Arquivo da Categoria ‘Brasileiro 2013’

Chaves: “Rafinha tem saído melhor que a encomenda”

terça-feira, 7 de novembro de 2017

PITACOS acerca do CRUZEIRO 1×0 PARANAENSE, neste 05nov17dom17h, no Mineirão, Belo Horizonte, pela 32ª rodada do Brasileiro 2017:

MANO MENEZES: O jogo foi disputado dentro do esperado mesmo, a gente precisava voltar a vencer em casa, não sofrer gols novamente, e não o tomamos com o auxilio de todo mundo, principalmente por causa do Fábio. Tivemos maturidade, fizemos um 2º tempo melhor, mais bem posicionado, mudamos um pouco a forma da equipe jogar. Trouxemos o Robinho pra dentro, Neves pela direita e Arrascaeta flutuando mesmo, que é o que ele pode dar pra equipe nesse momento e Rafinha pela esquerda. Depois as alterações em função até por desgaste e uma idéia de dar ritmo para Alisson novamente. Tirei Neves e deixei Arrascaeta, pra guardá-lo pra quarta, já que Arrascaeta vai pra seleção. Teve a estreia de Jonata pra ir se acostumando, pois daqui a pouco vamos usá-lo. Sem duvida nenhuma era importante voltar a vencer.

RAFINHA: Mano falou que o importante era voltar a vencer, independente do resultado, a gente sabia das dificuldades, o Atlético marcou muito forte, mas a gente precisava a voltar a vencer em casa com apoio do nosso torcedor. Foi uma vitória magra, mas importante, pois nos faz subir mais um degrau na tabela.

TREM AZUL: O preço médio do ingresso: foi de R$18. Brasileiro não gosta de futebol, quem gosta são os argentinos, espanhóis, uruguaios, italianos e americanos (como disse o chefe, a média de público de futebol nos EUA é maior do que a do Cruzeiro e nem classificar para uma Copa do Mundo eles conseguem). Brasileiro gosta mesmo é de ver jogos nos bares da Savassi.

MATHEUS CHAVES: Rafinha tem saído melhor que encomenda e fez uma boa partida. O destaque positivo do jogo fica por conta da nova camisa, que é muito bonita e já está encomendada pela minha patroa como presente de Natal. E, ao vivo, a camisa fica ainda mais bonita. A Umbro tem caprichado nos mantos desde que estreou como fornecedora. De resto, time e torcida já estão no ano que vem.

BRUNO FURLETTI: O jogo do Cruzeiro tem sido o mesmo durante todo o campeonato. Então, não vai adiantar pedir novidade ou outro estilo no final do certame. Ainda mais que não temos nenhum atacante de área disponível no elenco.

JOÃO COSTA: Foi um joguinho burocrático. Salvou-nos o passe espetacular do Robinho e a conclusão de craque do Arrascaaeta. De resto, repetição monótona da maioria dos nossos jogos. Posse de bola sem objetivo, totós pra todos os lados, ameaças de gol beirando ao zero. A cartilha Menesiana levada à perfeição. Só não passamos sufoco porque o Paranaense é muito ruim.

ROSAN AMARAL: Só de ver meu Cruzeiro entrar em campo, já considero justo o preço do ingresso. E ver o golaço do Arrascaeta foi um plus luxuoso. Como brinde, o lançamento do Robinho pro gol do Arrascaeta. Passe igual, nem Gerson fez na Copa de 1970!

EDUARDO ARREGUY: Arrascaeta fez o gol do jeito que o Alisson não fez no clássico e que o Ronho fez dois.

E se vós escalásseis?

sábado, 4 de junho de 2016

PAULO BENTO relacionou, mas não escalou.

  • Fábio, Rafael, França, Brodrigo, Viana, Soares, Leo, Lucas, Bryan, Cabral, Henrique, Romero, Gino, Nazário, Alex, Arrascaeta, Pisano, Robinho, Alisson, Elber, Coutinho, Riascos e Willian.

Nós, os cornetas, é que teremos de escalar. Com liberdade pra mexer no time que venceu.

Meu time:

  • Fábio — Lucas, Leo, Brodrigo, Bryan — Henrique, Romero — Robinho, Arrascaeta — Elber, Riascos.

Quem comprou a Lusa?

quarta-feira, 12 de novembro de 2014

O Ministério Público chegou à conclusão que a escalação irregular do meia Herverton, pela Portuguesa, na última rodada do Brasileiro 2013, foi de caso pensado.

Alguém se locupletou e mandou excluir da pasta, que é entregue ao treinador antes de sair a escalação, o nome do jogador suspenso. O clube recebeu e-mail da CBF alertando sobre a suspensão e, mesmo assim, mandou o atleta a campo.

Os suspeitos são Flamengo e Fluminense. O Fla porque escalou um jogador irregular contra o Cruzeiro, na véspera, e o Flu porque herdou a vaga da Lusa. O Flu ainda tinha esperança de se salvar em campo, pois jogaria no domingo. O Fla, não.

Agora, falta aquele bando de cérebros de galinha, que mandaram chumbo na CBF e no STJD, voltarem ao tema se desculpando. O que, obviamente, não acontecerá. né mesmo?

Manoteiros detectados

sábado, 1 de fevereiro de 2014

Deu no blog Bastidores FC, de Martim Fernandes:

Tanto Flamengo quanto Portuguesa já identificaram, internamente, quem errou na última rodada do Campeonato Brasileiro. Os dois times escalaram jogadores que estavam suspensos, por isso perderam quatro pontos em julgamentos realizados pelo STJD. O Flamengo já sabe quem foi o funcionário que bancou a escalação de André Santos contra o Cruzeiro, apesar de o jogador estar suspenso. Mas decidiu não puni-lo até que o caso seja resolvido. O clube recorreu da decisão do STJD no Tribunal Arbitral do Esporte na Suíça. O presidente do Portuguesa, Ilídio Lico, afirmou que desconfia de dois funcionários do clube no “Caso Héverton”, mas que não pretende afastá-los neste momento. A Lusa vai aguardar o desfecho de uma investigação do MP de São Paulo sobre o caso.

E tanta conversa fiada por nada, hem? Conspiradões, reflitam sobre vossos exageros!

André Santos: “Tentei dar um toque”

quarta-feira, 15 de janeiro de 2014

ANDRÉ SANTOS, lateral esquerdo do Flamengo, sobre sua escalação irregular contra o Cruzeiro, na última rodada do Brasileiro 2013:

  • Estou ali pra jogar, independentemente de qualquer situação ou ocasião. Comuniquei, tentei dar um toque pra saber se não tinha problema. Falaram que estava propício pra eu jogar e eu fui pra campo trabalhar, fazer o que gosto, que é jogar futebol. E acabou dando esse pequeno probleminha.

Considerações:

  1. Comparado ao André Santos, Heverton, da Portuguesa (atualmente, no Paysandu), é um amador.
  2. A arrogância dos flamengos desconhece limites.
  3. A burrice dos conspirações, idem.
  4. O STJD acertou ao punir Lusa e Fla. A situação era tão óbvia que até um leigo, como o jogador rubronegro, percebeu o perigo, com antecedência.

Leitura obrigatória pra adoradores do Boitatá

quinta-feira, 26 de dezembro de 2013

GUSTAVO POLI, em seu blog, no G1, 23dez13

Os fatos, esses chatos

Nós adoramos um boitatá. Mesmo diante de evidências evidentes, da afeição tupiniquim pela lambança como método, e de todas as disposições em contrário… o brasileiro prefere acreditar em forças obscuras. Não há como negar: nutrimos especial apreço pela Mula-sem-cabeça, pela Cuca, pelo Saci-pererê. Queremos discos voadores, duendes travessos e personagens afins.  Vejam a semana do futebol. O caso Héverton cuspiu um Arquivo X por dia. A cada instante, numa rede social ou celular perto de você, surgia uma conspiração diferente. (mais…)

Por que a justiça do futebol deve mudar

sexta-feira, 20 de dezembro de 2013

O site da revista Veja elencos quatro motivos pelos quais se deve mudar a justiça desportiva no Brasil.

  1. MODELO OBSOLETO – Os grandes campeonatos no exterior -inclusive competições da Fifa- não têm julgamentos complexos em casos corriqueiros como expulsões de atletas. Há um regulamento que prevê claramente as penas para cada tipo de infração. Não é preciso reunir um tribunal para discutir o caso: basta aplicar as regras, enquadrar cada caso dentro das penas previstas e definir a suspensão do atleta. O caso de Héverton, por exemplo, não precisaria ir ao tribunal às vésperas do jogo. Logo depois da rodada em que sua expulsão aconteceu, a organização da competição simplesmente confirmaria sua punição por ser expulso ao xingar a arbitragem.
  2. SISTEMA QUASE AMADOR – Ainda que o modelo atual fosse mantido, seria indispensável melhorar os procedimentos do tribunal e da CBF. Julgar um atleta na véspera do jogo é uma incrível distorção -uma equipe só fica sabendo se poderá ou não escalar o jogador a horas de ir para o estádio. Além disso, a falta de um sistema mais preciso de notificação sobre as penas dá margem a erros grotescos como o que rebaixou a Portuguesa. O site da CBF publica os resultados dos julgamentos. Como a sessão do caso Héverton se estendeu até o início da noite de sexta, fora do expediente dos funcionários da entidade, a decisão só apareceu no site na tarde de segunda.
  3. TRIBUNAL ANTIQUADO – Com mais de meia centena de integrantes, entre procuradores e auditores, o STJD tem um organograma inchado e complexo. A escolha dos integrantes do tribunal não costuma levar em conta aspectos exclusivamente técnicos -nos bastidores, há acirrada disputa por uma indicação, já que o órgão, com casos de projeção nacional como o da Portuguesa, acaba servindo de vitrine para seus procuradores e auditores. O presidente do STJD é Flávio Zveiter, que entrou em 2000, aos 19 anos, quando ainda cursava o terceiro ano de Direito no Rio. Ele foi sabatinado pelo próprio pai, Luiz Zveiter, que presidia o tribunal naquela época.
  4. POUCA CREDIBILIDADE – As decisões controversas do passado, com direito a viradas de mesa absolutamente constrangedoras, fazem o torcedor comum ter profunda descrença na justiça do futebol. Em julgamentos anteriores, suspeitas sobre paixões clubísticas, proteção a equipes mais tradicionais e poderosas e conflitos de interesses ficaram marcados na cabeça do fanático por esporte. Resultado: quando o julgamento enfim cumpre a regra da competição, como aconteceu no caso da Portuguesa, há margem para as reclamações e a desconfiança do torcedor, já que o desempenho do tribunal não é consistente. Ou seja, a sensação de injustiça ainda prevalece.

Precisa de mais algum?

É clube humilde, ai que vontade de chorar

terça-feira, 17 de dezembro de 2013

Depois da lavagem cerebral praticada pelos comentaristas do PHD, consigo analisar com mais acuidade os fatos que levaram a Lusa à segunda divisão.

Heverton não estava irregular. Ou, se estava, não jogou. Competente como é, o Jurídico da Lusa jamais permitira um equívoco tão grosseiro.

Profissionais como são, jogador, treinador e gerente da Lusa acompanharam o julgamento e sabiam o resultado, por isto jamais cometeriam o erro de escalar o atleta, caso ele tivesse sido punido.

Mas, então, por que a Lusa perdeu pontos no tapetão? Simples:

  1. Os maus sempre vencem;
  2. A luta de classes no futebol mostrou sua face cruel;
  3. A lei foi mal interpretada;
  4. A mulher do advogado da Lusa torce pelo Flu;
  5. Valed Perry está fazendo hora extra no tribunal;
  6. Zveitão beneficiou Zveitinho num fabuloso negócio imobiliário;
  7. O dólar poderia disparar caso o Flu caísse;
  8. Gilmar Mendes e Joaquim Barbosa, sempre cruéis com os justos e inocentes, interferiram no julgamento;
  9. Com o Flu na segundona, o espetacular PIB brasileiro poderia ficar menor;
  10. A Globo vetou a Portuguesa da Série A;
  11. O STJD resolveu retaliar o PHD, de maioria pró-lusitana.
  12. O STJD errou ao não se valer do direito consuetudinário.

Se alguém souber de outro motivo, conte-o.

O choro dos hipócritas

segunda-feira, 16 de dezembro de 2013

O Cruzeiro já escapou ao menos quatro vezes de perder pontos no tapetão. Ao pé da letra, estava errado ao escalar Augusto Recife contra o Vitória, Wellington Paulista contra o Uberlândia, Tinga contra o CSA e Ellison contra o Vasco. Mas não perdeu um mísero ponto nessas mancadas. E não vi ninguém, aqui no PHD, arrancar os cabelos nem xingar tribunais.

Por que, então esta indignação pueril por conta do rebaixamento da Portuguesa? Chorar porque o tribunal beneficiou o Cruzeiro e chorar porque beneficiou o Flu não faz sentido.

Por que não desancar Manuel da Lupa, ex-presidente da Lusa, por sua irresponsabilidade? Por que não xingar o diretor de futebol da Lusa pela falta de seriedade?Por que não execrar o gerente de futebol da Lusa por sua incompetência? Por que não cobrar do treinador da Lusa  por sua falta de bom senso? Por que não cobrar do jogador da Lusa pelo desinteresse quanto ao que estava acontecendo em sua vida profissional? Foram esses moleques que rebaixaram o clube lusitano, não os julgadores do STJD, que tinham uma legislação clara e inequívoca a lhes impor condicionantes.

Ah, vcs queriam que a pena fosse cumprida ano que vem? Eu também. Mas não é isto o que prevê o CBJD. Queriam que o Flu caísse? Eu também. Mas pedir ao clube tricolor que se imole no altar da desportividade é algo que cabe apenas a seus aficionados.

Além do mais, que moral os chorões têm ao criticar a decisão do STJD e, ao mesmo tempo, pleitear para o Cruzeiro um título no tapetão? O Cruzeiro teve chance na época e não quis, no que fez muito bem. E a chance não é esta que supõem os desinformados. Tartá jogou regularmente. O problema foi outro.

Querem saber de um coisa, bando de chorões? Vcs são piores do que os incompetentes da Lusa com esse chilique todo em defesa do indefensável. Nem querendo os caras da rua da Ajuda teriam como ajudar a Portuguesa. Ponto.

Diretamente da Rua da Ajuda

segunda-feira, 16 de dezembro de 2013

O STJD reuniu-se na Rua da Ajuda, Rio de Janeiro, e decidiu:

  1. Tirar 4 pontos da Portuguesa pela escalação irregular do meia Heverton contra o Grêmio.
  2. Negar pedido do Vasco de anular ou ganhar os pontos da derrota de 5×1 para o AtléticoPR.
  3. Daqui a pouco, o Flamengo também perderá 4 pontos pela escalação irregular de André Santos contra o Cruzeiro. Ou muito me engano.

Resultado: Fla e Flu na 1ª divisão, Lusa na 2ª e segue o baile.

Quem acha o Morrinhão emocionante, ganhou pontos. Esta 39ª rodada está sendo do balacobaco.

A 40ª, quando os recursos será negados, nem tanto, previsível que é.