determinação tática, principalmente na defesa, e a entrega total (típica dos grupos liderados Cuca) seguraram o desespero dos donos da casa, que precisavam muito do resultado mas não mostravam organização para chegar lá. Mesmo levando um golzinho, o Cruzeiro faturou a quarta vitória seguida e os 37 pontos na tabela. (…) Botafogo e Cruzeiro são, sem dúvida, os times do momento. Mas eu que não me arrisco a tentar prever nada mais (até porque no sábado que vem eles se enfrentam e alguém vai perder pontos dramáticos). Só tenho certeza de uma coisa: graças à arrancada espetacular destas duas equipes teremos uma reta final ainda mais emocionante e bonita no Brasileirão 2010. Oba!
  3. Juca Kfouri, em seu blog: Pronto! Botafogo e Cruzeiro chegaram: Na pior das hipóteses para ambos, isto é, se o Corinthians ganhar os três pontos que ainda tem a disputar no primeiro turno, Botafogo e Cruzeiro estão a apenas quatro pontos dos dois líderes do Brasileirão. De fato, ficaram a quatro do Flu e a apenas um do Corinthians depois de suas importantes, e justas, vitórias na tarde deste domingo. (…) Sem ter o investimento de seus concorrentes, fato é que o Botafogo está aí, na disputa do título. Como o Cruzeiro, que passou pelo Avaí sem maiores dificuldades na Ressacada, embora tenha passado por uma certa pressão depois que o time da casa diminuiu a vantagem do visitante que era de 2 a 0. Roger fizera 1 a 0, de pênalti, desnecessário de Caio em Fabrício, mas muito bem dado, e Thiago Ribeiro ampliara, em bola que bateu na trave e nas costas do goleiro Renan, um gol em cada tempo. Aos 34, Laércio diminuiu e deu esperança ao Avaí que, na verdade, em todo o jogo só tinha exigido uma defesa realmente difícil de Fábio: 2 a 1. Não foi das melhores atuações do Cruzeiro, mas foi o suficiente para arrancar mais uma vitória fora de casa, o que faz a diferença neste campeonato. Além do mais, não se pode esquecer, Marquinhos foi expulso logo no começo do segunto tempo. As duas vitórias, no Engenhão e na Ressacada, foram indiscutíveis.
  4. Vinícius Grissi, no blog do Lédio Carmona: Depois de ver os dois primeiros colocados tropeçarem no sábado, não havia outro pensamento para o Cruzeiro senão buscar a quarta vitória consecutiva mesmo muito desfalcado e jogando fora de casa. O adversário era um Avaí em crise, sem vencer há seis partidas, num carregado gramado em Santa Catarina. Logo, os mineiros tomaram a iniciativa do jogo desde o apito inicial. O Cruzeiro tinha a posse de bola, mas não era contundente ofensivamente, muito pela pouca participação de Roger e Thiago Ribeiro. O Avaí sem sua dupla de ataque titular, apostava em Sávio, que ainda sem ritmo de jogo não conseguia dar seqüência às jogadas, obrigando o time a apelar seguidamente para a ligação direta. O fraco primeiro tempo só não passou sem nenhuma nota que merecesse destaque por dois motivos. O primeiro, o gol do Cruzeiro, marcado por Roger em cobrança de pênalti aos 24 minutos, após o único lance de perigo da etapa inicial. O segundo, pela confusa arbitragem do goiano André Luiz de Freitas Castro, que errou a dose nos cartões, deixou de marcar faltas claras e acabou conseguindo desagradar os dois times. No segundo tempo, o Avaí voltou com Leandro Bonfim para melhorar o passe no meio-campo e tentar ficar mais tempo com a bola. O Cruzeiro, com quatro jogadores amarelados voltou com o mesmo time. E não demorou para perder Marquinhos Paraná, expulso. Com um a mais, o Avaí exercia uma falsa pressão. Tinha a bola mas pouco ameaçava o gol de Fábio. Quando tentou abafar o adversário, com as entradas de Laércio e Jéferson, acabou vendo o Cruzeiro praticamente definir o jogo após contra-ataque que começou com a roubada de bola e a saída em velocidade de Fabrício e o passe para Thiago Ribeiro contar com a sorte para marcar. Aos 34 minutos, Laércio diminuiu para os catarinenses, que esboçaram uma pressão mas não tiveram fôlego para buscar o empate. Enquanto os avaianos amargam uma crise e já estão apenas três pontos acima da zona da degola, o Cruzeiro aproveita os tropeços e aos poucos se candidata a brigar pelo título. Das 10 vitórias da Raposa no Brasileirão, nove foram com a diferença mínima no placar. Parece pouco. Mas é mais que suficiente para respeitar o time de Cuca na luta pela ponta.
  5. Leandro Mattos, em seu blog: O Cruzeiro foi sinônimo de valentia neste domingo e cravou sua quarta vitória seguida no Brasileirão 2010, nos últimos seis jogos, dos quais a Raposa não perdeu nenhum. Já são 540 minutos de invencibilidade. O triunfo em terras catarinenses teve paladar ainda mais saboroso com os tropeços de Corinthians (vice-líder) e Fluminense (líder), na abertura da 21ª rodada, ainda no sábado. Com a vitória sobre os 11 de Antônio Lopes, o time de Cuca diminuiu para quatro pontos a distância em relação à ponta da tabela e para um ponto a distância para o Corinthians. Após a partida, o comandante estrelado elogiou a postura azul na Ressacada e o afago foi merecido. Jogando com um homem a menos desde a expulsão de Marquinhos Paraná, aos oito minutos da etapa complementar, a Raposa soube controlar o jogo, ainda marcou mais um gol, mesmo com 10 em campo, e conseguiu segurar a pressão do Avaí, que sufocou depois da metade do segundo tempo. O time segue em quarto lugar no Nacional, empatado com o Botafogo no número de pontos, mas com menos seis gols de saldo. O ponto negativo foi a constatação definitiva de que o recém-chegado Walter Montillo é daqueles jogadores que realmente fazem falta a uma equipe. O time sentiu muito a falta de criatividade do argentino ali na ‘meiuca’. Faltou a boa ligação entre o meio-campo e o ataque, o que levou o time a rifar bolas e precisar do jogo aéreo em muitos momentos, com bolas alçadas e longos lançamentos. A troca de passes ficou prejudicada. Mas o que importou mesmo, segundo Cuca, foram os três pontos e a aproximação com os líderes. Segundo o treinador, um triunfo diante do Guarani, nesta quarta, colocará o Cruzeiro definitivamente na briga pela taça.
  6. Fábio, goleiro do Cruzeiro: A gente jogou com bastante concentração e, com muita dedicação, conseguimos sair daqui com a vitória. Conquistamos mais três importantes pontos, que deixa o time cada vez mais confiante.
  7. Jonathan, lateral-direito do Cruzeiro: O Campeonato Brasileiro é muito longo e em muitos lances é necessário parar uma jogada e tomar o cartão. Mesmo de fora, tentarei ajudar o grupo, seja dando força ou nos treinos. O Cruzeiro tem um excelente elenco e boas peças de reposição. Nosso foco é o título e estamos caminhando bem para isso.
  8. Leo Simões, beque do Cruzeiro: Tudo mundo se empenhou, desde o ataque, o meio-de-campo, a defesa. Tivemos um jogador a menos em campo, levamos o gol, mas o time suportou bem e está de parabéns pela vitória.
  9. Diego Renan, lateral-esquerdo do Cruzeiro: Infelizmente levei o amarelo, em um lance em que eu achei que não merecia. Mas isso acontece. Contra o Guarani, não estarei em campo, mas ficarei na torcida com meus companheiros, ajudando da mesma forma.
  10. Fabrício, volante do Cruzeiro: Estou feliz de estar jogando e nosso time esta aí, com objetivo grande e a gente sabe que a luta é maior ainda. Todo mundo está se dedicando, a gente perdeu um jogador importante hoje, é um jogador que a gente tem um carinho muito grande e por isso nos doamos ainda mais e também dedicamos esta vitória ao nosso auxiliar técnico Cuquinha. Tem de ser assim, jogar contra o Leão da Ilha tem de ser um leão também, tem de se dedicar, porque jogar contra o Avaí aqui é muito difícil, tem de se entregar, eles não estão em uma fase muito boa, mas é um time forte em casa. Graças a Deus, as coisas deram certas pra mim e pro Cruzeiro. Estamos chegando, estamos encostando, mas deixa as coisas assim como estão, vamos ficar quietos.
  11. Henrique, volante do Cruzeiro: Claro que, com um homem a menos, ficou difícil, tivemos que correr a mais durante grande parte do 2º tempo. Mas a equipe se portou bem, teve maturidade para sair com o resultado.
  12. Roger Galera, meia do Cruzeiro: Tentei atrasar o máximo minha passada na cobrança do pênalti para confundir o goleiro, e ele caiu, não ficou no meio e escolheu um canto. Então eu puder chutar no outro para abrir caminho para nossa vitória. Acho que são os jogos assim que colocam a gente em condições de brigar pelo título, o comprometimento do grupo. Cuca hoje me pediu para fazer uma função diferente e eu me doei bastante para tentar fazer o melhor papel tático naquilo que foi me solicitado. Lamento, mas são coisas que acontecem. Não sei quem vai voltar, mas que possa suprir a ausência da mesma maneira dos que estão. Acho que é assim que se forma um grupo campeão, com todos jogadores de qualidade e uns substituindo as ausências de outros, dentro de suas características e em prol do coletivo.
  13. Thiago Ribeiro, atacante do Cruzeiro: Fabrício roubou a bola, parti em diagonal, recebi em profundidade, consegui arrumar um espaço entre os zagueiros pra chutar. A bola já merecia ter entrado na primeira, acabou batendo na trave, contei bastante com a sorte também que pegou na cabeça do goleiro e entrou. No mínimo espaço que consegui, chutei bem a gol. Fui competente e contei com a sorte também para a bola entrar.
  14. Cuca, treinador do Cruzeiro: Não foi no final com um jogador a menos, isso aconteceu durante 42 minutos, o Marquinhos Paraná foi expulso aos 8 e o jogo foi até 50, então jogamos 42 minutos com um jogador a menos. O adversário com cinco atacantes, a torcida fazendo uma pressão enorme, é normal que você se defenda, mas não passamos assim grande susto. A posse de bola lógica que era do Avaí, depois com a expulsão e a saída do Farias o plano era o contra-ataque com o Thiago, mas demos uma relaxadinha, tomamos o gol e foi perigoso, pois colocou o Avaí de novo na partida e ai deu emoção até o final. Mas o pessoal está de parabéns, pela luta, entrega enorme, aliada a disposição e técnica deles. O adversário ficou todo projetado à frente com a expulsão. Eles não tinham mais nada a perder, mas nos tivemos dois bons contra-ataques um com o Fabrício, que o goleiro pegou e o gol com o Thiago que deu um desafogo. Depois tivemos uma desatenção e sofremos o gol e até o final ficamos no perigo de tomar a qualquer momento um gol, mas a gente fica muito contente por isso. Aqui é complicado jogar. O Avaí é rápido, envolvente, e se você der velocidade para eles, você dança. Fizemos um jogo bom, em todos os aspectos. O Cruzeiro é uma equipe madura, sabe se portar bem em campo e sabe passar por momentos difíceis, jogou com 42 minutos com um jogador a menos. Foi um jogo de superação, soubemos jogar pelo resultado e foi a nossa quarta vitória seguida.
  15. Octacílio da Matta, médico do Cruzeiro: Luxação, na verdade, é uma desarticulação. Só que isso aconteceu no quinto dedo, ou seja, o dedo menos importante da mão esquerda. Fizemos uma redução de imediato. Imobilizamos parcialmente e ele conseguiu completar o jogo. Agora, já entramos com o tratamento em definitivo e acredito que vai evoluir tudo bem. O Montillo já treina normalmente, fazendo praticamente todas as atividades, e as possibilidades são muito boas para o retorno dele no meio de semana. Já o Wellington Paulista a gente vai aguardar mais um pouco para dar um posição definitiva.
  16. Eltinho, lateral-esquerdo do Avaí: A fase não está boa. A bola bate na trave, no Renan e entra. Precisamos do apoio da torcida, vamos tentar vencer na próxima rodada.
  17. Sávio, atacante do Avaí: O momento realmente preocupa e é ruim, mas também é um momento de não baixar a cabeça. Sabemos que temos condições de superar, pois temos um grupo de muita qualidade e demonstramos isso ao longo da competição. Não adianta desesperar nesta fase, o apoio de todos é fundamental e essa união que nós temos precisamos de ainda mais. Quando há momentos assim temos que trabalhar, pois só nós podemos reverter esse quadro.
  18. Antônio Lopes, treinador do Avaí: O negócio é trabalhar, nós da comissão técnica e os jogadores é quem precisamos reverter essa situação. Não podemos desanimar, não pode ‘baixar a guarda’ tem que prosseguir buscando a mudança desta fase. Aliado a isso nós estamos com um problema de falta de sorte, isso fica claro no segundo gol que nós tomamos, a bola bateu na trave, nas costas do goleiro e entrou. É um momento horrível que nós estamos vivendo, uma fase ruim. A gente sabe que este é um campeonato difícil, longo que esses períodos aparecem na maioria dos clubes que estão disputando, ficar um número exagerado de jogos sem vencer. Isso é fruto da competição longa e da ausência de jogadores ditadas por contusão, cartões, a gente já sabe que isso acontece sem dúvida nenhuma.
  19. Chaves, no PHD: Gostei muito do jogo hoje, pois foi uma vitória motivada pela organização tática do time no 1º tempo e a superação e raça dos jogadores no segundo tempo. E o time está tendo a malandragem pra segurar resultados que faltaram em outras ocasiões. No 2º tempo, bola no pé do Roger, ele conseguia gastar o tempo. Jonathan também está bem malandro pra segurar resultado. A torcida do Avaí tava pra entrar em campo de tanto que o Cruzeiro amarrou o jogo.
  20. Elias Guimarães, no PHD: Muito bom. Início cauteloso, saindo devagarinho, administrando os nervos da equipe e torcida do Avai. Ai, uma blitz sensacional. com um penalti incontestável. O Avai bateu muito, o Cruzeiro também, mas parecia que V. Exa., o árbitro, só via falta dos visitantes. Complicadinho, o camarada. Ai um mortal contra-ataque, com a sorte nos sorrindo. Um vacilo natural, uma catimba pontual e estamos a 4 pontinhos do líder.

Deixe um comentário

Você precisa fazer o login para publicar um comentário.