Arquivo da Categoria ‘Cornetagem’

Prepare-se, 7L: estamos voltando!

quarta-feira, 25 de maio de 2016

Cruzeiro e Minas Arena em rota de colisão:

  • Minas Arena cobra R$9 milhões de dívidas do clube.
  • Cruzeiro cobra R$10 milhões de supostos prejuízos causados pela administradora do estádio. 
  • E reclama da venda de ingressos para setores da administradora abaixo ds preços cobrados pelo clube.

Existem ainda pendengas sobre estacionamento e “otras cositas más”.

Resumindo: Cruzeiro quer rescisão contratual, já!

E assim lá vamos nós pra Sete Lagoas, enquanto as frangas migram do Horto pra Pampulha.

Cai fora, GPT e deixa a gestão do Cruzeiro para profissionais!

Marcelo Oliveira erra voltando ao galinheiro

sexta-feira, 20 de maio de 2016

MARCELO OLIVEIRA, técnico bicampeão brasileiro dirigindo o Maior de Minas, assinou com o AtléticoMG.

Depois de ter vivido o auge da carreira no Cruzeiro, ele faz um contrato de alto risco. Duas ou três derrotas bastarão pra ser vaiado e chamado de traidor pelas frangas.

Teria sido melhor pra seu plano de carreira ter ido pra Itabira. Tirar o VALERIODOCE do buraco renderia mais reconhecimento profissional a ele.

Esclarecimentos sem firulas

quinta-feira, 19 de maio de 2016

A fábrica de analfabetos funcionais chamada “escola plural”, implantada pelos petistas em BH, foi desativada, mas parece que seus alunos continuam na ativa, com péssimas interpretações de textos.

Mas vamos ao que interessa. Pra não deixar dúvidas e, na impossibilidade de desenhar, esclareço, por escrito:

  1. Não sou contra Paulo Bento. Como não fui contra Pacote, Luxa, Mano ou Deivid.
  2. Não atribuo poderes mágicos aos técnicos de futebol. Só mudarei de ideia, caso o Guardiola dê um título nacional ao Valeriodoce.
  3. Considero estupidez irretocável demitir técnico após 100 dias de trabalho. Precisa explicar o porquê?
  4. É de uma jumentice sem par demitir técnico com 72% de aproveitamento e apenas 2 derrotas em 18 jogos, caso do Deivid.
  5. Não respeito a opinião de quem é caixa de ressonância de mesarredondista ou de comentarista atletiaio. Respeito quem pensa com seus próprios miolos.
  6. Torcedor entende pouco de futebol. Se entende muito, não deve estar levando a sério sua atividade profissional específica.
  7. Um time oscila na temporada, num torneio, no mês, na semana e até durante um jogo. Menos por conta do técnico do que pelo extremo nivelamento do futebol. Assim, um fundamento que saia do parâmetro já é o suficiente pra um tropeço.
  8. Os bons jogadores brasileiros, uruguaios, argentinos e paraguaios estão em outras partes do mundo, que não o Mercosul. Destarte, qualquer contratação neste mercado, não passa de uma mancuellada. Não faz a menor diferença.
  9. Ora, se o que resta pra se montar times no Brasil é cascalho bruto, ninguém deve esperar time com acabamento luxuoso.
  10. A ideia de que jogador brasileiro é um preguiçoso só pode ser parida por mente ainda mais preguiçosa. Em nenhum lugar do mundo, futebolista treina, concentra, viaja e joga mais do que neztepaiz.

Assim, qualquer treinador será bom ou ruim, num mesmo torneio ou até num mesmo jogo.

Posto isto, sou contra esse frenesi besta da torcida na busca insaciável pelo trinador perfeito.

E, pra encerrar, faço uma previsão: vc, caro leitor, e não eu, é quem pedirá a cabeça do Paulo Bento na segunda ou terceira derrota do time.

Atividade cornetável

quinta-feira, 19 de maio de 2016

PAULO BENTO treinou o time celeste na madrugada desta quinta –a partir de 8h30.

Jornalistas só puderam espiar 20 minutos do trabalho. E anotaram os dois times. 

  • TIME 1: Gino, Viana, Fabrício Bruno, Miño — Bramires, Henrique, Cabral, Pisano — Elber, Willian, Arrascaeta.
  • TIME 2: Lucas, Leo, Brodrigo, Bryan — Marciel, Romero, Allano, Alex — Coutinho, Ragelli.

Isto mesmo: um grupo com 11, outro com 10, em lados diferentes do campo, treinando passes. 

Embora não tenha sido coletivo, mas apenas atividade técnica, a escolha dos grupos deu o que falar.

E o prezado corneta do PHD já pode opinar e projetar o que vem por aí, com base nesta info do GloboEsporte. 

Tira-morrinha é tolice do passado

quarta-feira, 18 de maio de 2016

YUSTRICH, treinador-brucutu do passado, também gostava de mostrar autoridade na relação com seus atletas e serviço pra torcida, com práticas heterodoxas.

Uma delas era o tira-morrinha, em que ele punha o time pra treinar após o encerramento dos jogos ou descer do ônibus na beira da estrada pra sessão de ginástica.

O torcedor vibrava. Mas não por muito tempo. A artimanha não rendia resultados de longo prazo, nem títulos e o Homão caia em descrédito.

Paulo Bento precisa saber que, se os treinos da semana são bem feitos, não há necessidade de exageros. Se há, é por que foram ineficazes.

Sem risco de receber um não

terça-feira, 10 de maio de 2016

DILLMA ROUSSEFF estará no mercado,amanhã. Quem esperou uma semana pra contratar um técnico pode esperar mais um dia.

Ela conhece muito de manhas e artimanhas, não é gaga, tem ótima capacidade gerencial e resiste bem a vaias. Por que não?

A despesa da transportadora

segunda-feira, 9 de maio de 2016

Todo mundo sabe que Deivid foi demitido com 72% de aproveitamento e 2 derrotas em 18 jogos. Todo mundo, obviamente, inclui todos os técnicos empregados.

Então, pra encarar os burros da torcida e os inseguros da cartolagem celeste, só quem está matando cachorro a grito.

Ricardo Gomes fez bem em recusar a aventura que é dirigir o Cruzeiro. Quem pensa, percebe a fria. Não é um emprego oferecido por gente séria.

Ou alguém já se esqueceu das palavras do Vicintin: “Deivid tem bons números, mas perdeu duas partidas que não podia perder”?

Perder duas com o elenco que o Cruzeiro tem é questão de duas ou três semanas. Emprego assim, não paga nem a despesa coma transportadora de móveis.

Um estádio abandonado

quinta-feira, 5 de maio de 2016

WELLINGTON DIAS, governador petista do Piauí, tem uma qualidade: é cruzeirense. Entre os defeitos está a falta de cuidado com o patrimônio público.

O Albertão, principal casa do futebol piauiense está uma esculhambação só: placar eletrônico quebrado, banheiros fechados, sem iluminação externa e sem transporte público.

Se não dá conta de administrar, terceiriza, governador. Se não aparecem interessados, toma atitude, pô!

E o estádio da sua cidade, como está passando, desportivo leitor?

Um time ruim de cabeça

quinta-feira, 5 de maio de 2016

Se precisar decidir uma partida no abafa, com quem o Cruzeiro pode contar no jogo aéreo?

  • Fábio não sai de sua área. Mayke, Lucas e Miño não são do ramo. Romero, Cabral, Elber, Alisson, Willian, Arrascaeta nem olham pro alto. Pisaninho é brincadeirinha. Allano fez um gol de cabeça contra o Boa. Por acaso. Rafael se posiciona bem, mas a bola tem chegar, no máximo, no segundo andar. Henrique cabeceia razoavelmente, mas está sempre longe da área. Restam Dedé, Brodrigo, Leo e Manoel, que jogam do outro lado do campo.

Um gol salvador, como o das frangas, ontem, é pouco provável de acontecer a favor do Cruzeiro.

E os cartolas procurando técnico…

Tem é que montar um elenco pra estagiários ou professores lançarem mão de armas variadas.

Agora, mestres comentaristas, pesquisem: 

  • Qual dos 20 times da Série não tem ao menos um atacante que saiba cabecear?

Cruzeiro pronto, com Lucas e sem Robinho

quarta-feira, 4 de maio de 2016

CRUZEIRO volta a campo amanhã, contra o Campinense, às 21h30, no Mineirão., pela Copa do Brasil.

Robinho se contundiu, está com um edema na coxa, e não joga.

Geraldo Delamore, técnico interino, já escalou o time celeste:

  • Fábio — Lucas, Bruno Viana, Bruno Rodrigo, Sánchez Miño — Henrique, Romero, Allano — Elber, Willian, Arrascaeta.

Se não gostou, o técnico e tático leitor pode corrigir os erros do “estagiário do estagiário”.