Adílson pede a permanência de Ramon

Por Jorge Angrisano Santana | Em 13 de janeiro de 2020

ADÍLSON BATISTA pediu a permanencia do beque Ramon, ex-Vitória, contratado por Itair e Wagner (e não por Zezé, como dissseram algumas bestas).

O salário de R$180 mil (recebia R$35 mil no Vitória) irritou o Núcleo Diretivo, que tentou desfazer o negócio. André Cury, agente do atleta, contratacou tirando Ederson do clube celeste.

Parece, contudo, que se chegou a um acordo, alongando-se o tempo de contrato, com redução salarial e o rapaz deve ficar na Toca II.

Sobre ele opinou o jornalista Vitor Villar, do Correio . “Ramon nunca fez o tipo xerifão. Teve altos e baixos no Vitória. É um cara tímido, mas que tem técnica, podendo inclusive jogar de volante. Surgiu em 2015 e foi muito bem na Série B. Não é vigoroso, mas sabe antecipar e desarma bem”.

Marcello Góis, da Rádio Excelsior, completou: “Ramon tem potencial. Começou no Vitória em 2005, vindo do Bahia de Feira, clube formador muito organizado. Ajudou no acesso à Série A, em 2015. Teve altos e baixos, mas atuou com todos os treinadores. Jogou também como volante, mas é zagueiro de ofício. Tem velocidade e boa antecipação, mas precisa atuar ao lado de alguém mais firme. Vai ajudar o Cruzeiro na Série B, pois tem experiência na competição”.

Como, provavelmente, Adílson só contará com Weverton na lateral direita e Adriano e Cabral na volância, ele deverá ser aproveitado nestas posições até mais do que na bequeira, onde não há carência de jogadores.

O que não pode é o termocéfalo vaiá-lo por ele não jogar tanto quanto Dedé, Orejuela ou Ederson. Um pouco de chá de realidade não fará mal aos torcedores cruzeirenses, mesmo os mais aloprados.

Deixe um comentário

Você precisa fazer o login para publicar um comentário.