Arquivo da Categoria ‘Campeonatos’

Recorde imbatível

quinta-feira, 22 de junho de 2017

RECORDE IMBAT’ÍVEL: 132.834 torcedores lotaram o Mineirão, em 22jun97dom16h, pra decisão do Campeonato Mineiro. 

O Cruzeiro veneu o Villa Nova por 1×0 e sagrou-se bicampeão, pelo gol qualificado, pois havia perdidopor 2×1, uma semana antes, no Alçapão do Bonfim.  

Marcelo Ramos fez o gol. O estádio balançou, literalmente. 

Os portões tiveram que ser fechados antes da hora, pois não havia mais lugares. Eatima-se que 20 mil pessoas tenham voltado pra casa sem poder particuipar da festa.

Eu fui. Não imaginava que tanta gente fosse também. Na subida da Abraão Cara foi que percebi a enchente, Milhares de pessoas no contrafluxo indicavam estádio lotado.

Por sorte, tinha cadeiras cativas e consegui entrar, Mas assistimos, eu e meus filhos, de pé, nas escadas entre os setores de cadeiras. 

Foi impressionante. Jamais acontecerá novamente. 

Qual é a sua recordação dessa tarde fantástica, caro leitor? 

Quem deu o maior vexame?

sábado, 20 de maio de 2017

Quem deu o maior vexame nestes cinco primeiros meses de 2017?

  • Cruzeiro caindo na primeira fase da Sula?
  • Sumpaulo caindo na primeira fase da Sula?
  • Flamengo caindo na fase de grupos da Libertadores?
  • Inter perdendo título estadual pra time pequeno?
  • Grêmio perdendo semifinal pra time pequeno?

Adianto meu voto: Cruzeiro que enfrentou o adversário mais fraco, botou frente de dois gols, perdeu e cobrou pênaltis como não se vê nem escolinha de garotos.

Vilela: “Jogåo!”

quinta-feira, 6 de abril de 2017

PITACOS acerca do CRUZEIRO 2×1 NACIONAL do Paraguai, neste 04abr17ter21h45, Mineirão, Belo Horizonte, 1ª fase da Copa Sulamericana 2017.

MANO MENEZES, técnico do Cruzeiro: Um time é experimentado numa competição como essa. E, na primeira bola erguida na área, sofremos o gol. É neste momento em que se testa a organização da equipe. Dizem que gol muito cedo desestabiliza, mas o Cruzeiro não se desestabilizou, manteve a organização e foi buscar a vitória da maneira como deveria. A equipe manteve a tranquilidade, foi encontrando aos poucos o caminho de criação. Tivemos boas oportunidades e viramos o jogo. Não foi uma vitória que dá tranquilidade, mas temos uma vantagem daqui a um mês, quando as equipes provavelmente estarão diferentes. Não vamos deixar de jogar em Assunção. A vantagem é magra e nós não iremos pro jogo pensando nela. Ela pode ser significativa na reta final de um jogo, mas vamos com a ambição de vencer. Certamente, nossos jogadores estarão mais habituados à competição na segunda partida, em relação a critérios de arbitragem, que são diferentes. Avisamos, mas não adianta só falar. Quando entram em campo e sentem o contato físico, o aprendizado é maior. Sabíamos do jogo que eles fizeram contra o Olimpia, da mudança de comando técnico. O auxiliar James conhecia os jogadores, trabalhou no Paraguai. São jogadores experientes, acostumados com esse tipo de competição. Eles começaram mal o ano, mas acontece até com a gente aqui também. É uma oportunidade pra demonstrar outro  rendimento. Esperávamos um jogo duro, mas não tomar o gol cedo, São circunstâncias de jogo que vêm provar a capacidade que temos de ter.

HUDSON: Torneio sulamericano tem clima diferente e dificuldade bem maior, pela competitividade, pelo ritmo de jogo que as equipes propõem. Mesmo não vivendo boa fase, sabíamos que o Nacional seria difícil e teríamos que lutar muito pra conquistar um resultado positivo. Lutamos, tivemos erros, dificuldades, mas valeu pela vitória e a vantagem.

ÁBILA: Jogo de um torneio dessa característica é sempre defícil. Foi um bom resultado, não importa se foi por pouca diferença. Os times são fortes, tem que lutar o tempo inteiro. Estou treinando bem, me sentindo bem, os companheiros têm confiança em mim.

WAGNER CPM: O time do Nacional é muito bom e estava  inspirado. Os caras vieram pra jogar e pra ganhar. Não se intimidaram e foram pra cima conseguindo marcar dois gols, u valido, outro em impedimento. O Cruzeiro tera muito trabalho no jogo de volta. Se o Mano for pro Paraguai acovardado, na defesa e sem buscar o jogo, eles podem reverter placar. Foi uma boa partida, melhor at’e do que o RapoCota.

CLAUDINEI VILELA: Jogåo! O melhor jogo do ano até agora. Conota um time que joga e deixa jogar e viveu a experiência de sair em desvantagem em casa, num mata-mata. Ótimo teste!

ROMAROL: Informo aos detratores do Mayke, que no primeiro gol do Cruzeiro foi ele que roubou a bola pra iniciar a construção da jogada. No segundo, foi ele quem deu o bico pra frente pro Ábila resolver a parada.

MATHEUS CHAVES: A torcida celeste cantou o tempo todo, principalmente nos momentos de adversidade.

Arrascaeta desequilibrou

quarta-feira, 5 de abril de 2017

Quem foi o melhor de CRUZEIRO 2×1 NACIONAL do Paraguai, neste 04abr17ter21h45, Mineirão, Belo Horizonte, 1ª fase da Copa Sulamericana 2017?

ARRASCAETA [[[25]] Nanayoski, Espigao, Mol, Velloso, Burian, Walery, Barreto, Beth, Seixas, Chiabi, Ccc, Cadu, Venâncio, Damiao, Pancieri, Velame, Celeste, Walfrido, Marcoalex, Vilela, Wallace, Schulman, Matarelli, Carneiro, Mariana —– ABILA [[[7]]] Luizito, Bitencourt, Olivieri, Estevão, Fernadao, Rosan, Sindico —– NEVES [[[6]]] EVANS, Klauss, Reis, Bastos, Soalheiro, Setelagoas —– CABRAL [[[4]]] Renato, Chaves, Wagner, Penido —– HUDSON [[[3]]] Paulorrafa, Anchieta, França —– RAFINHA [[[2]]] Edumano, Talentim —– LEO [[[2]]] Braga, Schrier —– MAYKE [[[1]]] Rocha —– RAFAEL [[[1]]] Morato —– BARBOSA [[[1]]] Teixeira —–SOBIS [[[1]]] Efeagå —– MANO [[[1]]] Muzzi.

Joinville 0x0 Cruzeiro: Falseta dos falsos noves

terça-feira, 21 de março de 2017

CRUZEIRO contra Joinville, Arena, Joinville, neste 21mar17ter19h, pela 3ª rodada da Primeira liga 2017.

RANKING da CBF: Cruzeiro é o 6º, em 14.202 pontos; Joinville, 28º, com 5.409.

CLASSIFICAÇÃO: Cruzeiro é o líder do grupo, com 6 pontos; Joinville, o 4º, com 1 ponto.

CRUZEIRO: França — Mayke, Dedé, Cerqueira, Fabrício — Hudson, Romero, Lucas — Elber, Raniel, Rafinha. T: Mano Menezes.

BANCO: Lucão, Edimar, Bryan, Nonoca, Alex, Marcos Vinícius.

AUSENTES: Judivan, Henrique e Robinho, lesionado, Fábio, em recuperação física, todos os titulares, poupados.

JOINVILLE: Ferreira — Sum, Candiota, Coltro, Madson, Formiga, Person, Torquato — Xuxa, Janderson. T: Julian Tobar / Fabinho Santos.

BANCO: Diego Cardoso G, Daniel L, Jefferson, B, Leonardo B, Gabriel Knapp V, Victor Hugo, M, Matheus Silva M, Jean M, Bruno Feliciano A.

AUSENTES: Todos os titulares serão poupados.

ARBITRAGEM: Adriano Mitczviski, Bruno Boschilia, Ivan Bohn (PR).

TRANSMISSÃO: SporTV e Premiere Internacional, com narração de Linhares Jr, comentários de Gil Rocha, reportagens de Júlia Guimarães e Alessandra Flores.

CRUZEIRO 0x0 JOINVILLE, 21mar17ter19h. TEMPO nublado, temperatura 21º, vento 6 Km/h, umidade 88%. LOCAL: Arena (2 mil), Joinville. MOTIVO: 3ª rodada do Grupo C da Copa da Primeira Liga. TRANSMISSÃO: SporTV e Premiere. PÚBLICO: 2.238 presentes, R$20.100, média R$9. ARBITRAGEM: Adriano Mitczviski, Bruno Boschilia, Ivan Carlos Bohn (PR). AMARELOS: Dedé, Romero, Xuxa, Ferreira. CRUZEIRO: França; Mayke, Dedé, Murilo, Fabrício; Hudson (Marcos Vinícius), Lucas Silva, Romero (Bryan), Rafinha, Raniel (Alex), Elber. T: Mano Menezes. JOINVILLE: Ferreira, Lucas Sum (Jeferson), Igor Candiota, Leo Coltro, Madson (Daniel); Formiga, Renan Torquato, Eduardo Person, Gustavo Xuxa; Dereck (Victor Hugo), Janderson. T: Julian Tobar / Fabinho Santos. HISTÓRICO: Foi o 9º Cruzeiro x Joinville. O Cruzeiro venceu 4, empatou 4 e perdeu 1. Marcou 13 gols e sofreu 7. Pelo Brasileiro, o Cruzeiro venceu 2 jogos, empatou 2 e perdeu 1. Marcou 7 gols e sofreu 6.

Sula: Começou a nossa copa!

quarta-feira, 1 de março de 2017

Em Avellaneda, Racing 1×0 Rio Negro Águilas. Jogo à vera. Muita disposição, pouca qualidade tática e técnica. Racing podia ter vencido com mais folga.

O Águilas, presidido por uma mulher, é clube-empresa, com 8 anos de vida, uma mudança de nome, 5 cidades-sedes na trajetória e 4 Sul-americanas disputadas.

Os demais jogos da rodada: Nacional Potosí 3×1 Sport Huancayo —– Anzoátegui 3×0 Huracán —– Racing 1×0 Águilas —– Palestino 0x1 Atlético Venezuela.

Salvando a Primaliga

terça-feira, 21 de fevereiro de 2017

PRIMA LIGA fracassou. Como qualquer projeto de cartolas brasileiros.

Gilvan, contudo, quer salvá-la transformando-a num torneio com uma só sede.

Vai dar merda de novo, porque vão escolher cidades com grande oferta de futebol.

Minha proposta:

  • 32 clubes de cidades que gostam de futebol, o que exclui Volta Redonda, por exemplo.
  • Eliminatórias simples. Os times de pior ranking jogam em casa. Empate dá disputa de pênaltis.
  • Final  em jogo único em Uberlândia, que tem grana e estádio. Ou em Chapecó, Cariacica, Erechim…
  • Convidados: Cruzeiro, Franga, América, Uberlândia, Villa Nova, Boa, Tombense, Grêmio, Inter, Caxias, Juventude, Brasil,  Paranaense, Coritiba, Londrina, Maringá, Paraná, Fla, Flu, Bangu, Goytacás, Madureira, Avaí, Jec, Criciúma, Figueira, Chape, Rio Branco, Desportiva, Goiás, Vila, Goianiense.

Aproveitando a deixa, sorteio logo a primeira rodada:

  1. Rio Branco x Cruzeiro
  2. Jec x Paraná
  3. Caxias x Flu
  4. Tombense x Fla
  5. Villa Nova x Coritiba
  6. Uberlândia x Paranaense
  7. Londrina x Inter
  8. Desportiva x Grêmio
  9. Boa x Chape
  10. Madureira x Goiás
  11. Goytacás x América
  12. Bangu x Figueira
  13. Brasil x Franga
  14. Vila x Avaí
  15. Maringá x Criciúma
  16. Juventude x Goianiense

As demais rodadas também seriam definidas por sorteio, sempre com o pior ranqueado jogando em casa.

Sul-americana: Cruzeiro x Nacional do Paraguai

terça-feira, 31 de janeiro de 2017

CRUZEIRO jogará contra o Nacional do Paraguai na primeira fase da Conmebol Sul-americana. 

O Nacional foi vice campeão da Libertadores em 2014, perdendo a final para o San Lorenzo.

Há 54 anos, Minas conquistava Brasileiro de Seleções

segunda-feira, 30 de janeiro de 2017

MARCOS PINHEIRO

Neste 30Jan, comemora-se o 54º aniversário da conquista do Campeonato Brasileiro de Seleções de 1962 por Minas Gerais. O troféu está no Museu do Futebol do Mineirão, sem qualquer explicação adicional para os visitantes.

Minas Gerais estreou nas quartas-de-final, contra o Paraná, em 10jan63, mas a competição havia começado em 04nov62, que é seu ano oficial de referência, conforme escrito no próprio troféu. O segundo jogo da final contra a Guanabara foi em 30jan63.

Já foi bastante comum no futebol brasileiro a competição de um ano terminar no ano seguinte. O Mineiro de 1937, por exemplo, terminou em Abr38. A 1ª fase do Brasileiro de 1988 terminou em dezembro, os jogadores entraram de férias e o campeonato recomeçou no final de janeiro já nas quartas-de-final. O atacante Careca, do Cruzeiro, que estava voando no ano anterior, voltou das férias com mais de 100 Kg pra enfrentar o Internacional.

No caso do título mineiro, como o escrete estreou e terminou a competição em 1963, é comum se dizer que o torneio foi em 1963, mas na verdade Minas campeonou em 1962, assim como o título brasileiro que o Bahia conquistou em 1989 foi o de 1988.

Detalhe interessante é que a placa colada ao troféu menciona ser o “XXV Campeonato Brasileiro de Futebol”, mostrando que a CBD continuava ignorando o campeonato brasileiro que ela mesma organizou em 1922. Nesse ano, por ocasião das comemorações do Centenário da Independência, a entidade realizou, no Rio de Janeiro, o “Campeonato Brasileiro de Futebol”, com esse nome. A competição foi um sucesso e a única coisa que deu errado pra CBD foi São Paulo, cuja federação, à época, vivia às turras com a CBD, ter campeonado. Pra diminuir a conquista paulista, em 1923, a CBD voltou a organizar a competição, chamando-a de “1º Campeonato Brasileiro de Futebol”, alegando que a competição do ano anterior era experimental, e portanto não contaria. De nada adiantou os protestos paulistas, que voltariam a vencer a competição em 1923.

O Campeonato Brasileiro de Futebol continuaria acontecendo anualmente até 1944 (não houve edições em alguns anos), quando passou a a ser disputado de dois em dois anos e, a partir de 1959, de três em três. Após a edição de 1962, não houve novas edições até que em 1987 se tentou ressuscitar a competição. Minas, por ser campeã, entrou direto na semifinal e na final o Rio de Janeiro, representado pelo Americano de Campos, ganhou o título. Quatro anos depois, em 1991, houve a última edição da competição. Após uma primeira fase sem os estados mais importantes e com baixíssimo interesse do público, a competição não teve continuidade, terminando sem definição do campeão.

Na verdade, desde a década de 50, com o início do Rio-São Paulo, era crescente perda de interesse do público pela competição entre seleções estaduais. Desinteresse que se acentuou com o início da Taça Brasil em 1959.

  • CAMPEÕES: 1922, São Paulo — 1923, São Paulo — 1924, Distrito Federal — 1925, Distrito Federal — 1926, São Paulo — 1927, Distrito Federal — 1928, Distrito Federal — 1929, São Paulo — 1931, Distrito Federal — 1933, São Paulo (FBF) — 1934, Bahia (CBD) e São Paulo (FBF) — 1935, Distrito Federal (CBD) e Distrito Federal (FBF) — 1936, São Paulo (CBD) — 1938, Distrito Federal — 1939, Distrito Federal — 1940, Distrito Federal — 1941, São Paulo — 1942, São Paulo — 1943, Distrito Federal — 1944, Distrito Federal — 1946, Distrito Federal — 1950, Distrito Federal — 1952, São Paulo — 1954, São Paulo — 1956, São Paulo — 1959, São Paulo — 1962, Minas Gerais — 1987, Rio de Janeiro — 1991, não concluído.

Boas perspectivas

sexta-feira, 27 de janeiro de 2017

Cruzeiro pode fazer boa temporada. Indícios de que tal pode ocorrer:

  1. Não teve baciada. A base do time foi mantida.
  2. Mano está descobrindo que Sobis tem mais utilidade perto do gol do que marcando lateral.
  3. Jogadores importantes estão retornando, após lesões graves.
  4. Klauss Câmara, o novo diretor de futebol, parece mais prático do que o Scuro.
  5. Tinga tem bom trânsito entre os atletas e pode arredondar arestas.
  6. Pelo menos dez jogadores da base podem socorrer os time principal, se preciso.
  7. Robinho e Arrascaeta estão com o pé na forma nas cobranças de falta.
  8. E tem o Neves, que se jogar metade do que jogava em seu auge, meterá medo nos rivais.

Único problema é que o presidente está sempre fora de controle. Mas isto dá pra contornar, se os bons resultados aparecerem.

Com tudo isto, disputar a final do Mineiro é mais do que provável. Já é alguma coisa, né mesmo?