Arquivo da Categoria ‘COPA DO BRASIL’

Ranking PHD dos campeões

quinta-feira, 6 de dezembro de 2018

O Palmeiras venceu o principal torneio de 2018. Mas o Cruzeiro conquistou duas taças.

Sampaio foi rebaixado da B pra C, mas faturou a Lampions. Flamengo, Saumpaulo, Franga, Vasco, Flu, Santos e Inter ficaram no “Ora, vejam!”.

E, então, quem  foi o maior campeão? PHD propõe um ranking:

  • Estadual, 1 ponto;
  • Copa estadual, 1 ponto;
  • Estadual com time da Série C;
  • Estadual com times da Série B, 3 pontos;
  • Estadual com times da Série A, 5 pontos;
  • Estadual, com times da A e da B, 8 pontos;
  • Regional, 2 pontos;
  • Regional com times da Série B, 4 pontos;
  • Regional com times da Série B, 6 pontos;
  • Regionals com times da A e da B, 9 pontos;
  • Recopa Sul-americana, 5 pontos;
  • Sul-americana, 10 pontos;
  • Libertadores, 20 pontos;
  • Mundial, 25 pontos;
  • Copa do Brasil, 12 pontos;
  • Brasileiro D, 5 pontos;
  • Brasileiro C 7 pontos;
  • Brasileiro B, 10 pontos;
  • Brasileiro A, 17 pontos.

Às contas, moçada!

A melhor seleção da temporada

quarta-feira, 5 de dezembro de 2018

Desconheço as seleções da temporada ou de cada torneio formadas pela Iespien, Ishportiv, Fóquish e Cbf. Certamente, são tendenciosas. 

A minha seleção de 2018, levando em consideração os torneios estaduais, brasileiros e sul-americanos é a melhor, a mais justa, a mais inteligente. Confiram:

  • Fábio — Fagner, Dedé, Leo, Lodi — Patrick, Henrique, Bruno Henrique, Paquetá — Pedro, Arrascaeta. 
  • Técnico: Lisca.
  • Craque: Bruno Henrique.
  • Revelação: Lodi.
  • Juiz: Ricardo Marques Ribeiro.
  • Time: Palmeiras.
  • Torcida: Fortaleza.
  • Jogo: Vasco 1×1 Botafogo, decisão do Carioca. 
  • Cartola: Rafael Tenório.
  • Comentarista: Henrique Fernandes.
  • Narrador: Milton Leite.
  • Repórter: Pedro Correia.
  • Cássio — Mayke, Messias, Thiago Heleno, Egídio — Cuéllar, Richardson — Dudu, Luan, Cebolinha — Gabigol. 

Não acredito que alguém tenha coragem de fazer reparos. Mas se tiver, que o faça, sem medo ser criticado. No máximo, vou deplorar a ignorância do desembasado palpiteiro. 

Supremo Tribunal do Politicamente Correto

quinta-feira, 1 de novembro de 2018

SASSÁ levou mais dois jogos de suspensão. Eram 6, agora são 8 partidas, por conta do desforço físico ocorrido no final do Cruzeiro 1×1 Palmeiras, pela Copa do Brasil.

Stjd avalia o soco do atacante celeste como sendo 4x mais relevante do que o do lateral palmeirense, que pegou apenas 2 jogos de gancho.

Qual é a lógica? Alguém explica? Foi um duelo de homens enfurecidos. Mano a mano. Sem golpes baixos. Bravura indômita.

Mas o Supremo Tribunal do Politicamente Correto não aprova a testosterona e emascula o esporte. O Direito anda muito frufru.

Dedé: “É um título diferentíssimo!”

sexta-feira, 19 de outubro de 2018

PITACOS acerca do CORINTHIANS 1-2 CRUZEIRO, Itaquera, São Paulo, 17out18qua21h45, pelo Copa do Brasil 2018:

MANO MENEZES: Acho que o pessoal vai ter um pouquinho de tolerância com minhas maneiras defensivas de jogar. No futebol, nada acontece por acaso. Existem muitas maneiras de se ganhar. Tenho meu estilo, acredito nele e faço os jogadores acreditarem. Por isso, somos os únicos bicampeões, eu como técnico e o Cruzeiro como equipe. No futebol, você vai ser contestado muitas vezes. Mas de um técnico de ponta se exige muitas virtudes, uma delas é a coragem de fazero que acredita ser o certo. Senão, qualquer um pode dirigir. Pra ficar de bem com a torcida, é molezinha. Tem de enfrentar, como hoje, a decisão de colocar Romero. Decisão arriscadíssima, porque se dá errado, o inventor é o professor pardal. Barcos é experiente, segura bem na frente. Na jogada do gol, da bola no poste, ele teve calma incrível pra girar dentro da área. São jogadores acostumados com decisão. Eu tenho o reconhecimento dos jogadores, que é o mais importante pro técnico. Torcedor é mais emotivo, vai e volta com os resultados. A imprensa também. Analisar um trabalho não é fácil. Os jogadores, não. Eles fazem parte do trabalho, sabem como as decisões são tomadas. Fico muito feliz por conquistarmos juntos um lugar na história do Cruzeiro, um clube extremamente vencedor.

LEO: Trabalhamos debaixo de sol e chuva. Hoje, graças a Deus, colhemos este fruto. Estão todos de parabéns pela entrega, dedicação e por acreditarem sempre. Entramos pra história. Ninguém havia sido bicampeão seguido da Copa do Brasil. É uma alegria e uma honra muito grandes.

SOBIS: Fizemos um jogo espetacular. Somos um time chato e essa camisa pesa mesmo. O time mais chato que eu já vi jogar é o Cruzeiro. Ninguém consegue ganhar da gente em mata-mata. Além do nosso nome ficar eternizado na história do Cruzeiro, conquistamos feitos inéditos. Será a primeira vez que um time vai usar esse negocinho, esse patch na camisa durante dois anos. Isso é história, primeiro time hexacampeão, primeiro bicampeonato seguido. Tem que respeitar muito, muito, essa camisa.

DEDÉ: Momento único. Estou feliz demais. É um título diferentíssimo. Estou emocionado. Essa torcida fez a diferença. Vou falar: hoje, com todo o meu coração, o que essa torcida fez este ano, acho que no futebol eu nunca vi uma torcida fazer. Momento difícil, momento bom, momento ruim, eles estavam lá apoiando, lotaram o Mineirão. Por isso, coroa essa torcida, a melhor torcida do Brasil. Nesse mesmo momento, no ano passado, o Dr. Sérgio Campolina chegou no meu ouvido: ‘Olha, você vai ter que fazer uma cirurgia no joelho’, no dia do título. Hoje, estou aqui. Depois de uma cirurgia perfeita, coroando o título dentro de campo. Agora, você imagina o que está passando na minha cabeça, a emoção. Estou feliz demais. Obrigado, torcedor, pela paciência, dizer que eu amo vocês do fundo do meu coração. Eu nunca vou ser um jogador que vai puxar saco, fazer marketing pra torcedor vir torcer pra mim. Mas eu tenho, do fundo do meu coração, um amor diferentíssimo por essa torcida. Uma torcida que me acolheu, que no momento difícil me apoiou. Então, nação celeste, eu amo vocês.

MIGUEL TOLENTINO: Partidaça do Cruzeiro! Primeiro tempo seguro, muito consciente, preciso e matreiro pra aproveitar o erro corintiano, organizado defensivamente pra suportar a pressão e aproveitar o nervosismo do mandante. No 2º tempo, apesar dos sustos iniciais, o time foi cirúrgico pra definir o jogo. Título merecido pra quem foi soberano como visitante.

MATHEUS CHAVES: Vi o jogo sozinho e acho que foi o primeiro título que vi em casa sem companhias. No rescaldo pós-jogo, acabei me deliciando com o ranço dos caras da ESPN. Todos sem exceção metendo a ripa no Mano, dizendo que o Cruzeiro tinha obrigação de jogar mais bola etc e tal. Acho essa suposição uma grande sacanagem com o trabalho dele.

ERNESTO ARAUJO: Que passe do Raniel ! Mas acho que o passe foi o mais fácil, difícil foi dominar a bola, que chegou como um tijolo. Sem o domínio, ele não poderia avançar e passar a bola ao Arrascaeta. Por isso, muitas vezes, reclamo de erros técnicos nas jogadas, Mas quando esses erros são eliminados as chances de gol crescem. Sei que não é fácil. Se fosse, qualquer um seria jogador de Série A e teria salário milionário.

FILIPE BRAGA: Raniel só acertou o serviço pro Arrascaeta nos últimos jogos de mata-mata. Felizmente acertou no momento mais importante. Muito bom. Mas merece um puxão de orelha pela displicência no lance em que apareceu sozinho na frente do Cássio.

SOUZA: O time celeste é muito tático. Venceu todos os jogos fora de casa. Saiu da Libertadores por conta o var, nas besta decisão, venceu o adversário e sua torcida, além do var.

MAURO FRANÇA: O time todo jogou bem, foi eficiente, preciso. Taticamente, beirou à perfeição, especialmente no 1º tempo. Por isto, escolho o Mano como o melhor da decisão. É um voto também, nos jogadores e na comissão técnica, pelo excelente trabalho, pela estratégia, às vezes arriscada, mas que funcionou mais uma vez.

Dedé, o nome do jogo do hexa

quinta-feira, 18 de outubro de 2018

ATUAÇÕES dos protagonistas do CORINTHIANS 1-2 CRUZEIRO, Itaquera, São Paulo, 17out18qua21h45, pelo Copa do Brasil 2018:

Por MATHUES CHAVES

TORCIDA CELESTE lotou seu espaço, mas a transmissão do Sportv não foi muito generosa com o áudio, fazendo sua voz aparecer só no final.

FÁBIO foi perfeito nas interceptações dos cruzamentos. No golaço anulado, deu um passo para a esquerda e foi pego de surpresa por um tirambaço do meio da rua. Sem culpa.

EDÍLSON esteve seguro na defesa e tentou uma ou outra tabela mais à frente, sem relevância.

LEO não cometeu falha alguma e quase marcou um gol numa bola defendida em cima da linha pelo Cássio.

DEDÉ, o melhor do jogo! Divertiu-se cortando de cabeça os cruzamentos aéreos do Corinthians. Pelo chão, também foi perfeito. E ainda acertou uma bolada no poste do arco de Cássio, ainda no primeiro tempo. No lance polêmico, valorizou o toque do Jadson e conseguiu a anulação do gol.

ROMERO se preocupou em marcar e errar o mínimo possível. Mostrou melhor futebol do que Hermes vinha jogando nas últimas partidas.

HENRIQUE capitaneou o time, ganhando lances importantes e protegendo muito bem a zaga. Partidaça!

CABRAL marcou bem, mas cometeu algumas falhas de posicionamento principalmente por falta de gás. Não conseguiu encaixar um passe mais decisivo.

ROBINHO foi outro destaque do time. Correu como nunca para marcar e atacar e foi premiado com um gol em uma finalização difícil que ele fez parecer fácil.

RAFINHA também foi um monstro. Roubou a bola do primeiro gol servindo-a açucarada para o Barcos finalizar. Infernizou a defesa dos gambás enquanto conseguiu e recompôs com afinco.

NEVES não fez uma boa partida. Facilitou a cavada de pênalti do Ralf cavar, depois de se enrolas com a bola numa faixa morta da grande área. Foi substituído, pra Lucas melhorar a marcação na meia-cancha.

BARCOS não fez o pivô tão bem como na primeira partida, mas dentro da área manja do riscado. Com categoria, limpou o lance, finalizou e no rebote Robinho aproveitou.

ARRASCAETA veio lá do Japão para marcar o gol do Hexa. Entrou para resolver a parada no contra-ataque e resolveu, sem choro nem vela. Carrasco máximo finais.

RANIEL entrou para servir como válvula de escape e conseguiu descolar uma senhora assistência para o segundo gol.

LUCAS rendeu Thiago Neves para ajudar a fechar o time no final. Conseguiu fazer bem sua tarefa.

MANO escalou bem principalmente na lateral esquerda, evitando a presença de um cara completamente sem confiança e que poderia sofrer com Angel Romero ou Pedrinho. Sem inventar, fez o time jogar o de sempre, o que foi mais do que suficiente para sobrar para cima do rival.

CEUZEIRO foi melhor no primeiro e no segundo jogo da decisão. Como um relógio, seguiu o script da partida sem se desviar do planejado. A anulação do gol aliviou o peso de ter que marcar e, no contra-ataque, liquidou a fatura.

CORINTHIANS foi pior que o Cruzeiro nos dois tempos da partida. Confuso na etapa inicial, pouco incomodou e se mostrou presa fácil para contra-ataques e trocas de passes com velocidade. Não fosse a interferência da arbitragem, dificilmente teria mexido no placar.

ÁRBITROS erraram na utilização do recurso de vídeo e se complicaram nos dois lances capitais. Com a bola rolando, tomaram as decisões corretas na maior parte do jogo.

MelhorDoJogo => DEDÉ [[[44]]] Uol, Sá, Andrade, Rosan, Zuloobas, Jottar, Fivestars, Marcoalex, Velloso, Romarol, Walfrido, Wallace, Schrier, Setelagias, Marc, Penido, Bastos, Morato, Chiabi, Bitencourt, Julim, Walterson, Jacqueline, Rezende, Fonseca, Clodoália, Milani, Anchiete, Tatá, Olivieri, Klauss, Palmeira, Dourado, Walery, Drummond, Soninha, Júlio, Silvercan, Itamar, Dinho, Soares, Soalheiro, Velame —– ARRASCAETA [[[4]]] André, Silva, Mônica, Barnabé —– HENRIQUE [[[2]]] Galvão, Síndico —– CABRAL [[[1]]] Kneipp —– ROMERO [[[1]]] Patrícia —– RAFINHA [[[1]]] Dudu —– MANO [[[8]]] Jotapê, Praetzel, Blank, Gellis, Rocha, Burian, França, Guerra.

A festa do équiça

quinta-feira, 18 de outubro de 2018

BELO HORIZONTE só foi dormir às quatro da madrugada. Buzinaço, foguetório e gritos atormentaram madrugada de quem não é cruzeirense. 

Pergunto ao caro leitor: como foi a festa em sua cidade? Tenho especial curiosidade em saber como foi em Volta Redonda. Será que a notícia do équiça já chegou lá? 

Corinthians 1×2 Cruzeiro: Hexacampeão da Copa do Brasil!

quarta-feira, 17 de outubro de 2018

CRUZEIRO contra Corinthians, neste 17out18qua21h45h, em Itaquera (46 mil), São Paulo, volta das finais da Copa do Brasil 2018.

RANKING de clubes da CBF 2016: Cruzeiro é o 1º, com 15.288; Corinthians é o 6º, com 14.076.

CLASSIFICAÇÃO: Cruzeiro passou pelo Paranaense (2×1, 1×1), Santos (1×0, 1/3×2/0) e Palmeiras (1×0, 1×1). Corinthians passou por Vitória (0x0, 3×1), Chapecoense (1×0, 1×0), Flamengo (0x0, 2×1).

CRUZEIRO: Fábio — Edilson, Leo, Dedé, Romero — Henrique, Cabral — Robinho, Neves, Rafinha — Barcos. T: Mano Menezes.

BANCO: Rafael, Ezequiel, Cacá, Murilo, Hermes, Bruno, Lucas, David, Sobis, Arrascaeta, Raniel, Fred.

AUSENTES: Manoel (amigdalite), Sassá e Esgídio (suspensos).

PENDURADOS: Edílson, Egídio, Raniel.

ARBITRAGEM: Wagner do Nascimento Magalhaes (RJ), Rodrigo Figueiredo Henrique Correa (RJ), Bruno Boschilia (PR), VAR:

CORINTHIANS: Cássio — Fagner, Leo Santos, Henrique Buss, Avelar — Douglas, Ralf — Jadson — Romero, Jonathas, Sheik. T: Jair Ventura.

BANCO: Walter G, Carlos L, Vílson B, Marllon B, Pedro Henrique B, Gabriel V, Thiaguinho M, Pedrinho M, Vital M, Danilo A, Diaz A, Clayson A.

AUSENTES: Matheus Matias, Rodrigo Figueiredo, Roger (sem inscrição no torneio), Renê Júnior (lesão no joelho esquerdo), Paulo Roberto (inflamação na coxa esquerda), Araos (suspenso).

PENDURADOS: Ninguém.

ADVERSÁRIO: Fundado em 02set12, o alvinegro Sport Club Corinthians Paulista, dono da 2ª maior torcida do País, tem 2 mundiais, 1 Libertadores, 6 brasileiros, 3 copas do Brasil, 5 RioSP, 28 paulistas e 1 Brasileiro da Série B.

TRANSMISSÃO: Globo (narração de Luis Roberto, comentários de Caio Ribeiro, Bob Faria e Leonardo Gaciba). SporTV (narração de Milton Leite, comentários de Mauricio Noriega e Muricy Ramalho) Fox (narração de Pvc, Zinho, Edmundo Animal, Carlos Eugênio Simon, Fernando Caetano)..

TEMPO nublado, temperatura 27º, vento 16 Km/h, umidade 62%, às 18h.

CORINTHIANS 1×2 CRUZEIRO, 17out18qua21h45. TEMPO nublado, temperatura 25º, vento 12 Km/h, umidade 70%. LOCAL: Itaquera (46 mil), São Paulo. MOTIVO: volta das finais da Copa do Brasil 2018. TRANSMISSÃO: Globo, Sportv, Fox. PÚBLICO: 45.978 pagantes, R$5.108.151, média R$111. ARBITRAGEM: Wagner Magalhães (RJ), Rodrigo Correa (RJ), Bruno Boschilia (PR). VAR: Wilton Sampaio (G), Ivan Bohn (PR), Rodolfo Toski (PR). AMARELOS: Clayson, Jadson, Fagner, Sheik, Gabriel, Ralf, Robinho, Neves, Rafinha GOLS: Robinho, 27, Jadson, 54 (p), Arrascaeta, 81. CORINTHIANS: Cássio; Fagner, Leo Santos, Henrique, Danilo Avelar; Ralf, Gabriel (Mateus Vital, 80); Emerson Sheik (Clayson, 77), Jadson, Romero; Jonathas (Pedrinho, 67). T: Jair Ventura. CRUZEIRO: Fábio; Edilson, Dedé, Leo, Romero; Henrique, Cabral; Robinho, Neves (Lucas, 80), Rafinha (Arrascaeta, 66); Barcos (Raniel, 74). T: Mano Menezes.

HISTÓRICO: 87 jogos. Cruzeiro venceu 28, empatou 21, perdeu 38, marcou 99 gols, levou 116. Pelo Brasileiro, desde 1967, foram 66 jogos. O Cruzeiro venceu 22, empatou 17, perdeu 27, marcou 63 gols, levou 75. Os dois já decidiram dois títulos brasileiros. Em 1969, no Mineirão, Cruzeiro 2×1, mas o título ficou com o Palmeiras que fez um gol a mais, na mesma tarde, sobre o Botafogo. Em 1998, o Corinthians campeonou, com 2×2 no Mineirão, 1×1 e 2×0 no Morumbi. Em 2018, o cruzeiro venceu a Copa do Brasil com 1×0 no Mineirão e 2×1 em Itaquera. Foram disputados 5 pleiofes na história da Copa do Brasil. Corinthians levou a melhor nas oitavas de 1991 (3×1 e 1×0) e nas oitavas de 2002 (2×2 e 3×2). Cruzeiro, nas quartas de 1996 (4×0 e 2×3), nas oitavas de 1998 (3×1 e 1×1), nas quartas de 2016 (1×2 e 4×2) e na final de 2018 (1×0 e 2×1).

Mano: “Queríamos mais, mas esta vantagem é importante”

sexta-feira, 12 de outubro de 2018

PITACOS acerca do CRUZEIRO 1-0 CORINTHIANS, Mineirão, Belo Horizonte, 10out18qua21h45, ida das finais da Copa do Brasil 2018:

MANO MENEZES: Vínhamos de uma eliminação da Libertadores, tínhamos que ter postura pra buscar uma vitória em casa. Não havíamos vencido como mandante sna Copa do Brasil. A equipe teve controle do jogo. O resultado foi bom! Queríamos vencer de mais, mas foi um bom resultado, toda vantagem é importante, porque muda a postura do adversário no segundo jogo. Fábio não fez uma defesa. Agora eles vão ter que nos atacar, como nós tivemos que nos expor e atacar hoje. E atacamos bem. Soubemos atacar. Não demos nenhuma chance a um adversário que sabe jogar. O Cruzeiro entendeu o jogo e construiu a vantagem. O Corinthians não conseguiu fazer noque pretendia por méritos do Cruzeiro, não por uma escolha. Queria que atacássemos de maneira errada, pois tinham dois velocistas, um de cada lado, e o Jadson, que é inteligente,  flutuando no meio. Eu disse que se a gente atacasse de forma errada, íamos levar contra-ataques.  

THIAGO NEVES: Feliz pelo gol. A bola desviou e entrou no alto. A vantagem ‘r pequena  mas importante. Nossa preocupação era recuperar o ânimo, após a eliminação na Libertadores. A gente não estava com clima de final, a gente sabia que ia ser mais defensivo, mas o time fez uma partida equilibrada, tranquilo. Dominamos o jogo e tivemos chance de fazer uns dois ou três. Surpreendeu a todo mundo. Mano jogada pela esquerda, queria ultrapassagens por ali. O Romero e o Lucas são fortes na marcação, mas são destros. A gente teria marcação, mas não teria a saída pelo lado esquerdo. Ele conversou com os três. Treinou com o Romero, depois com o Lucas, mas surpreendeu a todo mundo escalando Cabral, que jogou bem, fez uma partida tranquila.

DOUGLAS VELLOSO: O Cruzeiro fez um jogo muito seguro, criou oportunidades, fez boas jogadas laterais, segurou a bola no ataque quando teve fôlego e entregou a bola ao Corinthians quando foi preciso. Foi uma demonstração clara de experiência. O resultado poderia ter sido mais elástico. O time celeste está entrando no limite da concentração na Copa do Brasil e criará dificuldades para o Corinthians em taquera. Na defesa, todo mundo jogou bem. Henrique e Cabral cumpriram à risca suas funções. Neves estava a fim de jogo. Rafinha venceu a desconfiança de seus críticos jogando bem.

EDUARDO ARREGUY: Egídio defendeu muito bem, e com a bola no pé, quando partia para cima da defesa adversária, chamava a marcação de três adversários para impedir sua progressão. Daí fazer falta no segundo jogo.

ROSAN AMARAL: Vencer o Corinthians numa partida de inal de campeonato não é pouco. Falar que o time jogou só pelo 1×0 é alienação. O Cruzeiro criou chances pra fazer 3×0. O melhor do Corinthians foi o goleiro Cássio. Fábio, por outro lado, só pegou um cruzamento, com bola nas mãos. Parabéns, jogadores!  Parabéns, Mano!

SOUZA: Neves jogou muito, assim como Henrique e Cabral. Este foi uma surpresa. Eu havia imaginado que seria o jogo do Lucas fazer o gol de fora da área, pra furar retranca. Mas Cabral esteve muito bem. 

ROMAROL: o comentarista Grafite disse que, da forma que joga o Corinthians, 1 a 0 não é placar mínimo, é como se fosse 2 a 0.

JOTA DIAS: Manobol raiz! Goleada de 1×0, sem sustos. Mais um jogo assim e conquistamos o hexa.

Neves, Rafinha e Henrique, os melhores do primeiro round?

quinta-feira, 11 de outubro de 2018

ATUAÇÕES dos protagonistas do CRUZEIRO 1-0 CORINTHIANS, Mineirão, Belo Horizonte, 10out18qua21h45, ida das finais da Copa do Brasil 2018:

TORCIDA CELESTE cumpriu seu papel: compareceu e apoiou seu time durante cem minutos.

FÁBIO não teve que fazer defesas difíceis. Nas fáceis, não se complicou. E fez boas ligações diretas.

EDÍLSON marcou bem, apoiou moderadamente, enfim, uma atuação segura. 

DEDÉ, perfeito na defesa, quase fez um gol em bola de corner. Jogou coma raça de sempre e venceu todas as disputas no mano a mano.

LEO fez boa cobertura da lateral esquerda, venceu os combates diretos e foi ao ataque nas cobranças de escanteio, levando perigo à defesa corintiana.

EGÍDIO jogou bem na defesa e também quando foi à área adversária, inclusive com passe para gol. Venceu as disputas individuais e fez ótima cobertura da lateral esquerda.

HENRIQUE controlou seu setor, apesar da superpovoarão de meias e volantes do Corinthians. Marcou, ocupou espaços, fez as saídas de bola com qualidade e quase marcou um gol, obrigando Cássio a uma defesaça.

CABRAL marcou, ocupou espaços, ajudou na marcação pela esquerda, deu bons passes. E fez o que pediu o técnico apoiando o ataque, criando jogadas com Egídio e Neves.

ROBINHO participou pouco do jogo, pois o time concentrou esforços do esquerdo. Fez o básico bem feito, com bons passes e marcação. 

NEVES marcou gol, chutou bola na baliza, fez tabelas, cansou, saiu um pouco mais cedo e faturou todos os motorádios. 

RAFINHA jogou com intensidade, criando dificuldades e obrigando Fagner a ficar na defesa. Criou boas jogadas individuais e também em combinações com Egídio, Cabral e Neves.

BARCOS teve uma chance de gol, não marcou, mas manteve a defesa corintiano ocupada, deixando espaços pra Neves jogar.

RANIEL tentou jogadas coletivas, individuais, errou passes, armou contrataque adversário, recompôs, movimentou-se, só não teve chance de gol. 

DAVID jogou pouco tempo, mas com empenho, especialmente, na recomposição.

SOBIS jogou menos de dez minutos, com boa vontade, mas sem chance de fazer a diferença, ou seja, o segundo gol.

MANO escalou o melhor time à disposição e fez alterações corretas. Seu time criou muitas chances e não concedeu uma sequer ao adversário. Bom trabalho.

CRUZEIRO dominou o jogo do começo ao gim, criou muitas chances de gols, mas só conseguiu converter uma. Neves, Egídio e Henrique foram os melhores. E ninguém esteve mal.

CORINTHIANS jogou para não tomar gols. Tomou um e continuou e defendendo para não tomar outro. Com muitos meio-campistas e sem centroavante, passou o tempo à espera de que seus dois pontas conseguissem contratacar, o que não aconteceu. Cássio salvou três gols e foi o melhor do time.

ÁRBITROS não cometeram erros significativos, nem se enrolaram com o var, o que já é elogiável.

MelhorDoJogo => NEVES [[[44]]] Cbf, Lance, Athos, Cássio, Soares, Gabriel, Bitencourt, Paulo, Fabrício, Romarol, Wagner, Bruno, Fivestars, Reis, Chaves, Palmeira, Milani, Leo, Gil, Soalheiro, Burian, Ivana, Bastos, Jotapê, Chiabi, Dias, Álvaro, Rezende, Morato, Avelar, Ernesto, Anchieta, Klauss, Setelagoas, Alberto, Julim, Chaves, Walfrido, Freire, Mariana, Celeste, Patrícia, Dudu —– RAFINHA [[[15]]] Sá, Evandro, Nanayoski, Zuloobas, King, Andrade, Viana, Clodoália, Guibreis, Felipe, Samuel, Emerson, Velloso, Rocha, Marilu —– HENRIQUE [[[8]]] Maurício, Rosan, Gellis, Macaco, Clodoália, Galvão, França, Barnabé —– EGÍDIO [[[4]]] Arreguy, Wallace, Schrier, Penido —– DEDÉ [[[2]]] Monica, Síndico —– TORCIDA [[[1]]] Tate —– CÁSSIO [[[2]]] Dourado, Jottar.

Cruzeiro 1×0 Corinthians: oito chances, um gol

quarta-feira, 10 de outubro de 2018

CRUZEIRO contra Corinthians, neste 10out18qua21h45h, no Mineirão (62 mil), Belo Horizonte, ida das finais da Copa do Brasil 2018.

RANKING de clubes da CBF 2016: Cruzeiro é o 1º, com 15.288; Corinthians é o 6º, com 14.076.

CLASSIFICAÇÃO: Cruzeiro passou pelo Paranaense (2×1, 1×1), Santos (1×0, 1/3×2/0) e Palmeiras (1×0, 1×1). Corinthians passou por Vitória (0x0, 3×1), Chapecoense (1×0, 1×0), Flamengo (0x0, 2×1).

CRUZEIRO: Fábio — Edilson, Leo, Dedé, Egídio — Henrique, Cabral — Robinho, Neves, Rafinha — Barcos. T: Mano Menezes.

BANCO: Rafael, Eudes, Ezequiel, Manoel, Murilo, Hermes, Brey, Romero, Bruno, Lucas, Mancuello, Raniel, David, Sobis.

AUSENTES: Arrascaeta (Seleção Uruguaia), Sassá (suspenso).

PENDURADOS: Edílson, Egídio, Raniel.

ARBITRAGEM: Anderson Daronco (RS), Alessandro Álvaro Rocha de Matos (BA), Fabricio Vilarinho da Silva (GO). Var: Wilton Pereira Sampaio (GO). Todos do quadro da Fifa.

CORINTHIANS: Cássio — Fagner, Leo Santos, Henrique, Avelar — Gabriel, Ralf — Jadson — Vital, Romero, Clayson. T: Jair Ventura.

BANCO: Walter G, Caike G, Carlos L, Mantuan L, Paulo Roberto L, Vílson B, Marllon B, Pedro Henrique B, Thiaguinho M, Pedrinho M, Araos M, Danilo A, Jonathas A, Diaz A, Sheik A.

AUSENTES: Matheus Matias, Rodrigo Figueiredo, Roger (sem inscrição no torneio), Douglas (suspenso), Renê Júnior (lesão no joelho esquerdo), Paulo Roberto (inflamação na coxa esquerda).

PENDURADOS: Ninguém.

ADVERSÁRIO: Fundado em 02set12, o alvinegro Sport Club Corinthians Paulista, dono da 2ª maior torcida do País, tem 2 mundiais, 1 Libertadores, 6 brasileiros, 3 copas do Brasil, 5 RioSP, 28 paulistas e 1 Brasileiro da Série B.

TRANSMISSÃO: Globo, com Luís Roberto, Caio Ribeiro, Bob Faria e Paulo César Oliveira. Sportv, com Milton Leite, Mauricio Noriega e Muricy Ramalho.

TEMPO claro, temperatura 30º, vento 8 Km/h, umidade 37%, às 15h.

CRUZEIRO 1×0 CORINTHIANS, 10out18qua21h45. TEMPO limpo,  temperatura 25º, vento 10 Km/h, umidade 50%. LOCAL: Mineirão (62 mil), Belo Horizonte. MOTIVO: ida das finais da Copa do Brasil 2018. TRANSMISSÃO: Globo, Sportv. PÚBLICO: 46.308 pagantes, 53.368 presentes; R$4.169.227, média R$90. ARBITRAGEM: Anderson Daronco (RS), Alessandro Matos (BA), Fabricio Vilarinho (GO). Var: Wilton Sampaio (GO). AMARELOS: Henrique, Egídio, Neves, Santos, Jadson, Araos VERMELHO: Araos, 92. GOL: Neves, 45+1.  CRUZEIRO: Fábio; Edilson, Dedé, Leo, Egídio; Henrique, Cabral; Robinho, Neves (David, 81), Rafinha (Sobis, 88); Barcos (Raniel, 74). T: Mano Menezes. CORINTHIANS: Cássio; Fagner, Leo Santos, Henrique, Avelar; Gabriel, Ralf; Jadson (Sheik, 80); Vital (Araos, 67), Romero, Clayson (Pedrinho, 60). T: Jair Ventura.

HISTÓRICO: 86 jogos. Cruzeiro venceu 27, empatou 21, perdeu 38, marcou 97 gols, levou 115. Pelo Brasileiro, desde 1967, foram 66 jogos. O Cruzeiro venceu 22, empatou 17, perdeu 27, marcou 63 gols, levou 75. Os dois já decidiram dois títulos brasileiros. Em 1969, no Mineirão, Cruzeiro 2×1, mas o título ficou com o Palmeiras que fez um gol a mais, na mesma tarde, sobre o Botafogo. Em 1998, o Corinthians campeonou, com 2×2 no Mineirão, 1×1 e 2×0 no Morumbi. Foram disputados 5 pleiofes na história da Copa do Brasil. Corinthians levou a melhor nas oitavas de 1991 (3×1 e 1×0) e nas oitavas de 2002 (2×2 e 3×2). Cruzeiro, nas quartas de 1996 (4×0 e 2×3), nas oitavas de 1998 (3×1 e 1×1) e nas quartas de 2016 (1×2 e 4×2).