Arquivo da Categoria ‘BRASILEIRO’

16bra19: Cruzeiro busca um respiro em Maceió

sábado, 24 de agosto de 2019

16ª RODADA, Brasileiro 2019:

  • Mineiro 0-1 Bahia 24ago19sab11h Independência
  • Grêmio 2-1 Paranaense 24ago19sab17h Humaitá
  • Santos – Fortaleza 25ago19dom16h Vila Belmiro
  • Vasco – São Paulo 25ago19dom16h São Januário
  • Goiás – Internacional 25ago19dom16h Serra Dourada
  • Ceará – Flamengo 25ago19dom19h Castelão
  • Avaí – Corinthians 25ago19dom19h Ressacada
  • Alagoano – Cruzeiro 25ago19dom19h Rei Pelé
  • Botafogo – Chapecoense 26ago19seg20h Engenhão
  • Palmeiras – Fluminense 27ago19ter21h Allianz

FRANGA abriu os trabalhamos apanhando em casa do Bahia.

O torcedor meia-boca

sexta-feira, 23 de agosto de 2019

HOJE EM DIA informa: Cruzeiro tomou prejuízo em 5 dos 7 jogos, que disputou no Mineirão pelo Brasileiro.

Franga teve lucro no Independência, mas foi uma merreca comparado com os ganhos dos demais ponteiros do campeonato.

O torcedor de Beagá é um torcedor meia-boca. Pra ir ao estádio, tem uma lista de imposíções:

  1. Ingresso a dez merréis;
  2. Time na bica de campeonar;
  3. Adversário argentino;
  4. Tempo seco;
  5. Nem frio, nem quente;
  6. Escalação sem o jogador que odeia;
  7. Escalação com o jogador que ama;
  8. Sistema de jogo faceirinho;
  9. Convocação da “rádia”;
  10. Horário não coincidir com Faustão, nem com a novela.

Se tudo isto acontecer ao mesmo tempo, ele vai. Mas não vai mais do que uma vez por mês.

Chaves: “Dodô no meio-campo foi boa sacada”

terça-feira, 20 de agosto de 2019

PITACOS acerca do CRUZEIRO 2-0 SANTOS, Mineirão, Belo Horizonte, 18ago19dom16h, pela 15ª rodada do Brasileiro 2019:

ROGÉRIO CENI: Neves fez uma partida brilhante como segundo volante. Quando entrou o Fred, Marquinhos foi muito bem. David ajudou muito, Pedro ajudou muito, linha de zaga firme. Dedé sentiu, Cacá entrou com personalidade. Preferimos poupar o Leo, Fabrício entrou super bem. Eu tinha dúvida entre Egídio e Dodô, arrumei um espaço pra Dodô, é um jogador que gosto muito. Por ser ambidestro, trata bem a bola. Orejuela discreto, mas eficiente na marcação, não deu espaço pro Soteldo. Com o torcedor junto, 45 mil vozes apoiando, o time trazendo a torcida pro lado. Se eles quiserem, tenho certeza que vão conseguir fazer outros bons jogos como o de hoje.

THIAGO NEVES: Tivemos mais intensidade, com marcação mais em cima, com mais posse de bola, que é o jeito que o Rogério quis jogar. Foi a primeira semana, mas conseguimos tocar, porque sabemos.

FERNANDÃO ÁVILA: Estreia animadora, estou satisfeito, depois de uma vitória sobre o líder mas, convenhamos, fazer análise tática de um time que jogou o tempo todo contra dez do outro lado… O Cruzeiro venceu no entusiasmo, do estádio cheio, da energia da turma querendo mostrar serviço, mas principalmente pela vantagem numérica.

EDUARDO ARREGUY: O fato de o Santos ter jogado com um a menos não diminui a vitória do Cruzeiro. Ganhamos do líder, o time sensação do campeonato e estávamos numa seca nunca vista. Se para o Santos jogar com um a menos é anormal, a nossa situação também não tinha nada de normal.

DOUGLA VELLOSO: A situação do jogo foi ideal para uma virada na temporada. O clima positivo no estádio, a expulsão que  acilitou o domínio ofensivo tão cobrado, jogadores bem individualmente, menos erros de passem ruso contribuiu para as mudanças surtirem efeito, A dedesa esteve bem na saída de bola e no combate ao ataque santistas, quanto na saída de bola. Com um homem a mais, houve a necessidade de ter alguém que incomodasse a defesa santista, que não jogava com a linha completa no primeiro tempo. A entrada de Fred, antes dos 30, se mostrou acertada pela dinâmica que o jogo tomou. Sampaoli tentou corrigir no intervalo, mas o gol cedo na segunda etapa fez a partida ficar sob controle do Cruzeiro.

MATHEUS CHAVES: A expulsão do jogador santista logo no início dificulta a avaliação da proposta tática do novo técnico celeste, pois o adversário teve que abrir mão de suas principais características e se retrair muito, oferecendo campo e posse da bola ao Cruzeiro., justamente anulando sua principal característica. Dodô no meio-campo foi boa sacada. Como também o foi a busca pela vitória logo no primeiro tempo, coma troca do Egídio pelo Fred a fim de se aproveitar a superioridade numérica. Já deu pra ver também uma ideia de saída de bola diferente, com a pelota mais no chão de pé em pé do Fábio até o ataque. Boa estreia!

MARC BSB: Grande vitória! Muito necessária nesse momento e empolga por ter sido contra o líder. Estou impressionado com a ousadia do Ceni que não esperar o intervalo pra colocar o Fred e aproveitar o quanto antes o jogador a mais. Estreia magistral do treinador.

JOTA DIAS: Grande resultado. Não deu pra saber o quanto o Ceni mudou o time por causa da expulsão. Mas parece que mudou o astral do time. 

LUIZ ANTÔNIO TOLEDO: Rogerio Ceni foi o destaque. Ele fez bela leitura do jogo quando trocou Egídio por Fred. Depois dele, os melhores foram Depois Dede e Henrique.

LUIZITO SOÁREZ: DNA do Cruzeiro? Cansei… 

Neves e Ceni levantaram a torcida

segunda-feira, 19 de agosto de 2019

ATUAÇÕES dos protagonistas do CRUZEIRO 2-0 SANTOS, Mineirão, Belo Horizonte, 18ago19dom16h, pela 15ª rodada do Brasileiro 2019:

TORCIDA CELESTE compareceu em bom número, mas pagando ingresso médio de R$17, algo inaceitável no profissionalismo. Durante o jogo, apoiou o time e, no fim, gritou o nome do novo técnico.

FÁBIO fez uma defesaça aérea ou outra complicada terrestre. As demais catadas foram tranquilas.

OREJUELA defendeu bem e atacou bastante, mas sem caprichar nos cruzamentos.

DEDÉ fez seu jogo habitual, cortando as bolas que assaram em seu raio de ação e indo atrás de outras, mas distantes. Numa delas, sentiu uma dor muscular e saiu, no início da etapa final.

CACÁ entrou no começo da etapa final e saiu-se muito bem. Em sua melhor intervenção cortou, pelo alto, uma bola que Sasha, certamente, mandar ia para a rede.

FABRUNO, sóbrio, defendeu bem e saiu jogando, sem se complicar.

EGÍDIO jogava bem, com ênfase no apoio ao ataque, mas saiu aos 30, para dar lugar a Fred.

DODÔ jogava muito bem como volante, mas, aos 30, foi deslocado para lateral esquerda, onde rendeu menos, especialmente, no apoio ao ataque.

HENRIQUE fez uma partida impecável cuidando da marcação aos meio-campistas do Santos. estiveram aos seus cuidados Sánchez, Jonatan e Soteldo, este na parte final do jogo. Tendo Dodô, Neves e Robinho como colegas de violência, teve que jogar sempre por dois na contenção. E ainda arranjou tempo para atacar e chutar, com perigo, ao arco do Peixe.

ROBINHO entrou no fim do jogo e não fez nada de especial, mas também não comprometeu o bom futebol que o time jogada àquela altura.

NEVES fez sua melhor partida na temporada, marcando um gole servindo para outra. Além disto, correu como poucas vezes se viu, marcando, apoiando e arrematando a gol.

M GABRIEL jogou bem o tempo todo, sem altos e baixos. Em sua melhor jogada, ofereceu um gol que Fred e Rocha não conseguiram concretizar.

FRED fez um gol, serviu para outro, fez o pivô, tabelou e limpou sua barra coma torcida.

ROCHA correu e foi participativo, mas não emplacou uma jogada decisiva.

DAVID acertou algumas jogadas, errou outras, mas não se omitiu. Cansou na metade da etapa final.

CENI estreou com uma grande vitória entusiasmou torcida com a opção por um time bastante ofensivo. Escalou Dodô como volante, o que estava dando certo, mas ele não quis manter até o fim. Fez uma troca por necessidade, a do Cacá, outra tática, ao do Fred, e uma terceira para prestigiar Robinho. No fim deu uma conferência na coletiva, expondo tudo o que pensa sobre a armação do time, anunciando, inclusive, as barrações de Cabral e Egídio.

CRUZEIRO foi um time ofensivo, com cinco atacantes em boa parte do jogo, um deles fazendo até função de volante, que pressionou, fez os gols e, na metade da etapa final passou a cuidar mais da defesa, administrando a vantagem.

SANTOS foi vítima da imprudência de seu treinador, que jogou com três defensores, mesmo com um jogador a menos e facilitou a vida do Cruzeiro, que pôde atacar sem medo de ser surpreendido em contra-ataque. Na parte final do jogo, seus atletas estavam extenuados e pouco puderam fazer para mudar o panorama da partida. Jorge, recém-convocado para a seleção Brasileira, foi o destaque. Everson, Sánchez, Pituca e Soteldo se desdobraram para evitar uma goleada.

ÁRBITROS trabalharam bem. Os times não tiveram do que reclamar, embora os técnicos tenham reclamado, só para não perder o costume.

MelhorDoJogo => NEVES [[[36]]] Sá, Super, Itatiaia, Pena, Rizzi, Rezende, Telespectadores, Ramos, Marc, Wagner, Ianni, Rocha, Gil, Walterson, Bob, Rosan, Ricardinho, Hiram, Klauss, Jotapê, Romarol, Ulhôa, Velloso, Fivestars, Clodoália, Espigão, Fernandão, Clemenceau, Nanayoski, Chaves, Penido, França, Vítor, Bastos, Patrícia, Dudu —– CENI [[[17]]] Uol, Celeste, Zuloobas, Marcus, João, Toledo, Burian, Bitencourt, Castelões, Campos, Schrier, Morato, Nem, Anchieta, Tadeu, Marilu, Lulu —– HENRIQUE [[[5]]] Galvão, Luizanton, Artur, Walery, Síndico —– FRED [[[3]]] Ge, Domênico, Olivieri —– ROCHA [[[1]]] Gonçalves —– DAVID [[[1]]] Lauanda —– DEDÉ [[[1]]] Orozimbo —– FABRUNO [[[1]]] Chiabi —– CACÁ [[[1]]] Barnabé —– OREJUELA [[[1]]] Maury —– M GABRIEL [[[1]]] Angrisano —– FÁBIO [[[1]]] Vanda —– JORGE [[[1]]] Rômulo —– CaioMax [[[2]]] Souza, Sanchotene…

Cruzeiro 2×0 Santos: do jeito que o povo gosta

domingo, 18 de agosto de 2019

CRUZEIRO contra Santos, no Mineirão, Belo Horizonte, 18ago19dom16h, pela 15ª rodada do Brasileiro 2019.

CLASSIFICAÇÃO: Cruzeiro é o 17º, com 11 pontos; Santos, o 1º, com 32.

RANKING da CBF: Cruzeiro é o 2º, com 15.822 pontos; Santos, o 4º, com 14.682.

TEMPO ensolarado, temperatura 26º, vento 11 Km/h, umidade 35%.

TRANSMISSÃO: Globo para Minas, Rio Grande do Sul e Santos, com narração de Rogério Corrêa, comentários de Bob Faria, Ricardinho e Adriano Siebra;  Premiere, com narração de Daniel Pereira ecomentários de Mauricio Noriega.

ARBITRAGEM: Anderson Daronco, Rafael da Silva Alves, Elio Nepomuceno Andrade Junior (RS). VAR: Caio Max Augusto Vieira (RN).

CRUZEIRO: Fábio — Orejuela, Dedé, Fabruno, Dodô — Henrique, Egídio — M Gabriel, Neves, David — Rocha. T: Rogério Ceni.

BANCO: Rafael, Cacá, Rafael Santos, Adriano, Jadson, Ederson, Cabral, Robinho, Maurício, Fred, Sassá.

AUSENTES: Leo, Weverton, Rodriguinho (lesionado), Edílson (suspenso).

PENDURADOS: Cabral, Dedé, Rodriguinho.

SANTOS: Everson — Evandro, Veríssimo, Gustavo Henrique, Jorge — Sanchez, Pituca, Felipe Jonatan — Derlis González, Sasha, Soteldo. T; Jorge Sampaoli.

BANCO: Vanderlei G, João Paulo G, Victor Ferraz L, Pará L. Luan Peres B, Luiz Felipe B, Alison V, Evandro M, Felipe Anderson M, Jean Mota M, Marinho A, Uribe A, Lucas Venuto A.

AUSENTES: Aguilar e  Felipe (suspensos)

PENDURADOS: Soteldo, Gustavo Henrique, Felipe Aguilar, Victor Ferraz, Uribe e Jorge.

CRUZEIRO 2×0 SANTOS, 18ago19dom16h. TEMPO limpo, temperatura 26º, vento 6 Km/h, umidade 30%. LOCAL: Mineirão (62 mil), Belo Horizonte. MOTIVO: 15ª rodada, Brasileiro 2019. TRANSMISSÃO: Globo e Premiere. PÚBLICO: 36.975 pagantes, 43.604 presentes, R$629.491, média R$17. ARBITRAGEM: Anderson Daronco, Rafael Alves, Elio Nepomuceno (RS). VAR: Caio Max Augusto Vieira (RN), Daniel Bins, Jose Eduardo Calza (RS). AMARELOS: Fred, Neves, Sampaoli. VERMELHO: Gustavo, 3. GOLS: Fred, 43, Neves, 46. CRUZEIRO: ​Fábio; Orejuela, Dedé (Cacá; 52), Fabruno, Egídio (Fred, 70); Henrique, Dodô, M Gabriel, Neves, David (Robinho, 67), Rocha. T: Rogério Ceni. SANTOS: Everson; Evandro (Pará, 8, Luiz Felipe, 46), Veríssimo, Gustavo Henrique, Jorge; Felipe Jonatan, Pituca, Sánchez (Alison; 61); Soteldo, Sasha, Derlis González. T: Jorge Sampaoli.

HISTÓRICO: 81 jogos. Cruzeiro venceu 30, empatou 22, perdeu 29; marcou 118 gols e levou 128. Pelo Brasileiro, foram 62 partidas. Cruzeiro venceu 23, empatou 18, perdeu 21; marcou 84 gols e sofreu 87. Nas duas vezes em que decidiram um título brasileiro, o Cruzeiro levou a melhor. Em 1966, venceu por 6×2 no Mineirão e 3×2 no Pacaembu. Em 2003, colocou 13 pontos de frente sobre seu rival após vencer pro 3×0, no Mineirão, em uma espécie de final antecipada do primeiro Brasileiro de pontos corridos.

DESEMPENHO do Cruzeiro na história do Brasileiro: 58 participações em 63 campeonatos, 1.458 jogos, 632 vitórias, 393 empates, 433 derrotas, 2.117 gols marcados, 1.653 sofridos. Aproveitamento de 53%. Nos pontos corridos: 642 jogos, 289 vitórias, 141 empates, 212 derrotas, 964 gols marcados, 791 sofridos, aproveitamento de 53%.

15bra19: o Brasil de olho no Mineirão

sábado, 17 de agosto de 2019

15ª RODADA do Brasileiro 2019

  • Fortaleza 0-1 Internacional 17ago19sab17h Castelão
  • Corinthians 2-0 Botafogo 17ago19sab17h Itaquera
  • Paranaense 1-0 Mineiro 17ago19sab17h Baixada
  • Vasco 1-4 Flamengo 17ago19sab17h Nacional
  • Grêmio 1-1 Palmeiras 17ago19sab21h Humaitá
  • Bahia 1-1 Goiás 18ago19dom16h Fontenova
  • São Paulo 1-0 Ceará 18ago19dom16h Morumbi
  • Fluminense 0-1 Alagoano 18ago19dom16h Maracanã
  • Cruzeiro 2-0 Santos 18ago19dom16h Mineirão
  • Chapecoense 1-0 Avaí 18ago19dom19h Condá

Um novo estilo de jogo

sexta-feira, 16 de agosto de 2019

ROGÉRIO CENI já começou a implantar um novo estilo de jogo. Com ele, o time celeste vai sair jogando mais rapidamente e com menos ligações diretas. Vai pressionar a saída de bola e tentar chegar mais rapidamente à área adversária. 

Ficam algumas questões: 1. Quanto tempo o time precisará para se adaptar à nova forma de jogar? 2. Haverá necessidade de se trocar peças? 3. Quais? 4. A defesa celeste vai suportar a onda de contra-ataques quando a marcação alta falhar? 

E o mais importante: o torcedor será parceiro ou vai jogar contra, se o time demorar a engrenar?

Resende: “Pelas circunstâncias, o empate eleva o moral dos atletas”

terça-feira, 13 de agosto de 2019

PITACOS acerca do AVAÍ 2-2 CRUZEIRO, na Ressacada, Florianópolis, 11ago19dom16h, pela 14ª rodada do Brasileiro 2019:

RICARDO RESENDE: Foram três dias intensos. Procuramos melhorar algumas coisas no jogo ofensivo. A gente veio para buscar a vitória, até porque o Fluminense e a Chapecoense perderam e era a oportunidade de sair da zona do rebaixamento. De acordo com as circunstâncias do jogo, o 2×2 eleva o moral dos atletas, que ainda têm uma caminhada longa na temporada. Optei pela entrada do Egídio. Tanto ele, quanto o Dodô, são ótimos laterais. A ideia era ficar com o Henrique e o Cabral como volantes. Na beirada do campo ficariam o  Egídio, que tem um jogo ofensivo bom, e o Rocha pra fazer o dois contra um. Do lado direito, o Orejuela com o Marquinhos. Com a ausência do Neves, trouxe o Robinho para o meio, porque ele é organizador. O primeiro gol no início atrapalhou a estratégia. Querendo ou não, veio toda a carga da Libertadores, de perder o clássico e a derrota para o Inter. No segundo tempo, a troca do Cabral com o Robinho, a equipe melhorou ainda mais, o David entrou muito bem. O Rocha é muito lúcido, fez uma partida brilhante. A gente conseguiu fazer o 1×1, tivemos a chance de fazer o 2×1, com o Sassá, que estava impedido. É parabenizar o grupo pelo poder de reação. Há muito tempo, o Cruzeiro não fazia gol, e hoje eles fizeram dois.

SASSÁ: É horrível a demora para o Var pra validar o gol. Demorou muito, mas conseguimos o gol e o resultado não foi tão ruim.

EDÍLSON: Foi um pouco difícil pra mim voltar depois de dois meses. Fiz questão de falar e explicar a expulsão. Achei totalmente desnecessária. Fazia dois meses que não jogava, faltava um pouco de ritmo ainda. Foi minha primeira semana treinando com bola. Acredito que o árbitro errou, ele se confundiu um pouco ali. Me deu o cartão tentando me intimidar, porque eu só falei pra ele cuidar um pouco do Avaí e me esquecer. Estou muito indignado com a expulsão. Poderia ajudar mais a minha equipe, ainda mais em um jogo que a gente estava perdendo. Estava entrando com muita vontade. Achei que ele errou demais e acabou punindo a mim e à minha equipe.

KLAUSS MOURÃO: O Cruzeiro foi um time desorganizado, o que é compreensível pelo momento conturbado. Dedé, como sempre, e Sassá merecem elogios pela luta, E só!

MATHEUS PENIDO: Técnica e taticamente, foi uma atuação assustadora do Cruzeiro. De bom, apenas o poder de reação. Pelo visto, a briga contra o rebaixamento será mais dura do que se imaginava.

ROSAN AMARAL: David fez o que os armadores não têm feito: colocar o centroavante na cara do gol.

Sassá e Dedé, os melhores na Ressacada

segunda-feira, 12 de agosto de 2019

Quem foi o melhor de AVAÍ 2-2 CRUZEIRO, na Ressacada, Florianópolis, 11ago19dom16h, pela 14ª rodada do Brasileiro 2019?

TORCIDA CELESTE compareceu e fez barulho. Chato foi, em seu momento de maior empolgação, ter saído o primeiro gol havaiano. Não merecia. Mas o esforço foi recompensado, com o gol nos acréscimos.

FÁBIO, sem culpa nos gols, com a sorte de a bola bater na baliza e não voltar para o adversário, e com boas intervenções, fez uma boa partida.

OREJUELA sofreu demais com João Paulo e Paulinho, mas contou com a ajuda providencia de Dedé para suportar as agruras do jogo. No ataque, nada produziu. Saiu mais cedo, lesionado.

EDÍLSON entrou no decorrer da segunda etapa, deu um bom chute a gol, marcou bem, mas aplicou um carrinho –do jeito que a galera gosta–, vou amarelo e, pouco depois, reclamou de uma besteira qualquer e recebeu outro amarelo e o vermelho. Obviamente, foi massacrado nas redes. Mas ainda é o melhor lateral-direito do elenco.

DEDÉ depois de 85 minutos jogando bem como beque, passou os restantes 5 no ataque e deu trabalho à defesa avaiana. Ótima partida.

LEO perdeu uma ou outra disputa, mas foi muito bem no geral. Nos estertores do jogo salvou o gol de desempate do Avaí.

EGÍDIO não fez uma grande partida, mas também não foi o fracasso que os termocéfalos viram. No primeiro gol do Avaí, ele estava bem colocado, fazendo a cobertura da bequeira, mas Pedro Castro que, é bom lembrar, também tinha entrado em campo para jogar futebol, teve a competência e a sorte de acertar uma bola que passou por meio mundo, sem ser tocada. No segundo gol, é possível discutir até a legitimidade do pênalti. Foi mesmo? Se foi, trata-se de falta que todo defensor comete em atacante driblador. Egídio não foi o primeiro, nem será o último. No ataque, o lateral apareceu para jogar com Cabral e Rocha, embora as combinações entre os três no tenham resultado em grandes lances. Enfim, não fez um grande jogo nem, tampouco, foi esse desastre que estão dizendo. Saiu a dez minutos do fim, trocado por Dodô, que também não incomodou muito a defesa avaiana.

DODÔ jogou pouco mais de dez minutos e buscou o ataque. Pouco conseguiu, mas valeu pelo interesse em tentar o empate.

HENRIQUE não foi o Peledenílson que a torcida exige, mas cumpriu suas tarefas, com excelência. Foi primeiro volante, lateral e beque, sempre marcando bem, desarmando e passando a bola, com segurança.

CABRAL jogou bem –compasses verticais, registre-se– até começar a ficar sem fôlego. Saiu para o time ganhar poder de ataque.

ROBINHO errou alguns passes, acertou outros, chutou duas vezes a gol, cobrou bem uma falta. Foi participativo, mas não decisivo.

M GABRIEL mudou de posição e função ao sabor das necessidades do time. Seu melhor momento foi quando acertou o belo chute que resultou no gol de Rocha. Vai contar como serviço, sim senhores!

ROCHA, quando acordo. fez gol, chutou a gol, criou algumas boas jogadas. Isto depois de passar longo tempo sem participar do jogo.

DAVID entrou na etapa final e fez boas jogadas, culminando com o serviço para o gol de Sassá.

SASSÁ buscou o gol tempo todo, fez dois, um valeu. Não foi opção para o jogo aéreo, mas sede bem quando a bola chegou rasteira.

RESENDE escalou o que tinha de melhor, fez substituições corretas, inclusive, para fortalecer o ataque. No limite, mostrou audácia para liberar Dedé para jogar no ataque, correndo um sério risco de tomar o desempate, mo que foi salvo por Leo, no último lance.

CRUZEIRO mostrou forca para buscar o empate duas vezes. Poderia até ter vencido, se a arbitragem não deixasse passar um pênalti de Marquinhos em Dedé. As novidades em relação ao estilo do técnico anterior foram apenas no jogo mais conservador dos laterais e no abafa final, com Dedé liberado para jogar de centroavante.

AVAÍ fez sua melhor partida no campeonato, com muito volume, boas trocas de passes e cruzamentos. Betão, Leo, Paulinho, Castro e João Paulo foram os destaques. Douglas, que entrou no fim, deu passes de alta categoria e pode ser uma peça importante para o time buscar uma, até então, improvável salvezza.

ÁRBITROS mexeram no placar. Houve pênalti claro de João Paulo em Dedé, que nem os juízes de baixo, nem os de cima viram. O auxiliar Boschilia também estava contra o Cruzeiro, com seu braço tendencioso que levantava a bandeira a cada gol de Sassá.

MelhorDoJogo => SASSÁ [[[15]]] Gil, Bitencourt, Talentim, Rizzi, Ianni, Milani, Romarol, Ulhôa, Chaves, Velloso, Ivana, Clodoália, Zéfiro, Penido, Síndico —– DEDÉ [[[9]]] Seisaum, Esdras, Ramos, Walery, Chiabi, França, Guilherme, Patrícia, Dudu —– DAVID [[[5]]] Zuloobas, Vasconcelos, Rosan, Pinheiro, Tadeu —– HENRIQUE [[[4]]] Celeste, Anchieta, Marilu, Barnabé —–ROCHA [[[3]]] Rezende, Morato, Castelões —– EGÍDIO [[[2]]] Telespectador, Schrier —– M GABRIEL [[[1]]] Bastos —– RESENDE [[[1]]] Clemenceau —– CASTRO [[[3]]] Uol, Bob, Correia…

Avaí 2×2 Cruzeiro: um ponto na superação

domingo, 11 de agosto de 2019

CRUZEIRO contra Avaí, na Ressacada (17 mil), Florianópolis, 11ago19dom16h, 14ª rodada, Brasileiro 2019.

CLASSIFICAÇÃO: Cruzeiro é o 17º, com 10 pontos; Avaí, o 20º, com 5.

RANKING da CBF: Cruzeiro é o 2º, com 15.822 pontos; Avaí, o 21º, com 6.394.

TEMPO nublado, temperatura 16º, vento de 15 Km/h, umidade 76%.

TRANSMISSÃO: Globo para MG e SC, com narração de Rogério Corrêa, comentários de Bob Faria e Marcio Rezende Freitas. Premiere e Premiere Internacional, com narração de Marcio Meneghini e comentários de Raphael Rezende.

ARBITRAGEM: Paulo Roberto Alves Jr, Bruno Boschilia, Ivan Carlos Bohn (PR), Diego da Costa Cidral, Marco Antônio Martins (SC). VAR: Adriano Milkzviski, José Mendonça da Silva Jr, Victor Hugo Imazu dos Santos, Nílson de Souza Monção (PR).

CRUZEIRO: Fábio — Orejuela, Dedé, Leo, Egídio — Henrique, Cabral — Robinho, M Gabriel, Rocha — Sassá. T: Ricardo Resende.

BANCO: Rafael, Vítor Eudes, Edílson, Cacá, Fabruno, Dodô, Ederson, Jadson, Maurício, David, Popó, Welinton.

AUSENTES: Rodriguinho (lesionado), Fred, Neves (Suspensos).

PENDURADOS: Cabral, Dedé, Rodriguinho.

AVAÍ: Vladimir — Leo, Betão, Marquinhos Silva, Paulinho — Pedro Castro, Franco — Lourenço, João Paulo, Bruno Sávio — Brenner. T: Alberto Valentim.

BANCO: Lucas Frigeri G, Iury L, Kunde B, Mateus Barbosa V, Luanderson V, Wesley V, Luan Pereira M, Gegê M, Douglas M, Julinho M, Ferrareis M, Caio Paulista A.

AUSENTES: André Moritz V, Daniel Amorim A, Alex Silva (lesionados), Igor Fernandes LE (suspenso).

PENDURADOS: Marquinhos, Ferrareis, Kunde.

AVAÍ 2×2 CRUZEIRO, 11 de agosto de 2019, às 16h. TEMPO nublado, vento 15 Km/h, umidade 75%. LOCAL: Ressacada (17 mil), Florianópolis. MOTIVO: 14ª rodada, Brasileiro 2019. TRANSMISSÃO: Globo e Premiere. PÚBLICO: ARBITRAGEM: Paulo Roberto Alves, Bruno Boschilia, Ivan Carlos Bohn (PR), VAR: Adriano Milczvski (PR). AMARELO: Robinho, Edílson, Douglas. VERMELHOS: Edílson, Leo Avaí. GOLS: Castro, 22, Rocha, 61, Brenner, 73 (P), Sassá, 96. AVAÍ: Vladimir; Leo (Yury, 55), Betão, Marquinhos Silva, Paulinho; Richard Franco, Pedro Castro; Lourenço (Caio Paulista, 50), João Paulo, Bruno Sávio (Douglas, 70), Brenner. T: Alberto Valentim. CRUZEIRO: Fábio; Orejuela (Edílson, 48), Dedé, Leo, Egídio (Dodô, 85); Henrique, Cabral (David, 54); Robinho, M Gabriel, Rocha; Sassá. T: Ricardo Resende (interino).

HISTÓRICO: 11 jogos, 3 vitórias do Cruzeiro, 7 empates, 1 vitória do Avaí, 18 gols do Cruzeiro, 12 do Avaí.

DESEMPENHO do Cruzeiro na história do Brasileiro: 58 participações em 63 campeonatos, 1.457 jogos, 631 vitórias, 393 empates, 433 derrotas, 2.115 gols marcados, 1.653 sofridos. Aproveitamento de 53%. Nos pontos corridos: 641 jogos, 288 vitórias, 141 empates, 212 derrotas, 962 gols marcados, 791 sofridos, aproveitamento de 53%.