Arquivo da Categoria ‘Mineiro’

O fracasso da torcida celeste

quinta-feira, 9 de maio de 2019

THIAGO CINCO ESTRELAS

URGE repensar essa questão de ingressos. Infelizmente, o Cruzeiro está cada vez mais distante dos times do Eixo, e comparado aos gaúchos, perde de lavada também. Eis os 10 dez clubes com maiores arrecadações na bilheteria em 2019 (média de público, arrecadação em milhões, ticket médio)

  1. Corinthians 33.351 — R$22.3 — R$49
  2. Flamengo 44.048 — R$20.2 — R$35
  3. Palmeiras 28.496 — R$19.4 — R$56
  4. São Paulo 25.775 — R$17.2 — R$55
  5. Inter 24.956 — R$13.3 — R$44
  6. Grêmio 22.139 — R$11.9 — R$44
  7. Vasco 14.862 — R$8.9 –  R$40
  8. Mineiro 21.252 — R$8.6 — R$27
  9. Cruzeiro 21.120 — R$6.3 — R$27
  10. Bahia 20.912 — R$6.2 — R$19

Inter e Grêmio, que a esra altura da temporada, têm o mesmo calendário que o Cruzeiro, arrecadaram o dobro em bilheteria. No Brasileiro, enquanto o ticket médio de Inter e Grêmio é de R$48 e R$42, o do Cruzeiro é de R$14. E, mesmo assim, os gaúchos têm o dobro de média de público na competição.

Cinco campeões invictos

quinta-feira, 25 de abril de 2019

CINCO CAMPEÕES INVICTOS nos estaduais. Um deles, o Cruzeiro alcança este feito pela 12ª vez.

  1. Acreano – Acreano: 15 jogos, 9 vitórias, 6 empates
  2. Alagoano – Csa, 11 j, 6 v, 3 e, 2 derrotas
  3. Amapaense – ainda não começou.
  4. Amazonense – ainda não terminou.
  5. Baiano – Bahia, 13 j, 7 v, 4 e, 2 d
  6. Brasiliense – Gama, 17 j, 14 v, 3 e
  7. Capixaba – Vitória e Real Noroeste decidem neste sábado.
  8. Carioca – Flamengo, 17 j, 11 v, 5 e, 1 d
  9. Catarinense – Avaí, 20 j, 12 v, 5 e, 3 d
  10. Cearense – Fortaleza, 11 j, 7 v, 2 e, 2 d
  11. Gaúcho – Grêmio, 17 j, 11 v, 6 e
  12. Goiano – Goianiense, 18 j, 14 v, 2 e, 2 d
  13. Maranhense – Imperatriz, 11 j, 5 v, 5 e, 1 d
  14. Mato-Grossense – Cuiabá, 15 j, 12 v, 3 e
  15. Mineiro – Cruzeiro, 16 j, 11 v, 5 e
  16. Paraense – Remo, 14 j, 7 v, 5 e, 2 d
  17. Paraibano – Botafogo, 14 j, 12 v, 2 d
  18. Paranaense – Paranaense, 15 j, 8 v, 3 e, 4 d
  19. Paulista – Corinthians, 18 j, 8 v, 6 e, 4 d
  20. Pernambucano – Sport, 13 j, 10 v, 3 d
  21. Piauiense – River, 14 j, 9 v, 4 e, 1 d
  22. Potiguar – América, 18 j, 11 v, 2 e, 5 d
  23. Rondoniense – Vilhenense e Ji-Paraná decidem neste sábado.
  24. Roraimense – returno em andamento.
  25. Sergipano – Frei Paulistano, 15 j, 7 v, 4 e, 4 d
  26. Sul-Mato-Grossense – Águia Negra, 17 j, 11 v, 2 e, 4 d
  27. Tocantinense – em andamento.

França: “título pra ser festejado e valorizado”

segunda-feira, 22 de abril de 2019

PITACOS acerca do ATLÉTICO-MG 1×1 CRUZEIRO, no Independência, Belo Horizonte, 20abr19sab16h30, final do Mineiro 2019:

MANO MENEZES: O técnico, às vezes, cobra mais forte e às vezes aponta caminhos. Sou da linha que prioriza apontar caminhos. Cobrar é relativamente fácil, como um pai que dá uma dura nos filhos. Os jogadores querem soluções. O jogo estava parelho, mas sofremos o gol, caímos um pouco, passamos a dar chutão. No intervalo, cobrei com relação ao gol e dei orientação. Era preciso colocar as coisas no lugar. Pedro entrou bem pra fazer duas ou três jogadas agudas, que é a característica dele. O adversário baixou bastante as linhas, mais do que estava antes. Com a entrada do Neves arriscamos um pouco mais, com apenas um volante, algo perigoso. Tive que ir ao divã. Depois, a partir do nosso gol, foi só emoção, bola na área, mas a gente soube suportar com uma defesa sólida.

DOUGLAS VELLOSO: A entrada do Dodô corrigiu a última linha, que precisava marcar o lado ofensivo que realmente funciona no adversário. Depois da pressão inicial, o Cruzeiro equilibrou o jogo, mas faltou Rodriguinho e Robinho chegarem mais perto do Fred. Depois do gol sofrido, era preciso furar a retranca, chegar perto do gol, segurar mais a bola, criar oportunidades. O A Mineiro não quis jogo, já que o encaixe defensivo funcionava. Mas o resultado não era justo e a entrada de Pedro Rocha fez mudar a história. A mão do Leo Silva justificou a arrogância do outro lado da Lagoa. Gol do Fred e aí não teve mais jogo. Título invicto e merecidíssimo.

SETELAGOAS: Detalhes do RapoCota: Robinho é difícil pra arbitragem, Edilson, idem. Argumentam, reclamam, dão dura no árbitro. Mas Elias, das frangas, é um dos mais chatos do mundo, supera os dois juntos, com facilidade. Todo lance de definição do juiz lá estava o excomungado junto.

ROSAN AMARAL: Arbitragem horrível! Descumpriu regra elementar do var: decisão final é do juiz de campo. Houve mais e cinco intervenções, fora as orelhadas que não paralisaram a partida. Só a última participação do var seguiu o script e o árbitro foi conferir no vídeo antes de dar a palavra final no pênalti a favor do Cruzeiro, que Fred converteu em gol. Embora o Sandro Ricci tenha dito durante a partida que houve pênalti no Leo antes do pênalti marcado, o VAR não chamou o árbitro como deveria.

M RIZZI: Não entendi a teimosia do Mano com o jogo pelo meio, que não funcionara na primeira partida , E, depois do gol sofrido  aí é que não funcionária. As pontas seriam a saída com Pedro, Egídio e Orejuela. Não fazia sentido algum colocar o Neves, que não marca, não tem arrancada e estava sem ritmo. A substituição deveria ter sido nas pontas: com Pedro numa e Orejuela na outra.

MAURO FRANÇA: Bicampeão invicto é título pra ser festejado e valorizado. O time celeste encontrou dificuldades, o adversário começou tentando uma pressão, conseguiu duas chances no mesmo lance, com bola no travessão e pra fora no rebote. O Cruzeiro respondeu também com bola no travessão e equilibrou a partir daí. Mas, num erro em saída de bola pela direita, o adversário encaixou contrataque e fez o gol, que gerou instabilidade no time celeste e deixou o jogo perigoso, já que além de ter que correr atrás do empate o time não poderia levar gols. No 2º tempo, o time voltou melhor. O adversário recuou e passou a especular no contrataque. E aí apareceu o que o time tem de melhor, a organização. Sem se apavorar e partir pro desespero, o time passou a controlar as ações, com volume de jogo, ainda que sem conseguir jogadas mais agudas e lances de perigo, o que se resolvei com a entrada de Pedro Rocha. e foi numa das investidas dele que saiu o lance do pênalti e o gol do título. Depois foi segurar a vantagem, o que esse time sempre faz muito bem, e comemorar. Foi mais uma grande atuação coletiva. Leo, um dos símbolos do time, jogador muito regular e intenso, foi o melhor, Henrique, Dedé e Rocha também merecem destaque. Fred, com uma volta por cima em grande estilo, artilheiro do campeonato, pela frieza no momento decisivo, é outro que tem que ser exaltado. Mano Menezes também merece ser destacado. Alguns podem não gostar do seu estilo, mas o fato é que o time tem mostrado competitividade, organização e consciência tática. E tem muito a ver com seu trabalho. 

Leo, Mano e Fred, os mais decisivos no clássico

domingo, 21 de abril de 2019

ATUAÇÕES dos protagonistas do ATLÉTICO-MG 1×1 CRUZEIRO, no Independência, Belo Horizonte, 20abr19sab16h30, final do Mineiro 2019:

TORCIDA CELESTE comprou os ingressos à sua disposição e fez muito barulho, encarando a maioria adversária no grito. No final, cantou sem receber resposta do outro lado.

FÁBIO fez duas defesaças e esteve perfeito nas demais intervenções.

EDÍLSON recebeu cartão amarelo por um pisão infantil em Ricardo, defendeu bem e subiu pouco ao ataque. O saldo foi positivo.

DEDÉ foi enganado no lance do gol das frangas, tomando bola nas costas, mas venceu todas as disputas terrestres e aéreas, em especial, quando o adversário partiu para o abafa.

LEO foi o melhor do do jogo. Lúcido o tempo todo, firme na marcação, fazendo coberturas precisas e sem jamais rifar a bola. (João Chiabi) —– Jogou com muita raça e sempre bem posicionado. (Maurício Carvalho)

DODÔ dedicou-se mais à marcação, malfez algumas boas jogadas em parceria com Marquinhos e Rodriguinho. Fez a cobertura correta, mas perdeu a disputa aérea com Elias no gol emplumado. No geral, boa atuação. ROMERO foi o bom marcador de sempre, Levou cartão amarelo e saiu mais cedo.

HENRIQUE foi bem em todos os fundamentos da volância e exerceu a liderança de sempre. Levantou seu sexto troféu de campeão mineiro.

LUCAS jogou 16 minutos, coma função de marcar e segurar a bola, durante o abafa emplumado. E fez o que lhe foi pedido.

ROBINHO jogou aberto pela direita, sem aparecer muito, pois o time preferiu jogar pela esquerda. Criou algumas jogadas, ajudou na contenção, foi deslocado pra volância coma entrada de Neves e manteve-se na marcação durante o abafa alvinegro.

RODRIGUINHO sofreu marcação pessoal de José Welison e teve poucas chances de driblar, tabelar e chutar de média distância. Não foi um jogo fácil para ele e seu principal parceiro e ataque, Fred.

NEVES voltou após 40 tratado dias tratando de uma lesão na panturrilha, substituiu Romero, quando Mano precisou reforçar o poder ofensivo do time. Jogou pouco menos de meia hora e ajudou a empurrar o adversário para perto de sua área. Na recomposição, após o empate já não foi tão efetivo.

MARQUINHOS jogou pouco mais de uma hora, coma missão de criar jogadas contra Guga e Leonardo. Fez alunas em parceria dom Dodô e Rodriguinho. Saiu para dar lugar ao impetuoso e físico Pedro Rocha, quando era preciso aumentar o poder de fogo do ataque.

ROCHA entrou e mudou o jogo. (Vítor França)

FRED fez o gol cobrando pênalti, com maestria. foi seu grande momento, pois sofreu marcação implacável da parelha de beques emplumada.

MANO conquistou seu quarto título como treinador do Cruzeiro. Escalou corretamente e fez as trocas necessárias e bem-sucedidas, primeiro para reforçar o ataque, depois para recompor o sistema defensivo.

CRUZEIRO manteve um duelo equilibrado com o adversário por meia hora, até sofrer o gol, num momento em que sua defesa se desarrumou. Daí em diante, buscou o empate, com método e sem pressa por quase 50 minutos. Nos derradeiros 25 minutos, organizou-se para suportar a pressão. Não deu espetáculo, nem produziu futebol vistoso, foi praticar obter o resultado suficiente para somar a 30ª conquista do Mineiro.

MINEIRO fez sua melhor partida em 2019. Mereceu a vitória na primeira etapa, com o gol de rompedor de áreas Elias. Atacou como precisava para conquistar a vitória mínima que seria o máximo até 34 da segunda etapa, quando o experiente Leonardo Silva deu o carrinho na área que nos últimos anos “implica o risco” de levar a mão na bola mesmo sem intenção. Lance que até este ano iria virar escanteio porque o árbitro não viu. Mas o VAR viu, chamou o atrapalhado Bizio Marinho que interpretou como se manda hoje. Pênalti. Ricardo Santana arrumou defensivamente a equipe e criou oportunidades para um elenco que pareceu ter comprado a ideia dele. (Mauro Beting)

ÁRBITROS cumpriram à risca a determinação que receberam de consultar o var para tomar cada decisão. Com isto, picaram o jogo, que perdeu a fluidez. Apesar de todas as consultas deixaram de marcar um pênalti em Leo. No aspecto disciplinar, estiveram bem, contornado todas as encrencas, sem precisar de usar mais do que os cartões amarelos.

MelhorDoJogo => LEO [[[29]]] Gil, Claudio, Penido, Milani, Dourado, Jotavê, Olivieri, Maurício, Soraggi, França, Schrier, Seisaum, Soares, King, Rizzi, Wallace, Filipe, Walterson, Walfrido, Amaral, Chiabi, Dulce, Rosan, Anchieta, Tadeu, Alex, Síndico, Dudu, Pedro —– FRED [[[7]]] Uol, Vilela, Zuloobas, Bitencourt, Campos, Rezende, Taísa —– DODÔ [[[4]]] Sá, Klauss, Walery, Rocha —– ROCHA [[[4]]] Itatiaia, Calouro, Rossi, Vítor —– HENRIQUE [[[3]]] Barros, Ronaldo, Barnabé —– DEDÉ [[[2]]] Maury, Clodoália —– FÁBIO [[[2]]] Itamar, Lulu —– MANO [[10]]] Arreguy, Gesoco, Setelagoas, Guibreis, Beth, Ulhôa, Celeste, Polaco, Velloso, Maura…

AtléticoMG 1×1 Cruzeiro: 40x campeão mineiro!

sábado, 20 de abril de 2019

CRUZEIRO contra AtléticoMG neste 20abr19sab16h30, no Independência , Belo Horizonte, volta das finais do Mineiro 2019.

RANKING da CBF: Cruzeiro é o 2º, com 15.822 pontos; Mineiro, o 7º, com 13.352.

CLASSIFICAÇÃO: Cruzeiro terminou a 1ª fase em 2º lugar e depois passou por Patrocinense e América. Mineiro terminou a 1ª fase em 1º lugar e depois passou por Tupynambás e Boa.

TEMPO ensolarado, temperatura 27º, vento 15 Km/h, umidade 46%.

TRANSMISSÃO: Globo, com narração de Rogério Corrêa, comentários de Bob Faria e Márcio Rezende de Freitas. Premiere, com narração de Jayme Jr, comentários de Henrique Fernandes, reportagens de Pedro Augusto Correia e Vinícius Eulálio.

ARBITRAGEM: (RJ), Leandro Bizzio Marinho (SP), Rafael Alves (RS), Elio Nepomuceno de Andrade Júnior (RS), VAR: Leandro Pedro Vuaden (RS).

CRUZEIRO: Fábio — Edílson, Dedé, Leo, Dodô — Henrique, Romero — Robinho, Rodriguinho, M Gabriel — Fred. T: Mano Menezes.

BANCO: Rafael G, Orejuela L, Fabruno B, Murilo B, Egídio L, Lucas V, Jadson V, Cabral V, Neves A, Sassá A, P Rocha A, David, A.

AUSENTES: Raniel (lesionado), Rafinha (suspenso).

MINEIRO: Victor — Guga, Leonardo, Rabello, Santos — Welison, Elias — Geuvânio, Luan, Chará — Ricardo. T: Rodrigo Santana.

BANCO: Michael G, Cleiton G, Patric L, Hulk L, Maidana B, Lucas Cândido V, Jair V, Nathan M, Terans M. Vinícius M, Bolt A, Alerrandro A.

AUSENTES: Cazares, Réver, Uilson, Carlos César, Gustavo Blanco (lesionados).

PENDURADOS: Igor Rabello, Matheus Mancini, Renan Guedes, Réver, Vinícius Góes.

ATLÉTICO-MG 1×1 CRUZEIRO, 20abr19sab16h30. TEMPO ensolarado, temperatura 27º, vento 15 Km/h, umidade 46%. LOCAL: Independência (23 mil), Belo Horizonte. MOTIVO: volta das finais do Mineiro 2019. TRANSMISSÃO: Globo e Premiere. PÚBLICO: 21.860 presentes, R$1.208.669, média R$55. ARBITRAGEM: Leandro Bizzio Marinho (SP), Rafael Alves (RS), Elio Nepomuceno Andrade Jr (RS), VAR: Leandro Pedro Vuaden (RS). AMARELOS: Geuvânio, Luan, Ricardo, Victor, Edílson, Neves, Fred. GOLS: Elias, 29, Fred, 79 (p). CRUZEIRO: Fábio; Edílson, Dedé,  Leo, Dodô; Romero (Neves, 71), Henrique; Robinho, Rodriguinho (Lucas 81),M Gabriel (Rocha, 65), Fred. T: Mano Menezes. ATLÉTICO-MG: Victor; Guga, Leonardo, Rabello, Santos; Welison (Alerrandro, 85), Elias; Luan (Vinicius, 67), Geuvânio (Bolt,  71), Chará, Ricardo. T: Rodrigo Santana.

HISTÓRICO: 470 jogos. Cruzeiro venceu 160, empatou 128, perdeu 182, com 603 gols a favor e 657 contra. Pelo Brasileiro, foram 66 jogos. O Cruzeiro venceu 22, empatou 21, perdeu 23, marcou 89 gols, sofreu 84. Os dois clubes já se enfrentaram em 23 decisões do Mineiro. O Cruzeiro venceu 13 (40, 67, 72, 77, 87, 90, 98, 04, 08, 09, 11, 14, 18, 19), perdeu 9 (31, 54, 62, 76, 85, 00, 07, 13, 17) e empatou uma (56). Na Copa dos Campeões Mineiros 1999, a vitória foi do Cruzeiro. Em fases preliminares, o Cruzeiro foi eliminado pelo rival nas quartas do Brasileiro de 1999 e o eliminou nas semifinais da SulMinas de 2001 e 2002, do Mineiro de 2005 e 2006, da Copa Montevidéu 2009 e foi eliminado nas semifinais do Mineiro 2015. Na Copa do Brasil, o Cruzeiro perdeu a final de 2014. Foram 241 clássicos no Mineirão. O Cruzeiro venceu 87, empatou 78, perdeu 75, marcou 281 gols, sofreu 257. Pelo Mineiro, foram 273 jogos, com 93 vitórias do Cruzeiro, 71 empates, 109 derrotas, 297 gols a favor, 344 contra. Pela Primeira Liga, 1 jogo, 1 vitória do Cruzeiro que fez 1 gol e não sofreu nenhum.

Dois dias antes da decisão

quinta-feira, 18 de abril de 2019

DOIS DIAS antes do RapoCota decisivo:

  1. Juiz gaúcho Jean Pierre Gonçalves Dias sentiu dores na panturrilha, ontem, no GreNal decisivo e foi substituído. Conspiradões estão enxergando armação da FMF na troca.
  2. O paulista Leandro Bizzio Marinho será o substituto de Kean Pierre, no comando da arbitragem.
  3. Após quatro dias de pressão fás grandes e de jornalistas, o Cruzeiro responde, com Marcelo Djian, apontando erros da arbitragem \ que prejudicaram o Cruzeiro no clássico passado.
  4. M Gabriel não quer saber de conversa, nem de polêmica, quer é jogo. Está certíssimo.
  5. Depois do clássico, Cruzeiro anunciará mais dois patrocinadores, que vão expor seus jogos no uniforme cceleste. Ainda tem espaço?
  6. Neste sábado, Mano vai repetir o time pela primeira vez na temporada.
  7. Dedé completa seis anos de Cruzeiro e diz que se recorda de tudo com alegria e gratidão. 
  8. Sub20 do Cruzeiro empata por 0x0 com o Corinthians, no Parque São Jorge e avança na Copa do Brasil. Próximo adversário será o Flamengo. 

Por ora, é só. Mais tarde, tem mais.

Galileu: “dopo tutto, abbiamo vinto”

terça-feira, 16 de abril de 2019

PITACOS acerca do CRUZEIRO 2-1 A MINEIRO, no Mineirão, Belo Horizonte, 14abr19dom16h, ida das finais do Mineiro 2019:

MANO MENEZES: Eu esperava exatamente um jogo assim. Ppodíamos ter rendido mais. Em alguns momentos fizemos escolhas apressadas, principalmente no 1º tempo. No 2º, voltamos um pouco mais tranquilos. Não tínhamos nenhuma ilusão sobre as dificuldades que teríamos diante de um adversário tradicional. Podemos trabalhar uma semana com base nessa realidade, com as escolhas do adversário, com postura do adversário, com jeito de poder encontrar soluções que precisamos pra confirmar essa condição. As escolhas são dos jogadores dentro do campo. Tem dias que fazem escolhas melhores e as vezes nem tanto. Então você não pode deixar pra esse lance a responsabilidade do gol que você sofreu. O gol é uma série de detalhes que acontecem e que faz com que a gente fosse batido numa hora que o adversário tinha dificuldades pra construir. É aquela coisa: estávamos partindo pro contra-ataque, tínhamos outros dois jogadores, mas nenhum velocista. Com isso você não corre, você se aproxima. Então faltou um pouco de voltar pra fazer o pivô. O adversário toma a bola que não pode tomar, porque aí é o contrataque do contrataque. E aí pegou a nossa defesa um pouco desposicionada. É um bom exemplo. Insistimos muito com jogadas de Marquinhos Gabriel no primeiro tempo. Bola longa, sem qualidade de trabalho. Entra uma, entra duas, e na terceira o adversário sabe o que você está fazendo e neutraliza. Podemos melhorar no posicionamento, fazer uma variação pra criar uma dúvida no adversário na linha de marcação. O adversário marcou bem e temos que criar soluções para nos livrarmos dessa marcação.

RED: A vantagem passou pro nosso lado, mas é mínima. Temos que jogar pra vencer, como sempre fazemos.

MÁRCIO REZENDE DE FREITAS; Houve pênalti do Dedé no Rabello. Se quiser, o Juiz pode mandar cobrar, antes de começar o segundo tempo.

SÍNDICO: Caros Eugênio Simon ensinou que a nova regra da Fifa sobre bola na mão ou mão na bola (intencionalidade) só valerá a partir do início da nova temporada européia. Ainda não vale. Por isto, o gol do Fred foi legal.

J R GALVÃO: O resultado foi muito bom, mas o time não jogou bem como nas ultimas partidas. Rodriguinho, Robinho e Dedé erraram mais que o normal. Leo foi o melhor. E, gostem ou não, o tal do var inventou mão do Fred no gol anulado. De resto, é deixar a radia e seus teleguiados chorarem à vontade,

MIGUEL TOLENTINO: joguinho preguiçoso e mequetrefe do Cruzeiro, que sempre se escora na vantagem mínima.

BRUNO BARROS: Mano sempre mexe errado, é impressionante. Ele carrega uma invencibilidade nesse quesito que já dura anos.

VANDA ARAUJO: Quando se trata de Vitória contra as frangas, parabenizo a todos, mas hoje destaco LEO e M. Gabriel. Não posso dizer o mesmo do meu ídolo Dedé, porque ele tem me deixado meio preocupada.

LEONARDO MATARELLI: Nem Freud teria a ousadia de explicar. Boa parte da torcida cruzeirense se lamentando pela “pequena” vitória, e a cachorrada fazendo cera, mesmo perdendo, comemorando e se dizendo aliviada. Pela perda da vantagem?

KLAUSS MOURÃO: Mano deve ser sogro do Cabral, num pode, vai gostar do cara assim. Enquanto isso, o Lucas mofa no banco, que tristeza!!!

GALILEU GALILEI: Dopo tutto, abbiamo vinto.

Leo e M Gabriel desequilibraram o RapoCota

segunda-feira, 15 de abril de 2019

ATUAÇÕES dos protagonistas do CRUZEIRO 2-1 A MINEIRO, no Mineirão, Belo Horizonte, 14abr19dom16h, ida das finais do Mineiro 2019:

TORCIDA CELESTE ocupou todo o espaço que lhe foi concedido e fez muito barulho o tempo todo.

FÁBIO fez uma grande defesa em chute de Luan e foi perfeito nas demais intervenções.

EDÍLSON marcou bem, apoiou com segurança, sem deixar espaços.

DEDÉ só foi vencido no lance do gol emplumado. Nos demais, atuação perfeita.

LEO marcou gol, cortou um monte de bolas, venceu duelos individuais e fez excelente cobertura na esquerda.

EGÍDIO apoiou bastante e controlou bem seu setor. Só sofreu, no fim, quando Geuvânio entrou com fôlego zerado e deu bastante trabalho para a defesa celeste.

ROMERO levou cartão amarelo, por um carrinho desnecessário e teve de ser substituído no decorrer da etapa final. De resto, a garra de sempre e a pouca efetividade na saída de bola e na seleção de jogadas.

HENRIQUE marcou bem, mas não foi bem-sucedido no apoio, como de costume.

CABRAL jogou pouco tempo e tratou bem a bola. Não complicou, nem foi espetaculoso, como pede a galera.

ROBINHO jogou pela direita, armando e tentando criar jogadas de ataque. Não conseguiu muita coisa, devido à concentração defensiva do adversário.

RAFINHA marcou, incomodou os adversários, carimbou, reclamou e foi expulso. Tudo isto nos 15 minutos em que esteve em campo.

RODRIGUINHO não conseguiu jogar. O adversário se fechou, evitando 1ue ele tivesse espaços para a tabelar ou se infiltrar, saiu mais cedo.

MARQUINHOS fez gol e foi o atacante celeste que mais abriu brechas no muro defensivo das frangas.

FRED serviu para o primeiro gol, fez o seu, anulado pelo var, deu bons passes, incomodou demais a bequeira emplumada.

ROCHA conseguiu uma única arrancada nos 33 minutos em que esteve em campo. Estreia apagada, provavelmente, pela falta de ritmo de quem estava fazendo sua segunda partida no ano.

MANO escalou e substituiu corretamente. Seu time buscou a vitória e, no fim, tratou de segurá-la, algo incompreensível para os termocéfalos, adeptos do futebol indígena.

CRUZEIRO propôs o jogo, correu trás da vitória, conseguiu furar o bloqueio das frangas, com três gols (um anulado pelo var), mas também ofereceu mais espaços do que comumente o faz, levando um gol e, por pouco, não levando outro.

 MINEIRO apostou na defesa, na catimba e na cera. Até o goleiro levou cartão amarelo, mesmo com o time perdendo! Mas teve inteligência para explorar as oportunidades concedidas pelo sistema defensivo do Cruzeiro e criou duas excelentes chances de gol, uma delas aproveitada.

ÁRBITROS foram escravos do var. Comeram tempo de jogo, sem a menos cerimônia, demorando para analisar os lances polêmicos. No gol anulado, viram a bola tocar no braço do Fred, mas não viram a falta cometida por Leonardo, antes. Na parte disciplinar, nada a criticar. Quem pediu, levou cartão.

MelhorDoJogo => LEO [[[23]]] Seisaum, Penido, Souza, Pinheiro, Rizzi, Braga, Barros, Filipe, Talentim, Olivieri, Rosan, Rocha, Walterson, Vanda, Nazaré, Walery, Rezende, Reis, Anchieta, França, Síndico, Dudu, Lulu —– MARQUINHOS [[[20]]] Ge, Uol, Guibreis, Pyxis, Gonçalves, Zuloobas, Soares, Gesoco, Ramos, Clemenceau, Nanayoski, Burian, Marcoalex, Júnior, Klauss, Romarol, Leo, Samuel, Emerson, Pedro —– FRED [[[7]]] Gil, Bitencourt, Campos, Morato, Cloadoália, Ivana, Lauanda —– HENRIQUE [[[3]]] Galvão, Bastos, Barnabé —– ROMERO [[[1]]] Patrícia —– EGÍDIO [[[1]]] Schrier —– FÁBIO [[[1]]] Arreguy —– LEONARDO [[[3]]] Álvaro, Mário, Ricardo…

Cruzeiro 2×1 AtléticoMG: vantagem revertida

domingo, 14 de abril de 2019

CRUZEIRO contra AtléticoMG neste 14abr19dom16h, no Mineirão, Belo Horizonte, ida das finais do Mineiro 2019.

RANKING da CBF: Cruzeiro é o 2º, com 15.822 pontos; Mineiro, o 7º, com 13.352.

CLASSIFICAÇÃO: Cruzeiro terminou a 1ª fase em 2º lugar e depois passou por Patrocinense e América. Mineiro terminou a 1ª fase em 1º lugar e depois passou por Tupynambás e Boa.

TEMPO nublado, temperatura 26º, vento 10 Km/h, umidade 56%.

TRANSMISSÃO: Globo (menos pra região de Juiz de Fora), com narração de Rogério Corrêa, comentários de Bob Faria e Márcio Rezende de Freitas. Premiere, com narração de Jayme Jr, comentários de Henrique Fernandes e reportagens de Pedro Augusto Correia e Vinícius Eulálio.

ARBITRAGEM: Wagner do Nascimento Magalhães (RJ), Rodrigo Figueiredo Henrique Corrêa (RJ), Michael Corrêa (RJ). VAR: Bruno Arleu de Araújo (RJ),

CRUZEIRO: Fábio — Edílson, Dedé, Leo, Egídio — Henrique, Romero — Robinho, Rodriguinho, M Gabriel — Fred. T: Mano Menezes.

BANCO: Rafael, Orejuela, Fabruno, Murilo, Dodô, Lucas, Jadson, Cabral, Rafinha, Sassá, P Rocha, David.

AUSENTES: Thiago Neves, Raniel (poupados).

PENDURADOS: Orejuela, Robinho.

MINEIRO: Victor — Guga, Leonardo, Rabello, Santos — Adílson, Elias — Luan, Cazares, Chará — Ricardo. T: Rodrigo Santana.

BANCO: Michael G, Cleiton G, Patric L, Hulk L, Maidana B, Zé Welison V, Jair V, Nathan V, Vinícius M, Bolt A, Alerrandro A, Geuvânio A.

AUSENTES: Réver, Uilson, Carlos César, Gustavo Blanco (lesionados)..

PENDURADOS: Igor Rabello, Matheus Mancini, Renan Guedes, Réver, Vinícius Góes.

CRUZEIRO 2×1 ATLÉTICO-MG, 14abr19dom16h. TEMPO nublado, temperatura 27º, 10 Km/h, umidade 56%. LOCAL: Mineirão (62 mil), Belo Horizonte. MOTIVO: ida das finais do Mineiro 2019. TRANSMISSÃO: Globo e Premiere. PÚBLICO: 51.032 pagantes, 44.650 presentes, R$1.952.976, média R$. ARBITRAGEM: Wagner Nascimento Magalhães, Rodrigo Figueiredo Corrêa,  Michael Corrêa. VAR: Bruno Arleu Araújo (RJ), AMARELOS: Luan, Ricardo, Bolt, Adílson, Santos, Victor, Fred, Henrique, Romero, Rafinha. VERMELHOS: Rafinha, Adílson. GOLS: M Gabriel, 45, Ricardo, 55, Leo, 60. CRUZEIRO: Fábio; Edílson, Dedé, Leo, Egídio; Henrique, Romero (Cabral, 72), Robinho (Rafinha, 76), Rodriguinho (P Rocha, 67), M Gabriel; Fred. T: Mano Menezes. ATLÉTICO-MG: Victor; Guga, Leonardo, Rabello, Santos; Adílson, Elias; Luan (Bolt, 46), Cazares (Vinicius, 63) . Chará, Ricardo (Geuvânio, 86) T: Rodrigo Santana.

HISTÓRICO: 469 jogos. O Cruzeiro venceu 160, empatou 127 e perdeu 182, com 602 gols a favor e 656 contra. Pelo Brasileiro, foram 66 jogos. O Cruzeiro venceu 22, empatou 21, perdeu 23, marcou 89 gols, sofreu 84. Os dois clubes já se enfrentaram em 23 decisões do Mineiro. O Cruzeiro venceu 12 (40, 67, 72, 77, 87, 90, 98, 04, 08, 09, 11, 14, 18), perdeu 9 (31, 54, 62, 76, 85, 00, 07, 13, 17) e empatou uma (56). Na Copa dos Campeões Mineiros 1999, a vitória foi do Cruzeiro. Em fases preliminares, o Cruzeiro foi eliminado pelo rival nas quartas do Brasileiro de 1999 e o eliminou nas semifinais da SulMinas de 2001 e 2002, do Mineiro de 2005 e 2006, da Copa Montevidéu 2009 e foi eliminado nas semifinais do Mineiro 2015. Na Copa do Brasil, o Cruzeiro perdeu a final de 2014. Foram 241 clássicos no Mineirão. O Cruzeiro venceu 87, empatou 78, perdeu 75, marcou 281 gols, sofreu 257. Pelo Mineiro, foram 272 jogos, com 93 vitórias do Cruzeiro, 70 empates, 109 derrotas, 296 gols a favor, 343 contra. Pela Primeira Liga, 1 jogo, 1 vitória do Cruzeiro que fez 1 gol e não sofreu nenhum.

Edílson: “mantenho nível, não vou muito abaixo”

segunda-feira, 8 de abril de 2019

PITACOS acerca do CRUZEIRO 3-0 AMÉRICA, no Mineirão, Belo Horizonte, 06abr19sab19h, volta das semifinais do Mineiro 2019:

MANO MENEZES: Não poderia ser diferente em termos de postura,  respeito e entrega, encontrando um Mineirão lotado num sábado à noite. O torcedor veio com a família. Nós tínhamos todos os motivos pra nos entregar. As dificuldades apareceram em função da viagem a Guayaquil, antes do jogo contra um adversário que ficou descansando. Em alguns momentos, tivemos que nos resguardar um pouco e deixar o adversário ficar com a bola pra não nos expormos muito, porque nos últimos minutos poderíamos pagar um preço alto, não quanto ao resultado, mas por um desgaste excessivo e uma lesão, tudo que a gente não quer. Fizemos um bom jogo contra um adversário de qualidade, que jogou bem. A diferença é que na hora do vamos ver nós temos mais jogadores decisivos e acostumados com esses momentos, que aproveitam oportunidades. Saímos felizes, atingimos o objetivo de chegar à final. Fizemos a nossa obrigação. Agora vamos preparar e lutar pelo bicampeonato. Ainda tivemos forças pra fazer o 3×0 e quase fizemos o 4×0, mas seria exagerado. O América fez um bom jogo e 4×0 ia mascara isto. Eu imaginava o América tentando diminuir a vantagem e quase conseguiu. Fez o gol que o var anulou, numa jogada que é o forte deles. O América jogou dois clássicos e fez quatro gols de bola parada. Não é à toa que essas coisas acontecem. Eles têm bons batedores, têm boa movimentação, têm confiança e isso ajuda. Fizemos modificações em função do primeiro jogo, fizemos uma marcação mais no fundo. A gente vai adaptando algumas coisas pra sair com o resultado positivo, mas importante é que a equipe se comportou bem.

RANIEL: Tenho que me cobrar por essas oportunidades que perco. Não posso achar normal, pra não virar costume. Tem que acostumar é a finalizar e fazer gol. Infelizmente, não peguei do jeito que queria na bola. É a falta de ritmo, estou voltando agora. Mas isso não é desculpa. Perdi o gol. Dava pra ter batido melhor na bola. Faz parte. Agora, é melhorar.

EDÍLSON: Sempre mantenho o nível, nunca vou muito abaixo. Em jogos grandes, a gente costuma dar o melhor e estar muito concentrado pra decidir. Hoje, ajudei com um bom passe no 1º tempo. Agora, é descansar, porque está muito corrido. Prezo por isso, pra estar em decisões. É pra isso que todo jogador é contratado, pra estar nas decisões e jogando bem

M RIZZI: Ótimo resultado principalmente se considerarmos o desgaste da sequência dos jogos e ainda com um voo longo. O time celeste aproveitou o baque sofrido pelo adversário com a anulação do gol e guardou dois que desanimariam qualquer time. Porém, o América não desistiu e com uma ótima atuação do Matheusinho conseguiu quatro ótimas finalizações exigindo elasticidade do Fábio. No minuto final, o Rafinha teve a oportunidade de guardar o dele. Parabéns ao Cruzeiro e América por essa intensa e prazerosa semifinal.

MAURO FRANÇA: O Cruzeiro precisou de 20 minutos pra definir o jogo e a série. Daí pra frente, administrou com competência. Nos últimos 9 jogos, tomou apenas 2 gols e marcou 23. É a “retranca” do Mano funcionando… O time tem mantido regularidade e consistência de forma impressionante. Não tem futebol bonito, tem competitividade, inteligência tática, objetividade e aplicação fora do comum. 

GUSTAVO MILANI: Este Cruzeiro do Mano, que já era um time chato, agora, além e chato, ficou mais cascudo. É o mais decisivo do País, no momento.

SOUZA: Cruzeiro administrou bem o 2º tempo. Poupou-se, mas ainda criou três chances claras de gol.

GIL CAMPOS: Lucas provou que merece um lugar no time. Henrique e Romero não nasceram pra jogarem juntos. Um dos dois tem que dar lugar ao Lucas.

SILVÉRIO CÂNDICO: Lucas e Cabral sabem sair jogando. Romero e Henrique são bons de contenção, mas não sabem sair jogando.