Até aqui, 35!

Por SÍNDICO | Em 2 de Maio de 2009

Cruzeiro Esporte Clube, 35 vezes campeão mineiro:

  • 1926 – Expulso da LMDT por ter excursionado a Caçapava, interior de São Paulo, o Palestra organizou uma liga dissidente, a AMET, com outros clubes da cidade, e foi campeão pela 1ª vez em sua história. Carvalho, Rizzo e Ciccio; Cicarelli, Nininho e Porphyrio; Piorra, Noé, Satyro Taboada, Ninão e Armando Bazzolli.
  • 1928, 1929, 1930 – Primeiro tricampeonato com a 1ª academia da história do clube. Nos dois últimos títulos, 100% de aproveitamento. Geraldo Cantini, Nereu e João Pedro Rizzo, Bento Russain, Pires e Nininho, Piorra, Ninão, Carazo, Bengala e Armandinho Bazzolli. Tec: Matturi Fabbi.

  • 1940 – Último título do Palestra. Foi disputado numa melhor-de-três contra o Clube de Lourdes. No 3º jogo, no campo do América, o time tricolor venceu por 2×0. Geraldo II, Caieira e Bibi; Souza, Juca (Carazo) e Caieirinha; Nogueirinha, Orlando, Niginho, Carlos Alberto (Geraldino) e Alcides Lemos. Tec: Italo Fratezzi, o Bengala.
  • 1943, 1944, 1945 – Presidido pelo jovem empreendedor Mario Grosso, o antigo Palestra teve em Niginho o condutor da esquadra que entrou para história como Cruzeiro Duro. Geraldo II, Azevedo e Bibi; Adelino Torres, Hemetério e Juvenal (Caieirinha); Nogueirinha, Sellado, Niginho, Ismael Caetano e Alcides Lemos (Braguinha). Tec: Francisco Trindade.
  • 1956 – No início do campeonato, o Clube de Lourdes tentou ganhar os pontos das partidas em que o zagueiro Gerson dos Santos, recém-retornado do Botafogo, atuou pelo Cruzeiro. Não conseguiu. Nos jogos decisivos, o   Cruzeiro deu o troco pedindo a impugnação de duas partidas em que o adversário escalou o lateral-esquerdo Laércio cujos documentos militares haviam sido falsificados. O caso se arrastou por mais de um ano. O Cruzeiro venceu o rival em todas as instâncias, mas a partida anulada não pôde ser marcada por falta de jogadores dos dois clubes em condições legais de jogo. Sem outra alternativa, a FMF teve que dividir o título entre os litigantes. Genivaldo; Gérson dos Santos e Vavá; Adelino Torres, Elio Lazarotti e Pireco; Pelau, Nilo, Gilberto, Guerino Isoni e Chiquinho. Tec: Aírton Moreira.
  • 1959, 1960, 1961 – Conduzido pela dupla Furletti & Brandi, treinado por Niginho e liderado, em campo, por Amaury de Castro, o Cruzeiro estreou a camisa azul-estrelada (na verdade, a estrelas soltas, conforme proposta de Amaury) e quebrou, de vez a hegemonia emplumada que já durava 14 anos. Genivaldo (Mussula), Massinha e Procópio; Clever, Amaury de Castro e Geraldino; Raimundinho (Nerival), Osvaldo Rossi, Dirceu Pantera (Elmo, Paulão), Emerson e Hilton Oliveira. Tec: Niginho.
  • 1965, 1966, 1967, 1968, 1969 – Com o maior time de todos os tempos no futebol mineiro e um dos três maiores da história do futebol brasileiro, (Santos, de Pelé, e Botafogo, de Garrincha, foram os outros), a Academia Celeste conquistou a torcida mineira antes adepta de clubes cariocas e paulistas. Raul Plassmann, Pedro Paulo, William, Procópio e Neco; Wilson Piazza, Dirceu Lopes e Tostão; Natal, Evaldo Cruz e Hilton Oliveira. Tec. Airton Moreira.
  • 1972, 1973, 1974, 1975 – Outra época de ouro com remanescentes do pentacampeonato e os novatos Joãozinho, Nelinho, Palhinha, Roberto Batata e Eduardo Amorim escrevendo páginas fantásticas na história do Mais Querido de Minas. Raul Plassmann, Nelinho, Morais, Darci Menezes e Vanderlei Lázaro; Wilson Piazza, Zé Carlos e Eduardo Amorim, Roberto Batata, Palhinha e Joãozinho. Tec: Zezé Moreira.
  • 1977 – O título impossível. Uma lenda construída com dribles de Joãzinho, chutes de Nelinho e o oportunismo de Revetria. E a maior festa popular que Beagá assistiu desde o título brasileiro de 1966. Raul Plassmann, Nelinho, Zezinho Figueroa, Darci Menezes e Vanderlei Lázaro; Flamarion, Valdo (Eli Carlos) e Erivelto; Eduardo Amorim, Hebert Carlos Revétria (Lívio Damião) e Joãozinho. Tec: Yustrich.
  • 1984 – Após seis anos de vacas magras, a volta por cima com uma goleada fantástica de 5×0 (oficialmente, foi 4×0, já que o 5º gol foi anulado porque o juiz sentiu pena dos emplumados). Ademir Maria, Carlos Alberto, Geraldão, Eugênio e Ademar (Luiz Cosme); Douglas, Palhinha I e Tostão II; Carlinhos Sabiá, Carlos Alberto Seixas e Joãozinho. Tec: João Francisco.
  • 1987 – O garoto Careca estreou na função de carrasco das aves. Gomes I, Balu, Vilmar, Gilmar Francisco, e Genilson; Douglas (Eduardo Lobinho), Ademir Kaeffer e Careca; Robson,  Hamilton e Edson. Técnico: Rui Guimarães.
  • 1990 – Depois de passar a semana na esbórnia, Careca apareceu na Toca no sábado e, no dia seguinte, cumpriu sua missão de depenar as aves. Paulo César Borges, Balu, Gílson Jáder; Adílson Baptista e Paulo César II, Ademir Kaeffer (Roberson); Paulo Isidoro e Careca; Heider, Hamílton e Edson. Tec: Ênio Andrade.
  • 1992 – Com rodízio e tudo, o Cruzeiro foi campeão com um pé nas costas. E tendo o centroavante reserva, Toto, como artilheiro do campeonato. Paulo César Borges, Paulo Roberto Costa, Célio Lúcio, Luizinho e Nonato; Douglas, Marco Antônio Boiadeiro e Luís Fernando Flores; Betinho (Cleison), Renato Gaúcho (Toto) e Roberto Gaúcho (Edson). T: Jair Pereira.
  • 1994 – O Fenômeno dez gato e sapato das aves. Dida,Paulo Roberto Costa (Zelão), Célio Lúcio, Luizinho, Npnato (Helinho), Ademir, Toninho Cerezo (Valdir), Macalé, Cleisson (Careca); Ronaldo Fenômeno e Roberto Gaúcho. Técnico: Ênio Andrade.
  • 1996, 1997, 1998 – O 6º tricampeonato começou com Zezé Perrella desdenhando o torneio, que chamou de Rural, antes de o time remontar a grande vantagem emplumada no hexagonal decisivo, seguiu com a final história contra o Villa em que o Mineirão recebeu seu maior público, e encerrou-se com a chuva de gols de Fábio Jr. e a demissão do goleiro emplumado ainda nos vestiários. Dida (Paulo César Borges), Gustavo, Marcelo Djian, Wilson Gottardo e Gilberto; Valdir, Ricardinho e Palhinha II (Marcos Paulo, Caio), Bentinho (Elivélton); Fábio Júnior e Marcelo Ramos (Alex Alves). Tec: Levir Culpi.
  • 2002, 2003, 2004 – O primeiro título saiu num supercampeonato, os outros foram na maciota, sem sustos. Gomes II; Maicon, Criz (Marcelo Batatais), Edu Dracena e Sandro; Augusto Recife (Jardel), Maldonado, Wendell (Martinez) e Alex (Márcio); Jussiê e Schwenck (Lima). Tec: Paulo César Gusmão.
  • 2006 – Wagner fez o gol do título contra o Ipatinga, no Vale do Aço. Valeu como revanche da final do ano anterior quando o Tigre impediu o tetracampeonato do Cruzeiro, no Mineirão. Fábio; Jonathan (Luizinho), Moisés (André Leone), Edu Dracena e Júlio César; Diogo, Fábio Santos, Leandro Bomfim (Francismar) e Wagner (Jonilson); Élber (Alecsandro) e Gil (Araújo). Tec: Paulo César Gusmão
  • 2008 – Com um 6×0 no placar agregado das duas partidas da final contra o Clube de Lourdes, Adílson Baptista, perseguido implacavelmente pela mídia e por boa parte da torcida, deixou sua marca na história do Mais Querido de Minas. Fábio; Jonathan, Thiago Heleno, Thiago Martinelli e Jadílson; Charles (Elicarlos), Fabrício (Henrique) e Ramires (Marquinhos Paraná); Wagner; Marcinho e Marcelo Moreno (Guilherme). Tec: Adílson Baptista

P.S.: Obviamente, as escalações não são válidas para todos os jogos nem mesmo para todas as temporadas. São as de alguns jogos marcantes de cada temporada.

74 comentários para “Até aqui, 35!”

  1. Cleber Mendes disse:

    Boa noite estrelados: Jorge Santana, o bicampeonato, em 1929, também teve cem por cento de aproveitamento.

  2. Cleber Mendes disse:

    Satyro Taboada campeão pelo Palestra? Eu sei que esse cidadão jogou pelo América.

  3. Mauro França disse:

    Os titulos de 72 a 75 me marcaram muito, porque foram os primeiros que comemorei como torcedor celeste. O de 87 também foi especial, por quebrar a hegemonia dos emplumados e por ter sido o primeiro em que fui a todos os jogos.

  4. Arthur disse:

    Amanhã continua a Luta

    Pra mim nada está acabado, o inimigo está tonto, mas é traiçoeiro e não se deve dar moleza. Conseguimos uma ampla vantagem, mas seria muito ruim sair de campo amanhã com placar adverso, mesmo sendo campeão. Seria uma especie de renascer desse povo qus sósabe criticar, que só sabe desfazer do CRUZEIRO, e usam de todos os espaços para isso.
    _A modificação daquele jargão “Ei, gueilo vai tomar no uc!”, quer -em minha opinião- era levado por muitos como uma mensagem ao infeliz torcedor rival; foi de certa forma corrigido, atingindo-se AGORA efetivamente o “gueilo” certo, que são aqueles que criam e mantém esse STATUSQUO da equipe cocota. Esses que alimentam as mentiras mil como: “TORCEDOR QUE NUNCA DESISTE” (700 x 21000), “TORCEDOR QUE NÃO ABANDONA O TIME” (será qeu estamos em outro país?), “TORCEDOR QUE NÃO VAIA O TIME”, “MAIOR TORCIDA DE MINAS” (será que Minas agora é só Belzonte?), e outras pérolas que foram repetidas trocentas vezes e um fanatismo alimentado com requinte de crueldade, pelos mesmos da mídia cocorjinha.
    _Hoje, aos poucos, os torcedores estão sabendo de fato quem faz campanah contra o nosso técnico, quem coloca jogadores contra a comissão técnica, quem vive querendo a cabeça dos Perrelas, e tudo mais. Existe muito nesse mundinho da comunicação onde o $$$ e o domínio notório de forças cocoticas impede que as verdades apareçam.
    _mas, se tomando 2 sapecadas de 5, não se emendam, que a coisa continue. Não é hora de diminuir, mesmo porque semana que vem teremos outras lutas e é preciso sium, o time coeso, com força, com garra pra encarar tudo o que vem pela frente. Nada melhor do que mais este clássico para confirmar a boa fase, para colocar mais acertado o time e confirmar todo o trabalho feito até aqui.
    _Já ganhou? Isso é coisa de pateticano. Muito adequado o cruzeirense não comemorou título, e está certo. Título se comemora com faixas e volta olímpica na hora e no momento certo. Quem sempre comemora antes, é a famosa abelhinha apressadinha… Já hoje, ouvi a mídia ensinuando isso, sendo que de fato, o nosso torcedor está quieto, como sempre. Fosse o contrário, como seria hein???
    _Não quero pensar, afinal com muito menos já é um povo sem limites…
    _espero que o ADILSON, fique esperto. Não acredito na contusão do TARDELLI, ele joga, e o mesmo ocorre com o JUNIOR. A não participação do LEANDRO ALMEIDA e do RENAN, podem contra balançar a ausência de RAMIRES ( o perseguido do PC), e do LEONARDO SILVA. Ausências lamentáveis, principalmente considerando O que esse LEANDOR A. fez no jogo. Será que a chuteira na cabeça dele, vai fazer esse moço cair na real, e respeitar mais os colegas de profissão? Não sei, duvido.
    _Espero que o CRUZEIRO não brinque em serviço, e jogue com o mesmo empenho, como disse 5×0 já foram. Faltam ainda 3 partidas para superarmos as cocotas e batermos um novo recorde que o ADILSON mais que ninguém merece. È uma chance que vem sendo construida a tempo, e que os jogadores façam o melhor dentro de campo, par que possam coroar este título merecido, com mais uma vitória, se for possível. Mesmo 1×0 está bom!
    ABS/ART

  5. Ronaldo disse:

    Montando uma seleção apenas com jogadores que eu vi jogar e foram campeões, esse era um time que eu gostaria de vê-lo jogar. Critérios: 1. identidade com o clube (e marcaram época positivamente). Gomes I, Balu, Geraldão, Adílson Baptista e Nonato; Ademir Kaeffer, Ricardinho (Luís Fernando Flores) e Douglas (Marco Antônio Boiadeiro); Alex10, Careca e Edson (Elivélton). Técnico: Adílson Baptista supervisionado pelo Mestre dos Mestres, Sr. Ênio Andrade. Já fiz as três substituições. Fala sério!!! Gomes pegava demais, Balu com seu cruzamento perfeito, a zaga muito segura, Nonato eficiência, Ademir e Ricardinho são barreiras intrasponíveis, Douglas pura habilidade, Alex10 o gênio, Carecone atropela os adversários, e Edson velocidade em direção ao gol. Ninguém aguentava! Boiadeiro entrava para dar toque de bola na hora certa, junto com LFF. Elivélton entraria para fazer o que ele mais sabe: o gol do título. ps. Não vi o título de 84 mas lembro do Geraldão anos depois.

  6. llr disse:

    1987: A primeira vez que eu estive presente ao estádio para ver o Cruzeiro jogar (1a partida contra o rival) / 1990: A primeira vez que eu estive presente ao estádio para ver o Cruzeiro ser campeão. Estava na geral (para arquibancada não havia mais ingresso) bem atrás do gol que Careca cabeçou para marcar o gol do título! Festa inesquecível, a 1a de muitas! Tudo de uma época em que o Mineirão era um gigante verdadeiro, nunca lotava com menos de 70.000 pessoas…

  7. Ronaldo disse:

    Verdade, llr. Jogo com 50 mil era possível ver espaços vazios no estádio. Atualmente está esquisito.

  8. walfrido disse:

    Me lembro do campeonato e da final de 84 mas não estava no estádio. O primeiros desses títulos que eu vi ao vivo no Mineirão foi o de 1987. Bela referência histórica. Para quem viu todos, como o Evandro, parece que o mais emocionante foi o de 77. Confere?

  9. walfrido disse:

    Dos que eu vi, estou na dúvida qual foi o mais emocionante. Por enquanto voto em 2008, até alguém me convencer do contrário. Eu estava muito pluto com o que aconteceu em 2007, Autuori, lesco-lesco, com as pizzas e zuações das frangas.

  10. Flavio Carneiro disse:

    Todos os títulos são marcantes, mas os estaduais “mais marcantes” para mim foram os de 1977 (“Rei”vétria), 1984 (grito engasgado), 1997 (recorde de público), 2003 (tríplice coroa) e 2008 (a vingança, com goleada histórica no ano do centenário do rival). Se a história do jogo amanhã for bem escrita, o título desse ano também entrará para o grupo dos “mais marcantes”.

  11. Ronaldo disse:

    walfrido, o evandro me disse que o de 1930 foi o mais emocionante que ele já viu no estádio, por ter sido o primeiro tricampeonato. como ele já viu o cruzeiro campeão mineiro 35 vezes, deve ser difícil escolher! hehe.

  12. walfrido disse:

    Qual foi o mais importante que vc viu, Ronaldo? Vamos cada um tentar eleger um apenas.

  13. Rantunes disse:

    O título de 84 foi o que mais me marcou. O primeiro que vi o Cruzeiro conquistar depois que comecei a frequentar o Mineirão. Fui nos 2 jogos.Ver a primeira abelhinha queimando o pano de chão zebrado depois de tomar de 4 a 0 (todos os gols no 2º tempo) não tem preço. Ver as abelhinhas compactadas no chiqueirinho do América pela 1ª vez não tem preço. Gritar ” é campeão” em um Mineirão totalmente azul não tem preço…

  14. Hermes disse:

    Prefiro o de 1977, pela arrogancia de time e da imprensa pateticana. Outra lembrança:estava em um ap, o vizinho de baixo era o Barbatana. Calcula o que aconteceu.

  15. Rodrigo Gomes disse:

    Os mais comemorados por mim foram os titulos de 1996 e 2008. Marcantes.

  16. walfrido disse:

    Conta mais, Hermes.

  17. Flavio Carneiro disse:

    Se for para eleger apenas um, fico com o título de 1977. Nessa época eu tinha 12/13 anos e acho que foi nesse dia que as cinco estrelas foram tatuadas para sempre no meu coração.

  18. rosan amaral disse:

    JS, faltou o maestro a ser negritado em 1997: Pallhinha II.

  19. walfrido disse:

    Rosan, vc que é véio também, qual é sua final mais marcante?

  20. Carlos Campos disse:

    cada um tem sua mística… o de 1996 foi o mais diferente… passar todo o jogo contra o mequinha com o ouvido no radinho e esperar os últimos minutos em Uberlândia de joelhos no primeiro degrau da arquibancada foi demais. Naquele dia, após o apito final em Uberlândia, vi Cruzeirenses virando cambalhota nas arquibancadas do Mineirão. Os poucos que foram ao estadio naquele dia fizeram uma festa incrível!… 96 foi muito diferente! TINHAM OS POSTERES QUE O CHICO MAIA JÁ TINHA MANDADO FAZER… KKKKKKKKKKKKKCERES… já davam o título como certo… rsrs… Elas sempre foram assim… 1977 foi o início dessa arrogância nos mineiros que eu lembro…

  21. Flavio Carneiro disse:

    Se o Cruzeiro voltar a vencer por 5×0 amanhã, será o “vice campeonato” mais marcante da história, afinal as cocotas jogam por 2 resultados iguais… kkkkk.

  22. Carlos Campos disse:

    q poder essas franguinhas possuiam nos nossos meios do poder… em 1984, conseguiram proibir o corpo de bombeiros de emprestar o caminhão para levar o time campeão! ISSO É UMA VERGONHA PARA A HISTÓRIA DO NOSSO CORPO DE BOMBEIROS DE MINAS GERAIS… mas foi muito bem dito na coluna: presenciei, pela primeira vez na história, a polícia militar fazendo um verdadeiro cordão com policiais e EMPURRANDO, realmente emburrando “empurra a cachorrada”… Quem não estava lá em 1984, precisa saber: publico pagante 99.257 (algo em torno disso)… deviam ser 95000 mil Cruzeirenses pagantes… uma loucura… Oswaldo Evangelista, 2 horas antes do jogo começar, bradava a plenos pulmões na radio do emanuel: “atreticano, venha para o estádio. A torcida do gaylo é imortal e não pode sofrer tamanha humilhaÇão!”… E o Cruzeiro ganhou o título mas, só levou a taça 4 anos depois em decisão dos tribunais. FOI MUITO ESPECIAL ESSE TITULO. Aquele 5 a zero na quarta foi demais! (foi cinco mesmo… anularam de forma absurda nosso quinto gol. O tecnico João Francisco ficou louco e queria invadir o campo para bater no juiz!… E o show de tostão, carlinhos, joãozinho e as defesas milagrosas de Ademir Maria no primeiro tempo, em faltas de eder e nelinho marcaram aquela final. A proteção da imprensa era tão grande, q Elzo entrou para marcar o carlinhos sabiá naquela final. O OSWALDO EVANGELISTA disse q o elzo anulou o carlinhos na direita “tanto q ele teve q ir para o meio da area para poder jogar”!… detalhe: o carlinhos fez dois gols naquele jogo. KKKKKK KKKKKceres…

  23. Carlos Campos disse:

    84 foi demais!… aqueles 4 a zero (na realidade cinco, foi demais!)

  24. Carlos Campos disse:

    1987… realmente… marcante! quem se lembra q o juiz marcou um impedimento do ataque das frangas, aos 45 minutos do seg tempo, a torcida azul achou q era o final do jogo e invadiu o campo? estava 1 a zero, gol do carecone… e ainda não era o final do jogo… o oswaldo evangelista estava louco na radio do emanuel… limparam o campo… e no reinicio do jogo, robson fez 2 a zero… a torcida invadiu de novo… e ojuiz mandou limpar o campo de novo… ahh… o oswaldo evangelista soltou: NAO PRECISA TER JOGO MAIS, A TORCIDA DO ATRÉTICO NAO PRECISA SOFRER ASSIM… kkkkkkkkceres

  25. Walterson disse:

    Prezados, estive ontem visitando o Museu do Futebol e vi uma informação que considerei errada. Em uma placa sobre os maiores estádios, está escrito que o maior público pagante do Mineirão foi Atlético 0x1 Cruzeiro, em 1969, com 129.377 pagantes. Mas não foi o Jogo contra o Vila Nova?

  26. Gleyton disse:

    JS deveria manter mais atualizado seu amigo Juca Kfouri sem braço. Segundo seu blog o Cruzeiro conquistará seu 32o. título mineiro.

  27. rosan amaral disse:

    Walfrido, minha final inesquecível foi a de 1969, quando me tornei cruzeirense: Cruzeiro 1 X 0, gol de Natal. A de 1977 teve gosto da final de 2008. O Hermes descreveu bem o clima: arrogância do time zebrado (Cerezo, Marcelo, e Reinaldo) e da mídia.

  28. Gleyton disse:

    Walterson, o público “pagante” do Cruzeiro e Vila Nova realmente não superou este. Este jogo foi o maior em público presente. Se eu não me engano, na época mulheres e crianças não pagaram.

  29. Cláudio Ianni disse:

    Carlos Campos,eu estava em quase todos estes jogos inclusive no jogo contra o América em 1996 gol de Ailton !

  30. JJ disse:

    OT- O que a imprensa chilena está achando do jogo U. Chile x Cruzeiro nas oitavas:

  31. Meus amigos, 1977 foi inesquecível, pela forma que Nelinho, Joãozinho, Eduardo e REVÉTRIA calaram os meninos do Barbatana, dentre os quais um boquirroto de nome Toninho Cerezzo, o filho do palhaço moleza, que disse que enquanto ele, Reinaldo, Marcelo e Paulo Isidoro jogassem no time das cocotas, eles JAMAIS perderiam do Cruzeiro… e viram o time deles apanhar de 3 x 2 e 3 x 1 e abriram o berreiro, como sempre fazem. 1984 é marcante pelos 4×0 na final do returno, pelo golaço de Seixas e pela humilhante cacetada quebrando 6 anos de escrita deles… Mas, eu me lembro demais das finais de 1972. Dia da Independência. O Cruzeiro tinha vendido Tostão e Palhinha (que finalmente ganhava a titularidade) fazendo os 2 gols decidiu o título para nós, em cima das Cocotas que vinham de um título nacional, aliás, o único dos MONOTÍTULOS… Um grande abraço – JCDuarte

  32. Walterson disse:

    João Duarte, lembro tambem do Ortiz prometendo cortar o cabeleo se perdesse mas não me lembro dele ter cumprido a promessa. Gleyton, valeu pela informação.

  33. Arthur disse:

    Bem, não gosto de ver gente “pateticana” insistitndo em tirar ou diminuir o que é nosso.Acho que o TORCEDOR DO CRUZEIRO E DE MINAS TEM DE SE INFORMAR MELHOR. Procurei a notícia e passo ela pra vcs… “O recorde de público presente foi em 22 de Junho de 1997, na final do Campeonato Mineiro entre Cruzeiro e Villa Nova (Mulheres e Crianças entraram gratuitamente): foram registrados 132.834 pessoas presentes no estádio. O menor público do Mineirão, foram 489 pagantes, numa vitória do Atlético-MG por 2 a 1 sobre o Democrata, de Governador Valadares, em 5 de maio de 1999. E o segundo pior foi registrado no mesmo ano, com apenas 539 pagantes, numa goleada do Atlético-MG de 4 a 0 sobre a URT, dia 12 de junho. O maior público pagante de um jogo internacional oficial disputado no Mineirão também pertence ao Cruzeiro. Foi em 21 de dezembro de 1976, no empate sem gols com o Bayern de Munique, da Alemanha, na segunda partida da decisão do Mundial Interclubes, quando 113.715 torcedores acompanharam a conquista do título pela equipe alemã, que tinha vencido o jogo de ida, em casa, por 2 a 0. Confira os 9 maiores públicos do Mineirão:

    * 22 de Junho de 1997 – 132.834 – Cruzeiro 1-0 Villa Nova – Campeonato Mineiro
    * 4 de Maio de 1969 – 123.351 – Atlético 0-1 Cruzeiro – Campeonato Mineiro
    * 9 de Outubro de 1977 – 122.534 – Cruzeiro 3-1 Atlético-MG – Campeonato Mineiro
    * 26 de Outubro de 1980 – 115.983 – Atlético-MG 1-0 Cruzeiro – Campeonato Mineiro
    * 13 de Fevereiro de 1980-115.142 – Atlético-MG 2-1 Flamengo – Amistoso
    * 21 de Dezembro de 1976- 113.715 – Cruzeiro 0x0 Bayern de Munique – Mundial Interclubes
    * 15 de Maio de 1983 – 113.479 – Atlético-MG 0-0 Santos – Campeonato Brasileiro
    * 8 de Novembro de 1981 – 112.919 – Atlético-MG 1-1 Cruzeiro – Campeonato Mineiro
    * 2 de Junho de 1968 – 110.432 – Atlético MG 1-2 Cruzeiro – Campeonato Mineiro ”

    (129.000 PAGANTES não existe portanto!!! sem essa!!!)

    Fonte:http://ibituruna.blogspot.com/2008/08/mineiro.html

  34. André disse:

    A historia nao mente nunca vai mudar. SEMPRE VEREMOS AS FRANGAS PERDER E CHORAR!! A arrogancia delas só aumenta o orgulho de ser cruzeirense. Calculem quantos desses titulos elas já davam como ganho e perderam. E quanto batem na gente, recebem o troco em dobro, vide 2007 e 2008 e 2009. É BOM DEMAIS SER CRUZEIRENSE!

  35. Mauro França disse:

    Todos os titulos são marcantes, cada um tem um gosto especial. Mas se eu tivesse que escolher um só, seria o de 72. Jogo dificil, 1×1 no tempo normal, 1×0 na prorrogação, dois gols do Palhinha, como lembrou o JCD, que, por sinal, escreveu uma bela página heroica imortal sobre este jogo na sua coluna do cruzeiro.org. Foi este jogo que me tornou um cruzeirense fanatico.

  36. Walterson disse:

    Arthur, a informação sobre público no Mineirão tá lá no Museu do Futebol (tenho foto pra provar), não tem nada de pateticanos desmerecendo a maior de Minas.

  37. Carlos Campos disse:

    lembrar q entregamos o titulo de 2005 dentro do Mineirão… bastava um empate… INCRIVEL… JOGAVAMOS PELO EMPATE DENTRO DE CASA… E PERDEMOS O TITULO MAIS INCRIVEL DA NOSSA HISTÓRIA

  38. Carlos Campos disse:

    2007 FOI A DERROTA MAIS ROUBADA DA HISTÓRIA… aquele 4 a zero foi muito roubado… ninguem fala muito disso….

  39. Carlos Campos disse:

    Mestre João Duarte, arrisca outros titulos mineiros q nos foram roubados?

  40. Binho disse:

    Hermes, Barabatana morou em minha rua no Noa Suissa, Teodoro de Abreu. Você morou lá ou foi após? O título mais marcante em minha opinião foi o de 77. Favas contadas pra lourdinhas. Conversa fiada a semana inteira após a vitória no primeiro jogo. Fomos lá e a colocamos no puleiro devido.

  41. Rodrigo Gomes disse:

    Vendo a escalação do time de 2006, me veio a pergunta: alguém sabe o que o Diogo está fazendo da vida? Se teve algum outro problema relacionado ao coração? Se está bem? Peço essa ajuda aos universitários, pois eu era fã desse cara.

  42. Dylan disse:

    a que eu mais vibrei foi a de 77 indiscutivelmente, é a maior de todos os tempos, mas a de 74 foi especialmente marcante por ser a minha primeira final no Mineirão, dias antes do natal. E aquele jogo teve duas coisas raras: o Joãozinho fazendo gol de cabeça e o Vanderlei fantasminha que raramente ia pra frente também marcando o seu.

  43. Binho disse:

    Foi mal: Barbatana, Nova Suissa, você. Aliás Barbatana tinha um filho deficiente mental.

  44. Gleyton disse:

    Carlos Campos concordo com vc que a final de 2007 teve um “problema” de arbitragem que foi o penalty marcado no “cai-cai” do Danilinho que gerou o terceiro e, por consequencia, o quarto do zebrado famigerado. Um 2a 0 como estava antes deste lance não teria dado o título ás cocotas. Se isto fosse contra eles estariam até hoje reclamando com a ajuda da imprensinha.

  45. Gleyton disse:

    Pois pra mim o campeonato inesquecível foi o de 90, Careca gandaieiro. Porque foi o primeiro que realmente acompanhei, por passar a ter idade para entender as coisas, e porque fechou um ciclo ruim para o Maior de Minas e também dos Gerais na década de 80.

  46. Carlos Campos disse:

    2004 a final do Cris…uma prova de como a imprensa mineira é maldita! NAQUELA FINAL, A IMPRENSA TIROU TODO O FOCO PARA A BRIGA QUE O GOLEIRO DE M.E.R.D.A delas provocou..o timeco delas já ia pro vestiário e o gayduardo provocou tudo…

  47. Cleber Mendes disse:

    Bom dia estrelados: Minha final mais marcante foi a de 1977, foi a primeira que eu vi televisão. Os quatro gols do Revetría, ou Revétria?, o golaço do Lívio, irmão do Luís Cosme e, para o grand finale, o gol do Joãozinho, meu maior ídolo no futebol, que enterrou a empáfia dos pateticanos Toninho Cerezo, Reinada e caterva. Me lembro que vi, logo após o jogo, um torcedor das galinhas reconhecendo a justiça da vitória do Cruzeirão Multisupercampeão. A decisão do 2º turno do campeonato de 1984, com aqueles 4 a 0 fantásticos, é igualmente inesquecível, pelo baile no segundo tempo e pela quebra da hegemonia galinhesca. O título de campeão mineiro de 1974 é especial para mim, pois foi o primeiro conquistado no ano em que comecei minha saga de torcedor cruzeirista. Em 1996 eu torci furiosamente pelo Uberlândia no jogo contra as galinhas. Mas todos os títulos são memoráveis e hoje, como disse o Dez de Ouros Dirceu Lopes para o grande capitão Wilson Piazza, é dia de vitória!

  48. simone b de castro disse:

    Para mim, o de 2003 não foi mais emocionante, pq foi de pontos corridos, não houve uma final com o nosso rival penado.Mas claro que vibrei muito. Mas o do ano passado, depois daquela armação toda para elevar o timeco deles que vinha da segundona, foi demais! Estava claro como àgua que algo ruim iria ser feito. Além do mais, ouvir pateticano zoando o ano inteiro a nossa MURALHA AZUL, por aquele gol que deveria ter sido ANULADO (havia outra bola dentro do gol e o Fábio ia buscá-la), foi demais pro meu colesterol.Fizeram até música pra ele! Ali eu tive a certeza de toda a armação. Aí, em 2008 devolvemos o placar com juros, pra mim não teve preço! E está acontecendo de novo, e vamos sepultar toda a arrogância dos galináceos hoje! DÁ-LHE, ZEIRO!

  49. Arthur disse:

    WALTERSON- não estou desfazendo de vc, nem dizendo que vc esteja mentindo. Algo errado há, merece uma verificação e uma correção. QUEM garante que esses dados do “museu do Futebol” estão certos? Ou os publicados por aquele SITE? cARECE POR CERTO VERIFICAÇÃO.Sem dúvida é um bom trabalho de pesquisa, pelo maior escriba das causas azuis, o nosso querido JS, não é mesmo? E aí mestre, vai emendar essa de prima??? 123 ou 129 mil, essa é a questão! ABS/ART

  50. Arthur disse:

    Sobre títulos não sei quantas vezes ouvi o VILLIBALDO morrendo cantando o 3;o gol do JOÃOZINHO em 77, meu 2.o ano na EEUFMG, trabalhava de monitor e estudava. A turma azul fez a festa na escola. Éramos minoria então, por isso mesmo a comemoração era ainda maior. Em campo vi uma ds maior de 3, de 67, que foi em jan/68 (isso mesmo?). Vi o DIRCEU fazendo 1×0 no MUSSULA (por anos pensei que era o MAZURCA), e depois de um infeliz 0x1 pras frangas, depois que na quarta tinhamos feito 4×0. Me lembro, que o JOÃO apontou os dedos pra cima, dizendo faltam 3!”. E EU só faltei morrer gritando, “faz 1 gol ai, não perde não!!! Tinha ido pra ver taça, festa, e nada ocorreu. depois num 2×2 de uma taça MG , onde por muito pouco não fui parar num hospital, parei de ir em clássico por um longo tempo. Mas de todas as vitórias de campeonato a que mais vibrei foi mesmo a de 1977. Quem foi ver Guei-naldo teve que ver REI-VÉTRIA… até hoje procuram o Ortiz pra cortar os cabelos dele, onde estará? Deve estar do lado do Aexandre Elian, sumido do planeta… ABS/ART

  51. Jorge Santana disse:

    Gleyton, o Juca diz que o Cruzeiro vai conquistar o 34º título. Errou só por dois. Normal. A mídia do Eixo desconhece o que se passa fora de seu quintal. Importante é o torcedor do Cruzeiro conhecer a história. O resto é irrelevante.

  52. Damas disse:

    Até aqui 39. O mais comovente que presenciei in loco foi o Hexa de 83. De longe vi alguns amigos que hoje frequentam o blog descerem as escadas chorando. Mas futebol é assim mesmo, hoje quem está triste e desmotivado sou eu. Bom jogo prá vocês. Eu cá do meu lado vou numa rocinha aqui perto comer um franguinho caipira com angu. A vida segue e tem que ser bem vivida……

  53. Walterson disse:

    E o tardelli continua engasgado. Mas acredita que é possível, com a ajuda da massa, e porque “o patético é visto como time de garra e determinação”.

  54. A final inesquesível foi a de 1990, pois cheguei no Brasil em 1989 e foi a primeira vez que vi o Cruzeirão campeão… O de 1984 bati na trave… pois passei por aqui de ferias em 1983… mais já estava predestinado.. pois assiti aquele jogo maravilhoso de 1983, onde o cruzeiro enfiou 4 jgols no Atlético-MG (4×1, em 11dez83: Seixas, 2, Carlinhos Sabiá, Ademar e Paulinho Kiss). abraços… vamos lavar a alma novamente hoje

  55. jrgalvao disse:

    Os mais comemorados, nao tenham duvidas foram os de 77 Revetria, 84 seixas e 96 Ailton, este foi bom demais as frangas ja se achavam. Poucas testemunhas no mineirão, depois do jog na savassi foiinsquecivel um monte de zebrado chorando e a china azul chegando pra festa. O de 2008, tambem, é inesquecivel pelo sinca zero

  56. Jorge Santana disse:

    Velho Damas, os 39×35 são perfeitamente explicáveis. O Clube de Lourdes deisputa campeonatos desde 1915 (quando ainda nem era de Lourdes). O Cruzeiro começou a pelejar pelos canecos em 1921.

  57. marco disse:

    Incrível como é a imprensa. Na reportagem sobre o Tardelli falam claramente que o lance contra o flamengo FOI penalti. Lembro que naquela semana houve uma gravação que mostrou CLARAMENTE o contrário. É muito difícil…

  58. Naldo M disse:

    Caro JS e demais, eu comecei a torcer para o Cruzeiro verdadeiramente em 1979. O primeiro jogo que eu assisti foi Cruzeiro x Internacional pelo Campeonato Brasileiro daquele ano, eram dois grandes times, o Internacional venceu por 3 X 2 e acabou conquistando o Tri-Campeonato. Naquela época em minas quem mandava era a cocota com os títulos mineiros de 1978,79,80,81,82 e 83 e o vice brasileiro de 1980. Incrível que quanto mais eu via o Cruzeiro perder mais vontade eu tinha de vê-lo ganhar. Portanto em 1984 foi a primeira vez que vi o Cruzeiro ser campeão, já morava no DF e ainda tive que esperar a justiça dos garantir o que já era nosso. Festejei sozinho em um reduto dominado pelos times do Rio de Janeiro. Cruzeirense da gema.

  59. Naldo M disse:

    Obs. já nasci cruzeirense por influência paterna, mas só em 1979 é que comecei a ser um torcedor de acompanhar o time e chorar e sorrir com ele.

  60. Desde que este gringo riverplatense/cruzeirense pisou esta terra já é um time completo (11 títulos). E hoje começo com o segundo time.
    Estou já saindo para o Mineirão.
    Abraços e rumo ao BI-DIRETO. JFS

  61. marco disse:

    Já o galo… Na década de 90 apenas três títulos e na de 2000 somente dois… O cruzeiro teve seis títulos em cada uma dessas décadas…

  62. walfrido disse:

    Bom, já tô saindo de casa. Vou almoçar com meus pais e de lá vou pro Mineirão, por volta das 13hs. Vou encontrar minha galera, tomar aquela gelada e comer um churrasquinho de frango. Por volta das 15hs subo pras especiais e ficarei totalmente a direita, como de costume. Espero vê-los por lá. Tenho certeza que o AB vai mesclar o time, mas acordei e mudei de idéia hj. Quero o time titular pelo menos no 1o tempo. Poupararia no 2o. O mais importante é que qualquer time que entre tem que jogar com muita vibração, raça e seriedade. Uma derrota, mesmo que magra, vai apagar parte do brilho, justamente num momento de reencontro time-torcida. Força Cruzeiro. Pra cima delas…

  63. marco disse:

    Já na Era Mineirão… 23 a 17 para o cruzeiro…

  64. Leo Vidigal disse:

    Naquela final de 77 tinha 10 anos e estava em Sabará, tive que ouvir o jogo no radinho vendo uma faixa do outro lado da rua com os dizeres: “Cruzeiro, obrigado por valorizar o nosso título”, rapidamente retirada depois dos gols de REIvétria. Em 1984 levei pedra dos torcedores galináceos revoltados quando tentava voltar de ônibus do Mineirão…
    Mas uma final marcante pra mim foi aquela de 1990, melhor que aquele jogo final foi o anterior, 3 X 1, que decidiu o segundo turno e forçou o 1 X O. Nesse 3 X 1 o Hamilton quase marcou um gol de meia bicicleta, depois do Carecone deixar o Clebão no chão, mas a bola infelizmente bateu na trave, senão seria 4 X 1…
    Avante Cruzeiro, pra mais um título!!!!

  65. carfelix disse:

    Bom dia GALERA!!!!! 36 logo JS!!!! Meu Rural Cup preferido foi sem dúvida a final contra o Vila, aquela invasão, o absurdo de gente, foi fabuloso, o mineirão nunca esteve tão lindo, foi SHOW, foi de arrepiar!!!! Ali a China Azul foi vista pela 1ª vez a “olho nú”!!

  66. RAUL MIRANDA PENNA disse:

    De todos esses citados, não há dúvida de que o de 77 foi o melhor de todos. Das asneiras faladas pelo Cerezo até a gozação da imprensa, dizendo que o Cruzeiro era um time de velhos, passando pela arrogância do Ortiz (goleiro do pijama listrado), aqueles dias foram terríveis. Observem o time do Cruzeiro, cheio de craques: Raul, Nelinho, Vanderlei, Zé Carlos, Eduardo e Joãozinho. Acrescente-se a esses, o inesquecível Revétria, que merece um busto na Toca da Raposa, por ter proporcionado à torcida, talvez, a maior alegria da sua história. Talvez vocês achem que eu esteja exagerando, mas somente quem viveu aquela semana consegue entender.

  67. Vou passar recibo para a provocação do Ronn…
    Fica muito difícil escolher “o mais emocionante” etc e tal.
    Acrescentaria à lista do FlavioCarneiro o campeonato de 1996 que tínhamos uma GRANDE desvantagem faltando três rodadas e ganhamos o título. Aquele lá eu não acreditava qua ganhássemos.

  68. Uberaba disse:

    Jorge
    Parece que agora tem mais um querendo aparecer às custas do Cruzeiro. É o tal do Juca kfouri, que forma, ao lado de Trajano, Guedes e outros (exceção PVC) a equipe mais irônica e parcial da TV brasileira. Sem contar o desrepeito aos ouvintes (semana passada o tal Juca mandou a torcida do Bota se catar!!!).
    A última, agora, é desmerecer o Cruzeiro, em tudo. Até no nº de títulos mineiros. E está até usando seu nome para tentar justificar, em uma discussão no blog dele.
    Eu não assisto mais programas da ESPN que ele está trabalhando. Lugar de palhaço e “bobo alegre” é no circo.

  69. Romarol disse:

    Pra mim, o título de 1987 foi o mais marcante, pois foi o primeiro que vi. Presente no Mineirão, estive em 1997 e 1998. Perdi no Mineirão o de 2005. Agora, o de 2008 e 2009 nenhum cruzeirense esquecerá. Será lembrando para sempre como o bi das goleadas.

  70. 1977 – Revétria Forever
    1984 – Show de Carlinhos Sabiá
    1987 – Careca , o carrasco
    1990 – Careca , o Retorno
    1992 – Renato e Roberto , a dupla infernal
    1994 – Ronaldinho – O menino de Ouro
    1996 – Arrogância Galinácea castigada
    1997 – Dida, a muralha e Marcelo Ramos Matador
    1998 – Show de Fábio Júnior
    2002 – Sorín
    2003 – Show de Alex , Deivid e Aristizábal
    2004 – Alex , O talento Azul
    2006 – A vingança contra o Ipatinga
    2008 – Cinco a Zero – Show de Ramires e Cia

  71. llr disse:

    Parábens Adilson!!!!!!!!!!!!! Um baita treinador!!!

  72. llr disse:

    Caaaaaaaaaaaaaaaaaaaaaaaammmmmmmmmmmmmmmmmmmpeeãooaoooo!!!!!!!!!!!!!!!!

  73. Naldo M disse:

    Uberaba, sempre disse isto aqui. Comigo ele não se cria.

Deixe um comentário

Você precisa fazer o login para publicar um comentário.