Arquivo da Categoria ‘BRASILEIRO’

12ª BR: Cruzeiro em 8º

sábado, 16 de junho de 2018

São Paulo 3×0 Vitória, Morumbi (63 mil), 20.456

América 0x0 Chapecoense, Independência (23 mil), 4.894

Fluminense 0x1 Santos, Maracanã (78 mil), 6.475

Paraná 1×1 Cruzeiro, Capanema (17 mil), 5.131

Botafogo 2×0 Paranaense, Engenhão (40 mil), 10.048

Sport 0x0 Grêmio, Retiro (35 mil), 10.497

Palmeiras 1×1 Flamengo, Allianz (43 mil), 36.882

Internacional 3×1 Vasco, BeiraRio (50 mil), 19.733

Bahia 1×0 Corinthians, Fontenova (50 mil), 12.806

Mineiro 2×1 Ceará, Independência (23 mil), 22.119

Lugares: 424.000. Público: 149.041. Média: 14.904. Ocupação: 35%.

Leo, Brey e Raniel, os melhores em Curitiba

quinta-feira, 14 de junho de 2018

ATUACÕES dos protagonistas do PARANÁ 1×1 CRUZEIRO, 13jun18qua19h30, Vila Capanema, Curitiba, 12ª rodada, Brasileiro 2018:

TORCIDA CELESTE compareceu e incentivou o time. Máfia azul esteve presente, provavelmente, reforçada por integrantes da Fanáticos, do Paranaense, como sempre ocorre nos jogos em Curitiba.

FÁBIO teve pouco trabalho, mas quando foi exigido cumpriu à risca seu papel.

EZEQUIEL fez uma boa jogada de ponteiro e depois concentrou-se na marcação. Não comprometeu, nem brilhou.

DEDÉ não fez valer sua invencibilidade no jogo aéreo. No chão, fez valer seu físico impondo-se aos atacantes paranistas.

LEO foi o melhor da partida. Atuação perfeita, tanto na bequeira quanto na cobertura da lateral esquerda. Fez sempre o mais simples, sem inventar, como convém a um beque responsável.

HERMES teve muito trabalho na marcação e foi pouco ao ataque. Cansou saiu mais cedo.

ROMERO cuidou basicamente da proteção à bequeira. Na melhor subida ao ataque, chegou um pouco tarde e não evitou que uma bola cruzada por Sobis saísse pela linha de fundo. No todo, substituiu bem o volante titular na contenção, mas não no apoio.

LUCAS foi mais lúcido do meio de campo, tentando criar jogadas. Na ocupação de espaços, saiu-se bem dificultando as ações dos meias paranistas.

ROBINHO desperdiçou as duas melhores oportunidades criadas pelo time. De resto, algumas boas jogadas, nada que fizesse o adversário passar apertos.

MANCUELLO tentou jogar, mas parece não conseguir se entrosar com os colegas. Criou pouco e saiu mais cedo.

SOBIS esforçou-se bastante, marcando e atacando. Só não teve inspiração para criar jogadas claras de gol. Exigiu bater o pênalti e fez uma péssima cobrança acertando o travessão. Menos mal que a bola caiu dentro do gol.

RANIEL foi quem mais incomodou a defesa paranista, com arrancadas e dribles. Colocou Robinho na cara do gol duas vezes. A primeira, após chapelar um beque e a segunda, após forçar Rodrigues a rebater nos pés do meia celeste, devido a um chute forte e cruzado. Não havia motivos técnicos e táticos para ser substituído.

BREY entrou na etapa final jogando na pontesquerda e partiu para cima dos adversários, sofrendo inclusive o pênalti que Sobis converteu em gol. Nos minutos finais foi para lateral-esquerda e também saiu-se bem. Foi a boa nova deste momento de baixo astral do time e da torcida.

SASSÁ entrou no fim do jogo, com o entusiasmo costumeiros, mas não conseguiu nada contra a amarelada, mas bem postada defesa paranista.

RAFINHA jogou oito minutos e não conseguiu mais do que ocupar espaços.

MANO mandou a campo um time com duas linhas de quatro, com Romero entre elas e raineta mais adiantado. Conseguiu solidez defensiva, mas o ataque continuou devendo. Nas substituições, acertou com breu e perdeu tempo com Sassá e Rafinha, que tiveram pouco tempo e nenhum apoio para desempenharem suas funções. 

CRUZEIRO fez o de sempre: cadenciou o jogo, reteve a bola o quanto pode, dobrou a marcação com suas duas linhas de quatro, mas foi pouco agressivo e ineficiente na hora de arrematar as jogadas.

PARANÁ apostou numa marcação cerrada e nos contra-ataques. Fez bem a primeira parte e mal a segunda. Mas conseguiu empatar num lance despretensioso e ficou satisfeito. Os beques Neris e Rayan e o artilheiro Silvinho foram os destaques.

ÁRBITROS comprometeram o jogo, com a marcação de dois impedimentos inexistentes, que prejudicaram o Cruzeiro. Nas demais marcações, inclusive no pênalti, estiveram bem. Na questão disciplinar Dewson Freitas distribuiu cartões amarelos, com fartura. E acentuadamente.

MelhorDoJogo => LEO [[[7]]] Gil, Milani, Romarol, Dourado, França, Barnabé, Síndico —– RANIEL [[[6]]] Uol, Galvão, Zuloobas, Arregy, Vasconcelos, Olivieri —– BREY [[[4]]] Velame, Tato, Militão, Sá —– LUCAS [[[3]]] Geraldo, Ccc, Velloso —– SOBIS [[[2]]] Morato, Schrier —– ROMERO [[[2]]] Bitencourt, Bastos —– SILVINHO [[[1]]] Bemparaná —– BITECO [[[1]]] Walterson.

11ª BR: Cruzeiro em 8º

segunda-feira, 11 de junho de 2018

Paranaense 0x1 São Paulo, 09jun18sab16h, Baixada, Curitiba, 9.323

Chapecoense 2×0 Cruzeiro, sab19h, Condá, Chapecó, 6.637

Vasco 3×2 Sport, sab19h, São Januário, Rio, 7.581

Corinthans 0x0 Vitória, sábado, 21h, Itaquera, Sampa, 27.774

Mineiro 5×2 Fluminense, domingo, 16h, Independência, Beagá, 14.476

Bahia 3×3 Botafogo, dom16h, Fontenova, Salvador, 12.479

Ceará 2×2 Palmeiras, dom16h, Castelão, Fortaleza, 32.081

Grêmio 1×0 América, dom16h, Humaitá, PoA, 12.953

Flamengo 2×0 Paraná, dom19h, Maracanã, Rio, 54.526

Santos 1×2 Internacional, dom19h, Vila Belmiro, Santos, 8.124

Lugares: 419.000 Público: 185.954 Média: 18.595 Ocupação: 44%

Mano: “Nosso time não reteve a bola”

segunda-feira, 11 de junho de 2018

PITACOS acerca do CHAPECOENSE 2×0 CRUZEIRO, 09jun17sab20h20, Condá, Chapecó, 11ª rodada do Brasileiro 2018:

MANO MENEZES: O Cruzeiro não mereceu vencer, não jogou bem pra vencer. Tivemos dificuldades. Perdemos Sassá e o Thiago, que era peça importante na construção de jogadas. O time não reteve a bola, e a Chape não quis jogar com construção de jogadas, sempre deixou três volantes e jogou por uma bola. Perdemos uma segunda bola, o que tem relação com posicionamento, Apodi foi lançado em profundidade, demoramos a acompanhar, e veio o gol irregular. Em dois jogos é o que temos. Apenas mudou o resultado pra vitória do adversário. Jamais estivemos perto de construir a vitória, mas sofrer um gol com a mão irrita. O jogo disputado com muita marcação no meio, muita briga pela bola, o que não é característica de Thiago e Robinho. Lógico quando o jogo fica assim é mais difícil pra eles. Nosso time precisava ter mais volume, saída de bola, São leituras que temos que saber fazer. Fomos punidos porque em determinados momentos nos faltou ambição maior pra encontrar solução pra vencer. Na última parte, com a saída de Sassá e a entrada de Raniel, ficamos só com Marcelo pra parte ofensiva. E não é ele que tem a responsabilidade de resolver os problemas.

‏SOBIS: Teve um lance no 1º tempo em que o cara me acerou e o árbitro me deu amarelo por eu ter pedido a falta. Depois ele viu e ficou pedindo desculpas durante o jogo. A gente não fez um grande jogo. Aqui é difícil colocar a bola no chão. Levamos o primeiro gol com a mão e já é o segundo jogo que somos prejudicados. O Cruzeiro tem que ficar de olho porque talvez tenha gente querendo que a gente não vença isso.

SUPERESPORTES: O primeiro gol foi irregular. Apodi cruzou da direita, o atacante Bruno Silva chutou, a bola iria pra fora, mas bateu em seu braço e foi pra rede. Outro equívoco foi o cartão amarelo pra Sobis, que reclamou de uma entrada forte, No lance, o jogador da Chapecoense bateu com as travas da chuteira na canela do cruzeirense e nem advertido foi. Se o árbitro fosse rigoroso, o cartão vermelho não seria absurdo. Mas somente o cruzeirense recebeu o amarelo por reclamação.

MAURO FRANÇA: Com a linha de três, com Sobis, Neves e Robinho, não há como o ataque jogar bem. O time perde velocidade, dinamismo, intensidade e o sistema defensivo fica sobrecarregado.

ZULOOBAS: Com o elenco disponível, qual seria a tal equipe ideal que Mano não colocou em campo? Pode ter havido algum erro tático, mas parece que alguns jogaram por pura falta de opção. A única observação, que achei lúcida, foi a de que Neves e Robinho juntos não dá. Contra o Ceará, Mano tinha achado uma saída sem os dois, mas convenhamos, apesar da vitória, aquele jogo também foi sofrível.

FÁBIO VELAME: Futebol ridículo, derrota merecida. Até o Dedé entregou hoje!

Henrique e Leo jogaram futebol

domingo, 10 de junho de 2018

ATUAÇÕES dos protagonistas do CHAPECOENSE 2×0 CRUZEIRO, 09jun17sab20h20, Condá, Chapecó, 11ª rodada do Brasileiro 2018:

TORCIDA CELESTE compareceu, com faixas e vestindo a camisa estrelada, mas não teve motivos para vibrar. Nas redes, a termocefalia de sempre.

FÁBIO jogou futebol. Sem culpa nos gols, fez duas defesas e foi correto em todas as intervenções.

EDÍLSON, razoável na marcação, pouco inspirado no ataque e economizando energia, mais uma vez, não justificou a fé que os cartolas colocaram nele.

DEDÉ foi perfeito nas aéreas e péssimo nas terrestres. Pensando bem é melhor ele rifar as bolas. Sair jogando não é seu forte.

LEO jogou futebol a vera, em sua 300ª partida com a camisa celeste. Rebateu, cortou, espanou, fez cobertura e não se afobou com a bola nos pés.

EGÍDIO perde uma corrida com Apodi, no lance do gol irregular. Todo mundo perderia, naquelas circunstâncias. De resto marcou bem, com cinco desarmes, e apoiou o ataque o quanto pôde.

HENRIQUE jogou futebol. Marcou, armou e atacou, inclusive, fazendo jogada de ponta.

BRUNO foi o segundo em desarmes tomando 4 bolas dos chapecoenses. Na criação, passou em branco.

ROMERO entrou na etapa final e não se destacou. Passou batido.

ROBINHO, pela ponta e pelo meio, tentou jogar. Só tentou.

NEVES não jogou futebol. Entre em campo, mas não jogou. No há o que comentar acerca de seu desempenho.

SOBIS marcou quem devia marca-lo, Apodi, trabalhou algumas bolas com Egídio, mas partir para cima da defesa e definir jogadas, nem deve ter passado por sua cabeça.

SASSÁ esforçou-se, brigou com a defesa chapecoense, machucou-se, saiu antes do fim do primeiro tempo. E ficou nisto.

RANIEL quis jogar, mas o time não tinha a menor noção de como aproveitar seu entusiasmo, por isso, passou em branco.

MARCELO entrou no fim, com o time já nocauteado e não teve como nem com quem jogar.

MANO escalou o time possível fez as alterações possíveis e foi o que se viu: uma equipe murcha, sem ideias, sem pegada, sem tesão, facilmente controlada pela Chape, que em momento algum empolgou sua torcida.

CRUZEIRO jogou mal do meio para a frente. Ficou dependendo da defesa para somar um ponto, mas ela foi vencida numa jogada de velocidade e entregou o segundo gol numa saída equivocada. Foi o bastante para liquidar as esperanças do time de encostar nos melhores do torneio.

CHAPECOENSE marcou incansavelmente, anulando Neves e impedindo que ele armasse jogadas com os centroavantes. Com a questão defensiva resolvida, resolveu atacar na parte final do jogo e foi bem-sucedido, contando com um erro de arbitragem e outro do principal jogador adversário.

ÁRBITROS mexeram no placar ao validar um gol irregular, o primeiro, feito com o braço, por Bruno Silva. De resto, atuação normal do sexteto.

  • MelhorDoJogo => HENRIQUE [[[7]]] Romarol, Barros, Ccc, Viana, Dourado, Síndico, Pedro —– LEO [[[6]]] Evans, França, Chiabi, Morato, Walterson, Barnabé —– FÁBIO [[[2]] Penido, Zuloobas —– BRUNO [[[1]]] Uol —– DEDÉ [[[1]]] Gil —– NEVES [[[1]]] Guerreiro —– APODI [[[2]]] Sá, Schrier.

Chapecoense 2×0 Cruzeiro: Castigado por não jogar

sábado, 9 de junho de 2018

CRUZEIRO contra Chapecoense, neste 09jun18sab19h, na Arena Condá (22 mil), Chapecó, pela 11ª rodada do Brasileiro 2018..

RANKING da CBF: Cruzeiro é o 1º, com 15.288 pontos, Chapecoense a 14ª, com 9010 .

CLASSIFICAÇÃO: Cruzeiro é o 5º, com 17 pontos; Chapecoense, a 16ª, com 10.

CRUZEIRO: Fábio — Edílson, Dedé, Leo, Egídio — Henrique, Bruno — Robinho, Neves, Sobis — Sassá. T: Mano Menezes.

BANCO: França, Rafael, Ezequiel, Manoel, Murilo, Hermes, Lucas, Romero, Raniel, Marcelo.

AUSENTES: Fred, David, Rafinha, Mancuello, Cabral (lesionados), Arrascaeta (Seleção Uruguaia).

PENDURADOS: Henrique, Cabral, Edílson, Bruno.

ARBITRAGEM: Grazianni Maciel Rocha, João Luiz Coelho de Albuquerque e Thiago Henrique Neto Correa Farinha. (RJ).

CHAPECOENSE: Jandrei — Apodi, Douglas, Thyere, Pacheco — amaral, Márcio Araujo, Canteros — Wellington Paulista, Leandro Pereira, Caike. T: Gilson Kleina.

BANCO: Ivan G, Eduardo L, Luiz Otávio B, Vinícius Freitas L, Barreto V, Elicarlos V, Neném M, Nadson M, Bruno Silva A, Vinícius A, Guilherme A, Lourency A.

AUSENTES: Fabrício Bruno (osteíte púbica), Neto e Khevin (joelho), Júnior Santos (coxa), Moisés Ribeiro (suspenso por doping).

PENDURADOS: Wellington Paulista, Arthur Caike.

TMPO limpo, temperature de 19º, vento 11 Km/h, umidade 68%.

TRANSMISSÃO: Premiere, com narração de Cleiton Cesar e comentários de Índio, reportagens de Elton Novaes e Pedro Rocha.

CHAPECOENSE 2×0 CRUZEIRO, 09jun18sab20h20. TEMPO limpo, temperatura 18º, vento 0 Km/h, umidade 83%. LOCAL: Condá (22 mil), Chapecó. MOTIVO: 11ª rodada, Brasileiro 2018. TRANSMISSÁO: Premiere. PÚBLICO: 6.637 pagantes, R$136.420, média R$21, ARBITRAGEM: Grazianni Rocha, João Luiz Albuquerque, Thiago Farinha (RJ). AMARELOS: Caike, Elicarlos, Sobis, Edílson, Robinho. GOLS: BrunoC, 79, Elicarlos, 92. CHAPECOENSE: Jandrei; Apodi (Eduardo, 85), Thyere, Douglas, Pacheco; Elicarlos, Márcio Araújo, Canteros; Caike (Bruno Silva, 74), Wellington Paulista (Luiz Antonio, 60), Leandro Pereira. T: Gilson Kleina. CRUZEIRO: Fábio; Edílson, Dedé, Leo, Egídio; Henrique, Bruno Silva (Marcelo, 83); Robinho, Neves (Romero, 65), Sobis; Sassá (Raniel, 44). T: Mano Menezes.

HISTÓRICO: 14 jogos entre Cruzeiro e Chape. Cruzeiro tem 6 vitórias, 4 empates, 4 derrotas, 19 gols a favor, 14 contra.

DESEMPENHO do Cruzeiro na história do Brasileiro: 57 participações em 62 campeonatos, 1.378 jogos, 599 vitórias, 368 empates, 411 derrotas, 2.014 gols marcados, 1.555 sofridos. Aproveitamento de 52,3%.

Fivestars: “Resultado chateia, mas não desanima”

sexta-feira, 8 de junho de 2018

PITACOS acerca do CRUZEIRO 1×1 VASCO, neste 06jun18qua21h45, no Mineirão, belo Horizonte, pela 10ª rodada do Brasileiro 2018:

MANO MENEZES: O Cruzeiro mereceu vencer porque fez um gol e teve dois pênaltis não marcados. Poderíamos ter vencido com mérito, com uma virada bem construída. O mérito que estão vendo do lado de lá, poderia não estar sendo discutido. Nosso jogo foi pra vitória, nós brigamos bastante até o final. O Brasileiro será assim, não vamos vencer todas. Mas o que vale é que nossa equipe brigou bastante, se empenhou demais, E temos que agradecer a torcida que nos apoiou durante todo o jogo.

EGÍDIO: Fiquei chamado com o gol, mas não abaldo. Temos que fazer o simples. Eu estava sozinho e tentei dar de lado do pé. A culpa foi minha. Eu assumo. Agora é ter personalidade e jogar. O torcedor já gritou meu nome, me deu força.

DEDÉ: Tropeçamos. Mas jogando muito bem. Uma falha nossa, o gol saiu de um chute muito preciso. Nosso time ficou em cima, trabalhou. Sabemos que o fator casa tem que ser prioridade na nossa caminhada. Time lutou. Saímos daqui tristes pelo resultado, mas felizes pela atução, pela entrega, pelo comprometimento.

BRUNO BARROS: Edílson dobrou a perna acintosamente antes do inevitável toque dando ao juiz atrás do gol a clara impressão de cavada. Faltou malandragem pra um gesto mais natural de tropeçar no carrinho que o zagueiro deu. O segundo pênalti pedido, Paulão em Raniel, não houve absolutamente nada.

J. DIAS: Cruzeiro não jogou bem, mas fez o suficiente pra uma vitória. Se não fosse a falha do Egídio e a falta de marcação de pênaltis, o resultado teria sido justo. 

JAMES FIVESTARS: Com vários jogadores em seu limite físico e o adversário saindo na rente e se trancando, até que o time celeste criou boas chances. O resultado chateia mas não desanima nem um pouco. Sobis, em boa sequência, foi o ponto positivo.

MATHEUS CHAVES: O time fez um bom jogo. Esbarrou num ferrolho, na falha incomum do Egídio e na noite nada inspirada do Neves. No geral, criou oportunidades das formas mais variadas possíveis, mas faltou um pouco de competência na hora de colocar na casinha. Apesar do empate, saí do Mineirão satisfeito com a apresentação. 

CLAUDINEI VILELA: Cruzeiro teve duas chances, com Dede e Neves, antes de levar o gol. E teve a defesaça do Fábio na falta cobrada pelo Pikachu. Depois do 0x1, o Vasco se trancou pra evitar as chegadas pelo meio. Jogadas pelas laterais, então, foram a válvula de escape. Henrique, Dedé, Raniel e Bruno erraram o alvo em chances reais. E dois pênaltis não foram marcados: um no Edilson, outro no Raniel. 

LEONARDO MATARELLI: Não está havendo muito drama por conta de um empate, em que o time não jogou mal, num campeonato de pontos corridos, com 28 jogos por disputar?

DOUGLAS VELOSO: Pior que os erros e a péssima arbitragem foi a insistência em chuveirar bolas.

BRUNO FURLETTI: Dedé de centroavante fica parecendo um jogo de solteiro contra casado.

Dedé, quase uma unanimidade

quinta-feira, 7 de junho de 2018

ATUAÇÕES dos protagonistas do CRUZEIRO 1×1 VASCO, neste 06jun18qua21h45, no Mineirão, belo Horizonte, pela 10ª rodada do Brasileiro 2018:

TORCIDA CELESTE compareceu em quantidade razoável e apoiou o time. No fim, alguns termocéfalos vaiaram. Uma turma que não consegue entender campeonato que acompanha.

FÁBIO fez uma defesaça em cobrança de falta de Pikachu e esteve perfeito nas demais intervenções.

EDILSON foi participativo, cruzou boas bolas e ganhou duelos defensivos, Faltou alguém mais próximo dele nas jogadas ofensivas. (Douglas Veloso)

DEDÉ, muito bem na bequeira, no fim, virou atacante e criou dificuldades para a defesa carioca. A torcida não lhe poupou aplausos, no estádio e nas redes.

LEO fez sempre o mais simples, o que o faz seu futebol tão eficaz. (Douglas Velloso) —– Segurou sozinho a defesa quando seu companheiro de zaga resolveu ser atacante. (Claudinei Vilela)

EGÍDIO falhou ao cortar mal a bola, que resultou no gol do Vasco, mas não se perdeu e manteve a disposição para atacar e defender. —– Acertou 56 passes, errou 3 se serviu pra 4 finalizações. (Footstats)

HENRIQUE fez o esperado: protegeu bem a defesa e na transição, A lamentar, a perda de um gol. (Douglas Velloso)

LUCAS deu sinais de estafa e não foi efetivo no apoio ao ataque. Na marcação, esteve bem. Saiu mais cedo, por cansaço.

BRUNO entrou bem, aparecendo com disposição pelo lado direito, tanto no ataque quanto na defesa. (Douglas Velloso)

ROBINHO armou boas jogadas pelo direita. No fim, foi recuado pra volância e não comprometeu.

NEVES perdeu gol feito numa assistência do Raniel. Não acertou passes, não correu e não marcou (José Eustáquio Dourado) —– Não jogou bem, mas as críticas que recebeu nas redes foram exageradas. 

SOBIS jogou bem, embora um pouco abaixo das últimas partidas. Apresentou-se para o jogo e segurou as saídas laterais do Vasco. (Douglas Velloso)

MARCELO movimentou-se bem, mas o nervosismo não deixou seu futebol fluir. (Zuloobas)

RANIEL marcou um gol espírita, que salvou um ponto, correu muito, ameaçou o arco vascaíno o tempo todo, sem se desanimar pela falta de jogadas da equipe apropriadas para um centroavante finalizar.

MANO fez suas piores substituições no ano. Inverteu jogadores, fez uma confusão. (Rosan Amaral) —– Desprezou tanto os centroavantes que ontem, na falta de um, teve que mandar o beque lá para a frente. E por pouco ele não virou o jogo, com essa mexida. (Genivaldo Lucena) —– Suas alterações não deram certo, mas teve o mérito de lançar o jovem Marcelo. Ficou uma dúvida: por que o utilíssimo Sobis saiu e o inútil Neves permaneceu em campo? (Zuloobas)

CRUZEIRO jogou o futebol de sempre, seguro na defesa, mas pouco eficiente no ataque. Teve o jogo sob controle, criou chances, mas acabou punido por úmero da defesa e dois dos árbitros. nada que já não tenha ocorrido ou venha ocorrer com os demais times do campeonato.

VASCO abriu o placar aproveitando-se de um erro da defesa celeste e tratou de segurar a vantagem. Foi sufocado, mas com muita disposição e alguma ajuda da arbitragem, conseguiu. Andrey, um exímio chutador, foi o destaque, mas toda a defesa se comportou bem.

ÁRBITROS mexeram no placar. Juiz e vigia deixaram de marcar dois pênaltis favor do Cruzeiro.

MelhorDoJogo => DEDÉ [[[40]]] Uol, Soares, Braga, Ernesto, Setelagoas, Wagner, Saddi, Jotapê, Evans, Anchieta, Nanayoski, Carneiro, Vanda, Paulo, Penido, Velloso, Velame, Chaves, Ccc, Chiabi, Rezende, Fonseca, Dias, Bitencourt, Viana, Sá, Wallace, Walterson, Milani, Klauss, Morato, Schrier, Dulce, Rocha, Arcanjo, Olivieri, Moema, Ianni, Romarol —– RANIEL [[[6]]] França, Edgard, Rossi, Carvalho, Bastos, Síndico —– SOBIS [[[3]]] Pinheiro, Fivestars, Ismail —– FÁBIO [[[2]]]] Dourado, Dinho —–  HENRIQUE [[[2]]] Marcoelex, Barnabé —– EDÍLSON [[[1]]] Márcio —– LEO [[[1]]] Vilela.

Cruzeiro 1×1 Vasco: Muita luta pra salvar um ponto

quarta-feira, 6 de junho de 2018

CRUZEIRO contra Vasco, neste 06jun18qua21h45, no Mineirão, Belo Horizonte, 10ª rodada, Brasileiro 2018.

CLASSIFICAÇÃO: Cruzeiro é o 2º, com 16 pontos; Vasco, o 11º, com 11 pontos.

RANKING da CBF: Cruzeiro é o 1º, com 15.288 pontos; Vasco, o 13º, com 9.322.

CRUZEIRO: Fábio — Edílson, Leo, Dedé, Egídio — Henrique, Lucas — Robinho, Neves, Sobis — Sassá. T: Mano Menezes.

BANCO: Rafael, Ezequiel, Manoel, Murilo, Hermes, Cabral, Bruno, Mancuello, Marcelo.

AUSENTES: Fred, David, Rafinha (lesionados), Sassá (suspenso), Arrascaeta (Seleção uruguaia).

ARBITRAGEM: Luiz Flávio de Oliveira (FIFA-SP), Anderson José de Moraes Coelho (CBF-SP) e Fábio Rogério Baesteiro (CBF-SP)

PENDURADOS: Cabral, Bruno, Henrique.

VASCO: Fernando Miguel — Luiz Gustavo, Paulão, Ricardo Graça, Henrique — Desábato, Andrey — Pikachu, Wagner, Cosendey — Rios. T: Valdir Bigode.

BANCO: Gabriel Félix G, Ramon L, Erazo B, França B, Miranda V, Giovanni Augusto M, Evander M, Paulo Vítor A, Moresche A, Caio Monteiro A, Lucas Santos A.

AUSENTES: Martín Silva (seleção uruguaia), Thiago Galhardo (lesão na coxa), Rafael Galhardo (entorse no tornozelo), Werley (fratura no braço), Breno (dores no joelho), Kelvin (lesão na coxa), Bruno Silva (lesão na coxa) e Rildo (cirurgia no ombro).

PENDURADOS: Ricardo e Wellington.

TRANSMISSÃO: Globo para RJ, RS, MG, ES, AL, PB, RN, PI, MA, AM, RO, AC, RR, AP e DF (com Luis Roberto, Roger Flores, Bob Faria e Renato Marsiglia) e Premiere e Premiere Internacional (com Rogério Corrêa e Henrique Fernandes)

CRUZEIRO 1×1 VASCO, 06jun18qua21h45. TEMPO nublado, temperatura 18º, vento 5% Km’h, umidade 89%. LOCAL: Mineirão (62 mil), Belo Horizonte. MOTIVO: 10ª rodada, Brasieiro 2018. TRANSMISSÃO: Globo e Premiere. PÚBLICO: 19.870 pagantes, 23.275 presentes, R$411.772, média R$21. ARBITRAGEM: Luiz Flávio Oliveira, Anderson Moraes Coelho, Fabio Rogerio Baesteiro (SP). AMARELOS: Wagner, Pikachu. GOLS: Andrey 21, Raniel, 60. CRUZEIRO: Fábio, Edilson, Dedé, Leo, Egídio; Henrique, Lucas (Marcelo, 59); Robinho, Neves, Sobis (Bruno, 74); Raniel. T: Mano Menezes. VASCO: Fernando Miguel, Luiz Gustavo (Wellington 73), Paulão, Ricardo Graça, Henrique; Desábato, Andrey; Cosendey (Evander, 62), Wagner (Giovanni Augusto, 55), Pikachu; Rios. Técnico: Valdir Bigode.

HISTÓRICO: 96 jogos. Cruzeiro venceu 35, empatou 31, perdeu 30, marcou 146 gols e sofreu 124. Pelo Brasileiro, 57 partidas. Cruzeiro venceu 22, empatou 20, perdeu 16, marcou 89, levou 69 gols. Os dois clubes decidiram o Brasileiro de 1974, no Maracanã. O Vasco venceu por 2×1.

DESEMPENHO do Cruzeiro na história do Brasileiro: 57 participações em 62 campeonatos, 1.377 jogos, 599 vitórias, 368 empates, 410 derrotas, 2.014 gols marcados, 1.553 sofridos. Aproveitamento de 52,3%.

10ª BR: Cruzeiro em 5º

terça-feira, 5 de junho de 2018

São Paulo 0x0 Internacional, terça, 21h30, Morumbi, 14.730 pagantes

Vitória 1×0 Chapecoense, quarta, 19h30, Barradas, 5.459

Botafogo 0x0 Ceará, quarta, 19h30, Engenhão, 7.744

Corinthians 1×1 Santos, quarta, 21h, Itaquera, 27.586

Sport 1×0 Paranaense, quarta, 21h, Retiro, 17.841

Grêmio 0x2 Palmeiras, quarta, 21h45, Humaitá, 26.566

Cruzeiro 1×1 Vasco, quarta, 21h45, Mineirão, 19.870

Paraná 1×0 Bahia, quinta, 20h, Capanema, 4.153

Fluminense 0x2 Flamengo, quinta, 20h, Nacional, 59.987

América 1×3 Mineiro, quinta, 21h, Independência, 7.776

Lugares: 446.000 Público: 191.682 Média: 19.168 Ocupação: 43%