Arquivo da Categoria ‘COPA DO BRASIL’

Jota Dias: “A Deus toda a glória!”

sexta-feira, 17 de agosto de 2018

PITACOS acerca do CRUZEIRO 1/3-2/0 SANTOS, Mineirão, Belo Horizonte, 15ago18qua19h30, jogo de volta das quartas de final da Copa do Brasil 2018:

MANO MENEZES: O Santos jogou bem, até melhor do que lá. Trabalhou com dois extremas, teve hora que jogou com dois atacantes em cima da nossa zaga e igualou a posse. Tivemos mais chances, fizemos um 2º tempo muito bom, que poderia nos ter dado vantagem. O adversário teve posse, trabalhou e incomodou. Quando isso conte e, o tome de fora tira um pouco a confiança do nosso torcedor. Mas jogos como esse, é que engrandecem, que preparam pra coisas maiores, como as que teremos daqui pra frente na Copa do Brasil. Pedi calma ao tome no fim. Técnico sempre pede calma ao time. Faltando cinco minutos não é hora de errar uma saída de bola por dentro. Um erro faz o adversário entrar no jogo, como entrou. Se vira 1×1 é outra situação. Se vira 1×0, o adversário teria que fazer dois gols no 2º tempo. A gente sempre acha que não vai ter problema, mas uma bolinha boba, que você perde, toma gol que não precisava tomar. Mas isso vai deixando o time preparado. É nessas horas que o erro bobo custa caro. Mas a verdade é que o Santos teve muita qualidade.

DOUGLAS VELLOSO: O Cruzeiro fez bom 1º tempo, entregando a bola ao Santos e saindo em contratataques.  O adversário não conseguia se impor ofensivamente e o gol saiu de uma jogada individual muito bem executada. Ainda na etapa inicial, o Cruzeiro desperdiçou chances e não teve Barcos e Arrascaeta inspirados. Não fosse isto, o jogo teria se resolvido ainda nos minutos iniciais. No 2º tempo, o Santos cresceu por conta do gol e o jogo ficou mais lento depois da bola de Dedé no travessão. Naquela altura, o Cruzeiro se propôs a fazer diferente do 1º tempo o Cruzeiro apareceu menos na defesa do Santos, talvez satisfeito com o empate. O gol santista saiu de boa trama ofensiva, depois de várias tentativas de ataque sempre quebradas. O habilidoso Rodrygo enfrentou dificuldades pra jogar centralizado. Depois do gol de Bruno Henrique, o Cruzeiro foi com tudo pra cima e criou chances. Sobre o último lance: choro desnecessário, pois o próprio Cuca mandou seu time segurar o jogo depois do gol e a bola nem chegara ao atacante santista quando o árbitro finalizou a partida. Foi uma partida-lição pra Libertadores e pra sequência da Copa do Brasil.

AGNALDO MORATO: O Santos teve duas oportunidades de gol e marcou 2. O Cruzeiro jogou melhor, criou mais e perdeu o jogo, Coisas do futebol.

WAGNER CPM: O 2º tempo do Cruzeiro não foi bom. Arrascaeta esteve muito mal. Mas Fábio, o mito, o monstro, o dono da porr@ toda, não deu nem esperanças aos santistas. Nunca vi um goleiro pegar três pênaltis em sequência numa partida. Dêem um troféu ou placa pro Gordo, o Fofão… Ele não falha em decisões!

JOSÉ DOURADO: Mano demorou a tirar o Barcos. Quando Raniel entrou, o resto do time já estava cansado. Empate para o Mano é sempre ótimo.

BRUNO FURLETTI: Partida que entra para a história. Todo mundo vai dizer: “Lembra daquele jogo que o Fábio pegou três pênaltis seguidos? “Sim, eu estava lá”.

JOTA DIAS: Cruzeiro deu mole, mas tem um craque sortudo no gol. Fábio, depois de velhoM está melhorando nos pênaltis. Me lembrou o Dida ontem. A Deus toda a glória!

THIAGO FIVESTARS: Cruzeiro jogou muito bem até os 65 minutos. Depois sentou no resultado, tranquilo, pois o Santos não incomodava. A 7 minutos do fim, tonou o gol de desempate e daí pra frente restou torcer pra ir pros penaltis, Santos estava mais inteiro física e mentalmente. O resto é história!

MATEUS CHAVES: Os gols repousam mais na qualidade dos atacantes do que nas espaços concedidos pelas defesas. Isso é quase sempre uma regra no futebol. Por pouco o Cruzeiro foi punido pelos erros na conclusão das jogadas e por termos (mais) um centroavante que não têm tesão de gol. O melhor foi Neves, mas o herói da noite foi o maior goleiro da história do Cruzeiro. É fantástico vermos a história sendo construída ao vivo.

LEO ANCHIETA: Fábio defendeu uma pro Pai, uma pro Filho e outra pro Espírito Santo.

Fábio, o novo Ministro da Defesa

quinta-feira, 16 de agosto de 2018

ATUAÇÕES dos protagonistas do CRUZEIRO 1/3-2/0 SANTOS, Mineirão, Belo Horizonte, 15ago18qua19h30, jogo de volta das quartas de final da Copa do Brasil 2018:

MelhorDoJogo => FÁBIO [[[48]]] Luizanton, Vilela, João, Ernesto, Rocha, Rezende, Bitencourt, Chiabi, Saddi, Itamar, Andrade, Freitas, Penido, Efeagá, Arreguy, André, Dourado, Ivana, Carvalho, Setelagoas, Walery, Klauss, Dulce, Wagner, Amaral, Morato, Palmeira, Nanayoki, Wallace, Soalheiro, Viana, Lauanda, Julim, Rosan, Bastos, Maury, Burian, Moema, Wenderson, Romarol, Diogo, Dias, Fivestars, França, Avelar, Patrícia, Dudu, Pedro —– EGÍDIO [[[2]]] Anchieta, Filipe —– NEVES [[[2]]] Chaves, Schrier —– DEDÉ [[[1]]] Síndico —– LUCAS [[[1]]] Tolentino —– LEO [[[1]]] Caieira —– TORCIDA CELESTE [[[1]]] Barnabé.

Cruzeiro 1/3×2/0 Santos: Fábio! Fábio! Fábio!

quarta-feira, 15 de agosto de 2018

CRUZEIRO contra Santos, neste 15ago18qua19h30, no Mineirão, Belo Horizonte, jogo de volta das quartas de final da Copa do Brasil 2018.

RANKING: Cruzeiro é o 1º, com 15.288 pontos; Santos, o 8º, com 14.884.

CLASSIFICAÇÃO: Cruzeiro eliminou o Paranaense; Santos eliminou o Luverdense.

CRUZEIRO: Fábio — Edílson, Dedé, Leo, Egídio — Henrique, Lucas — Robinho, Neves, Arrascaeta — Barcos. T: Mano Menezes.

BANCO: Rafael, Ezequiel, Romero, Manoel, Murilo, Hermes, Bruno, Cabral, Mancuello, Rafinha, David, Raniel.

AUSENTES: Fred, Sassá, Sobis (lesionados).

PENDURADO: Raniel.

ARBITRAGEM: Rodolpho Toski Marques (Fifa-PR), Bruno Boschilia (Fifa-PR), Alessandro Álvaro Rocha de Matos (Fifa-BA). O árbitro de vídeo será Wilton Pereira Sampaio (GO).

SANTOS: Vanderlei — Victor Ferraz, Veríssimo, Luiz Felipe, Dodô — Renato, Pituca, Arthur Gomes — Rodrygo, Gabigol, Bruno Henrique. T: Cuca.

BANCO: Vladimir G, Daniel Guedes L, Gustavo Henrique B, Robson Bambu B, Leo Cittadini V, Guilherme Nunes V, Jean Mota M, Vecchio M, Yuri Alberto A, Copete A.

AUSENTES: Yuri (dores no pé esquerdo), Eduardo Sasha (transição), Bryan Ruiz, Carlos Sánchez e Derlis González (sem inscrição).

PENDURADOS: Gabigol.

TRANSMISSÃO: Fox, com narração de Nivaldo Prieto, comentários de Nadine Bastos, reportagens de Fernando Caetano.

TEMPO: céu claro, temperatura 27º, vento 11 Km/h, umidade 25%.

CRUZEIRO 1/3-2/0 SANTOS, 15ago18qua19h30. TEMPO céu claro, temperatura 27º, vento 11 Km/h, umidade 25%. LOCAL: Mineirão (62 mil), Belo Horizonte. MOTIVO: volta das quartas da Copa do Brasil 2018. TRANSMISSÃO: Fox. PÚBLICO: 49.513 presentes, 43.464 pagantes, R$1.432.225, média R$33. ARBITRAGEM: Rodolpho Toski (PR), Bruno Boschilia (PR), Alessandro Matos (BA). Var: Wilton Sampaio (GO). AMARELOS: Edilson, Gustavo, Bruno, Dodô, Ferraz, Vladimir. VERMELHO: Vladimir, 95. GOLS: Neves, 12, Gabigol, 42, Bruno, 83. PÊNALTIS: Lucas (gol), Bruno (goleiro), Raniel (gol), Mota (goleiro), David (gol), Rodrygo (goleiro). CRUZEIRO: FábioEdílson, Dedé, Leo, EgídioHenrique, Lucas — Robinho (Rafinha, 76), Neves, Arrascaeta (David, 87) — Barcos (Raniel, 68). T: Mano Menezes. SANTOS: VanderleiVictor Ferraz, Veríssimo, Luiz Felipe (Gustavo Henrique, 6), DodôRenato (Daniel Guedes, 71), Pituca, Arthur Gomes (Jean Mota, 60) Rodrygo, Gabigol, Bruno Henrique. T: Cuca.

HISTÓRICO: 79 jogos. Cruzeiro venceu 28, empatou 22, perdeu 29; marcou 114 gols e levou 127. Pelo Brasileiro, foram 60 partidas. Cruzeiro venceu 21, empatou 18, perdeu 21; marcou 80 gols e sofreu 87. Nas duas vezes em que decidiram um título brasileiro, o Cruzeiro levou a melhor. Em 1966, venceu por 6×2 no Mineirão e 3×2 no Pacaembu. Em 2003, colocou 13 pontos de frente sobre seu rival após vencer pro 3×0, no Mineirão, em uma espécie de final antecipada do primeiro Brasileiro de pontos corridos.

Santos 0x1 Cruzeiro: vitória maior que o futebol

quarta-feira, 1 de agosto de 2018

CRUZEIRO contra Santos, neste 01ago18qua19h30, na Vila Belmiro, Santos, jogo de ida das quartas de final da Copa do Brasil 2018.

RANKING: Cruzeiro é o 1º, com 15.288 pontos; Santos, o 8º, com 14.884.

CLASSIFICAÇÃO: Cruzeiro eliminou o Paranaense; Santos eliminou o Luverdense.

CRUZEIRO: Fábio — Romero, Dedé, Leo, Egídio — Henrique, Lucas — Robinho, Neves, Arrascaeta — Barcos. T: Mano Menezes.

BANCO: Rafael, Edílson, Manoel, Murilo, Hermes, Cabral, Mancuello, Rafinha, David, Sobis, Raniel.

AUSENTES: Fred, Sassá (lesionados).

PENDURADO: Raniel.

ARBITRAGEM: Wilton Pereira Sampaio, Fabricio Vilarinho da Silva, Bruno Raphael Pires (GO).

SANTOS: Vanderlei — Victor Ferraz, Gustavo Henrique, David Braz, Dodô — Alison, Diego Pituca, Renato; Rodrygo, Gabigol, Bruno Henrique. T: Cuca.

BANCO: Vladimir G, Daniel Guedes L, Luiz Felipe B, Robson Bambu B, Yuri V, Leo Cittadini V, Guilherme Nunes V, Vecchio M, Jean Mota M,  Yuri Alberto A, Copete A, Arthur Gomes A.

AUSENTES: Lucas Veríssimo (lombalgia) e Eduardo Sasha (lesão no músculo posterior da coxa esquerda).

PENDURADOS: Ninguém.

TRANSMISSÃO: Fox, com narração de Prieto, comentários de Fábio Sormani, Zinho e Nadine Bastos, reportagens de Fernando Caetano.

TEMPO chuvoso, temperatura 17º, vento 8 Km/h, umidade 85%.

SANTOS 0x1 CRUZEIRO, 01ago18qua19h30. TEMPO chuvoso, temperatura 17º, vento 8 Km/h, umidade 95%. LOCAL: Vila Belmiro (16 mil), Santos. MOTIVO: ida das quartas da Copa do Brasil 2018. TRANSMISSÃO: Fox. PÚBLICO: 7.134 pagantes, R$147.429, média R$21. ARBITRAGEM: Wilton Sampaio, Fabricio Vilarinho, Bruno Pires (GO). AMARELOS: Gabigol, Rafinha, Sobis, Henrique. GOL: Raniel, 81. SANTOS: Vanderlei; Ferraz, Gustavo Henrique, Braz, Dodô; Alison, Renato (Guedes, 72), Pituca (Copete, 84); Rodrygo, Bruno Henrique; Gabigol. T: Cuca. CRUZEIRO: Fábio; Romero, Dedé, Leo, Egídio; Lucas, Henrique; Robinho (Sobis, 81), Neves (Rafinha,74), Arrascaeta; Barcos (Raniel, 54). T: Mano Menezes.

HISTÓRICO: 78 jogos. Cruzeiro venceu 28, empatou 22, perdeu 28; marcou 113 gols e levou 125. Pelo Brasileiro, foram 60 partidas. Cruzeiro venceu 21, empatou 18, perdeu 21; marcou 80 gols e sofreu 87. Nas duas vezes em que decidiram um título brasileiro, o Cruzeiro levou a melhor. Em 1966, venceu por 6×2 no Mineirão e 3×2 no Pacaembu. Em 2003, colocou 13 pontos de frente sobre seu rival após vencer pro 3×0, no Mineirão, em uma espécie de final antecipada do primeiro Brasileiro de pontos corridos.

Mano: “time equilibrado, maduro, consciente”

terça-feira, 17 de julho de 2018

PITACOS acerca do CRUZEIRO 1-1 PARANAENSE, 16jul18seg20h, Mineirão, Belo Horizonte, volta das oitavas de final da Copa do Brasil 2018: 

MANO MENEZES: O Cruzeiro foi bem, O jogo de hoje era perigosíssimo não apenas pelo adversário, mas pelas circunstâncias. Ninguém sabia como as equipes voltariam, não havia parâmetro. Nem sabíamos como o Atlético jogaria, pois está com técnico novo, mudou bastante, chegou com uma equipe bem diferente daquela que esperávamos e exigiu bastante de nós. Por isso saio satisfeito com o resultado e o rendimento da equipe. O Cruzeiro fez um jogo equilibrado, maduro, consciente. Foi apertando até marcar seu gol e só não sai com a vitória por causa desses detalhezinhos de jogo. Mas não precisávamos da vitória, e sim da classificação. Saio satisfeito com o que os jogadores produziram. É daqui pra mais. Ainda temos jogadores quase que estreando em competição.

THIAGO NEVES: Pra ser sincero, minha atual!ao foi bem ruim, bem abaixo do que eu queria. Estou me preparando, estou bem fisicamente, mas preciso melhorar muita coisa. Não é momento de abaixar a cabeça, sentir a pressão. Torcedor, óbvio, que vai me cobrar, se o time estiver mal e bem. Mas eu vou melhorar, cada jogo vou melhorando, me preparando para dar alegria ao torcedor. Estou 200% e vou melhorar nos próximos jogos, preciso disso pra voltar a ter confiança, pro moral ficar lá em cima. Um golzinho, na quinta, já vai me ajudar muito. 

CAIO RIBEIRO: O melhor jogador do Cruzeiro é o Thiago Neves, que não teve uma de suas melhores atuações. Quando ele está bem, em grande fase, é decisivo. Seja na bola parada, em um chute de média distância, ele tem um poder de definição, ele finaliza a jogada

FILIPE BRAGA: Dedé que está muito bem em seu retorno (superando e muito minhas mais otimistas expectativas) e que forma uma das melhores zagas dos últimos 10 anos do clube, falhou duplamente no lance do gol (irregular): perdeu na corrida no primeiro momento e não acompanhou o jogador que recebeu livre pra marcar. Aposto que tem torcedor que já jogou a responsabilidade pro Leo e fará vista grossa pro erro do Dedé. Ah, se fosse o contrário… 

TALENTIM: O time celeste apresentou algo tão modorrento, que que sequer podemos chamar de futebol, e o treinador querendo uma arquibancada pulsando. É brincadeira!  

CELESTE CAMPOS: Gostei, especialmente, do resultado. O time buscou o jogo o tempo todo; Lembrando que do outro lado havia um adversário que também tinha como propósito se classificar.

DOUGLAS VELLOSO: Várias vezes, a bola foi recuada pro Fábio, por falta de opção. Pouco qualificado, o adversário fez a estratégia ter êxito. Os volantes ficaram mais próximos da defesa e a saída de bola foi mais demorada. Ponto positivo foi o banco mudar e jogo. Do outro lado, arremates de fora da área foram tentados.

ROMAROL: Neves trotou que nem cavalo velho. O torcedor não merece ver isso. 

Arrascaeta e Henrique foram além da estratégia

terça-feira, 17 de julho de 2018

ATUAÇÕES dos protagonistas do CRUZEIRO 1-1 PARANAENSE, 16jul18seg20h, Mineirão, Belo Horizonte, volta das oitavas de final da Copa do Brasil 2018:

CELESTE aproveitou a pechincha dos ingressos e ocupou 3/4 dos lugares disponíveis. Torceu até ficar de saco cheio, com o jogo sem emoções. No fim, levou pito do técnico, quando já estava a caminho de casa.

FÁBIO não cometeu falhas. Nem no gol do Cap. Esteve perfeito em todas as bolas que chegaram a seu arco.

EDÍLSON não teve trabalho na defesa e pôde apoiar mais do que tem feito ultimamente. Cruzou boas bolas e foi um dos destaques, após várias partidas medíocres.

DEDÉ, perfeito nas alturas, no chão, andou esticando bolas desnecessariamente e perdeu a disputa no lance do gol de empate.

LEO mais uma grande partida. Sóbrio e eficiente. Não conseguiu evitar o gol de empate, porque Bergson fez o que cabe a um centroavante fazer na pequena área: chutar, sem vacilo. E, nesses caso, a vantagem é sempre do nove.

EGÍDIO marcou bem e não se desgarrou tanto, como de costume. com Egídio saindo mais, sua autonomia tem necessariamente de ser menor. No cômputo geral, desempenho positivo.

HENRIQUE, em tese, é o volante que deve jogar mais recuado, na prática, foi o que mais atacou, com boa presença nas imediações e dentro da área rubro-negra. Na saída de bola, na contenção e na ocupação de espaços aplicou a sabedoria de sempre.

LUCAS jogou bem, mas sem gastar a bola. Fez o suficiente: ocupou espaços, deu passes precisos e, smj, até chutou a gol.

RAFINHA correu como se fosse um croata na Copa. Atacou e defendeu, com a mesma eficiência. Ótima partida, até cansar. O que era inevitável, tamanha sua participação no jogo.

ROBINHO entrou na segunda metade da etapa final, com muito gás, e participou bem dos lances ofensivos, inclusive servindo Arrascaeta no gol da classificação.

NEVES jogou avançado, sem se preocupar coma recomposição. Mesmo assim, movimentou-se pouco e foi anulado pela defesa do cap. Saiu mais cedo, debaixo de vaias e aplausos.

RANIEL deu passe a Robinho, no lance que originou o gol celeste. Participativo, deu imenso trabalho defesa paranaense e animou o ataque celeste.

ARRASCAETA jogou a maior parte do tempo na esquerda, com bom rendimento. Atuou também na direita e no meio do ataque na parte final do jogo. E foi pelo meio, que aproveitou serviço de Robinho para fazer o gol da classificação.

SOBIS jogou bem, dentro de suas características de falso nove, ou melhor, de não nove. Movimentou-se, ajudou a marcar e desferiu o único chute a gol para valer do time celeste na etapa inicial. Saiu mais cedo, cansado.

DAVID entrou na etapa final e não se encaixou no time jogando pelo meio, nem pela ponta. Ficou devendo.

MANO jogou xadrez. Escalou o que tinha de melhor, mas não deu rédea solta ao time. Na parte final, fez substituições corretas e só não venceu, porque nos acréscimos, Pablo e Bergson conseguiram ludibriar Dedé e Leo, num lance isolado. Na coletiva, reclamou da pouca participação da torcida. Mas, convenhamos, ela apoiou até se cansar de nada ter para apoiar, né mesmo, chefia

PARANAENSE jogou pela tal uma bola para levar a decisão para os pênaltis. E ela apareceu, só que tarde demais. Jonathan, Heleno, Rosseto e Lodi foram os destaques. Santos fez duas boas defesas. O maior problema está na criação de jogadas quando o time revela toda sua falta de imaginação.

ÁRBITROS não cometeram grandes erros, afinal, nem o Mano pediu pênalti no lance em que Raniel caiu após disputa com Santos. O cartão amarelo, nesse lance, para o atacante celeste, sim, foi uma ridícula de

MelhorDoJogo => ARRASCATEA [[[15]]] Uol, Vilela, Velloso, Celeste, Romarol, Morato, Soares, Nanayoski, Pinheiro, Palmeira, Márcio, Anchieta, Bastos, Amaral, Tadeu —– HENRIQUE [[[11]] França, Marcus, Braga, Evans, Luizanton, Chaves, Penido, Viana, Vasconcelos, Jotapê, Síndico —– DEDÉ [[[7]]] Walterson, Chiabi, Bitencourt, Marcoalex, Beth, André, Diogo —– RANIEL [[[5]]] Zuloobas, Renato, Macaco, Albuquerque, Galvão —– RAFINHA [[[4]]] Sá, Dourado, Klauss, Johnpaul —– LUCAS [[[1]]] Dudu —– LEO [[[1]]] Barnabé —– EDÍLSON [[[1]]] Schrier —– MANO [[[1]]] Setelagoas —– TORCIDA [[[2]]] Dulce, Cláudioarr.

Cruzeiro 1×1 AtléticoPR: passou, sem brilhar

segunda-feira, 16 de julho de 2018

CRUZEIRO contra AtléticoPR, neste 16jul18seg20h, Mineirão (62 mil), Belo Horizonte, jogo de volta das oitavas de final da Copa do Brasil 2018.

RANKING da CBF: Cruzeiro é o 1º, com 15.282 pontos; AtléticoPR é o 9º, com 11.718.

CLASSIFICAÇÃO: Cruzeiro está estreando no torneio, Paranaense já passou por Caxias, Tubarão, Ceará e São Paulo.

CRUZEIRO: Fábio — Edílson, Dedé, Leo, Egídio — Henrique, Lucas – Rafinha, Neves, Arrascaeta — Sobis. T: Mano Menezes.

BANCO: Rafael, França, Ezequiel, Manoel, Murilo, Hermes, Romero, Bruno, Cabral, Brey, Robinho, Raniel, David.

AUSENTES: Fred, Mancuello, Sassá (lesionados).

PENDURADOS: Ninguém.

ARBITRAGEM: Leandro Pedro Vuaden, Jorge Eduardo Bernardi, José Eduardo Calza (RS).

PARANAENSE: Santos — Jonathan, Paulo André, Thiago Heleno, Lodi — Guimarães, Gonzáles –Rosseto, Nikão, Veiga —  Pablo.  T: Tiago Nunes.

BANCO: Macanhan G, Felipe Alves G, iego Ferreira L, Wanderson B, Leo Pereira B, Carleto L, Camacho V, Baralhas V, Guilherme M, Bill A, Marcinho A, Bergson A.

.AUSENTES: Ninguém.

PENDURADOS: Ninguém.

TRANSMISSÃO: Fox, com narração de Marco de Vargas, comentários de Osvaldo Paschoal e Nadine Bastos, reportagens de Diego Bertozzi.

TEMPO: céu limpo, temperatura 19º, vento 10 Km/h, umidade 63%.

CRUZEIRO 1×1 ATLÉTICO-PR, 16jul18seg20h. TEMPO: céu limpo, temperatura 19º, vento 10 Km/h, umidade 63%. LOCAL: Mineirão (62 mil), Belo Horizonte. MOTIVO: volta das oitavas da Copa do Brasil. TRANSMISSÃO: Fox. PÚBLICO: 44.443 presentes, 39.784 pagantes, R$638.477, média R$16. ARBITRAGEM: Leandro Vuaden, Jorge Bernardi, Rafael Alves (RS). AMARELOS: Neves, Raniel, Guimarães, Lodi. GOLS: Arrascaeta, 85, Bergson, 90. CRUZEIRO: Fábio, Edilson, Dedé, Leo, Egídio, Henrique, Lucas; Rafinha (Robinho), Neves (Raniel), Arrascaeta; Sobis (David). T: Mano Menezes. PARANAENSE: Santos; Jonathan (Bergson), Paulo André, Thiago Heleno, Lodi; Bruno Guimarães, Gonzalez (Marcinho); Rossetto; Nikão, Rafael Veiga (Guilherme); Pablo. T: Tiago Nunes.

HISTÓRICO: 58 jogos, 19 empates, 23 vitórias do Cruzeiro, 16 do Paranaense. Cruzeiro marcou 87 gols, levou 73. Eles já decidiram duas competições nacionais entre si. Em 1999, o Paranaense conquistou a Seletiva da Libertadores vencendo por 3×0 na Baixada e perdendo por 2×1 no Mineirão. Na SulMinas 2002, o Cruzeiro venceu por 2×1, em Curitiba, e 1×0, em Belo Horizonte (despedida de Sorín com 70 mil espectadores).

Braga: “Gol do Raniel saiu do manual da centroavância”

sexta-feira, 18 de maio de 2018

MANO MENEZES: No 1º tempo, o time dois gols que não se pode perder e que fazem falta nos jogos assim. Mas teve a competência no 2º tempo de não se apavorar no 0x1. Em mata-mata você precisa saber jogar quando está perdendo, e aí, com méritos, conseguiu o empate. O jogo estava se desenhando pra terminar empatado, mas numa bola longa o Raniel com calma do]e centroavante, nos deu uma vitória importantíssima. Fiquei contente pelo que o time apresentou. O Atlético tem uma maneira diferente de jogar e, como tudo na vida, tem dois lados. O primeiro é que é muito difícil tomar a bola deles, porque trabalham bem, abrem muito a equipe no campo. É preciso saber se posicionar, principalmente entre as linhas, pra não deixá-lo ter volume. Mas trem o outro lado também. Quando se recupera a bola na intermediária defensiva, seu time pega o Atlético mais aberto. A gente respeita e eu admiro o trabalho do Diniz. Eu disse isso a ele. É difícil propor algo tão diferente como treinador, porque sabemos como é o futebol. Não tem como passar por isso sem ter sobressaltos. Existem muitas maneiras de jogar e a nossa também é eficiente.

(mais…)

Quem foi o melhor no jogo dos torpedos?

quinta-feira, 17 de maio de 2018

ATUAÇÕES dos protagonistas do PARANAENSE 1×2 CRUZEIRO, neste 17mai18qua21h45, na Baixada, Curitiba, ida das oitavas da Copa do Brasil 2018:

TORCIDA CELESTE rebelou-se contra a intolerância do cartola-dono do Paranaense, o autoritarismo do Ministério Público e, mesmo proibida, compareceu, juntou-se num canto do estádio e soltou o verbo apoiando seu time. A resistência contra a insanidade dos simões-bacamartes do MP foi saudável, exemplar e deveria ser seguida por todas as torcidas. Chega de interferência do estado na vida do cidadão! Nota Dez! Senti-me orgulhoso de pertencer a uma torcida que, sem violência, desafiou o autoritarismo das autoridades. Esses caras que foram à Baixada ontem me representam. Tenho dito.

(mais…)