Arquivo da Categoria ‘Comentários’

Top 5: Meus lugares na BH120

terça-feira, 12 de dezembro de 2017

MEUS LUGARES preferidos na minha BH120:

  1. SALA MINAS GERAIS, onde ouço concertos da Filarmônica de Minas Gerais, a mais profissional do Brasil. Sala e orquestra são de emocionar até quem é surdo e cego. Ou pior, aprecia funk e outras manifestações trogloditas. 
  2. MINEIRÃO, o melhor estádio do Brasil, um teatro onde acompanha jogos do Cruzeiro, com segurança e conforto.
  3. PAMPULHA, onde, flanando, aprecio o paisagismo de Burle Marx, a arquitetura de Oscar Niemeyer e homenageio Juscelino Kubitscheck, o maior prefeito da história da cidade, não pichando as obras (ao contrário da professora petista da UFMG, que justifica tal crime).
  4. PRAÇA DA LIBERDADE, com sua alameda de inigualável beleza, seus prédios históricos e seu Circuito Cultural, prenhe de museus bem cuidados e agradáveis cafés.
  5. 4º ANDAR DO BH SHOPPING, meu circuito pra caminhada (estacionamento a céu aberto e corredores), onde aprecio mulheres elegantes, folheio revistas e livros na Fnac, confiro novidades eletrônicas na Fast e tomo café na Nespresso proseando uma sósia da Julia Roberts. 

Ficou com inveja? Mude-se pra cá.

No que eles acreditam

segunda-feira, 11 de dezembro de 2017

Cada time tem lá suas preferência na hora de montar seu elenco:

  • Grêmio: jogador rodado
  • Santos: prata da casa
  • Flamengo: etiqueta
  • Corinthians: jogador tático
  • Palmeiras: jogador caro
  • Fluminense: jogador barato
  • Mineiro: jogador com passagem pelo Cruzeiro
  • Chape: jogador encostado
  • Ponte: jogador escroto

E o Cruzeiro, caro leitor?

Top 5: Legado de Gilvan

domingo, 10 de dezembro de 2017

GILVAN fez besteiras aos montes, mas também, acertou. E, quando acertou, fez histórias. como nessas cinco ocasiões:

  1. BICAMPEONATO brasileiro 13/14.
  2. CONQUISTA da Copa do Brasil 2017.
  3. CAMPEONATO Mineiro 2014.
  4. PACIÊNCIA com Roth, Marcelo e Mano, não os demitindo na primeira chiadeira da torcida. 
  5. CONTRATAÇÕES  de Arrascaeta, Ribeiro, Goulart, Egídio , Neves.

E vc, caro leitor, viu algo mais de positivos nesses seus anos de Gpt?

Top 5 do desgosto profundo

sexta-feira, 8 de dezembro de 2017

O que mais me encheu o saco em 2017 (no futebol, por suposto):

  1. Calotes do Cruzeiro.
  2. Sucessão no Cruzeiro, com grana e conchavos vencendo ideias.
  3. Perseguição implacável do Mano ao Ábila.
  4. Heber Roberto Lopes não ter se aposentado.
  5. Rebaixamento do Avaí, time lutador e que apostou no técnico.

Teve mais, muito mais. Vou desfiando as mágoas nos comentários.

Por ora, só quero saber dos desgostos e mágoas, do caro leitor.

Dá pra encarar?

sexta-feira, 8 de dezembro de 2017

Matéria do ILISP: 

Os homens dominarão os esportes femininos disfarçados de “mulheres trans”

Vanessa Rodrigues 

Em fevereiro de 2017, Tiffany Abreu, de 33 anos, foi a primeira “mulher trans” brasileira que conseguiu autorização da Federação Internacional de Volei para atuar em um time feminino. Tiffany atuava em um time da Itália, o Golem Volley, e em uma das partidas marcou 28 pontos, sendo “a” melhor “jogadora” em quadra. Agora, irá atuar na brasileira Superliga feminina de vôlei, no time de Bauru. Tiffany nasceu Rodrigo, sempre atuou em campeonatos masculinos, tem 1,94 metro de altura e “virou” Tiffany há um ano, quando atuava em um time da segunda divisão belga. Atento ao potencial de Tiffany jogando contra mulheres, o técnico da seleção brasileira de vôlei, José Roberto Guimarães, já admite que “ela” pode fazer parte do time nacional.

Em março deste ano, Laurel Hubbard, “mulher trans” de 39 anos, venceu uma competição de levantamento de peso feminino na Austrália. Laurel quebrou quatro recordes ao levantar 268 quilos, 19 quilos a mais do que a segunda colocada, na categoria para mulheres que pesam mais de 90 quilos. Oito meses depois, no Mundial de Halterofilismo, Laurel levantou 275 quilos e ganhou a medalha de prata. Laurel nasceu Gavin, competiu contra homens e chegou a bater o recorde júnior da Nova Zelândia (na categoria para atletas com mais de 105 quilos) levantando 300 quilos. Para não competir com Laurel, a melhor halterofilista neozelandesa, Tracey Lambrechs, perdeu 17 quilos a fim de competir na categoria até 90 quilos.

Em 2013, a “mulher trans” Fallon Fox lutou contra Alanah Jones por uma organização de MMA com menor expressão (Championship Fighting Alliance) e a venceu sem grandes dificuldades. A participação de Fallon Fox foi bastante criticada pelo público e por outras atletas do MMA como Ronda Rousey, Miesha Tate e a brasileira Bethe Correia. Para Ronda – que se negou a lutar contra Fallon – a “mulher trans” possuía uma vantagem injusta sobre as mulheres. O presidente do Ultimate Fighting Championship, principal organização de MMA, Dana White, concordou com Ronda: “A estrutura óssea é diferente, as mãos são maiores, a mandíbula é maior, tudo é maior. (…) Eu não acredito que alguém que ‘era um homem’ deveria lutar contra uma mulher”.

O assunto é alvo de debates inclusive entre as vertentes do próprio movimento feminista. Feministas “transativistas” chamam suas oponentes de “feministas radicais trans excludentes” e “transfóbicas”, chegando ao ponto de classificar como “transfobia” a afirmação “as verdadeiras mulheres menstruam” porque exclui “mulheres trans”. Por outro lado, feministas que consideram que as “mulheres trans” continuam sendo homens – com base na anatomia e na biologia –-acusam as “transativistas” de colocar “sentimentos de gênero de homens abusivos” acima das reais mulheres permitindo que ocupem “espaços exclusivos para mulheres” como um verdadeiro “Cavalo de Troia”.

A briga entre feministas por causa das “mulheres trans” chegou às páginas dos jornais quando feministas picharam o banheiro feminino da Unicamp com frases destinadas como “não deixe que os machos invadam nossos espaços”, “ser mulher não é calçar nossos sapatos” e “vou cortar sua pica”. Os argumentos das feministas continuaram online: “mulheres trans são estupradores em potencial porque têm pinto” foi um dos principais.

Independente dos argumentos sobre a “ideologia de gênero”, visto que não falamos de construções sociais mas de fatores puramente biológicos e genéticos, é justo que indivíduos que continuam sendo biologicamente homens disputem torneios e competições contra mulheres? Mesmo com tratamento de reposição hormonal para diminuir o nível de testosterona, Tiffany Abreu se destaca, Laurel Hubbard quebrou recordes e Fallon Fox tem uma carreira de vitórias no octógono. Dana White e Ronda Rousey parecem estar certos quando afirmam que há vantagens biológicas das “mulheres trans” sobre as mulheres.

Pelo visto nos próximos anos veremos ainda mais “mulheres trans” quebrando recordes, ganhando espaços em torneios internacionais femininos e ocupando o lugar originalmente destinado àquelas nascidas mulheres. É justo? Levando em conta as evidências que temos, está claro que não.

E aí, minha cara amiga leitora, dá pra encarar?

A cada dia, uma nova traminha

quinta-feira, 7 de dezembro de 2017

VICTOR LUIZ, lateral-esquerdo do Palmeiras emprestado ao Botafogo, é o novo alvo de Sá & Cia. Isto com Egídio recém-contratado e tendo Bryan e o Victor Luiz do Sub20 já no elenco. 

Precisa mesmo de tanta gente pra mesma beirada de campo? Às vezes, tenho a impressão de que os cartolas querem negociar, não importa quem, nem pra quê.  O negócio é negociar. 

E vc, atento leitor, que impressão tem desse transacionismo desenfreado? Sá ainda nem foi empossado e já se falou de Dudu, Rafinha, Pratto, Bruno, Victor, Carleto, Ricardo e o escambau! 

Enquanto isto, as frangas tentam Scarpa, um ótimo armador, sem se perder em especulações, nem conversa pra enganar torcedor trouxa. 

Top 5 dos pesadelos

quinta-feira, 7 de dezembro de 2017

FIM DE TEMPORADA, cabeça vazia, calculadora encostada, nada de cortar prego com pleiofe, sem medo da zoeira, nem obrigação de zoar o rival, enfim, poha nenhuma pra fazer.

E se não tem nada pra fazer a gente inventa. Matutar, por exemplo: Que notícia ruim vc mais tem medo de ler ao abrir o computador pela manhã? Meus pesadelos são estes:

  1. Cruzeiro contrata RODRIGO, beque que rebaixou a Ponte em 2017.
  2. Itair convence Saumpaulo a trocar Pratto por ARRASCAETA.
  3. GLADIADOR diz que pretende encerrar a carreira no Cruzeiro.
  4. FIFA rebaixa Cruzeiro, por excesso de calotes.
  5. FRIBOI será patrocinadora master do Cruzeiro em 2018.

Escrevo pra exorcizar. E vc, intimorato leitor, tem medo de alguma notícia?

Reforços rodoviários

terça-feira, 5 de dezembro de 2017

PRATTO é um paquiderme. Trocá-lo por Alisson, Arrascaeta, Manoel ou Elber é crime de lesa-clube. No máximo, por Rafael Marques. Pau a pau.

BEBEZÃO é brincadeira. Mano persegue Ábila e quer Bebezão? Só pode estar a fim de sacanear o clube e seus torcedores.

Sá disse que Itair é “homem da bola”. Entende muito de futebol. Fica, Gilvan! Volta, Vicintin! Ru, Itair! Vai pastar, Sá!

Mano: “Grandeza é o que me atrai no Cruzeiro”

terça-feira, 5 de dezembro de 2017

PITACOS cerca do BOTAFOGO 2×2 CRUZEIRO, neste 03dez17dom17h, no Engenhão, Rio de Janeiro, pela 38ª rodada do Brasileiro 2017:

MANO MENEZES: Este grupo não foi campeão à toa. Teve o comportamento dos grandes campeões, sem se importar com quem seria beneficiado. Se um dia a gente estiver nesta situação, gostaríamos muito que os outros tivessem o mesmo comportamento que tivemos. E isso é a grandeza de um clube. Clube grande tem comportamento grande. Grandeza: é isso que me atrai no Cruzeiro, é isso que me motiva estar aqui, se for possível, por no mínimo dois anos. E é por isso que vim ao Cruzeiro em 1997 fazer um estágio. É uma relação intensa desde aquele momento, que a gente enxergou nas pessoas o comportamento que entendemos ser o comportamento de grandeza.

LANCENET: O time do Mano fez um jogo sério e organizado.

PAULO VINÍCIUS COELHO: O Cruzeiro sabia que o AtléticoMG enfrentaria o Grêmio reserva, com apenas 2 jogadores acima de 21 anos. Se perdesse, time celeste não permitiria ao rival ficar à espera do resultado do Flamengo na Sulamericana. O AtléticoMG estaria definitivamente eliminado da Libertadores. Mas não está, porque contou com o auxílio do Cruzeiro.

SUPERESPORTES: O Cruzeiro deixou boa impressão na última partida da temporada, despedindo-se de forma honrosa. Mesmo sem a necessidade da vitória, ficou perto dos três pontos, mas acabou cedendo o empate. Com o resultado, garantiu a 5ª posição no Brasileiro, com 57 pontos e recebeu premeio de R$4.092.165, dinheiro que vem em boa hora, já que as contas estão no vermelho. O Botafogo ficou na 10ª posição e não disputará a Libertadores 2018.

CELESTE CAMPOS: O Cruzeiro jogou bem. Rafael foi o melhor pela defesa providencial quando o time perdia por 1×0.

MIGUEL TALENTIM: Rafael foi o melhor. Henrique fez outra boa partida, aparecendo pouco por ter jogado pro time. Já o Digão perdeu todas as disputas aéreas. 

BRUNO SETELAGOAS: Neves tem muita facilidade pra se posicionar. Só lhe falta mais força física.

KING ARTHUR: O Cruzeiro foi prejudicado! Não cabia expulsão num lance em que o Rafinha só encostou no jogador do Bota.

As escolhas de Mano

sexta-feira, 1 de dezembro de 2017

MIGUEL TOLENTINO

Pra formar o elenco de 2018, Mano terá que analisar melhor o mercado do que o fez em 2017.

A transição de 2016 para 2017 não foi brusca dada a manutenção da comissão técnica e uma das vantagens disto é quase sempre uma lista menor de reforços.

Mano Menezes em sua segunda passagem pelo Cruzeiro ao que se sabe não indicou muitos atletas, mas foi atendido quando resolveu observar o mercado.

O retorno de um velho conhecido e a contratação de alguns desconhecidos aconteceram por conta de pedidos dele.

Diogo Barbosa, um dos melhores da temporada pelo Cruzeiro, foi indicação dele. Fabrício, outro lateral-esquerdo, com quem Mano já tinha trabalhado em 2015, também voltou por opção do técnico.

Do Cruzeiro gaúcho veio o lateral-direito Lennon após ser observado pela comissão técnica.

Por fim, com a saída de Mayke (eleito por Mano um dos culpados pela eliminação na Sulamericana) chegou Rafael Marques, que recebeu muitos elogios do treinador, por supostamente desempenhar quatro funções em campo.

A ideia era ter Rafael Marques como alternativa de um primeiro homem mais móvel no ataque.

Ábila, por outro lado, embora eficiente, nunca contou com a simpatia do técnico.

Mano errou muito. Afora Barbosa, nenhum dos reforços foi titular. Nem mesmo reserva imediato.

Lennon não chegou a ser nem terceira opção, Fabrício foi repassado ao Paranaense e Marques não assumiu a vaga de Ábila.

As más escolhas desta temporada mostram o quanto Mano terá de melhorar o nível de suas observações, se quiser reforços úteis pra temporada 2018. Ainda mais nesse tempos de cofres vazios.