Arquivo da Categoria ‘Campeonatos’

De Boa Vista a Londres, via Contagem

domingo, 27 de novembro de 2016

Sábado movimentado:

  • Sada Cruzeiro 3×1 Minas Tênis Clube, em Contagem. Camisa do time de vôlei do Cruzeiro é mais bonita do que a do time de futebol.
  • São Raimundo 1×1 Náutico. Nos pênaltis, São Raimundo 5×4. Alviceleste é campeão do returno em Roraima. Taí um jogo que eu apreciaria ter visto.
  • América 2×2 Sport. Leão adiou pra última rodada sua salvação.
  • Vasco 2×1 Ceará. Bacalhau está de volta à Série A. Como era de se esperar.
  • Náutico 0x2 Oeste. Além de perder a chance de subir, o Timbu rebaixou o Jec. Náutico é caso pra terapia braba.
  • Goianiense 2×1 Bahia. Dragão mostrou quem é o bão, na Série B. Baêa teve de recorrer aos orixás pra voltar à Série A.
  • Chelsea 2×1 Spurs. De virada. Blues lideram as Premier League. Novidades táticas? Poha nenhuma! Ando cada dia mais descrente dos diplomas da Uefa.
  • Ferroviária 3×1 XV Piracicaba. Nos pênaltis, XV 4×2. Nhô Quim é campeão da Copa Paulista e vai disputar a Série D. Ferrinha vai pra Copa do Brasil.
  • Corinthians 0x0 Paranaense. Gambás só vão à Libertadores se vencerem o Cruzeiro e Bota e Cap tropeçarem na última rodada.
  • Botafogo 1×1 Ponte Preta. Carruagem do Fogão virou abóbora. Libertadores começa a se distanciar.

O caro leitor viu algo mais que mereça registro?

Vamos ver futebol até babar

sexta-feira, 25 de novembro de 2016

PRIMEIRA LIGA 2017 terá 15 times divididos em 3 grupos de 5, com jogos entre janeiro e outubro.

  • Participantes: Cruzeiro, Brasil, Grêmio, Internacional, Avaí, Chapecoense, Criciúma, Figueirense, Joinville, Paraná, Londrina, Flamengo, Fluminense, América, Atlético-MG.

Oito times vão se classifica pra 2ª fase, quando se enfrentarão em jogo único. As quartas de final serão disputadas em 30Ago, as semifinais em 03Set e a final em 08Out.

  • Grupos: A: RS1, RJ1, MG1, PR 2 e SC3 —– B: RS2, MG2, RJ2, SC1 e SC4 —– C: RS3, MG3, PR1, SC2 e SC5.

Realmente, o torcedor precisa de mais e mais futebol. O que ele já tem é insuficiente. Aplique-se mais, até o camarada ficar babando na frente da TV.

Jogos que não são da nossa conta

quarta-feira, 23 de novembro de 2016

Estamos em férias e nada disso é da nossa conta, mas a gente corneta assim mesmo:

  • Copa Paulista, primeiro jogo das finais: XV Piracicaba 2×0 Ferroviária.
  • Champions League: Rostov 3×2 Bayern. O time russo é o 6º colocado no campeonato nacional.
  • Sul-americana: Chapecoense 0x0 San Lorenzo. Chape está na final contra Nacional Medellín ou Cerro Porteño.
  • Copa do Brasil: AtléticoMG 1×3 Grêmio. Como não tem gol qualificado, nada ficou resolvido.

Quem viu e tiver algo a comentar, pode meter a boca no trombone.

Uma chance e meia

quinta-feira, 28 de julho de 2016

Já deram volta olímpica este ano:

  • CONTINENTE: Nacional Medellin
  • REGIÕES: Santa Cruz, Paysandu, Fluminense
  • ESTADOS: Inter, Chape, Cap, Santos, Vasco, América, Desportiva, Vitória, Sergipe, Crb, Santinha, Campinense, Abc, Fortal, River, Moto, Paysandu, Acreano, Rondoniense, São Raimundo/RR, Luziânia, Goiás, Gurupi, Luverdense, Sete…

Restam a Sula, a Copa do Brasil e as séries A, B, C e D do Morrinhão.

Será que o Cruzeiro descola um caneco na chance e meia que lhe resta?

Camisa não pesou, etiquetas não decidiram

sexta-feira, 15 de julho de 2016

O Independiente DEL VALLE tornou-se o segundo finalista da Libertadores 2016, ao vencer o Boca Juniors por 3×2, em Buenos Aires.

Riquelme havia dito que esta seria a semifinal mais fácil da vida do Boca. Como se vê, não foi. A cena está mudando sm que o antigo meia se dê conta.

Chile, Portugal, Islândia, Gales, Irlanda, Irlanda do Norte, Equador e até arrasada Venezuela estão botando banca. Assim como Leicester, Audax e Del Valle.

Etiquetas já não desequilibram tanto. E aquela manjada história de camisa pesada só tá valendo um pouquinho, quase nada mesmo.

Cabe ao leitor quebrar a cuca e listar os novos fatores desequilibrantes do futebol…

BOCA JUNIORS 2×3 INDEPENDIENTE DEL VALLE, 14jul16qui21h45, volta da semifinal da Libertadores 2016, La Bombonera (49 mil), Buenos Aires, 49.000 espectadores. Árbitros uruguaios: Daniel Fedorczuk, Mauricio Espinosa, Miguel Nievas. Amarelos: Zuqui, Fabra, Cata, Caicedo, Mina. Gols: Pavón, 3, Caicedo, 25, Cabezas, 49, Julio Angulo, 50, Pavón, 90. BOCA: Orión; Jara, Daniel Cata Díaz, Insaurralde, Fabra; Pérez (Walter Bou, 62), Cubas (Benedetto, 53), Fernando Zuqui; Pavón, Tevez, Lodeiro. T: Guillermo Schelotto. DEL VALLE: Azcona; Núñez, Caicedo (Fernando León, 88), Mina, Ayala (Tellechea, 82); Orejuela, Rizotto (Jonathan González, 91), Cabezas, Sornoza; Julio Angulo, José Angulo. T: Pablo Repetto.

E lá se foi a última pomba…

quinta-feira, 14 de julho de 2016

Saiu o primeiro finalista da Libertadores 2016. E lá se foi a última pomba brasileira. Em Medellín, Nacional 2×1 São Paulo, num jogo muito bom de se ver.

Não teve compactação, marcação alta, tiki-taka, jogo em 30 metros do campo, goleiro-líbero, marcação por zona em escanteio , centroavante-pivô e modernices afins.

Jogou-se um futebol clássico, com times espalhados pela cancha, jogadas de ponta, toque de bola objetivo, sempre em direção ao gol, principalmente, pelo lado do time colombiano.

Venceu o melhor, embora o tricolor não tenha jogado mal. Saiu-se até bem, mas não o suficiente pra tirar da frente o time que joga o melhor futebol da competição, desde a rodada inicial.

E, pra não perder a ensancha oportunosa, friso que o Campeonato Brasileiro não serve de parâmetro pra nada.

Os melhores de 2015, meio ano depois, perderam tudo que se meteram a disputar: estaduais, regionais e internacionais. Pra desgosto dos mesarredondistas e seus teleguiados.

Portugal 1×0 França: A melhor equipa deste verão!

domingo, 10 de julho de 2016

PORTUGAL contra França, no Stade de France, em Saint Denis, decidindo a Eurocopa 2016.

Rui Amorim reportou para os leitores de A BOLA:

ÉDER UMA VEZ…

Portugal é campeão da Europa! A Seleção Nacional derrotou a França na final de Paris, com um golo de Éder, aos 109 minutos. Fernando Santos prometeu e cumpriu, regressando a casa apenas no dia 11 de julho, com a taça na mão.

Como numa noite encantada, a formação das quinas revelou sempre grande personalidade, do primeiro ao último minuto, e soube combater o maior ímpeto francês, adversário que se revelou mais perigoso no tempo regulamentar, até encontrar a felicidade no prolongamento.

Já ninguém se lembrava, aí, que Gignac tinha feito estremecer o nosso país de uma ponta à outra, com aquele remate ao poste sobre os 90 minutos. Nem que faltaram uns centímetros assim a Griezmann para se fazer gigante perante Rui Patrício.

Gigante foi a equipa portuguesa, que se levantou sempre perante todas as adversidades, como a de chegar ao cúmulo de ficar sem o melhor do mundo, Cristiano Ronaldo, ainda antes da meia hora de jogo. Por questionáveis critérios do árbitro Mark Clattenburg, CR7 saiu lesionado, Payet ficou lá dentro mesmo com excessos de agressividade…

O cúmulo das ironias chegou com a chamada de Éder ao jogo. Vítima da crítica da moda, o ponta-de-lança nacional fez jus à aposta de Fernando Santos, outro alvo fácil na caminhada para a final, o mentor do jogo de nojo, como apelidaram os gauleses. Com craque escrito nas costas, o jogador do Lille, lá de França, mostrou como se faz e deitou Lloris aos seus pés.

Ao 19.º minuto do prolongamento, Portugal inteiro no Stade de France, a Europa era toda nossa. Na linha do pensamento do selecionador nacional, ainda podem estar a falar mal a esta hora: Somos campeões da Europa, fomos a melhor equipa que França viu neste verão!

PORTUGAL 1×0 FRANÇA, q0jul16dom16h, final Eurocopa 2016, Stade de France, Paris, França, 80.000- espectadores. Árbitros: Mark Clattenburg, Simon Beck, Jake Collin, ingleses. Amarelos: Cédric, João Mário, Guerreiro, Carvalho, Patrício, Umtiti, Matuidi, Koscielny, Pogba. Gol: Eder, 108. PORTUGAL: Rui Patrício, Cédric, Pepe, José Fonte, Raphael Guerreiro; Willian Carvalho, João Mário, Adrien Silva (João Moutinho, 66)m Renato Sanches (Eder, 78); Nani, Cristiano Ronaldo (Ricardo Quaresma, 24). T: Fernando Santos. FRANÇA: Lloris; Sagna, Koscielny, Umtiti, Evra; Matuidi, Pogba, Sissoko (Martial, 109); Payet (Coman, 57), Griezmann, Giroud (Gignac, 77). T: Didier Deschamps.

Alemanha pós-copa: 7 derrotas e 1 eliminação

quinta-feira, 7 de julho de 2016

França e Alemanha disputam a segunda semifinal da Eurocopa 2016, no Velodrome, Marselha.

Primeiro tempo, só deu Alemanha, mass… Aos 45≠1 o Bastião meteu a mão na bola dentro da área e Griezaman não deu colher pro Neuer.

França 1×0.

ANIVERSÁRIO: João Chiabi Duarte está completando 65 anos, hoje.Saúde, velho!

Portugal 2×0 Gales: O gajo desequilibrou

quarta-feira, 6 de julho de 2016

Portugal, de Cristiano Ronaldo, e Gales, de Gareth Bale, em Lyon, semifinal da Eurocopa.

Pedro Cadima, do português A Bola, conta:

Portugal vai a Paris e tem 90 minutos para assinar a glória

Portugal é finalista do Europeu de França, repetindo a façanha de 2004, embora o sonho tenha acabado em desgraça perante a euforia de milhões de portugueses. O País de Gales foi o derradeiro adversário nesta caminhada para Paris, tendo a Seleção Nacional evitado os finais dramáticos dos jogos anteriores, frente à Croácia e Polónia. Sem prolongamento, sem penalties, Portugal resolveu o acesso à final com a sua entrada em campo na segunda parte, disferindo dois golpes letais no adversário. Ronaldo e Nani fizeram a história do jogo, assinaram os golos que fazem perdurar o sonho, que nos aproximam, agora, da máxima glória.

Depois de uma primeira parte morna e até entediante com as equipas em constante processo de estudo e avisos curtos para as duas balizas, Portugal com mais iniciativa e Bale a jogar todas as cartadas por Gales, a segunda começou a preceito das cores nacionais. Um cruzamento perfeito de Raphael Guerreiro convocou uma das melhores qualidades de Ronaldo, a sua extraordinária impulsão, que lhe valeu subida ao quinto andar para um tiro de cabeça fabuloso. Aberto o ativo, desmontada a estratégia galesa, tudo ficou mais fácil para a equipa lusa com Nani a desviar minutos depois um remate de Cristiano e a enganar Hennessey.

Em três minutos apenas, Portugal projetou-se para a sua posição mais tranquila neste Europeu, dispondo de dois golos de vantagem e com um adversário praticamente prostrado e rendido à inevitabilidade de se despedir de França. O passar dos minutos confirmou a exposição de País de Gales ao fracasso com Bale, feito estrela solitária, a procurar acender uma pequena luz de esperança. Tudo em vão, sem grandes ameaças, sem bolas paradas tão insinuantes como noutras noites e tardes deste Europeu, o momento mais perigoso surgiu numa bomba inesperada do suspeito Bale, que fez Rui Patrício voar para uma grande defesa. Já Portugal foi esbanjando o terceiro por Nani, João Mário, Danilo e, finalmente, Ronaldo.

Os últimos dez minutos foram mais de espera pelo apito final, pela licença para todos os festejos para exaltação de um estado de espírito e comunhão com todo um País. A França ou Alemanha separam Portugal do momento mais alto da sua existência futebolística, numa oportunidade de ouro para vingar a terrível derrota com a Grécia na Luz, em 2004.

PORTUGAL 2×0 GALES, 06jul16qua16h. TEMPO: Céu aberto, temperatura 23º, vento 11 Km/h, umidade 50%. LOCAL: Stade des Lumières (59 mil), Lyon, França. MOTIVO: Semifinal da Eurocopa 2016. TRANSMISSÃO: Globo e SporTV. PÚBLICO: 59.000. ARBITRAGEM: Jonas Eriksson, Mathias Klasenius, Daniel Wärnmark, suecos. AMARELOS: Allen, Chester, Bruno, Ronaldo, Bale. GOLS: Ronaldo, 49, Nani, 53. PORTUGAL: Rui Patrício; Cédric, Bruno Alves, José Fonte, Raphael Guerreiro; Danilo, João Mário, Adrien Silva (João Moutinho), Renato Sanches (André Gomes); Nani (Ricardo Quaresma), Cristiano Ronaldo. T: Fernando Santos. GALES: Wayne Hennessey; Chris Gunter, James Chester, James Collins (Jonathan Williams), Ashley Williams, Neil Taylor; Joe Ledley (Sam Vokes), Joe Allen, Andy King; Gareth Bale, Hal Robson-Kanu (Simon Church). T: Chris Coleman.

O melhor das copas está do lado de cá

sexta-feira, 17 de junho de 2016

A Copa América é muito melhor do que a Eurocopa. Em tudo! Os jogos são mais bonitos e emocionantes. Os jogadores do lado de cá do Atlântico são mais técnicos. A segurança é maior e a festa das torcidas mais  empolgante. ESTADOS UNIDOS 7×1 FRANÇA.