Arquivo da Categoria ‘Copa do Brasil 2015’

A saga do penta

terça-feira, 17 de outubro de 2017

CLAUDINEI VILELA

A 29ª Copa do Brasil começou em 08fev17 e terminou em 27set17 perante 61 mil espectadores, recorde do novo Mineirão. Foi disputada por 91 clubes, teve 120 partidas e 282 gols foram marcados até encontrar seu dono, o Maior de Minas.

Gigante incontestado em seu pentacampeonato, o Cruzeiro não teve vida fácil. De cara, enfrentou o Volta Redonda, campeão da série D, invicto em seu estádio há mais de um. Decisão em partida única. que o Cruzeiro venceu por 2×1, desprezando a vantagem do empate.

Na segunda fase, ainda em partida única, o Cruzeiro goleou o São Francisco por 6×0 no Mineirão, o maior placar desta edição da Copa. Nesta segunda fase, Coxa, Bahia e Ponte,  da séria A, fi[oram desclassificados, enquanto o  Corinthians só eliminou o pequeno Brusque nos pênaltis.

Na terceira fase, já com partidas de ida e volta, Cruzeiro bateu o Murici, que havia passado pelo América mineiro, com vitórias de 2×0, em Alagoas, e 3×0, em Minas.

Separados os fortes dos fracos, a 4ª fase veio com os clássicos e o São Paulo foi a pedra no caminho celeste. O time paulista tem imensa vantagem no confronto direto em jogos do Brasileiro, mas não na Copa do Brasil. E o Cabuloso passou, vencendo em Sampa por 2×0 e perdendo no Mineirão, por 2×1, fechando a ´serie com 3×2 no placar agregado.

Nas oitavas de final entraram os times que estavam na Libertadores? Ok! O destino nos reservou a Chapecoense, a  “queridinha do Brasil”. E foi uma guerra. Vitória magrinha de 1×0 no Mineirão e empate sofrido, por 0x0 na Condá, com pancadaria no pós-jogo;

Quartas de final teve duelo contra o Palestras, atual campeão Brasileiro, clube que investiu mais de R$100 milhões em 2017, tido como favorito em todos os torneios da temporada.

No jog de ida em São Paulo, o time celeste abriu vantagem de 3×0 na etapa inicial, mas os verdes buscaram o empate na fase derradeira do jogo. Na volta, o Palmeiras fez o 4º gol no agregado e o Cruzeiro só conseguiu a classificação com Diogo Barbosa aos 84, com uma cabeçada na entrada da pequena ãrea porcina. 

O lateral se disse “no lugar errado, mas na hora na hora certa”. Cuca, técnico do Palmeiras atribuiu o gol à inciativa que o jogador celeste teve na busca pelo empate. Iniciativa de quem não se conforma quando só a tática não está resolvendo. 

Se Diogo era o cara errado na hora certa, não se pode dizer que o Cruzeiro estaria no lugar errado em uma semifinal de Copa do Brasil, afinal, está foi a 9ª vez do clube nesse lugar privilegiado nas 21 vezes em que disputou o torneio.

Grêmio, o adversário, era o bicho-papão, o melhor time brasileiro, segundo opinião generalizada de torcedores e cronistas esportivos.  E o tricolor fez valer o mando, vencendo por 1×0 em Porto Alegre. Pouco pra quem teria que visitar o Mineirão.  Muito pouco contra um Cruzeiro que possui 71% de aproveitamento como mandante na história do torneio. E foi Hudson, de cabeça, no início da etapa final, quem devolveu o 1×0 e levou o jogo para os pênaltis.

Nas cobranças alternadas, Fábio defendeu chute de Luan, o jogador mais caro em atividade no país. Do resto, cuidaram as balizas do Mineirão, que cercaram mais dois petardos dos gaúchos.

Veio a decisão contra o marrento Flamengo, que teve receita de R$510 milhões contra R$240 milhões do Cruzeiro em 2016. Nas arquibancadas seis mil cruzeirenses calaram 50 mil flamengos várias vezes, pra espanto de quem via o jogo in loco ou na televisão. E, na cancha, ao contrário dos departamentos contábeis, os valores ficaram iguais, com placares de 1×1 no Rio e 0x0 em Beagá.

A final remetia à de 2003 entre os dois clubes, que terminou também com o caneco indo pro Barro Preto. Arrascaeta, voltando de lesão, ainda não estava pronto pra 90 minutos de uma decisão, mas teve que substituir o lesionado Raniel logo aos 5.  Foi um jogo travado em seu tempo regular, com uma disputa de pênaltis de arrepiar.

Fábio, masis uma vez, foi decisivo, defendendo a cobrança de Diego Ribas, o astro do elenco rubronegro. e Thiago Neves, mesmo escorregando, meteu a bola decisiva no ângulo! Gol, gol, gol, gol, gol, gritou Alberto Rodrigues. É penta, é penta, é penta, é penta, é penta, teria dito Galvão Bueno, não fosse seu coração rubronegro.

Ao Voltaço, ao São Francisco, ao Murici, aquele abraço! Ao bicho-papão São Paulo e ao Índio Condá, aquele abraço! |Ao primo rico, o  Palestra paulista, e ao Copeiro Grêmio, aquele abraço! E à torcida do Flamengo, aquele abraço!!! Pentacampeão incontestável, com todos os méritos, depois de disputar todas as fases da competição.

E não há dor de cotovelo de mesaredondista, nem torcedor secador, que desmereça essa saga do Maior de Minas rumo a seu 9º título nacional. Até 2018!

A bufunfa

quarta-feira, 4 de outubro de 2017

FINAL da Copa do Brasil teve renda de R$7,881 milhões. Despesas consumiram 42% do valor bruto.

Sobraram R$4,567 milhões para o Cruzeiro. O prêmio pelo título será de R$6,5 milhões.

Com esse dinheiro, salários e demais direitos podem ser pagos em dia. Ou não?

Flávio Carneiro: “Jogo coletivo foi mais importante do que as individualidades”

sábado, 30 de setembro de 2017

PITACOS de blogueiros e jornalistas acerca do CRUZEIRO 0/5-0/3 FLAMENGO, neste 27set17qua21h45, no Mineirão, Belo Horizonte, jogo de volta da decisão da Copa do Brasil 2017:

MURICY RAMALHO: O time do Cruzeiro é mais organizado que o do Flamengo.

MARCUS OLIVEIRA: Tradição copeira e camisa pesam em finas. Difícil imaginar um time empatando 5 de seus últimos 8 jogos, triunfando em duas disputas de pênaltis, sobrevivendo sempre pra buscar o título. Mais uma página heróica imortal.

ANDRÉ RIZEK: Goleiro faz toda a diferença. Mas malhar Muralha por não pegar pênalti é sacanagem. Ponto fora da curva da final é a falha do Thiago no Rio.

CLÁUDIO ARREGUY: Fábio voltou ao gol do Cruzeiro como se não tivesse ficado nove meses fora. E pegou pênaltis do craque do Grêmio e do craque do Flamengo.

JE DOURADO: Como torcedor, estou muito feliz mas, analisando racionalmente, esse titulo foi na tradição e na sorte. Conquista dessa expressão com Ezequiel, Robinho, Alisson, Elber e o Neves jogando de centroavante só com muita sorte. E com um treinador que joga na defesa o tempo todo

CINCO ESTRELAS: Conquista especial, com Fábio pegando pênalti, Leo sendo monstro na zaga pra calar aqueles que só veem qualidade em “mitos” forjados. E com Henrique, que joga o fino há tempos, sendo o capitão. Sem contar o grande número de jogadores da base no elenco

MATEUS CHAVES: Lamento muito pelos caras que são genuinamente cruzeirenses e mais genuinamente burros por não curtirem Fábio, Leo e Henrique, que são muito ídolos.

FELIPE CARDOZO: Em 2015, eu disse que Alisson e Elber tinham potencial pra disputaras as Olimpíados do Rio e que ainda seriam protagonistas em muitas campanhas de títulos. Fui achincalhado, mas hoje está aí o Alisson, ao lado dos Três Reis Magos com mais títulos que as frangas, exaltadas por muita gente deste blog, no começo de ano.

CELESTE CAMPOS: Alguns jornalistas e torcedores querem desmerecer a vitória do Cruzeiro, dizendo que o Muralha é ruim (discordo) e que o gol do Neves teria sido irregular (no foi). Um dia depois do jogo, esperando minha filha prestar exame de duração, verifiquei que nas rodas de conversa que a percepção dos torcedores de outros times era diferente. Elogiavam muito o jogo, em especial, o Fábio. Isso em Sorocaba. O torcedor gosta de jogo disputado, emocionante. Só o pessoal da imprensa não enxergam e no ouvem as ruas.

FLÁVIO CARNEIRO:  Mano montou um time competitivo e capaz de conquistar um título tão importante. Muitos jogadores também merecem elogios, mas o jogo coletivo foi mais importante do que qualquer individualidade.

Fábio: “Glória a Deus!”

sexta-feira, 29 de setembro de 2017

PITACOS dos comandantes do título celeste do CRUZEIRO 0/5-0/3 FLAMENGO, neste 27set17qua21h45, no Mineirão, Belo Horizonte, jogo de volta da decisão da Copa do Brasil 2017:

MANO MENEZES: O Cruzeiro foi se moldando, e o mérito é dos jogadores, que entenderam nosso pensamento. Tivemos várias vezes que interferir em momentos importantes. Contra o Palmeiras, em São Paulo, tivemos de explicar que o 3×3 era bom. Não adianta esquecer o que realmente é. Como o lado externo influencia na crítica, o jogador deixa escapar a oportunidade de evoluir na competição. Estamos contentes, é a coroação de uma grande campanha. É a hora de comemorar. A perda do Mineiro e a eliminação precoce na Sul-Americana serviram de aprendizado. O Cruzeiro veio crescendo e aprendendo a jogar durante a temporada. Tivemos oscilações, como na eliminação da Sul-Americana e quando perdemos o Mineiro. Embora nunca se goste de perder, foram passagens necessárias pra chegarmos a este ponto. Hoje o Cruzeiro é uma equipe com identidade, jeito de jogar, sabe enfrentar os problemas e as dificuldades do jogo de forma como fez hoje. Tivemos um dificuldade extrema que foi um jogador tão cedo, depois, a lesão com Robinho. Foi um jogo parelho, voltamos melhores no 2º tempo, lutamos pelo gol até o último minuto e conquistamos o título nas penalidades. Deu a emoção, mas acima de tudo, foi justo pelo que o Cruzeiro está fazendo.

HENRIQUE: Sinceramente, não pensamos em nenhum momento no que se fala sobre o atleta Muralha. Nós jogamos o jogo conforme tinhámos que jogar, queríamos vencer, não queríamos levar pros pênaltis, pra não sofrer tanto com a caminhada pra cobrança. Vc sai de lá e o gol é grande, vai caminhando e o gol só vai diminuindo… Estávamos muito confiantes, porque no dia anterior, em dois dias treinamos os pênaltis e treinamos bem. Quando se tem confiança, você vai seguro. E graças a Deus temos um goleiro gigante que cresce nesses momentos.  O Mano perguntou se eu cobraria primeiro, porque eu havia treinado muito bem. Treinei chutar nos dois cantos e no meio. Como fui o primeiro, preferi bater um pênalti seguro, pra dar confiança aos companheiros que vinham em seguida. Pênalti tem que fazer o que é seguro, não inventar, e o primeiro tem de passar confiança pros demais.

FÁBIO: Deus é sempre fiel. Ano passado, nos momentos de muita luta, tirei muitas lições, mas Deus é quem determina até o dia em que vou continuar jogando e ele é quem vai me justificando dentro de campo. Muitos falaram que eu não ia jogar mais, que não tinha condição de jogar em alto nível, mas quero dizer pra ninguém deixear de sonhar porque Deus realiza sonhos e isto que estou vivendo hoje é porque Deus realizou mais um sonho em minha vida. E tem o trabalho do Robertinho e dos vídeos que temos. Mas na hora ;e que se decide se vai continuar fazendo o que viu no vídeo ou se alterna muda de canto. O cara tem três opções: esquerda, direita ou meio, então Deus tem que direcionar e Ele me proporcionou essa oportunidade de ser novamente campeão. Glória a Deus!

LEO: A gente tenta fechar a perna boa do atacante, mas como o Guerrero é um jogador que finaliza bem com as duas, fica uma certa dúvida, uma certa dificuldade. Naquele lance, ele gingou pra direita, que era a perna boa. Eu tirei, a bola bateu nas duas pernas dele e ainda sobrou pra ele. Aí é torcer pro Fábio fazer uma boa defesa. É um centroavante que usa um espaço curtinho pra finalizar. Não dá tempo de a gente se recuperar. Graças a Deus, o Fábio fez grande defesa. Quando passa da zaga, tem o Fábio, que sempre defende, sempre faz o melhor.

Fábio fez as duas defesas do tíitulo

quinta-feira, 28 de setembro de 2017

ATUAÇÕES dos protagonistas de CRUZEIRO contra Flamengo, neste 27set17qua21h45, no Mineirão (62 mil), Belo Horizonte, jogo de volta da decisão da Copa do Brasil 2017:

TORCIDA CELESTE quebrou o recorde de público do novo Mineirão, fez uma festa tremenda antes e depois da partida. No decorrer do jogo, cantou alto e fez balançar as arquibancadas várias vezes. (Síndico)

FABIO foi um dos heróis. Salvou o time no fim do 2º tempo e conseguiu pegar o pênalti cobrado por Diego Ribas, um dos craques do Flamengo. Ficou claro o peso de sua experiência. (Ernesto Araújo)

EZEQUIEL defendeu bem e ainda participou de várias jogadas de ataque.  (Ernesto Araújo) —– EZEQUIEL foi o ponto mais fraco da defesa e apoiou mal, mais uma vez. É muito esforçado. No geral, não comprometeu, mas ficou devendo. (João Chiabi)

LEO foi outro herói. No só da decisão, mas de toda a competição. Perdeu somente uma jogada, que Fábio corrigiu. Mostrou autoridade na cobrança de pênalti.  (Ernesto Araújo)

MURILO sentiu alguma dificuldade nas saídas, pareceu um pouco nervoso, mas teve sucesso na maioria das disputas diretas. (Ernesto Araújo)

BARBOSA não foi brilhante como em outras partidas, mas cumpriu suas tarefas defensiva e ofensivas. Vacilou apenas quando deu um carrinho perigoso, que poderia ter lhe custado a expulsai. No fim, compensou os erros com uma cobrança de pênalti excepcional.  (Ernesto Araújo)

HENRIQUE foi o maestro. Impecável na marcação e na distribuição de jogo. 

HUDSON foi um dos heróis do título, com atuação pra ser lembrada sempre. Foi decisivo, ao pé da letra. 

NEVES trabalho muito e chegou o fim do jogo exausto errando bastante, Apesar disto, coube a ele bater o pênalti do penta.  (Ernesto Araújo)

ROBINHO não fez a diferença, como já conseguiu fazer no passado, a parte física não está em dia e parece ter sofrido nova lesão. Uma pena. Tal qual Sobis, é um jogador que, jogando o que pode, acrescenta muito ao Cruzeiro. Foi discreto enquanto esteve em campo.  (Ernesto Araújo) —– ROBINHO não atuou bem. Fazia a função tática de fechar a segunda linha pela direita, com correção, mas sem aparecer pro jogo. Muito preso a seu quadrado, sem criar um único lance de perigo. Sentiu a perna e saiu no intervalo. (João Chiabi)

RAFINHA contribuiu com sua determinação e infinito espírito de luta.

NEVES tentou jogar, mas não esteve em seus melhores dias. Errou uma conclusão a gol. De qualquer forma, foi um dos pilares do time e do elenco. E fez o gol do título. (João Chiabi)

ALISSON, criativo e combativo, fez grande partida. 

RANIEL saiu aos cinco minutos, com distensão. 

ARRASCAETA substituiu Raniel logo no começo, foi decisivo no ataque e teve fôlego, ao contrário do que se temia, pra ir até o fim, com futebol de alto nível. 

MANO, mais uma vez, mostrou-se mais ortodoxo do que pacote de Maisena. Não mudou nada no que vinha fazendo durante o torneio. Desta vez, por, treinou pênaltis e botou homens pra cobrá-los. Foi o upgrade que lhe deu 0 segundo caneco da Copa do Brasil. 

CRUZEIRO foi um time extremamente cuidadoso durante a partida e tranquilo nas cobranças de pênalti.

FLAMENGO não teve a bola na etapa inicial, mas nada produziu de significativo. Sofreu mais na etapa final, quando escapou de tomar um gol de Arrascaeta e chegou aos pênaltis contando em seus bons cobradores, Só que um deles paru em Fábio e entregou o penta ao Cruzeiro. E o técnico colombiano não acrescentou nada ao time bem armado pelo brasileiro que o antecedeu. 

ÁRBITROS levaram o jogo com sabedoria, sem estrelismos, como um Héber Roberto Lopes qualquer teria feito. O Juiz marcou em cima, distribuiu cartões na hora e pelos motivos corretos. E, sobretudo, não mexeram no placar. (Síndico)

FÁBIO [[[31]]] Lancenet, Lauanda, Prado, Blank, Rosan, Economista, Wagner, Souza, Velloso, João, Dias, Celeste, Fabrício, Dourado, Ernane, Eloi, Setelagoas, Monica, Rossi, Mol, Andrade, Ivana, Mariana, Drummond, Rocha, Rezende, Júnia, Palmeira, Muniz, Patrícia, Dudu —– LEO [[[15]] Filipe, Carvalho, Viana, Ccc, Diogo, Oliveira, Ianni, Romarol, Andreluiz, Julim, Jotapê, França, Barreto, Maury, Síndico —- HUDSON [[[14]]] Velame, Barros, Braga, Bitencourt, Renato, Lincoln, Toninho, Walfrido, Gil, Walterson, Walery, Milani, Dulce, Pedro —–  HENRIQUE [[[5]]] Arcanjo, Galvão, King, Saddi, Barnabé —– MURILO [[[2]]] Chiabim Itamar —– ARRASCAETA [[[1]]] Ernesto —– MANO [[[4]]] Estevão, Vilela, Schrier, Burian —– TORCIDA CELESTE [[[1]]] Andrelino.

Cruzeiro 0/5×0/3 Flamengo: Pentacampeão!

quarta-feira, 27 de setembro de 2017

CRUZEIRO contra Flamengo, neste 27set17qua21h45, no Mineirão (62 mil), Belo Horizonte, jogo de volta da decisão da Copa do Brasil 2017.

RANKING da CBF: Cruzeiro é o 6º, com 14.202; Flamengo, o 9º, com 11.952.

CLASSIFICAÇÃO: Cruzeiro chegou às semifinais passando por Volta Redonda, São Francisco, Murici, São Paulo, Chapecoense, Palmeiras e Grêmio. O Flamengo desclassificou Goianiense, Santos e Botafogo.

CRUZEIRO: Fábio — Ezequiel, Leo, Murilo, Barbosa — Henrique, Hudson — Robinho, Neves, Alisson — Raniel. T: Mano Menezes.

BANCO: França, Rafael, Lennon, Bryan, Arthur, Manoel, Romero, Nonoca, Lucas, Elber, Rafinha, Arrascaeta.

AUSENTES: Dedé, Manoel, Judivan, Cabral (lesionados), Sassá, Marques, Messidoro, Galhardo e Digão (sem inscrição), Sobis (suspenso).

ARBITRAGEM:  Luiz Flávio de Oliveira, Marcelo Carvalho Van Gasse, Danilo Ricardo Simon Manis (SP)

FLAMENGO: Muralha — Pará, Réver, Juan, Trauco — Cuéllar, Arão — Berrio, Diego, Everton — Guerrero. T: Reinaldo Rueda.

BANCO: Gabriel Batista G, Leo Duarte B, Rafael Vaz B, Rodinei L, Renê L, Márcio Araujo V, Matheus Sávio M, Mancuello M, Felipe Vizeu A, Vinicius Jr A, Gabriel A.

AUSENTES: Thiago (lesionado), Everton Ribeiro, Rhodolfo, Geuvânio, Diego Alves (sem inscrição).

TEMPO nublado, temperatura 20º, vento 10 Km/h, umidade  65%.

TRANSMISSÃO: Fox, Globo (Galvão Bueno, Junior, Bob Faria,  Arnaldo Cezar Coelho, Eric Faria, Guto Rabelo). SporTV e Premiere Internacional (Milton Leite, Muricy Ramalho, Maurício Noriega, Pedro Correia).

CRUZEIRO 0x0 FLAMENGO (Cruzeiro 5×3, nos pênaltis), 27set17qua21h45. TEMPO nublado, temperatura 20º, vento 10 Km/h, umidade 65%. LOCAL: Mineirão (62 mil), Belo Horizonte. MOTIVO: jogo de volta das finais da Copa do Brasil, 2017. TRANSMISSÃO: Globo, SporTV, Fox. PÚBLICO: 56.467 pagantes, 61.017 presentes, R$7.897.058, média R$140. ARBITRAGEM: Luiz Flavio Oliveira, Marcelo Carvalho Van Gasse, Danilo Ricardo Simon Manis (SP). AMARELOS: Ezequiel, Hudson, Pará, Guerrero. PÊNALTIS: Henrique, Guerrero, Leo, Juan, Hudson, Diego (Fábio defendeu), Barbosa, Trauco, Neves. CRUZEIRO: Fábio, Ezequiel, Leo, Murilo, Barbosa; Henrique, Hudson; Robinho (Rafinha), Neves, Alisson (Elber); Raniel (Arrascaeta). T: Mano Menezes. FLAMENGO: Alex Muralha, Pará, Réver, Juan, Trauco; Cuéllar, Arão — Berrío (Rodinei), Diego, Everton (Paquetá); Guerrero. T: Reinaldo Rueda.

Time da final da CB está pronto

sexta-feira, 22 de setembro de 2017

O TIME DA FINAL da final da Copa do Brasil venceu o Sub17, por 6×0, na Toca II, nesta sexta. 

  • Fábio — Ezequiel, Leo, Murilo, Barbosa — Henrique, Hudson — Robinho, Arrascaeta (Alisson), Neves — Raniel.

Formação previsível. Ou haveria outra melhor, caro leitor?

Estado de espírito

quinta-feira, 21 de setembro de 2017

DATASAN liberou relatório com os numeros do estado de espirito do Síndico pra final da Copa do Brasil

Eis os resultados, numa escala de 0 a 100:

  • Ansiedade: 0
  • Confiança no penta: 53
  • Preocupação coma possibilidade de disputa de pênaltis: 97
  • Impaciência com o auê: 100 (saco cheio)

E os números do  seu relatório, caro leitor, quais são?

Alisson no estaleiro

quarta-feira, 13 de setembro de 2017

ALISSON sofreu entorse que afetou ligamentos do joelho. Vai parar uma semana pra tratamento. Depois, sai o prognóstico.

Sem drama, por favor! Lesões acontecem no futebol. Não culpem o atleta, os médicos, o técnico, nem mesmo o adversário.

Apoiem o substituto e bola pra frente!

Mano: “Era o mínimo que buscávamos, saímos satisfeitos”

sábado, 9 de setembro de 2017

PITACOS acerca do FLAMENGO 1×1 CRUZEIRO, neste 07set17qui21h45, no Marcanã (78 mil, Rio, jogo de ida das finais da Copa do Brasil 2017.

MANO MENEZES: O Flamengo conseguiu controlar bem o jogo, criando as iniciativas. Nós até iniciamos bem, mas da  metade até o fim 1º tempo não conseguimos mais segurar a bola na frente. Aí passamos a ser atacados com muita frequência. Erramos muito a saída de bola. Alguns problemas são normais, em outros pontos estivemos abaixo, tudo dentro da normalidade pra um jogo esses. Saímos atrás, mas tivemos forças pra buscar o empate. Se tivéssemos um pouquinho mais de força física, no final, com Robinho, poderíamos ter virado o placar, pelas duas chances que tivemos. Mas Robinho não tinha mais condições. É normal. O resultado foi bom e leva a decisão pra nossa casa. Era o mínimo que buscávamos e saímos satisfeitos. Agora, vamos trocar o estádio e a cor da arquibancada, que fez muita diferença hoje e, certamente, vai fazer no Mineirão.

ARRASCAETA: Meu gol foi muito importante e agradeço ao departamento médico do Cruzeiro. Fizemos um trabalho intensivo e acreditamos muito que eu podia voltar na  final. Foi um período longo. Fiquei tratando a minha perna de segunda à domingo, dobrando turnos, com pouco tempo de folga. Eles se dedicaram muito e esse gol é para eles.

DOUGLAS VELLOSO: O jogo não foi um primor. Melhor pro Cruzeiro, que este bem na defesa, com alguns poucos erros na cobertura das laterais. O que faltou foi usar o ataque com mais frequência, tentar mais o gol, ser mais incisivo. Robinho estava apagado e era ele quem teria de fazer a bola chegar aos atacantes. Alisson limitou-se à contenção pelos lados, sem  produzir jogada em velocidade. A bequeira e os volantes estiveram bem postados e o Fábio mostrou sua qualidade diferenciada.

VALDIR CUNHA: O Cruzeiro terminou com mais fôlego. porque é mais time. Respeitar, sim, mas jogar por uma bola é exagero. O Cruzeiro tem time pra jogar em cima e ganhar sem sustos.

ERNESTO ARAUJO: Torcedor consciente não deve reclamar de impedimento no gol do Flamengo. Time que fica tomando pressão por um tempo tão prolongado, entrega sua sorte ao árbitro e ao adversário.

SETELAGOAS: Tá certo que já estava sem goleiro e com a bola quase parando, mas o Arrascaeta foi pro rebote como se estivesse numa pelada do Aterro. Vai ser frio e calmo lá assim, lá na Baixa da Égua!