Chaves: “O Cruzeiro teve as melhores chances”

Por Jorge Angrisano Santana | Em 1 de agosto de 2019

PITACOS acerca do CRUZEIRO 0/2-0/4 RIVER PLATE Mineirão, Belo Horizonte, 30jul19ter19h15, volta das oitavas da Libertadores 2019:

MANO MENEZES: O objetivo no primeiro jogo era trazer a decisão pra nossa casa. Mas sabíamos que o jogo seria tão difícil aqui quanto foi lá. Falamos sobre a série de sucessos que eles estão tendo na Libertadores com esse grupo e nos preparamos pra entender o jogo. Iniciamos mal, errando muito e não se pode errar contra um time que tem qualidade. Houve um pouco de ansiedade. Depois da primeira chance clara, a mais clara do jogo, as coisas começaram a se equilibrar, a equipe passou a ter mais tranquilidade. Tínhamos algumas dificuldades na escolha da formação ideal, porque Robinho só tinha capacidade pra 30 minutos, então a escolha foi pela formação que terminou o jogo lá e que deu bom resultado. Aos 60, tiramos um volante e botamos Robinho. Depois fomos um pouco mais com um homem de área, Fred. Críamos oito oportunidades, o River teve cinco. Não foi por falta de tentativa nem de esforço. Nosso adversário sempre jogou ofensivamente e também não conseguiu marcar gol no Cruzeiro em 180 minutos. Não conseguimos o objetivo porque perdemos nos pênaltis, assim como já vencemos muitas vezes assim  Estamos tristes, como o torcedor. Lutamos como podíamos pra passar de fase. Em nenhum momento o Cruzeiro deixou de acreditar. Lutou até o fim tentando o gol. A derrota pode ser dura, triste, mas a gente não pode enganar o torcedor. Não se trata de estilo, de abdicar, de não querer.

DEDÉ: Jogamos, tivemos chances, nos entregamos ao máximo, mas estou emocionado é por gratidão. Sou grato a Deus, por me capacitar em jogar uma competição como essa, Nossa Senhora da Aparecida, que eu sempre peço pra estar cobrindo seu manto em minha família, meus amigos, quem eu gosto, nosso clube. E eu parei pra orar um pouquinho, passou muita coisa positiva na minha cabeça. Isso me emocionou. Perdemos nos pênaltis, num jogo bem jogado, um jogão, o River enfrentou nosso time, mas acho que nosso time ainda suportou um pouco mais, teve um pouco mais de resistência no jogo, tivemos chances claras no final, pra matar. Mas, infelizmente, não matamos e, em mais uma disputa de pênaltis, infelizmente dessa vez não deu pra gente. Com méritos aos batedores, ao goleiro do River, mas nosso time não pode sair de cabeça baixa, temos mais duas competições pra disputar, uma que estamos num dilema grande, que é o Brasileiro, e vamos voltar a vencer, se Deus quiser. 

FRED: Trabalho pra voltar a ser titular. Enquanto isso não acontece, tentarei ajudar enquanto estiver em campo ou fora, independente de qualquer coisa. É lógico que a gente fica triste em sair do time, mas entende que é uma característica do Mano, de marcar bem lá atrás com todo mundo e depois sair no contra-ataque. Eu não me encaixo nas características dele. Mas quando precisar eu vou procurar fazer meu melhor.

FERNANDÃO ÁVILA:  Jogo brigado, com boas chances pros dois lados. Os times toparam os pênaltis. E eu só pensava que o Sobis tinha ido embora e não tinha ninguém confiável pra abrir as cobranças. Durante o jogo demos o azar normal de futebol, M Gabriel afoito na hora de definir, dentro da sua característica, Fred entrou fazendo bem o pivô e adiantando o time. O River cansou mais que o Cruzeiro. Pra eles é início de temporada, e o time embora tenha sido mais presente no fim, não conseguiu marcar. Vida que segue. Fui dormir muito puto, mas confiante na Copa do Brasil. 

DOUGLAS VELLOSO: Bom jogo. No primeiro tempo, os erros de passe prejudicaram a estratégia e Rocha não foi escape necessário. Mesmo com o meio campo mais preenchido pelo Cruzeiro, o jogo foi semelhante à primeira etapa na Argentina. Ruim doi ter demorado pra se buscar uma jogada mais vertical. Mérito do River não foi deixar isso acontecer, pois é um time ciente de suas qualidades e limitações. Mesmo assim, a melhor chance foi do Cruzeiro. No segundo tempo, empurrado  pela torcida, o Cruzeiro atacou, fez mais ultrapassagens e jogou no seu limite, com disposição. O sistema defensivo, mostrando sua boa qualidade. Uma pena Robinho e Neves nõ estarem em boas condições físicas. Sobre os pênaltis, tudo o que se disser é especulativo. 

MATHEUS CHAVES: O Cruzeiro fez um bom jogo, dentro das suas características e das dificuldades impostas pelo adversário, que é bom, embora não seja essa maravilha toda. O Cruzeiro teve as melhores chances, mas foi incompetente na conclusão. Foi um filme já visto em várias decisões recentes, só que desta vez a sorte não estava do nosso lado. 

Deixe um comentário

Você precisa fazer o login para publicar um comentário.