Arquivo da Categoria ‘Libertadores’

Sassá: “Graças a deus, tenho feito meus gols”

sexta-feira, 4 de maio de 2018

PITACOS acerca do VASCO 0x4 CRUZEIRO, neste 02mai18qua21h45, em São Januário (24 mil), Rio de Janeiro, pela 5ª rodada, Grupo 5, Libertadores 2018:

MANO MENEZES: A gente sabia que podia fazer um jogo melhor aqui do que fizemos contra lá, quando estávamos num momento ruim, entre os dois jogos das finais do Mineiro. Hoje fomos um time muito superior e nos aproximamos da classificação pras oitavas, que era o nosso objetivo.  Fizemos um 1º tempo muito bom, num jogo que se mostrava difícil, pelas circunstâncias, pelo caráter decisivo, pela dificuldade de ser fora de casa. A equipe está crescendo, está amadurecendo pra jogos assim. 

SASSÁ: Entramos muito focados e não desperdiçamos as oportunidades. Graças a Deus, tenho feito meus gols e estou ajudando o time. Foi uma grande vitória, que será fundamental pra nossa classificação.

THIAGO NEVES: A gente sabia que podia vencer aqui, assim como eles empataram lá.

DOUGLAS VELLOSO: O time celeste mostrou maturidade, com as linhas de defesa muito bem posicionadas, com Rafinha e Arrascaeta dando o primeiro combate nas duas únicas armas do time cruzmaltino, Rildo e Pikachu. As jogadas do Vasco vinham sempre quebradas ou chuveiradas, facilitando pra Leo, Henrique e Dedé. E com velocidade e precisão o Cruzeiro fez o seu placar, sempre buscando o gol e quebrando o paradigma de que todos os jogos serão determinados pelo regulamento da competição. Fábio e Dedé estiveram excelentes, Lucas muito bem e Sassá sempre disposto a fazer o que se espera dele. 

IVAN MONTEIRO: Em muitos momentos, o Cruzeiro jogou como os grandes da Europa. Pensei nisso varias vezes durante a partida. Lembrei-me também do Mano dizendo na semana passada que o Cruzeiro iria resgatar o orgulho do torcedor. E, de fato, estou orgulhoso, pela atuação, entrega e atitude!

AZUL CELESTE: Mano consertou o time quando parou de insistir com o falso nove, Sassá entrou em forma, escalou o Lucas, que tem qualidade e trocou a improdutividade do Robinho pela verticalidade do Rafinha.

CLAUDINEI VILELA: O time celeste foi o mesmo de sempre! Só estava mais descansado e menos pressionado que o adversário.

BRUNO SETELAGOAS: Aplicou-se a redundância! Se a 1ª proteção não atende, a 2ª combate. Se a 2ª não dá conta a 3ª atua. E por aí vai. Um sistema bem protegido tem p,elo menos 2 redundâncias. A defesa azul está assim. Fábio saiu em falso, Dedé estava lá. Bola metida nas costas do Dedé, Léo aparece e corta. A defesa está afiadinha. 

JÚLIA VILELA: Presta atenção, Pai! Salsa foi o melhor do jogo. Ele recompôs, roubou bolas, chutou de fora da área e incomodou os adversários o tempo todo.

MATHEUS PENIDO: Futebol ofensivo tem nome e sobrenome: Mano Menezes!

Arrascaeta e Neves derrubaram o técnico da LaU

sexta-feira, 27 de abril de 2018

ATUAÇÕES dos protagonistas do CRUZEIRO 7-0 UNIVERSIDAD DE CHILE, neste 26abr18qui19h15, Mineirão (62 mil), Belo Horizonte, 4ª rodada, Grupo 5, Libertadores 2018:

TORCIDA CELESTE apoiou em tempo integral. Fez muito barulho o tempo todo. Como devia ser sempre.

(mais…)

Pronto, escalei!

quarta-feira, 25 de abril de 2018

MANO enseba demais pra anunciar o time. Não vou esperar. Aqui vai minha escalação: 

  • Fábio — Edílson, Dedé, Leo, Barbosa — Henrique, Cabral —  Rafinha, Arrascaeta, Alisson — Ábila. 

E a Libertadores come solta.

Ontem, Santos 2×0 Estudiantes. Hoje, Tucumán 3×0 Strongest, Nacional 4×0 Garcilaso, Boca 0x2 Palmeiras, Santa Fé 0x0 Flamengo.

Maioria dos jogos nada vibrante. O que se vê é uma profusão de táticas e estratégias a la Mano.

Lautaro, la bestia negra

quarta-feira, 28 de fevereiro de 2018

LAUTARO MARTÍNEZ não foi o primeiro cara a castigar pessoalmente o Cruzeiro.

Sem pesquisar, só de memória, me lembro de Dodô, Petkovic, Neymar, Jesus, Lopes, Tucho…

Cruzeirenses também já açoitaram outros times: Madureira, Revetria, Dirceu, Luan, Alex, Sobis…

É do jogo. Até os seca-pimenteiras sabem. Mas não perdem a oportunidade de pontificar, como se o acontecido se devesse à inobservância de seus conselhos.  

E tem os covardes, os caras que ficam na tocaia, esperando uma derrota pra despejar nas costas dos jogadores que odeiam o fracasso do time.

Ontem, o Cruzeiro poderia ter vencido ou empatado, os números mostram isto. Mas perdeu. Diante de um Lautaro Martínez iluminado, o Maior de Minas não deu nem pra saída. 

Já aconteceu antes, vai acontecer de novo. Contra e favor. Quem não aguenta, não deve descer pro play. Simples assim. Melhor do que descer e ficar choramingando.

Libertadores: Cruzeiro num grupo de iguais

quarta-feira, 20 de dezembro de 2017

Sorteio colocou Cruzeiro no Grupo 5 da Libertadores 2018, com Universidad de Chile, Racing e o G3 (Petrolero, Universitário, Wilstermann, Vasco ou Concecpion).

Não dá pra cravar nem passaporte pra Sula (3º lugar), quanto mais vaga nas oitavas.

A torcida, aérea como sempre, vai achar moleza e adiará sua entrada na competição pra 2ª fase.

Se 2ª fase houver, é claro. E, pra haver, o negócio é faturar 9 pontos no Mineirão.

Com o apoio das raposas pingadas que comparecerem aos jogos.

Freitas: “Não é hora de caça às bruxas”

quinta-feira, 11 de maio de 2017

PITACOS acerca do NACIONAL/Paraguai 2/3 x1/2 CRUZEIRO, neste 10mai17qua19h15, Defensores Del Chaco, Assunção, volta 1ª fase da Sulamericana.

MANO MENEZES: Iniciamos bem e depois sofremos um gol de empate numa falha individual. Bola sem risco, poderia ter passado e não passou. No 2º tempo, ajustamos algumas coisas, mas voltamos a falhar individualmente e tomamos o segundo gol. Nas penalidades máximas tivemos duas vezes na frente, com a vantagem, mas não soubemos confirmá-la e perdemos. Durezas do futebol. Vínhamos fazendo temporada boa e num espaço de sete dias tivemos duas derrotas que nos custaram a perda do Estadual e a eliminação na Sul-Americana. Não estava tão nervoso. Treinador precisa trabalhar. Quando as coisas não estão bem, trabalha mais. O Cruzeiro está com um comportamento que não gosto, de sair do jogo com facilidade. Começamos bem, fazendo ultrapassagem pelos dois lados, criando oportunidade, fizemos o gol e daqui a pouco saímos do jogo. O adversário pode ter seus méritos, mas não podemos deixar de jogar. Cometemos erro num setor do campo que entrega a partida. Temos jogadores de qualidade pra não precisar passar por isso. A gente sempre procura encontrar pêlo em ovo quando se tem uma derrota, uma eliminação. Não tivemos problemas a não ser . a de atravessar bola na área. Isso não pode. A questão das disputas de bola, o primeiro cartão do Leo foi muito rigoroso, disputa normal. Zagueiro tem que saber se comportar. Não posso tirar o jogador só porque está com cartão amarelo.

CAMPOS FREITAS, no Facebook: Mayke fez um bom jogo, mas pela entregada não merece meu voto como Melhor do Jogo. Henrique leva meu voto. Foi um jogo em que faltou atitude dos jogadores e leitura mais rápida do Mano, que demorou pra fazer as alterações que a ocasiao exigia. Posto isto, é preciso lembrar que o time perdeu importantes referências técnicas como Cabral, Manoel, Robinho e Sobis, jogadores experientes, que sentem menos as adversidades do jogo. Não é hora, pois, de caça às bruxas.

FÁBIO SCHRIER, no Facebook: Só Henrique, Hudson e Rafinha entraram em campo. O melhor foi Hudson. E que belo pivô do Mayke pro gol deles! Tá de parabéns o garoto. Ábila também tentou, com as poucas bolas que mandaram pra ele. Agora, convenhamos, só quatro caras jogando com garra num mata-mata mata, mata a paciência da torcida!

MAURO FRANÇA: Não há uma única explicação para um vexame desses. Acho que o time tentou controlar o jogo, ainda mais com a vantagem no placar, mas as falhas individuais comprometeram. O time se perdeu mesmo com o segundo gol e a expulsão do Leo. Mano mais uma vez errou na estratégia, escalando um time sem força ofensiva, sem velocidade no contra-ataque, animicamente fraco. Desfalques pesaram, especialmente Cabral, que organiza a saída e o toque de bola, além de Robinho e Manoel. Até falei que uma providência seria a troca de Sóbis por Ábila, mas isto foi insuficiente, porque a bola não chega na área adversária e o Ábila fica sozinho. Neves, embora marcando gols, ainda não está em plena forma. Sua situação me lembra o Diego Souza em 2013, quando saiu e entrou o Goulart o time deslanchou. Mas parece que o Neves tem que jogar, é a etiqueta da diretoria. Enfim, o time perdeu competitividade, ficou previsível, fraco no meio de campo, nem um pouco dinâmico. Mano tem que dar um jeito, porque agora a pressão será forte. Óbvio que sou contra a troca de treinador, mas espero uma mudança de rumos. 

CLAUDINEI VILELA: Três dias depois de jogar uma final, o time vai pra uma outra “final”, com uma vantagem do empate, faz 1×0, toma virada em dois erros individuais e ainda perde três pênaltis. A culpa é do treinador?

MATHEUS CHAVES: Só pra lembrar: O gol do Cruzeiro também nasceu de uma falha individual do Nacional.

Sul-americana: Cruzeiro x Nacional do Paraguai

terça-feira, 31 de janeiro de 2017

CRUZEIRO jogará contra o Nacional do Paraguai na primeira fase da Conmebol Sul-americana. 

O Nacional foi vice campeão da Libertadores em 2014, perdendo a final para o San Lorenzo.

E lá se foi a última pomba…

quinta-feira, 14 de julho de 2016

Saiu o primeiro finalista da Libertadores 2016. E lá se foi a última pomba brasileira. Em Medellín, Nacional 2×1 São Paulo, num jogo muito bom de se ver.

Não teve compactação, marcação alta, tiki-taka, jogo em 30 metros do campo, goleiro-líbero, marcação por zona em escanteio , centroavante-pivô e modernices afins.

Jogou-se um futebol clássico, com times espalhados pela cancha, jogadas de ponta, toque de bola objetivo, sempre em direção ao gol, principalmente, pelo lado do time colombiano.

Venceu o melhor, embora o tricolor não tenha jogado mal. Saiu-se até bem, mas não o suficiente pra tirar da frente o time que joga o melhor futebol da competição, desde a rodada inicial.

E, pra não perder a ensancha oportunosa, friso que o Campeonato Brasileiro não serve de parâmetro pra nada.

Os melhores de 2015, meio ano depois, perderam tudo que se meteram a disputar: estaduais, regionais e internacionais. Pra desgosto dos mesarredondistas e seus teleguiados.

Tem gosto pra tudo

quinta-feira, 7 de abril de 2016

Frangas apanharam do Del Valle, por 3×2, num estádio que faz o Alçapão do Bonfim, de Nova Lima, se parecer com Wembley.

Libertadores paga merreca aos clubes e entrega táchiras, melgares, cobressais, trujillanos e arrombados que tais aos telespectadores.

E as transmissões de TV? Até a TV Minas faria melhor. Ainda assim, alguns patetas chamam de rural o caprichado Campeonato Mineiro…

Campeonato Mineiro que paga mais, tem times acima da média da Libertadores, ótimos estádios e transmissões profissionais.

Nhenhenhém interminável

terça-feira, 10 de março de 2015

O meia WAGNER  falou ao canal FOX:

  • “Quando jogo em Belo Horizonte, sou melhor recebido por atleticanos do que por cruzeirenses por causa da Libertadores 2009. Antes da final, fomos, eu, Marcinho e Fábio conversar com o Maluf sobre premiação. Pedimos que a renda fosse destinada aos jogadores. Zezé Perrella, impressionante, parece que ele tem uma calculadora na cabeça, pensou e falou ‘não, não, vocês vão ganhar muito dinheiro’. E a briga foi porque um titular ganharia 5 mil (valor fictício), se jogasse uma partida da semifinal e 10 mil (valor fictício) se jogasse as duas. Só que quem foi pro banco nas duas partidas e não entrou ganharia mais do que esse jogador que só jogou uma partida e era titular. Eu disse a ele: ‘cara, a gente tem a oportunidade de ganhar a Libertadores e vc pensando em mil reais, dois mil reais? Vai ficar um legado pro resto da vida’. Falei: ‘Fábio, tira mil do meu, mil do seu, vamos juntar dar a grana pra esse cara e pronto, acabou.  Aí a gente acertou a divisão do prêmio. Depois, fui pra Rússia e começaram a falar muitas coisas lá em Minas e eu não tinha como acompanhar. Falaram que fui eu que briguei por dinheiro. Devo muito ao Cruzeiro, as pessoas lá dentro sabem disso, mas colocar a culpa que não tem nada a ver nas minhas costas não dá”.

Os suspeitos, a partir dessa entrevista, passam a ser Henrique, Gerson Magrão e Ramires.

Mas que historinha mais chata! Se um deles discordou da partilha estava em seu direito, não fizeram nada de errado.

Uma besteira dessas só permanece em foco devido à burrice do torcedor, mais chegado a fofocas do que ao incentivo a seu clube.

Todo esse nhenhenhém não muda minha opinião: o Estudiantes venceu por era melhor, simples assim.