Arquivo da Categoria ‘BRASILEIRO’

Fluminense x Cruzeiro: Pra quebrar o lacre

domingo, 22 de abril de 2018

CRUZEIRO contra Fluminense, neste 22abr18dom16h, no Maracanã, Rio de Janeiro, pela 2ª rodada Brasileiro 2018.

RANKING da CBF: Cruzeiro é o 1º, com 15.288 pontos; Fluminense é o 12º, com 10.926.

CLASSIFICAÇÃO: Cruzeiro é o 17º, com 0 ponto; Fluminense, o 14º, com 0.

CRUZEIRO: Fábio — Romero, Leo, Manoel, Egídio — Henrique, Cabral — Robinho, Neves, Rafinha — Sobis. T: Mano Menezes.

BANCO: Rafael, França, Ezequiel, Dedé, Digão, Hermes, Bruno, Lucas, Mancuello, Arrascaeta, Sassá, Marques.

AUSENTES: Fred, Raniel (lesionados).

PENDURADOS: Ninguém.

ARBITRAGEM: Flavio Rodrigues de Souza, auxiliado por Alex Ang Ribeiro e Tatiane Sacilotti dos Santos Camargo (SP).

FLUMINENSE: Júlio César — Renato Chaves, Gum, Frazan — Gilberto, Richard, Ayirton —— Jadson, Sornoza — Pedro, MarcosJr. T: Abel Braga.

BANCO: G, Diogo L, Reginaldo B, L, V, Orejuela V, Matheus Alessandro M, Wellington Silva A, Peu A, Robinho A, Pablo Dyego.

AUSENTES: Ibañez, Calazans (lesionados).

PENDURADOS: Ninguém.

TRANSMISSÃO: Globo para RJ, SC, MG, ES, GO, TO, MS, MT, BA, PB, RN, PI, MA, PA, AM, RO, AC, RR, AP e DF, com Luís Roberto, Juninho Pernambucano, Bob Faria e Paulo César Oliveira. Premiere e Premiere Internacional, com Eduardo Moreno e Lédio Carmona.

TEMPO ensolarado, temperatura 27º, vento 08 Km/h, umidade 66%.

HISTÓRICO: 77 jogos. Cruzeiro venceu 25, empatou 19, perdeu 33, marcou 108 gols, levou 119. Pelos campeonatos brasileiros, desde 1959, foram 62 partidas. Cruzeiro venceu 23, empatou 17 e perdeu 22, marcou 87, sofreu 84 gols. Os dois clubes jamais decidiram uma competição entre si, mas chegaram próximos no Brasileiro 2010, no qual o Flu campeonouu com 2 pontos a mais que o Cruzeiro.

DESEMPENHO do Cruzeiro na história do Brasileiro: 57 participações em 62 campeonatos, 1.368 jogos, 594 vitórias, 366 empates, 408 derrotas, 2.007 gols marcados, 1.550 sofridos. Aproveitamento de 52%

Mano: “Voltamos pra competição”

sábado, 21 de abril de 2018

PITACOS acerca do UNIVERSIDAD DE CHILE 0x0 CRUZEIRO, neste 19abr18qui21h30, no Nacional, Santiago, pela 3ª rodada do Grupo 5 da Libertadores 2018:

MANO MENEZES: Mudei o posicionamento da equipe, fazendo duas linhas de quatro porqueo adversário joga em linha de três. Com dois atacantes de de movimentação mais soltos, tivemos dificuldade no início, com a equipe mandante tomando iniciativa. Aos poucos, fomos entrando no jogo, trabalhando a bola com tranquilidade. No 2º tempo, tivemos quatro boas chances de marcar e sair com a vitória. No 1º tempo, só levamos perigo com um chute do Lucas, mas a equipe se comportou bem. No momento que o jogo abriu, quando a LaU nos deu espaços pra construir jogadas ofensivas, não conseguimos definir, mas voltamos pra competição. Agora, vamos ter a oportunidade, na nossa casa, de nos igualar na tabela com eles. Precisamos fazer, lotar a Toca III e sermos fortes dentro de casa como tem acontecido. Hoje, se tivesse que haver um vencedor, teria de ser o Cruzeiro. Mesmo com uma maneira que não agrada todo mundo. Porém, quem entende de futebol, sabe que é necessário passar por estes processos de vez em quando. As escolhas precisam obedecer critérios difíceis, mas coerentes. Vou pedir ao torcedor pra confiar nas pessoas nas quais ele tem que realmente confiar.

THIAGO NEVES: O Reyes cortou na hora certa um lance de gol e o Sassá fez uma jogada boa e bateu cruzado E=em outra. Tivemos algumas oportunidades no 2º tempo para fazer o gol, mas não caprichamos. Valeu pela empenho, pela determinação. Quando não dá pra ganhar, não podemos perder. O time está de parabéns pelo empenho e pelo ponto conquistado.

MATHEUS CHAVES: Foi  o manobol de sempre, como era de se esperar. Pontos positivos: 1. Lucas Silva foi muito bem, dando ótima dinâmica ao meio de campo e fazendo boa dupla com Henrique; 2. A parceria Leo e Dedé encaixou e um cobre o outro constantemente; 3. Robinho pode ajudar mais vindo do banco pra meia hora final; 4. Respiramos por aparelhos, mas respiramos. Pontos negativos: 1. Edílson muito mal nos passes, quase comprometendo em vários momentos; 2. Neves de centroavante é um desperdício de talento e pulmão; 3. Sem eficácia na finalização, adeus classificação.

JOTA DIAS: Jogo chato. Não gosto de ver o Cruzeiro jogando por uma bola. Quando o Mano escala esse time com falso 9 já sabemos que gol só sairá na sorte.

ZULOOBAS: O Cruzeiro fez um jogo sólido, não correu muitos riscos, teve chances de marcar gol e não foi competente. Pelo menos, jogou futebol mais com a cara da competição

DOMÊNICO CLERICUZIO: Mano teve frieza e inteligência pra se manter na competição e trazer a decisão pro Brasil. Os imediatistas jamais entenderão. Mas na hora de comemorar os canecos, eles esquecem tudo e rosetam!

TONINHO ALMEIDA: Mano foi perfeito. Quando se joga contra três zagueiros, é necessário entrar com três atacantes velocistas e habilidosos, como Arrascaeta, Neves e Rafinha, que acabam segurando os alas adversários.

MATHEUS PENIDO: Este empate pode ter sido o primeiro passo pra classificação ou o penúltimo pra desclassificação.

SETELAGOAS: Vasco já era. Cruzeiro  ainda está vivo, mas tem que colocar a bola na casinha.

CLAUDINEI VILELA: Comentarista da Itatiaia disse que “Mano erra por nao escalar os atscantes q o Cruzeiro tem no elenco”… Vai ver querem Fred e Raniel jogando de muletas.

Mano: “Faltou posicionamento, força e vigor”

segunda-feira, 16 de abril de 2018

MANO MENEZES: Enfrentamos o campeão da Libertadores, time que vem jogando futebol de alta qualidade nos últimos três anos, e impôs as dificuldades que, quando outro time não está bem como não estivemos, ficam grandes. Em determinados momentos, a impressão foi de que não tínhamos condições de vencer, nem de segurar o resultado. Tivemos as maiores dificuldades no 1º tempo, com poucos contrataques. Mas o Grêmio controlou bem o jogo. No 2º, diminuimos um pouco a diferença, fizemos a alteração do Sassá pra definir mais a equipe, mas mesmo assim sofremos no meiocampo, tomamos o gol da maneira que não era pra tomar e que deu condição pro adversário administrar. Com a expulsão do Kannemann, a gente foi sufocar, mas sem organização, só no abafa pra empatar. Até criamos, mas não fizemos e saímos derrotados. Quando se é dominado da forma que fomos, é porque faltou posicionamento, força, vigor, porque quando não se consegue de um jeito tem que tentar de outro. É preciso ter outros mecanismos, que não são os ideais, um tipo de solução que a gente não encontrou.

FÁBIO: Deixamos o Grêmio ficar dentro das características dele, de tocar a bola. Aí, eles controlaram a partida e não tivemos forças pra reverter

HENRIQUE: Deixamos eles jogarem e correr atrás de uma equipe que gosta da posse de bola é mais difícil. Eles tiveram a felicidade de fazer o gol. O Cruzeiro teve bons momentos, mas o Grêmio teve momentos ainda melhores e venceu.

SUPERESPORTES: Durante praticamente todo o tempo, o Grêmio controlou a partida e usou a posse de bola como maior arma pra segurar o Cruzeiro. O time celeste, por sua vez, não conseguiu evitar que o adversário lançasse mão desse artifício, esteve apático e criou pouco

FÁBIO VELAME: O time celeste foi inofensivo no 1º tempo e desorganizado no 2º. Tirando a chance do Neves, logo após o gol do Grêmio, o resto foi bumba-meu-boi. Sobis continua sendo menos um e os meias Robinho, Neves e Arrascaeta pouco produziram. O uruguaio ainda conseguiu uma expulsão de um gremistas, já os outros dois…

TATO: Mano liberou os jogadores mais jovens e montou um elenco com muitos veteranos. Agora não adianta reclamar da falta de vigor…

ERNESTO ARAÚJO: O time celeste não teve articulação ofensiva. Na primeira metade da etapa inicial, deu raiva ver  diversas tentativas inócuas de trocar passes próximo à area gremista. Sem falar nos três cruzamentos seguidos que explodiram no marcador e foram parar na linha de fundo. Irritou também o excesso de escanteios batidos à meia-altura.

MAURO FRANÇA: O Grêmio teve maior posse mas não a transformou em volume de jogo. Criou apenas dois lances de perigo em todo o jogo e fez um gol. O problema do Cruzeiro não são os volantes, e sim a linha de meias. Apenas Arrascaeta jogou. Robinho e Neves foram nulos, tanto  na criação quanto na recomposição. Volantes têm que marcar e sair pro jogo e aí fica difícil. 

REINALDO DRUMOND: Derrota merecida do time de um técnico que joga pra não perder e não pra vencer.

MATHEUS PENIDO: Jogo modorrento. O time do Gremio é muito bom, masnão é muito objetivo. Mano sempre aposta tudo numa retranca, o que é um convite pra tirar uma soneca na frente da televisão.

Dedé e Leo seguraram oi rojão

domingo, 15 de abril de 2018

ATUAÇÕES dos protagonistas do CRUZEIRO 0x1 GRÊMIO, neste 14abr18sab16h, no Mineirão, Belo Horizonte, 1ª rodada do Brasileiro 2018:

HISTÓRICO: 74 jogos. Cruzeiro venceu 33, empatou 19, perdeu 22, marcou 94 gols, levou 73. Pelo Brasileiro, foram 53 jogos. Cruzeiro venceu 23, empatou 14, perdeu 17, marcou 69 e sofreu 60 gols. Pela Libertadores, 6 jogos. Cruzeiro venceu 3, empatou 2 e perdeu 1. Foram 29 jogos nos estádios do Grêmio (Olímpico e Humaitá). Cruzeiro venceu 6, empatou 10, perdeu 14, marcou 20 gols e sofreu 35. Cruzeiro e Grêmio já decidiram um título, a Copa do Brasil 93. No Olímpico, 0×0; no Mineirão, Cruzeiro 2×1. 

TORCIDA CELESTE mostrou que aprecia mais o Rural do que o Morrinhão. Compareceu em quantidade bem inferior aos jogos do estadual e não teve ânimo pra empurrar o time o tempo todo. Teve lampejos de entusiasmo e nada mais.

FÁBIO não teve culpa no gol, praticou uma defesaça num chute de Everton e mais não fez porque o adversário não exigiu.

EDÍLSON começou bem, buscando a linha de fundo pra cruzar, mas caiu na real, quando percebeu que Everton estava esfogueado e recolheu-se à lateral, passando a maior parte do jogo despercebido.

DEDÉ foi driblado, perdeu disputas diretas, apelou pra falta quando as pernas não ajudam a acompanhar o atacante adversário, fez ligações direitas inúteis e não impediu gol de bola cruzada. Mas também venceu disputas direitas, cortou bolas pelo alto e por baixo. Foi, enfim, um jogador de futebol normal e não um Deus, como torcedores afoitos garantiam que seria. E é melhor que assim seja, pois, time que se fia em milagreiros não se ajusta no coletivo, o que é o mais importante.

LEO marcou bem, rebateu bem, fez coberturas precisas de Dedé e Egídio. O melhor do jogo. Sem fazer estardalhaço.

EGÍDIO foi driblado no lance do gol e isto foi tudo o que o torcedor de rede viu. Os lances em que ele venceu as disputas e o apoio ao ataque não foram registrados pelo olhar viciado dos tolos.

HENRIQUE fez uma excelente partida, como quase sempre. Mesmo diante do melhor meio de campo do futebol brasileiro, deu jeito de apoiar o ataque algumas vezes. Na marcação, ficou mais recuado e centralizado, posto que os ponteiros recuaram muito pra dobrar a marcação nas laterais, dispensando-o de correr feito louco pra coberturas, como em outros jogos.

CABRAL fez uma partida discreta, mas não ruim, como os chatos estão escrevendo nas redes. Marcou por zona, deu bons passes e, só uma vez, tirou o terno, vestiu o macacão, abriu a caixa de ferramentas e deu marretada no adversário. Prum volante argentino, uma cacetada só até que não foi demais. Saiu pra entrada de Mancuello, um volante mais ofensivo.

ROBINHO ajudou muito a defesa, recuando pra dobrar a marcação. Deve ter sido por isto, que pouco criou no ataque. saiu mais cedo, pro time ter dois homens de área.

NEVES não ajudou muito na marcação, não criou jogadas, nem finalizou. Na etapa inicial, por falta de um atacante com quem dialogar, pois Sobis resolver jogar na defesa. Na etapa final, tinha Sassá na área, mas parece ter faltado fôlego.

ARRASCAETA foi o melhor do meio pra frente, buscando as jogadas individuais, já que o time não funcionva coletivamente. Ajudou a defesa pelo lado esquerdo e, por pouco, não empatou a partida numa finalização de prima nos estertores do jogo.

SOBIS não foi nove, nem falso nove. Resolveu, por conta própria ser secretário do Edílson, irritando o técnico que o sacou no intervalo. Foi, a bem da verdade, um bom secretário de lateral, mas não era disso que o time precisava.

MANCUELLO entrou pra criar jogadas de ataque e foi o que tentou fazer. Em seu melhor momento, quase empatou o jogo com bela finalização.

SASSÁ brigou muito, mas sem ajuda, pois o time celeste parece não saber o que fazer com um centroavante.

MARQUES entrou pra jogar na área e, quem sabe, se valer de sua altura pra cabecear uma bola decisiva. Mas ele não teve bola pra fazer o que se pedia, até porque Dedé, que virou centroavante, é mais eficiente neste quesito e não deixa passar bola alta.

MANO acertou ao não expor seu time num jogo franco desde o início. O Grêmio não pode ter facilidades, pois tem um entrosamento invejável. Assim, os meias recuaram pra ajudar os laterais, os volantes saíram pouco e os laterais atacaram ainda menos. Houve exageros, como Sobis secretariando Edílson. Com a entrada de Sassá, os beques do Grêmio tiveram o que fazer, mas o centroavante não recebeu bons passes, nem lançamentos e bolas cruzadas. Quem precisava criar as jogadas não fez o que devia. Neves e Robinho passaram em branco no quesito criatividade. Arrascaeta buscou as jogadas individuais e deu trabalho à defesa adversária. Finalmente, Mancuello, que entrou pra organizar o meio e o ataque, não teve com quem dialogar e limitou-se a uma boa finalização. O Cruzeiro não teve volume, embora tenha criado ao menos três boas chances de gol, tantas quando o Grêmio. Mas a sensação foi a de que os gaúchos massacraram, tamanha a posse de bola que tiveram. Mas não foi bem isto o que aconteceu e o placar magro é o que melhor traduz o jogo real e não o das redes sociais, sempre dramáticas.

CRUZEIRO foi dominado e mereceu a derrota, mas não como se leu nas redes, onde o caso foi de vareio, massacre, ficar na roda e sandices que tais. No fim das contas, teve tantas chances de gol quanto o adversário. A estratégia parece ter sido deixar o Grêmio jogar, mas bloquear as laterais pra evitar as bolas cruzadas. E foi assim, de bola cruzada, que levou o gol. Do goleiro aos volantes, o time fez boa partida. Na frente, foi cada um por si, sem jogo coletivo.

GRÊMIO fez seu jogo habitual, com toque de bola caprichado e marcação ajustada. Teve volume de jogo, mas criou pouco pra tanta posse de bola. Everton, Arthur, Ramiro, Cícero e Maicon foram os destaques. Grohe apareceu bem quando foi exigido, Miranda dominou a área e os laterais, Moura e Cortez, se apresentaram pro jogo. De chato, a cera. Como sempre, depois que faz seu gol, o tricolor não deixa o jogo seguir.

ÁRBITROS aplicaram as regras do jogo. Só reclamou deles quem é muito burro e não entende da missa metade.

MelhorDoJogo => DEDÉ [[[12]]] Vilela, Barros, Rosan, Barreto, Gil, Rocha, Dourado, Klauss, Soares, Vanda, Patrícia, Dudu —– LEO [[[9]]] Daniel, Penido, Morato, Viana, Velame, Leo, França, Síndico, Pedro —– HENRIQUE [[[1]]] Romarol —– ARRASCAETA [[[1]]] Barnabé —– FÁBIO [[[1]]] Ccc —–MANO [[[2]]] Drumond, Gesoco —– ARTHUR [[[4]]] Itatiaia, Geisel, Bohrer, Marco —– EVERTON [[[4]]] Terra, Knijnik, Setelagoas, Julim —– RAMIRO [[[1]]] Walterson —– PORTALUPPI [[[2]]] Jottar, Sá.

Cruzeiro 0x1 Grêmio: Queria um ponto, levou zero

sábado, 14 de abril de 2018

CRUZEIRO contra Grêmio, neste 14abr18sab16, no Mineirão (62 mil), Belo Horizonte, 1ª rodada do Brasileiro 2018.

RANKING da CBF: Cruzeiro é o 1º, com 15.288 pontos, Grêmio, o 3º, com 15.092.

CRUZEIRO: Fábio — Edílson, Dedé, Leo, Egídio — Henrique, Cabral — Robinho, Neves, Arrascaeta — Sobis. T: Mano Menezes.

BANCO: Rafael, França, Ezequiel, Manoel, Digão, Hermes, Bruno, Lucas, Mancuello, Sassá, Marques, David.

AUSENTES: Fred, Romero, Murilo, Raniel (lesionados), Rafinha (suspenso).

ARBITRAGEM: Rodolpho Toski Marques, Bruno Boschilia, Victor Hugo Imazu dos Santos (PR).

GRÊMIO: Grohe; Leo Moura, Paulo Miranda, Kannemann, Cortez — Maicon, Arthur — Ramiro, Cícero, Everton — André. T: Renato Portaluppi.

BANCO: Leo G, Grassi G, Madson L, Bressan B, Marcelo Oliveira L, Michel V, Kaio V, Jaílson V, Thonny Anderson M, Jael A, Alisson A.

AUSENTES: Luan, Douglas (lesionados), Geromel (poupado).

TRANSMISSÃO: Premiere, Premiere Internacional, com narração de Rogério Corrêa e comentários de Bob Faria.

CRUZEIRO 0x1 GRÊMIO, 14abr18sab16h.  TEMPO nublado, temperatura 26º, vento 11 Km/h, umidade 55%. LOCAL: Mineirão (62 mil), Belo Horizonte. MOTIVO: 1ª rodada, Brasileiro 2018. TRANSMISSÃO: Premiere. PÚBLICO: 19.295 presentes, 15.446 pagantes, R$418.305, média R$27. ARBITRAGEM: Rodolpho Toski, Bruno Boschilia, Victor Imazu (PR). AMARELOS: Dedé, Cabral, Ramiro. VERMELHO: Kannemann. CRUZEIRO: Fábio; Edilson, Dedé, Leo, Egídio; Henrique, Cabral (Mancuello), Robinho (Marques), Neves, Arrascaeta; Sobis (Sassá). T: Mano Menezes. GRÊMIO: Grohe; Leo Moura, Paulo Miranda, Kannemann, Cortez; Maicon (Jailson), Arthur, Ramiro, Cícero, Everton (Michel); André (Bressan). T: Renato Portaluppi.

HISTÓRICO: 75 jogos. Cruzeiro venceu 33, empatou 19, perdeu 23, marcou 94 gols, levou 74. Pelo Brasileiro, foram 54 jogos. Cruzeiro venceu 23, empatou 14, perdeu 18, marcou 69 e sofreu 61 gols. Pela Libertadores, 6 jogos. Cruzeiro venceu 3, empatou 2 e perdeu 1. Foram 29 jogos nos estádios do Grêmio (Olímpico e Humaitá). Cruzeiro venceu 6, empatou 10, perdeu 14, marcou 20 gols e sofreu 35. Cruzeiro e Grêmio já decidiram um título, a Copa do Brasil 93. No Olímpico, 0×0; no Mineirão, Cruzeiro 2×1.

DESEMPENHO do Cruzeiro na história do Brasileiro: 57 participações em 62 campeonatos, 1.368 jogos, 594 vitórias, 366 empates, 408 derrotas, 2.007 gols marcados, 1.550 sofridos. Aproveitamento de 52%.

Três estados campeões

sexta-feira, 13 de abril de 2018

VINÍCIUS CABRAL disse:

  • Vai começar a 16ª edição do Morrinhão por pontos corridos. Nas 15 anteriores, paulistas venceram 9, cariocas, 3, e cruzeirenses outras 3. Parabéns, pois, aos estados de São Paulo, Rio e Cruzeiro!

O caro leitor espera que outro estado entre nesta lista? Qual? 

Campeonato Brasileiro sem a frescura do Var

terça-feira, 6 de fevereiro de 2018

Campeonato Brasileiro não terá Var, o tal árbitro de vídeo. Clubes se recusaram a gastar R$1 milhão cada um pela estrovenga.

Estão certos. O troço ainda nem mostrou serviço e os modinhas da imprensa batem o pé e fazem beicinho exigindo a coisa.

Os clubes deviam, além de descartar essa coisa, cortar pela metade o batalhão de árbitros que mama em suas tetas a cada partida.

Deviam dispensar também os dois vigias, o coordenador, o instrutor e quem mais fica morcegando na arbitragem.

Ah, dirão os teleguiados, “mas a Iespien e o Isportivi querem por que querem o Var”. Então que o paguem, caceta!

Rafael e Arrascaeta brilharam na despedida de 2017

segunda-feira, 4 de dezembro de 2017

ATUAÇÕES dos protagonistas de BOTAFOGO 2×2 CRUZEIRO, neste 03dez17dom17h, no Engenhão, Rio de Janeiro, pela 38ª rodada do Brasileiro 2017:

TORCIDA CELESTE fez um bom barulho, comandada pela Máfia Azul. Uma grande explosão no 1º gol. Depois, do 2º gol, fez uma festa bonita, dividindo entre apoiar o time e zuar a torcida e o time botafoguenses. Depois do gol de empate carioca, murchou e ficou de olho no relógio, torcendo pro jogo acabar logo. (Bruno Setelagoas)

RAFAEL [[[10]]] Celeste, Walterson, Ccc, Rocha, King, Talentim, Penido, Setelagoas, Galvão, Romarol —– ARRASCAETA [[[8]]] Ge, Lancenet, Evans, Morato, Bastos, França, Milani, Vilela —–NEVES [[[2]]] Uol, Pps —– RAFINHA [[[1]]] Dudu —– HENRIQUE [[[1]]] Barnabé —– ARTHUR [[[1]]] Síndico —– ROMERO [[[1]]] Itatiaia —– MANO [[[1]]] Olivieri.

38ª BR: Cruzeiro em 5º

segunda-feira, 4 de dezembro de 2017

BOTAFOGO 2×2 CRUZEIRO, 03dez17dom17h, 8ª BR17, Engenhão (40 mil), Rio, 18.354 pag, R$256.700, Árbitros: Leandro Bizzio, Daniel Ziolli, Daniel Marques (SP). Amarelos: Carli, Henrique, Rafinha, Arrascaeta, Neves. Vermelho: Rafinha. Gols: Brenner, 25, Neves, 37, Arrascaeta, 50, Ezequiel, 68. BOTA: Gatito, Arnaldo, Carli, Rabello, VictorLuís; Cearense, Matheus Fernandez, Lindoso (Ezequiel, 57), Valencia; Guilherme (Marcos Vinícius, 70), Brenner (Tanque, 74). T: Ventura. CRUZEIRO: Rafael, Romero, Digão (Cabral, 71) , Murilo (Arthur, 77), Bryan; Henrique, Lucas, Robinho, Neves (Alisson, 56), Rafinha; Arrascaeta. T: Mano.

VITÓRIA 1×2 FLAMENGO, 03dez17dom17h, 8ª BR17, Barradas (35 mil), Salvador, 29.008 pag, R$444.965. Árbitros: Dewson Freitas, Helcio Neves, Ricardo Coimbra (PA). Amarelos: André, Uillian, Sá, Lincoln. Vermelhos: França, Carloseduardo (depois do jogo).Gols: Carlos, 39, Vaz 74, Diego, 94 (p). VITÓRIA: Fernando Miguel, Patric, Kanu, Ramon, Thallyson; Ramon, Uillian Correia, José Welison, Yago (Neilton), Carlos Eduardo (André Lima); Danilinho, Kieza (Sá). T: Mancini. FLA: César, Pará, Duarte, Vaz, Trauco; Arão, Cuéllar (Geuvânio), Everton Ribeiro, Diego; Vizeu (Lincoln), Paquetá (ViniciusJr). T: Rueda.

MINEIRO 4×3 GRÊMIO, 03nov17dom7h, 38º BR17, Independência (23 mil), Beagá, 16.416 pag, R$327.010. Árbitros: Marcelo Aparecido, Anderson Coelho, Bruno Rizo (SP). Gols: Pyerre, 33, Elias, 36, Pepê, 44, Otero, 45+3, Matheus, 60, Fred, 65, Otero, 98. Amarelos: Adilson, Ronho, Elias, Dionathã. Vermelho: Blanco. FRANGA: Victor; Bremer (Moura), Leonardo, Gabriel, Santos; Adilson (Blanco), Elias, Otero, Ronho, Valdívia; Fred. T: Oswaldo. GRÊMIO: Grassi; Felipe, Ruan (Ericson), Emanuel, Conrado; Balbino, Machado, Jean Pyerre (Matheusinho), Poletto (Batista), Dionathã; Pepê. T: CésarBueno.

VASCO 2×1 PONTE PRETA, 03dez17dom17h, 38ª BR17, São Januário, Rio, 20.740 pag, R$1.178.345. Árbitros: Rafael Traci, Ivan Bohn, Luciano Roggenbaum (PR). Amarelos: Martins, Gilberto, Nenê, Paulinho; Marllon, Nino, Jeferson, Lucca. Gols: Paulinho, 27, Vital, 73, Lucca, 88. VASCO: Martín; Madson, Anderson Martins, Paulão, Gilberto; Wellington, Evander (Jean); Pikachu, Nenê (Vital), Paulinho; Ríos. T: ZéRicardo. PONTE: Aranha; Nino Paraíba, Marllon, Peres, Jeferson; Elton, Wendel (Naldo), Barcelos (Claudinho), Leo Artur; Lucca, Gamalho. T: Baptista.

PARANAENSE 3×0 PALMEIRAS, 03de17dom17h, 38ª BR17, Baixada (42 mil), Curitiba, 12.879 pag, R$448.310. Árbitros: Claudio Francisco (SE), Cleriston Clay (SE), Fabio Pereira (TO). Amarelos: Sidcley, Pavez, Santos, Luan, Thiago, Guerra, Mina, Dudu. Gols: Ribamar, 5, Ederson, 17, Sidcley, 33. CAP: Santos; Jonathan (Cascardo), Wanderson, Thiago Heleno, Fabrício; Pavez, Rossetto, Lucas Fernandes, Sidcley; Ribamar (Coutinho), Ederson (Guimarães). T: FabianoSoares. SEP: Prass; Fabiano (Deyverson), Mina, Luan, Michel Bastos; Thiago Santos, TchêTchê, Moisés (Guerra); Dudu, Keno, Willian (Hyoran). T: Valentim.

CHAPECOENSE 2×1 CORITIBA, 03dez17dom17h, 38ª BR17, Condá (22 mil), Chapecó, 12.164 pag, R$346.920. Árbitros: Luiz Flavio Oliveira, Danilo Manis, Alex Ang (SP). Amarelos: Thiago Carleto(Coritiba); João Pedro e Fabrício Bruno(Chapecoense). Gols: Kleber, 14, Elicarlos, 36. Túlio, 95. CHAPE: Jandrei, Apodi, Douglas, Fabruno, Reinaldo; Moisés Ribeiro, Elicarlos (Pelezinho), João Pedro (Nadson), Canteros; Arthur, Wellington Paulista (Túlio Melo). T: Kleina. COXA: Wilson; Leo, Kelven, Cleber, Carleto; Jonas, Vitor Carvalho (Anderson), Tiago Real, Daniel (Iago); Rildo (Keirrison), Kleber. T: Marceloliveira.

SÃO PAULO 1×1 BAHIA, 03dez17dom17h, 38ª BR17, Morumbi (63 mil), Sampa, 60.485 pres, R$1.237.352. Árbitros: Elmo Resende, Fabricio Vilarinho, Cristhian Sorence (GO). Amarelos: Petros, Brenner, Lugano, Caio, Eder, Edson, RenêJr. Gols: Brenner, 63, Brumado, 88. SPFC: Sidão; Éder Militão, Diego Lugano, Rodrigo Caio e Edimar; Jucilei; Marcos Guilherme (Gabriel), Petros, Shaylon e Cueva (Thomaz); Brenner (Bissoli). T: DorivalJr. BAHIA: Jean; Eder, Tiago, Martins, Capixaba; Edson (Sales), Renêjr (Yuri), Allione, Régis (JrBrumado), Mendoza; Edigar Junio. Técnico: Carpegiani.

GOIANIENSE 1×1 FLUMINENSE, 03dez17dom17h, 38ª BR17, Ludovico (13 mil), Goiânia, 1.844 pag, R$23.140. Árbitros: Anderson Daronco, Rafael Alves, Elio Nepomuceno (RS). Amarelos: Jorginho, Dourado, Lucas, Douglas, Romarinho. Gols: Wendel, 12, Diego, 21. ACG: Kléver; Jonathan, Bauermann, Ricardo, Breno Lopes; André Castro, Igor (Marcão), Andrigo, Jorginho, Luiz Fernando (Jefferson Nem); Diego Rosa (Alison). T: JPSanches. FLU: Cavalieri; Lucas, Renato Chaves, Henrique, Leo; Douglas, Wendel, Scarpa, Sornoza (Romarinho), Alessandro (Pedro); Dourado. T: Abel.

SPORT 1×0 CORINTHIANS, 03dez17dom15h, 38ª BR17, Retiro (35 mil), Recife, 11.166 pag, R$145.105. Árbitros: Ricardo Ribeiro, Guilherme Camilo, Sidmar Meurer (MG). Amarelos: Durval, Prata, Osvaldo, Bastos, Kazim. Gol: André, 55. SPORT: Magrão; Prata, Henríquez, Durval, Sander; Anselmo, Patrick, Marquinhos (Rogério), Diego Souza, Mena (Rithelly); André. T: DanielPaulista. SCCP: Cássio; Príncipe, Balbuena, Pedro Henrique, Marciel; Gabriel, Fellipe Bastos (Paulo Roberto), Pedrinho (Mantuan), Figueiredo, Giovanni Augusto; Kazim (Danilo). T: Carille.

SANTOS 1×1 AVAÍ, 03dezq17dom17h, 38ª BR17, Belmiro (16 mil), Santos, 7.539 pag, R$122.215. Árbitros: Wagner Magalhães, Rodrigo Correa, Thiago Farinha (RJ). Amarelos: Jesus, Emerson, Simião. Gols: Copete, 30, Pedro Castro, 31. SANTOS: Vanderlei; Ferraz, Veríssimo, Luiz Felipe, Jean Mota; Matheus Jesus, Renato, Vecchio (Emerson); Copete (Rodrygo), Bruno Henrique, Kayke (Yuri Alberto). T: Elano. AVAÍ: Douglas; Maicon, Betão, Alemão, João Paulo; Simião, Pedro Castro, Marquinhos (Juan); Maurinho, Lourenço (Rômulo), JrDutra (Luanzinho). T: Claudinei.

LUGARES: 313.000. PÚBLICO: 190.595. MÉDIA: 19.060. OCUPAÇÃO: 61%.

Botafogo 2×2 Cruzeiro: Jogo honesto

domingo, 3 de dezembro de 2017

CRUZEIRO contra Botafogo, neste 03dez17dom17, no Engenhão (40 mil), Rio de Janeiro, pela 38ª rodada do Brasileiro 2017.

RANKING da CBF: Cruzeiro é o 6º, com 14.202 pontos; Botafogo, o 12º, com 10.936.

CLASSIFICAÇÃO: Cruzeiro é o 5º colocado, com 56 pontos; Botafogo, o 8º, com 53.

CRUZEIRO: Rafael — Romero, Digão, Murilo, Bryan — Henrique, Lucas — Robinho, Neves, Rafinha — Arrascaeta. T: Mano Menezes.

BANCO: França Victorluiz, Vitinho, Arthur, Elber, Cabral, Messidoro, Nonoca, Rafinha, Judivan, Alisson.

AUSENTES: Dedé, Hudson, Sobis, Ezequiel, Raniel, Sassá, Manoel (lesionados), Leo (suspenso), Fábio, Lennon, Jonata (descansando).

ARBITRAGEM: Leandro Bizzio Marinho, Daniel Paulo Ziolli e Daniel Luís Marques (SP).

BOTAFOGO: Gatito — Arnaldo, Carli, Rabello, Victor Luiz — Lindoso, Dudu Cearense, Matheus Fernandes — Valencia, Brenner, Guilherme. T: Jair Ventura.

BANCO: Jefferson G, Luiz Ricardo L, Jonas L, Marcelo B, Emerson Silva B, Victor Lindenberg L, Fernandes V, Ezequiel V, Gustavo V, Vinícius M, Marcos Vinícius M, Vinícius Tanque A, Lucas Campos A.

AUSENTES: João Paulo, Bruno Silva, Pimpão, Gilson (suspensos), Airton, Leandrinho (lesionados).

TRANSMISSÃO: Premiere e Premiere Internacional, com narração de Eduardo Moreno e comentários de André Loffredo.

BOTAFOGO 2×2 CRUZEIRO, 03dez17dom17h. TEMPO nublado, temperatura 25º, vento 22 Km/h, umidade 72%. LOCAL: Engenhão (40 mil), Rio de Janeiro. MOTIVO:  38ª rodada, Brasileiro 2017. TRANSMISSÃO: Premiere. PÚBLICO: 18.354 pag, 20.635 pres, R$256.700, média R$14. ARBITRAGEM: Leandro Bizzio, Daniel Ziolli, Daniel Marques (SP). AMARELOS: Carli, Henrique, Rafinha, Arrascaeta, Neves. VERMELHO: Rafinha. GOLS: Brenner, 25, Neves, 37, Arrascaeta, 50, Ezequiel, 68. BOTAFOGO: Gatito Fernández, Arnaldo, Carli, Igor Rabello, Victor Luís; Dudu Cearense, Matheus Fernandez, Lindoso (Ezequiel, 57), Valencia; Guilherme (Marcos Vinícius, 70), Brenner (Vinícius Tanque, 74). T: Jair Ventura. CRUZEIRO: Rafael, Romero, Digão (Cabral, 71) , Murilo (Arthur, 77), Bryan; Henrique, Lucas Silva, Robinho, Neves (Alisson, 56), Rafinha; Arrascaeta. T: Mano Menezes.

HISTÓRICO: 88 partidas, Cruzeiro venceu 37, empatou 27, perdeu 24, marcou 128 gols, sofreu 105. Os dois clubes jamais decidiram um título entre si.

DESEMPENHO do Cruzeiro na história do Brasileiro: 57 participações em 61 campeonatos, 1.367 jogos, 594 vitórias, 366 empates, 407 derrotas, 2.007 gols marcados, 1.549 sofridos. Aproveitamento de 52%.